CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO"

Transcrição

1 CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO 1 Características do Curso Nível: Capacitação de nível médio Nome: Eletricista Força e Controle Carga horária: 240 horas Número de vagas: 20 2 Pré-requisito de acesso Nível Médio completo. EXPERIÊNCIA / ESPECIALIDADE: experiência profissional mínima de 03 meses na função de Eletricista de Força e Controle ou 06 meses de experiência como Eletricista oficial ou ajudante, em instalações industriais, prediais e/ou redes elétricas de baixa e média tensão. Profissionais formados pelas escolas técnicas profissionalizantes em Eletricidade, Eletromecânica, Eletrônica, Eletrotécnica ou Eletroeletrônica, não necessitam de comprovação de experiência. 3 Síntese das atividades da categoria e atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças através de ferramentas apropriadas e confeccionar caixas apropriadas para derivação de fiação elétrica, montar as tubulações, instalar fios e colocar braçadeiras de fixação. 4 Competência Geral: O curso tem como objetivo capacitar profissionais de nível médio habilitados para atuar na área industrial, na função de Eletricistas de Força e Controle, nos segmentos de interpretação de desenhos elétricos e execução de montagem de dispositivos de comando, proteção e supervisão, além da execução de pré start-up visando atender uma demanda de mercado identificada, para este tipo de profissional, pelo Plano de Qualificação Profissional do PROMINP. A formação desses profissionais objetiva à possibilidade de crescimento - além do âmbito profissional - social destes indivíduos, nos aspectos humanísticos e, conseqüentemente uma melhoria da própria sociedade. 5 Competência de Gestão O Eletricista de Força e Controle é o profissional de grau médio habilitado para atuar junto à área industrial no segmento de processos industriais. Atuando nesse segmento, nas áreas de montagem de painéis e quadros de distribuição efetuando o pré start-up e realizando medições de grandezas elétricas para verificação de conformidade com normas técnicas e procedimentos de QSMS (Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde) dentro das necessidades da indústria de petróleo e gás. 1/14

2 6 Contexto de Trabalho Meios: Utilização de equipamentos, ferramentas e instrumentos associados aos processos de montagem e pré start-up de dispositivos de comando e proteção em instalações elétricas de força e controle a nível industrial. Métodos e Técnicas de Trabalho: Identificação, solução, distribuição e acompanhamento das tarefas inerentes as atividades de montagem e pré start-up. Condições de Trabalho: Trabalhos de montagem e pré start-up de dispositivos de força e controle dos equipamentos do processo produtivo e utilidades, otimizando o desempenho da instalação, visando à segurança pessoal e coletiva e os cuidados com o meio ambiente. Posição no Processo Produtivo: Interpretador e executor das montagens das instalações elétricas, conforme projeto e a instalação de equipamentos elétricos participando do processo de start-up, antecedendo os processos de manutenção. Evolução da Qualificação: Manter-se atualizado nas técnicas e equipamentos que envolvem o processo, permitindo uma evolução natural dentro da Organização, como também nas técnicas de QSMS. 7 Relação de Unidades de Competência Unidade 1: Desenvolver no indivíduo um caráter humanista, tornando-o mais social e ativo no processo industrial. Elementos de Competência: 1.1 Diferenciar o conhecimento empírico do cientifico; 1.2 Identificar a importância do indivíduo dentro do grupo em que está inserido; 1.3 Avaliar o que é certo ou errado, fazendo um julgamento de valores. Padrões de Desempenho: Valorizar os conhecimentos adquiridos em experiências profissionais anteriores, procedendo da mesma forma com os conhecimentos que serão adquiridos em atividades futuras; Tornar o indivíduo um ser mais sociável e principalmente um elemento ativo dentro do seu grupo de trabalho, onde as suas opiniões e atitudes serão valorizadas; 2/14

3 1.3.1 Tornar o indivíduo um elemento crítico construtivo dentro do meio em que está inserido, promovendo um crescimento do seu eu e conseqüentemente possibilitando que a pessoa possa revelar sua personalidade e capacidade; Considerar os requisitos de QSMS Unidade 2: Realizar a montagem de sistemas elétricos Elementos de Competência: 2.1 Interpretar esquemas, gráficos, plantas, fluxogramas e diagramas elétricos; 2.2 Proceder à instalação de equipamentos elétricos; 2.3 Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. Padrões de Desempenho: Assegurar a perfeita seleção dos materiais e componentes elétricos; Interpretar circuitos elétricos; Considerar os requisitos de QSMS; Garantir a perfeita execução dos serviços; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Considerar os requisitos de QSMS; Manusear equipamentos, instrumentos, máquinas e ferramentas; Montar, instalar, calibrar e testar equipamentos e instrumentos; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Considerar os requisitos de QSMS. Unidade 3: Realizar o pré start-up dos dispositivos de força e controle dos equipamentos do processo produtivo Elementos de Competência: 3.1 Assegurar a perfeita operação dos equipamentos elétricos segundo o manual do fabricante; 3.2 Interpretar ensaios e testes comparando com padrões técnicos; 3.3 Identificar as tecnologias empregadas na automação de sistemas de energia. 3/14

4 Padrões de Desempenho: Orientar quanto à correta operação dos equipamentos; Controlar o uso/consumo de materiais e equipamentos elétricos; Orientar quanto à correta especificação de materiais e equipamentos utilizados nos serviços de manutenção; Respeitar os aspectos ambientais, de qualidade e de segurança pessoal e coletiva; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Considerar os requisitos de QSMS; Orientar quanto à participação no DDSMS (Diálogo Diário de Segurança, Meio Ambiente e Saúde) Garantir a perfeita operação do sistema elétrico; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Executar serviços de acordo com orientações prescritas em NR s e informadas e orientadas pelo departamento de SMS Diagnosticar problemas nos processos produtivos de montagem e pré Start-up; Aplicar a legislação e as normas referentes ao processo e produtos, qualidade, saúde e segurança no trabalho e meio ambiente, mediante a orientação de superior (supervisor e/ou encarregado) Manusear equipamentos, instrumentos, máquinas e ferramentas; Entender o princípio de funcionamento dos dispositivos eletropneumáticos; Executar ensaios e testes na montagem, instalação, calibração de equipamentos com instrumentos; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Considerar os requisitos de QSMS. Unidade 4: Identificar e reparar defeitos em equipamentos e instalações elétricas industriais Elementos de Competência: 4.1 Caracterizar os sistemas de controle da manutenção; 4.2 Informar a necessidade de manutenção e propor soluções para avaliação de custo benefício. 4.3 Interpretar planos de manutenção. 4/14

5 Padrões de Desempenho: Envolver-se na melhoria da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores Avaliar a diminuição da vida útil dos equipamentos, máquinas e instalações; Detectar o melhor momento de realizar as paradas para manutenção evitando não coincidirem com momentos inadequados; Interpretar catálogos, manuais e tabelas; Interpretar um plano de Manutenção adequado aos dispositivos de força e controle dos equipamentos do processo produtivo, conforme suas características de utilização; Aprender sobre cronogramas de obras, etapas de montagem e hierarquia organizacional; Assegurar a utilização dos EPI's necessários; Considerar os requisitos de QSMS. 8 Estrutura, Ementas e Conteúdo Programático Nível: Capacitação de nível médio Carga Horária: 240 h Alunos por Turma: 20 Descrição: O Curso de Qualificação Profissional Eletricista de Força e Controle do PNQP Plano Nacional de Qualificação Profissional do Prominp Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás está estruturado em três módulos: Comportamental (Humano), Nivelamento e Avançado. Tem como conceito fundamental, fornecer conhecimentos necessários e indispensáveis para a atuação nas atividades de Interpretação e execução das montagens das instalações elétricas, conforme as-built, e a instalação de equipamentos elétricos participando do processo de start-up, antecedendo o processo de manutenção. Busca também instrumentalizar o profissional, para que o mesmo desempenhe melhor sua função, sempre buscando o crescimento nas relações de trabalho dentro da estrutura da empresa. 5/14

6 8.1 Matriz Curricular As disciplinas que compõem o curso, com suas respectivas cargas horárias são apresentadas no quadro seguinte: Módulo Bases Tecnológicas Carga Horária Total Comportamental Nível I Qualificação em SMS NR-10 - Curso Básico Psicologia do Trabalho 16 h 40 h 12 h 68 h Eletricidade Geral 20 h Nivelamento Nível II Leitura e Interpretação de Esquemas Elétricos Ferramentas e Equipamentos de Medição Elétricos 20 h 10 h 60 h Organização da Manutenção 10 h Dispositivos e Comandos Elétricos de Baixa e Média Tensão 20 h Avançado Nível III Comandos de Motores Elétricos Princípios Básicos de Automação Industrial 40 h 20 h 112 h Medidas Elétricas 20 h Noções de Comissionamento e Pré START UP 12 h O Curso CM - Eletricista Força e Controle está dividido em três módulos de aprendizagem. Convém enfatizar que o módulo Comportamental (Nível I) pode ser ministrado em paralelo aos outros dois módulos, porém o módulo Avançado (Nível III) só poderá ser ministrado após o término do módulo Nivelamento (Nível II). 8.2 Ementas e conteúdos programáticos das disciplinas Módulo Comportamental - Nível I 1.1 Disciplina: Qualificação em SMS Carga Horária: 16 h Aula Prática: Não Ementa: Definida pela Petrobras. Definido pela Petrobras. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário. Referência Bibliográfica Recomendada: Material próprio da disciplina definido pela Petrobras. 6/14

7 1.2 Disciplina: NR10 Curso Básico Carga Horária: 40 h Aula Prática: Sim Primeiros Socorros e Combate a Incêndio Ementa: Definida pela legislação. Definido pela legislação. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário. Referência Bibliográfica Recomendada: Apostila própria da disciplina 1.3 Disciplina: Psicologia do Trabalho Carga Horária: 12 h Aula Prática: Não Ementa: Análise do indivíduo como parte integrante da sociedade e do meio social onde está inserido, correlacionando com os aspectos de liderança, motivação e satisfação no trabalho. Conteúdo Programático 1 O Indivíduo 2 O Grupo 2.1 Papéis 2.2 Comunicação 3 Comportamento nas Organizações 3.1 Liderança 3.2 Motivação e Satisfação no Trabalho Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário. Referência Bibliográfica Recomendada: Apostila própria da disciplina Módulo Nivelamento - Nível II 2.1 Disciplina: Eletricidade Geral Carga Horária: 20 h Aula Prática: Sim - Demonstrativa Ementa: Interpretação e quantificação das grandezas elétricas dos circuitos de corrente alternada monofásicos e polifásicos, visando a solução dos problemas dos sistemas de energia. 7/14

8 1 Tensão, corrente e resistência elétrica, suas relações e suas unidades; 2 Corrente Alternada: Valor de Pico e Valor Eficaz; 3 Lei de Ohm; 4 Potência elétrica e suas relações; 4.1 Potências Ativa, Reativa e Aparente: Suas relações, aplicações e unidades; 4.2 Fator de potência (relação triangular entre as potências), sua importância no cálculo da corrente elétrica e no custo da energia paga às concessionárias de energia. - Multas referentes ao baixo fator de potência; - Correção do fator de potência; 4.3 Fórmulas ou expressões para: - Cálculo da corrente nominal de um circuito monofásico; - Cálculo da corrente nominal de um circuito trifásico; - Cálculo da corrente nominal de um motor monofásico; - Cálculo da potência aparente em VA ou KVA, da corrente elétrica em circuitos e máquinas elétricas. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com ferramentas, acessórios e materiais de consumo. (Vide roteiro na apostila) 2.2 Disciplina: Leitura e Interpretação de Esquemas Elétricos Carga Horária: 20 h Aula Prática: Não Ementa: Interpretação de Esquemas Elétricos, envolvendo normatização, teoria e execução. 1 Simbologia elétrica: Normas: ABNT, ANSI, DIN e IEC 2 Identificação e interpretação de diagramas elétricos: Unifilar, Multifilar e Funcional Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário 8/14

9 2.3 Disciplina: Ferramentas e Equipamentos de Medição Elétricos Carga Horária: 10 h Aula Prática: Sim Ementa: Interpretação de Esquemas Elétricos, envolvendo normatização, teoria e execução. 1 Ferramentas mecânicas manuais; 2 Ferramentas elétricas 3 Importância do inventário das ferramentas quando de uma manutenção; 4 Identificar e utilizar as seguintes ferramentas, instrumentos e acessórios nos processos de montagem e pré Start-up. - Alicates, chaves diversas, furadeira elétrica manual, arco de serra, ferro de soldar, brocas, machos, tarraxa, torquímetro, talha e tirfor, alicate prensa terminal, alicate rebitador, escadas, luvas de proteção (MT e BT), fitas e fios para enfiação. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com ferramentas, acessórios e materiais de consumo. 2.4 Disciplina: Organização da Manutenção Carga Horária: 10 h Aula Prática: Não Ementa: Análise da importância da manutenção, organização, tipos, orçamentos e programas de 5s. Conteúdo Programático 1 Caracterizar os sistemas de controle da manutenção; 2 Avaliar a relação custo benefício da manutenção; 3 Interpretar catálogos, manuais e tabelas; 4 Interpretar planos de manutenção; 5 Envolver-se na melhoria da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário 9/14

10 Módulo Avançado Nível III 3.1 Disciplina: Dispositivos e Comandos Elétricos de Baixa e Média Tensão Carga Horária: 20h Aula Prática: Sim Ementa: Caracterização, ligação e manutenção dos dispositivos de proteção e manobra manuais e automáticos. 1 Conceitos de circuitos elétricos: 1.1 Circuitos com cargas em série; 1.2 Circuitos com cargas em paralelo. 2 Identificar e estabelecer características de equipamentos e sistemas utilizados em baixa tensão. 2.1 Pára-raios e supressores de surto. 2.2 Aterramentos: conceito e tipo: - Funcional: TN, TT e IT - Proteção - Temporário 3 O fio neutro, o fio pen e o fio PE características, função e aplicação; 4 Circuitos monofásicos a dois fios condutores: fase, neutro; (com e sem o condutor PE); 5 Circuitos monofásicos a dois fios condutores: fase, fase; (com e sem o condutor PE); 6 Circuitos Trifásicos: 6.1 Circuitos trifásicos com três condutores: (três condutores fase); 6.2 Circuitos trifásicos com quatro condutores: (três condutores fase + condutor neutro) 6.3 Circuitos trifásicos com cinco condutores: (três condutores fase + condutor neutro + PE) 7 Comandos de iluminação manuais; 8 Comandos de iluminação automáticos; 9 Quadro Geral de Baixa Tensão QGBT; 10 Identificar e estabelecer características de materiais e dispositivos utilizados em baixa tensão Materiais isolantes/condutores (cabos, eletrodutos, calhas, abraçadeiras, conexões: soldáveis, retráteis, pressão, materiais e equipamentos a prova de explosão); 10/14

11 10.2 Tipos de condutores: material, formato, isolação, função, características e aplicação de acordo com NBR5410; 10.3 Contatores, relés de sobrecarga bimetálico e relé de falta de fase, fusíveis D e NH e disjuntores Disjuntor Diferencial Residual e Interruptor Diferencial Residual. 11 Os acessórios de comando de contatores: 11.1 Os pulsadores, botões ou botoeiras e chaves fim de curso mecânico; 11.2 Os sensores indutivos, capacitivos, termistores, par térmico e outros. 12 Transformadores e autotransformadores: 12.1 Transformadores monofásicos; 12.2 Transformadores trifásicos: - Ligação estrela; - Ligação triângulo; - Ligação Zig-Zag; - Ligação em triângulo no secundário com derivação central Autotransformadores monofásicos; 12.4 Autotransformadores trifásicos; 12.5 Seqüência de manobras de cargas. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com ferramentas, acessórios e materiais de consumo. 3.2 Disciplina: Comandos de Motores Elétricos Carga Horária: 40h Aula Prática: Sim Ementa: Dimensionamento e especificação dos condutores e dos dispositivos de proteção e manobra para chaves de partida automáticas; caracterização, ligação, dimensionamento e especificação dos dispositivos de comando de estado sólido para acionamento de motores elétricos. 1 Ligação de motores monofásicos; 2 Ligação de motores trifásicos de seis terminais: 2.1 Ligação em estrela; 2.2 Ligação em triângulo. 11/14

12 3 Ligação de motores de nove e doze terminais: 3.1 Ligação estrela série e triângulo série; 3.2 Ligação estrela paralela e triângulo paralelo; 3.3 Ligação Dhallander; 3.4 Ligação de motores de duas, três ou mais velocidades. 4 Diagramas elétricos 4.1 Diagramas Unifilares; 4.2 Diagramas Multifilares. 5 Comandos manuais simples 5.1 De motores monofásicos de indução; 5.2 De motores trifásicos de indução. 6 Comandos manuais de motores monofásicos e trifásicos com chaves de tensão reduzida: 6.1 Chave estrela-trângulo; 6.2 Chave compensadora; 6.3 Resistores ou reatâncias em série. 7 Comandos não manuais, semi-automáticos e automáticos de motores elétricos 7.1 Chave de partida simples; 7.2 Chave de partida direta simples e reversora; 7.3 Chave estrela-triângulo simples e reversora; 7.4 Chave compensadora, simples e reversora. 8 O contator em estado sólido; 9 O soft-starter e/ou soft-stop: 9.1 Características, função, aplicação e parametrização via IHM; 9.2 Soft-starter partindo um motor; 9.3 Soft-starter partindo dois ou mais motores. 10 O inversor: 10.1 Características, função, aplicação e parametrização via IHM; 10.2 Com saída monofásica e entrada trifásica; 10.3 Com entrada trifásica e saída trifásica; 10.4 Ligação em malha aberta; 10.5 Ligação em malha fechada. 11 Montagem de um CCM: 11.1 Partida Direta; 11.2 Estrela-Triângulo; 12/14

13 11.3 Compensadora; 11.4 Soft-starter 11.5 Inversor de freqüência. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com ferramentas, acessórios e materiais de consumo. 3.3 Disciplina: Princípios Básicos de Automação Industrial Carga Horária: 20h Aula Prática: Sim Ementa: Análise dos conceitos fundamentais de eletro-acionamento utilizados em processos automatizados dentro do processo industrial. 1 Lógicas; 2 Sensores de posicionamento: 2.1 Nível; 2.2 Capacitivos; 2.3 Indutivos; 2.4 Magnéticos; 2.5 Fim de Curso. 3 Sensores de temperatura: 3.1 PT Termopar 4 Controladores: 4.1 Universal; 4.2 Simbologias Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com ferramentas, acessórios e materiais de consumo. 3.4 Disciplina: Medidas Elétricas Carga Horária: 20h Aula Prática: Sim 13/14

14 Ementa: Ligação dos instrumentos de medição utilizados nos processos de montagem e pré start-up das instalações industriais. 1 Categorias de instrumentos de medição; 2 Identificar e utilizar as seguintes ferramentas, instrumentos e acessórios nos processos de montagem e pré Start-up: 2.1 Megômetro; 2.2 Terrômetro; 2.3 Freqüêncimetro; 2.4 Medidor de Fator de Potência; 2.5 Volt-Amperímetro tipo alicate; 2.6 Wattímetro tipo alicate; 2.7 Medição Indireta com aplicação de TP e TC. Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Laboratório com equipamentos e acessórios para simular carga ativa e reativa para correção do fator de potência. Laboratório para medição e correção de resistência de aterramento 3.5 Disciplina: Noções de Comissionamento e pré START - UP Carga Horária: 12h Aula Prática: Não Ementa: Visão geral sobre as várias etapas que compõe o processo produtivo, desde a criação e desenvolvimento de uma planta industrial aplicando os testes de conformidade até o funcionamento do processo produtivo. 1 Organograma de obras, etapas de montagem; 2 Hierarquia organizacional; 3 Planejamento, organização e controle; 4 Qualidade aplicada à montagem Equipamentos e Recursos para Aula Prática: Não é necessário. 14/14

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INDUSTRIAL - PRONATEC 200 horas ÁREA:ELETROELETRÔNICA MODALIDADE:QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CETEC ARAGUAÍNA CT GURUPI Plano de Curso

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOÓGICA DE PELOTAS CNPJ 88288105000139 Nome da Unidade Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Nome de Fantasia CEFET-RS Esfera Administrativa Federal Endereço Praça

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO Perfil Profissional Competência Geral obra. Coordenar as montagens mecânicas de acordo com o planejamento da Competência de Gestão Identificar e interpretar

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Um estudo dos principais Circuitos Elétricos utilizados na Engenharia Elétrica.

Um estudo dos principais Circuitos Elétricos utilizados na Engenharia Elétrica. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Eletrônica e Engenharia Elétrica Disciplina Eletricidade I Professor Paulo Guerra Junior Carga horária 4 Código da Disciplina 161.1303.9 Etapa

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: : 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente São Paulo - CEP: 03139-070

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Energia Tintas Unidade Capacitiva Monofásica - UCW g As unidades capacitivas monofásicas WEG, tipo UCW, são produzidas com filme de polipropileno

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3

1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3 1 - HISTÓRICO E OBJETIVO DA EMPRESA 1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3 2 DIVISÃO DE SERVIÇOS 2.1 MONTAGENS 2.1.1 Montagens elétricas em média e baixa tensão;... 4 2.1.2 Sistemas de proteção contra descargas

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO Componente Curricular: ELETROELETRÔNICA APLICADA Módulo I Professor: Danilo de Carvalho / Danilo Ramos Stein / Enrico André Santos Castro Carga Horária prevista: 60 horas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de equipamentos que utilizam sistemas de controle para o seu funcionamento, julgue o item abaixo. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 5 As modernas máquinas de lavar roupa, em que é possível controlar desde

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA I 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia oficial.

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas menores que 0,4 W/kvar Dispositivo interruptor de segurança

Leia mais

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores...

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores... Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 1. Simulações de comandos elétricos... 12 2. Diagrama unifilar e multifilar... 13 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 1. Chaves... 14

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores HV Denki Engenharia Apresentação A HV Denki é um empresa de engenharia com foco na Eficiência e na Qualidade de Energia, tem como objetivo oferecer aos seus clientes a melhor opção de solução, assim como

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC ELETROTÉCNICA INDUST RIAL MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: INSTALAÇÕES ELETRICAS E REDES Qualificação

Leia mais

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO 19 Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais