C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DOS ESTADOS LIMITES DE SERVIÇO: DESLOCAMENTOS MÁXIMOS E RESIDUAIS ATRAVÉS DO ESTUDO PROBABILÍSTICO DE RESULTADOS DE ENSAIOS DE CAMPO EM FUNDAÇÕES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil Resumo O crescimento econômico de um país depende da oferta de energia a custos competitivos e suprimento garantido. Destaca-se ainda a importância da utilização de recursos renováveis com as devidas precauções na preservação do meio ambiente focando sempre o desenvolvimento sustentável. O Brasil possui alto potencial hidroelétrico; entretanto, verifica-se o aumento da distância dos pontos de geração aos centros consumidores daí acarretando grande importância à transmissão da energia. A transmissão de energia deve ser feita, portanto, dentro dos preceitos da economia e confiabilidade. Falhas em qualquer componente desta etapa serão prejudiciais ao sistema como um todo. A etapa de transmissão de energia é efetuada através das Linhas de Transmissão. O sistema linha de transmissão (LT) é composto de vários componentes. Desta forma, existem distintos modos de falha em potencial para o sistema: falha de componentes elétricos e falha de componentes mecânicos (cabos, estruturas das torres autoportantes e estaiadas, isoladores, ferragens, fundações de torres autoportantes, fundações de mastros e estais de torres estaiadas, etc.). A característica essencial deste sistema é que a falha em qualquer componente implicará a falha do sistema como um todo. Devido às incertezas presentes nos diversos parâmetros envolvidos em uma LT, a confiabilidade deste sistema pode ser definida apenas em termos probabilísticos. Na grande maioria das linhas de transmissão (onde não existam restrições ambientais e de topografia), a incidência de torres estaiadas é bem maior do que as autoportantes. Isto é devido ao menor peso e conseqüentemente menores custos das torres estaiadas. Tais torres apresentam um ou dois mastros (com fundações sujeitas à flexo-compressão) e quatro estais (com fundações tracionadas). Desta maneira, a grande maioria das fundações de uma linha de transmissão é de estais. Nos dias atuais, existe um grande interesse na utilização dos métodos probabilísticos incorporados na Confiabilidade Estrutural para o tratamento dos problemas relativos a LTs. A disponibilidade de resultados relativos a um grande número de ensaios de arrancamento de estais feitos durante a implantação do sistema Norte-Nordeste oferece uma oportunidade única para que tais estudos possam ser desenvolvidos dentro de um arcabouço probabilístico. Neste trabalho a confiabilidade de sistemas é utilizada para a definição da probabilidade de falha da fundação de torres estaiadas. A avaliação da confiabilidade das fundações de uma torre estaiada envolve o sub-sistema estai e o sistema fundação. Existem dois estados limites para cada estai: (1) deslocamentos máximos excessivos, e (2) deslocamentos residuais excessivos. Resultados experimentais servem como base para a definição de modelos probabilísticos para deslocamentos máximos e deslocamentos residuais. Probabilidades de falha são calculadas para cada estado limite de serviços e daí para o sub-sistema estai. Estas informações são então utilizadas para a avaliação da probabilidade de falha do sistema fundação. Palavras chave: Confiabilidade de Fundações de Linhas de Transmissão, Métodos probabilísticos, Ensaios de arrancamento * Rua Wups Oliveira, 375/302 Tirol Belo Horizonte MG Brasil CEP

2 1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é avaliar estados limites de fundações de linhas de transmissão com a teoria de probabilidade de falhas a partir de modelos já existentes. Foram ejecutados ensayos experimentais in loco donde foram medidos deslocamentos máximos e residuais excessivos. A partir dos resultados serão apresentadas probabiliddes de falha de fundações de torres de linhas de transmissão. Uma linha de transmissão é composta de diferentes componentes mecânicos cabos, torres, fundações cuja confiabilidade pode ser estimada pelo método da Confiabilidade de Sistemas[1]. Devido às incertezas nos parámetros, a confiabilidade do sistema somente poderá ser definida em termos probailísticos. Nos dias atuais, existe um grande interesse na utilização de métodos probabilísticos incorporados na Confiabilidade Estrutural para o tratamento de problemas relativos a LTs. Entretanto, os estudos desenvolvimos neste sentido contemplam a confiabilidade de torres e de fundações comprimidas. Muito pouco ainda se tem no Brasil a respeito de confiabilidade das fundações tracionadas, por exemplo [2]. Dada a complexidade da interação solo-estai-estrutura, tem sido reconhecido que o estudo aprofundado de tais fundações. A disponibilidade de um grande número de resultado de ensayos de arrancamento de fundações de estais realizados durante a implantação do sistema Norte Nordeste no Brasil oferece uma oportunidade única para que tais estudos possam ser desenvolvidos dentro de um projeto probabilístico. No presente trabalho a confiabilidade de sistemas será utilizada para a definição da probabilidade de falha de uma fundação de torre estaiada. Existem dois estados limites por fundação de estai que foram avaliados e calculadas as probabilidades de falha: (i) Deslocamentos máximos excessivos; (ii) Deslocamentos residuais excessivos. Resultados experimentais servem como base para a definição de modelos probabilísticos para deslocamentos máximos e residuais. Probabilidades de falha são calculadas para cada estado limite e com isso para cada sub-sistema estai. Estas informações são então utilizadas para a avaliação da probabilidade de falha do sistema fundação. 2 SISTEMA NORTE-NORDESTE DO BRASIL 2.1 As Fundações Com o objetivo de atender o crescimento da demanda por energia elétrica das regiões norte e nordeste do Brasil, foram projetadas e construídas as linhas de transmissão em 500 kv Tucuruí - Vila do Conde (323 km.), Tucuruí - Marabá, Marabá Açailândia, Açailândia Imperatriz e Açailândia Presidente Dutra (932 km., as últimas quatro) (ver Figura 1). Estas linhas foram construídas nos anos de 2001 e 2002 nos estados do Pará e Maranhão, entrando em operação em Fig. 1 Mapa de Localização das Linhas de Transmissão no Território Brasileiro Para a definição dos parâmetros geotécnicos do projeto foram executadas sondagens ao longo dos traçados das LTs. Constitui-se como prática (que vem sendo alterada) de projetos de fundações de estruturas de linhas de transmissão a execução de dois tipos de sondagens: trado e SPT (Standard Penetration Test). Devido a serem mais rápido, simples e econômicos, as sondagens a trado foram executadas em todas as estruturas. Como critério deste projeto, as investigações tipo SPT foram executadas em média a cada 5km. Inicialmente o solo foi avaliado por sua granulometria sendo admitidos dois grupos predominantes: arenosos e argiloarenosos. Em seguida, quatro subtipos de solo foram definidos em função do número de golpes, NSPT, 2

3 sendo cada grupo definido por: solo I (NSPT > 12), solo II (8 < NSPT < 12), solo III (4 < NSPT < 8) e solo IV (4 < NSPT < 8). O solo III difere do solo IV pela presença de nível d água acima da cota de assentamento das fundações deste último. A maior parte das fundações deste empreendimento foi executada em solo tipo I, II e III. Estas fundações foram projetadas em blocos cilíndricos com diâmetro de 80cm e profundidade de assentamento variável em relação ao tipo de solo (320, 350 e 400cm, para solos I, II e III, respectivamente). 2.2 Ensaios de Arrancamento Das 7780 fundações construídas para torres estaiadas neste projeto foram ensaiadas 471 (ver Figura 2 e Tabela I). Uma descrição detalhada dos resultados obtidos em cada um dos 471 ensaios de arrancamento das fundações está reportado em Azevedo (2006) [2]. Estes ensaios foram planejados e executados com o objetivo de avaliar o critério de aprovação: (i) Deslocamentos máximos excessivos (máximo de 50mm); (ii) Deslocamentos residuais excessivos (máximo de 25mm). Fig. 2 Vista Geral do Ensaio de Arrancamento TABELA I. EXTENSÃO, NÚMERO DE FUNDAÇÕES E NÚMERO DE ENSAIOS EXECUTADOS LT Extensão (km) Número de Fundações Número de Ensaios Tucuruí Vila do Conde Tucuruí - Marabá Marabá Açailândia Açailândia Imperatriz Açailândia Presidente Dutra 324, , , , , Total 1.250, DETERMINAÇÃO DOS MODELOS MATEMÁTICOS 3.1 Introdução 3

4 As características probabilísticas de um fenômeno aleatório são as vezes difíceis de determinar. O melhor modelo de probabilidade precisa descrever as características, então, isto não é facilmente formulado ou deduzido teoricamente. Em particular, a forma funcional da distribuição de probabilidade necessária não pode ser facilmente obtida. Em algumas circunstâncias, as bases do processo físico podem sugerir a forma da distribuição. Por exemplo, se um processo é composto de uma soma de outros efeitos individuais, a distribuição normal poderá ser escolhida; por outro lado, se as condições extremas do processo são de interesse, uma distribuição de valor extremo pode ser um modelo adequado. Apesar de tudo, existem ocasiões quando a distribuição de probabilidade escolhida é determinada somente a partir de dados existentes. Por exemplo, se o diagrama de freqüência para um conjunto de dados pode ser construído, o modelo de distribuição procurado poderá ser determinado visualmente fazendo a comparação com uma função densidade. Uma função de probabilidade assumida (determinada a partir dos dados ou determinada teoricamente com base nas hipóteses conhecidas previamente) se pode verificá-la ou reprová-la, com base nos dados existentes. Para isso, executam-se testes estatísticos. Ademais, quando uma ou mais distribuições parecem ser modelos de distribuição de probabilidade, estes testes podem ser usados para definir qual distribuição é a melhor alternativa. Neste trabalho foi utilizado o teste do qui-quadrado. Na prática, a definição da distribuição de probabilidade é também tomada pela facilidade de cálculo ou conveniência. 3.2 Teste do Qui-Quadrado Quando uma distribuição é assumida teoricamente, ainda que determinada com base em um histograma de freqüência ou com base nos dados, a validade da distribuição poderá ser verificada ou reprovada estatisticamente por testes. Considere uma amostra de n valores observados de uma variável aleatória. O teste do Qui-Quadrado compara a freqüência observada n 1, n 2,..., n k, de k valores (ou em k intervalos) da variável com a freqüência correspondente e 1, e 2,..., e k de uma distribuição assumida teoricamente. A base para a qualidade desta comparação é a distribuição da quantidade: k 2 ( ni ei ) (1) i= 1 ei A quantidade (1) se aproxima da distribuição qui-quadrado com (f = k 1) graus de liberdade com n tendendo para infinito. Contudo, se os parâmetros do modelo teórico são desconhecidos e deverão ser estimados dos dados, a equação (1) permanece válida se o grau de liberdade é reduzido de um de todos os parâmetros conhecidos que deverão ser estimados. Com base nisto, se uma distribuição assumida obedece: k 2 ( ni ei ) < c1 α, f (2) e i= 1 i Onde c 1-α,f : é o valor da distribuição Qui-Quadrado correta para a probabilidade acumulada (1 α), para que a distribuição assumida seja um modelo admissível, no nível de significância α. Caso contrário, a distribuição assumida não é sustentada pelos dados no nível α de significancia. Para a obtenção de resultados satisfatórios, a prova do Qui-Quadrado, geralmente é necessário k > 5 e e i > 5. 4 MODELO ESTATÍSTICO PARA DESLOCAMENTOS MÁXIMOS E RESIDUAIS Os dados foram separados nos três tipos de solo padrão do projeto em questão: 97 ensaios em solo I, 211 ensaios em solo II e 163 ensaios em III. Em seguida, de cada teste foram extraídos os maiores valores referente a deslocamentos máximos e residuais. Com a utilização do software MATLAB, para cada um dos três tipos de solo foram elaborados histogramas correspondentes a deslocamentos máximos e residuais. Por inspeção, foram selecionadas algumas distribuições de probabilidade. O teste de aderência do Qui-Quadrado foi executado para definir a melhor alternativa para cada grupo estudado. Para deslocamentos máximos em solo I, por inspeção foi definida apenas a distribuição Weibull. Donde o teste com nível de significância α de 1% confirmou esta distribuição. Para α = 1%, c 0.99,9 = 21,7. Como 14,374 < 21,7, então a distribuição Weibull é aceita como representativa dos deslocamentos máximos em solo I. O histograma correspondente aos dados do ensaio e à distribuição Weibull ajustada são apresentados na Figura 3. Para deslocamentos residuais em solo I, por inspeção foi definida apenas a distribuição exponencial. O teste com nível de significância α de 1% confirmou esta distribuição. Para α = 1%, c 0.99,9 = 21,7. Como 9,613 < 21,7, então a distribuição Exponencial é aceita como representativa dos deslocamentos residuais em solo I. O 4

5 histograma correspondente aos dados de ensaio e a distribuição exponencial ajustada são apresentados na Figura 4. Para deslocamentos máximos em solo II, por inspeção foi definida apenas a distribuição Weibull. O teste com nível de significância α de 1% confirmou esta distribuição. Para α = 1%, c 0.99,8 = 20,1. Como 16,101 < 20,1, então a distribuição Weibull é aceita como representativa dos deslocamentos máximos em solo II. O histograma correspondente aos dados do ensaio e à distribuição exponencial ajustada é apresentado na Figura 5. Para deslocamentos residuais em solo II, por inspeção foram definidas as distribuições Weibull, Gamma e Exponencial. O teste com nível de significância α de 1% confirmou a distribuição Exponencial. Para α = 1%, c 0.99,8 = 20,1. Como 16,241 < 20,1, então a distribuição Exponencial é aceita como representativa dos deslocamentos residuais em solo II. O histograma correspondente aos dados do ensaio e à distribuição exponencial ajustada está apresentado na Figura 6. Fig. 3 Distribuição Weibull Deslocamentos Máximos em Solo I Fig. 4 Distribuição Exponencial Deslocamentos Residuais em Solo I Para deslocamentos máximos em solo III por inspeção foi definida apenas a distribuição Lognormal. O teste com nível de significância α de 1% confirmou esta distribuição. Para α = 1%, c 0.99,11 = 24,7. Como 11,330 < 24,7, então a distribuição Lognormal é aceita como representativa dos deslocamentos máximos em solo III. O histograma correspondente aos dados de ensaio e a distribuição Lognormal está apresentado na Figura 7. Para deslocamentos residuais em solo III, por inspeção foram definidas as distribuições Weibull, exponencial e lognormal. O teste com nível de significância α de 1% confirmou a distribuição exponencial como a melhor opção. Para α = 1%, c 0.99,9 = 21,7. Como 5,372 < 21,7, então a distribuição Lognormal é aceita como representativa dos deslocamentos residuais em solo III. O histograma correspondente aos dados de ensaio e a distribuição exponencial ajustada é apresentado na Figura 8. As funções de desempenho, g1(.) e g2(.), abaixo representam os dois estados limites estudados. O estado limite relativo aos deslocamentos máximos excessivos (deslocamentos máximos superiores a 50mm) é dado por: g1 (D MÁX ) = 50 D MÁX (3) 5

6 O estado limite relativo aos deslocamentos residuais excessivos (deslocamentos residuais superiores a 25mm) é dado por: g2 (D RES ) = 25 D RES (4) Valores de g1 (D MÁX ) e g2 (D RES ) inferiores a zero indicam a falha do subsistema. A Tabela II apresenta um resumo dos resultados obtidos para a média, desvio padrão e correlação entre os modos de falha para cada tipo de suelo. Fig. 5 Distribuição Weibull Deslocamentos Máximos em Solo II Fig. 6 Distribuição Exponencial Deslocamentos Residuais em Solo II Fig. 7 Distribuição Lognormal Deslocamentos Máximos em Solo III Os resultados obtidos para a correlação entre os modos de falha indicam valores similares para os três tipos de solo. Os valores encontrados, positivos e próximos da unidade, indicam que a correlação entre os modos de falha estão próximos da correlação perfeita (ρ = 1,0). Esta correlação positiva e próxima da unidade pode ser melhor visualizada para solos tipo II na Figura 9 (para solos tipo I e III, ver Azevedo [2]). 6

7 SOLO Fig. 8 Distribuição Exponencial Deslocamentos Residuais em Solo III TABELA II. MÉDIA, DESVIO PADRÃO E CORRELAÇÃO SOLOS I, II E III Média g 1 (D MÁX ) Desvio g 1 (D MÁX ) Média g 2 (D RES ) Desvio g 2 (D RES ) ρ [g 1 (D MÁX ), g 2 (D RES )] I 38,52 7,62 19,66 5,81 0,83 II 38,80 6,52 20,08 4,40 0,84 III 40,12 4,67 20,97 3,97 0,82 Fig. 9 Correlação Modos de Falha Solo II 5 PROBABILIDADE DE FALHA DAS FUNDAÇÕES A probabilidade de falha do sistema fundação de estais foi calculada com base nos conceitos de confiabilidade de sistemas. Constatada a correlação positiva entre os modos de falha, as probabilidades de falha foram calculadas a partir do limite uni-modal. A tabela III apresenta os resultados referentes às probabilidades de falha calculadas para deslocametos máximos excessivos. As distribuições de probabilidade assumidas são limitadas pelo valor admissível para deslocamentos máximos de 50mm e a probabilidade de falha - P (D Máx > 50 mm) é calculada para este limite. Nesta mesma tabela, são apresentados os resultados referentes às probabiliddes de falhas calculadas para deslocamentos residuais excessivos. As distribuições de probabilidade assumidas são limitadas pelo valor admissível de 25 mm e a probabilidade de falha - P (D Res > 25 mm) é calculada para este limite. Em relação ao tipo de solo I, a probabilidade de falha por deslocamentos máximos excessivos é da ordem de 10 vezes inferior a probabilidade de falha por deslocamentos residuais excessivos. Já me relação aos solos II e III, esta probabilidade é da ordem de 1000 vezes inferior. 7

8 TABELA III. PROBABILIDADE DE FALHA POR MODO DE FALHA SOLO DISTRIBUIÇÃO P (D Máx > 50 mm) P (D Res > 25 mm) Weibull 1,10 E-04 - I Exponencial - 1,05 E-03 Weibull 1,00 E-06 - II Exponencial - 6,22 E-03 Lognormal 9,00 E-06 - III Exponencial - 2,02 E-03 Cada estai possui uma fundação estaiada que apresenta dois estados limites de falha avaliados neste trabalho. Como resumo das probabilidades de falha das fundações de torres estaiadas é apresentado na Tabela IV. TABELA IV. PROBABILIDADE DE FALHA DAS FUNDAÇÕES DE ESTAIS SOLO INTERVALO UNI-MODAL 6 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I 1,050 E-03 < Pf < 4,631 E-03 II 6,220 E-03 < Pf < 2,465 E-02 III 2,020 E-03 < Pf < 8,091 E-03 No presente trabalho, a Confiabilidade de Sistemas foi utilizada para a definição da probabilidade de falha de uma fundação de torre estaiada. A avaliação da confiabilidade das fundações de uma torre estaiada envolve o subsistema estai e o sistema fundação. Dos estados limites de um estai foram considerados para cada estai: (1) deslocamentos máximos excessivos e (2) deslocamentos residuais excessivos. Resultados experimentais de ensaios de arrancamento en fundações tracionadas de torres estaiadas serviram como base para a definição dos modelos probabilísticos para deslocamentos máximos e residuais. Probabilidades de falhas são calculadas para cada estado limite da fundação do estai e então para o subsistema estai. Estas informações são então utilizadas para a avaliação de probabilidade de falha do sistema fundação de estais, constituído por quatro estais. Foi verificado que os estados limites de cada estai apresentaram correlação positiva (ρ = 0,83, 0,84 e 0,82, para solos I, II e III, respectivamente) e próximos da unidade. O limite uni-modal foi utilizado para definição da probabilidade de falha apresentando limites inferiores para variáveis perfeitamente correlacionadas e limites superiores para variáveis estatisticamente independentes. O modo de falha deslocamento residual excessivo foi identificado como dominante e sendo a princípio aceitável o limite unimodal neste estudo. As probabilidades de falha encontradas são referentes à falha de fundações de estais em três tipos de solos padrão para o sistema Norte-Nordeste em estudo. Os valores variam entre 1,050 E-03 e 4,631 E-03 para solo tipo I, 6,220 E-03 e 2,465 E-02 para solo tipo II e 2,020 E-03 e 8,091 E-03 para solo tipo III. Os limites inferiores são para variáveis perfeitamente correlacionadas e os limites superiores são variáveis estatisticamente independentes. É interessante observar que valores de probabilidade de falha da ordem de E-03 são comuns para outros componentes estruturais já estudados em outros sistemas (ver [3]). As informações aqui obtidas poderão ser utilizadas, juntamente com valores de probabilidades de falha dos demais subsistemas de uma LT para a estimativa de probabilidade de falha do sistema LT. 7 REFERENCIAS [1] A.H-S Ang, W.H. Tang, Probability concepts in engineering planning and design, Vol II Decision, risk and reliability, New York, John Wiley & Sons, [2] C.P.B. Azevedo, Avaliação da Confiabilidade de Fundações de Torres Estaiadas de Linhas de Transmissão, Dissertação de Mestrado UFMG, Belo Horizonte, [3] L. Kempner, Jr., W.H. Mueller III, S. Kitipornchai, F. Albermani, R.C. de Menezes e J.B.G.F. da Silva; Lattice transmission tower analysis: beyond simple truss model, Electrical Transmission in a New Age, pp , (2002). 8

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 EFEITO DO DESBALANÇO DE CARGA NAS PERDAS TÉCNICAS DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO R. Salustiano* I. P. de Faria* G. P. Lopes* S. S. Pinto* M. L. B. Martinez* *LAT-EFEI / UNIFEI RESUMO Pequenas diferenças

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA: MARTE ENGENHARIA RESP.TÉC. Nº CREA CSF

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA INTEGRADO

Leia mais

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS 00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS N.º DATA REVISÃO ELAB./ VERIF. ENGEPRO APROV. ENGEPRO APROV. CLIENTE ENG10A-LT-013 ATE XVI PROJETO BÁSICO - LOTE A LEILÃO Nº 007/2012 - ANEEL ELAB. VERIF. LT S 500

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

Documentação Técnica Box de Duas Pontas

Documentação Técnica Box de Duas Pontas Documentação Técnica Box de Duas Pontas Ref.: CETIP-RANGER-DT-0001/2006 maio de 2006 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGISTRO...3 2.1. ANÁLISE DAS OPÇÕES ISOLADAMENTE (PARA A CALL E PARA A PUT)...3 2.1.1. ETAPAS...3

Leia mais

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 7 - Conclusão... 1/3 Índice 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS 7 - CONCLUSÃO A implantação da LT 500 kv Estreito Fernão

Leia mais

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição Gaussiana Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição de Frequências do Peso, em gramas, de 10000 recém-nascidos Frequencia 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 1000 2000 3000

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO

LINHAS DE TRANSMISSÃO linhas/ 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO Desde início da década de 60, a THEMAG assume a liderança entre as empresas de engenharia brasileiras com capacidade de desenvolver projetos e estudos para os grandes Empreendimentos

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0a Revisão do item 5 10/12/2010 KCAR/SMMF 10/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS

Leia mais

Modelos de Filas de Espera

Modelos de Filas de Espera Departamento de Informática Modelos de Filas de Espera Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autor João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Este material pode

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO Cláudio R. S. Silva,Thiago P. S. Azevedo, Ewerton R. Granhen 3, Ivan S. S. Silva 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil, claudiorui75@yahoo.com.br

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção

Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção Rodrigo José Pires Ferreira (UFPE) rodrigo@ufpe.br Anderson Jorge Melo Brito (UFPE) anderson@ufpe.br Ana Paula Cabral Seixas Costa

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UMA EQUAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE RESULTADOS DE SONDAGENS TIPO DPL E VALORES NSPT. C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil

PROPOSIÇÃO DE UMA EQUAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE RESULTADOS DE SONDAGENS TIPO DPL E VALORES NSPT. C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil PROPOSIÇÃO DE UMA EQUAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE RESULTADOS DE SONDAGENS TIPO DPL E VALORES NSPT C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil M.G.D. GUIMARÃES Leme / Tractebel Brasil Resumo A matriz energética

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado Parte X Testedegeradoresde números aleatórios Os usuários de uma simulação devem se certificar de que os números fornecidos pelo gerador de números aleatórios são suficientemente aleatórios. O primeiro

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral O que é uma amostra? É um subconjunto de um universo (população). Ex: Amostra de sangue; amostra de pessoas, amostra de objetos, etc O que se espera de uma amostra?

Leia mais

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Análise de regressão linear simples Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução A análise de regressão estuda o relacionamento entre uma variável chamada a variável dependente

Leia mais

5 Considerações Finais e Recomendações

5 Considerações Finais e Recomendações Considerações Finais e Recomendações 132 5 Considerações Finais e Recomendações O controle estatístico de processos compõe-se essencialmente do monitoramento on line dos processos por gráficos de controle

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

Professores: Moysés/Abud

Professores: Moysés/Abud LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA 1 a UNIDADE FÍSICA Professores: Moysés/Abud 01. Se dois corpos, A e B, estão em equilíbrio térmico, então: a) as massas de A e B são iguais. b) as capacidades térmicas de

Leia mais

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Peter Wanke, D.Sc. 1. Introdução É universalmente reconhecida a grande

Leia mais

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar?

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar? O PROJECT MODEL CANVAS (www.pmcanvas.com.br) é uma ferramenta que permite que um projeto seja entendido no contexto dos aspectos Fundamentals da teoria de gerenciamento de projetos. A metodologia facilita

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS Rosangela de Almeida Correa rosangelaalmeida84@yahoo.com.br Thamires de Andrade Barros veve_s2@hotmail.com Naihara

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios A investigação do subsolo constitui requisito essencial para

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

MÓDULO 1. I - Estatística Básica

MÓDULO 1. I - Estatística Básica MÓDULO 1 I - 1 - Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos e empíricamente observáveis. Unidade Estatística nome dado a cada observação de um

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP IX/FI-22.7 COMITÊ 22 LINHAS AÉREAS DE ALTA TENSÃO ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv Rubens Ashcar CTEEP RESUMO Este trabalho apresenta a economia obtida nas

Leia mais

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Prof. Lupércio França Bessegato Departamento de Estatística UFJF E-mail: lupercio.bessegato@ufjf.edu.br Site: www.ufjf.br/lupercio_bessegato Lupércio França Bessegato

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA Nas instalações aéreas devem ser considerados os seguintes aspectos: Resistência à raios UV e intempéries; O tipo de suportação da tubulação;

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 10/07/2006/em Artigos /por Peter Wanke É universalmente reconhecida a grande importância do conceito nível de serviço no desenho

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Bruno Lima Pamplona (CESUPA) b_pamplona@hotmail.com Ciro Jose Jardim de Figueiredo (CESUPA) figueiredocj@yahoo.com.br

Leia mais

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL FONTE:AutoFEM Buckling Analysis Buckling = FLAMBAGEM Flambagem em trilho ferroviário (tala de junção) Ensaio em laboratório de

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE

APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE Autores José Eduardo Chaves Costa (42049633) José Nunes dos Santos Júnior (962334.8) Petrobras/Unidade de Negócios Sergipe e Alagoas RESUMO

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Novembro de 2010. 8 - Conclusão

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Novembro de 2010. 8 - Conclusão EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 8 - Conclusão 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Marcos Pereira Consultor: Revisão

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO CAPÍTULO 14 FUNDAÇÕES Capítulo 14 Pág.1/22 CONTEÚDO 1. CRITÉRIOS DE PROJETO 1.1 Introdução 1.2 Normas Aplicáveis 2. PARÂMETROS GEOTÉCNICOS 2.1 Introdução 2.2 Solo Tipo I 2.3 Solo Tipo II

Leia mais

Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção

Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção Marcelo Batista (1), José Fernandes (1) e Alexandre Veríssimo (1) mbatista@manwinwin.com; jcasimiro@navaltik.com;

Leia mais

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES Monitora Juliana Dubinski LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES EXERCÍCIO 1 (INTERVALO DE CONFIANÇA PARA MÉDIA) Suponha que X represente a duração da vida de uma peça de equipamento. Admita-se

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL ESTIMAÇÃO AUT 516 Estatística Aplicada a Arquitetura e Urbanismo 2 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Na aula anterior analisamos

Leia mais

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ Farias, R.N.S Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, Brasil, nonato@rdc.puc-rio.br

Leia mais

Pavimentação - imprimação

Pavimentação - imprimação MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Karina Pires Duarte 1, Milton Luiz Paiva de Lima 2 1 Mestranda do curso de Engenharia Oceânica- FURG, Rio Grande, RS

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A.

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda Pernambuco - Brasil Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Luis Fernando Santamaria

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Exercícios

CAPÍTULO 5 - Exercícios CAPÍTULO 5 - Exercícios Distibuições de variáveis aleatórias discretas: Binomial 1. Se 20% dos parafusos produzidos por uma máquina são defeituosos, determinar a probabilidade de, entre 4 parafusos escolhidos

Leia mais

de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos

de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos Descrição da precipitação pluviométrica no munícipio de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos Idemauro Antonio Rodrigues de Lara 1 Renata Alcarde 2 Sônia Maria De

Leia mais

DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Marcelo Menna Barreto AZAMBUJA M.Sc., Eng., Pesquisador do Núcleo Orientado

Leia mais

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO DIFRATÔMTRO D RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLIS D TNSÕS M CONDIÇÕS D CAMPO Joaquim T. de Assis, Vladimir Monin, Fernando R.Perreira, Serguey Filippov Instituto Politécnico, URJ Brasil joaquim@iprj.uerj.br Resumo:A

Leia mais

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1 Prof. Eduardo C. S. Thomaz 1 / 13 CONSOLOS CURTOS 1-SUMÁRIO Um consolo curto geralmente é definido geometricamente como sendo uma viga em balanço na qual a relação entre o comprimento ( a ) e a altura

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola Politécnica

Universidade de São Paulo. Escola Politécnica Universidade de São Paulo Escola Politécnica Engenharia Química Vitor Gazzaneo Modelagem do Equilíbrio Líquido-Líquido para o sistema Água- Ácido Acético-Acetato de Butila Prof. Orientador José Luis Pires

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

CAPÍTULO 3. Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão

CAPÍTULO 3. Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão CAPÍTULO 3 Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão 3.1 - Multicomponentes Conceitos Básicos: O conceito de multicomponente é utilizado em diversas áreas de

Leia mais

Simulação de Evacuação Emergencial Via Autômatos Celulares: Uma Proposta de Modificação do Modelo de Schadschneider

Simulação de Evacuação Emergencial Via Autômatos Celulares: Uma Proposta de Modificação do Modelo de Schadschneider Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Simulação de Evacuação Emergencial Via Autômatos Celulares: Uma Proposta de Modificação do Modelo de Schadschneider Leandro A. Pereira Faculdade de Matemática, UFU 38400-902,

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano Planificação da Unidade Geometria 1. Generalidades Objecto da estatística e breve nota histórica sobre a evolução desta ciência; utilidade na

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

5 A Metodologia de Estudo de Eventos

5 A Metodologia de Estudo de Eventos 57 5 A Metodologia de Estudo de Eventos 5.1. Principais Conceitos Introduzido em 1969 pelo estudo de Fama, Fisher, Jensen e Roll, o estudo de evento consiste na análise quanto à existência ou não de uma

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica ESTUDO SOBRE A EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA NO BRASIL Tiago Forti da Silva Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Unesp Bauru Prof. Dr. André Nunes de Souza Orientador

Leia mais

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma 90 6. CONCLUSÃO Segundo a teoria microecônomica tradicional, se as pequenas empresas brasileiras são tomadores de preços, atuam nos mesmos mercados e possuem a mesma função de produção, elas deveriam obter

Leia mais

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema.

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema. Sempre que duas ou mais propriedades de um sistema variam, diz-se que ocorreu um processo.

Leia mais

Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver

Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver REVISTA Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver André Mainardes Berezowski 1 Resumo Trata da apresentação

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS TEXTURA forma e tamanho das partículas GRANULOMETRIA medida dos tamanhos das partículas COMPORTAMENTO MECÂNICO TEXTURA PROPRIEDADES HIDRÁULICAS CLASSIFICAÇÃO TEXTURAL Quanto ao tamanho dos grãos solos

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra.

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra. Teoria das dobras Eng Josemairon Prado Pereira I. INTRODUÇÃO A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras. No caso do aço é a proteção da chapa lisa através

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA

ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA Luana Borges Freitas 1,4 ; Sueli Martins de Freitas Alves, Paulo Francinete Silva Júnior, 1 Bolsista PBIC/UEG

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais