INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA"

Transcrição

1 INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo de aumentar sua competitividade A necessidade de ganhar competitividade orientou parte do investimento da indústria em A melhoria do processo produtivo foi o principal objetivo do investimento para 28,0% das empresas. Além disso, o investimento em inovação, para a introdução de novos produtos e novos processos produtivos, ganharam importância. Nove em cada dez empresas brasileiras investiram em Dessas, a maioria (57,8%) teve êxito em seus planos de investimento. Contudo, velhos problemas ainda prejudicam o investidor. A incerteza econômica foi o principal fator para a frustração dos planos de investimento das empresas restantes. Outros fatores, como o custo de obtenção do crédito, a burocracia e a dificuldade de obtenção de mão de obra também foram relevantes. Execução dos planos de investimento em ,8 0,6 1,3 Realizados como planejados Realizados parcialmente 40,3 Adiados para 2012 Adiados para depois de 2012 ou cancelados Investimentos previstos para 2012 Participação de produtos importados no investimento deve aumentar Mais de 86% das empresas pretendem comprar máquinas e equipamentos em 2012, sendo que, dessas, 45,9% deverão comprar mais que em Contudo, 73,3% dessas empresas pretendem incluir produtos importados nas suas compras de máquinas e equipamentos. A expectativa é que a participação de importados no total de compras de máquinas e equipamentos aumente em Para 2012, a expectativa de orientação dos investimentos para a inovação é ainda maior que em Para 18,3% das empresas o principal objetivo do investimento em 2011 foi a introdução de novos produtos ou processos produtivos; o percentual alcança 32,5% do investimento previsto para Participação de importados no total de compras de máquinas e equipamentos 34,0 1,1 Aumentar muito Aumentar Manter-se inalteradas 4,2 16,7 43,9 Reduzir-se Reduzir-se muito

2 Empresas que investiram em 2011 e pretendem investir em 2012, por porte 88,7 86,6 79,2 82,0 88,1 83,7 94,6 Total Pequena Média Grande Investiram em 2011 Pretendem investir em ,0 Nove em cada dez empresas brasileiras investiram em 2011 Entre as empresas consultadas, 88,7% investiram em 2011, percentual muito próximo ao observado em 2010 (89,6%). Dessas empresas, 33,0% afirmam que os investimentos se destinaram a novos projetos, enquanto que para as 67,0% restantes, os investimentos são continuações de projetos anteriores. O percentual de empresas que pretende investir em 2012 é semelhante: 86,6%. A maioria dessas intenções de investimento é também uma continuação de projetos anteriores (60,1%), enquanto que para 39,9%, eles representam novos projetos. Das empresas que investiram em 2011, 91,2% pretendem fazê-lo também em 2012, assim como metade das empresas que não investiram. Investimentos em 2011 Percentual dos investimentos realizados como planejados 42,1 52,9 46,0 46,3 61,4 Fonte das informações de 2006 a 2008: Sondagens Especiais de Investimento CNI, considerando médias e grandes empresas. 57, Maioria das empresas teve êxito em seus planos de investimento Dentre as empresas industriais que investiram em 2011, 57,8% desenvolveram seus projetos de investimento conforme planejado. Em 40,3% dos casos, os investimentos foram realizados parcialmente e para apenas 1,9% o investimento foi adiado ou cancelado. O percentual de empresas que executaram seus planos de investimento tal como planejado é inferior ao observado em 2010 (naquele ano, 61,4% das empresas que investiram completaram seus projetos). Contudo, esse percentual é o segundo maior desde 2006, segundo os resultados de pesquisas Investimentos na Indústria anteriores, bem como os apurados em Sondagens Especiais sobre investimento realizadas entre 2005 e Entre os diferentes portes de empresa considerados, as grandes obtiveram o 2

3 maior êxito quanto à realização de seus investimentos como planejado: 63,5%, ante 53,2% entre as médias e 55,2% entre as pequenas. Razões para a não realização dos investimentos como planejado Percentual (%) de empresas Incerteza econômica ganha importância entre principais dificuldades para investir A incerteza econômica voltou a ser a principal razão para a frustração dos planos de investimento das empresas industriais brasileiras em O item foi assinalado por 58,9% dos empresários. O percentual supera o registrado em 2010 (quando essa era a segunda principal razão, com 36,2% das assinalações), mas é inferior ao observado em 2009, quando o percentual alcançou 75,3%. Isso se explica pela crise de , que surpreendeu boa parte da indústria. A incerteza econômica é a principal razão para a não realização dos investimentos para todos os portes de empresa considerados. A reavaliação da demanda / ociosidade elevada foi apontada por 42,6% das empresas. É o segundo item mais assinalado pela indústria como um todo. Incerteza econômica Reavaliação da demanda/ ociosidade elevada Custo do crédito / financiamento Dificuldades com burocracia Dificuldade de obtenção de mão de obra Dificuldade de obtenção de crédito/ financiamento Aumento inesperado no custo previsto do investimento 58,9 36,2 42,6 39,9 48,7 28,9 26,1 28,0 20,3 31,9 16,0 19,8 15,2 9,3 18,3 22,5 33,3 15,2 14,5 11,3 75,3 A terceira principal razão para a não realização dos investimentos como planejado em 2011 foi o custo do crédito / financiamento. O percentual de assinalações alcançou 28,9%. O problema é especialmente grave para as pequenas empresas. Para essas empresas, a assinalação alcançou 41,0% dos respondentes. Em seguida tem-se a dificuldade com a burocracia, assinalada por 20,3% das empresas. Embora relevante, a assinalação é inferior a registrada em 2010, quando alcançou 31,9% das respostas. A dificuldade de obtenção de mão de obra foi assinalada por 19,8% das empresas. O problema vem ganhando importância desde 2009 (quando era apenas o sétimo principal problema, Outros Deficiência da infraestrutura Dificuldade de obtenção de matéria-prima Dificuldades tecnológicas Restrições relacionadas ao meio ambiente 12,2 10,1 8,0 7,1 6,5 4,7 6,6 12,3 6,0 4,1 15,9 5,3 A soma dos percentuais supera 100% devido a possibilidade de múltiplas respostas. 12,7 16,7 9,

4 Razões para a não realização dos investimentos como planejado Percentual (%) de empresas, por porte Incerteza econômica Reavaliação da demanda/ ociosidade elevada Custo do crédito/ financiamento Dificuldade de obtenção de mão de obra Dificuldade de obtenção de crédito/ financiamento Aumento inesperado no custo previsto do investimento Dificuldades com burocracia Deficiência da infraestrutura 7,7 28,2 14,9 21,1 23,1 14,9 19,7 17,9 13,8 15,5 7,7 16,1 9,9 41,0 31,0 19,7 20,7 26,8 41,0 41,4 45,1 66,7 56,3 57,7 assinalado por 9,3% das empresas). Entre as pequenas, a assinalação alcança 28,2%. Empresários dependem de seus próprios recursos para investir Os recursos próprios são, por uma boa margem, a principal fonte de capital dos investimentos industriais, como já detectado em pesquisas anteriores. Em 2011 não foi diferente: 58,2% do valor do investimento foi financiado com recursos próprios das empresas realidade que pouco se altera entre os diferentes portes considerados. A segunda principal fonte de financiamento utilizada pelas empresas independentemente do porte foram os bancos oficiais de desenvolvimento, como o BNDES. Sua importância foi bem menor: 21,8% dos recursos utilizados. Em terceiro lugar estão os bancos comerciais. Os bancos comerciais privados foram fonte de 9,8% dos recursos da indústria e são a terceira principal fonte para médias e grandes empresas (para as quais o percentual alcança 10,6%). Os bancos comerciais públicos (como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil) foram responsáveis por 7,8% dos recursos dos investimentos da indústria e são a terceira principal fonte para as pequenas empresas. Dificuldade de obtenção de matéria-prima 7,7 4,6 9,9 Nenhuma empresa afirmou ter utilizado emissão de ações ou entrada de novos sócios. Outros Dificuldades tecnológicas Restrições relacionadas ao meio ambiente 5,1 16,1 12,7 2,6 5,7 9,9 0,0 8,0 1,4 A soma dos percentuais supera 100% devido a possibilidade de múltiplas respostas. Pequena Média Grande Os empresários utilizaram mais recursos próprios em 2011 do que previam em Na pesquisa Investimentos na Indústria de 2010, as empresas afirmaram que pretendiam financiar, em média, 55,6% do valor investido com recursos próprios. O uso de bancos comerciais foi próximo ao previsto e o restante, inferior. Esse contexto de alta dependência do investimento à disponibilidade de recursos próprios dificulta o crescimento e a inovação na indústria. 4

5 Indústria investiu em 2011 para aumentar competitividade Um terço dos investimentos realizados em 2011 teve como principal objetivo a melhoria do processo produtivo. Em seguida, tem-se o aumento da capacidade da linha atual, com 28,0% de assinalações. Trata-se de uma inversão da importância dos objetivos dos investimentos de Naquele ano, 33,4% investiram com o objetivo de suprir a demanda crescente, enquanto 28,2% investiram com o objetivo de melhorar o processo produtivo. A introdução de novos produtos e de novos processos produtivos ganhou maior importância em 2011 (passou, conjuntamente, de 15,4% para 18,3% do total de assinalações). Fontes de recursos dos investimentos de 2011 planejadas e efetivas Percentual médio (%) Planejadas* Efetivas Recursos próprios 55,6 58,2 Bancos oficiais de desenvolvimento (BNDES, Banco do Nordeste, etc). 23,2 21,8 Bancos comerciais privados 9,1 9,8 Bancos comerciais públicos (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, etc). 7,8 7,8 Financiamento externo 3,2 1,7 Construção de parcerias / joint ventures 0,4 0,3 Emissão de ações e entrada de novos sócios 0,2 0,0 Outros 0,6 0,5 * Fontes de recursos dos investimentos em 2011 previstas em Investimentos em 2012 Capacidade produtiva atual é adequada para atender a demanda prevista para 2012 Dentre as empresas pesquisadas, 17,7% acreditam que irão operar com capacidade ociosa, pois sua capacidade é superior à adequada para atender à demanda prevista. Quase dois terços da indústria (65,9%) acreditam que sua capacidade produtiva é adequada para atender a demanda prevista para Já 16,4% das empresas afirmam que a capacidade produtiva atual é inferior à adequada para atender a demanda prevista para Dessas empresas, 97,6% pretendem investir em Adequação da capacidade instalada para atender a demanda prevista para ,3 4,4 0,7 15,7 65,9 Para fazer comparações entre os diferentes anos e portes de empresas, calculou-se, a partir dos percentuais de resposta, índice de difusão para medir a adequação da capacidade instalada à Muito pouco adequada Pouco adequada Adequada Mais do que adequada Muito mais do que adequada 5

6 Adequação da capacidade instalada para atender a demanda prevista para o ano que se inicia Índice de difusão* Mais que adequada 50 Menos que adequada 51,1 47,3 50,7 51,1 48,1 Ano que se inicia 55,8 50,0 46,6 51, * Índice varia de 0 a 100. Índices acima de 50 pontos indicam que capacidade instalada no ano é mais do que adequada para atender a demanda do ano seguinte. Fonte das informações de 2003 a 2009: Sondagens Especiais de Investimento CNI, considerando médias e grandes empresas. Expectativa de compra de máquinas e equipamentos 43,9 Aumentar muito Aumentar 2,0 Manter-se inalteradas 5,5 14,1 34,5 Reduzir-se Reduzir-se muito demanda prevista do ano que se inicia. Valores acima de 50 indicam que a capacidade é mais que adequada, enquanto valores abaixo de 50 mostram que a capacidade é inferior à adequada. O índice para a indústria em 2012 situase em 51,2 pontos, o que sugere que a capacidade instalada ao fim de 2011 está adequada para atender a demanda prevista para Os índices para as pequenas (49,6 pontos) e médias empresas (50,7 pontos) estão muito próximos à linha divisória de 50 pontos, sugerindo adequação da capacidade instalada. Já o índice das grandes empresas é de 52,7 pontos, indicando capacidade superior à adequada. Compras de máquinas e equipamentos devem aumentar em 2012 As compras de máquinas e equipamentos deverão aumentar em 2012, na comparação com o ano corrente. Do total de empresas consultadas, 86,6% pretendem comprar máquinas e equipamentos em Para 45,9% dessas empresas, as compras serão maiores que em Para 19,6%, as compras serão menores. A partir dos percentuais de resposta, calculou-se índice de difusão de expectativa de compras de máquinas e equipamentos para o próximo ano. O índice varia entre 0 e 100 pontos. Valores acima de 50 pontos indicam perspectivas de aumento das compras no ano seguinte, na comparação com o ano corrente. Valores abaixo de 50 pontos sugerem queda. O índice de difusão para esse quesito alcançou 55,7 pontos em 2012, bem acima dos 50 pontos, mas inferior ao registrado em 2010 e 2011, que 6

7 superaram 60 pontos. Os índices de pequenas e médias empresas são 57,2 e 57,0 pontos, respectivamente, enquanto o índice das grandes situa-se em 53,8 pontos, sugerindo crescimento menos expressivo. As empresas com capacidade insuficiente para atender a demanda esperada para o próximo ano são as mais propensas a aumentar as compras de máquinas e equipamentos. Entre essas empresas, 72,2% pretendem aumentar suas compras. Para as empresas nas quais a capacidade instalada é mais do que adequada para atender a demanda esperada, esse percentual se reduz para 28,6%. Expectativa de compras de máquinas e equipamentos Índice de difusão* Aumento 50 Redução 51,4 58,9 50,2 51,9 56,3 35,9 61,2 60,3 55, * Índice varia de 0 a 100. Índices acima de 50 pontos indicam que compras de máquinas e equipamentos serão maiores na comparação com o ano anterior. Fonte das informações de 2004 a 2009: Sondagens Especiais de Investimento CNI, considerando médias e grandes empresas. Participação de importados no total das compras de máquinas e equipamentos deve aumentar Grande parte das máquinas e equipamentos que a indústria pretende adquirir em 2012 será importada. Das empresas consultadas, 62,7% pretendem comprar máquinas e equipamentos fabricados no exterior. Considerando somente as empresas que afirmaram que pretendem comprar máquinas e equipamentos em 2012, o percentual alcança 73,3%. A participação dos importados no total das compras deve aumentar. Dos empresários que pretendem comprar máquinas e equipamentos importados, 35,1% acreditam que aumentarão a participação dos importados no total das compras de máquinas e equipamentos. Para 21%, a participação de importados deverá se reduzir. Com os percentuais, calculou-se índice de expectativa da evolução da participação de importados no Compras de máquinas e adequação de capacidade Participação (%) de respostas por adequação da capacidade Adequação da capacidade instalada Compras de equipamentos em 2012 Reduzir ou não vai comprar Igual Aumentar Menos que adequada 18,5 9,3 72,2 Adequada 32,5 14,8 52,7 Mais que adequada 57,1 14,3 28,6 7

8 Expectativa de evolução da participação de importados no total de compras de máquinas e equipamentos Índice de difusão* 50 Aumento Redução 52,8 Intenção de fontes de recursos dos investimentos planejados Percentual médio (%) 55,9 56,3 48,9 Total Pequena Média Grande * Índice varia de 0 a 100. Índices acima de 50 pontos indicam que participação de importados nas compras de máquinas e equipamentos irão aumentar na comparação com o ano anterior Recursos próprios 52,9 Bancos oficiais de desenvolvimento (BNDES, Banco do Nordeste, etc) 29,3 Bancos comerciais privados 8,3 Bancos comerciais públicos (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, etc) 7,0 Financiamento externo 1,3 Construção de parcerias / joint ventures 0,6 Emissão de ações e entrada de novos sócios 0,0 Outros 0,5 total de compras de máquinas e equipamentos. Valores acima de 50 pontos indicam perspectivas de crescimento da participação dos importados. Valores abaixo de 50 pontos sugerem queda. O índice para o total da indústria situa-se em 52,8 pontos. Os índices para pequenas e médias empresas encontram-se em torno dos 56 pontos, sugerindo grande aumento da participação de importados no total das compras de máquinas e equipamentos da empresa. O índice das grandes empresas, por sua vez, encontra-se em 48,9 pontos e sugere uma queda dessa participação. Empresários esperam reduzir o uso de recursos próprios Novamente, as empresas acreditam que a principal fonte de recursos dos investimentos planejados para 2012 continuará a ser o capital próprio. Todavia, as empresas pretendem reduzir o uso de recursos próprios e aumentar a parcela oriunda dos bancos oficiais de desenvolvimento, assim como haviam tentado em anos anteriores. Caso as expectativas dos empresários se confirmem, a parcela dos recursos próprios se reduziria de 58,2% para 52,9%, enquanto a participação dos bancos oficiais de desenvolvimento passaria de 21,8% para 29,3% dos recursos totais. O uso de bancos comerciais (públicos ou privados) iria se reduzir de 17,6% para 15,3%. A parcela de outras fontes somadas não alcançaria 3%. Indústria pretende intensificar o investimento em inovação Para 2012 o principal objetivo dos investimentos é o aumento da capacidade instalada, seguido pela 8

9 melhoria do processo produtivo. Os percentuais são próximos: 28,1% e 27,4%, respectivamente. Há uma expectativa de reorientação das estratégias de investimento em favor de inovações de processos e/ ou produtos. Em 2011, apenas 12% das empresas apontaram a introdução de novos produtos como principal objetivo de seus investimentos. Para 2012, o percentual sobe para 20,9%. No caso da introdução de novos processos produtivos, o percentual passa de 6,3% para 11,6%. Destacase que, entre as pequenas empresas, esse percentual alcança 13,6% (ante 12,7% entre as médias e apenas 9,6% entre as grandes). Investimento orientado para o mercado doméstico Apenas 3,7% das empresas afirmam que os investimentos previstos para 2012 têm como objetivo atender principalmente ou exclusivamente o mercado externo. Por outro lado, 74,6% das empresas afirmam que os investimentos planejados têm como objetivo atender principalmente ou exclusivamente o mercado doméstico (sendo que 29,7% exclusivamente). Apesar de prioritariamente orientado para o mercado doméstico, as intenções de investimento da indústria para 2012 são um pouco menos direcionadas que em 2011, conforme identificado pelos índices de difusão de mercado alvo dos investimentos. O índice varia de 0 a 100 pontos, quanto mais próximo de zero, mais direcionado para o mercado interno é o investimento. Esse indicador vinha apresentando uma tendência de aumento no direcionamento para o mercado Objetivo do investimento em 2011 e 2012 Aumento da capacidade da linha atual Melhoria do processo produtivo atual Introdução de novos produtos Introdução de novos processos produtivos Manutenção da capacidade produtiva Mercado alvo do investimento Índice de difusão* Externo 50 Interno Outros objetivos * Planejado 35,0 35,2 0,7 1,5 31,6 6,3 32,5 12,0 11,6 10,6 29,2 28,4 20,9 19,5 25,5 28,0 28,1 27, * 22,5 25, * Índice varia de 0 a 100. Índices acima de 50 pontos indicam que investimentos tem como objetivo atender principalmente o mercado externo. Fonte das informações de 2004 a 2009: Sondagens Especiais de Investimento CNI, considerando médias e grandes empresas. 33,4 9

10 Riscos ao investimento Incerteza econômica Reavaliação da demanda/ ociosidade elevada Aumento inesperado no custo previsto do investimento Custo do crédito / financiamento Dificuldade de obtenção de crédito/ financiamento Dificuldade de obtenção de mão de obra Dificuldades com burocracia Deficiência da infraestrutura Restrições relacionadas ao meio ambiente Dificuldade de obtenção de matéria-prima Dificuldades tecnológicas Outros 22,4 20,9 10,3 7,5 10,0 11,6 6,3 11,3 9,1 5,8 10,0 3,4 5,1 5,6 6,0 12,7 13,0 13,8 34,1 32,2 29,3 25,3 25,6 35,3 20,2 27,2 20,3 51,6 48,2 49,1 33,1 36,9 41,8 75,7 59,1 69,8 Em 2012 Em 2011 Em 2010 doméstico, o que foi interrompido em O indicador relativo a 2012 é de 25,0 pontos, superior ao registrado em 2011 (22,5 pontos), mas muito inferior ao registrado em 2005 (35,2 pontos). Percepção de incerteza econômica em 2012 é superior aos de anos anteriores A incerteza econômica é, na percepção dos empresários industriais, o principal risco ao investimento em O fator foi assinalado por 75,7% das empresas. O percentual é superior ao registrado em 2009, sobre os investimentos previstos para o ano seguinte (69,8% das respostas), e em 2010, com relação aos investimentos previstos para 2011 (59,1%). A indústria aponta a reavaliação da demanda / ociosidade elevada como segundo principal risco (51,6% do total). Em seguida, os principais riscos ao investimento para 2012 são aumento inesperado no custo de investimento (34,1%) e custo de crédito / financiamento (33,1%). Destaca-se que dificuldades com a burocracia perdeu importância (recuando de 27,2% de assinalações, em quinto lugar, para 20,2%, em sétimo lugar). A dificuldade de obtenção de mão de obra permanece ganhando importância (após passar de 10,3% de assinalações em 2009 para 20,9% em 2010, alcançou 22,4% das respostas em 2011). O problema é especialmente preocupante para as pequenas empresas, para as quais o percentual alcança 38,6% e é o terceiro principal risco ao investimento. A soma dos percentuais supera 100% devido a possibilidade de múltiplas respostas. 10

11 FICHA TÉCNICA Abrangência da pesquisa: População objetivo: Método de amostragem: Nacional. Empresas da indústria de transformação com 35 ou mais empregados. Amostragem probabilística, com peso maior para as grandes empresas. Período de Coleta: 14 de outubro a 14 de novembro de Perfil da amostra efetiva: 592 empresas. Porte (número de empregados) Número de empresas 35 a a a a Acima de Margem de erro: 2,7% com 95% de confiança. INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Publicação da Confederação Nacional da Indústria - CNI Unidade de Política Econômica - PEC Gerente-executivo: Flávio Castelo Branco Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento - PAD Gerente-executivo: Renato da Fonseca Equipe técnica: Marcelo Azevedo, Edson Velloso, Thiago Silva, Tomas Moura da Veiga e Taryane Perne Informações técnicas: (61) Fax: (61) Supervisão Gráfica: DIRCOM Normalização Bibliográfica: ASCORP/GEDIN Assinaturas: Serviço de Atendimento ao Cliente Fone: (61) SBN Quadra 01 Bloco C Ed. Roberto Simonsen Brasília, DF CEP: Autorizada a reprodução desde que citada a fonte.

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

Efeitos não se restringem a financiamento. das empresas consultadas se dizem impactadas pela crise. afirmaram que seus investimentos foram afetados

Efeitos não se restringem a financiamento. das empresas consultadas se dizem impactadas pela crise. afirmaram que seus investimentos foram afetados Ano 1 Número 01 novembro de 2008 www.cni.org.br Crise financeira internacional Efeitos não se restringem a financiamento A crise financeira internacional já se faz sentir na economia brasileira. Praticamente

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO Ano 7 Número 02 abril de 2009 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira 54% das empresas industriais utilizam serviços terceirizados 75% das empresas contratantes

Leia mais

60 especial. sondagem

60 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem especial Uso de Tecnologia na Indústria da Construção 80% das empresas da construção investirão em nos próximos cinco anos Custos de aquisição são o principal obstáculo à inovação

Leia mais

Sondagem sobre Burocracia

Sondagem sobre Burocracia Sondagem sobre Burocracia Indústria Brasileira sofre com burocracia excessiva As empresas industriais brasileiras são obrigadas a conviver com uma burocracia excessiva no cumprimento de diversas obrigações

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 2 Número 1 agosto de www.cni.org.br burocracia e a indústria brasileira Burocracia eleva custos e atrasa a entrega de obras e serviços 85% das empresas consideram

Leia mais

59 especial. sondagem

59 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem 59 especial Financiamento Mais de um terço das empresas avalia que não há espaço para maior O acesso à linhas de financiamento permite não só a realização de projetos de investimento,

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 2 Número 3 novembro de 2012 www.cni.org.br DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS Maioria das empresas apoia a extensão da medida ao setor 68% das empresas veem

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 4 Número 1 ISSN 2317-7330 Janeiro de 2014 www.cni.org.br COPA DO MUNDO 2014 Copa ainda trará efeitos positivos para a construção em 2014 dos empresários afirmam

Leia mais

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 3 Número 1 ISSN 2317-7330 outubro de www.cni.org.br FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas

Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas CONSULTA EMPRESARIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 1 agosto de 2011 www.cni.org.br TRIBUTOS Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas Mais

Leia mais

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 2 Número 2 novembro de 2012 www.cni.org.br FINANCIAMENTO Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 27-702 Ano 5 Número 24 Agosto de 205 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica I - Mercado de trabalho 24 Crise econômica muda relação de brasileiros com o mercado de trabalho

Leia mais

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Informativo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Ano 2 Número 3 março de 2011 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Construção civil: um novo cenário à frente Pág.

Leia mais

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões Ano 7 Número 05 dezembro de 2009 www.cni.org.br Mudança Climática Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões 97% das empresas industriais têm conhecimento

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL FEVEREIRO 2016 Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos.

SONDAGEM INDUSTRIAL FEVEREIRO 2016 Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos. Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos. Este relatório de Sondagem Industrial tem como objetivo analisar as respostas relativas à produção,

Leia mais

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos 81% das empresas utilizam capital próprio como principal fonte de financiamento. 48% das empresas não perceberam redução nos juros. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos empréstimos não se alteraram.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO

AVALIAÇÃO DO GOVERNO Indicadores CNI Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Popularidade cresce no segundo semestre Mas presidente Dilma encerra primeiro mandato com popularidade menor que no seu início A popularidade da

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Problemas e prioridades para 2016 28 Corrupção é o principal problema do país Saúde continua sendo a prioridade para as ações do governo A corrupção e a

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO Ano 7 Número 04 setembro de 2009 www.cni.org.br CRÉDITO DE CURTO PRAZO Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem 72% das grandes empresas utilizam mais os bancos privados nacionais

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL Ano 4 Número 2 ISSN 2317-7330 Julho de 2014 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Insegurança jurídica é principal dificuldade enfrentada pelas empresas que terceirizam 70% das empresas industriais (transformação,

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Problemas e prioridades 22 Inflação volta a ser uma das principais preocupações do brasileiro Nos últimos dois anos, os problemas e prioridades da população

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A crise financeira do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)? 1 Déficit no FAT deve subir para R$

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015 Indicadores CNI ISSN 237-702 Ano 5 Número 4 Dezembro de 205 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Dezembro / 205 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL JULHO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL JULHO 2015 A indústria da região de Campinas indica, em julho de 2015, resultados um pouco melhores que os inferiores àqueles visualizados no ano passado dos meses anteriores, mas Este relatório de Sondagem Industrial

Leia mais

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 4 setembro de 2011 www.cni.org.br QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro 96% dos empresários criticam o elevado número

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações!! O que está sendo chamado de verticalização Operadoras montando hospitais e outros serviços próprios: Embora o fenômeno

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO SONDAGEM ESPECIAL COPA DO MUNDO 72,7% dos empresários da construção civil do RS esperam impactos positivos com a realização da copa do mundo 39% acredita que esses impactos se materializem entre 2012-14

Leia mais

Destes temas prioritários, apenas a Educação teve a Câmara temática instalada no mês de março, quando da realização do primeiro Pleno do CDES.

Destes temas prioritários, apenas a Educação teve a Câmara temática instalada no mês de março, quando da realização do primeiro Pleno do CDES. Análise dos Resultados do Survey para as Câmaras Temáticas O survey indicou 7 temas prioritários para os conselheiros: Educação, Segurança Pública, saúde, capacidade de Investimento do estado, Infraestrutura

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho /2016

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho /2016 Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho /2016 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho / 2016 2016. CNI Confederação Nacional da

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE 32,1% das empresas da indústria de transformação não aumentaram sua produtividade nos últimos 5 anos. Na indústria da construção este percentual sobe para 46,9%. 25% das

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de operações: Marco Antonio Reis Guarita SERVIÇO BRASILEIRO

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 MOEDA E CRÉDITO Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 SUMÁRIO Em sua reunião de 20 de janeiro último, o Copom manteve a meta para a Selic estável em 14,25%. A decisão parece ter surpreendido o mercado, como

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA 0 EDUCAÇÃO BÁSICA Brasileiros reconhecem que baixa qualidade da educação prejudica o país A maior parte dos brasileiros reconhece que uma educação de baixa

Leia mais

Comentários sobre os resultados

Comentários sobre os resultados Comentários sobre os resultados Os resultados da conta financeira e da conta de patrimônio financeiro são consolidados na relação da economia nacional com o resto do mundo e não consolidados para os setores

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2015 está demonstrando ser muito desafiador, apresentando um cenário macroeconômico incerto, onde as expectativas do mercado preveem redução do PIB, aumento da inflação e da taxa

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

NOTA ECONÔMICA. Indústria brasileira perde competitividade há uma década. Custo Unitário do Trabalho em dólares reais - CUT

NOTA ECONÔMICA. Indústria brasileira perde competitividade há uma década. Custo Unitário do Trabalho em dólares reais - CUT Informativo CNI NOTA ECONÔMICA 1 Indústria brasileira perde competitividade há uma década A indústria brasileira tornou-se menos competitiva nos últimos 10 anos. A perda de competitividade é retratada

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015 No ano de 2015, Sondagem mostra que a indústria de Campinas paralisa investimentos; estagnação da lucratividade, leve redução da produção e aumento de custos podem explicar a resistência para investir

Leia mais

65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Novembro de 2015 Um ano de recordes indesejados A sondagem da construção, realizada pelo SindusCon-SP desde 1999, chega ao final do ano com alguns

Leia mais

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Sondagem Especial da Confederação Nacional da Indústria CNI O N D A G E M Especial Ano 5, Nº.3 - setembro de 2007 Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV

APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV 1) Voce escolhe se quer investir as suas contribuições em Renda Variável Ao iniciar a contribuição ao Plano de Previdência da CargillPrev (Planos Cargill

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS. François E. J. de Bremaeker

IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS. François E. J. de Bremaeker INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Conceder desconto no pagamento à vista é estratégia adotada por grande parte dos empresários. Cartões ganham cada vez mais

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Sem sinal de melhora. Opinião CNI. Principais problemas enfrentados pela indústria no segundo trimestre 44,8% 44,2% 37,5%

SONDAGEM INDUSTRIAL. Sem sinal de melhora. Opinião CNI. Principais problemas enfrentados pela indústria no segundo trimestre 44,8% 44,2% 37,5% ndicadores CN SSN 1676-0212 Ano 18 Número 6 Junho de SONDAGEM NDUSTRAL Sem sinal de melhora A indústria terminou o primeiro semestre de pior do que começou e não há expectativa de melhora para o restante

Leia mais

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações 19 2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações Até os anos 50, as concessões dos serviços de telecomunicações eram distribuídas indistintamente pelos governos federal, estadual e municipal. Tal

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS

AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS Avaliação dos investimentos do PAC: uma comparação das metodologias utilizadas pela Casa Civil, ONG Contas Abertas e Ipea 17 AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS UTILIZADAS

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/2012

AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/2012 AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/12 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor DIRETORIA

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR

DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR Eu, [nome completo do adquirente], [qualificação completa, incluindo nacionalidade, profissão e número de documento de identidade oficial e endereço], na qualidade de investidor

Leia mais