Materiais de Construção II TC 031

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Materiais de Construção II TC 031"

Transcrição

1 Materiais de Construção II TC 031 Normalização Prof. Marcelo Medeiros Adaptado pela prof.a Laila Valduga Artigas 1

2 Normas e responsabilidades para engenheiros: Hammurabi, rei da Babilônia AC, escreveu as seguintes leis sobre as responsabilidades dos construtores: Se uma construção cair causando a morte de seu proprietário ou de seu filho, qualquer que seja o caso, o construtor ou seu filho deverão ser mortos. Se o escravo do proprietário morrer, a ele o construtor deve dar um outro escravo de mesmo valor. Se outros bens forem destruídos, estes devem ser restituídos e as partes da casa devem ser reconstituídas à custa do construtor. 2

3 Importância das Normas Técnicas: Código Civil Código de leis brasileiras. Entendimento jurídico que as regulamentações das relações produtor x consumidor são geridas pelo CDC. Artigo 39, inciso VI considera como prática abusiva a inserção no mercado de qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes. 3

4 Importância das Normas Técnicas: Código de Defesa do Consumidor: CDC Conmetro ABNT De acordo com o CDC, é obrigatório o respeito às Normas Técnicas brasileiras, elaboradas pela ABNT, e sua desobediência corresponde a uma infração legal, ensejando as sansões cabíveis. Conmetro - Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 4

5 Importância das Normas Técnicas: Normas Técnicas: Consideradas acessórias ao CDC. Tem força de uma Lei. Norma técnica é um parâmetro mínimo, se a situação exige algum cuidado técnico adicional, deve ser tomado pelo construtor. A responsabilidade é de reconstruir o que foi malfeito ou indenizar o prejuízo causado no caso de depreciação do bem por falta do cumprimento de normas técnicas. 5

6 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 6

7 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 7

8 1. Definições Normalização: Éconvenção, porém essencial para um pleno entendimento entre fornecedores e consumidores! Processo de formulação e aplicação de regras para o tratamento ordenado de uma atividade industrial, comercial ou social específica. Pelos seus fundamentos, deve ser um processo de simplificação, baseado em resultados jáconsolidados da ciência, da técnica e da experiência. 8

9 Norma: Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso comum e repetitivo, regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando àobtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. Definição da ABNT 9

10 Normas: Documentos que descrevem conceitos, produtos, procedimentos, métodos de ensaio e símbolos, estabelecidos por especialistas de uma determinada área ou setor industrial, aprovados por um organismo oficial de normalização e definidos para aplicação em uma instituição, empresa, país ou região. 10

11 Características das normas: Definem características básicas dos materiais e componentes de construção tradicionais; Não podem assegurar o comportamento em serviço, ou seja, o seu desempenho; Baseadas na experiência pelo seu emprego repetitivo; Têm efeito de preceito, ou de determinação expressa, para efeito de fabricação ou compra; Maioria das normas são sobre materiais e componentes para vedação e acabamento. 11

12 Tendências atuais: Normas de desempenho Focam o comportamento em serviço e englobam os conceitos de vida útil (de projeto, de serviço); Uso da abordagem de desempenho para a normalização maior flexibilidade para os usuários; Dificuldade: elaboração mais complexa! 12

13 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 13

14 2. Objetivos e importância 2.1 Objetivos: As normas fixam um critério de aceitaçãoou não no recebimento de materiais, estabelecem padrõespara os mesmos, e fixam conceitose procedimentosgerais que se aplicam aos diferentes métodos de ensaio. Regulam a qualidade, a classificação, a produção e o emprego dos diversos materiais. 14

15 Segundo L. H. Ceotto (2004), a normalização pode cooperar para reduzir problemas crônicos do Setor da Construção Civil: Concorrência predatória. Práticas ilícitas. Monopólios. Regulamentos obsoletos. Desconhecimento do cliente. Aumento da competitividade setorial. 15

16 Entender a normalização como fator de desenvolvimento setorial! 16

17 2.2 Importância: Importância econômica Importância social Importância técnica 17

18 2.2.1 Importância Econômica Padronização Permite interconexão (energia elétrica, por exemplo); Estabelece padrões de grandeza (metrologia); Facilita acesso a mercados (nacionais, internacionais); Cria ambiente competitivo; Competição pode beneficiar consumidor. Defesa contra concorrência desleal -Redução da qualidade pode levar àredução de custo, com prejuízos para a sociedade. Pode evitar à consolidação de cartéis 18

19 2.2.2 Importância social Defesa do consumidor Adotada pelo Código de Defesa do Consumidor; Estabelece padrão aceito de desempenho. Simplificação de contratos Referência a norma técnica evita repetir descrição. Facilita comunicação 19

20 2.2.3 Importância técnica Estabelece padrões de grandeza e formas de medir Por exemplo na metrologia: metro, grama, Volt, Watt. Estabelece procedimentos padrões para os mais diversos setores Soluções confiáveis; Aumenta nível de segurança de operações; Facilita a avaliação e a certificação da qualidade de produtos e serviços. 20

21 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 21

22 3. Classificação das normas NBR 7211 :

23 3. Classificação das normas NBR7211 : 2009 Norma Brasileira Ano da última atualização 23

24 Conceito; Ex.: NBR 11172: Aglomerantes de origem mineral - Terminologia Produtos; Ex.: NBR 11578: Cimento Portland composto - Especificação Procedimentos; Ex.: NBR 12655: Concreto de cimento Portland - Preparo, controle e recebimento Procedimento Métodos de ensaio; Ex.: NBR 6467:2006 Determinação do inchamento do agregado miúdo Método de ensaio Símbolos. Ex.: NBR 5730:1982 -Símbolos gráficos empregados na coordenação modular da construção 24

25 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 25

26 4. Entidades de normalização Nacionais: - ABNT (Brasil) site: -ASTM (EUA); -DIN (Alemanha); -AFNOR (França); - BSI (Inglaterra). Internacionais: - ISO International Organization for Standardization; - Associação Mercosul de Normalização (AMN); - CEN - Comunidade Européia. 26

27 Níveis de Normalização: ISO IEC INTERNACIONAL REGIONAL CMN CEN CO PANT NACIONAL ABNT DIN BSI EMPRESARIAL PETROBRÁS 27

28 4.1 Normalização no país: a ABNT Órgão responsável pela normalização técnica no Brasil; Diretoria eleita pelos sócios da ABNT: Pessoas físicas e Jurídicas Sociedade civil, sem fins lucrativos, iniciou as atividades em 1940, na área de Construção Civil; 28

29 4.2 Comitês técnicos 60 ABNT/CB; Comitê Brasileiro ABNT/ONS; 4 Organismo de Normalização Setorial Tecnologia gráfica Petróleo Embalagem e acondicionamento plásticos Ensaios não destrutivos ABNT/CEE. Comissão de Estudos Especial 84 29

30 ABNT/CB-Comitê Brasileiro Coordena a normalização em áreas específicas; Órgão da estrutura da ABNT; Superintendente eleito por sócios da ABNT inscritos; ABNT/ONS-Organismo de Normalização Setorial Éum organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos; Credenciado pela ABNT para coordenar normalização em área específica. 30

31 Comitês Brasileiros - Construção Civil CB02 - Construção civil CB03 - Eletricidade CB16 -Transporte e tráfego CB18 -Cimento, Concreto e Agregados CB22 - Impermeabilização CB24 -Segurança contra incêndios CB28 - Siderurgia CB31 - Madeiras CB35 -Alumínio CB37 -Vidros Planos CB39 -Implementos rodoviários CB40 - Acessibilidade CB55 -Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento 31

32 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 32

33 5. Confecção de uma norma Confecção de normas no Brasil (normalização consensual) 33

34 Seqüência de atividades: 1. Demanda da sociedade 2. Elaboração texto-base especialista 3. Comissão de Estudos Aberta; Paritária: consumidores, produtores, neutros Consenso; Trabalho voluntário; conflito de interesses 34

35 5. Votação pública 6. Análise dos votos 7. Registro NBR Consome muito tempo Resultado depende dos participantes Qualidade técnica não é garantida 35

36 Normas Técnicas: 1.Definições 2.Objetivos e importância 3.Classificação das normas 4.Entidades de normalização 5.Confecção de uma norma 6.Certificação 36

37 6. Certificação É um conjunto de atividades realizadas por uma organização de terceira parte (organização independente, credenciada pelo INMETRO) para atestar e declarar que um produto, serviço, pessoa ou sistema está em conformidade com os requisitos técnicos especificados; A Certificação pode ser de caráter voluntário, cuja decisão é exclusiva da empresa que fabrica o produto ou fornece o serviço; ou compulsório, estabelecida pelo governo para comercialização de produtos e serviços; 37

38 6.1 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS: Inspeção do processo de fabricação; Análise do sistema de controle de qualidade; Coleta de amostras Mercado Fábrica Ensaios; Compara com os requisitos da normalização; Emite certificado ou marca de conformidade(selo); Validade determinada. 38

39 6.2 CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS: Certificação de unidade de empresa: Filial, escritório, planta; Sistemas de Gestão da Qualidade -ISO 9000; Sistema de Gestão Ambiental -ISO 14000; Não analisam qualidade de produtos! 39

Indústria da Construção Civil

Indústria da Construção Civil Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos,

Leia mais

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II

Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Indústria da Construção Civil: Introdução Parte II Grupo de Materiais de Construção 1 Especialistas Engenheiro Residente Engenheiro de Estruturas Engenheiro de Fundações Engenheiro de Instalações Arquiteto

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 www.abnt.org.br 1 Quem é a ABNT? ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 Fórum Nacional de Normalização único Membro fundador

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA 1. Introdução Com frequência sou consultada a respeito do caráter legal das Normas Técnicas Brasileiras e tenho percebido que esse tema é recorrente

Leia mais

Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1

Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 Normalização e controle da qualidade dos materiais e componentes das construções NORMA Documento técnico que descreve Objetivamente um PADRÃO TÉCNICO aceito pela sociedade. Estabelecido por consenso e

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

IPR Instalações Prediais

IPR Instalações Prediais IPR Instalações Prediais Programa: Sistemas Prediais de Água Fria Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Professora Andreza Kalbusch Sistemas Prediais de Água Quente Sistemas Prediais de Águas Pluviais

Leia mais

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco Certificação de Pessoas Danilo Stocco Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de Ensaios Não

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A NORMALIZAÇÃO Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini, em livros

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 1ª Reunião Extraordinária de 2012 do Fórum Governamental de Responsabilidade Social SEMINÁRIO BRASIL-HOLANDA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL GOVERNAMENTAL Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade

Leia mais

ABNT SEU PARCEIRO CERTIFICADOR / NORMALIZADOR

ABNT SEU PARCEIRO CERTIFICADOR / NORMALIZADOR Luiz Boschetti ABNT SEU PARCEIRO CERTIFICADOR / NORMALIZADOR Rio de Janeiro, 29 Out 2010 ABNT Fundada em 1940 Entidade s/fins lucrativos e de Utilidade Pública Fórum Nacional de Normalização Organismo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n 04, de 16 de dezembro de 1998 Usando das atribuições que lhe confere o Artigo 3º da Lei n 5966, de 11 de dezembro

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Grupo de Trabalho de DNA Forense Na ABNT CEE-137

Grupo de Trabalho de DNA Forense Na ABNT CEE-137 Grupo de Trabalho de DNA Forense Na ABNT CEE-137 Rodrigo Moura Neto Inmetro Julho/2010 Cooperação entre o Ministério da Justiça-Inmetro O símbolo da Justiça é um instrumento metrológico... João Alziro

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE CONSUMIDORES NO PROCESSO DE NORMALIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA TERMO DE REFERÊNCIA

PARTICIPAÇÃO DE CONSUMIDORES NO PROCESSO DE NORMALIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA TERMO DE REFERÊNCIA PARTICIPAÇÃO DE CONSUMIDORES NO PROCESSO DE NORMALIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVO: Este Termo de Referência foi elaborado com o objetivo de estabelecer as diretrizes para viabilizar

Leia mais

Fontes de informação para fortalecer o seu negócio. Normas Técnicas

Fontes de informação para fortalecer o seu negócio. Normas Técnicas Fontes de informação para fortalecer o seu negócio Normas Técnicas Normalizaçã Um pouco de história... A normalização é uma atividade que existe desde o início da humanidade. Foi um dos meios fundamentais

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

NORMAS SÉRIE ISO 14000

NORMAS SÉRIE ISO 14000 NORMAS SÉRIE ISO 14000 O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação mundial de organismos

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

Modelo da Série NBR ISO 9000

Modelo da Série NBR ISO 9000 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP CURSO DE ADMINISTAÇÃO Prof a : NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Origem da Norma para Sistemas da Qualidade ISO

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Série ISO 14000 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A questão ambiental empresarial encontrase em fases distintas nos diversos países do mundo: De

Leia mais

É autorizada a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte.

É autorizada a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte. 2002 Confederação Nacional da Indústria É autorizada a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte. Confederação Nacional da Indústria CNI Unidade de Competitividade Industrial

Leia mais

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL 1 NORMAS TÉCNICAS NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL Uma norma técnica é um documento definido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece, para uso comum e repetitivo, regras,

Leia mais

Associação. MERCOSUL de Normalização - AMN. Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade

Associação. MERCOSUL de Normalização - AMN. Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade Associação MERCOSUL de Normalização - AMN Eng. Fabián Yaksic Secretário do CSM 01 Eletricidade Organismos Internacionais e Regionais de Normalização CANENA CROSQ CEN CENELEC CAN COPANT AMN Regulamentação

Leia mais

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Eduardo Daniel MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva Coordenador da CE 03:064-01 Instalações elétricas de baixa tensão ORIGEM ABNT - Associação Brasileira de

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil Normalização e Avaliação da Conformidade A Normalização nas Américas Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil O QUE É A ABNT? FUNDADA EM 1940 ENTIDADE PRIVADA, SEM FINS LUCRATIVOS, DE

Leia mais

Normalização no Mercosul

Normalização no Mercosul Normalização no Mercosul Eng. Fabián Yaksic Presidente do CBAC Secretário do CSM 01 Eletricidade da AMN Associação Mercosul de Normalização Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Organismos

Leia mais

Certificação de Sistemas e Produtos. ABNT Certificadora

Certificação de Sistemas e Produtos. ABNT Certificadora Certificação de Sistemas e Produtos Copant Fortaleza 09/05/2012 Antonio Carlos Barros de Oliveira Gerente Geral de Certificação Topícos ABNT Normalização Internacional e Nacional Certificação Panorama

Leia mais

PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006.

PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006. PROJETO INDICADORES PARA NORMAS TÉCNICAS Desenvolvido pela Secretaria do CB-10, em agosto de 2006. I) INDICADORES PARA AVALIAR A QUALIDADE DA COLETÂNEA NACIONAL EM RELAÇAO A COLETÃNEA INTERNACIONAL Com

Leia mais

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015.

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 11 Sistema de proteção física Sistema de proteção de equipamentos Sistema de proteção individual Normas da ABNT 1 Normas ABNT s Certificado de

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011)

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011) NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Fabio Uchôas de Lima (SP,Agosto 2011) 1. Introdução Sabemos que a busca da qualidade sempre acompanhou a evolução do homem, visto que queremos cada vez mais aprimoramento

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

Certificação de Pessoas

Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas O que é? Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes e competências do trabalhador, requeridos pelo sistema produtivo e definidos em termos

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Mayard Zolotar Diretoria da Qualidade Inmetro É uma autarquia federal, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Avaliação da Conformidade

Avaliação da Conformidade Avaliação da Conformidade Álvaro Medeiros de Farias Theisen 11 de setembro de 2012 Álvaro Medeiros de Farias Theisen Diretor datesttech Laboratórios Membro do CBAC Membro de CT do INMETRO para certificação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

ALGODÃO SOCIALMENTE CORRETO

ALGODÃO SOCIALMENTE CORRETO ALGODÃO SOCIALMENTE CORRETO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL É o desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as

Leia mais

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Certificação de Equipamentos de Proteção contra Incêndio no Brasil Avaliação da Conformidade Uma Ferramenta para Agregar Confiança Guarujá, 5 de

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Eng. Eduardo Campos de São Thiago - Gerente de Relações Internacionais da ABNT - Co-Secretário, ISO Working Group on Social Responsibility 1 Talvez você não tenha

Leia mais

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo...

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Fonte de recursos para projetos novembro 2012 1. Patrocínios 1.1 PATROCÍNIO A EVENTOS E PUBLICAÇÕES (Revisado) Data limite: 60 dias de antecedência

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

ESTUDOS BÁSICOS SOBRE NORMALIZAÇÃO: origem, conceitos e organismos reguladores.

ESTUDOS BÁSICOS SOBRE NORMALIZAÇÃO: origem, conceitos e organismos reguladores. ESTUDOS BÁSICOS SOBRE NORMALIZAÇÃO: origem, conceitos e organismos reguladores. Graziela Mônaco Vargas Resumo A normalização está presente em diversas áreas do conhecimento e também na indústria, no comércio,

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

Simpósio Internacional sobre Biocombustíveis e Segurança Alimentar

Simpósio Internacional sobre Biocombustíveis e Segurança Alimentar Simpósio Internacional sobre Biocombustíveis e Segurança Alimentar Salvador (BA) (de13-15/10/2008). Mesa redonda: Certificação: Aspectos ambientais e sociais na União Européia e no Brasil Antonio Carlos

Leia mais

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção

Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ.

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. A partir de 2013, alguns produtos automotivos devem estar certificados pelo Inmetro -- Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE SUMÁRIO Apresentação 1 A avaliação da conformidade como estratégia competitiva 2 Definições e Conceitos 2.1 Entendendo a Norma ABNT NBR ISO/IEC 17000

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO PROFILE Debora do Nascimento Bueno (debora.bueno@iqa.org.br) Auditora Líder da qualidade no IQA - Instituto da Qualidade Automotiva. Formação técnica: Técnica

Leia mais

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014 MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre A Coordenação Geral

Leia mais

PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO

PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 São Paulo 25.08.2004 Seguindo a solicitação dos participantes do primeiro Workshop sobre interpretações da norma ISO 9001:2000 com as Certificadoras,

Leia mais

5W 1H Who? Where? Why? What? When? How? PADRONIZAÇÃO ISO 9000 COMO GARANTIR A QUALIDADE NO

5W 1H Who? Where? Why? What? When? How? PADRONIZAÇÃO ISO 9000 COMO GARANTIR A QUALIDADE NO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento Engenharia Mecânica ENG 039 Gestão da Qualidade PADRONIZAÇÃO ISO 9000 Apresentação: Pedro Henrique Pereira Muniz Rafael de Oliveira Hughes

Leia mais

Novos desafios na interpretação de seus requisitos

Novos desafios na interpretação de seus requisitos Novos desafios na interpretação de seus requisitos Com a evolução tecnológica, principalmente no campo da tecnologia da informação, e o constante processo de normalização em diversas disciplinas relacionadas

Leia mais

Cesar Lima - Gerdau Açominas.

Cesar Lima - Gerdau Açominas. Cesar Lima - Gerdau Açominas. A Gerdau Açominas. - Usina siderúrgica integrada. - Capacidade instalada de 3.000.000 t./ano de aço liquido. - Produz 2.750.000 t./ano de acabados em forma de blocos, placas,

Leia mais

Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012.

Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva ISO 14000 Pedro G. Fernandes da Silva A ISO 14000 é uma forma abrangente e holística de administrar o meio ambiente que inclui regulamentos, prevenção de poluição, conservação de recursos e proteção ambiental,

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 Tecnologia nanômetro não é apenas um tecnologia da INTEL? A tecnologia de 22nm pode ser utilizada por diversas marcas conforme mencionado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

9. O Que é Avaliação da Conformidade

9. O Que é Avaliação da Conformidade 9. O Que é Avaliação da Conformidade Demonstração de que os requisitos especificados relativos a um produto, processo, sistema, pessoa ou organismo são atendidos. (ABNT ISO/IEC 17000) PROCEDIMENTOS DE

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. N 56/02 SECRETARÍA DEL MERCOSUR DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE REGULAMENTOS TÉCNICOS MERCOSUL E PROCEDIMENTOS MERCOSUL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC N

Leia mais

Normalização de Processos

Normalização de Processos Normalização de Processos Professor conteudista: Marcos Eduardo de Mattos Sumário Normalização de Processos Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 2 NORMALIZAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL...7 2.1 Normalização internacional...8

Leia mais

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES 2º CIMES CONGRESSO DE INOVAÇÃO EM MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Prof. Dr. José Carlos Teixeira de Barros Moraes Divisão de Ensaios e Calibração do

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto Arquivos e serviços de informação: a certificação da qualidade no Brasil Maria Odila Fonseca Universidade Federal

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais