Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOÓGICA DE PELOTAS CNPJ Nome da Unidade Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Nome de Fantasia CEFET-RS Esfera Administrativa Federal Endereço Praça 20 de Setembro, 455 Cidade/UF/CEP Pelotas RS CEP Telefone/Fax ( 53 ) ( 53 ) Site da unidade Área do Plano Indústria Plano de Curso para: 01 Habilitação: Técnico de Eletrotécnica Carga Horária: 1350 horas Estágio Horas 270 horas 02 Qualificação: Eletricista Predial Carga Horária: 337 horas e 30 minutos Estágio Horas: Não Tem 03 Qualificação: Eletricista Industrial Carga Horária: 337 horas e 30 minutos Estágio Horas: Não Tem PPC_Eletrotecnica_subsequente Página - 1 -

2 01. Justificativa e objetivos do curso Justificativa O setor industrial do país encontra-se em fase de mudanças e adaptações frente à nova realidade de mercado, da economia globalizada e forte concorrência, exigindo profissionais técnicos capacitados para enfrentar estes novos paradigmas mundiais. O Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas, sendo uma instituição reconhecida pela sociedade da região sul do Brasil pelo seu alto grau de comprometimento com a qualidade da educação profissional vem, frente às exigências de mudanças, junto ao MEC/SEMTEC, responder positivamente às necessidades do momento, apresentando o presente projeto de forma a atender às normativas existentes sobre educação profissional e à demanda do mercado. A elaboração deste projeto de curso, em resposta às determinações da lei, procura oferecer a navegabilidade da educação profissional baseada nas competências, possibilitando um percurso de formação profissional em diversas ênfases. Esta proposta visa à potencialização de recursos, bem como o aproveitamento das instalações físicas e do corpo docente deste segmento da instituição, fatores que viabilizam o projeto. Com base na experiência de 43 anos de existência do Curso Técnico de Eletrotécnica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas, foi elaborado este projeto, visando à integração de conhecimentos técnicos e gerenciais, além de dar um enfoque mais humanístico ao setor de indústria, com desenvolvimento de atividades de formação e treinamento das equipes de trabalho. Os trabalhos de elaboração do projeto seguiram as tendências e necessidades do mercado regional, estadual e nacional, verificadas a partir de pesquisa da Fundação SEADE e análise criteriosa dos relatórios de egressos do Curso Técnico de Eletrotécnica nos últimos 5 anos. Pesquisa da Fundação SEADE A Pesquisa da Fundação SEADE nos dá subsídios para justificarmos o direcionamento, dentro da área industrial, para reestruturação do Curso Técnico de Eletrotécnica. Para melhor entendimento das tabelas a seguir, temos que definir o que vem a ser unidade local: Unidade Local: É o espaço físico contínuo onde se desenvolvem uma ou mais atividades de uma empresa. Ela é identificada pelo sufixo do número do CGC, posto que cada UL, corresponde a um sufixo, e vice-versa. Corresponde, na maioria das vezes, a cada endereço da empresa, que pode ser constituída por uma ou mais unidades locais. Empresas com apenas uma UL são denominadas unilocais, e as que tem mais de uma UL são as multilocais. 2

3 TABELA 1 Proporção de Unidades Locais e de Pessoal Ocupado em Unidades com Dificuldade de Contratação em Determinadas Ocupações, na Categoria de Uso de Bens Intermediários, segundo Ocupações (1), na Indústria no Estado do Rio Grande do Sul 1998 Em porcentagem CBO Ocupações Unidades Locais Pessoal Ocupado 845 Mecânicos de Manutenção de Máquinas 3,9 4,6 872 Soldadores e Oxicortadores 3,9 3,1 832 Ferramenteiros e Modeladores de Metais 3,3 3,4 833 Torneiros, Fresadores, Retificadores e Trabalhadores Assemelhados 2,9 2,7 811 Marceneiros e Trabalhadores 2,9 1,4 Assemelhados 835 Operadores de Máquinas Ferramentas 2,3 2,1 (Prod. em Série) 34 Técnicos de Eletricidade, Eletrônica e 2,2 6,3 Telecomunicações 969 Operadores de Máquinas Fixas e de Equip. Similares não Classificados sob Outras Epígrafes 2,0 2,7 35 Técnicos de Mecânica 1,8 2,9 903 Trabalhadores de Fabricação Produtos de 1,6 1,9 Plástico 393 Auxiliares de Escritório e Trab. 1,5 1,4 Assemelhados 38 Desenhistas Técnicos 1,5 1,4 36 Técnicos de Química e Trab. 1,2 3,3 Assemelhados 92 Administradores e Trabalhadores 1,2 1,5 Assemelhados Outros Trabalhadores de Fabricação de Produtos de Plástico 1,1 1, Mestre (Indústria de Madeira e Mobiliário) 1,1 0,5 855 Eletricistas de Instalações 1,1 1, Mecânico de Manutenção de Máquinas, 1,1 3,2 em Geral Fonte: Fundação Seade. Pesquisa da Atividade Econômica Regional Paer. Notas: Proporção de casos afirmativos em relação ao total de casos As informações de PO referem-se ao pessoal ocupado, em unidades com dificuldade de contratação (1) Principais ocupações em número de respostas 3

4 Analisando a tabela anterior podemos observar que existem unidades com dificuldade de contratação de Técnicos de Eletricidade e Eletricistas de Instalações. Para facilitar as contratações, uma maior quantidade de Técnicos Industriais Habilitação Eletrotécnica será fator fundamental. TABELA 2 Proporção de Unidades Locais e de Pessoal Ocupado em Unidades com Dificuldade de Contratação em Determinadas Ocupações, na Categoria de Uso de Bens de Capital e de Consumo Duráveis, segundo Ocupações (1), na Indústria no Estado do Rio Grande do Sul 1998 Em porcentagem CBO Ocupações Unidades Locais Pessoal Ocupado 872 Soldadores e Oxicortadores 8,3 11,5 35 Técnicos de Mecânica 6,8 14,7 34 Técnicos de Eletricidade, Eletrônica e 6,2 13,5 Telecomun. 833 Torneiros, Fresadores, Retificadores e Trabalhadores Assemelhados 5,5 7, Torneiro Mecânico 4,4 3,6 38 Desenhistas Técnicos 4,3 8,1 845 Mecânicos de Manutenção de Máquinas 3,6 2,9 841 Montadores de Máquinas 3,5 1,1 873 Chapeadores e Caldeireiros 3,1 3,2 344 Técnicos de Controle de Produção e 3,0 1,7 Operação 832 Ferramenteiros e Modeladores de Metais 2,9 4, Soldador, em Geral 2,6 0,9 835 Operadores de Máquinas Ferramentas 2,4 2,2 (prod. em série) 24 Engenheiros Mecânicos 2,2 5,2 23 Engenheiros Eletricistas e Engenheiros 2,2 10,0 Eletrônicos 3510 Técnico Mecânico, em geral 1,9 0, Técnico de Teleprocessamento 1,7 0, Ferramenteiro, em geral 1,7 1,9 36 Técnicos de Química e Trabalhadores 1,7 15,0 Assemelhados 22 Engenheiros de Operações e 1,7 0,9 Desenhistas Industriais 811 Marceneiros e Trabalhadores 1,7 0,7 Assemelhados 837 Operadores de Máquinas Ferramentas com Comando Numérico 1,7 2,2 26 Engenheiros Metalúrgicos 1,6 2,1 Fonte: Fundação Seade. Pesquisa da Atividade Econômica Regional Paer. Notas: Proporção de casos afirmativos em relação ao total de casos As informações de PO referem-se ao pessoal ocupado, em unidades com dificuldade de contratação 4

5 (1) Principais ocupações em número de respostas Analisando a tabela anterior podemos observar que existem unidades com dificuldade de contratação de Técnicos de Eletricidade. Comparando com outras ocupações também podemos observar que é elevado o número de pessoal envolvido nesta ocupação. TABELA 3 Proporção de Unidades Locais e de Pessoal Ocupado em Unidades que Contratam Egressos das Escolas Técnicas/Profissionalizantes, na Indústria, segundo Ocupações (1) no Estado do Rio Grande do Sul 1998 Em porcentagem Unidade s Locais Pessoal CBO Ocupações Exercidas por Egressos Ocupad o 845 Mecânicos de Manutenção de Máquinas 3,6 9,8 35 Técnicos de Mecânica 3,5 8,3 833 Torneiros, Fresadores, Retificadores e Trab. 3,4 4,2 Assemelhados 36 Técnicos de Química e Trabalhadores 3,1 8,5 Assemelhados 34 Técnicos de Eletricidade, Eletrônica e 3,0 6,6 Telecomunicações 3020 Técnico de Contabilidade 1,9 2, Técnico de Segurança do Trabalho 1,8 5,8 855 Eletricistas de Instalações 1,6 4, Técnico Químico, em geral 1,5 2,1 38 Desenhistas Técnicos 1,3 1,7 832 Ferramenteiros e Modeladores de Metais 1,2 2,8 840 Ajustadores Mecânicos 1,2 1,0 811 Marceneiros e Trabalhadores Assemelhados 1,0 0, Torneiro Mecânico 1,0 1,0 Fonte: Fundação Seade. Pesquisa da Atividade Econômica Regional Paer. Notas: Proporção de casos afirmativos em relação ao total de casos As informações de PO referem-se ao pessoal ocupado, em unidades que contratam egressos (1) Principais ocupações em número de respostas. Analisando a tabela anterior podemos observar que existe um elevado número de unidades locais que contratam Técnicos de Eletricidade e Eletricistas de Instalações provenientes de Escolas Técnicas. A formação de Técnicos Industriais Habilitação Eletrotécnica será fator fundamental para manter este mercado do trabalho. Pesquisa dos relatórios dos egressos do Curso Técnico de Eletrotécnica. 5

6 A seguir apresentaremos graficamente o perfil das atividades exercidas por nossos egressos. Esse perfil está baseado em pesquisa feita nos 50 últimos relatórios de estágio recebidos de egressos de até 5 anos Produção Instalações Manutenção Instalacões e Manutenção Fonte: Relatórios de Estágio de Egressos de Eletrotécica Analisando o gráfico anterior podemos observar que a maior ocupação está na área de Manutenção, seguido pela ocupação de Instalações e manutenção. Também observamos que um número muito pequeno de Técnicos trabalha na subárea de Produção. Após essa análise de mercado, concluímos que as maiores ocupações estão nas subáreas de Manutenção e Instalações. Portanto o curso Técnico Industrial Habilitação Eletrotécnica terá ênfase nessas subáreas. Objetivo Formar Técnicos Industriais Habilitação Eletrotécnica com ênfase em manutenção e instalações com competências para atuar junto a empresas ligadas a geração, transmissão, distribuição e utilização de energia elétrica. 02. Requisitos de acesso ao curso Para o ingresso no Curso Técnico Industrial Habilitação Eletrotécnica, o candidato deverá possuir no mínimo o primeiro ano do ensino médio concluído. Os candidatos deverão ter desenvolvido os conhecimentos referentes às três áreas do conhecimento previstas para a 1 a série do Ensino Médio: - Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. - Ciências Humanas e suas Tecnologias. Os conteúdos, disciplinas e número de vagas, constantes do processo seletivo serão apresentadas em regulamento específico. 6

7 03. Perfil profissional de conclusão dos egressos do curso A ELETRICISTA PREDIAL O Eletricista Predial é o profissional legalmente habilitado para atuar na execução e manutenção de instalações elétricas prediais, sendo capaz de: - Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na execução e na manutenção de instalações elétricas prediais, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas. - Aplicar normas técnicas de qualidade, saúde e segurança no trabalho e técnicas de controle de qualidade nas instalações elétricas prediais. - Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas em projetos elétricos prediais. - Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas de instalações elétricas prediais, correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos. - Aplicar técnicas de medição e ensaios visando à melhoria da qualidade das instalações elétricas prediais. - Desenvolver manutenção de instalações elétricas prediais, caracterizando e determinando aplicações de materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos e máquinas. - Prestar consultoria em questões compatíveis com sua formação profissional. - Ministrar cursos específicos de sua especialidade. - Executar instalações elétricas prediais. B ELETRICISTA INDUSTRIAL O Eletricista Industrial é o profissional legalmente habilitado para atuar junto à empresas ligadas à utilização de energia elétrica, sendo capaz de: - Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na execução e na manutenção de instalações elétricas industriais, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas. - Aplicar normas técnicas de qualidade, saúde e segurança no trabalho e técnicas de controle de qualidade nas instalações elétricas industriais. - Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas em projetos de instalações elétricas industriais, em processos de fabricação, na instalação de máquinas e de equipamentos e na manutenção industrial. - Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas de instalações elétricas industriais, correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos. - Aplicar técnicas de medição e ensaios visando à melhoria da qualidade das instalações elétricas industriais. 7

8 - Desenvolver manutenção de instalações elétricas industriais, caracterizando e determinando aplicações de materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos e máquinas. - Prestar consultoria em questões compatíveis com sua formação profissional. - Ministrar cursos específicos de sua especialidade. - Executar instalações elétricas industriais. C TÉCNICO DE ELETROTÉCNICA O Técnico de Eletrotécnica é o profissional legalmente habilitado para atuar junto a empresas ligadas à geração, transmissão, distribuição e utilização de energia elétrica, sendo capaz de: - Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na instalação, na produção e na manutenção, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas. - Aplicar normas técnicas de qualidade, saúde e segurança no trabalho e técnicas de controle de qualidade no processo industrial. - Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas em projetos, em processos de fabricação, na instalação de máquinas e de equipamentos e na manutenção industrial. - Elaborar planilha de custos de fabricação e de manutenção de máquinas e equipamentos, considerando a relação custo-benefício. - Aplicar métodos, processos e logística na produção, instalação e manutenção. - Aplicar, em desenho de produto, de ferramentas, de máquinas e de equipamentos, técnicas de desenho e de representação gráfica com seus fundamentos matemáticos e geométricos. - Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas, correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos. - Aplicar técnicas de medição e ensaios visando à melhoria da qualidade de produtos e serviços da planta industrial. - Avaliar as características e propriedades dos materiais, insumos e elementos de máquinas, correlacionando-as com seus fundamentos matemáticos, físicos e químicos para a aplicação nos processos de controle de qualidade. - Desenvolver projetos de manutenção de instalações e de sistemas industriais, caracterizando e determinando aplicações de materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos e máquinas. - Projetar melhorias nos sistemas convencionais de produção, instalação e manutenção, propondo incorporação de novas tecnologias. - Identificar os elementos de conversão, transformação, transporte e distribuição de energia, aplicando-os nos trabalhos de implantação e manutenção do processo produtivo. 8

9 - Coordenar atividades de utilização e conservação de energia, propondo a racionalização de uso e de fontes alternativas. - Instalar e realizar a manutenção em geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. - Assessorar o estudo e desenvolvimento de pesquisas tecnológicas. - Atuar na inspeção de qualidade de materiais e equipamentos elétricos. - Supervisionar a geração de energia elétrica. - Prestar consultoria em questões compatíveis com sua formação profissional. - Ministrar cursos específicos de sua especialidade. 04. Organização curricular do curso O curso Técnico Industrial Habilitação Eletrotécnica trabalhará as subáreas de Instalações e de Manutenção. Será oferecido nos três turnos (manhã, tarde e noite), visando atender às necessidades da comunidade e aproveitar melhor a capacidade interna de instalações e profissionais do ensino, permitindo, assim, uma formação profissional para ingresso imediato no mercado de trabalho. Sua organização será em módulos semestrais. Os módulos serão de 337,5 horas, o que totaliza 1350 horas. O estágio terá carga horária mínima de 270 horas. O primeiro módulo será básico, não tendo terminalidade. A partir do Módulo II, o aluno receberá uma certificação de Eletricista Predial e após o Modulo III, o aluno receberá uma certificação de Eletricista Industrial. Portanto, após a conclusão do Módulo II, o aluno já poderá ingressar no mercado de trabalho. Após a conclusão do Módulo IV e do estágio supervisionado, o aluno receberá o Diploma de Técnico. Módulos que compõem o Curso: Módulo I Módulo II Módulo III Módulo IV Estágio Eletricista Predial Eletricista Industrial Técnico de Eletrotécnica 9

10 4.1 MÓDULO I Neste módulo trabalharemos algumas funções das subáreas de Instalações e de Manutenção SUBÁREA INSTALAÇÕES FUNÇÕES SUBFUNÇÃO 1 SUBFUNÇÃO 2 SUBFUNÇÃO 3 1. PLANEJAMENTO E CONTROLE SF1.1 ESTUDOS E PROJETOS DE INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE 2. EXECUÇÃO SF2.1 COMUNICAÇÃO INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE COMUNICAÇÃO SF1.2 SF2.2 SF1.3 SF2.3 FUNÇÃO: Planejamento e Controle SUBFUNÇÃO: Estudos e Projetos de Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Analisar condições técnicas econômicas dos ambientes, dos equipamentos, etc. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à saúde, segurança no trabalho, qualidade e ambientais. - Subsidiar elementos para construção de métodos de levantamento e análise de dados. - Interpretar projetos e lay out. - Interpretar projetos e esquemas de redes e linhas elétricas e de instalações prediais, industriais e de comunicação. - Ler e interpretar catálogos, manuais e tabelas. - Conhecer as características de materiais e componentes utilizados nas instalações elétricas e de comunicação. - Conhecer os métodos de utilização dos instrumentos de registro e medição elétrica e as interpretações de suas leituras. 10

11 - Conhecer e avaliar os tipos e características de máquinas e equipamentos utilizados nas instalações elétricas. HABILIDADES - Elaborar cronogramas físico-financeiros. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores. - Realizar levantamentos técnicos. - Efetuar cálculos e elaborar relatórios técnicos. - Aplicar normas técnicas, padrões e legislação pertinente. - Aplicar a legislação, normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Desenhar esquemas de redes, linhas elétricas e instalações elétricas prediais e industriais e de comunicação. - Relacionar materiais e dispositivos da iluminação. - Utilizar softwares específicos. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão de qualidade - Simbologias e convenções técnicas - Representações gráficas - Normas técnicas e legislação pertinente - Técnicas de elaboração de orçamentos - Técnica de desenvolvimento de projetos - Sistemas de unidades - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle de processo, de malha e funcional - Resistência dos materiais - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletricidade, magnetismo e eletromagnetismo - Sistemas monofásicos e polifásicos - Luminotécnica - Técnicas de aterramento elétrico - Técnicas de eficiência energética - Técnicas de automação elétrica - Informática aplicada FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Execução Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Interpretar padrões, normas técnicas e legislação pertinente. 11

12 - Interpretar a legislação e as normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Interpretar projetos, diagramas e esquemas. HABILIDADES - Aplicar a legislação e normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Utilizar os equipamentos de segurança. - Executar croquis e esquemas. - Envolver-se com a melhoria contínua da qualidade, a introdução de novas tecnologias e o intercâmbio com outros setores. - Prestar primeiros socorros. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle, de processo, de malha e funcional - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletricidade - Desenho técnico - Normas técnicas - Sistemas de unidades - Resistência dos materiais SUBÁREA MANUTENÇÃO FUNÇÕES SUBFUNÇÃO 1 SUBFUNÇÃO 2 SUBFUNÇÃO 3 SF1.1 SF1.2 SF PLANEJAMENTO E CONTROLE ESTUDOS E PROGRAMAÇÃO CONTROLE 2. EXECUÇÃO SF2.1 SF2.2 SF2.3 MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA E REDES DE COMUNICAÇÃO FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Estudos e Programação 12

13 COMPETÊNCIAS - Conhecer o processo sob intervenção. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Correlacionar as técnicas de manutenção em função das características do processo e dos equipamentos. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. - Correlacionar as técnicas de desenho e de representação gráfica com seus fundamentos matemáticos e geométricos. - Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. - Interpretar catálogos, manuais e tabelas. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. HABILIDADES - Elaborar cronogramas. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores. - Aplicar a legislação e as normas referentes ao processo e produtos, qualidade, saúde e segurança no trabalho e ambientais. - Elaborar e interpretar croquis e desenhos. - Utilizar softwares dedicados. - Elaborar textos técnicos, planilhas, formulários, esquemas e gráficos. BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Gestão da qualidade - Métodos e processos - Custo industrial - Legislação pertinente - Saúde e segurança no trabalho - Meio ambiente - Estatística aplicada - Normas técnicas - Desenho técnico - Tecnologia dos materiais - Eletricidade - Softwares dedicados FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Controle COMPETÊNCIAS - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. - Conhecer o processo sob intervenção. 13

14 - Avaliar recursos de informática e suas aplicações - Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. HABILIDADES - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores. - Aplicar a legislação e as normas referentes ao processo e produtos, qualidade, saúde e segurança no trabalho e ambientais. - Controlar o estoque de peças de reposição. - Utilizar softwares específicos. - Organizar o banco de dados. BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Custo Industrial - Gestão da qualidade - Estatística aplicada - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Simbologia e normas técnicas - Softwares dedicados FUNÇÃO: Execução SUBFUNÇÃO: Manutenção de Sistemas de Energia e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Conhecer o processo sob intervenção. - Interpretar esquemas, gráficos, plantas, fluxogramas e diagramas. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. HABILIDADES - Aplicar as normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Prestar primeiros socorros. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores. - Elaborar croquis e desenhos. - Manusear equipamentos, instrumentos, máquinas e ferramentas. - Utilizar softwares específicos. 14

15 BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Legislação pertinente - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Normas técnicas - Simbologias, convenções e representações gráficas - Eletricidade - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle de processo, de malha e funcional - Características e propriedades dos materiais de linhas e de redes elétricas e de comunicações - Circuitos elétricos e eletromagnéticos - Ferramentas - Softwares dedicados 4.2 MÓDULO II Neste módulo trabalharemos algumas funções das subáreas de Instalações e de Manutenção SUBÁREA INSTALAÇÕES FUNÇÕES SUBFUNÇÃO 1 SUBFUNÇÃO 2 SUBFUNÇÃO 3 SF1.1 SF1.2 SF PLANEJAMENTO E CONTROLE ESTUDOS E PROJETOS DE INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE 2. EXECUÇÃO SF2.1 COMUNICAÇÃO SF2.2 SF2.3 INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE COMUNICAÇÃO FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Estudos e Projetos de Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. 15

16 - Analisar condições técnicas, econômicas, dos ambientes, dos equipamentos, etc. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à saúde, segurança no trabalho, qualidade e ambientais. - Subsidiar elementos para construção de métodos de levantamento e análise de dados. - Interpretar projetos e lay out. - Interpretar projetos e esquemas de redes e linhas elétricas e de instalações prediais, industriais e de comunicação. - Ler e interpretar catálogos, manuais e tabelas. - Conhecer as características de materiais e componentes utilizados nas instalações elétricas e de comunicação. - Conhecer os métodos de utilização dos instrumentos de registro e medição elétrica e as interpretações de suas leituras. - Conhecer e avaliar os tipos e características de máquinas e equipamentos utilizados nas instalações elétricas. - Conhecer os princípios da automação das instalações. - Definir processos de execução. - Atuar na concepção de projetos utilizando-se de ferramentas convencionais e/ou informatizadas. - Conhecer e avaliar os princípios da luminotécnica. - Conhecer e avaliar as técnicas de conservação de energia. HABILIDADES - Coordenar equipes de trabalho. - Coordenar e integrar os projetos de instalações elétricas com os demais projetos. - Elaborar cronogramas físico-financeiros - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores. - Realizar levantamentos técnicos. - Efetuar cálculos e elaborar relatórios técnicos. - Aplicar normas técnicas, padrões e legislação pertinente. - Aplicar a legislação, normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Desenhar esquemas de redes, linhas elétricas e instalações elétricas prediais e industriais e de comunicação. - Dimensionar e especificar materiais e componentes de redes, linhas elétricas e instalações prediais e industriais e de comunicação. - Dimensionar e especificar máquinas e equipamentos elétricos. - Dimensionar dutos, condutores e acessórios. - Dimensionar dispositivos de controle e segurança dos sistemas elétricos. - Aplicar conceitos e técnicas de conservação de energia. - Aplicar os princípios da Luminotécnica. - Relacionar materiais e dispositivos da iluminação. - Utilizar softwares específicos. - Elaborar orçamentos. 16

17 BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão de qualidade - Simbologias e convenções técnicas - Representações gráficas - Técnicas de proteção e seletividade - Normas técnicas e legislação pertinente - Técnicas de elaboração de orçamentos - Técnica de desenvolvimento de projetos - Sistemas de unidades - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle de processo, de malha e funcional - Resistência dos materiais - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletrônica analógica e digital e industrial - Eletricidade, magnetismo e eletromagnetismo - Sistemas monofásicos e polifásicos - Tecnologia dos materiais utilizados em subestações, redes, linhas e instalações elétricas - Acionamentos, proteção e controles eletromecânicos e eletroeletrônicos - Máquinas Elétricas - Medidas Elétricas - Luminotécnica - Técnicas de aterramento elétrico - Técnicas de eficiência energética - Sistemas Microprocessados - Técnicas de automação elétrica - Informática aplicada - Técnicas de instrumentação e controle FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Execução Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Interpretar padrões, normas técnicas e legislação pertinente. - Interpretar a legislação e as normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Interpretar projetos, diagramas e esquemas. - Analisar medições, testes e ensaios. - Conhecer e avaliar os métodos de utilização dos instrumentos de medição elétrica e as interpretações de suas leituras. 17

18 - Conhecer e avaliar as características e aplicações das máquinas, equipamentos, materiais, acessórios e dispositivos das instalações elétricas e das redes de comunicações. - Conhecer e avaliar as propriedades e aplicações das ferramentas e instrumentos utilizados em instalações de energia elétrica e em redes de comunicações. - Conhecer e avaliar os princípios da automação das instalações elétricas e de redes de comunicações. - Analisar as condições de infra-estrutura e alimentação dos sistemas elétricos e de comunicações. HABILIDADES - Coordenar equipes de trabalho. - Aplicar a legislação e normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Utilizar os equipamentos de segurança. - Executar serviços de instalação e montagem. - Elaborar relatórios de serviços e de ocorrências. - Prover a infra-estrutura para execução. - Executar croquis e esquemas. - Envolver-se com a melhoria contínua da qualidade, a introdução de novas tecnologias e o intercâmbio com outros setores. - Prover materiais acessórios equipamentos. - Utilizar instrumentos e equipamentos de medição, testes e ensaios. - Executar ligações e interligações do sistema. - Utilizar recursos de informática. - Realizar regulagem de equipamentos. - Prestar primeiros socorros. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Tecnologia dos materiais - Acionamentos, proteção e controles eletromecânicos e eletroeletrônicos - Máquinas Elétricas - Medidas Elétricas - Técnicas de eficiência energética - Técnicas de automação elétrica - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle, de processo, de malha e funcional - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletrônica analógica, digital e industrial - Eletricidade - Sistemas comerciais de energia - Desenho técnico - Normas técnicas - Sistemas de unidades 18

19 - Medidas elétricas - Resistência dos materiais - Técnicas de instrumentação e controle SUBÁREA MANUTENÇÃO FUNÇÕES SUBFUNÇÃO 1 SUBFUNÇÃO 2 SUBFUNÇÃO 3 SF1.1 SF1.2 SF PLANEJAMENTO E CONTROLE ESTUDOS E PROGRAMAÇÃO CONTROLE 2. EXECUÇÃO SF2.1 SF2.2 SF2.3 MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA E REDES DE COMUNICAÇÃO FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Estudos e Programação COMPETÊNCIAS - Conhecer o processo sob intervenção. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Correlacionar as técnicas de manutenção em função das características do processo e dos equipamentos. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Correlacionar as técnicas de desenho e de representação gráfica com seus fundamentos matemáticos e geométricos. - Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. - Subsidiar o desenvolvimento da logística da manutenção. - Caracterizar os sistemas de controle de manutenção. - Avaliar a relação custo-benefício da manutenção. - Interpretar catálogos, manuais e tabelas. - Realizar orçamentos. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. HABILIDADES - Gerenciar equipes de trabalho. 19

20 - Elaborar cronogramas. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores. - Aplicar a legislação e as normas referentes ao processo e produtos, qualidade, saúde e segurança no trabalho e ambientais. - Utilizar sistemas de controle de manutenção - Definir a técnica de manutenção a ser empregada. - Emitir ordens de serviço. - Diagnosticar problemas. - Decidir quanto à viabilidade técnico - econômica da manutenção. - Elaborar e interpretar croquis e desenhos. - Utilizar softwares dedicados. - Elaborar textos técnicos, planilhas, formulários, esquemas e gráficos. - Confeccionar manuais de procedimentos. BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Gestão da qualidade - Métodos e processos - Custo industrial - Legislação pertinente - Saúde e segurança no trabalho - Meio ambiente - Estatística aplicada - Técnicas de manutenção - Normas técnicas - Sistemas de controle da manutenção - Desenho técnico - Tecnologia dos materiais - Elementos de máquinas - Eletricidade - Eletrônica - Instrumentação e controle - Técnicas de automação - Softwares dedicados FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Controle COMPETÊNCIAS - Caracterizar os sistemas de controle de manutenção. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar ensaios e testes comparando com padrões técnicos. - Interpretar relatórios estatísticos. - Organizar o controle estatístico da manutenção. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. 20

21 - Conhecer o processo sob intervenção. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. - Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. HABILIDADES - Coletar dados específicos para a avaliação da manutenção. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, produtividade, na introdução de novas tecnologias e no intercâmbio com outros setores. - Aplicar a legislação e as normas referentes ao processo e produtos, qualidade, saúde e segurança no trabalho e ambientais. - Elaborar relatórios estatísticos de defeitos. - Fazer levantamento de custos da manutenção. - Utilizar sistemas de controle de manutenção. - Controlar o estoque de peças de reposição. - Executar ensaios e testes. - Utilizar softwares específicos. - Organizar o banco de dados. - Elaborar textos técnicos, planilhas, formulários, esquemas e gráficos. BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Custo Industrial - Gestão da qualidade - Estatística aplicada - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Critérios de produtividade - Processos produtivos - Técnicas de manutenção - Propriedades dos materiais. - Máquinas, instrumentos e equipamentos industriais - Simbologia e normas técnicas - Softwares dedicados FUNÇÃO: Execução SUBFUNÇÃO: Manutenção de Sistemas de Energia e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à manutenção, à saúde e segurança no trabalho, à qualidade e ao ambiente. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Avaliar o impacto ambiental da manutenção. - Conhecer o processo sob intervenção. 21

22 - Correlacionar as técnicas de manutenção em função das características do processo e dos equipamentos. - Interpretar esquemas, gráficos, plantas, fluxogramas e diagramas. - Correlacionar os processos de recuperação de componentes e equipamentos. - Caracterizar materiais, insumos e componentes. - Correlacionar as propriedades e características das máquinas, instrumentos e equipamentos com suas aplicações. - Ler e interpretar ensaios e testes. - Interpretar planos de manutenção. - Interpretar circuitos elétricos, eletroeletrônicos, hidráulicos e pneumáticos. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. HABILIDADES - Gerenciar equipes de trabalho. - Aplicar as normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Prestar primeiros socorros. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores. - Selecionar os procedimentos de manutenção. - Identificar, localizar e corrigir defeitos e falhas. - Recuperar componentes e/ou equipamentos. - Elaborar croquis e desenhos. - Manusear equipamentos, instrumentos, máquinas e ferramentas. - Montar, instalar, calibrar e testar equipamentos e instrumentos. - Utilizar softwares específicos. - Elaborar relatórios de serviço. - Executar ensaios e testes. - Executar os programas de manutenção. - Identificar pontos de desperdício de energia e propor alternativas de solução. BASES TECNOLÓGICAS - Organização industrial - Legislação pertinente - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Normas técnicas - Simbologias, convenções e representações gráficas - Técnicas de manutenção - Eletricidade - Sistemas de energia - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle de processo, de malha e funcional - Características e propriedades dos materiais de linhas e de redes elétricas e de comunicações - Acionamentos, proteção e controle de sistemas de energia - Linhas e redes - Eletrônica analógica, digital e industrial 22

23 - Técnicas de instrumentação e controle - Técnicas de automação - Circuitos elétricos e eletromagnéticos - Ferramentas - Eficiência energética - Softwares dedicados 4.3 MÓDULO III Neste módulo trabalharemos as funções das subáreas de Instalações e de Manutenção SUBÁREA INSTALAÇÕES FUNÇÕES SUBFUNÇÃO 1 SUBFUNÇÃO 2 SUBFUNÇÃO 3 SF1.1 SF1.2 SF PLANEJAMENTO E CONTROLE ESTUDOS E PROJETOS DE INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE 2. EXECUÇÃO SF2.1 COMUNICAÇÃO ESTUDOS E PROJETOS DE SISTEMAS INDUSTRIAIS SF2.2 SF2.3 INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA E REDES DE COMUNICAÇÃO INSTALAÇÃO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Estudos e Projetos de Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer e correlacionar as formas de gestão do processo produtivo - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Analisar condições técnicas, econômicas, dos ambientes, dos equipamentos, etc. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes à saúde, segurança no trabalho, qualidade e ambientais. - Subsidiar elementos para construção de métodos de levantamento e análise de dados. - Interpretar projetos e lay out. - Interpretar projetos e esquemas de redes e linhas elétricas e de instalações prediais, industriais e de comunicação. - Ler e interpretar catálogos, manuais e tabelas. 23

24 - Conhecer as características de materiais e componentes utilizados nas instalações elétricas e de comunicação. - Conhecer os métodos de utilização dos instrumentos de registro e medição elétrica e as interpretações de suas leituras. - Conhecer e avaliar os tipos e características de máquinas e equipamentos utilizados nas instalações elétricas. - Conhecer os princípios da automação das instalações. - Definir processos de execução. - Atuar na concepção de projetos utilizando-se de ferramentas convencionais e/ou informatizadas. - Conhecer e avaliar os princípios da luminotécnica. - Conhecer e avaliar as técnicas de conservação de energia. HABILIDADES - Coordenar equipes de trabalho. - Coordenar e integrar os projetos de instalações elétricas com os demais projetos - Elaborar cronogramas físico-financeiros. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores. - Realizar levantamentos técnicos. - Efetuar cálculos e elaborar relatórios técnicos. - Aplicar normas técnicas, padrões e legislação pertinente. - Aplicar a legislação, normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Desenhar esquemas de redes, linhas elétricas e instalações elétricas prediais e industriais e de comunicação. - Dimensionar e especificar materiais e componentes de redes, linhas elétricas e instalações prediais e industriais e de comunicação. - Dimensionar e especificar máquinas e equipamentos elétricos. - Dimensionar dutos, condutores e acessórios. - Dimensionar dispositivos de controle e segurança dos sistemas elétricos. - Aplicar conceitos e técnicas de conservação de energia. - Aplicar os princípios da Luminotécnica. - Relacionar materiais e dispositivos da iluminação. - Utilizar softwares específicos. - Elaborar orçamentos. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio ambiente - Gestão de qualidade - Simbologias e convenções técnicas - Representações gráficas - Técnicas de proteção e seletividade - Normas técnicas e legislação pertinente - Técnicas de elaboração de orçamentos - Técnica de desenvolvimento de projetos 24

25 - Sistemas de unidades - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle de processo, de malha e funcional - Equipamentos elétricos industriais - Resistência dos materiais - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletrônica analógica e digital e industrial - Eletricidade, magnetismo e eletromagnetismo - Sistemas monofásicos e polifásicos - Tecnologia dos materiais utilizados em subestações, redes, linhas e instalações elétricas - Acionamentos, proteção e controles eletromecânicos e eletroeletrônicos - Máquinas Elétricas - Medidas Elétricas - Luminotécnica - Técnicas de aterramento elétrico - Técnicas de eficiência energética - Sistemas Microprocessados - Técnicas de automação elétrica - Informática aplicada - Técnicas de instrumentação e controle FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Planejamento e Controle Estudos e Projetos de Sistemas Industriais COMPETÊNCIAS - Conhecer e correlacionar as formas de gestão do processo produtivo. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Analisar condições técnicas, econômicas, dos ambientes, dos equipamentos, etc. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Subsidiar elementos para construção de métodos de levantamento e análise de dados. - Interpretar projetos e layout, diagramas e esquemas dos sistemas industriais. - Interpretar normas técnicas e legislação pertinente. - Interpretar legislação, normas de saúde e segurança no trabalho, de qualidade e ambientais. - Avaliar recursos de informática e suas aplicações. - Avaliar processos de execução. - Atuar na concepção de projetos usando ferramentas convencionais e/ou informatizadas. - Ler e interpretar catálogos, manuais e tabelas. - Conhecer e avaliar as características de equipamentos, materiais e componentes utilizados nas instalações prediais e industriais. - Interpretar resultados de testes e ensaios. HABILIDADES - Coordenar equipes de trabalho. 25

26 - Elaborar cronogramas físico-financeiros. - Coordenar e integrar os diversos projetos de instalações industriais. - Realizar levantamentos técnicos. - Elaborar relatórios técnicos. - Aplicar normas técnicas e legislação pertinente. - Aplicar a legislação e as normas saúde e segurança no trabalho, de qualidade e ambientais. - Desenhar esquemas e diagrama de instalações industriais. - Dimensionar e especificar materiais e componentes das instalações industriais. - Dimensionar e especificar máquinas, instrumentos e equipamentos industriais. - Dimensionar e especificar dispositivos de controle e segurança. - Aplicar conceitos e técnicas de conservação de energia. - Utilizar recursos de informática. - Elaborar orçamentos. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho - Meio Ambiente - Gestão de Qualidade - Relações humanas no trabalho - Simbologias e convenções técnicas - Legislação pertinente - Sistemas de unidades - Resistência dos Materiais - Tubulações e acessórios - Diagramas lógicos, de controle, de malha e funcional - Maquinas e equipamentos industriais - Sistemas hidráulicos, térmicos, pneumáticos e elétricos - Termodinâmica e fluidodinâmica aplicada - Eletricidade - Eletrônica básica e aplicada - Elementos de máquinas - Sistemas de refrigeração - Técnicas de eficiência energética - Técnicas de automação - Normas técnicas - Desenho técnico - Técnicas de instrumentação e controle - Informática FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Execução Instalações de Energia Elétrica e Redes de Comunicação COMPETÊNCIAS - Conhecer e correlacionar as formas de gestão do processo produtivo. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. 26

27 - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Interpretar padrões, normas técnicas e legislação pertinente. - Interpretar a legislação e as normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Interpretar projetos, diagramas e esquemas. - Analisar medições, testes e ensaios. - Conhecer e avaliar os métodos de utilização dos instrumentos de medição elétrica e as interpretações de suas leituras. - Conhecer e avaliar as características e aplicações das máquinas, equipamentos, materiais, acessórios e dispositivos das instalações elétricas e das redes de comunicações. - Conhecer e avaliar as propriedades e aplicações das ferramentas e instrumentos utilizados em instalações de energia elétrica e em redes de comunicações. - Conhecer e avaliar os princípios da automação das instalações elétricas e de redes de comunicações. - Analisar as condições de infra-estrutura e alimentação dos sistemas elétricos e de comunicações. HABILIDADES - Coordenar equipes de trabalho. - Aplicar a legislação e normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Utilizar os equipamentos de segurança. - Executar serviços de instalação e montagem. - Elaborar relatórios de serviços e de ocorrências. - Prover a infra-estrutura para execução. - Executar croquis e esquemas. - Envolver-se com a melhoria contínua da qualidade, a introdução de novas tecnologias e o intercâmbio com outros setores. - Prover materiais acessórios equipamentos. - Utilizar instrumentos e equipamentos de medição, testes e ensaios. - Executar ligações e interligações do sistema. - Utilizar recursos de informática. - Realizar regulagem de equipamentos. - Prestar primeiros socorros. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança do trabalho. - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Tecnologia dos materiais - Acionamentos, proteção e controles eletromecânicos e eletroeletrônicos - Máquinas Elétricas - Medidas Elétricas - Técnicas de eficiência energética - Técnicas de automação elétrica 27

28 - Diagramas unifilar, multifilar, lógicos, de controle, de processo, de malha e funcional - Sistemas elétricos e de comunicação - Eletrônica analógica, digital e industrial - Eletricidade - Equipamentos elétricos industriais - Sistemas comerciais de energia - Desenho técnico - Normas técnicas - Sistemas de unidades - Medidas elétricas - Resistência dos materiais - Técnicas de instrumentação e controle - Conversores elétricos FUNÇÃO: SUBFUNÇÃO: Execução Instalação de Sistemas Industriais COMPETÊNCIAS - Conhecer e correlacionar as formas de gestão do processo produtivo. - Conhecer os princípios do empreendedorismo. - Interpretar cronogramas físico-financeiros. - Avaliar a capacidade e planejar a qualificação da equipe de trabalho. - Conhecer e distinguir materiais, elementos e suas propriedades nos sistemas industriais. - Interpretar manuais e catálogos. - Interpretar projetos, layout, diagramas e esquemas. - Interpretar resultados de testes e ensaios. - Analisar condições de infra-estrutura e alimentação do sistema. - Definir métodos de execução das instalações. - Interpretar padrões, normas técnicas e legislação pertinente. - Interpretar legislação e normas de saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Conhecer e avaliar os métodos de utilização dos instrumentos de medição e as interpretações de suas leituras. - Conhecer e interpretar o processo produtivo. - Conhecer e distinguir formas de geração de energia, seus elementos de produção e transformação. - Conhecer e distinguir materiais, elementos de regulagem, medição, aferição e demais componentes do transporte de energia. HABILIDADES - Coordenar equipe de trabalho. - Selecionar e gerenciar recursos humanos. - Aplicar legislação e as normas saúde e segurança do trabalho, de qualidade e ambientais. - Envolver-se na melhoria contínua da qualidade, introdução de novas tecnologias e intercâmbio com outros setores - Executar serviços de montagem, remoção e instalação de máquinas, equipamentos, instrumentos, tubulações e acessórios industriais. 28

29 - Executar testes, ensaios, aferição e calibração de equipamentos, maquinas, instrumentos e dispositivos de sistemas industriais. - Aplicar normas técnicas e recomendações do fabricante. - Executar locações. - Elaborar relatórios de serviços e de ocorrências. - Prover de infra-estrutura, equipamentos e materiais para execução - Executar croquis e esquemas. - Supervisionar a movimentação de cargas / equipamentos. - Executar e supervisionar os processos permanentes e não permanentes de fixação. BASES TECNOLÓGICAS - Fundamentos de administração Industrial - Saúde e segurança no trabalho - Meio ambiente - Gestão da qualidade - Eletricidade - Eletrônica básica e aplicada - Hidráulica e Pneumática - Diagramas unifilar, multifilar, lógico, de controle de processos, malha, funcional e interligação - Máquinas elétricas - Conversores elétricos - Sistemas de unidades - Técnicas de instrumentação e controle - Metrologia - Sistemas de proteção - Elementos de máquinas - Elementos de acionamento (elétrico e mecânico) - Vedações - Elementos de transmissão - Motores hidráulicos - Termodinâmica e circuitos térmicos - Motores de combustão interna - Sistemas de refrigeração - Alinhamento e balanceamento - Técnicas de automação - Sistemas de transporte de carga - Lubrificação - Equipamentos industriais 29

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: INSTALAÇÕES ELETRICAS E REDES Qualificação

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Etec Professor Horácio Augusto da Silveira Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Para a Inscrição no Processo Seletivo, é necessário uma

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CÂMPUS CAMPO GRANDE, CORUMBÁ E TRÊS LAGOAS Reitor do Instituto Federal

Leia mais

PROCESSO N 998/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07

PROCESSO N 998/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Pedido de Renovação do Reconhecimento do Curso

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 1. Controle e Automação Industrial (Instrumentação) Engenharia de Computação Engenharia de Produção Mecânica Engenharia de Sistemas - Modalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio Técnico em Mecânica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy - São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: : 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 0 Etec PAULINO BOTELHO Código: 09 Município:São Carlos EE: Eixo Tecnológico:Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

1º Fórum Latino-Americano de Engenharia. UNILA Foz do Iguaçu

1º Fórum Latino-Americano de Engenharia. UNILA Foz do Iguaçu 1º Fórum Latino-Americano de Engenharia UNILA Foz do Iguaçu 1º Fórum Latino-Americano de Engenharia UNILA Foz do Iguaçu Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Paulo Smith Schneider

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

- COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO):

- COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO): AVISO DE REABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 041/01/2013 de 22/08/2013. Processo

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

Presidente da República FERNANDO HENRIQUE CARDOSO. Ministro da Educação PAULO RENATO SOUZA. Secretário-Executivo LUCIANO OLIVA PATRÍCIO

Presidente da República FERNANDO HENRIQUE CARDOSO. Ministro da Educação PAULO RENATO SOUZA. Secretário-Executivo LUCIANO OLIVA PATRÍCIO Presidente da República FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Ministro da Educação PAULO RENATO SOUZA Secretário-Executivo LUCIANO OLIVA PATRÍCIO Secretário de Educação Média e Tecnológica RUY LEITE BERGER FILHO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 OBJETIVO Participar de atividades de planejamento, supervisão e execução de projetos específicos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Escola Técnica Estadual Professor Horácio Augusto da Silveira. São Paulo

Escola Técnica Estadual Professor Horácio Augusto da Silveira. São Paulo Escola Técnica Estadual Professor Horácio Augusto da Silveira - São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROFESSOR SUBSTITUTO DA CARREIRA

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

Currículo Vitae. Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916

Currículo Vitae. Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916 João Bosco Lopes da Silva Currículo Vitae Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916 Escolaridade Ensino superior gestão

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Políticas de Gestão do

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br 216 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA PERNAMBUCANA DE PAULISTA PAULISTA/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA, DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Plano Escolar 2012 - ETEC JORGE STREET

Plano Escolar 2012 - ETEC JORGE STREET Plano Escolar 2012 - ETEC JORGE STREET De acordo com o disposto no Capítulo II do Regimento Comum das Escolas Técnicas do CEETEPS, o Plano Plurianual de Gestão - PPG apresenta a proposta de trabalho da

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular Área de formação 522. Eletricidade e Energia Curso de formação Técnico/a de Instalações Elétricas Nível de qualificação do QNQ 4 Componentes de Sociocultural Duração: 775 horas Científica Duração: 400

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Mecatrônica

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Mecatrônica Habilitação: Mecatrônica Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Mecatrônica Aplicativos Informatizados

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação.

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação. Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ( Nome modificado pela Resolução nº 007/2008 da Câmara de Ensino)

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ( Nome modificado pela Resolução nº 007/2008 da Câmara de Ensino) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS - RS PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQÜENTE DE MECÂNICA INDUSTRIAL

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Etec Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca/SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL MADEIRA/MOBILIÁRIO SENAI-RR SENAI-RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO DESENHISTA DE MÓVEIS CBO 3184-25 Preparar profissionais para realizar

Leia mais

A INDÚSTRIA DA REGIÃO DE NATAL

A INDÚSTRIA DA REGIÃO DE NATAL A INDÚSTRIA DA REGIÃO DE NATAL A Paer pesquisou na região de Natal, as unidades locais (ULs) 1 industriais com mais de 20 pessoas ocupadas em 31/12/98. O universo investigado comporta 101 unidades locais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500090 - TECNICO EM INFORMATICA INTEGRADO AO E.M. Nivel: Tecnico Area Profissional: COMERCIO-TEC Area de Atuacao: BANCO DADOS/COMERCIO-TEC

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO 1 QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO DISCIPLINAS Artes (Base Nacional Comum) Biologia (Ensino Médio) Matemática (Base Nacional Comum)

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais