Indústria da Construção Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indústria da Construção Civil"

Transcrição

1 Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1

2 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos, que em seguida podem ser, ou não, comercializados. Grupo de Materiais de Construção 2

3 Industrialização da Construção Civil é o emprego, de forma racional e mecanizada, de materiais, meios de transporte e técnicas construtivas, para se conseguir uma maior produtividade. Instituto Eduardo Torroja de la Construcción y del Cemento Grupo de Materiais de Construção 3

4 Tem sido considerada uma indústria atrasada quando comparada a outros ramos industriais!!! Baixa produtividade Grande desperdício Baixo controle de qualidade Morosidade Grupo de Materiais de Construção 4

5 É uma indústria? Sim Isso torna o projeto da fábrica mais complexo Seriada? Geralmente não!!! Grupo de Materiais de Construção 5

6 Por que geralmente não? Fábrica de Pré-moldados Fábrica de cimento São seriadas!!! Grupo de Materiais de Construção 6

7 - Dificuldades O que é a fábrica? Canteiro de obras Grupo de Materiais de Construção 7

8 - Dificuldades O que é a fábrica? Canteiro de obras É preciso projetar? Grupo de Materiais de Construção 8

9 - Dificuldades O que é a fábrica? Canteiro de obras Dificuldades para Projetar: 1 - Produto fica e a fábrica sai Indústria de automóveis permanece no mesmo lugar durante anos produzindo o mesmo produto Na Construção Civil o produto é finalizado (um só) e a fábrica é desmobilizada. Grupo de Materiais de Construção 9

10 - Dificuldades O que é a fábrica? Canteiro de obras Dificuldades para Projetar: 2 - Faz-se uso intensivo de mão-de-obra Baixos salários favorecem o uso de grande quantidade de operários. Isso torna a concepção do processo construtivo e áreas de vivência mais complexas. Grupo de Materiais de Construção 10

11 - Dificuldades O que é o projeto da fábrica? Canteiro de obras Dificuldades para Projetar: 3 - As especificações (projetos) são menos detalhadas É mais difícil conceber uma fábrica se o produto e/ou o processo não foram detalhadamente concebidos. Grupo de Materiais de Construção 11

12 - Dificuldades O que é o projeto da fábrica? Canteiro de obras Dificuldades para Projetar: 4 - Seriam necessários diferentes projetos de fábrica para um único produto As atividades mudam ao longo do tempo. Escavações / Fundações / Estrutura / Alvenarias / Revestimentos (praticamente feito pelo mesmo profissional). Grupo de Materiais de Construção 12

13 O Produto Pontes e viadutos Estradas Obras de contenção Obras de saneamento Casas Edifícios Barragens Outros Grupo de Materiais de Construção 13

14 Componentes Vedos verticais Paredes Grupo de Materiais de Construção 14

15 Componentes Vedos verticais Divisórias Grupo de Materiais de Construção 15

16 Componentes Vedos verticais Esquadrias Grupo de Materiais de Construção 16

17 Componentes Vedos verticais Revestimentos Grupo de Materiais de Construção 17

18 Componentes Vedos verticais Pinturas Grupo de Materiais de Construção 18

19 Componentes Vedos horizontais Lajes Telhados Grupo de Materiais de Construção 19

20 Componentes Vedos horizontais Fôrros Revestimentos Impermeabilização Grupo de Materiais de Construção 20

21 Fundações Componentes Sapatas Grupo de Materiais de Construção 21

22 Fundações Componentes Estacas Grupo de Materiais de Construção 22

23 Elementos portantes Pilares Vigas Componentes Grupo de Materiais de Construção 23

24 Elementos portantes Parede estrutural Componentes Grupo de Materiais de Construção 24

25 Componentes Instalações Louças e metais sanitários Sistemas de conforto térmico ativo Instalações elétricas Instalações Hidro-sanitárias Grupo de Materiais de Construção 25

26 Componentes Instalações Sistema de segurança e controle (Câmaras, alarmes, sensores) Segurança contra incêndio Sistema de comunicação (telefonia, internet) Grupo de Materiais de Construção 26

27 Componentes Sistemas de transporte e circulação Escadas Escada rolante Grupo de Materiais de Construção 27

28 Componentes Sistemas de transporte e circulação Escadas Escada rolante Grupo de Materiais de Construção 28

29 Componentes Sistemas de transporte e circulação Rampas Corredores Elevadores Grupo de Materiais de Construção 29

30 Especialistas Engenheiro Residente Engenheiro de Estruturas Clínico Geral Calculista Engenheiro de Fundações Engenheiro de Instalações Arquiteto TRADICIONAIS!!! Grupo de Materiais de Construção 30

31 Especialistas Engenheiro de Estradas Engenheiro de Barragem Entre outros Grupo de Materiais de Construção 31

32 Especialistas Quanto maior o avanço tecnológico, maior a necessidade de novos especialistas. Consultor de Concreto Consultor de Alvenaria Dosagem e execução Consultor de Revestimentos Consultor de Patologia Consultor de Pisos Obras antigas Grupo de Materiais de Construção 32

33 Projetos Isto gera uma quantidade cada vez maior de projetos: Projeto de Arquitetura Projeto Estrutural Aço Madeira Concreto Alvenaria Estrutural Grupo de Materiais de Construção 33

34 Projetos Isto gera uma quantidade cada vez maior de projetos: Projeto de Instalações Elétricas Projeto de Instalações de Telefonia Projeto de Instalações Hidro-sanitárias Projeto de Canteiro de Obras Grupo de Materiais de Construção 34

35 Projetos Isto gera uma quantidade cada vez maior de projetos: Projeto de Alvenaria Projeto de Revestimento Projeto de Piso Projeto de Recuperação estrutural Projeto de Reforço Grupo de Materiais de Construção 35

36 Equipe de Obra: (direção) Profissionais Engenheiro Residente Estagiário Técnico de Segurança do Trabalho Mestre de Obras Grupo de Materiais de Construção 36

37 Profissionais Equipe de Obra: (subordinados) Pedreiro Carpinteiro Ferreiro Encanador Eletricista Ajudantes Almoxarife Operador de Grua Grupo de Materiais de Construção 37

38 Normalização: Normas Processo de formulação e aplicação de regras para o tratamento ordenado de uma atividade industrial, comercial ou social específica. Grupo de Materiais de Construção 38

39 Normalização: Normas Pelos seus fundamentos, deve ser um processo de simplificação, baseado em resultados já consolidados da ciência, da técnica e da experiência. Grupo de Materiais de Construção 39

40 Normas: Normas Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso comum e repetitivo, regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. Definição da ABNT Grupo de Materiais de Construção 40

41 Normas Normas: Documentos que descrevem conceitos, produtos, procedimentos, métodos de ensaio e símbolos, estabelecidos por especialistas de uma determinada área ou setor industrial, aprovados por um organismo oficial de normalização e definidos para aplicação em uma instituição, empresa, país ou região. Grupo de Materiais de Construção 41

42 Normas - Conceito: Normas NBR Aglomerantes de origem mineral - Terminologia Normas - Produtos: NBR Cimento Portland composto - Especificação Grupo de Materiais de Construção 42

43 Normas - Procedimentos: Normas NBR12655 Concreto de cimento Portland - Preparo, controle e recebimento - Procedimento Normas Métodos de ensaio: NBR10340 Agregados - Avaliação da reatividade potencial das rochas carbonáticas com os álcalis de cimento Método de ensaio Grupo de Materiais de Construção 43

44 Normas - Símbolos: Normas NBR5730 Símbolos gráficos empregados na coordenação modular da construção Grupo de Materiais de Construção 44

45 Normas Segundo L. H. Ceotto (2004), a normalização pode cooperar para reduzir problemas crônicos do Setor da Construção Civil: Concorrência predatória. Práticas ilícitas. Monopólios. Regulamentos obsoletos. Desconhecimento do cliente. Aumento da competitividade setorial. Grupo de Materiais de Construção 45

46 Normas Entender a normalização como fator de desenvolvimento setorial Grupo de Materiais de Construção 46

47 Normas Importância Econômica Padronização Permite interconexão (energia elétrica, por exemplo) Estabelece padrões de grandeza (metrologia) Facilita acesso a mercados (nacionais, internacionais) Cria ambiente competitivo Competição pode beneficiar consumidor Grupo de Materiais de Construção 47

48 Importância Econômica Normas Defesa contra concorrência desleal Redução da qualidade pode levar a redução de custo a custa de prejuízos para a sociedade Pode evitar à consolidação de cartéis Grupo de Materiais de Construção 48

49 Importância social Normas Defesa do consumidor Adotada pelo Código de Defesa do Consumidor Estabelece padrão aceito de desempenho Simplificação de contratos Referência a norma técnica evita repetir descrição Facilita comunicação Grupo de Materiais de Construção 49

50 Normas Importância técnica Estabelece padrões de grandeza e formas de medir Por exemplo na metrologia: metro, grama, Volt, Watt Estabelece procedimentos padrões para os mais diversos setores Soluções confiáveis Aumenta nível de segurança de operações Facilita a avaliação e a certificação da qualidade de produtos e serviços Grupo de Materiais de Construção 50

51 Normas Importância técnica Simplifica a atividade técnica Orienta, educa e protege técnicos e profissionais Auxilia vistorias e perícias em processos judiciais Grupo de Materiais de Construção 51

52 Normas Entidades de Normalização: Nacionais ABNT (Brasil) - ASTM (USA) BSI (Inglaterra) Internacionais ISO International Organization for Standardization - (fundada em 1947) Associação Mercosul de Normalização (AMN) CEN Comunidade Européia Grupo de Materiais de Construção 52

53 Normas Normalização no país: a ABNT Órgão responsável pela normalização técnica no Brasil (Fórum Nacional de Normalização) Diretoria eleita pelos sócios da ABNT Pessoas físicas e Jurídicas Sociedade civil, sem fins lucrativos, iniciou as atividades em 1940, na área de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 53

54 Normas ABNT/CB - Comitê Brasileiro (ABNT/CB) Coordena a normalização em áreas específicas Órgão da estrutura da ABNT Superintendente eleito p/sócios da ABNT inscritos ABNT/ONS - Organismo de Normalização Setorial É um organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos, Credenciado pela ABNT para coordenar normalização em área específica Grupo de Materiais de Construção 54

55 Normas Comitês Brasileiros - construção civil CB02 Construção civil CB03 Eletricidade CB16 Transporte e tráfego CB18 Cimento, Concreto e Agregados CB22 Impermeabilização CB24 Segurança contra incêndios CB28 Siderurgia CB31 Madeiras CB35 Alumínio CB37 Vidros Planos CB39 Implementos rodoviários CB40 Acessibilidade CB55 Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento Grupo de Materiais de Construção 55

56 Normas Confecção de normas no Brasil (normalização consensual) Grupo de Materiais de Construção 56

57 Normas Sequência de atividades: 1. Demanda da sociedade 2. Elabora texto-base especialista 3. Comissão de Estudos aberta paritária consumidores, produtores, neutros consenso trabalho voluntário conflito de interesses Grupo de Materiais de Construção 57

58 Normas Sequência de atividades: 5. Votação pública 6. Análise dos votos 7. Registra NBR Consome muito tempo Resultado depende dos participantes Qualidade técnica não é garantida Grupo de Materiais de Construção 58

59 Normas As normas ou especificações prescritivas Grupo de Materiais de Construção 59

60 Normas As normas ou especificações prescritivas: Definem características básicas dos materiais e componentes de construção tradicionais; Não podem assegurar o comportamento em serviço, ou seja, o seu desempenho; Baseadas na experiência pelo seu emprego repetitivo; Grupo de Materiais de Construção 60

61 Normas As normas ou especificações prescritivas: Têm efeito de preceito, ou de determinação expressa, para efeito de fabricação ou compra; Maioria das normas de materiais e componentes para vedação e acabamento?? Grupo de Materiais de Construção 61

62 Normas Tendências atuais: Normas de desempenho Focam o comportamento em serviço e englobam os conceitos de vida útil (de projeto, de serviço). Uso da abordagem de desempenho para a normalização maior flexibilidade para os usuários DIFICULDADE: Elaboração mais complexa Grupo de Materiais de Construção 62

63 Normas CONSULTA NACIONAL A VOTAÇÃO SERÁ GRATUITA Desde 01/08/2005 todos os Projetos de Normas Brasileiras em Consulta Nacional estão liberados para votação SEM QUALQUER ÔNUS. Essa é mais uma ação da ABNT para permitir amplo acesso da sociedade brasileira e aumentar a transparência do processo de normalização. ACESSE E VOTE! Sua participação é muito importante para o desenvolvimento da Normalização no Brasil. Grupo de Materiais de Construção 63

64 CONSTRUÇÃO CIVIL: Normas Grande variedade de materiais e componentes com propriedades múltiplas para serem verificadas Grupo de Materiais de Construção 64

65 Normas CERTIFICAÇÃO: Certifica conformidade com norma técnica específica. Certificação de 3a parte Organismo independente, credenciado pelo INMETRO Certificacão de produtos Certificacão de sistemas Referência: Grupo de Materiais de Construção 65

66 Normas CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS: Inspeção do processo de fabricação Análise do sistema de controle de qualidade Coleta de amostras Mercado Fábrica Ensaios Compara com os requisitos da normalização Emite certificado / ou marca de conformidade (selo) Validade determinada Grupo de Materiais de Construção 66

67 Normas CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS: Certificação de 3a. Parte Certificação de unidade de empresa Filial, escritório, planta Sistemas de gestão da qualidade ISO 9000 Sistema de Gestão Ambiental ISO Não analisam qualidade de produtos! Grupo de Materiais de Construção 67

Materiais de Construção II TC 031

Materiais de Construção II TC 031 Materiais de Construção II TC 031 Normalização Prof. Marcelo Medeiros Adaptado pela prof.a Laila Valduga Artigas 1 Normas e responsabilidades para engenheiros: Hammurabi, rei da Babilônia 1.800 AC, escreveu

Leia mais

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Grupo de Materiais de Construção 1 Especialistas Engenheiro Residente Engenheiro de Estruturas Engenheiro de Fundações Engenheiro de Instalações Arquiteto

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil 1.1 Indústria da Construção Civil Disciplina: Planejamento e Controle de Obras Aula 01 Introdução ao Planejamento de Obras Professora: Engª Civil Moema Castro, MSc. É UMA INDÚSTRIA? Indústria: toda atividade

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

Disciplina: Engenharia Civil Integrada

Disciplina: Engenharia Civil Integrada Disciplina: Engenharia Civil Integrada Aula 01 Indústria da Construção Civil Professora: Engª Civil Moema Castro, MSc. Notas de aula (bibliografia consultada) do Prof. Dr. Marcelo Medeiros UFPR 2016. É

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1

Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções NORMA Documento técnico que descreve Objetivamente um PADRÃO TÉCNICO aceito pela sociedade. Estabelecido por consenso e

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 www.abnt.org.br 1 Quem é a ABNT? ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 Fórum Nacional de Normalização único Membro fundador

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

Certificação de Sistemas e Produtos. ABNT Certificadora

Certificação de Sistemas e Produtos. ABNT Certificadora Certificação de Sistemas e Produtos Copant Fortaleza 09/05/2012 Antonio Carlos Barros de Oliveira Gerente Geral de Certificação Topícos ABNT Normalização Internacional e Nacional Certificação Panorama

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 05 (CINCO) ANOS LETIVOS MÍNIMO: 05 (CINCO) ANOS LETIVOS A) TEMPO TOTAL:

Leia mais

Indústria da Construção Civil:

Indústria da Construção Civil: Indústria da Construção Civil: Introdução - Parte I Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Sumário O que significa ISO?; Como surgiu?; Qual o seu propósito?; Quem é o representante da ISO no Brasil?; O que é a ISO 9001 e sobre o que trata?; Qual a

Leia mais

IPR Instalações Prediais

IPR Instalações Prediais IPR Instalações Prediais Programa: Sistemas Prediais de Água Fria Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Professora Andreza Kalbusch Sistemas Prediais de Água Quente Sistemas Prediais de Águas Pluviais

Leia mais

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006.

PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006. PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006. I) INDICADORES PARA AVALIAR A QUALIDADE DA COLETÂNEA NACIONAL EM RELAÇAO A COLETÃNEA INTERNACIONAL Com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade

Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sua Adequação para Novas Demandas Elizabeth Cavalcanti Assessora da Presidência Inmetro Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sinmetro Inmetro

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância ISO série 9000 Evolução Histórica e Importância O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação

Leia mais

Na casa da minha vida, só cerâmica

Na casa da minha vida, só cerâmica Na casa da minha vida, só cerâmica Anicer lança campanha para promover o produto cerâmico A Anicer deu início a uma campanha publicitária com ênfase nas mídias digitais para valorização do produto cerâmico.

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Qualidade em Indústria de Biotecnologia

Qualidade em Indústria de Biotecnologia Qualidade em Indústria de Biotecnologia Aula 1 Prof a. Dr a Ilana L. B. C. Camargo Curso: Ciências Físicas e Biomoleculares Disciplina: Microbiologia e Biotecnologia Industrial IFSC - USP Automação no

Leia mais

Materiais de Construção Civil

Materiais de Construção Civil Materiais de Construção Civil DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Esp. Benedito Ribeiro E-mail: benedito_tecnologiaeng.civil@hotmail.com Importância e História dos Materiais de Construção É de grande

Leia mais

NORMAS SÉRIE ISO 14000

NORMAS SÉRIE ISO 14000 NORMAS SÉRIE ISO 14000 O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação mundial de organismos

Leia mais

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo...

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Fonte de recursos para projetos novembro 2012 1. Patrocínios 1.1 PATROCÍNIO A EVENTOS E PUBLICAÇÕES (Revisado) Data limite: 60 dias de antecedência

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS Seminário de Apresentação, 18 de junho 2014 Tópicos Introdução Saídas profissionais Funcionamento Plano de Estudos Calendário Escolar Datas candidaturas Ingresso

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Associação. MERCOSUL de Normalização - AMN. Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade

Associação. MERCOSUL de Normalização - AMN. Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade Associação MERCOSUL de Normalização - AMN Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade Organismos Internacionais e Regionais de Normalização CANENA CROSQ CEN CENELEC CAN COPANT AMN Regulamentação

Leia mais

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco Certificação de Pessoas Danilo Stocco Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de Ensaios Não

Leia mais

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC?

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? INTRODUÇÃO AO FSC O que é FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover o manejo responsável

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

// ABRALISO ABRALISO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS

// ABRALISO ABRALISO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS ABRALISO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS 1 Organização sem fins lucrativos. Representa os fabricantes nacionais de lãs isolantes minerais (lã de vidro e lã de rocha).

Leia mais

Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão

Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão Nº 01/2002 I. Sumário Executivo II. Conceitos e Metodologias III. Passos de implantação Check list IV. Bibliografia Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão I. Sumário Executivo

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Reabilitação Sustentável

Reabilitação Sustentável Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL 7 O próximo desafio ARQUITETURA 8 Deixe que as suas ideias

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR CARGO: ADVOGADO I - DIREITO CONSTITUCIONAL. Dos direitos e garantias fundamentais. Dos Municípios. Da Administração Pública. Dos Servidores Públicos.

Leia mais

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS Carmo & Calçada COMPONENTES: Amaury Costa Maurício Brayner Paulo Roberto Marques Carmo & Calçada TITULO Soluções Para Encunhamento Entre

Leia mais

BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO

BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO SALAS COMERCIAIS E ESTACIONAMENTOS 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...03 1.1. O EMPREENDIMENTO...03 1.2. PROJETOS E ÁREAS...03 1.3. - LOCAÇÃO DA OBRA...04

Leia mais

Apartir da década de 70, com a necessidade de suprir o déficit habitacional

Apartir da década de 70, com a necessidade de suprir o déficit habitacional 423. 42 Orestes M. Gonçalves é engenheiro civil (1974), mestre (1979), doutor (1986) e livre docente (1997) pela Universidade Federal de São Paulo (USP). Diretor da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve.

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve. Light Steel Framing PORTEFÓLIO 2 QUEM SOMOS A INSIDEPLAN foi criada com o intuito de responder às exigências do mercado no âmbito da prestação de serviços a nível de projecto e obra. Na execução de projectos

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28. Sistemas Mecânica Escadas Rolantes

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28. Sistemas Mecânica Escadas Rolantes http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28 Sistemas Mecânica Escadas Rolantes Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 4 4.

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

A Norma ABNT NBR ISO 50001 Gestão de energia. André Carvalho

A Norma ABNT NBR ISO 50001 Gestão de energia. André Carvalho Normalização A Norma ABNT NBR ISO 50001 Gestão de energia Cursos André Carvalho Analista Técnico Certificação ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT Normalização Entidade sem fins lucrativos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos.

Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos. Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos. Prof. Renato Vieira 2014 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

Leia mais

Materiais de Construção Civil II

Materiais de Construção Civil II Materiais de Construção Civil II ENG 2301 2015/1 [C01-1/2/3] Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: CNPQ PUC Goiás Planejamento Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Contexto atual da Engenharia 3/26 Contexto atual

Leia mais

Id Nome da tarefa Trabalho Duração Início Término Predecessoras Nomes dos recursos

Id Nome da tarefa Trabalho Duração Início Término Predecessoras Nomes dos recursos 0 Cronograma A CASA 16.263 hrs 654 dias Ter 01/09/09 Qui 12/04/12 1 1 Gerenciamento do Projeto 904 hrs 56,5 dias Ter 01/09/09 Seg 23/11/09 2 1.1 Gerenciamento de Integrações 32 hrs 2 dias Ter 01/09/09

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto

As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto O Mercado Atual As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto Pelo Incorporador e necessidade de alto VGV A valorização

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 11 Sistema de proteção física Sistema de proteção de equipamentos Sistema de proteção individual Normas da ABNT 1 Normas ABNT s Certificado de

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011)

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011) NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011) 1. Introdução Sabemos que a busca da qualidade sempre acompanhou a evolução do homem, visto que queremos cada vez mais aprimoramento

Leia mais

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Simpósio Polo Gesseiro do Araripe Potencidades Problemas e Soluções UFRPE 12 a 14 de agosto de 2014 Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Centro Tecnológico do Araripe CTA Rua Antônio

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A NORMALIZAÇÃO Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini, em livros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2

Leia mais

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA 1. Introdução Com frequência sou consultada a respeito do caráter legal das Normas Técnicas Brasileiras e tenho percebido que esse tema é recorrente

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Sessão de Debate Regional Sudoeste, 01/07/2011 UTFPR Campus Pato Branco Região: Sudoeste Cidade: Pato Branco Data do debate: 01-07-2011

Leia mais

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006.

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre a reestruturação organizacional da Secretaria Executiva de Estado de Obras Públicas - SEOP e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 ESTRUTURAS METÁLICAS José Alberto Bittencourt Goulart e-mail: betogoulart@yahoo.com.br Maio/2014 Sorocaba/SP Desde o século XVIII, quando se iniciou a utilização de estruturas metálicas na construção

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS. Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11

MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS. Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11 MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11 Nossa Missão Contribuir para a conformidade dos produtos junto aos órgãos competentes,

Leia mais

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 DEFINIÇÃO VISÃO ESPACIAL HISTÓRIA - O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de objetos

Leia mais

Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO. 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP

Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO. 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP Panorama da modernização da construção no Brasil Resumo: Visão de contexto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

Certificação de Pessoas

Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas O que é? Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes e competências do trabalhador, requeridos pelo sistema produtivo e definidos em termos

Leia mais

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva ISO 14000 Pedro G. Fernandes da Silva A ISO 14000 é uma forma abrangente e holística de administrar o meio ambiente que inclui regulamentos, prevenção de poluição, conservação de recursos e proteção ambiental,

Leia mais

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social Nosso ponto de partida Responsabilidade Social: conceito em evolução e práticas em difusão, sendo incorporadas ao cotidiano dos empresários

Leia mais

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista 20 de maio de 2011 Inmetro - Principais Atividades Metrologia Científica e Industrial Metrologia

Leia mais

ANEXO I PARTE A ANTEPROJETO DE LEI ITABUNA IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU. VALOR DO m² PARA CÁLCULO DO VALOR PREDIAL

ANEXO I PARTE A ANTEPROJETO DE LEI ITABUNA IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU. VALOR DO m² PARA CÁLCULO DO VALOR PREDIAL ANEXO I PARTE A ANTEPROJETO DE LEI ITABUNA IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU VALOR DO m² PARA CÁLCULO DO VALOR PREDIAL TABELA DOS TIPOS E PADRÕES DE CONSTRUÇÃO TIPO 1 - RESIDENCIAL - PADRÃO "E"

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Ensaios de equipamentos eléctricos e electrónicos. Paulo Cabral Laboratório de Metrologia e Ensaios do IEP

Ensaios de equipamentos eléctricos e electrónicos. Paulo Cabral Laboratório de Metrologia e Ensaios do IEP Ensaios de equipamentos eléctricos e electrónicos Paulo Cabral Laboratório de Metrologia e Ensaios do IEP Plano Apresentação Legislação da União Europeia Evidência da conformidade Normalização electrotécnica

Leia mais

ANO 2011 2012 2013 2014 VAGAS 40 80 80 80

ANO 2011 2012 2013 2014 VAGAS 40 80 80 80 PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO OFERTA DE CURSOS FIC - FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA 1.

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

O RISCO INVISÍVEL DAS MODERNAS CONSTRUÇÕES

O RISCO INVISÍVEL DAS MODERNAS CONSTRUÇÕES 1º. Seminário de Prevenção de Emergências e Pânico do Estado do Rio de Janeiro 1º. SePEP-RJ O RISCO INVISÍVEL DAS MODERNAS CONSTRUÇÕES Rio de Janeiro, 11 de julho de 2013 ROBSON SANTOS BARRADAS rsbarradas@gmail.com

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais