de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Desempenho e as Inovações Tecnológicas"

Transcrição

1 Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência de Governo SUDES Superintendência de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável GEPAD Gerência Nacional de Gestão, Padronização e Normas

2 Histórico CAIXA Apoio à Pesquisa e Tecnologia. Patrocínio de estudos, pesquisas e publicações FINEP.. Programa HABITARE Programa Tecnologia em Habitação.. Programa PROSAB Pesquisa em Saneamento Urbano.. Convênio Eletrobrás Eficiência energética na habitação.. Projetos de Iniciativa Própria: IPT e FURNAS.. Parcerias com o setor da construção civil na elaboração de cartilhas sob concreto, aço, gesso e outras.

3 Histórico CAIXA Apoio às Normas. Participação nos Principais Fóruns Técnicos do País: Comissões Técnicas e Nacionais do SiAC, SiMaC e SINAT PBQP H Ministério das Cidades; CTECH Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação PBQP H Ministério das Cidades.. Comissões de Estudos da ABNT

4 Histórico CAIXA Apoio à Norma de Desempenho. Através do FINEP em 1999 patrocina a ABNT COBRACON na elaboração da Norma de Desempenho NBR Participação no planejamento e no debate técnico desde 1999, contribuindo para a conclusão dos textos base em julho de º consenso: a norma definiria os requisitos e critérios para atendimento aos usuários, enquanto a metodologia de avaliação técnica e aprovação seriam tarefa do SINAT Sistema Nacional de Avaliações Técnicas no PBQP H.

5 Histórico CAIXA Apoio à Norma de Desempenho. Outro consenso era o de que o conceito de Desempenho valia tanto para sistemas construtivos inovadores como para os convencionais.. A CAIXA apoia o texto final publicado em Maio de 2008.

6 Aspectos da Norma.A Norma abrange todas as atividades e setores da economia, além da sociedade em geral e é um documento resultante do diálogo e do consenso.. Oportunidade de maior articulação do setor e evolução da qualidade das construções brasileiras: sócios do desempenho. Carlos Alberto de Moraes Borges.A Norma vai contribuir para elevação do desempenho de diversos sistemas e produtos.

7 Aspectos da Norma. A norma foi desenvolvida para atender as necessidades dos usuários de imóveis ao longo de uma vida útil de projeto.. Os níveis de desempenho são inferiores a de outros países, aceita se o nível Mínimo (obrigatório), além do Intermediário e Superior.. Deve se investir em projeto, providenciar estudos necessários evitando se os riscos previsíveis na sua concepção.. A abordagem de desempenho define os resultados que se deseja atingir.

8 Reflexo da Norma no Setor da Construção Civil. Será necessário mudar a forma de atuar e participar de todos: o meio técnico, projetistas e construtores, deverão ser capacitados para o cumprimento; a norma tornará a concorrência no setor mais saudável; será aprofundada a legislação sobre a responsabilidade na construção civil; os fabricantes de materiais precisarão se adequar a nova realidade; os consumidores deverão elaborar e implementar programas de manutenção corretiva e preventiva.

9 Conceito de Inovação. Sistema Construtivo Inovador (SINAT): aquele que incorpora uma nova concepção e representa uma alternativa à tecnologia convencional e que não seja objeto de norma brasileira prescritiva e não tenha tradição de uso no território nacional.. Comprovar desempenho através da ABNT NBR Não havendo norma, é necessário observar uma diretriz SINAT.

10 Site SINAT

11 RTA Relatório Técnico de Avaliação

12 Novo cenário do crédito imobiliário. Ampliação do volume de crédito. Redução das taxas de juros e aumento dos prazos. Abertura de capital das empresas de construção. Empresas atuando nacionalmente. Empresas buscando escala de produção e sistemas construtivos inovadores

13 Comprovação de desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores junto à CAIXA. Viabilidade Prévia: análise e validação do projeto e da documentação técnica da inovação proposta, mediante Relatório Técnico de Avaliação RTA.. O relatório deve ser emitido por Instituição Técnica Avaliadora, com reconhecida competência e capacitação laboratorial.. O relatório deve ser conclusivo, avaliar as diversas tipologias, casas térreas, sobrados e prédios quanto ao conforto acústico e térmico entre outros ensaios.

14 Exemplo Capa RTA

15 Aprovação CAIXA dos resultados do desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores. Ensaios: devem abranger e atender a todos os requisitos de desempenho da NBR e as Diretrizes SINAT (quando houver).

16 Ensaios de segurança estrutural Impacto de corpo mole Fechamento brusco

17 Ensaios de segurança estrutural Resistência à compressão excêntrica Impacto de corpo mole em porta

18 Ensaios de segurança estrutural Resistência à carga transmitida por peças suspensas

19 Ensaios de desempenho acústico

20 Zonas bioclimáticas

21 Aprovação CAIXA dos resultados do desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores. Ensaios: Segurança estrutural (estabilidade, impactos de corpo mole e de corpo duro, carga suspensa, impacto de porta) Segurança ao fogo Conforto térmico por tipologia e pelas 8 regiões bioclimáticas Conforto acústico Estanqueidade e Durabilidade

22 Quadro resumo da avaliação - RTA

23 Quadro resumo da avaliação - RTA

24 Quadro resumo da avaliação - RTA

25 Comprovação de desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores junto à CAIXA. A Viabilidade Prévia tem validade de até um ano e permite produção de empreendimentos de pequeno porte com número de unidades controlado.. Mediante a contratação da ITA para obtenção do DATEC e de instituição para Monitoramento de Obra, a quantidade de unidades pode ser reavaliada.. O resultado do Monitoramento de Obra também é objeto de análise na ampliação do número de unidades a ser concedida ao sistema.

26 Aprovação CAIXA dos resultados do desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores. Viabilidade Definitiva: autorização concedida às inovações que comprovem desempenho satisfatório para todos os requisitos da NBR junto ao SINAT com apresentação do respectivo DATec, complementados pelo Monitoramento da Obra e por Avaliação Técnica em Uso.. Documento de Avaliação Técnica DATec: documento síntese de divulgação dos resultados da avaliação técnica do produto, realizada por uma Instituição Técnica Avaliadora, com a chancela SINAT.

27 DATec Número do DATec Data da Emissão e da Validade Descrição do Sistema

28 DATec

29 DATec

30 Aprovação CAIXA dos resultados do desempenho de Sistemas Construtivos Inovadores. Monitoramento de Obra: atividade para atestar os serviços realizados e materiais empregados, efetuada por instituição técnicocientífica (universidade ou instituto de pesquisa), com reconhecida competência.. Avaliação Técnica em Uso (avaliação pós ocupação): atividade de vistoria técnica, entrevista com moradores e emissão de relatório comprovando o desempenho do sistema construtivo em uso e após decorrido o prazo mínimo de 24 meses após o habite se.

31 Parede de Concreto moldada in loco

32 Parede de Concreto moldada in loco

33 Parede de Concreto pré moldada

34 Parede de Concreto pré moldada

35 Parede de Concreto pré moldada

36 Concreto - PVC

37 Concreto - PVC

38 GIDUR 4 Recebe o relatório, analisa os documentos, emite parecer consubstanciado e faz contato na Matriz. FLUXO 5 Proponente GIDUR 3 2 Contrata o Relatório de AvaliaçãoTécnica junto a Instituição Avaliadora ou busca junto ao SiNAT seu DATec Analisa o empreendimento da forma usual. Encaminha o Roteiro Padrão ao proponente indicando os procedimentos necessários. GEPAD convoca profissional da GIDUR local + grupo de referência e faz a aprovação APROVAÇÃO Proponente 1 Solicita avaliação técnica do seu sistema inovador

39 A CAIXA e o desempenho de Materiais Construtivos. A CAIXA não homologa e nem valida o uso de materiais construtivos.. Programas Setoriais de Qualidade PSQ no âmbito do PBQP H ou Organismo de Certificação de Produto (OCP) acreditado pelo INMETRO, quando convencionais.. Quando tratar se de materiais inovadores o assunto deve ser submetido à avaliação do Sistema Nacional de Avaliação Técnica SINAT do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat PBQP H.

40 A CAIXA e o desempenho de Materiais Construtivos. Cabe ao responsável técnico pelo projeto e pela obra a responsabilidade pela especificação e uso adequado dos materiais e componentes.. Cabe ao fabricante garantir a correta aplicação do seu produto, fornecer assistência técnica nas diversas fases do processo especificação, projeto e obra, garantindo o desempenho adequado do material aplicado na edificação comprovando o desempenho em todos os requisitos da NBR

41 Ações da CAIXA sobre a Norma de Desempenho. Manter seu apoio ao texto final da norma publicado em Apoiar a divulgação da Norma de Desempenho em toda a cadeia produtiva da construção civil.. Divulgar e promover capacitação interna aos profissionais do quadro (1325 arq/eng) e credenciados (3000 arq/eng).. Construir com o meio acadêmico e o setor produtivo da construção, a maneira de aplicar o conteúdo da norma, sem impactar na produção e considerando como uma oportunidade para mudança de patamar de qualidade.

42 Arq. Celita Fernandes Gerente Executivo GEPAD Gerência Nacional de Gestão, Padronização e Normas Técnicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 VISÃO VISÃO E ATUAÇÃO DA CAIXA SOBRE SISTEMAS CONSTRUTIVOS INDUSTRIALIZADOS Necessidade de escala de produção

Leia mais

Estrutura do Ministério das Cidades

Estrutura do Ministério das Cidades Estrutura do Ministério das Cidades Ministro Conselho Nacional das Cidades Secretarias Gabinete Sec. Executiva Habitação Saneamento Ambiental Transporte e da Mobilidade Urbana Programas Urbanos PBQP-H

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema de cobertura nacional, de Avaliação Técnica de produtos inovadores empregados em

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084 Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentada no SIMPÓSIO ALAGOANO DE ENGENHARIA

Leia mais

AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL

AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL Rosa Carolina Abrahão Amancio 1, Márcio Minto Fabricio 2, Cláudio Vicente Mitidieri Filho 3 1 Instituto de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010 PBQP-H Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat Seminário de Integração Final Rio, 06 de dezembro de 2010 Desafio da Sustentabilidade na Construção Inclusão Social e Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Simpósio Polo Gesseiro do Araripe Potencidades Problemas e Soluções UFRPE 12 a 14 de agosto de 2014 Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Centro Tecnológico do Araripe CTA Rua Antônio

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades O Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat o Sistema Nacional de Qualificação de Materiais e Componentes e Sistemas Construtivos 28 de novembro de 2008 Secretaria Nacional de Habitação

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

Wood Frame. Tecnologia Wood frame. Camadas painéis de parede

Wood Frame. Tecnologia Wood frame. Camadas painéis de parede Tecnologia Wood frame Wood Frame Camadas painéis de parede Composição de materiais com função estrutural, de isolamento térmico-acústico, vedação e acabamentos 1. Estrutura de madeira 2. Isolante térmico-acústico

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 11 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para suprimento de materiais e serviços que impactam nos processos relacionados com o Sistema de Gestão da Qualidade, assim como para qualificação e avaliação

Leia mais

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO NÚCLEO DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL

INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO NÚCLEO DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO NÚCLEO DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL SUSTENTABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Redução de desperdícios na construção civil (até 5% do concreto) Evolução dos

Leia mais

349 anos de história e inovação

349 anos de história e inovação LOGO EMPRESA Saint- Gobain Século XVII 1665 1688 1850-1900 1900-1950 1970 1970-2007 Hoje Louis XIV e Colbert decidem sobre um plano de recuperação econômica para a França Criação da Manufacture Royale

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat Definição O Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) é um conjunto de ações desenvolvidas pelo Ministério

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Maria Salette Weber Coordenadora Geral do PBQP-H Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades HISTÓRICO Década de 80: início

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira de Materiais Compósitos Av. Professor Almeida Prado, 532 - Prédio 31 - Térreo - Sala 1 Cidade Universitária - 05508-901 São Paulo - SP - Tel/Fax:

Leia mais

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica)

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Localização: Em domicílio (com visitas de campo previstas) Prazo para envio de candidatura:

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 STEEL FRAMING: COMPARATIVO DE CUSTOS E AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE UBERABA Jéssica Cristina Barboza 1 ; Amanda Bernardes Ribeiro 2 ; Cássia Fernanda Borges da Silva 3 ; Pedro

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social INTRODUÇÃO Reportagem de julho/2011 do Estado de São Paulo afirma que das 1 milhão de residências do Programa Minha Casa, Minha

Leia mais

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis.

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis. rev 02 02/02/2016 Aprovado por PAG 1 / 16 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação dos componentes dos sistemas de descarga e de abastecimento de combustíveis,

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GARÇA 2011 INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso é um componente curricular obrigatório para os cursos de Graduação, assim sendo a Direção da Faculdade

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

Implantação do Sistema Nacional de Aprovação Técnica

Implantação do Sistema Nacional de Aprovação Técnica Programa 0810 Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H Objetivo Elevar os patamares da qualidade e produtividade da construção civil, por meio da criação e implantação de mecanismos de modernização

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE MATERIAIS PARA SANEAMENTO

Entidade Setorial Nacional Mantenedora ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE MATERIAIS PARA SANEAMENTO Entidade Setorial Nacional Mantenedora ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE MATERIAIS PARA SANEAMENTO Av. Queiroz Filho, 1700 Vila A Sobrado 87 Condomínio Villa Lobos Office Park Vila Hamburguesa 05319-000

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO Apresentação dos trabalhos Porque devemos atender à Norma de Desempenho? O Contexto da normalização no Brasil A experiência

Leia mais

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Painel OBRAS PÚBLICAS: NOVO PATAMAR DE QUALIDADE PLANEJAMENTO E PROJETO

Painel OBRAS PÚBLICAS: NOVO PATAMAR DE QUALIDADE PLANEJAMENTO E PROJETO Painel OBRAS PÚBLICAS: NOVO PATAMAR DE QUALIDADE PLANEJAMENTO E PROJETO 83º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção SP, 11 de agosto de 2011 CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO De 1986 a 2003,

Leia mais

Indústria da Construção Civil

Indústria da Construção Civil Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos,

Leia mais

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 De acordo com a

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Instituto Serzedello Corrêa. Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão

Tribunal de Contas da União. Instituto Serzedello Corrêa. Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão Tribunal de Contas da União Instituto Serzedello Corrêa Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão O papel do gerenciamento nas obras públicas Gerenciamento de Empreendimento Histórico Gerenciamento de Obras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Seminário Abcic Augusto Guimarães Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Abece "POR QUE NÃO?" Por que não desenvolvermos

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Normatização nº 01/2010 - CCEF ESTABELECE NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC - DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Contribuição técnica nº 23 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Autores: ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO MAÍRA NEVES RODRIGUES MÁRCIO SEQUEIRA DE OLIVEIRA 1 CONSTRUMETAL

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 RESUMO 1. APRESENTAÇÃO Com a missão de promover ações para o fortalecimento do segmento da construção civil no Espírito Santo,

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL ITU/SP 2013 2 CAPÍTULO I Do Conceito Artito 1

Leia mais

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia EDITAL 01/2016 O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVOS Estimular a provisão de habitação de interesse social em larga escala e em todo o território;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 54/2014 Dispõe sobre o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - no Município de Foz do Iguaçu e dá outras providências. Autor: Vereador Paulo César Queiroz

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

EDITAL / CONVITE - 2016. TIPO DE LICITAÇÃO: Técnica e menor valor global REGIME DE EXECUÇÃO: Prestação de serviços

EDITAL / CONVITE - 2016. TIPO DE LICITAÇÃO: Técnica e menor valor global REGIME DE EXECUÇÃO: Prestação de serviços ANFIP - Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil SBN Qd. 01 Bl. H Ed. ANFIP Brasília DF - CEP 70040-907 Fone (61) 3251 8100 Fax (61) 3326 6078 EDITAL / CONVITE - 2016 TIPO

Leia mais

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO VITÓRIA DA CONQUISTA 2007 COMPOSIÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Certificação de Artigos Escolares

Certificação de Artigos Escolares Pág.: 1/44 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Clider Silva Gerente Técnico Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 19/09/2014 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO Nº 036/2012, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012 Aprova as normas para concurso público de provimento de cargos de Professor de Nível Médio/Profissionalizante, Administrador Escolar, Supervisor Pedagógico

Leia mais

PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS E PRÉ-MOLDADOS

PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS E PRÉ-MOLDADOS PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS E PRÉ-MOLDADOS TIPOLOGIA DAS VEDAÇÕES EM CONCRETO Paredes maciças de concreto moldadas no local Painéis pré-moldados Painéis pré-fabricados PRÉ-MOLDADO X PRÉ-FABRICADO Legal pré-moldado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Antecedentes e Justificativa O Projeto de Assistência à Implementação do Programa de Apoio à Agenda de Crescimento Econômico Equitativo e Sustentável

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 SELEÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR CURSO DE PRÉ-INCUBAÇÃO PARA PROJETOS DE BASE TECNOLÓGICA NO ÂMBITO DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ (INCTEC-SA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 Contatos Luiz Augusto

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE LOTE (SISTEMA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE LOTE (SISTEMA INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 06/03/2014 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA SÓCIO-GERENTE 2 / 12 1. OBJETIVO Este

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Entidades Setoriais Nacionais Mantenedoras SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Endereço: Av.

Leia mais

XX Ciência Viva. Tema: Luz, ciência e vida. 12 e 13 de Novembro de 2015

XX Ciência Viva. Tema: Luz, ciência e vida. 12 e 13 de Novembro de 2015 XX Ciência Viva Tema: Luz, ciência e vida 12 e 13 de Novembro de 2015 A CIÊNCIA VIVA A Ciência Viva é uma exposição anual aberta ao público, em que estudantes da educação básica das instituições de ensino

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS 1 INTRODUÇÃO Este documento reúne o conjunto de informações necessárias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE BIOMEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE BIOMEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE BIOMEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE Dispõe sobre o regimento interno da Comissão de Iniciação Científica da Faculdade

Leia mais

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente,

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente, GARANTIA Introdução Prezado Cliente, Este Termo tem como objetivo lhe orientar sobre os prazos de garantia dos componentes e s de seu imóvel, e como solicitar a Assistência Técnica Venax Construtora. Os

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Perfis de PVC para Construção Civil Av. Angélica 1968 cj. 53/54 I Higienópolis I CEP-01228 200 I São Paulo I SP http://www.afap.org.br

Leia mais

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulga Edital do Processo Seletivo destinado ao preenchimento do cargo em comissão

Leia mais