Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti."

Transcrição

1 Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais 1

2 Contextualizando... Fonte: [1] O Processo de ER pode ser Feito de várias formas, dentre elas através da Análise Orientada a Objetos (AOO). 2

3 Análise Orientada a Objetos (AOO) É um meio efetivo para descrever entidades no mundo real e suas interações. Nesta abordagem, o analista deve: Decompor o sistema em um conjunto de objetos que interagem entre si. 3 Obs.: Todas as informações destes slides estão contidos em [1]

4 Análise Orientada a Objetos (AOO) Identificação dos Objetos: são identificados conforme as entidades que existem em um determinado domínio. Interação: ocorre através de troca de mensagens. Requisição de um serviço, ou Reação a uma outra mensagem. 4

5 Análise Orientada a Objetos (AOO) Porque utilizar AOO? 1. Supostamente, o mapeamento de conceitos em entidades (objetos), torna um problema mais fácil de ser entendido. Ex.: Entidades Objetos Pratos Garçons GARÇON # Matricula: Int; + Nome: String; + Telefone: String; - Comissao: Real; + ServeMesa(Cliente); Conceitos: Restaurante 5 Clientes

6 Análise Orientada a Objetos (AOO) Porque utilizar AOO? 2. Ocultamento e abstração de informações. Ex.: GARÇON Deve-se abstrair somente aquilo que é importante no contexto. # Matricula: Int; + Nome: String; + Telefone: String; - Comissao: Real; + ServeMesa(Cliente); Detalhes sobre implementação podem (e devem) ser ocultados 6

7 Análise Orientada a Objetos (AOO) Resultado da AOO: Modelagem de domínio. É um modelo que auxilia na Análise do Problema. É útil para compreensão e análise do problema. É produzido durante a Eliciação dos Requisitos. Junto com o ERS, é o principal insumo para os projetistas de software. 7

8 AOO Modelo de Domínio É o artefato no qual são descritas classes conceituais relevantes a um domínio de interesse. Não são classes de software (programação), embora sirvam como fonte de inspiração para tal. Ã conversão de classes de domínio para classes de software ocorre durante a fase de projeto. 8

9 AOO Modelo de Domínio Processo de criação: Passo 1: Identificação das classes conceituais de domínio; Passo 2: Identificação das associações relevantes entre as classes. 9

10 AOO Modelo de Domínio Identificando classes: 10 A analista deve investigar: Relatórios; Documentos; Textos; Outros Sistemas; Qualquer outro artefato que faça parte do domínio do problema. Investigar: identificar os léxicos destes documentos que dão origem a classes conceituais.

11 AOO Modelo de Domínio Criando o modelo de domínio: Crie um lista de categorias de classes; Ex.: 11 Fonte: [1]

12 AOO Modelo de Domínio Exs.: O objetivo da criação de categorias é facilitar a identificação de classes conceituais Fonte: [1] 12

13 AOO Modelo de Domínio Criando o modelo de domínio: Identifique substantivos a partir dos requisitos. Pode ser uma abordagem muito útil. Entretanto, deve-se ter cuidado. Ex.: considere o caso de uso abaixo: 13 Fonte: [1]

14 AOO Modelo de Domínio Neste exemplo NÃO são classes conceituais: Gerente é um ator. Detalhes Refere-se a um elemento do pedido de crédito. Valor É um atributo de crédito. Confirmação, Liberação Interação entre o gerente o sistema. 14 Fonte: [1]

15 AOO Modelo de Domínio Sobram, as seguintes classes: Fonte: [1] Se houver dúvida sobre um elemento ser classe ou atributo, considere-o, num primeiro momento como classe, depois, refine o modelo. 15

16 AOO Modelo de Domínio Regras para eliminação de classes espúrias. Redundância: Quando dois ou mais substantivos representam a mesma coisa, escolha o mais apropriado e elimine os demais. Ex.: Discente = Estudante = ALUNO Atributo: Se uma classe X é imaginada como número ou texto, então, X é provavelmente um atributo. Na dúvida, crie uma classe conceitual. 16

17 AOO Modelo de Domínio Ex.: Endereço: classe conceitual composta por vários atributos (rua, quadra, lote, etc.) CEP: atributo de endereço. Livro: classe conceitual composta por título, autor, etc. Número de páginas: atributo de livro. 17

18 AOO Modelo de Domínio Irrelevância: São substantivos que não estão relacionados ao escopo de interesse. Ex.: Para um restaurante, a conceito de vassoura e aspirador de pó pode não ser relevante. Operação: São substantivos que representam as responsabilidades das classes. Ex.: Calcular total da nota fiscal. Nota fiscal: classe; Calcular: operação. 18

19 AOO Modelo de Domínio Papel: São substantivos que representam apenas o papel de uma instância da classe, gerando redundância. Ex.: Professor em relação à classe docente; Empregado em relação à classe funcionário. Evento: São ocorrências específicas em um determinado instante de tempo. Em alguns caso estes eventos podem ser modelados como classes conceituais, desde que tenham relevância para o domínio. Ex.: Ligar alarme. 19

20 AOO Modelo de Domínio Processo de criação de modelos de domínio: 1. Liste as classes conceituais candidatas (categorizadas); 2. Use UML para desenhar o modelo de domínio. Neste caso use somente o diagrama de classes, que irá conter apenas classes. 3. Acrescente associações entre as classes. 4. Acrescente atributos. 20

21 AOO Modelo de Domínio Diretrizes importantes 1. Use nome no singular para as classes conceituais. 2. Use um nome que identifique um único objeto ao invés de uma coleção deles (categorias). 21

22 AOO Modelo de Domínio Identificando associações: Objetos trocam mensagens entre si. Esta troca de mensagem pressupõe a existência de relacionamentos. O relacionamento entre objetos é descrito através de uma associação entre classes correspondentes. ASSOCIAÇÃO: registra um relacionamento semântico entre classes. 22

23 AOO Modelo de Domínio Tipos de associações: Entre duas classes distintas; Entre um classe e ela mesma; Entre três ou mais classes. Uma associação estabelece uma possível conexão entre instâncias das classes envolvidas. 23

24 AOO Modelo de Domínio Ex.: Uma instância de funcionário, ex. Edison Andrade, trabalha para empresa, por exemplo SENAC. 24

25 Diagrama de Classe Utilizado para mostrar a estrutura estática do sistema Modelar coisas que existem, estrutura interna e relacionamentos É uma coleção de classes, interfaces, pacotes, relacionamentos e instâncias (objetos) 25

26 Diagrama de Classe Identificação da Classe Atributos Métodos 26 Exemplo: Chassi Placa Marca Modelo Ano Cor IrParaFrente Carro Veiculo

27 Diagrama de Classe Identificação da Classe Exemplos <<estereotipo>> Nome da Classe Interface Implementada INTERFACE - Possui somente a assinatura dos métodos, sem implementação; - Não possui atributos estados ou associações; - Possui a mesma representação da classe, com estereótipo interface; - Pode possuir generalizações. 27 <<classe>> Caminhão Veículo <<interface>> Veículo

28 Diagrama de Classe Atributos [Visibilidade] Nome [Multiplicidade]: [Tipo]=[Valor] [{Propriedades}] Exemplo + CPF: String + Nome: String # Endereço [5]: String - Idade: Int = 20 {idade da pessoa} 28

29 Diagrama de Classe Visibilidade + = visibilidade pública É visível a qualquer método no exterior da classe. - = visibilidade privada Não é visível fora da classe. Só está acessível a métodos da própria classe. # = visibilidade protegida È um atributo privado, porém acessível a métodos de classes derivadas. Quando a visibilidade é omitida esta é considerada privada 29

30 Diagrama de Classe Métodos [Visibilidade*] Nome (Parâmetros): [Valor de Retorno] [{Propriedades}] * Possui o mesmo funcionamento da visibilidade dos atributos Exemplo <<construtor>> + NomedaClasse() <<consulta>> + GetNome(CPF: String): String {retorna o nome de acordo com o CPF} <<gravação>> + SetNome(Nome: String) {gravar o nome da pessoa} 30

31 Diagrama de Classe 1. Conceitual Pessoa Carro 31

32 Diagrama de Classe 2. Analítico Pessoa CPF Nome Idade Endereço NumrHabilitacao Dirigir Falar Chassi Placa Marca Modelo Ano Cor IrParaFrente Carro Veiculo 32

33 Diagrama de Classe 3. Implementação Pessoa Carro Veiculo - CPF: String - Nome: String - Idade: Int - Endereco: String - NumrHabilitacao: String Dirigir(); Falar(); 1 0..* Dirige Chassi: String Placa: String Marca: String Modelo: String Ano: Int Cor: String IrParaFrente(Velocidade: Int); 33

34 Diagrama de Classe Objeto: É UMA INSTÂNCIA DA CLASSE Estudante: Pessoa JanelaEntrada: Janela : Janela Neste caso, entende-se que se está fazendo referência a um objeto qualquer da classe Janela 34

35 Diagrama de Classe Associações Mostram o relacionamento entre as classes O detalhes são mostrados pelos adereços (adornments). Pessoa Automóvel Veiculo - CPF: String - Nome: String - Idade: Int - Endereco: String - NumrHabilitacao: String Dirigir(); Falar(); 1 0..* Dirige Chassi: String Placa: String Marca: String Modelo: String Ano: Int Cor: String IrParaFrente(Velocidade: Int); 35

36 Diagrama de Classe Composição Relacionamento do tipo parte todo, onde a parte existe somente no contexto do todo, ou seja, o todo é composto por várias partes. 36

37 Diagrama de Classe Agregação Relacionamento do tipo parte todo, onde a parte pode existir fora do contexto do todo. 37

38 Diagrama de Classe Composição/Agregação São muito parecidas; A diferença entre as duas nem sempre é tão clara; Relacionam um objeto composto com suas partes; A composição é mais física ; A agregação é menos restrita (deve ser utilizada em caso de dúvida); Na composição, quando o todo morre, as partes também morrem. 38

39 Diagrama de Classe Composição/Agregação Ambas aceitam multiplicidade. Composição: somente do lado das partes. Agregação: de ambos os lados. 39

40 Diagrama de Classe Generalização Representa um mecanismo de HERANÇA. Todas as características são herdadas pela subclasse 40

41 Diagrama de Classe Realização Mostra o relacionamento de uma classe com a interface que ela implementa. 41

42 Diagrama de Classe Exercício Resolva a lista de exercícios sobre AOO disponibilizada no site da disciplina. Trabalho em Grupo Crie o modelo de domínio do software planejado nas aulas anteriores. 42

43 Referência Básica [1] UML: GUIA DO USUÁRIO. JAMES RUMBAUGH, IVAR JACOBSON, GRADY BOOCH - Campus - ISBN:

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Classe Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Abril - 2015 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Computação Pós Graduação Lato Sensu em Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Prof. Dr. Josiel Maimone de Figueiredo

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Modelagem de Sistemas Orientado a Objetos com UML.

Modelagem de Sistemas Orientado a Objetos com UML. 1. Capítulo 1 Introdução a Disciplina de Ana Paula Gonçalves Serra, Dr. Sobre o Professor... Ana Paula Gonçalves Serra 2 Doutora em Engenharia Elétrica Depto de Engenharia da Computação e Sistemas Digitais

Leia mais

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 1 Apresentação Profª Kelly Christine C. Silva Sistemas para Internet Módulo I - Construção de sites informativos Módulo II - Construção de sites dinâmicos Módulo III - Aplicações para

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 04 Agenda Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelagem Visual Síntese Histórica da UML Conceitos da UML Notações da UML Diagramas Estruturais Diagramas

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Lógica e Programação Java

Lógica e Programação Java Lógica e Programação Java Agenda Orientação a Objetos Parte 2 UML (software astah) Diagramas Estruturais Diagramas Comportamentais Diagramas de Interação astah Diagrama de Classes Antigo Jude Versão Community

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 12 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES lucelia.com@gmail.com Externamente ao sistema, os atores visualizam resultados de cálculos, relatórios produzidos, confirmações de requisições solicitadas,

Leia mais

Análise Orientada a Objetos

Análise Orientada a Objetos Análise Orientada a Objetos Breve Histórico: Fim da década de 80: amadurecimento da Orientação a Objeto Década de 1990: diversas proposições a partir de diversos autores, como Booch, Rumbaugh e Jacobson.

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Análise e Projeto OO com UML Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Prof. Fábio Bianchi Campos 1 Objetivos Gerais Apresentar as características básicas de uma especificação de requisitos;

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

UML 05. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan.

UML 05. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Faculdade INED UML 05 Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Referências BARBIERI, Carlos. Análise e Programação

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE TURMA: / CÓDIGO: CCT0071 PERGUNTAS PARA ESTUDO MODELAGEM DE SISTEMAS DATA: NÃO ENTREGAR CAMPUS: SANTO ANDRÉ PERÍODO: NOTURNO VALOR = 0,0 PROFESSOR: CELSO CANDIDO QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

Orientação a Objetos I

Orientação a Objetos I Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Orientação a Objetos I UML: Introdução e Casos de Uso

Leia mais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais Objetivos da UML Introdução a UML cbraga@ic.uff.br Uma linguagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar... e analisar. Desenvolvimento dirigido a modelos 2 Construções básicas Organizadas em

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

Programação Aplicada de Computadores 2015/2

Programação Aplicada de Computadores 2015/2 Programação Aplicada de Computadores 2015/2 Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO

FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO Dado que a UML é uma ferramenta inserida no paradigma da orientação a objetos, vamos rever alguns conceitos fundamentais, dentre os quais, destacamos: Classificação,

Leia mais

Modelo conceitual Aula 08

Modelo conceitual Aula 08 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Modelo conceitual Aula 08 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org www.tiagodemelo.info Roteiro Conceitos de Orientação a Objetos (OO) Visão Geral da UML Diagrama de Classes Diagramas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 10 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir os conceitos de coesão e acoplamento. DESENVOLVIMENTO Projetar

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER)

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd Projeto de BD Uma Visão Panorâmica Página 2 Projeto Conceitual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 19 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

Diagrama de classes. Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I

Diagrama de classes. Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I Diagrama de classes Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I Diagrama de Classes Reúne os elementos mais importantes de um sistema orientado a objetos Exibe um conjunto de classes, interfaces e seus

Leia mais

UML Diagramas de Classes

UML Diagramas de Classes UML Diagramas de Classes (versão reduzida) João Pascoal Faria UML Diagramas de Classes v.1.2, João Pascoal Faria, Outubro de 2002 1 Índice Objectivo dos diagramas de classes Objectos, classes, atributos

Leia mais

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ProcessoUnificado: Elaboração Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ResultadodaConcepção Um seminário curto de requisitos; A maioria dos atores, objetivos e casos de uso nomeados; A maioria dos casos de

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto com UML e Padrões Parte I Análise, Projeto, e Processo Baseado em Craig Larman 1 Aplicando UML, Padrões e APOO Objetivo Desenvolver habilidades práticas na utilização

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

Tema 1: Modelo Estático

Tema 1: Modelo Estático Tema 1: Modelo Estático (fonte: http://www.macoratti.net/net_uml1.htm) A Programação Orientada a Objetos (POO) baseia-se na descoberta dos objetos que compõem um determinado escopo e nas trocas de mensagens

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Centro Universitário Nove de Julho Diferença entre as abordagens: Análise Estruturada Análise Essencial Engenharia da Informação Análise Orientada a Objeto Profº. Edson Tarcísio França edson.franca@uninove.br

Leia mais

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com Tarciane Andrade tarcianeandrade@gmail.com Contexto Análise Passando de casos de uso para diagramas de classes 2 Após a etapa de análise de requisitos, temos documentos de requisitos e os casos de uso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Desenhe o diagrama entidade relacionamento para os bancos de dados nos seguintes problemas: 1. LIVRARIA Uma livraria mantém o cadastro de

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Elaboração 2 VISÃO GERAL Fase Elaboração. Visão Geral 3

Leia mais

Hélio Engholm Jr. Novatec

Hélio Engholm Jr. Novatec Hélio Engholm Jr. Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED UML 01 Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Referências BARBIERI, Carlos. Análise e Programação

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO)

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Programação Orientada a Objetos Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Cristiano Lehrer, M.Sc. Processo de Desenvolvimento de Software Um processo de software mostra os vários estágios do desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO. Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação. Curso: Técnico em Informática. Forma/Grau: Subsequente.

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO. Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação. Curso: Técnico em Informática. Forma/Grau: Subsequente. PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Curso: Técnico em Informática Forma/Grau: Subsequente Modalidade: EaD Componente Curricular: Análise de Sistemas Ano/semestre: 2014/2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia Carlos Rafael Guerber Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia MAFRA 2009 Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia RESUMO Criar uma modelagem

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DA ESTRUTURA LÓGICA DE UM SISTEMA: CLASSES E DIAGRAMAS DE CLASSE FOZ DO IGUAÇU 2013

Leia mais

PROJETO FÍSICO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. FEA/USP EAD-5881 Tecnologia de Informática

PROJETO FÍSICO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. FEA/USP EAD-5881 Tecnologia de Informática PROJETO FÍSICO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FEA/USP EAD-5881 Tecnologia de Informática Prof. ANTONIO GERALDO DA ROCHA VIDAL vidal@usp.br Agosto/2003 Projeto Físico de Sistemas de Informação Prof. Antonio

Leia mais

UML 04. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan.

UML 04. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Faculdade INED UML 04 Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Referências BARBIERI, Carlos. Análise e Programação

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais