SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica"

Transcrição

1 SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13 Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica Versão Janeiro/2015

2 VOLUME 13 PREFÁCIO... 2 INSTRUÇÕES GERAIS... 3 INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS INSTRUÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ESPECÍFICAS CAPÍTULO I - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VISÃO GERAL DOS GRUPOS E MÓDULOS DE SERVIÇOS ESPECIFICAÇÕES PECULIARES A CADA UM DOS MÓDULOS DE SERVIÇOS A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ALARMES (A1) A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMA DE ALARMES (A2) A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO TÉCNICA POR MONITOR EXTERNO (A3) B PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE MÓDULO DE CONTROLE DE ACESSO(B1-CATRACAS; B2-CANCELAS; B3-PORTAS; B4-CARTÕES; B5-CONTROLE DE VISITANTES ; B6-CENTRAL / SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO) B7 MONITORAMENTO REMOTO DA CENTRAL/ SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO B8 EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA O CONTROLE DE ACESSO DE PRÉDIOS ADAPTADOS A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA B9 SISTEMA BASE WEB DE CONTROLE DE ACESSO C PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE INCÊNDIO (C1) C PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIO (C2) D PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO CONVENCIONAL DIGITAL (D1;D2;D4;D5;D6;D9) D PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO SISTEMA IP (D3;D7;D8) D PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO REMOTO DE IMAGENS DE CFTV (D10) D PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO LOCAL DE IMAGENS DE CFTV (D11) OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA COMUNS A TODOS OS MÓDULOS DE SERVIÇOS OBRIGAÇÕES DO CONTRATANTE COMUNS A TODOS OS MÓDULOS DE SERVIÇOS FISCALIZAÇÃO/ CONTROLE DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE LOCAIS CAPÍTULO II VALORES REFERENCIAIS RESUMO - VALORES REFERENCIAIS... Erro! Indicador não definido TABELA DE APOIO AOS VALORES REFERENCIAIS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DOS VALORES UNITÁRIOS CAPÍTULO III EDITAIS MODALIDADE DE LICITAÇÃO E ELABORAÇÃO DO EDITAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CAPÍTULO IV CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DOS PREÇOS CUSTOS DOS SERVIÇOS ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS BENEFÍCIO E DESPESAS INDIRETAS ADENDO 1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS ANEXO ANEXO ANEXO ADENDO 2 - GLOSSÁRIO DE TERMOS E EQUIPAMENTOS CRÉDITOS Índice 1

3 PREFÁCIO Este estudo foi desenvolvido com objetivo de apresentar as soluções disponíveis para vigilância eletrônica e respectivos valores referenciais de seus componentes, de forma a orientar os órgãos da administração pública na decisão de contratação de vigilância na forma eletrônica. As soluções, na forma de módulos, contêm as especificações técnicas mínimas para a elaboração de um projeto para contratação de sistemas e serviços eletrônicos adequados a cada situação. Entende-se por vigilância eletrônica o serviço que permite prevenir ou detectar, por meio de sistemas eletrônicos de segurança: incêndios, acessos, intrusões, violações e outras irregularidades no local protegido. Sistemas eletrônicos de segurança são conjuntos de equipamentos e dispositivos técnicos diferenciados que se integram para atuar no esforço de vigilância, tais como: circuito fechado de televisão (CFTV), alarme, controle de acesso, ronda eletrônica, ronda virtual, proteção perimetral, etc.. Os objetivos a serem satisfeitos pelos sistemas eletrônicos de segurança são os de: a) Detectar: Automaticamente pelo próprio equipamento, seja ele um sensor de presença ou uma câmera com detecção de movimento ativada pelo ser humano que, ao perceber uma invasão, aciona o botão de pânico. b) Comunicar: Sonoramente, por meio do acionamento de uma ou mais sirenes; luminosamente, por meio do acionamento de flashes de advertências ou de leds do próprio teclado do sistema de alarme ou silenciosamente, por meio do acionamento de um botão de pânico que enviará dados à central de monitoramento ou de dados, uma vez que o alarme é monitorado 24h por meio da linha telefônica fixa, celular radiofrequência, rede de dados e/ou recepção de imagens. c) Inibir: por meio de um sistema de segurança eletrônica visível ou sonoro que mostre aos indesejáveis que a área está protegida, inibindo uma possível ação invasiva. A finalidade desses sistemas eletrônicos é detectar e informar aos responsáveis (pelo imóvel, área, patrimônio, gerenciadores de contrato, centrais de monitoramento local e/ou remoto e órgãos públicos competentes) irregularidades para que sejam tomadas as devidas providências estabelecidas na ficha de monitoramento do Contratante. As irregularidades detectadas são transmitidas por sinais, linha telefônica fixa, celular, radiofrequência, rede de dados e/ou recepção de imagens. A Vigilância eletrônica abrange os serviços de: Instalação, manutenção, disponibilização e operação permanentes de equipamentos previstos em projeto de detecção, alarme e comunicação; Monitoramento local e/ou remoto de sensores, alarmes e/ou imagens; Inspeção técnica por monitor externo do local protegido; Instalação, manutenção, disponibilização e operação permanentes de equipamentos de CFTV, previstos em projeto; e Monitoramento local e/ou remoto de CFTV; e Controle de acesso. Esses serviços podem ser contratados isoladamente ou de forma combinada, de acordo com a necessidade do Contratante e a especificação do projeto. Este estudo mostra a estrutura de custos os serviços, as memórias de cálculo e as referências técnicas que deram suporte à sua elaboração. Prefácio 2

4 INSTRUÇÕES GERAIS Para melhor utilização das informações e dos dados constantes deste volume, devem ser observadas as instruções gerais a seguir, divididas entre aquelas aplicáveis ao contexto geral da contratação e as aplicáveis individualmente a cada um dos módulos de serviços. Para auxiliar o entendimento de termos específicos do serviço de vigilância eletrônica, o Adendo 2 traz um glossário de expressões técnicas utilizadas nos módulos de serviços constantes deste volume. Contexto Geral 1 - Recomenda-se a utilização da seguinte nomenclatura nas contratações: Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica. 2 No presente estudo, a Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica compõe-se dos seguintes Grupos de serviços e seus respectivos módulos. Por módulos, entendem-se os conjuntos de equipamentos e acessórios agrupados segundo a finalidade de utilização: Grupo A - Módulos de Alarmes: A1 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Alarmes A2 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarmes A3 - Prestação de Serviços de Inspeção Técnica por Monitor Externo - Pronta Resposta Grupo B - Módulos de Controle de Acesso: B1 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso Catracas B2 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso Cancelas B3 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso Portas B4 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso - Cartões B5 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Visitantes B6 - Prestação de Serviços de Locação de Central/Servidor de Controle de Acesso B7 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto da Central/Servidor de Acesso B8 - Prestação de Serviços de Locação de equipamentos especiais para o controle de acesso de prédios adaptados a pessoas com deficiência B9 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema Base Web de Controle de Acesso para um ou mais prédios- Portas, Catracas e Cancelas Grupo C - Módulos de Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio: C1 -Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Detecção de Incêndio C2 - Prestação de Serviços Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios. Grupo D - Módulos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão): D1 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV Convencional (Digital) D2 - Prestação de Serviços de Locação de Estação de Visualização para CFTV D3 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV IP D4 - Prestação de Serviços de Locação de Central de Monitoramento Remoto para CFTV D5 - Prestação de Serviços de Locação de Acessórios, Conversores e Dispositivos para CFTV Convencional (Digital) / Sistema IP D6 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Convencional (Digital) D7 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP Instruções Gerais 3

5 D8 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel D9 - Prestação de Serviços de Locação de Postes D10 - Prestação de Serviços de Serviços de Monitoramento Remoto de Imagens D11 - Prestação de Serviços de Monitoramento e Gerenciamento local de imagens (Posto) Instruções Gerais 4

6 CFTV Incêndio Controle de Acesso Alarmes PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA Quadro de referências dos Grupos A,B,C,D e Módulos A Central de alarmes Equipamentos Acessórios Softw are Mão de Obra Sensores de movimento / presença / proteção perimetral / Comunicação Monitoramento remoto da central de alarmes (por painel) A1.1 A1.2 A2 A3 Inspeção Técnica por Monitor Externo (por painel) B Equipamentos Acessórios Softw are Mão de Obra Cartões de Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com Monitoramento Módulo de Controle Etiqueta remoto da de acesso para B1 B2 Interface de Cartões de Central / Portas Controle de Acesso em Servidor de Acesso Branco Controle de B3.1 B3.2 Impressora Acesso Térmica Baias de B4 B7 Segurança Especiais para Conjunto de Porta Estação de atender Deslizantes e módulo trabalho para cadeirantes e/ou de controle cadastro de pessoas com automatizado visitantes necessidades especiais B8.1 B8.2 Relógio Led Sincronizado B5.1 Central / Servidor de Controle de Acesso Sistema Base Web de Controle de Acesso Softw are de controle de visitantes B6.1 B9 B6.2 C Equipamentos Centrais Centrais Convencionais de Endereçáveis de Alarme e Alarme e Detecção Detecção de de Incêndio Incêndio Sensores de incêndio C1.1 C1.2 Acessórios de Incêndio C1.3 Acessórios Softw are Monitoramento remoto da central de incêndio C3 Mão de Obra D Convencional - Digital Central de DVR Stand alone Monitoramento (softw are incluso) Local (DVR - Base Microprocessado PC + Tela) e ou Base PC softw are incluso D1.1 D1.2 NVR Microprocessado ou Base PC (softw are incluso) Estação de Visualização de CFTV Equipamentos Acessórios Softw are Mão de Obra D1.3 D2 D4.1 D5 D6 D9 D3.2 D10 D11 Sistema IP Estação de Visualização de CFTV Servidor para gerenciamento de imagens Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho para Monitoramento de Imagens de CFTV) Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho para Monitoramento de Imagens de CFTV) Acessórios, Dispositivos para CFTV Acessórios, Dispositivos e Softw ares para CFTV Câmeras de CFTV Convencional (Digital) Câmeras de CFTV Sistema IP Câmeras de CFTV Sistema IP - MegaPixel * Estes serviços deverão ser prestados via Intragov ou pelo escopo das contratações de telecomunicações definidos pelo órgão Contratante. Postes Licença Cliente para Visualização de Câmeras Licença Cliente para Visualização de Câmeras Serviço de Monitoramento Remoto (por 16 Câmeras) Serviço de Monitoramento Remoto (por 16 Câmeras) Posto de Monitoramento Local das Câmeras Posto de Monitoramento Local das Câmeras D2 D3.1 D4.1 D5 D7 D8 D9 D3.2 D10 D11 Postes Instruções Gerais 5

7 2.1 A nomenclatura Inspeção Técnica por Monitor Externo Serviço de Pronta Resposta substitui a nomenclatura do Serviço de Pronta Resposta, de acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho do Sindicato das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança do Estado de São Paulo 2009/2010, Reg. MR / A decisão da escolha da contratação de serviços de vigilância eletrônica deverá estar embasada em análise criteriosa das reais necessidades dos serviços a serem contratados, considerando-se as Especificações Técnicas de cada tipo de serviço e legislação regulamentar das atividades de vigilância eletrônica. Esta seleção é fundamental para a satisfação das necessidades do Contratante, havendo reflexos significativos nas despesas decorrentes. Portanto, quando da contratação dos serviços de vigilância eletrônica, importante se faz conhecer as especificações dos serviços de vigilância/segurança patrimonial constantes do Volume 1, bem como as de controle, operação e fiscalização de portarias e edifícios, constantes do Volume 2, objetivando selecionar a alternativa que melhor atenda às necessidades Um aspecto importante para a escolha da contratação de serviços de vigilância eletrônica é a sua convivência com os serviços de vigilância/segurança patrimonial eventualmente já contratados ou a contratar. A integração desses serviços deverá garantir nível adequado de segurança das instalações envolvidas, com a otimização dos recursos humanos e das tecnologias de segurança eletrônica, fomentando a percepção da presença do vigilante nos postos definidos e implementando sistemas eletrônicos de segurança que permitirão o monitoramento das instalações. 3.2 As empresas prestadoras exclusivamente de serviços de vigilância eletrônica não estão submetidas às regras previstas na legislação que rege a prestação de serviços de vigilância/segurança patrimonial como, principalmente, a Lei Federal n o 7.102/83, com alterações dadas pelas Leis Federais n os 8.863/94, 9.017/95, pela Medida Provisória n o 2.184/01 e pela Lei Federal nº /08, e pelas a Portarias DG/DPF nº 387/2006, nº 3.233/2012 e nº 3.258/2013.Assim sendo, a contratação de serviços que envolvam exclusivamente a vigilância eletrônica não requer o cumprimento das exigências legais afetas exclusivamente às empresas de Segurança/ Vigilância patrimonial. 3.3 Preservado o princípio da economicidade, sempre que possível, é amplamente recomendada à contratação conjunta de todos os módulos de serviço de interesse do Contratante de uma única Contratada responsável, ainda que seja permitida a subcontratação de determinado módulo no todo ou em parte. Isto não implica que todos os módulos devam ser sempre contratados A lógica da vigilância eletrônica indica, como regra geral, a contratação conjunta de um dos módulos de centrais de gerenciamento disponíveis (A1.1, B6.1, C1.1, C1.2, D1.1, D1.2, D1.3 ou D3.1) e de equipamentos e acessórios listados neste volume (A1.2, B1, B2, B3, B4, B5, C2, D1 ou D3, D5, D6, D7, D8 ou D9) responsáveis pelo sensoriamento e detecção de agentes de risco ou controle de acesso, ou ainda a cobertura de áreas através do uso de imagens. A contratação de serviços de supervisão e monitoramento remoto é opcional e esses serviços deverão ser contratados levando em consideração o grau de risco e as necessidades de proteção das áreas sob vigilância eletrônica. Caso módulos de ambos os grupos sejam contratados, a prática mais recomendável é a responsabilização de uma única Contratada, dadas as interfaces inevitáveis entre as equipes envolvidas, bem como com as equipes de segurança patrimonial e de portaria Entre as soluções que podem ser combinadas na utilização dos módulos apresentados, citamos: Instruções Gerais 6

8 Grupo A - Módulos de Alarmes: As quantidades de zonas a serem monitoradas irão determinar qual o sistema de alarme a ser adotado, conforme os critérios informados a seguir: Sistema Básico de Alarmes: Central de alarmes 8 a 24 Zonas + Sensores de movimento / presença A1.1 A1.2 Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por alarmes limitados entre 8 e 24 zonas. Sistema Básico de Alarmes com o Monitoramento Remoto Central de alarmes 8 a 24 Zonas + Sensores de movimento / presença + Monitoramento remoto da central de alarmes (por painel) + Inspeção Técnica por Monitor Externo (por painel) A1.1 A1.2 A2 A3 Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por alarmes limitados entre 8 e 24 zonas, com identificação da real necessidade de controle de riscos, proteção ou vigilância constante (exemplo: segurança de autoridades, existência de valores patrimoniais elevados e outras demandas) que deverão ser composto com os serviços de monitoramento remoto conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de Alarmes: Central de alarmes 25 a 96 Zonas + Sensores de movimento / presença A1.1 A1.2 Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por alarmes de 25 ou mais zonas, limitados a 96 zonas por painel da central de alarmes. No caso de mais de 96 zonas, deverá ser utilizada a combinação de mais de um painel para compor a central de alarmes, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de Alarmes com Monitoramento Remoto: Central de alarmes 25 a 96 Zonas + Sensores de movimento / presença + Monitoramento remoto da central de alarmes (por painel) + Inspeção Técnica por Monitor Externo (por painel) A1.1 A1.2 A2 A3 Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por alarmes de 25 ou mais zonas, limitados a96 zonas por painel da central de alarmes, com identificação da real necessidade de controle de riscos, proteção ou vigilância constante (exemplo: segurança de autoridades, existência de valores patrimoniais elevados e outras demandas). No caso da necessidade de um número maior do que 96 zonas e/ou da Instruções Gerais 7

9 necessidade de monitoramento remoto, as soluções e escolhas de serviços deverão seguir as definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Expansão dos sistemas de alarmes: Quando houver previsão de ampliação na quantidade de zonas monitoras, utilizar preferencialmente centrais de alarmes expansíveis, com capacidade suficiente para atender a ampliação prevista. Instruções Gerais 8

10 Grupo B - Módulos de Controle de Acesso: Sistema Básico de Controle de Acesso de Pedestres ou Pessoas com Deficiência: Central / Servidor de Catracas Controle de Acesso + + Cartões de Acesso com Etiqueta + Estação de trabalho para cadastro de visitantes B6.1 B B4 B5 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle do fluxo de pessoas (funcionários e visitantes), com fornecimento de cartões de acesso e controle de cadastramento. A definição do tipo e número de catracas e de estações de cadastramento a serem instalados dependerá do número de pessoas que acessam o prédio, da frequência e da rotina de funcionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Básico de Controle de Acesso de Veículos: Central / Servidor de Cancelas Controle de Acesso + + Cartões de Acesso com Etiqueta B6.1 B2 B4 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade do controle de acesso de veículos previamente cadastrados no sistema, com fornecimento de cartões de acesso. O número de cancelas a serem instaladas dependerá da quantidade de vagas no estacionamento, da quantidade de veículos que acessam ao estacionamento do prédio e do grau de proteção demanda para o controle dos veículos, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos: Central / Servidor de Controle de Acesso + Catracas ou Baias de Segurança Especiais + Cancelas + Módulo de Controle de acesso para Portas ou Portas de Vidro Deslizantes + Cartões de Acesso com Etiqueta + Estação de trabalho para cadastro de visitantes B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, controle de cadastramento, necessidade do controle de portas por andar ou região pré-definida, bem como, necessidade controle de acesso de veículos previamente cadastrados no sistema. O número de catracas, estações de cadastramento, cancelas e controles de portas a serem instalados dependerá da quantidade de pessoas que acessam ao prédio, da frequência de acessos e da rotina de funcionamento, da arquitetura e do grau de proteção demandada para o prédio e seu estacionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Instruções Gerais 9

11 Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos com Monitoramento de Acesso Local: Central / Servidor de Controle de Acesso + Catracas ou Baias de Segurança Especiais + Cancelas + Módulo de Controle de acesso para Portas ou Portas de Vidro Deslizantes + Cartões de Acesso com Etiqueta + Estação de trabalho para cadastro de visitantes + Sensores de movimento / presença B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, controle de portas por andar, por região pré-definida e controle de acesso de veículos, acompanhado do sensoriamento com alarmes. O número de catracas, estações de cadastramento, cancelas e controles de portas e dos sensores de monitoramento a serem instalados dependerá da quantidade de pessoas que acessam ao prédio, da frequência de acessos e da rotina de funcionamento, da arquitetura e do grau de proteção demandada para o prédio e seu estacionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado, Base Web, de Controle de Acesso para um ou mais Prédios Públicos: Sistema Base Web de Controle de Acesso + Catracas + Cancelas + Módulo de Controle de acesso para Portas + Cartões de Acesso com Etiqueta + Estação de trabalho para cadastro de visitantes B9 B1 B2 B3 B4 B5 Recomendação de Uso: Órgãos e unidades do governo do estado que demandam a integração do controle de acesso por estarem estão alocadas em um ou mais Prédios Públicos em localidades distintas e que necessitam do controle do fluxo de pessoas, visitantes e de veículos. A escolha pela utilização do sistema base web de controle de acesso dependerá da indicação técnica por parte do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos com Monitoramento de Acesso Local e Remoto: Central / Servidor de Controle de Acesso + Catracas ou Baias de Segurança Especiais + Cancelas + Módulo de Controle de acesso para Portas ou Portas de Vidro Deslizantes + Cartões de Acesso com Etiqueta + Estação de trabalho para cadastro de visitantes + Sensores de movimento / presença + Monitoramen to remoto da central de Acesso B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2 B7 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, cadastramento de visitantes, controle de portas por andar, por região pré-definida e de acesso de veículos;, acompanhado do sensoriamento com alarmes. O número de catracas, estações de cadastramento, cancelas e controles de acesso para portas dos sensores de monitoramento a serem instalados e a necessidade de monitoramento remoto, dependerá da quantidade pessoas que acessam ao prédio, da frequência de acessos, da rotina de funcionamento, da arquitetura e do grau de proteção demandada para o prédio e seu estacionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Instruções Gerais 10

12 Importante 1 A definição do uso de Baias Especiais de Segurança, destinadas ao atendimento de cadeirantes e/ou pessoas com necessidades especiais, bem como a escolha pelo uso do módulo de controle e automatização de portas de vidro deslizantes, a princípio é de uso restrito. A opção do uso de qualquer um dos equipamentos que compõe o Grupo B8, dado o aumento dos valores contratados por conta da sofisticação e especificidade dos mesmos, depende da indicação do profissional técnico responsável pelo projeto e de justificativa formal do servidor responsável da unidade contratante, indicando o porquê da necessidade de uso desses equipamentos. Importante 2 A Estação de Trabalho para o Cadastro de Visitantes constante do Grupo B, serviços de controle de acesso, é composta apenas por equipamentos e software para o cadastro e controle da emissão e recepção de cartões de acesso, não contemplando o Posto de Cadastramento que deverá ser contratado nos moldes estabelecidos no Volume 2 Controle, Operação e Fiscalização de Portarias e Edifícios. Grupo C - Módulos de Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio: Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio: Centrais Convencionais de Alarme e Detecção de Incêndio OU Centrais Endereçáveis de Alarme e Detecção de Incêndio + Sensores / Acessórios de Incêndio C1.1 C1.2 C2 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle de riscos de incêndio e/ou atendimento a legislação estadual e instruções técnicas do corpo de bombeiros, por meio de centrais de incêndios (convencionais ou endereçáveis) com a função de alarmar a existência de um sinistro em uma determinada área ou setor da edificação coberta pelos detectores, acionador manual, sirenes e demais módulos e sensores necessários. A determinação do tipo de central (convencional ou endereçável), dos tipos e quantidades de sensores e dos acessórios dependerá dos potenciais de risco de incêndios, da arquitetura do prédio e das demandas legais a serem atendidas pela edificação, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio com Monitoramento Remoto da Central de Incêndio: Centrais Convencionais de Alarme e Detecção de Incêndio OU Centrais Endereçáveis de Alarme e Detecção de Incêndio + Sensores / Acessórios de Incêndio + Monitoramento remoto da central de incêndio C1.1 C1.2 C2 C3 Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle de riscos de incêndio e/ou atendimento a legislação estadual e instruções técnicas do corpo de bombeiros, por meio de centrais de incêndios (convencionais ou endereçáveis) com a função de alarmar a existência de um sinistro em uma determinada área ou setor da edificação coberta pelos detectores, acionador manual, sirenes e demais módulos e sensores necessários, bem como, coma necessidade de monitorar remotamente a central de incêndio (convencional ou endereçável), através serviço de monitoramento remoto, A determinação do tipo de central (convencional ou endereçável), dos tipos e quantidades de sensores e acessórios e da necessidade ou não de monitoramento remoto dependerá dos potenciais de risco de incêndios, da arquitetura do prédio e das demandas legais a serem atendidas pela edificação, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Instruções Gerais 11

13 Grupo D - Módulos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão): Sistema Básico de CFTV Convencional: Central de Monitoramento Local (DVR + Tela) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) D1.1 D6 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software incluso e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades. É importante destacar que essa solução básica contempla apenas a cobertura e o registro das imagens na central de monitoramento, não existindo, assim, nenhum posto de monitoramento previsto nesta solução. Os pontos de instalação, bem como dos tipos de câmeras digitais a serem instaladas deverão ser determinados, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Básico de CFTV Convencional com Monitoramento Local: Central de Monitoramento Local (DVR + Tela) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) + Posto de Monitoramento Local das Câmeras D1.1 D6 D11 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software incluso, e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades, contando com o monitoramento local através de Posto de Monitoramento a ser exercido nas instalações da contratante diretamente na central de monitoramento. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem instaladas, bem como a contratação do posto de monitoramento, dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento local constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Básico de CFTV Convencional com Monitoramento Remoto: Central de Monitoramento Local (DVR + Tela) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) + Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho para Monitoramento de Imagens de CFTV) + Serviço de Monitoramento Remoto (por 16 Câmeras) D1.1 D6 D4.1 D10 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software incluso, e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades, contando com o monitoramento remoto através de central de monitoramento e serviços de monitoramento remoto a ser Instruções Gerais 12

14 executado nas instalações da contratada. É importante ressaltar que o monitoramento remoto substitui a necessidade de monitoramento local, não sendo admitida a contratação de Postos de Monitoramento Local em conjunto com os serviços de monitoramento remoto. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem instaladas, bem como a contratação dos serviços de monitoramento remoto, dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de CFTV Convencional NVR Microprocessado ou Base PC (software incluso) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) + Estação de Visualização de CFTV D1.3 D6 D2 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de TV, composto por equipamento NVR (Microprocessado ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de Visualização de CFTV. É importante destacar que essa solução contempla apenas a cobertura e registro das imagens no equipamento NVR, não existindo assim nenhum posto de monitoramento previsto. Os locais de instalação, bem como, os tipos e quantidades de câmeras digitais a serem instaladas devem seguir a especificação, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de CFTV Convencional com Monitoramento Local: NVR Microprocessado ou Base PC (software incluso) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) + Estação de Visualização de CFTV + Posto de Monitoramento Local das Câmeras D1.3 D6 D2 D11 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por equipamento NVR (Microprocessado ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de Visualização de CFTV, contando com o monitoramento local através de Posto de Monitoramento a ser exercido nas instalações do Contratante, por meio do monitoramento executado na estação de visualização. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem instaladas, bem como a contratação do posto de monitoramento, dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento local constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Instruções Gerais 13

15 Sistema Avançado de CFTV Convencional com Monitoramento Remoto: NVR Microprocessado ou Base PC (software incluso) + Câmeras de CFTV Convencional (Digital) + Estação de Visualização de CFTV + Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho para Monitoramento de Imagens de CFTV) + Serviço de Monitoramento Remoto (por 16 Câmeras) D1.3 D6 D2 D4.1 D10 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de TV, composto por equipamento NVR (Microprocessado ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de Visualização de CFTV, contando com o monitoramento remoto através de central de monitoramento e serviços de monitoramento remoto a ser executado nas instalações da contratada. É importante ressaltar que o monitoramento remoto substitui a necessidade de monitoramento local, não sendo admitida a contratação de Postos de Monitoramento Local em conjunto com os serviços de monitoramento remoto. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem instaladas, bem como a contratação dos serviços de monitoramento remoto dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP: Servidor para gerenciamento de imagens + Câmeras de CFTV Sistema IP OU Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel D3.1 D7 D8 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da rede de dados específica para o CFTV. É importante destacar que essa solução contempla apenas a cobertura e registro das imagens no servidor de gerenciamento de imagens, não existindo assim nenhum posto de monitoramento previsto. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras que compõem o Sistema de CFTV devem ser considerados, conforme a determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP com Monitoramento Local: Servidor para gerenciamento de imagens + Câmeras de CFTV Sistema IP OU Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel + Estação de Visualização de CFTV + Posto de Monitoramento Local das Câmeras D3.1 D7 D8 D2 D11 Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de Instruções Gerais 14

16 sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da rede de dados específica para o CFTV, contando com Posto de Monitoramento a ser exercido nas instalações da contratante, por meio do monitoramento executado na estação de visualização. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras a serem instaladas, bem como, a contratação do posto de monitoramento dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento local constante das áreas cobertas pelas câmeras que compõem o Sistema de CFTV - IP, conforme a determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP com Monitoramento Remoto: Servidor para gerenciamento de imagens + Câmeras de CFTV Sistema IP OU Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel + Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho para Monitoramento de Imagens de CFTV) + Serviço de Monitoramento Remoto (por 16 Câmeras) D3.1 D7 D8 D4.1 D10 Recomendação de Uso :Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da rede de dados específica para o CFTV, contando com o monitoramento remoto a ser executado nas instalações da contratada. É importante ressaltar que o monitoramento remoto substitui a necessidade de monitoramento local, não sendo admitida a contratação de Postos de Monitoramento Local em conjunto com os serviços de monitoramento remoto. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras a serem instaladas, bem como, a contratação do posto de monitoramento dependerá do grau de risco e da necessidade de monitoramento constante das áreas cobertas pelas câmeras que compõem o Sistema de CFTV IP devem seguir as determinações do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema. Importante 3 A definição do uso de sistemas de CFTV Convencional ou CFTV Sistema IP, bem como a escolha das Câmeras do tipo IP ou IP-Megapixel dependerão da indicação do profissional técnico responsável pelo projeto, ressaltando que o emprego de câmeras IP-Megapixel deverá ser justificado, indicando o porquê da necessidade da aplicação desse tipo de câmera, dado o aumento dos valores contratados, devido à melhor qualidade e sofisticação desses equipamentos Para as contratações que envolvam o monitoramento remoto dos sistemas de vigilância eletrônica recomenda-se um estudo prévio para utilização da rede ip multisserviço do sistema intragov, e quando não for possível a sua utilização, um estudo prévio de disponibilidade dos serviços de telecomunicação de Banda Larga e ou telefonia móvel de dados na região, justificando a efetiva restrição no uso do sistema intragov. caso não haja disponibilidade de nenhum dos serviços indicados anteriormente,, deve-se fazer a opção pelos serviços de vigilância patrimonial e/ou monitoramento por alarmes. 4 - As Especificações Técnicas poderão sofrer adaptações para atender às peculiaridades de cada órgão da administração, mesmo que tais modificações não venham a alterar a composição dos preços dos serviços. Instruções Gerais 15

17 4.1 - Como as exigências estabelecidas nas Especificações Técnicas são, em princípio, de uso comum aos órgãos da administração pública estadual e são de cunho abrangente, as especificidades de serviços de vigilância eletrônica que se apresentem como importantes para cada Contratante deverão ser consideradas, conforme metodologia estabelecida neste volume, no uso das especificações do projeto, elaborado com a colaboração de técnicos habilitados. 5 - Para a eficácia de um sistema eletrônico de segurança, é necessária a avaliação de risco desse sistema e posterior elaboração do projeto de segurança, que englobe o projeto de instalação e os respectivos custos de manutenção contemplados neste volume que atenda de forma adequada às necessidades do órgão Contratante. Recomenda-se ao Contratante que não possuir equipe especializada para a elaboração de projeto de vigilância eletrônica, que contrate profissional ou empresa habilitada, previamente à elaboração do edital de licitação, utilizando-se dos procedimentos legais cabíveis, consultoria técnica especializada em análise de riscos e projetos de segurança. 5.1 O diagnóstico e a análise de riscos são os passos iniciais de um projeto de sistemas eletrônicos de segurança. É fundamental identificar os riscos e suas origens e, ainda, fazer um diagnóstico de segurança, com o levantamento de variáveis externas e internas que impactarão na segurança do imóvel e da área em questão, bem como as vulnerabilidades da instalação. a) A partir do diagnóstico e a análise de riscos serão levantadas inúmeras informações que permitirão a aplicação da tecnologia mais adequada ao local. A solução é personalizada, já que cada imóvel apresenta uma necessidade específica. b) Um adequado projeto de sistema eletrônico de segurança é condição para a eficácia da implantação do sistema. A partir deste projeto serão levantadas inúmeras informações que permitirão a aplicação da tecnologia mais adequada ao local. Cada edificação, condomínio ou empresa possui suas particularidades, já que cada imóvel apresenta uma necessidade específica 5.2 Sugere-se como conteúdo mínimo dos projetos de segurança: Diagnóstico da atividade do Contratante, nº de funcionários/empregados em um dado local, fluxo de pessoas e pontos vulneráveis. Análise de riscos, contendo: o Determinação de probabilidades por tipo de ocorrência relevante e respectivas consequências. o Determinação de prioridades de proteção aos riscos analisados (por área, equipamentos, materiais, furtos internos, pessoal) o o Avaliação da relação custo benefício das alternativas de proteção. Definição do projeto de segurança propriamente dito, incluindo memorial descritivo da instalação, especificação de serviços, catálogos dos equipamentos em português, diagrama esquemático dos sistemas projetados e após a instalação, deverá ser apresentado o As-Built do sistema e os níveis de serviços a serem exigidos. 5.3 Em face dos vetos estabelecidos pelo artigo 9, inciso I, da Lei Federal n o 8.666/93, o profissional ou empresa responsável pelo projeto ficará impedido de participar do pregão posterior para a contratação do serviço de vigilância eletrônica propriamente dito. 5.4 Recomenda-se que o edital do pregão conceda prazo adequado para vistoria técnica das áreas escopo da licitação com anterioridade à apresentação das propostas. 6 - Os valores referenciais, que deverão ser utilizados como parâmetro de aceitabilidade dos preços ofertados foram obtidos com base em Pesquisa de Preços que visou refletir as exigências contidas nas Especificações Técnicas e na legislação vigente sobre a matéria. Instruções Gerais 16

18 6.1 Necessidades específicas não contempladas nas Especificações Técnicas ou itens originalmente agregados que se apresentem como excessivos em uma determinada contratação, implicarão em ajustes e adaptações, pelos próprios órgãos, nas correspondentes composições de preços constantes deste volume. Exemplificando: instalação de cabeamento de longa distância em áreas externas, etc Recomenda-se que os valores utilizados para o orçamento relativo à locação de equipamentos sejam obtidos pelo órgão/entidade responsável pela licitação ou obtidos por meio de profissional/empresa responsável pela elaboração do projeto básico de forma similar à empregada neste estudo, ou seja, tomando-se como base os preços de aquisição dos equipamentos, adicionados de taxa de manutenção e convertidos para um valor de locação, dado um número de meses e um custo de capital, levando-se em consideração o dimensionamento dos serviços e sistemas especificados no projeto de segurança. 6.3 Para o reajustamento dos preços deverão ser observadas as disposições contidas no Decreto Estadual nº /03 e Resolução C.C. n o 79/ Recomenda-se o período de 30 (trinta) meses para o prazo do contrato com possibilidade de prorrogação, limitado o prazo contratual a 60 (sessenta) meses. 7.1 Todas as estimativas de depreciação de investimentos e, portanto, de custos, foram baseadas neste período de 60(sessenta) meses. Assim, não é recomendável contratação por períodos diversos desse. 8 - As composições de preços constantes do Capítulo II contemplam o regime de prestação de serviços de monitoramento na forma de postos de trabalho de 12h diárias diurno e 12h diárias noturno, de segunda-feira a domingo, inclusive feriados, em função das características envolvidas nos serviços de vigilância eletrônica. 9 - As Especificações Técnicas, os Critérios para Composição de Preços, os Encargos Sociais e Trabalhistas, os Benefício e Despesas Indiretas - BDI e os Critérios de Reajuste de Preços foram desenvolvidos levando-se em consideração o comportamento do mercado e a experiência e dados históricos do Estado de São Paulo Foi eleito, como forma de remuneração e correspondente unidade de medida para a contratação desses serviços, o Valor mensal (R$/mês) (unidade de medida/mês), tendo em vista a facilidade de administração/gerenciamento do contrato, e a consequente padronização no âmbito do Estado As unidades de medida utilizadas consideram o valor da locação dos equipamentos associados à respectiva funcionalidade de vigilância, sendo o custo rateado do pessoal associado ao monitoramento de um Painel de Alarme. No caso do serviço de inspeção técnica por monitor externo/ serviço de pronta resposta, similarmente, foi considerado o custo rateado do pessoal associado ao serviço de inspeção técnica por monitor externo - serviço de pronta resposta a ocorrências de um Painel de Alarme No caso do serviço de CFTV, foram eleitos, de forma mais direta, o custo da locação dos equipamentos e o custo de postos de trabalho de operador de monitoramento O termo Valores Referenciais desenvolvido neste estudo refere-se aos valores definidos com base em composições técnicas estabelecidas para execução dos serviços e em preços médios de insumos obtidos no mercado e deverão ser utilizados como parâmetros de aceitabilidade dos menores preços ofertados Os Valores Referenciais apresentados devem ser considerados como resultado do trabalho como um todo, em vista dos mesmos refletirem, principalmente, as Especificações Técnicas, a legislação vigente e os preços de mercado dos insumos. Instruções Gerais 17

19 Esses valores incluem mão de obra, equipamentos, acessórios, transporte e demais insumos necessários à execução dos serviços, Encargos Sociais e Trabalhistas, tributos e impostos inerentes à prestação dos serviços, bem como a taxa de lucro da Contratada Para esses serviços foram pesquisada e ordenada à legislação sobre licitações e contratos, específica, complementar, trabalhista, previdenciária, tributária/fiscal assim como o acordo/convenção/dissídio da categoria profissional e Normas Técnicas Brasileiras, com especial atenção à NBR 17240/ 2010 (Sistemas de detecção e alarme de incêndio Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio) Os órgãos da Administração Pública Estadual poderão se valer de projeto básico de vigilância eletrônica desenvolvido e homologado pela Companhia Paulista de Obras e Serviços CPOS, à luz da atribuição constante ao Artigo 1º, I do Decreto nº /2008, efetuando-se a contratação dos sistemas de vigilância eletrônica mediante devido processo licitatório. Item 13 incluído em 08/01/ Dada à natureza dos serviços de vigilância eletrônica, é recomendável o estabelecimento em contrato, de níveis mínimos de serviço aceitáveis, levando-se em conta os resultados da análise de risco e as características de cada projeto. A título de sugestão, apresentamos, nos itens a seguir, alguns exemplos de indicadores aplicáveis a cada bloco previsto neste estudo, por módulos de serviço, os quais devem, no entanto, ser adequados a cada contratação específica. Alterado em 08/01/2015. Instruções Gerais 18

20 INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS MÓDULO A1: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ALARMES 1 - Sistema de alarme é o conjunto de equipamentos destinados à detecção de anormalidades; normalmente, é constituído por sensores, painéis de alarme e pelos demais periféricos. Existe uma grande variedade de equipamentos que podem ser utilizados num sistema de alarme e sua seleção varia de acordo com a necessidade, orçamento e adequação ao projeto. Por tratar-se de área em que há emprego intensivo de tecnologia, as especificações de serviços utilizadas neste estudo não são ancoradas em equipamentos, mas nas funcionalidades de serviço por eles proporcionadas. Espera-se, com isso, aumentar a flexibilidade e elevar a longevidade do estudo, permitindo, inclusive, com a aprovação do Gestor do Contrato, a inserção de eventuais avanços tecnológicos em relação à vigilância eletrônica. Ressalta-se que os usuários do estudo deverão tomar cuidados adicionais de modo a estabelecer os valores referências desses novos serviços, bem como. na determinação de indicadores ou metas de nível de serviço contratado, a partir dos quais possa ser viabilizada a gestão do contrato. 2 Níveis de serviço sugeridos: Indicador Sistemas Básicos Sistemas Avançados Prazo de Instalação (dias úteis) 5 a a 20 Manutenção Preventiva Manutenção Corretiva Garantia Mínima dos Equipamentos Trimestral Até 4 horas após a identificação da falha 12 meses Exemplos de Sistemas Básicos de Alarme Central de alarmes 8 a 24 Zonas + Sensores de movimento / presença A1.1 A1.2 Central de alarmes 8 a 24 Zonas + Sensores de movimento / presença + Monitoramento remoto da central de alarmes (por painel) + Inspeção Técnica por Monitor Externo (por painel) A1.1 A1.2 A2 A3 Exemplos de Sistemas Avançados de Alarme Central de alarmes 25 a 96 Zonas + Sensores de movimento / presença A1.1 A1.2 Central de alarmes 25 a 96 Zonas + Sensores de movimento / presença + Monitoramento remoto da central de alarmes (por painel) + Inspeção Técnica por Monitor Externo (por painel) A1.1 A1.2 A2 A3 3 Instruções específicas quanto à contratação e à prorrogação contratual: Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 19

SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica

SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13 Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica Versão Janeiro/2014 VOLUME 13 PREFÁCIO... 2 INSTRUÇÕES GERAIS... 3 INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS...

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Questionamentos Empresa: G4S 1) qual tamanho da banda que será fornecida para transmissão das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO COMISSÃO DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO 1.

Leia mais

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*)

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips, para monitoramento de ativos pessoas ou objetos

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Cast Informática S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter contribuições para a especificação

Leia mais

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO Referência: PA Nº 4419AD/2015 CONCORRÊNCIA Nº 03/2015 Interessado: Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão Assunto: Parecer acerca de esclarecimentos ao Edital da Concorrência nº 03/2015 Objeto: A presente

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) Dispõe sobre as empresas de sistemas eletrônicos de segurança e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software)

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação Departamento de Governança e Sistemas de Informação

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 021/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 041/2014

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 021/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 041/2014 CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 021/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 041/2014 OBJETO: Contratação de empresa especializada na Prestação de Serviços de Segurança Eletrônica, com monitoramento

Leia mais

SOBRE A TECNOLOGIA RFID

SOBRE A TECNOLOGIA RFID SOBRE A TECNOLOGIA RFID (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips para monitoramento de ativos pessoas ou objetos fixos ou móveis. A tecnologia RFID

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. a) Identificação: Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. c) Nome trabalho: Central de Monitoramento dos Fóruns do Interior.

I - INTRODUÇÃO. a) Identificação: Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. c) Nome trabalho: Central de Monitoramento dos Fóruns do Interior. I - INTRODUÇÃO a) Identificação: Tribunal Regional Eleitoral do Paraná b) E-mail: gbastos@tre-pr.gov.br c) Nome trabalho: Central de Monitoramento dos Fóruns do Interior. d) Nome responsável e equipe:

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante.

TERMO DE REFERENCIA. 5.1 Quantidade estimada para compra são de 2 (dois) nobreaks que funcionarão de forma redundante. TERMO DE REFERENCIA 1. OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada para fornecimento e manutenção de equipamento elétrico do tipo nobreak nas instalações da sala dos servidores da Companhia Docas do

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

A. LUMINÁRIAS LED UTILIZADAS NA PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

A. LUMINÁRIAS LED UTILIZADAS NA PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Metodologia para Credenciamento e Apuração de Conteúdo Local de Luminárias LED no Credenciamento de Fabricantes Informatizado CFI do BNDES para apoio financeiro a PPP de Iluminação Pública de São Paulo

Leia mais

Vídeo Porteiro, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO

Vídeo Porteiro, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO Vídeo Porteiro,, Casa Inteligente Alarme, CFTV, Signage, muita segurança e tranquilidade! INSTALADOR AUTORIZADO VOXI VOXI X10 Tenha o controle de seu bem estar em suas mãos! Com a vida agitada e estressante

Leia mais

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida 1. CONTEXTO E PROPÓSITO Em outubro de 2011, foi aprovado pelo Congresso Nacional

Leia mais

Access Professional Edition 2.0

Access Professional Edition 2.0 Sistemas Access Professional Edition 2.0 Access Professional Edition 2.0 Controle de acesso compacto baseado na inovadora família de controladores AMC da Bosch Verificação Integrada por Vídeo Sistema multiusuário

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 17/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 17/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 17/2015 CREMEB 1 - DO OBJETO Contratação de empresa especializada para locação de Central Telefônica, acrescido de gerenciamento de custos e

Leia mais

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde RJ

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde RJ PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM INFRAESTRUTURA DE REDE, TELEFONIA E CFTV. EDITAL HMMR- 13/2015 O Centro de Estudos e Pesquisas 28 (Organização Social em Saúde) torna pública

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece um resumo de alterações

Leia mais

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência O Termo de Referência é um documento que tem como propósito fornecer parâmetros para a contratação de consultor individual (pessoa física)

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO I - TABELAS O sistema de folha foi desenvolvido especialmente para simplificar a rotina do departamento de pessoal, dinamizando informações e otimizando rotinas. Esta apostila

Leia mais

GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA.

GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. Criada em 2002, a GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA foi fundada em João Pessoa PB, para prestar serviços de instalações

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO O Secretário Municipal de Saúde do Município de Araucária, Estado do Paraná, torna público, para conhecimento de todos os interessados, o CHAMAMENTO PÚBLICO,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - Plano Linha Pós PLANO ALTERNATIVO N 032 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - Plano Linha Pós PLANO ALTERNATIVO N 032 - LC EMPRESA PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - Plano Linha Pós PLANO ALTERNATIVO N 032 - LC Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. NOME DO PLANO Plano Linha Pós PAS 032 - LC MODALIDADE DO STFC Serviço

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Paulo Abi-Ackel e outros) Altera as Leis nº 9.472, de 16 de julho de 1997; nº 5.070, de 7 de julho de 1966; nº 11.652, de 7 de abril de 2008; e a Medida Provisória nº

Leia mais

REGULAMENTO CONVERGENTE 50 MEGA PELO PREÇO DE 25 MEGA + 1 ANO DE HD PELO PREÇO DE DIGITAL NO COMBO CONVERGENTE HD

REGULAMENTO CONVERGENTE 50 MEGA PELO PREÇO DE 25 MEGA + 1 ANO DE HD PELO PREÇO DE DIGITAL NO COMBO CONVERGENTE HD REGULAMENTO CONVERGENTE 50 MEGA PELO PREÇO DE 25 MEGA + 1 ANO DE HD PELO PREÇO DE DIGITAL NO COMBO CONVERGENTE HD Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1 Fibra

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta Vivo Internet Fixa"

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta Vivo Internet Fixa REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta Vivo Internet Fixa" 1. Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S.A, doravante denominada Vivo, nas seguintes condições: Das Definições Para esta Promoção, aplicam-se

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 045 - Claro Online Sem internet Requerimento de Homologação Nº 8879 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços.

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. HISTÓRICO Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. Especializado na customização de soluções em segurança patrimonial e serviços, o

Leia mais

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações.

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações. kkk A EMPRESA A Ayusso Telecom - Consultoria em Telefonia Corporativa oferece ao mercado um avançado sistema voltado à Gestão contínua de telefonia fixa, móvel e dados. Com experiência a mais de 10 anos

Leia mais

CAMPINAS: Av.. Orosimbo Maia 985 Cambuí CEP:13023 000 Fone: (19) 32374612 / 32326420 / 32318354

CAMPINAS: Av.. Orosimbo Maia 985 Cambuí CEP:13023 000 Fone: (19) 32374612 / 32326420 / 32318354 CAMPINAS: Av.. Orosimbo Maia 985 Cambuí CEP:13023 000 Fone: (19) 32374612 / 32326420 / 32318354 SOROCABA: Av. Antonio Carlo Comitre Campolim CEP 18047 620 Fones: (15) 33182761 / 33182762 / 33182763 rvasecurity@rvasecurity.com.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO CUNI Nº 054, DE 5 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação e Comunicações da Universidade Federal de Lavras. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA OI CONTROLE

REGULAMENTO OFERTA OI CONTROLE REGULAMENTO OFERTA OI CONTROLE Válida para os Estados de MG(31/32/33/34, BA(71/73/74/77),PE(81/87), AL(82),PB(83), CE(85),RN(84),PI(86),AM(92), PA(93),MA(98/99). OI CONTROLE GANHE R$2700 EM BÔNUS Empresa

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais

Proudly made in Portugal. Dossier de Produto DP MGS P 04/2007 Sinta a Sua Segurança. O Sistema de Segurança MasterGuardian MGS foi concebido para proporcionar segurança, tranquilidade e conforto aos seus

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS 1 1. Estrutura Física / Equipamentos de Garagens e Pátios de Estacionamento 1.1. Especificação do Padrão das Garagens e Pátios de Estacionamento

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 044 - Claro Online 5GB Requerimento de Homologação Nº 8876 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária CLARO S.A.,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa"

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa" Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S.A, doravante denominada Vivo, nas seguintes condições: A promoção decorre de oferta conjunta de

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA NET FÁCIL HD LIGHT

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA NET FÁCIL HD LIGHT PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA NET FÁCIL HD LIGHT 1. Aplicação Plano de Serviço Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Claro S/A (Sucessora por incorporação da Net Serviços de Comunicação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro CAPÍTULO XIII DA POLUIÇÃO SONORA

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro CAPÍTULO XIII DA POLUIÇÃO SONORA CAPÍTULO XIII DA POLUIÇÃO SONORA Art. 112 A emissão de ruídos, em decorrência de quaisquer atividades sociais, ou recreativas, em ambientes confinados, no Município de Volta Redonda, obedecerá aos padrões,

Leia mais

PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES

PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES Data da Cotação: 29/9/2015 PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES ITEM PAG. 1 RCTR-C 3 Pág 1 de 8 Data da Cotação: 29/9/2015 ACE BRASIL PROPOSTA DE SEGURO RCTR-C Pág 2 de 8 Endereço do Segurado AV. BRIG. FARIA

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO AO ATENDIMENTO E À GESTÃO

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO AO ATENDIMENTO E À GESTÃO APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO AO ATENDIMENTO E À GESTÃO Av. Governador Bley, 236 - Ed. Fábio Ruschi - 5º andar Centro Vitória - ES - CEP: 29.010-150 1 SUMÁRIO 1 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ATENDIMENTO...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV. CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRONICA CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO - CCO

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA EDITAL FAPEMA Nº 43/2013 MÚSICA PRORROGAÇÃO Atividades Datas Data

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2.1 - ANÁLISE DE PONTO POR FUNÇÃO - APF 1. INTRODUÇÃO Criada em 1979 por Allan J. Albrecht (IBM), a APF - ANÁLISE DE PONTOS POR FUNÇÃO é uma técnica para medição de projetos cujo objeto seja o

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 182/2013 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

PROJETO DE LEI Nº 182/2013 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 182/2013 Altera o Quadro Permanente de Pessoal da Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo, com a criação, transformação e a extinção de cargos efetivos e comissionados. A ASSEMBLEIA

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014 ANEXO V SISTEMA DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 17 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2: DOS

Leia mais

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ A solução ABS TEM+ desenvolvida pela Vergence é baseada no conceito de TEM (Telecom Expenses Management), o qual visa a aplicação de melhoras em relação à tecnologia,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. Portaria n 1168, publicada no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS

CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS Art. 76 Com o propósito de proteger a população ficam estabelecidos, em toda a extensão do Município de Volta Redonda os seguintes padrões de qualidade do ar, como metas

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERENCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERENCIA TERMO DE REFERENCIA l.objeto _ 1.1 Contratação de empresa especializada para a administração e fornecimento de cartões eletrônicos/magnéticos, na forma de vale refeição, para compras em uma rede de estabelecimentos

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMÍLIA

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMÍLIA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMÍLIA Pelo presente contrato particular, a TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano de Carvalho,

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

PLS 346/2005 - Senador Pedro Simon Serviço de TV a Cabo

PLS 346/2005 - Senador Pedro Simon Serviço de TV a Cabo PLS 346/2005 - Senador Pedro Simon Serviço de TV a Cabo Audiência Pública Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal 29 de nov. de 2007 Flávia Lefèvre Guimarães

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

Sistema de Normas Operacionais INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

Sistema de Normas Operacionais INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE 25/11/28 1/15 S U M Á R I O 1. OBJETIVO... 03 2. ABRANGÊNCIA... 03 3. POLÍTICA... 03 3.1. CENTRAL DE SEGURANÇA... 03 3.2. CONTROLE DE ACESSO ÁS DEPENDÊNCIAS DO IPM/UPM/COM...04 3.2.1. SISTEMAS DE IDENTIFICAÇÃO...04

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade Local, através

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais