Disciplina: Engenharia Civil Integrada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: Engenharia Civil Integrada"

Transcrição

1 Disciplina: Engenharia Civil Integrada Aula 01 Indústria da Construção Civil Professora: Engª Civil Moema Castro, MSc. Notas de aula (bibliografia consultada) do Prof. Dr. Marcelo Medeiros UFPR 2016.

2 É UMA INDÚSTRIA? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos, que em seguida podem ser, ou não, comercializados.

3 Industrialização da construção civil é o emprego, de forma racional e mecanizada, de materiais, meios de transporte e técnicas construtivas, para se conseguir uma maior produtividade. [Instituto Eduardo Torroja de la Construcción y del Cemento]

4 Indústria da Construção Civil no Brasil Setor obsoleto (comparado à outros setores industriais) Grande número de intervenientes FASE DE OBRA FASE DE PROJETO EQUILÍBRO DE FORÇAS: Participação das partes interessadas no sucesso do empreendimento; Conhecer as expectativas e necessidades de interesse específico.

5 Industrialização da construção civil Tem sido considerada uma indústria atrasada quando comparada a outros ramos industriais!!! Baixa produtividade Grande desperdício Baixo controle de qualidade Morosidade

6 Industrialização da construção civil É UMA INDÚSTRIA? SIM!!! Geralmente NÃO!!! SERIADA?

7 Industrialização da construção civil - Dificuldades Dificuldades para Projetar: 1 - Produto fica e a fábrica sai Indústria de automóveis permanece no mesmo lugar durante anos produzindo o mesmo produto Na Construção Civil o produto é finalizado (um só) e a fábrica é desmobilizada.

8 Industrialização da construção civil - Dificuldades Dificuldades para Projetar: 2 - Faz-se uso intensivo de mão-de-obra Baixos salários favorecem o uso de grande quantidade de operários. Isso torna a concepção do processo construtivo e áreas de vivência mais complexas.

9 Industrialização da construção civil - Dificuldades Dificuldades para Projetar: 3 - As especificações (projetos) são menos detalhadas É mais difícil conceber uma fábrica se o produto e/ou o processo não foram detalhadamente concebidos.

10 Industrialização da construção civil - Dificuldades Dificuldades para Projetar: 4 - São necessários diferentes projetos de fábrica para um único produto As atividades mudam ao longo do tempo Escavações / Fundações / Estrutura / Alvenarias / Revestimentos (praticamente feito pelo mesmo profissional).

11 Impactos do projeto sobre as fases subsequentes do processo de produção Investimento x Custo Final Influência Peso Instalações Mão-de-obra Materiais Projeto 5% 5% 5% 15% 20% 30% 50% 70% (SMITH; REINERTSEN, 2001 apud KUREK et al, 2006)

12 Classificação do produto da construção civil Pontes e viadutos Obras de contenção Barragens Obras de saneamento Casas Estradas Edifícios Outros

13 Indústria da Construção Civil - Componentes Fundações Sapatas

14 Indústria da Construção Civil - Componentes Fundações Estacas

15 Indústria da Construção Civil - Componentes Elementos portantes vigas e pilares

16 Indústria da Construção Civil - Componentes Elementos portantes parede estrutural

17 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos verticais - Paredes

18 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos verticais - Divisórias

19 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos verticais Esquadrias

20 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos verticais Revestimentos

21 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos verticais Pinturas

22 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos horizontais Lajes

23 Indústria da Construção Civil - Componentes Vedos horizontais Coberturas

24 Indústria da Construção Civil - Componentes Instalações Louças e metais sanitários Sistemas de conforto térmico ativo Instalações elétricas Instalações hidrossanitárias Sistema de segurança e controle (câmeras, alarmes, sensores) Segurança contra incêndio Sistema de comunicação (telefonia, internet)

25 Indústria da Construção Civil - Componentes Sistemas de transporte e circulação Escadas Escadas rolante

26 Indústria da Construção Civil - Componentes Sistemas de transporte e circulação Rampas Corredores Elevadores

27 Indústria da Construção Civil Especialistas Arquiteto Engenheiro Residente Engenheiro de Estruturas Engenheiro de Fundações Engenheiro de Instalações TRADICIONAIS Engenheiro de Estradas Engenheiro de Barragem Entre outros

28 Indústria da Construção Civil Especialistas Quanto maior o avanço tecnológico, maior a necessidade de novos especialistas. Consultor de Concreto Consultor de Alvenaria Consultor de Revestimentos DOSAGEM EXECUÇÃO Consultor de Patologia Consultor de Pisos OBRAS ANTIGAS

29 Indústria da Construção Civil Projetos Isto gera uma quantidade cada vez maior de projetos: Projeto de Arquitetura Projeto Estrutural Aço Madeira Concreto Alvenaria Estrutural

30 Indústria da Construção Civil Projetos Projetos Complementares Projeto de Instalações Elétricas Projeto de Instalações de Telefonia Projeto de Instalações Hidrossanitárias Projeto de Canteiro de Obras

31 Indústria da Construção Civil Projetos Projetos Complementares Projeto de Alvenaria Racionalizada Projeto de Revestimento Projeto de Piso Projeto de Recuperação estrutural Projeto de Reforço

32 Indústria da Construção Civil Profissionais de obra Equipe de obra (direção) Engenheiro Residente Estagiário Técnico de Segurança do Trabalho Mestre de Obras

33 Indústria da Construção Civil Profissionais de obra Equipe de obra (subordinados) Pedreiro Carpinteiro Ferreiro Almoxarife Operador de Grua Encanador Eletricista Ajudantes

34 Indústria da Construção Civil Normas Importância técnica Estabelece padrões de grandeza e formas de medir Por exemplo na metrologia: metro, grama, Volt, Watt Estabelece procedimentos padrões para os mais diversos setores Soluções confiáveis Aumenta nível de segurança de operações Facilita a avaliação e a certificação da qualidade de produtos e serviços

35 Indústria da Construção Civil Normas Importância técnica Simplifica a atividade técnica Orienta, educa e protege técnicos e profissionais Auxilia vistorias e perícias em processos judiciais

36 Indústria da Construção Civil Normas Criação desenvolvimento Confecção de normas no Brasil (normalização consensual)

37 Indústria da Construção Civil Normas Sequência de atividades Demanda da sociedade Elabora texto-base (especialista) Comissão de estudos (conflito de interesses) Aberta Partidária Consenso Trabalho voluntário Votação pública Análise dos votos Registro NBR

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil 1.1 Indústria da Construção Civil Disciplina: Planejamento e Controle de Obras Aula 01 Introdução ao Planejamento de Obras Professora: Engª Civil Moema Castro, MSc. É UMA INDÚSTRIA? Indústria: toda atividade

Leia mais

Indústria da Construção Civil:

Indústria da Construção Civil: Indústria da Construção Civil: Introdução - Parte I Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Prof: Gabriel P. Marinho Introdução É uma indústria? 1 Introdução Indústria: toda atividade humana que, através

Leia mais

Indústria da Construção Civil:

Indústria da Construção Civil: Indústria da Construção Civil: Introdução Industria da Construção Civil 1 Construção Civil A construção civil divide-se em três subsetores: 1. edificações, responsável pela construção de edifícios; 2.

Leia mais

Indústria da Construção Civil

Indústria da Construção Civil Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos,

Leia mais

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Grupo de Materiais de Construção 1 Especialistas Engenheiro Residente Engenheiro de Estruturas Engenheiro de Fundações Engenheiro de Instalações Arquiteto

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: DESENHO ARQUITETÔNICO II Código: ARQ021 Pré-requisito:

Leia mais

SUMÁRIO. 2 Fundações 29. 1 Construindo Edifícios 3. 3 Madeira 85

SUMÁRIO. 2 Fundações 29. 1 Construindo Edifícios 3. 3 Madeira 85 SUMÁRIO 2 Fundações 29 1 Construindo Edifícios 3 Aprendendo a construir 4 Sustentabilidade 4 O trabalho do projetista: a escolha de sistemas construtivos 8 Normas para construção e fontes de informação

Leia mais

Estabelece as categorias e subcategorias relativas à actividade da construção

Estabelece as categorias e subcategorias relativas à actividade da construção Legislação Portaria n.º 19/2004, de 10 de Janeiro Publicada no D.R. n.º 8, I Série-B, de 10 de Janeiro de 2004 SUMÁRIO: Estabelece as categorias e subcategorias relativas à actividade da construção TEXTO:

Leia mais

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio L A U D O T É C N I C O Segurança estrutural contra incêndio GINASIO POLIESPORTIVO TAPEJARA RS MAIO DE 2015 OBJETIVO: Este laudo tem por objetivo estabelecer as condições mínimas que os materiais existentes

Leia mais

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Ergonomia na Construção Civil Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Introdução A construção civil exerce um importante papel social no país por absorver uma boa percentagem da mão-de-obra nacional.

Leia mais

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V 4.º Ano, 7.º semestre 4 ECTS / 4 h semanais TMTC V Objectivos Estudo da dimensão material da construção de espaços habitáveis, simbólica, expressiva e

Leia mais

sistema construtivo Steel Frame

sistema construtivo Steel Frame sistema construtivo Steel Frame A Allmas é uma indústria da construção civil, especializada na fabricação de estruturas e na construção em Steel Frame ou Light Steel Frame (LSF). Atua nos segmentos residenciais,

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA Os espaços estão distribuídos em dois pontos: a) Identificado no Mix Comercial/PDIR, como área nº 017. Localiza-se no primeiro piso, área restrita de desembarque internacional,

Leia mais

4. NOÇÕES SOBRE ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO (PREVENTIVA):

4. NOÇÕES SOBRE ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO (PREVENTIVA): 4. NOÇÕES SOBRE ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO (PREVENTIVA): Uma vez alcançado o objetivo da manutenção elétrica, que é, manter sob controle todas as paradas dos equipamentos, de forma que estas não prejudiquem

Leia mais

O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior A Comunidade de todos nós A ABCP vem pautando seu trabalho de desenvolvimento de mercado com uma visão de sistemas à base de cimento,

Leia mais

Canteiro de obras Diretrizes

Canteiro de obras Diretrizes Diretrizes NR-18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (Ministério do Trabalho); NB-1367 (NBR 12284) - ÁREAS DE VIVÊNCIA EM CANTEIROS DE OBRAS (ABNT). a área de trabalho fixa

Leia mais

Canteiro de obras Diretrizes

Canteiro de obras Diretrizes Diretrizes NR-18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (Ministério do Trabalho); NB-1367 (NBR 12284) - ÁREAS DE VIVÊNCIA EM CANTEIROS DE OBRAS (ABNT). a área de trabalho fixa

Leia mais

RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE REFORMA NO FÓRUM TRABALHISTA DE CORNÉLIO PROCÓPIO - IMÓVEL LOCADO. CONTRATADA: NS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA - EPP. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento

Leia mais

Prêmio SINDUSCON 2010 - EMPRESA DO ANO

Prêmio SINDUSCON 2010 - EMPRESA DO ANO Prêmio SINDUSCON 2010 - EMPRESA DO ANO MISSÃO Proporcionar espaços de vida com qualidade e custo compatível com a renda familiar do cliente. HISTÓRIA Considerada hoje uma das mais importantes e eficientes

Leia mais

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206.

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206. ATENDIMENTO DE DE SERVIÇOS E TECNOLÓGICO 1 DE 8 1. NORMAS DE DE SERVIÇOS 1.1 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO NBR 13133 - Execução de levantamento topográfico, 30/05/1994. Errata em 30/12/1996. 1.2 SOLOS E FUNDAÇÕES

Leia mais

Benvindo à Plastoquímica!

Benvindo à Plastoquímica! Beyond air Beyond and corrosion air and corrosion APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Benvindo à Plastoquímica! Beyond air and Beyond corrosion air and corrosion ENGENHARIA Beyond air and Beyond corrosion air and

Leia mais

Prof. Fernando Branco (IST) Eng.ª Rita Moura (Teixeira Duarte) Prof. Jorge Miguel Proença (IST) COORDENADOR. Prof. Jorge de Brito (IST) COORDENADOR

Prof. Fernando Branco (IST) Eng.ª Rita Moura (Teixeira Duarte) Prof. Jorge Miguel Proença (IST) COORDENADOR. Prof. Jorge de Brito (IST) COORDENADOR CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM ENGENHARIA CIVIL ABRIL, MAIO, JUNHO, JULHO E OUTUBRO DE 2013 A Teixeira Duarte e a FUNDEC, com o apoio da Ordem dos Engenheiros de Angola, estão a promover um ciclo de Cursos

Leia mais

2 Canteiro de obras objetivos da organização. 1 Canteiro de obras definições. 2 Canteiro de obras importância da organização

2 Canteiro de obras objetivos da organização. 1 Canteiro de obras definições. 2 Canteiro de obras importância da organização Tecnologia da construção civil I Canteiro de obras elementos de projeto Definição de canteiro de obras Planejamento do canteiro de obras Organização do canteiro de obras Fases do canteiro Elementos do

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR NORMA BRASILEIRA REGISTRADA NO INMETRO A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é reconhecida como único Foro Nacional de Normalização, responsável

Leia mais

4.2.5. Vigas baldrame

4.2.5. Vigas baldrame 33 fundação do tipo profunda, sendo a de estaca de concreto armado moldada em loco. Com o trado mecânico foram realizadas escavações que resultaram em forma cilíndrica de 8,50 a 9,00m de altura para chegar

Leia mais

ENGENHARIA EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS

ENGENHARIA EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Python, uma história consolidada pela competência. Atuando desde 1976, a Python Engenharia desenvolveu e consolidou uma cultura técnica que permite atuar com desenvoltura e absoluta eficiência no desenvolvimento

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

M ADEIRA. Seqüência de montagem. Montagem de piso. Montagem de telhado

M ADEIRA. Seqüência de montagem. Montagem de piso. Montagem de telhado Casa SmartHOME Brasil construída para a Feira Technohab/FEHAB 2003 Autor: Guilherme Corrêa Stamato arquitetura e engenharia Esta casa é um protótipo de residência utilizando as mais modernas tecnologias

Leia mais

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DO I.A.R.

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DO I.A.R. PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DO I.A.R. 2016 O Instituto Avançado de Robótica - I.A.R. (Registrado com Patente de Marca Nominal no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual INPI e homologado pelo Conselho

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 006 DEZEMBRO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 006 DEZEMBRO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 006 DEZEMBRO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA ESTRUTURAL GOIÂNIA Eng. Roberto Barella Filho GOIÂNIA METODOLOGIA DE COLETA DE INDICADORES Eng. Roberto Barella Filho OBJETIVOS PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA

Leia mais

Capítulo 1 Planejamento das Construções

Capítulo 1 Planejamento das Construções Capítulo 1 Planejamento das Construções 1. Considerações Gerais O princípio que deve nortear qualquer construção; seja grande ou pequena, residencial, comercial ou industrial, urbana ou rural; é o de fazer

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Norma de Desempenho de Edificações ABNT NBR 15575:2013 aplicada à Construção Civil Prof. André

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade ARQUITECTURA E ARTES Licenciatura ARQUITECTURA Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL Semestre: 8 Nº ECTS: 3,5 Regente Professor Doutor Artur Jorge de Oliveira

Leia mais

DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS

DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. ESCOPO DOS SERVIÇOS... 2 3. DIVERGÊNCIAS... 3 4. NORMAS... 3 5.

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL. - projeto - LUIS ALBERTO CARVALHO 85-3244-3939 9982-4969. la99824969@yahoo.com.br

ALVENARIA ESTRUTURAL. - projeto - LUIS ALBERTO CARVALHO 85-3244-3939 9982-4969. la99824969@yahoo.com.br ALVENARIA ESTRUTURAL - projeto - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br aspectos estruturais do PROJETO DE ARQUITETURA evitar-se, a todo custo, a arquitetura tipo caixão,

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:03 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E FOTOS DE ANDAIMES PARA CONCRETAGEM DE PILAR

CONSIDERAÇÕES E FOTOS DE ANDAIMES PARA CONCRETAGEM DE PILAR CONSIDERAÇÕES E FOTOS DE ANDAIMES PARA CONCRETAGEM DE PILAR Autor DEOGLEDES MONTICUCO Profissional com mais de 50 anos de atuação na Indústria da Construção, Automobilística, Colonização, Comércio, Educação

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé) Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem o sistema de Guarda Corpo e Rodapé, o qual destina-se a promover a proteção contra riscos

Leia mais

ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1

ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1 ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1 Maísa Bronstrup 2, Leonardo Gerlach Donatti 3. 1 Projeto de pesquisa realizado no Trabalho de Conclusão de

Leia mais

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares (desonerado) - Mês Dezembro/2014.

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares (desonerado) - Mês Dezembro/2014. Relação de Itens Elementares - Mês Dezembro/2014. Direta MOD900050 Agente Operador de Tráfego Júnior h 10,31 MOD900100 Agente Operador de Tráfego Sênior h 12,52 MOD900150 Ajudante de instalação e manutenção

Leia mais

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares (desonerado) - Mês Dezembro/2015.

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares (desonerado) - Mês Dezembro/2015. Relação de Itens Elementares - Mês Dezembro/2015. Direta MOD900050 MOD900100 MOD900150 MOD900200 MOD900250 MOD900300 MOD900350 MOD900400 MOD900450 MOD900500 MOD900520 MOD900550 MOD900600 MOD900650 MOD900700

Leia mais

Curso de. rquitetura. e urbanismo

Curso de. rquitetura. e urbanismo Curso de rquitetura e urbanismo Características gerais Projetar e construir edificações de diferentes portes e planejar o espaço urbano e regional são as atribuições mais conhecidas do Arquiteto e Urbanista.

Leia mais

Tecnologia inovadora de rolos anilox

Tecnologia inovadora de rolos anilox Tecnologia inovadora de rolos anilox Versatilidade de impressão e competência de mercado Na Zecher você encontra tudo o que está relacionado com rolos anilox: Tendo começado pela produção dos primeiros

Leia mais

Assunto: Parâmetros de Projeto Estrutural Prof. Ederaldo Azevedo Aula 2 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 2. PARAMETROS DE PROJETO 2.1. Projetos Os Projetos de uma edificação podem ser divididos em

Leia mais

Histórico e Objetivos

Histórico e Objetivos Histórico e Objetivos A PINI, ao longo de sua trajetória tem contribuído de forma ativa para a formação, atualização e treinamento profissional de engenheiros, arquitetos, projetistas e gestores da construção

Leia mais

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa de assentamento;

Leia mais

Construções e Eletrificação Rural

Construções e Eletrificação Rural Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Companhia Municipal de Urbanismo - COMUR Retificação Nº001 - Edital de Abertura 01/2012

Companhia Municipal de Urbanismo - COMUR Retificação Nº001 - Edital de Abertura 01/2012 1 COMPANHIA MUNICIPAL DE URBANISMO - COMUR MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO / RS CONCURSO PÚBLICO EDITAL DE ABERTURA 01/2012 RETIFICAÇÃO Nº 001 A Fundação La Salle e a Companhia Municipal de Urbanismo COMUR

Leia mais

Por que devemos conhecer os Custos?

Por que devemos conhecer os Custos? Terminologias e Classificação em Custos OBJETIVOS DA AULA: Entender o por que estudar os custos. Explorar a terminologia adotada. Definir e classificá los. Apresentar os elementos básicos. Por que devemos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Período: 4º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Existem diversos tipos de desenhos utilizados nos projetos de Construção

Leia mais

Haruo Ishikawa. Vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do SindusCon-SP e Coordenador da CPN-NR18

Haruo Ishikawa. Vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do SindusCon-SP e Coordenador da CPN-NR18 Debate : O papel do SindusCon-SP e da CNTI para educação, qualificação profissional e fortalecimento das empresas e trabalhadores na Indústria da Construção Haruo Ishikawa Vice-presidente de Relações Capital-Trabalho

Leia mais

Portifólio MINI.CURSO A. GENERALIDADES

Portifólio MINI.CURSO A. GENERALIDADES MINI.CURSO Portifólio CURSO de ATUALIZAÇÃO em nível de Pós-graduação lato sensu A. GENERALIDADES Professor: Dickran Berberian Engenheiro Geotécnico e Patologista de Fundações e Estruturas, Pós graduado

Leia mais

GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil

GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil I. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a execução e especificação do PEEPC - Projeto de Execução e Especificação

Leia mais

MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS

MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS SUMÁRIO 1. Introdução 2. Manuseio de Materiais 3. Projeto de Armazenagem 4. Arranjos Físicos nos Depósitos 5. Embalagem de Produtos 6. Conclusão INTRODUÇÃO - Sozinho,

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE REFORMA DO FÓRUM TRABALHISTA DE COLOMBO CONTRATADA: VENTO NORDESTE CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTO LTDA. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento

Leia mais

2016 Formação CERTIEL

2016 Formação CERTIEL 2016 Formação CERTIEL Formação CERTIEL Em 2016, a CERTIEL continua a aposta na sua oferta formativa, a qual continuará a incidir na atualização e reforço das competências dos técnicos responsáveis pela

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ENGENHARIA

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ENGENHARIA FORMAÇÃO AVANÇADA EM ENGENHARIA A TEIXEIRA DUARTE, o INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO (IST) e a FUNDEC, com o apoio da ordem dos Engenheiros de Angola, estão a organizar Cursos de Formação Avançada no domínio

Leia mais

CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida

CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida STORY HOUSE PREÇO DESDE: 130.000 + IVA RIVER HOUSE PREÇO DESDE: 250.000 + IVA SEA HOUSE PREÇO DESDE: 350.000 + IVA COUNTRY

Leia mais

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 1º 2016s2 2016 Noturno Turma: Cálculo Instrumental Geometria Analítica Química Aplicada à Engenharia Algoritmos Computacionais Metodologia da Pesquisa Cálculo Instrumental Geometria Analítica Química Aplicada

Leia mais

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses 1 Quem é a Yellowbrick Houses Somos uma incorporadora atuando no mercado de casas residenciais em Alphaville/Tamboré desde 2009 Nossos diferenciais:

Leia mais

BOAS VINDAS!!!!! TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL I. Apresentação da disciplina CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Apresentação da disciplina

BOAS VINDAS!!!!! TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL I. Apresentação da disciplina CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Apresentação da disciplina Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Sobre a empresa. Fundada em Minas Gerais, a TITAN Locadora de Equipamentos oferece ao mercado de construção civil soluções em equipamentos visando:

Sobre a empresa. Fundada em Minas Gerais, a TITAN Locadora de Equipamentos oferece ao mercado de construção civil soluções em equipamentos visando: Sobre a empresa Fundada em Minas Gerais, a TITAN Locadora de Equipamentos oferece ao mercado de construção civil soluções em equipamentos visando: Maior produtividade Redução de custo operacional Redução

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO QUE DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA/CAMPUS APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

Interoperabilidade: quebrando paradigmas

Interoperabilidade: quebrando paradigmas Interoperabilidade: quebrando paradigmas Prof. Dr. Leonardo Manzione Sobre o palestrante Leonardo Manzione - São Paulo - SP Engenheiro Civil graduado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Leia mais

Ementa do Curso Gerenciamento de Obras Roberto Rafael Guidugli Filho 1. Introdução 2. O Gerenciamento versus Fiscalização de Obras Públicas

Ementa do Curso Gerenciamento de Obras Roberto Rafael Guidugli Filho 1. Introdução 2. O Gerenciamento versus Fiscalização de Obras Públicas Ementa do Curso Gerenciamento de Obras Roberto Rafael Guidugli Filho Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto Especialista em Engenharia Econômica pela Fundação Dom Cabral Mestre em Engenharia

Leia mais

SEG TER QUA QUI SEX SAB

SEG TER QUA QUI SEX SAB SOCIESC, Albano Schmidt,, Joinville, Brazil 7:7-8: 8: - 9:0 9:0-9: 0:0 - :00 :00 - :0 :00 - :0 :0 - :0 :0 - :0 : - : 7:00-7:0 7:0-8:0 8:0-9:00 9:00-9:0 9:0-0:0 0:0 - :0 :0 - :0 Horário criado:0/07/0 CV08

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL LEGALMENTE HABILITADO NAS ATIVIDADES DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS

A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL LEGALMENTE HABILITADO NAS ATIVIDADES DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL LEGALMENTE HABILITADO NAS ATIVIDADES DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS C O N F E A / C R E A Rio de Janeiro 13/07/2006 Eng. Jaques Sherique Presidente da SOBES-RJ Conselheiro

Leia mais

PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO

PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO Aula 5 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira SISTEMAS PRODUTIVOS I 1 Objetivo da aula Apresentar conceitos sobre o que é projeto de gestão da produção. Quais objetivos a atividade

Leia mais

BOAS PRÁTICAS: CASO DE RESTAURO DE FACHADAS HISTÓRICAS CONCREJATO SERVIÇOS TÉCNICOS DE ENGENHARIA S/A

BOAS PRÁTICAS: CASO DE RESTAURO DE FACHADAS HISTÓRICAS CONCREJATO SERVIÇOS TÉCNICOS DE ENGENHARIA S/A BOAS PRÁTICAS: CASO DE RESTAURO DE FACHADAS HISTÓRICAS CONCREJATO SERVIÇOS TÉCNICOS DE ENGENHARIA S/A Concrejato A Concrejato tem sua origem na década de 1970, com as primeiras obras de recuperação de

Leia mais

Distribuição de Cargas Verticais

Distribuição de Cargas Verticais Distribuição de Cargas Verticais Disponível em http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html jean.marie@ufrgs.br Funções das paredes de alvenaria Compressão axial Transmite as cargas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.6. OBRAS DE CONTENÇÃO Sempre que a movimentação de terra implicar em riscos de perda de estabilidade do solo, há a necessidade da execução de estruturas ou obras de contenção para segurança da própria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 A promoção da acessibilidade constitui um direito consagrado constitucionalmente, uma vez que é condição

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2014. ETE Monsenhor Antonio Magliano. Área Profissional: Indústria

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2014. ETE Monsenhor Antonio Magliano. Área Profissional: Indústria Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETE Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Mecânica

Leia mais

VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP

VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza por opiniões ou pareceres

Leia mais

PROJETO DAS FÔRMAS PROJETO DAS FÔRMAS RACIONALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DAS FÔRMAS PROJETO DAS FÔRMAS RACIONALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PROJETO DAS FÔRMAS Aula 11 PROJETO DAS FÔRMAS Profs. Fernando H. Sabbatini, Francisco F. Cardoso, Luiz

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Objetivo: discutir conceitos Construção industrializada X Processos construtivos industrializados 2 CONFUSÃO!

Leia mais

Instrução Normativa nº. 03/2011

Instrução Normativa nº. 03/2011 Instrução Normativa nº. 03/2011 Dispõe sobre a obrigatoriedade da emissão e utilização da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), instituída pelo Decreto nº. 319, de 04 de outubro de 2011, para os

Leia mais

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 29/10/2012

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 29/10/2012 DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH Data: 29/10/2012 OCUPAÇÃO Nº DE VAGAS EXPERIÊNCIA ESCOLARIDADE SALÁRIO AJUDANTE DE CARGA E DESCARGA DE MERCADORIA 2 NÃO EXIGIDA ENSINO FUNDAMENTAL INCOMPLETO R$

Leia mais

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva Elementos estruturais em edifícios de concreto

Leia mais

SENAI em Caxias do Sul Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento

SENAI em Caxias do Sul Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento SENAI em Caxias do Sul Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Outubro 2013 Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira Institutos SENAI de Inovação Institutos SENAI de Tecnologia

Leia mais

OBRA: CONSTRUÇÃO DE CISTERNA E CAIXA D'ÁGUA ESCOLA: EEM MARIA BERNARDO DE CASTRO ASSUNTO: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

OBRA: CONSTRUÇÃO DE CISTERNA E CAIXA D'ÁGUA ESCOLA: EEM MARIA BERNARDO DE CASTRO ASSUNTO: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: CONSTRUÇÃO DE CISTERNA E CAIXA D'ÁGUA ESCOLA: EEM MARIA BERNARDO DE CASTRO ASSUNTO: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 01. OBJETO: 01.01. Estas especificações dizem respeito à construção de cisterna e estrutura

Leia mais

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica Prof. Edmar José do Nascimento

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica  Prof. Edmar José do Nascimento O Engenheiro Introdução à Engenharia Elétrica http://www.univasf.edu.br/~edmar.nascimento Prof. Edmar José do Nascimento Introdução à Engenharia Elétrica Carga horária 30 horas (15 encontros) Professores

Leia mais

Residência Austregésilo Freitas Alanna Maria Ribeiro Eduardo Pinto Nathalia Nishida

Residência Austregésilo Freitas Alanna Maria Ribeiro Eduardo Pinto Nathalia Nishida Um registro da arquitetura moderna Residência Austregésilo Freitas Alanna Maria Ribeiro Eduardo Pinto Nathalia Nishida Residência Austregésilo Freitas, 1958. Av. Cabo Branco 2332, Tambaú, João Pessoa-PB.

Leia mais

Louças: Serão utilizados da marca Celite ou Deca ou Ideal Standard Metais: Serão utilizados da marca Fabrimar, Deca ou Docol

Louças: Serão utilizados da marca Celite ou Deca ou Ideal Standard Metais: Serão utilizados da marca Fabrimar, Deca ou Docol MEMORIAL DESCRITIVO 1- ACABAMENTO DAS UNIDADES COMERCIAIS 1.1 MULTISPACE OFFICE Piso: Na laje em osso (concreto) Parede: Pintura plástica sobre massa corrida Teto: Rebaixo em gesso com pintura plástica

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

Avaliação de ecoeficiência da construção de estrada utilizando pavimento rígido (concreto) versus flexível (asfalto)

Avaliação de ecoeficiência da construção de estrada utilizando pavimento rígido (concreto) versus flexível (asfalto) - São Paulo/SP Avaliação de ecoeficiência da construção de estrada utilizando pavimento rígido (concreto) versus flexível (asfalto) Realização Economia Verde O conceito de economia verde carrega a promessa

Leia mais

Estaca pré-fabricada de concreto

Estaca pré-fabricada de concreto CONCEITO Podem ser de concreto armado ou protendido. São utilizadas com maior frequência em obras de pequeno e médio porte e causam grande vibração no solo. TIPOS/MODELOS Sua seção pode ser quadrada, hexagonal,

Leia mais

Relatório de Acompanhamento Técnico Construção da Sede Urbana da AABB Fortaleza. Etapa 11 Junho/2013

Relatório de Acompanhamento Técnico Construção da Sede Urbana da AABB Fortaleza. Etapa 11 Junho/2013 Etapa 11 Junho/2013 Obra Construção da nova sede da AABB Urbana Contratada Mercurius Engenharia S/A. Vistoria Período: 01.06.2013 a 31.06.2013 Desempenho do Contratado a. Atendimento aos projetos / especificações

Leia mais

Curso de Engenharia Elétrica. Francisco Carlos Moreira Abreu Eng. Eletricista

Curso de Engenharia Elétrica. Francisco Carlos Moreira Abreu Eng. Eletricista Curso de Engenharia Elétrica Francisco Carlos Moreira Abreu Eng. Eletricista Engenharia Elétrica Formação e Mercado de Trabalho Engenharia Elétrica Ramo da engenharia que lida com o estudo e a aplicação

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DAS ÁREAS

SITUAÇÃO FÍSICA DAS ÁREAS SITUAÇÃO FÍSICA DAS ÁREAS O processo se refere a áreas destinadas à ocupação por Locadoras de Veículos, constante no Mix Comercial do Aeroporto, sendo composta por área ATP de 4,58 m² (quatro vírgula cinqüenta

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 34 Cálculo Estrutural da Fuselagem

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 34 Cálculo Estrutural da Fuselagem Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 34 Cálculo Estrutural da Fuselagem Tópicos Abordados Estrutura da Fuselagem. Projeto da Fuselagem. Estrutura da Fuselagem A fuselagem inclui a cabine de comandos,

Leia mais

Anexo 4.8.1-1 Registro Fotográfico das Obras de Educação em andamento

Anexo 4.8.1-1 Registro Fotográfico das Obras de Educação em andamento 9 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 4.8.1-1 Registro Fotográfico das Obras de Educação em andamento ANEXO

Leia mais

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados.

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados. Fundada em agosto de 1975, por 13 empresas, a ADEMI-BA completa em 2015, 40 anos de existência sempre optando por projetos alinhados às necessidades da população, colocando em primeiro plano as exigências

Leia mais

EXPOMINAS. 06 a 09 de AGOSTO. www.feiraconstruir.com.br/minas

EXPOMINAS. 06 a 09 de AGOSTO. www.feiraconstruir.com.br/minas A FEIRA DE NEGócios e tendências da construção EXPOMINAS 06 a 09 de AGOSTO www.feiraconstruir.com.br/minas A FEIRA O Minascon/Construir Minas Feira Internacional da Construção foi idealizada para unir

Leia mais

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares - Mês Fevereiro/2016. Mão-de-Obra

PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenharia FGV Relação de Itens Elementares - Mês Fevereiro/2016. Mão-de-Obra PCRJ SCO-Sistema de Custos de Obras e Serviços de Engenaria FGV Direta MOD000050 Agente Operador de Tráfego Júnior 11,95 MOD000100 MOD000150 Agente Operador de Tráfego Sênior Ajudante de instalação e manutenção

Leia mais