Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica"

Transcrição

1 Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica Prof. rancisco Gerson A. de Meneses Conteúdo Programático Introdução Comparação (Estruturada / Essencial) atores de uso Iniciando Arquitetura do modelo essencial Composição do modelo ambiental Declaração dos objetivos do sistema Diagrama de contexto Lista de eventos Composição do modelo comportamental DD Particionado por evento Diagrama entidade relacionamento Diagrama hierárquico de macro atividades Dicionário de dados Introdução O método da Análise Essencial pode ser considerado um refinamento da Análise Estruturada. É também conhecido como Análise Estruturada Moderna. Utilizase dos mesmos artefatos/ferramentas: DD s DER/DED Dicionário de dados A utilização de uma Lista de Eventos, propicia um maior controle dos processos e dos dados, e altera a forma como esses artefatos/ferramentas são dispostos no modelo: Comparação MODELO ESTRUTURADO TopDown (Decomposição uncional) DD 0 (escopo) DD 1, e demais Proc. 1 Proc. 2 Proc. 3 Proc. N MODELO ESSENCIAL (Lista de Eventos) DD 0 (escopo) Lista de eventos Proc. 1 Proc. 2 Proc. 3 Proc. N DD Hierárquico Proc. 1 Proc. 2 DER/DED DER/DED atores de uso atores de uso Podese sublinhar alguns fatores de seu uso: É muito utilizado atualmente: sua maturidade facilita o uso dos recursos. Princípio da abstração: parte dos eventos existentes em uma visão sintética da realidade para se chegar aos dados ou informações manipuladas. Principio da divisão: para resolver um problema, o mesmo é dividido em um conjunto de problemas menores, que são mais fáceis de serem compreendidos e resolvidos. A premissa básica é descrever o sistema de maneira independente de restrições tecnológicas; assim, a resolução mantém o foco apenas no problema do usuário. Isto implica dizer que devemos considerar na confecção do modelo essencial a existência de uma tecnologia perfeita, assim, de uma forma abstrata teríamos: Os custos, consumo e desgaste dos equipamentos são zero A capacidade de armazenamento de dados do sistema é infinita A velocidade dos processadores é infinita O tempo de acesso a dados é instantâneo Há Zero Erro (não ocorrem falhas) PROBLEMA??? Caso a se pensar...

2 Iniciando Iniciando Antecedendo a aplicação do método da análise essencial fazse um exame do domínio do problema (levantamento de requisitos). Buscase funcionalidades e dados exigidos ao sistema que será desenvolvido, inicialmente focando os aspectos mais essenciais pertinentes ao problema. Na análise essencial um sistema de informação é visto como um sistema de respostas planejadas. Os eventos no ambiente geram fluxos de dados (estímulos) para o sistema, os quais acionam ações (ativam processos que são alimentados pelos dados), que podem, por sua vez, gerar respostas internas (persistência de dados) ou respostas que retornam ao ambiente (relatórios, s, etc.). Também há a possibilidade de ocorrência de eventos internos ao sistema, os quais geram fluxos temporais, que também acionam ações no sistema. O problema (necessidade) existente é estudado, porém não é modelado (a princípio); Os esforços são concentrados na identificação das funcionalidades lógicas requeridas para o software que será criado (Lista de Eventos). A partir de então, criase um modelo essencial do software que será desenvolvido. A análise essencial é constituída basicamente por duas fases ou modelos: Modelo Ambiental Modelo Comportamental Ambas podem ser observadas no seguinte organograma: Arquitetura do modelo essencial Composição do modelo ambiental Análise Essencial Modelo Ambiental Declaração dos Objetivos Diagrama de Contexto Lista de Eventos DD Particionado por Eventos Temse a especificação macro do sistema que encontrase inserido em um meio ambiente, buscando representar uma relação entre ambos. Eventos que ocorrem no meio ambiente são geradores de estímulos, os quais acionam procedimentos no sistema que, por sua vez, geram respostas. As respostas poderão ser internas ao sistema ou ainda enviadas ao meio ambiente (respostas externas). Três grandes atividades são elaboradas neste modelo: A Declaração dos Objetivos do Sistema, Modelo Comportamental Diagr. Entidade Relacionamento A Elaboração do Diagrama de Contexto e a Especificação da Lista de Eventos. Modelo Essencial, adaptado de (Pompilho, 1995) Normalização Declaração dos objetivos do sistema Devese fazer um minucioso levantamento de requisitos e conhecer profundamente o domínio do problema. Tratase da especificação daquilo que o sistema deverá fazer frente aos requisitos que foram identificados previamente. É uma descrição textual, sem um formato estabelecido pelo método. Deve também, quanto possível refletir os desejos do usuário sobre alternativas de solução dos problemas. Diagrama de contexto Semelhante à Análise Estrutura tradicional. Elaborado após a especificação formal dos objetivos do sistema. Reflete graficamente a relação do sistema com o meio ambiente onde está inserido. Esta relação dáse através do recebimento de estímulos do meio ambiente, que ativam processos que por sua vez geram respostas (internas ou externas).

3 Lista de eventos Tratase da especificação dos (processos) essenciais que o sistema terá. Tais atividades (no sistema) são ativadas por estímulos (fluxo de dados, temporal ou de controle), executam processamento e geram respostas. Não há uma precedência estabelecida para a elaboração da lista de eventos e o diagrama de contexto; são atividades que podem estar acontecendo paralelamente mas que devem estar consistentes. Composição do modelo comportamental É a fase em que o analista passa a olhar para dentro do sistema. Irá detalhar, através do DD particionado por eventos, como cada atividade existente na lista de eventos se comportará (como ela deve funcionar). Também fará um modelo de dados (DER) sobre o qual o sistema atuará, observando critérios para conseguir bom desempenho da sua utilização (por meio da normalização dos dados). Acompanhando mais efetivamente este modelo criase o dicionário de dados (muito embora ele já possa existir). inalmente, podese criar o DD Hierárquico do sistema, que representa o agrupamento de atividades essenciais afins, que enfocam determinado aspecto do sistema. Vejamos cada uma dessas atividades: DD Particionado por evento Para cada item da lista de eventos o Analista de Sistemas fará um DD, representando de forma gráfica, individualmente, cada evento existente no sistema. Desta forma, haverá tantos DD s particionados por eventos quantos forem os itens existentes na lista de eventos. Diagrama entidade relacionamento Para a modelagem de dados, o Analista de Sistemas fará inicialmente o DER. Poderoso instrumento para mapear como os dados estão organizados e como eles se relacionam. A representação inicial do modelo de armazenamento independe dos dispositivos onde os dados ficarão armazenados. Quando o DER estiver concluído, devese criar a modelagem física dos dados, gerando o Diagrama de Estrutura de Dados. Diagrama hierárquico de macro atividades Tratase de um DD que propicia uma visão sintética única do sistema. Neste DD serão aglutinadas as funcionalidades existentes na lista de eventos de acordo com os assuntos de que tratam. Pegamse os DD s particionados por eventos e verificamse quais são aquelas atividades afins (que tratam de determinado assunto). Estes processos são aglutinados em somente um único DD, tendo uma visão sintética, cuja finalidade, além da documentação, é a possibilidade de examinarse e definir interfaces e locais de processamento. Podese gerar também o Diagrama Preliminar com uma visão geral de todos os processos do sistema. Dicionário de dados Todos os dados referenciados na construção do sistema devem ter sua definição no dicionário de dados. Para a construção do dicionário existem alguns padrões, nos quais é comum encontrarse a convenção simbólica, conforme a seguir: SÍMBOLO = + () {} É composto de E Opcional SIGNIICADO Iteração (repetição) SÍMBOLO [] / ou Escolha uma das opções Comentário Atributochave SIGNIICADO Separa alternativas na construção []

4 Na fase de exame do domínio do problema, estabeleceuse que o objetivo é apenas o controle da disponibilidade de quartos do hotel, portanto, não envolve qualquer outro aspecto, como controle financeiro, contábil, etc. Requisitos: Quando o cliente telefonar ou comparecer no hotel pedindo para r um quarto, o funcionário verificará se existe a do quarto, em caso negativo será informada ao cliente a nãodisponibilidade do quarto. Quando o cliente não mais desejar o quarto do, o funcionário providenciará o cancelamento da, disponibilizando novamente o quarto para outras s. Requisitos continuação: Quando o cliente não comparecer ao hotel para hospedarse até às 12h do dia da, sua será cancelada automaticamente. Quando o cliente ocupar um quarto, do previamente, o funcionário fará o registro da ocupação do quarto pelo cliente. Caso o quarto não esteja do previamente, mas esteja livre, a liberação de ocupação será fornecida ao cliente. Quando o cliente deixar o hotel, notificando sua saída, lhe será apresentada a conta e o quarto será disponibilizado para limpeza. O cliente poderá pagar a conta à vista ou a prazo, utilizando cartão de crédito ou cheque. Quando o quarto estiver limpo, após uma ocupação, o gerente irá tornálo disponível para nova locação. De posse destas informações provenientes do levantamento de requisitos, segue um descritivo da análise do problema e as especificações técnicas da solução escolhida pelo Analista de Sistemas, com aplicação do método da Análise Essencial: => Declaração do Objetivo do Sistema: Controlar o serviço de s, registros e cobranças de quartos em um hotel A declaração do objetivo do sistema deve estar resumida a um parágrafo e ser global, especificando o principal propósito da criação do software. => Diagrama de Contexto: => Diagrama de Contexto: Mostra apenas os limites do sistema e sua relação com o mundo fora dele. As entidades externas devem ser aquelas que representam a origem ou o destino de alguma informação e não aquelas que fazem a transcrição destas informações para o sistema, via entrada de dados. Não cabe no DD de contexto a especificação do Depósito de Dados (está dentro da bolha). Os fluxos de dados que partem das entidades externas com destino à bolha (processo) são chamados de estímulos (acionam ações) e alimentam o sistema. Diagrama modelado no CASE Studio 2.25

5 => Diagrama de Contexto: No exemplo, a partir da entidade externa é gerado um estímulo chamado Cli_Reserva. O nome do estímulo é uma representação para o conjunto de dados necessários a uma (rg, nome, quarto, período, etc). Quando Cli_Reserva chega ao sistema, um processo é acionado (Efetuar Reserva), através do qual alguém alimenta os dados no sistema. O DD de contexto é uma síntese dos requisitos documentados anteriormente e que, na seqüência, através da lista de eventos, sofrerão um detalhamento. Nº Nome do Descrição do Evento Estímulo Tipo Ação ou Resposta Evento Estímulo Processo quarto cancela Quando o cliente telefona ou vem até o hotel e pede para r um quarto, um funcionário executa um procedimento padrão Quando o cliente não mais desejar o quarto do e comunicar o fato, a será cancelada, disponibilizando o quarto novamente Cli_ Reserva Cli_ Cancel Efetuar Cancelar por solicitação Cli_ Reservado Nº Nome do Descrição do Evento Estímulo Tipo Ação ou Resposta Evento Estímulo Processo Nº Nome do Descrição do Evento Estímulo Tipo Ação ou Resposta Evento Estímulo Processo 03 É hora de cancelar Quando o cliente não comparecer ao hotel para hospedarse até as 12h do dia da T Cancelar automaticamente Ger_ Cancel 06 paga a conta, paga a quantia correspondente ao aluguel do quarto e as despesas efetuadas durante sua estada Cli_Paga Registrar pagamento Cli_Recibo 04 registrase no hotel faz o registro para a ocupação do quarto, do previamente Cli_Ent Registrar cliente 07 Gerência disponibiliza quarto Quando o quarto estiver limpo, o gerente irá tornálo disponível Ger_Lib Liberar quatro 05 solicita saída do hotel Quando o cliente deixar o hotel, este solicita que providencie o fechamento de sua conta, havendo a disponibilidade do quarto para limpeza Cli_Sai echar locação Cli_Conta 08 Gerência cadastra quarto Gerência inclui, exclui ou modifica dados do quarto Ger_Cad Manipular cadastro de quarto Relaciona todas as atividades essenciais (fundamentais) do sistema que se está modelado. É construída após, ou paralelamente, a construção do DD de Contexto, a diretriz básica é que essas duas ferramentas devem apresentar dados coerentes entre si (estímulos e respostas). Só haverá resposta por parte de um sistema se houver um estímulo (interno ou externo) que acione a ação geradora da referida resposta. A lista de eventos deverá ter, no mínimo, tantos eventos quantos forem os estímulos existentes no DD de contexto; porém nem toda ação executada a partir de um estímulo irá gerar uma resposta externa ao sistema. O início da construção da lista de eventos pode ser a partir da coluna estímulos, a seguir atribuise um nome ao evento. O nome do evento a ser criado deve seguir a estrutura nome da entidade externa + verbo + complemento. A coluna descrição é facultativa, ela detalha como o evento acontece, se for omitida da lista ela deverá ser colocada no DD Particionado por Eventos. O tipo do estímulo poderá ser (luxo) quando uma entidade externa envia dados ao sistema, poderá ser T (Temporal), quando o estímulo for oriundo de ações do próprio sistema (interno), nesta situação um processo se autoexecuta ou é acionado por outro processo.

6 Nesse caso a coluna estímulo deverá ficar em branco e a coluna nome do estímulo deverá começar com os termos É hora de... complementados com algo que indique o que o processo fará. O terceiro e último tipo de estímulo possível referese ao chamado fluxo de controle, representado pela letra C. Tratase de um fluxo de dados proveniente de uma entidade externa que represente uma máquina, a qual enviará diretamente para algum processo no sistema dados a respeito do seu estado. A coluna ação ou processo na lista de eventos deve apresentar a atividade que será executada pelo sistema se o respectivo estímulo ocorrer (verbo no infinitivo). A última coluna resposta representa as possíveis saídas oriundas dos processos executados. Referese a respostas que são enviadas para fora do sistema para alguma entidade externa. Normalmente as repostas são relatórios, s ou alguma outra forma de visualização dos dados que são exteriorizados pelo sistema, essas repostas devem referirse à essência do negócio, não apenas simplesmente a características operacionais de interface que serão tratadas posteriormente na fase de design (implementação). => DD Particionado por Evento: Depois que a lista de ventos estiver concluída, desenvolvese o DD Particionado por Eventos, também conhecido como DD das Atividades Essenciais. O aspecto principal é desenhar um modelo de como as funcionalidades existentes no sistema deverão ocorrer (Modelagem uncional), tudo com base nas ações especificadas na lista de eventos. A partir deste ponto, a Análise de Sistemas passa a incorporar os dados no projeto do sistema, documenta quais são os dados requeridos por determinada ação. Paralelamente pode estar sendo construído o DER assim como o dicionário de dados. => DD Particionado por Evento: Os dados sempre são características de algo ou de alguém ; este algo ou alguém será um depósito de dados que o processo utilizará. Cada depósito de dados no DD dará origem a uma entidade na modelagem de dados (DER). Conforme a lista de eventos do estudo de caso do controle hoteleiro deverá haver oito DD s particionados por evento (um para cada item da lista). Uma miniespecificação do processo deve acompanhar o referido DD, para a qual podese empregar um pseudocódigo. A miniespecificação detalha os aspectos necessários para a atividade de implementação. Vejamos: => DD Particionado por Evento: Evento 1 quarto Pseudocódigo: PEGAR Cli_Reserva LOCALIZAR SE existir então AÇA LER LOCALIZAR Quarto SE Quarto livre então AÇA LER Quarto GRAVAR Reserva (Sit_Res=1) CONIRMAR Cli_Reservado SENÃO SELECIONAR outro Quarto IMSE SENÃO CADASTRAR IMSE => DD Particionado por Evento: Evento 1 quarto Obs: O dicionário de dados, paralelamente poderá ser implementado, como exemplo, o atributo Sit_Res pode ser especificado assim: Nome Criado Sit_Res = Significado e Características *Indicará a situação da *: Tipo: Inteiro Tamanho: 01 Conteúdo: 0 *Quarto libertado* 1 *Quarto do* 2 *Reserva confirmada* 3 *Reserva cancelada pelo cliente* 4 *Reserva cancelada automaticamente* 5 *Locação concluída* Pseudocódigo: PEGAR Cli_Reserva LOCALIZAR SE existir então AÇA LER LOCALIZAR Quarto SE Quarto livre então AÇA LER Quarto GRAVAR Reserva (Sit_Res=1) CONIRMAR Cli_Reservado SENÃO SELECIONAR outro Quarto IMSE SENÃO CADASTRAR IMSE

7 => DD Particionado por Evento: Evento 2 cancela a => DD Particionado por Evento: Evento 3 É hora de cancelar Pseudocódigo: PEGAR Cli_Cancel LOCALIZAR Reserva LER Reserva ATUALIZAR Reserva (Sit_Res=3) Pseudocódigo: PARA cada vencida AÇA LER Reserva ATUALIZAR Reserva (Sit_Res=4) ESCREVER Ger_Cancel IMPARA => DER/DED/Normalização: Após a atividade de construção do DD Particinado por Evento ou em paralelo a ele, o Analista de Sistemas deve construir a modelagem de dados, empregando para tanto o DER/DED. Para isso é necessário um estudo para verificar os possíveis atributos que surgirão a partir das particularidades observadas em cada depósito de dados. Lembrando que a existência de um depósito é oriunda da necessidade de um processo acessar dados, quer seja para seu armazenamento ou recuperação. Cada depósito de dados no DD se transformará em uma Entidade no DER/DED e essas Entidades podem se relacionar. Vejamos: => DER/DED/Normalização: Diagrama modelado no CASE Studio 2.25 => Diagrama Preliminar e Diagrama Hierárquico de Macroatividades: Uma vez concluídos os DD s particionados por evento e a modelagem de dados, podese modelar o Diagrama Preliminar que é um DD com a apresentação de todos os DD s particionados por evento em uma visão só. A partir dele fazse o Diagrama Hierárquico de Macroatividades que consiste em um DD que agregará eventos relativos a um mesmo assunto, permitindo uma visão simplificada do sistema. O Diagrama Preliminar equivale ao Diagrama de nível 1 visto na Análise Estruturada. No caso iremos modelar o Diagrama Preliminar. Vejamos: => Diagrama Preliminar : Diagrama modelado no CASE Studio 2.25

8 => Dicionário de Dados: Paralelamente a todo o trabalho de análise do sistema, devese ir mantendo um dicionário de dados, que registrará todos os nomes criados (inventados) pelo Analista; independentemente de serem autoexplicarivos, para tal registro empregase a notação simbólica vista no anteriormente. Vejamos um exemplo: => Dicionário de Dados: Nome Criado Significado e Características Sit_Res = *Indicará a situação da *: Tipo: Inteiro Tamanho: 01 Conteúdo: 0 *Quarto libertado* 1 *Quarto do* 2 *Reserva confirmada* 3 *Reserva cancelada pelo cliente* 4 *Reserva cancelada automaticamente* 5 *Locação concluída* orma_pag *Indicará a forma de pagamento* Tipo: Inteiro Tamanho: 01 Conteúdo: 1 *A vista espécie* 2 *A vista cartão débito* 3 *A vista cheque* 4 *Parcelado cheque* 5 *Parcelado cartão* Bibliografia TONSIG, S. L. Engenharia de Software Análise e Projeto de Sistemas. Editora Ciência Moderna, 2ª Edição, Pesquisas na WEB Notas de aula

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas 1 Análise Essencial UNIP Ciência da Computação A análise essencial pode ser considerada um refinamento da análise estruturada. O problema existente (ou situação que requer a informatização) é estudado,

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

Componentes do modelo ambiental

Componentes do modelo ambiental Processo de desenvolvimento de sistema de informação Componentes do modelo ambiental Declaração de Objetivos É uma descrição textual concisa do propósito do sistema Lista de Eventos Especificação das atividades

Leia mais

IES-200. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-200. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-200 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Diagrama de Fluxo de Dados 2 Conceitos e regras de um DFD. Diagrama de Fluxo de Dados Análise Essencial:

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Engenharia de Software. Análise Essencial

Engenharia de Software. Análise Essencial Engenharia de Software Análise Essencial 1 Evolução dos métodos de análise de sistemas Métodos Análise Tradicional Análise Estruturada Abordagens Funcional Funcional Dados Ferramentas Textos fluxuogramas

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURADA MODERNA

ANÁLISE ESTRUTURADA MODERNA ANÁLISE ESTRUTURADA MODERNA Exemplo DFD: Sistema Hotelaria (parcial) Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Documento de Requisitos (parcial) Deseja-se desenvolver um software para um pequeno hotel

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

5 Exemplo de aplicação

5 Exemplo de aplicação 111 5 Exemplo de aplicação Este capítulo apresenta um exemplo de uso da linguagem proposta como forma de validação. Através da implementação da linguagem utilizando o potencial de extensão da ferramenta

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Engenharia de Software Unidade VI Análise de Requisitos

Engenharia de Software Unidade VI Análise de Requisitos Engenharia de Software Unidade VI Análise de Requisitos Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Conteúdo Programático Introdução Análise e especificação de requisitos Alguns aspectos relacionados Requisitos

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br 1 Contextualizando... Fonte: [1] O Processo de ER pode ser

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software.

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software. Engenharia de Software Aula 06 Tópicos da Aula Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 26 Março 2012 Funcionais e não funcionais De usuário e do Engenharia de Estudo

Leia mais

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 Seção de Implantação de Sistemas Divisão de Sistemas Judiciais de Segundo Grau Diretoria de Tecnologia da Informação DTI/TJSC suporte: saj2grau@tjsc.jus.br Índice: Página 1.

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto/Versão: Versão 11.80 Melhoria Requisito/Módulo: 000552 / Conector Sub-Requisito/Função: Multas Tarefa/Chamado: 01.08.01 País: Brasil Data Especificação: 13/05/13 Rotinas Envolvidas Rotina Tipo

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª. Série Análise Estruturada de Sistemas Sistemas de Informação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Análise Estruturada de Sistemas Modelo Essencial O Modelo Essencial Indica o que o sistema deve

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

O Processo de Coberturas Técnicas e Cortesias Comercias

O Processo de Coberturas Técnicas e Cortesias Comercias O Processo de Coberturas Técnicas e Cortesias Comercias 1 SUMÁRIO 1 O Processo de Cobertura Técnica e Cortesia Comercial...3 2 Rotina de lançamento de Coberturas Técnicas e Cortesias Comerciais...3 3 Fechamento

Leia mais

FAQ: Parametrização para Contabilização

FAQ: Parametrização para Contabilização TDN > Softwares de Gestão > RM > Recursos Humanos > Administração de Pessoal > FAQ FAQ: Parametrização para Contabilização Produto: Ambiente: RM Unspecified Versão: 11.0 Avaliação A principal finalidade

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com.

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com. MANUAL SICCL SQL ÍNDICE ACESSANDO O SISTEMA SG - COMPRAS E CONTRATOS... 3 ATENDENDO SOLICITAÇÕES DE ITENS E SERVIÇOS... 5 VERIFICANDO A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS... 7 ATENDER SOLICITAÇÕES COM PROCESSO

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço Passo a Passo Gestor de Compras Como acessar Como Acessar O acesso ao Sistema se faz através da página da SEPLAG Clicando no Link destacado Como Acessar

Leia mais

SISTEMA HOTELEIRO. Deseja-se modelar um sistema para um pequeno hotel que atenda aos seguintes. requisitos:

SISTEMA HOTELEIRO. Deseja-se modelar um sistema para um pequeno hotel que atenda aos seguintes. requisitos: GERAIS Desenha um diagrama de classes com relacionamentos, nomes de papéis e multiplicidade para as seguintes situações: - Uma pessoa pode ser casada com outra pessoa. - Uma disciplina é pré-requisito

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA"

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1 PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA" 1. ENUNCIADO Maria Alice Grigas Varella Ferreira 1995/1996 Uma academia

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Conferência com Coletores (WEB)

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Conferência com Coletores (WEB) CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Conferência com Coletores (WEB) Considerações iniciais Esse documento representa o investimento total para desenvolvimento do projeto em questão. Observe atentamente os requerimentos

Leia mais

Modelo Funcional Essencial

Modelo Funcional Essencial Modelo Funcional Essencial Análise e Projeto - 1 Tem como objetivo definir o que o sistema deve fazer, ou seja, as funções que deve realizar para atender seus usuários. Na análise essencial fazemos essa

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Bloco Seleção = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 23Jul2015 1 Estrutura do Sistema RH1000 Gerenciar e administrar Sistema RH1000 Planejamento Estratégico

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

Solicitação de Reposição? FS71.1

Solicitação de Reposição? FS71.1 Como Trabalhar com Solicitação de Reposição? FS71.1 Sistema: Futura Server Caminho: Estoque>Reposição>Reposição Referência: FS71.1 Versão: 2015.9.18 Como Funciona: Esta tela é utilizada para solicitar

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 1 ANÁLISE ESTRUTURAL IDENTIFICAR AS CLASSES ORGANIZAR AS CLASSES IDENTIFICAR RELACIONAMENTOS

Leia mais

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM.

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM. Questões Comentadas E aqui estamos nós de novo. Recebi vários emails sobre questões específicas que poderiam trazer dúvidas a respeito de seu entendimento. A gente vai ver tudo agora! A prova no geral

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Instalação - Primeiros Passos

Instalação - Primeiros Passos O CIAF Hotelaria, é um sistema que permite ao administrador, gerenciar completamente sua empresa que presta serviço de hospedagem como hotéis e pousadas por exemplo. Facilmente você poderá cadastrar suas

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque Objetivo(s) do projeto Este orçamento pretende alcançar os seguintes objetivos: Analise de Disponibilidade tem por objetivo proporcionar uma visão geral

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE Instrução para utilização do Sistema de Votação Eletrônica I. Introdução O Sistema de Votação Eletrônica (SVE) do Clube Naval (CN) destina se a apoiar a eleição dos membros da Diretoria, Conselho Diretor

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Conteúdo programático Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Prof. Francisco Gerson A. de Meneses O que é Produtos de Software Distribuição de Software Um sistema de Software O software em um cenário

Leia mais

Manual do Módulo de PC Online

Manual do Módulo de PC Online do Módulo de PC Online Agilis Conteúdo Introdução... 4 Acesso à Funcionalidade... 5 1. Internet Explorer 6.x... 7 2. Internet Explorer 7.x... 9 3. Netscape Navigator 7.x... 10 4. Netscape Navigator 7.2x...

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

Tópicos em Otimização Fundamentos de Modelagem de Sistemas

Tópicos em Otimização Fundamentos de Modelagem de Sistemas Tópicos em Otimização Fundamentos de Modelagem de Sistemas Parte desses slides foram disponibilizados pelo Prof. Fernando Gomide -UNICAMP Fundamentos de Modelagem Introdução à modelagem e decisão Definição

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso Carrera Pessoal 2015 Guia de uso Bem vindo ao Carrera Pessoal 2015, o gerenciador financeiro ideal. Utilizando o Carrera Pessoal você poderá administrar com facilidade as suas finanças e/ou da sua família.

Leia mais

SAV - SISTEMA DE AGENDAMENTO DE VEÍCULOS

SAV - SISTEMA DE AGENDAMENTO DE VEÍCULOS SAV - SISTEMA DE AGENDAMENTO DE VEÍCULOS Introdução ao SAV Prezado Cliente SAV - Sistema de Agendamento de Veículos visa prover as empresas de transporte de um rápido, eficiente e consistente nível de

Leia mais

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS 4- PROJETO DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS DE ENSINO: 4 - Empregar a técnica da modelagem de dados no projeto de banco de dados. OBJETIVOS OPERACIONAIS Ao final desta unidade o aluno será capaz de: 4.1 - Definir

Leia mais

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência O Termo de Referência é um documento que tem como propósito fornecer parâmetros para a contratação de consultor individual (pessoa física)

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Práticas de Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Manual do Usuário Sistema Podológico 2007 AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br

Manual do Usuário Sistema Podológico 2007 AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br Índice INTRODUCAO SISTEMA PODOLOGICO 2007... 4 REQUISITOS DE HARDWARE E SOFTWARE... 5 MSDE vs. SQL SERVER... 5 PADRÕES E CARACTERISTICAS NAS TELAS DO SISTEMA...

Leia mais

Implantação do sistema Condominium

Implantação do sistema Condominium Implantação do sistema Condominium Nesse manual iremos acompanhar o passo a passo para a implantação do sistema, portanto iremos pular algumas telas do cadastro, que deverão ser preenchidas após a implantação

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto Locadora de Vídeo Passatempo Especificação de Requisitos 1. Introdução Este documento contém a especificação de requisitos e a modelagem de análise para o projeto de informatização da vídeo-locadora

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais