ABNT NBR NORMA DE DESEMPENHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO"

Transcrição

1 ABNT NBR NORMA DE DESEMPENHO

2 O que é uma Norma Técnica?

3 O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo, regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. - Resolução Nº 6, de 2/12/2002, do CONMETRO

4 Quem é a ABNT?

5 Quem é a ABNT? A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. Trata-se de uma entidade privada e sem fins lucrativos e de utilidade pública, fundada em 1940.

6 Qual a legitimidade da ABNT?

7 Qual a legitimidade da ABNT? A ABNT foi reconhecida como único Foro Nacional de Normalização através da Resolução n.º 07 do CONMETRO, de

8 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos.

9 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber:

10 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber: -Estrutura,

11 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber: -Estrutura, -Pisos internos,

12 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber: -Estrutura, -Pisos internos, -Fachadas e paredes internas,

13 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber: -Estrutura, -Pisos internos, -Fachadas e paredes internas, -Coberturas, e

14 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. Estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios, a saber: -Estrutura, -Pisos internos, -Fachadas e paredes internas, -Coberturas, e -Sistemas hidrossanitários.

15 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos:

16 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais

17 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais

18 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais 3 Sistemas de pisos internos

19 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais 3 Sistemas de pisos internos 4 Sistemas de vedações verticais

20 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais 3 Sistemas de pisos internos 4 Sistemas de vedações verticais 5 Sistemas de coberturas

21 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais 3 Sistemas de pisos internos 4 Sistemas de vedações verticais 5 Sistemas de coberturas 6 Sistemas hidrossanitários

22 Norma de Desempenho para edificações Habitacionais de até 5 pavimentos. É composta de 6 (seis) capítulos: 1 Requisitos gerais 2 Sistemas estruturais 3 Sistemas de pisos internos 4 Sistemas de vedações verticais 5 Sistemas de coberturas 6 Sistemas hidrossanitários Obs.: Os sistemas elétricos fazem parte da Norma ABNT NBR 5410.

23 Norma de desempenho X Norma prescritiva

24 Norma de desempenho X Norma prescritiva Normas de desempenho são estabelecidas buscando atender às exigências dos usuários, que, no caso desta Norma referem-se a sistemas que compõem edifícios habitacionais de até cinco pavimentos, independentemente de seus materiais constituintes e do sistema construtivo utilizado.

25 Norma de desempenho X Norma prescritiva Normas de desempenho são estabelecidas buscando atender às exigências dos usuários, que, no caso desta Norma referem-se a sistemas que compõem edifícios habitacionais de até cinco pavimentos, independentemente de seus materiais constituintes e do sistema construtivo utilizado. O foco desta Norma está nas exigências dos usuários para o edifício habitacional e seus sistemas, quanto ao seu comportamento em uso e não na prescrição de como os sistemas são construídos.

26 Norma de desempenho X Norma prescritiva As Normas prescritivas estabelecem requisitos com base no uso consagrado de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento às exigências dos usuários de forma indireta.

27 Norma de desempenho X Norma prescritiva As Normas prescritivas estabelecem requisitos com base no uso consagrado de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento às exigências dos usuários de forma indireta.. Por sua vez, as Normas de desempenho traduzem as exigências dos usuários em requisitos e critérios, e são consideradas como complementares às Normas prescritivas, sem substituí-las.

28 Norma de desempenho X Norma prescritiva As Normas prescritivas estabelecem requisitos com base no uso consagrado de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento às exigências dos usuários de forma indireta.. Por sua vez, as Normas de desempenho traduzem as exigências dos usuários em requisitos e critérios, e são consideradas como complementares às Normas prescritivas, sem substituí-las. A utilização simultânea delas visa atender às exigências do usuário com soluções tecnicamente adequadas.

29 Perguntas que não querem calar.

30 Perguntas que não querem calar. A Norma vale para edifícios com mais de cinco pavimentos?

31 Perguntas que não querem calar. A Norma vale para edifícios com mais de cinco pavimentos? Os requisitos da Norma que não dependem diretamente da altura (como conforto térmico e acústico, por exemplo) também se aplicam a empreendimentos com mais de cinco pavimentos. Também não há qualquer restrição quanto ao tipo de empreendimento econômico, de médio ou alto padrão. A Norma vale para todas as edificações residenciais.

32 Perguntas que não querem calar. A Norma vale para edifícios com mais de cinco pavimentos? Os requisitos da Norma que não dependem diretamente da altura (como conforto térmico e acústico, por exemplo) também se aplicam a empreendimentos com mais de cinco pavimentos. Também não há qualquer restrição quanto ao tipo de empreendimento econômico, de médio ou alto padrão. A Norma vale para todas as edificações residenciais. Não se aplicam a obras de reforma, nem a retrofit.

33 Perguntas que não querem calar. Quem fiscalizará a aplicação da Norma de desempenho? A exceção de perícias e fiscalização das Prefeituras, sempre pontuais e eventuais, o consumidor, no caso, o adquirente da unidade habitacional, será o verdadeiro fiscal.

34 Perguntas que não querem calar. O que é Vida Útil de Projeto?

35 Perguntas que não querem calar. O que é Vida Útil de Projeto? É o período estimado de tempo em que um sistema deve atender aos requisitos de desempenho, desde que executadas as manutenções programadas no manual do imóvel.

36 Perguntas que não querem calar. Qual a diferença para prazo de garantia?

37 Perguntas que não querem calar. Qual a diferença para prazo de garantia? O Prazo de Garantia é o período durante o qual, caso apareça algum defeito na edificação, presume-se que a falha foi do construtor. Estes prazos devem constar do manual do imóvel.

38 Perguntas que não querem calar. Qual a VUP mínima para a estrutura?

39 Perguntas que não querem calar. Qual a VUP mínima para a estrutura? A Vida Útil de Projeto mínima estabelecida na Tabela 4 da Parte 1 da Norma de desempenho é de 40 anos.

40 Perguntas que não querem calar. Isto significa que a responsabilidade do construtor só se exaure com 40 anos?

41 Perguntas que não querem calar. Isto significa que a responsabilidade do construtor só se exaure com 40 anos? Não. Na própria Tabela 4 consta a observação de que, caso não surjam patologias significativas,...depois de decorridos 50% dos prazos de vida útil de projeto (VUP)..., contados a partir do auto de conclusão da obra, considera-se atendido o requisito de vida útil de projeto (VUP), salvo prova objetiva em contrário.

42 Perguntas que não querem calar. Por que devo atender às normas técnicas da ABNT?

43 Perguntas que não querem calar. Por que devo atender às normas técnicas da ABNT? Primeiro, por uma razão contratual. Muito provavelmente no seu contrato com o comprador está assegurado que a obra será executada dentro da boa técnica. O Agente Financeiro também exige obediência às normas.

44 Perguntas que não querem calar. Por que devo atender às normas técnicas da ABNT? Primeiro, por uma razão contratual. Muito provavelmente no seu contrato com o comprador está assegurado que a obra será executada dentro da boa técnica. O Agente Financeiro também exige obediência às normas. Segundo, por uma exigência legal. Diversas são as leis que nos remetem a obediência às normas técnicas (Código Civil, Código de Defesa do Consumidor, Lei das Concorrências, etc.).

45 Perguntas que não querem calar. Por que devo atender às normas técnicas da ABNT? Primeiro, por uma razão contratual. Muito provavelmente no seu contrato com o comprador está assegurado que a obra será executada dentro da boa técnica. O Agente Financeiro também exige obediência às normas. Segundo, por uma exigência legal. Diversas são as leis que nos remetem a obediência às normas técnicas (Código Civil, Código de Defesa do Consumidor, Lei das Concorrências, etc.). Terceiro, por imposição do mercado. Na Europa já é comum na publicidade dos empreendimentos serem feitas referências às qualidades acústicas e térmicas do imóvel.

46 Cronologia

47 Cronologia de maio Publicação da Norma de Desempenho

48 Cronologia de maio Publicação da Norma de Desempenho de maio Entrou em vigor 20 de setembro Reabertura da comissão de estudos 28 de setembro Inicio de consulta pública para prorrogação da data de vigência plena 27 de outubro Conclusão da consulta pública 93% a favor, sem restrições 12 de novembro Vigência plena original

49 Cronologia de maio Publicação da Norma de Desempenho de maio Entrou em vigor 20 de setembro Reabertura da comissão de estudos 28 de setembro Inicio de consulta pública para prorrogação da data de vigência plena 27 de outubro Conclusão da consulta pública 93% a favor, sem restrições 12 de novembro Vigência plena original de setembro Republicação da Norma

50 Cronologia de maio Publicação da Norma de Desempenho de maio Entrou em vigor 20 de setembro Reabertura da comissão de estudos 28 de setembro Inicio de consulta pública para prorrogação da data de vigência plena 27 de outubro Conclusão da consulta pública 93% a favor, sem restrições 12 de novembro Vigência plena original de setembro Republicação da Norma de março Nova vigência plena

51 Principais problemas.

52 Principais problemas. Escritórios de projetos ainda não estão preparados para o grau de especificação dos materiais estabelecidos pela Norma.

53 Principais problemas. Escritórios de projetos ainda não estão preparados para o grau de especificação dos materiais estabelecidos pela Norma. Os projetistas e construtores têm pouca informação técnica sobre o desempenho dos materiais.

54 Principais problemas. Escritórios de projetos ainda não estão preparados para o grau de especificação dos materiais estabelecidos pela Norma. Os projetistas e construtores têm pouca informação técnica sobre o desempenho dos materiais. Na questão de vida útil de projeto (V.U.P.), é necessário mais clareza nas dimensões técnica, comercial e jurídica.

55 Principais problemas. Até que ponto os laboratórios terão capacidade e competência para atender toda a demanda do mercado?

56 Principais problemas. Até que ponto os laboratórios terão capacidade e competência para atender toda a demanda do mercado? Há escassez de laboratórios e profissionais qualificados para realizar ensaios de curto prazo.

57 Principais problemas. Até que ponto os laboratórios terão capacidade e competência para atender toda a demanda do mercado? Há escassez de laboratórios e profissionais qualificados para realizar ensaios de curto prazo. Existem no Brasil cerca de 30 laboratórios acreditados pelo INMETRO em ensaios de Construção Civil. Nem todos avaliam desempenho. A maioria se restringe a ensaiar alguns insumos.

58 Principais problemas. Os pisos, por exemplo, além de oferecerem segurança estrutural, terão de atenuar ruídos de impacto entre apartamentos de andares contíguos, para atenderem às exigências relacionadas à acústica, além de atenderem às exigências relativas a atrito.

59 Principais problemas. Os pisos, por exemplo, além de oferecerem segurança estrutural, terão de atenuar ruídos de impacto entre apartamentos de andares contíguos, para atenderem às exigências relacionadas à acústica, além de atenderem às exigências relativas a atrito. O pé direito usual terá de ser repensado para atingir os coeficientes de conforto térmico dos ambientes internos. Muito provavelmente terá de ser criado um colchão de ar na cobertura para igual finalidade.

60 Principais problemas. Os pisos, por exemplo, além de oferecerem segurança estrutural, terão de atenuar ruídos de impacto entre apartamentos de andares contíguos, para atenderem às exigências relacionadas à acústica, além de atenderem às exigências relativas a atrito. O pé direito usual terá de ser repensado para atingir os coeficientes de conforto térmico dos ambientes internos. Muito provavelmente terá de ser criado um colchão de ar na cobertura para igual finalidade. Deverá ser feita uma composição de cores em cada ambiente para atingir a luminosidade requerida.

61 Principais problemas. Os pisos, por exemplo, além de oferecerem segurança estrutural, terão de atenuar ruídos de impacto entre apartamentos de andares contíguos, para atenderem às exigências relacionadas à acústica, além de atenderem às exigências relativas a atrito. O pé direito usual terá de ser repensado para atingir os coeficientes de conforto térmico dos ambientes internos. Muito provavelmente terá de ser criado um colchão de ar na cobertura para igual finalidade. Deverá ser feita uma composição de cores em cada ambiente para atingir a luminosidade requerida. O isolamento acústico deverá levar em conta as alvenarias, os revestimentos, as esquadrias, os pisos e as portas, o que poderá acarretar conflitos de custos e mercado.

62 Principais problemas. As lajes de 10 a 12 cm de espessura podem não atender à exigência de conforto acústico

63 Principais problemas. As lajes de 10 a 12 cm de espessura podem não atender à exigência de conforto acústico Os empreendimentos econômicos, notadamente aqueles de interesse social, não comportam soluções usuais (tipo aumentar espessura da laje ou aplicar tratamento acústico nos pisos).

64 Principais problemas. As lajes de 10 a 12 cm de espessura podem não atender à exigência de conforto acústico Os empreendimentos econômicos, notadamente aqueles de interesse social, não comportam soluções usuais (tipo aumentar espessura da laje ou aplicar tratamento acústico nos pisos). O piso zero também não atenderá a Norma.

65 Principais problemas. Os caixilhos, portas, e, principalmente, as janelas são o ponto frágil para se atender às exigências de conforto acústico.

66 Principais problemas. Os caixilhos, portas, e, principalmente, as janelas são o ponto frágil para se atender às exigências de conforto acústico. As janelas e portas comuns não atendem os requisitos necessários para atender o conforto exigido.

67 Principais problemas. Os caixilhos, portas, e, principalmente, as janelas são o ponto frágil para se atender às exigências de conforto acústico. As janelas e portas comuns não atendem os requisitos necessários para atender o conforto exigido. Adequações térmicas esbarram, também, nas questões comerciais e culturais. Um dos requisitos é de que os vidros das janelas tenham dispositivos externos de sombreamento.

68 O que precisamos e devemos fazer.

69 O que precisamos e devemos fazer. O setor precisa ter maior representatividade nas reuniões programadas para revisão da Norma.

70 O que precisamos e devemos fazer. O setor precisa ter maior representatividade nas reuniões programadas para revisão da Norma. Na primeira reunião, realizada em 19/1, apenas 5 estados compareceram, representados por 6 entidades, a saber : Sinduscons de SP, MG, DF, PR e Norte do PR, além da ADEMI-BA.

71 O que precisamos e devemos fazer. O setor precisa ter maior representatividade nas reuniões programadas para revisão da Norma. Na primeira reunião, realizada em 19/1, apenas 5 estados compareceram, representados por 6 entidades, a saber : Sinduscons de SP, MG, DF, PR e Norte do PR, além da ADEMI-BA. O Rio de Janeiro precisa se fazer presente e atuante.

72 O que precisamos e devemos fazer. O setor precisa ter maior representatividade nas reuniões programadas para revisão da Norma. Na primeira reunião, realizada em 19/1, apenas 5 estados compareceram, representados por 6 entidades, a saber : Sinduscons de SP, MG, DF, PR e Norte do PR, além da ADEMI-BA. O Rio de Janeiro precisa se fazer presente e atuante. Por sua feita, fornecedores e fabricantes somavam mais de 100 pessoas, além de 15 representantes das universidades. Todos defendendo suas posições.

73 Qual a posição do setor?

74 Qual a posição do setor? Não somos contra a Norma de Desempenho.

75 Qual a posição do setor? Não somos contra a Norma de Desempenho. Elevar a qualidade das construções traz benefícios para o mercado, uma vez que valoriza as empresas sérias, que atuam na formalidade, bem como para o consumidor, que receberá, e exigirá, produtos melhores.

76 Qual a posição do setor? Não somos contra a Norma de Desempenho. Elevar a qualidade das construções traz benefícios para o mercado, uma vez que valoriza as empresas sérias, que atuam na formalidade, bem como para o consumidor, que receberá, e exigirá, produtos melhores. Os litígios na justiça terão um referencial para o correto encaminhamento da solução.

77 Qual a posição do setor? Não somos contra a Norma de Desempenho. Elevar a qualidade das construções traz benefícios para o mercado, uma vez que valoriza as empresas sérias, que atuam na formalidade, bem como para o consumidor, que receberá, e exigirá, produtos melhores. Os litígios na justiça terão um referencial para o correto encaminhamento da solução. Com parâmetros claramente definidos, os métodos extrajudiciais de solução de conflitos, como a arbitragem, serão favorecidos, concorrendo para soluções mais céleres.

78 Qual a posição do setor? Não somos contra a Norma de Desempenho. Elevar a qualidade das construções traz benefícios para o mercado, uma vez que valoriza as empresas sérias, que atuam na formalidade, bem como para o consumidor, que receberá, e exigirá, produtos melhores. Os litígios na justiça terão um referencial para o correto encaminhamento da solução. Com parâmetros claramente definidos, os métodos extrajudiciais de solução de conflitos, como a arbitragem, serão favorecidos, concorrendo para soluções mais céleres. O importante é o setor discutir e defender pontos importantes a serem ajustados para que a atividade não seja comprometida pela Norma.

79 E os custos? Como ficarão?

80 E os custos? Como ficarão? Certamente subirão.

81 E os custos? Como ficarão? Certamente subirão. O vidro de 3 mm precisará ser de 5 mm.

82 E os custos? Como ficarão? Certamente subirão. O vidro de 3 mm precisará ser de 5 mm. Uma laje com 8 cm deverá passar a ter 14 cm em função dos requisitos de conforto acústico.

83 E os custos? Como ficarão? Certamente subirão. O vidro de 3 mm precisará ser de 5 mm. Uma laje com 8 cm deverá passar a ter 14 cm em função dos requisitos de conforto acústico. As portas externas comuns serão substituídas por especiais.

84 E os custos? Como ficarão? Certamente subirão. O vidro de 3 mm precisará ser de 5 mm. Uma laje com 8 cm deverá passar a ter 14 cm em função dos requisitos de conforto acústico. As portas externas comuns serão substituídas por especiais. Os insumos, em geral, deverão ter novas especificações para atingir o que a Norma requer.

85 E o padrão construtivo? Como ficará?

86 E o padrão construtivo? Como ficará? Com certeza será melhor, em nada devendo ao de países mais ricos.

87 E o padrão construtivo? Como ficará? Com certeza será melhor, em nada devendo ao de países mais ricos. Como os requisitos variam entre mínimo, intermediário e superior, haverá opções para os consumidores.

88 E o padrão construtivo? Como ficará? Com certeza será melhor, em nada devendo ao de países mais ricos. Como os requisitos variam entre mínimo, intermediário e superior, haverá opções para os consumidores. O atendimento à Norma de Desempenho será um diferencial de venda.

89 E o padrão construtivo? Como ficará? Com certeza será melhor, em nada devendo ao de países mais ricos. Como os requisitos variam entre mínimo, intermediário e superior, haverá opções para os consumidores. O atendimento à Norma de Desempenho será um diferencial de venda. O correto atendimento à Norma de Desempenho tende a nivelar o mercado, favorecendo as pequenas e médias empresas.

90 E o padrão construtivo? Como ficará? Com certeza será melhor, em nada devendo ao de países mais ricos. Como os requisitos variam entre mínimo, intermediário e superior, haverá opções para os consumidores. O atendimento à Norma de Desempenho será um diferencial de venda. O correto atendimento à Norma de Desempenho tende a nivelar o mercado, favorecendo as pequenas e médias empresas. A Norma tirará do mercado as empresas não comprometidas com o atendimento às normas, favorecendo aquelas estruturadas.

91 Obrigado!

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO Apresentação dos trabalhos Porque devemos atender à Norma de Desempenho? O Contexto da normalização no Brasil A experiência

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 M. Engº Jorge Batlouni Neto Set/2010 NBR 15575 Edifícios habitacionais até cinco pavimentos Desempenho. Parte 1: Requisitos gerais; Parte 2:

Leia mais

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Ricardo Reis Meira Arquiteto e urbanista, formado pela FAU/UnB Conselheiro suplente do CAU/DF Professor do curso de Arquitetura e

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço : Direitos e Deveres Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010 Eng. Flávio Renato P. Capuruço Sistemas Construtivos: Comparativo 1 Alguns fatos motivadores da discussão: Na Aquisição: Compras efetuadas apenas

Leia mais

Indústria da Construção Civil

Indústria da Construção Civil Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos,

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

1 Desempenho térmico

1 Desempenho térmico Desempenho térmico 1 2 Desempenho térmico A norma NBR 15575 não trata de condicionamento artificial. Todos os critérios de desempenho foram estabelecidos com base em condições naturais de insolação, ventilação

Leia mais

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas 1 FULL SERVICE - INCORPORAÇÃO / CONSTRUÇÃO / VENDAS 34 ANOS DE MERCADO; 1851 COLABORADORES PRÓPRIOS; 6415 COLABORADORES TERCEIROS; MAIS DE 2,7 MILHÃO DE M 2 LANÇADOS

Leia mais

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS PAINEL 2 As perícias Judiciais em edificações e a ABNT NBR15575:2010 Edifícios Habitacionais de até 5 pavimentos - Desempenho Apresentação PAULO GRANDISKI Eng. Civil IBAPE/SP 1 AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS

Leia mais

Válido para o empreendimento:...

Válido para o empreendimento:... ANEXO 1 Termo de Adesão e Responsabilidade para Edificações Habitacionais Construídas no Sistema Construtivo utilizando Perfis Estruturais Formados a Frio de Aços Revestidos - Steel Framing Construtora

Leia mais

AULA 01 Conceitos básicos e Composição de

AULA 01 Conceitos básicos e Composição de AULA 01 Conceitos básicos e Composição de CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Rogerio Lemos custo unitário 13:42:49 1 ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE VENDA 2 ORÇAMENTO EMPRESARIAL:

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho)

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de vistorias periciais e manutenções periódicas nas edificações constituídas por unidades autônomas, públicas ou

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA

SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA Construindo em parceria a sua credibilidade O mercado da Construção Civil tem muito a crescer no Brasil e o seu desenvolvimento depende de uma visão estratégica. Esta é

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Principais novidades Nos últimos anos, com a introdução dos conceitos de desempenho dos sistemas e sua definição clara

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Sempre evoluindo com você!

Sempre evoluindo com você! Sempre evoluindo com você! A EMPRESA Queremos surpreender você em cada trabalho. A Vizionare Cabral, está sempre em constante evolução para poder oferecer à sua empresa sérvios relacionados à limpezas

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Orientações para a Tipologia de Intervenção Melhoria da Eficiência Energética em Habitações de Famílias de Baixos Rendimentos no âmbito de Intervenções

Leia mais

Papel da administradora junto aos condomínios para atendimento às exigências de modo a não comprometer as garantias. Sergio Meira de Castro Neto

Papel da administradora junto aos condomínios para atendimento às exigências de modo a não comprometer as garantias. Sergio Meira de Castro Neto Papel da administradora junto aos condomínios para atendimento às exigências de modo a não comprometer as garantias. Sergio Meira de Castro Neto Sumário 1. Condomínio em números 2. Gestão das manutenções

Leia mais

À Prefeitura Municipal de Rio Verde GO Agência Municipal de Mobilidade e Trânsito - AMT Comissão Permanente de Licitações

À Prefeitura Municipal de Rio Verde GO Agência Municipal de Mobilidade e Trânsito - AMT Comissão Permanente de Licitações À Prefeitura Municipal de Rio Verde GO Agência Municipal de Mobilidade e Trânsito - AMT Comissão Permanente de Licitações Ref.: Impugnação ao Edital Pregão Presencial n.º 08/2016 A EMPRESA CUBO COMÉRCIO

Leia mais

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente,

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente, GARANTIA Introdução Prezado Cliente, Este Termo tem como objetivo lhe orientar sobre os prazos de garantia dos componentes e s de seu imóvel, e como solicitar a Assistência Técnica Venax Construtora. Os

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal ÍNDICE Introdução 02 Abrangência 03 Objetivos 03 Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal 05 Relações com clientes, parceiros e no ambiente de trabalho 06 Condutas não aceitáveis 06 Gestão

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL

CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL Fortaleza 2014 SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Objetivo... 3 3 Enfoques do Trabalho Final de Curso... 3 4 Responsabilidades... 3 4.1 Coordenador local do curso...

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

Na casa da minha vida, só cerâmica

Na casa da minha vida, só cerâmica Na casa da minha vida, só cerâmica Anicer lança campanha para promover o produto cerâmico A Anicer deu início a uma campanha publicitária com ênfase nas mídias digitais para valorização do produto cerâmico.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES EXISTENTES (construídas há mais de 10 ou 15 anos) OBJETIVOS 1) Criação de obrigatoriedade de inspeção

Leia mais

Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação"

Encontro Secovi PQE AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação" Mercado Imobiliário Contextualização do negócio imobiliário que implica na formação do condomínio Incorporação Imobiliária Atividade

Leia mais

Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos.

Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos. Programa de Especialização em Gestão de Negócios Imobiliários Projetos habitacionais de interesse social -a importância dos processos construtivos. Prof. Renato Vieira 2014 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 ABNT NBR ISO 14001 Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 A ABNT NBR ISO 14001 é uma norma aceita internacionalmente que define os requisitos para colocar um sistema da gestão ambiental em vigor. Ela ajuda

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Reabilitação Urbana Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Alteração ao Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de Candidaturas em regime de Overbooking 2014 - EP IV (Overbooking) - Reabilitação

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575 CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575 Marilda Ribeiro de ANDRADE (1); Tatiana Gondim do AMARAL (2)

Leia mais

Norma da ABNT vai regulamentar reformas

Norma da ABNT vai regulamentar reformas Norma da ABNT vai regulamentar reformas 3 de maio de 2014 6 0 11 Acidentes acontecem quando menos se espera, e muitas vezes causados pelos motivos mais ingênuos que se possa imaginar. Em condomínios a

Leia mais

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL HADDAD, Tatiana Paula (Estágio I), e-mail: tphaddad@hotmail.com; PETILO, Kássia Schnepper (Estágio I), e-mail: kassiaschnepper@hotmail.com;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Apresentação na Câmara de Mel. Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011.

Apresentação na Câmara de Mel. Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011. Apresentação na Câmara de Mel Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011. Missão do Inmetro Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Indicador de Pressão para Extintor de Incêndio. Ademir Ribeiro Dconf/Divec

Indicador de Pressão para Extintor de Incêndio. Ademir Ribeiro Dconf/Divec Ademir Ribeiro Dconf/Divec INTRODUÇÃO: Considerando que os Indicadores de Pressão para Extintores de Incêndio são componentes fundamentais por permitir ao usuário identificar a qualquer momento, se o extintor

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Tecnisa Construtora e Incorporadora

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema Características do Sistema O emprego de lajes nervuradas nas estruturas de concreto armado ganhou grande impulso nos últimos anos graças às modernas técnicas construtivas e ao desenvolvimento dos programas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação:

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação: Apresentação: A GS Construtora é uma empresa que atua no ramo da construção civil desde 1994. Empresa sólida e conceituada no mercado, certificada pela norma NBR ISO 9001 E PBQPH Nível A (Programa Brasileiro

Leia mais

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Sumário O que significa ISO?; Como surgiu?; Qual o seu propósito?; Quem é o representante da ISO no Brasil?; O que é a ISO 9001 e sobre o que trata?; Qual a

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO Formulário para obtenção do QUALIVERDE Local da obra Nome do proprietário ou requerente RA Nome do autor do projeto (PRPA)

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Mayard Zolotar Diretoria da Qualidade Inmetro É uma autarquia federal, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Seminário Abcic Augusto Guimarães Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Abece "POR QUE NÃO?" Por que não desenvolvermos

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Rio de Janeiro, 13 de março de 2013. Of. Circ. Nº 088/13. Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente,

Rio de Janeiro, 13 de março de 2013. Of. Circ. Nº 088/13. Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente, Rio de Janeiro, 13 de março de 2013 Of. Circ. Nº 088/13 Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente, Seguem as informações relacionadas à publicação da Lei Estadual 6.400,

Leia mais

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS Grupo Universitário - IPEP São Paulo - SP Rua Maria Paula, 35-1º andar Bela Vista Fone: (11) 3293-3558 Rua Pirapitingui, 186-1º andar Liberdade Fone: (11) 3385-7400 Campinas - SP Rua José de Alencar, 470

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:200638-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: «Fornecimento de decisões de investimento fundamentadas para investimentos

Leia mais

SÃO DEVERES ATRIBUÍDOS AOS SUPERVISORES:

SÃO DEVERES ATRIBUÍDOS AOS SUPERVISORES: SUPERVISÃO Dá-se o nome de supervisão à ação de orientação, inspeção e controle que assegure a perfeita compreensão de diretrizes, normas, ordens e instruções emanadas de escalão superior. É uma atividade

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT Assunto: Saídas de Emergências em Edificações. O Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo:

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Assistência técnica Responsabilidades Carlos Pinto Del Mar Entrega das chaves/manuais Construção Vida útil Garantia Assistência técnica A NBR 15575 ESTABELECE: Os requisitos mínimos

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda.

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Firmino Soares de Siqueira Filho Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Tatiane Lara

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais