Desenho de Máquinas 2006/02 5 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. 5.1 Roda denteada para corrente de rolos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho de Máquinas 2006/02 5 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. 5.1 Roda denteada para corrente de rolos"

Transcrição

1 Desenho de Máquinas 00/0 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. Roda denteada para corrente de rolos.. Roda denteada: 9 a dentes Seqüência : iniciar pela vista frontal, vista que mostra a seção circular da roda dentada. Calcule o diâmetro primitivo, Equação e trace a circunferência primitiva com centro em "O". Sobre esta circunferência, marque a posição angular do centro de cada dente, dividindo 0 o /Z. Trace duas retas passando pelo ponto O, fazendo um ângulo entre si de 0 o, como mostrado na Figura... Entre na tabela abaixo com os dados da roda (por exemplo A8x,Z=), e retire o valor R=,, e trace o arco com centro em O. Entre na tabela e retire o raio do arco r=,, e trace dois arcos, um a partir do ponto e outro ponto, Figura.., os centros dos arcos ficam sobre as retas que passam por O e O. Repita o processo para os outros dente, o ponto de interseção determina o diâmetro externo da roda. Marque a largura do dente (L=,) para iniciar a vista lateral esquerda. Transfira para esta vista todos os diâmetros (d e, d i, etc), determinados na vista frontal. Retire a dimensão c=,7 na tabela e marque na vista lateral a partir do diâmetro interno. A partir deste ponto trace uma reta paralela ao eixo da roda, determinando o ponto (). Retire da tabela a dimensão R =8, e trace um arco com centro sobre esta reta e que passe pelo ponto () interceptando o diâmetro externo no ponto () como mostrado na Figura.., o arco determina o perfil do dente. As dimensões K e b, só devem ser utilizadas caso haja a necessidade no projeto de alterar a espessura da roda, de maneira a não permitir a montagem da corrente sobre o cubo, Figura... Figura.. Figura.. Equação. o [ sen80 ( )] d p = (dia.primitivo) = P/ /Z P = passo da roda Z = número de dentes Exemplo de especificação, para uma roda com passo 8mm e largura do dente,mm Roda dentada A8x,Z= Corrente de rolos 8x9, Figura.. Roda Corrente Rolete TABELA PARA RODA DE 9 A DENTES PxL Pxe d P (mm) R r c R b K A8x, 8x 8,,,7 8,, 0,7 A/8"x, /8"/,9, 9,,,,,0, 0,7 A/"x, ½"x,9 7,7,7,9,88,9., 0,7 A/",7 ½"x, 8,,7,9,,0,,0 0,7 A/8"x,9 /8"x,,,88,,88,,8, 0,7 A/8"x8,9 /8"x9,,,88, 9,0,,8, 0,7 A/"x,8 A/"x,7,07 9,0,,8,0 0,,0 0,7 Elementos de Transmissão.

2 Desenho de Máquinas 00/0.. Roda denteada: a 9 dentes Seqüência : iniciar pela vista frontal, vista que mostra a seção circular da roda dentada. Calcule o diâmetro primitivo, Equação e trace a circunferência primitiva com centro em "O". Sobre esta circunferência, marque a posição angular do centro de cada dente, dividindo 0 o /Z. Trace duas retas passando pelo ponto O, fazendo um ângulo entre si de 0 o, como mostrado na Figura... Entre na tabela abaixo com os dados da roda (por exemplo A8x,Z=), e retire o valor R=,, e trace o arco com centro em O. Entre na tabela e retire o raio do arco r =,, e trace dois arcos, um a partir do ponto e outro do ponto, os centros dos arcos se encontram sobre as retas que passam por O e O, Figura... Repita o processo para os outros dentes. Retire da tabela o raio do arco a=,7, e trace dois arcos com centro em e em respectivamente, estes arcos irão interceptar o arco de raio r no ponto, Figura... Retire da tabela o raio do arco r =,8, e trace um arco cujo centro se encontra sobre a circunferência primitiva e que passa pelo ponto. Repita o procedimento para determinar o ponto, este ponto, determina o diâmetro externo da roda. Marque a largura do dente (L=,), para dar início à vista lateral esquerda. Transfira para esta vista todos os diâmetros (d e, d i, etc.) determinados na vista frontal. 7Retire a dimensão c=,7 na tabela e marque na vista lateral a partir do diâmetro interno. A partir deste ponto trace uma reta paralela ao eixo da roda, determinando o ponto (). Retire da tabela a dimensão R =8, e trace um arco com centro sobre esta reta e que passe pelo ponto (), como mostrado na Figura.., o arco 7 determina o perfil do dente. 8As dimensões K e b, só devem ser utilizadas caso haja a necessidade no projeto de alterar a espessura da roda de maneira a não permitir a montagem da corrente sobre o cubo, Figura... Figura.. Figura.. Figura.. Roda Corrente Rolete TABELA PARA RODA COM DENTES DE A 9 PxL Pxe d P (mm) R r a r c R b K A8x, 8x 8,,0,7,8,7 8,, 0,7 A/8"x, /8"/,9, 9,, 8,8,0,7,,0, 0,7 A/"x, ½"x,9 7,7,7,9 7,9,9,9,9,, 0,7 A/",7 ½"x, 8,,7,9 8,,0,,0,,0 0,7 A/8"x,9 /8"x,,,88, 7,9,9,9,,8, 0,7 A/8"x8,9 /8"x9,,,88, 7,,08 7,,,8, 0,7 A/"x,8 A/"x,7,07 9,0, 7,, 9,,0 0,,0,7. Elementos de Transmissão

3 Desenho de Máquinas 00/0.. Roda dentada: com mais de 0 dentes Seqüência: iniciar pela vista frontal, vista que mo s tra a seção circular da roda dentada. Calcule o diâmetro primitivo, Equação e trace a circunferência primitiva com centro em "O". Sobre esta circunferência, marque a posição angular do centro de cada dente, dividindo 0 o /Z. Trace duas retas passando pelo ponto O, fazendo um ângulo entre si de 0 o, como mostrado na Figura..7. Fig.. Entre na tabela com os dados da roda (por exe m plo A8x,Z=), retire o valor R=,, e trace o arco com centro em O. Levante perpendiculares às retas traçadas anteriormente pelos pontos e, como mostrado na Figura..7, e marque sobre esta perpendicular a distância a=, determinando o ponto, Figura.8. Levante uma perpendicular à reta pelo ponto e trace o arco de raio r=0,79 (ver tabela) com centro sobre esta perpendicular,ao repetir o procedimento para os outros dentes, encontrase o ponto que determina o diâmetro externo da roda, Figura..9. Marque a largura do dente (L=,), para dar início à vista lateral esquerda. Transfira para esta vista todos os diâmetros (d e, d i, etc.) determinados na vista frontal. Retire a dimensão c=,7 na tabela e marque na vista lateral a partir do diâmetro interno. A partir deste ponto trace uma reta paralela ao eixo da roda, determinando o ponto (). Retire da tabela a dimensão R =8, e trace um arco com centro sobre esta reta e que passe pelo ponto (), como mostrado na Figura..7, o arco determina o perfil do dente. As dimensões K e b, só devem ser utilizadas caso haja a necessidade no projeto de alterar a espessura da roda de maneira a não permitir a mo n tagem da corrente sobre o cubo, Figura..9. Figura..7 Figura..8 Figura..9 Roda Corrente Rolete TABELA PARA RODA COM MAIS DE 0 DENTES PxL Pxe d P (mm) R a r c R b K A8x, 8x 8,, 0,79,7 8,, 0,7 A/8"x, /8"/,9, 9,,,0 0,9,,0, 0,7 A/"x, ½"x,9 7,7,7,9,,7,9., 0,7 A/",7 ½"x, 8,,7,9,,7,0,,0 0,7 A/8"x,9 /8"x,,,88,,,7,,8, 0,7 A/8"x8,9 /8"x9,,,88,,,7,,8, 0,7 A/"x,8 A/"x,7,07 9,0, 8,00,9,0 0,,0 0,7 Elementos de Transmissão.

4 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de conjunto de transmissão por roda denteada. Nota: Observe que neste tipo de desenho a corrente é representada apenas por uma linha primitiva, não havendo a necessidade de representala detalhadamente, uma vez que esta é um elemento padronizado. UFPB Universidade Federal da Paraiba Esc. : RODA DENTEADA Data : Aluno: //00 Rodrigo Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão

5 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de detalhes de transmissão por roda denteada. UFPB Universidade Federal da Paraiba Esc. : RODA DENTEADA Data : //00 Aluno: Rodrigo Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão.

6 Desenho de Máquinas 00/0. Polia para correia trapezoidal.. Desenho de polia para correia trapezoidal Seqüência : Exemplo : desenhar uma polia para correia B0 Interpretação: polia para correia tipo B, com diâmetro primitivo φ0 mm marcar o diâmetro primitivo, e sobre este a largura primitiva da garganta L p = mm (tipo B) determinando os pontos e, pagina. entre na Tabela. e selecione o ângulo da garganta, β= o (é função do diâmetro primitivo e do tipo da correia). Com o ângulo da garganta traçar duas retas inclinadas entre si de β e que passem pelos pontos e. retirar da Tabela. as dimensões P=, e H=,8, e marcar como mostrado na figura ao lado. Estas dimensões definem a profundidade da garganta. retirar da Tabela. a dimensão A=,, marcando no diâmetro externo da polia como indicado na figura ao lado. com os dados da Tabela., podese chegar até este ponto, para concluir o desenho da polia devese possuir os dados do cubo e do corpo da polia, dimensões que são frutos de projeto, e da imaginação de cada projetista... Especificação da polia e da correia trapezoidal: Polia: indicar primeiro o número de gargantas da polia em seguida o tipo da garganta por último o diâmetro primitivo da polia Ex. Polia V, tipo B0 polia para correia V, tipo B com diâmetro primitivo φ0 mm, com gargantas. Correia: indicar o tipo da correia em seguida o comprimento primitivo da correia Ex. Correia B0 correia trapezoidal, tipo B, comprimento 0 mm... Equações L f C ( largura de fundo ) = Lp Htg P β π (comprimen to da correia) = OO cos( α) + L T β ( largura da polia ) = A + L + Ptg ( d + d ) + ( d d ) P P απ 80 o P P P, a em graus.. Elementos de Transmissão

7 Desenho de Máquinas 00/0 sen ( ) d d P P α =, O O Tabela. Dimensões para a garganta da polia para correia trapezoidal (V) TIPOS DE CORREIA Z X A X8 B 7X C X D X9 E 8X CxT L P 8, d p P,,,,7 8, 9, H 7,0 8,7,8, 9,9, A,0,,,0 8,0,0 β β β β β β d P 0 a 80 o o 8 a8 8 o o a80 8 o 8 o o 00 a 80 8 o o 00 a 7 8 o 8 o o 00 a 00 8 o 8 o o 00 a o 8 o Elementos de Transmissão.7

8 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de conjunto de uma transmissão por correia V UFPB Universidade Federal da Paraiba Esc. Suporte articulado Prof. Frederico Data : Aluno: Mat. : //00 Evania Elementos de Transmissão

9 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de detalhes de uma transmissão por correia V UFPB Universidade Federal da Paraiba Suporte articulado Prof. Frederico Esc. Data : Aluno: Mat. : //00 Evania Elementos de Transmissão.9

10 Desenho de Máquinas 00/0.. Exercícios sobre polia e roda dentada Fig. Fig. 8,7 9, 8, dist. do centro mm Ø Ø, Roda A/8"x,Z=Aço Chaveta meialua Aço Porca sext. M, Aço Eixo Aço Arruela lisa Aço Polia p/ correia trapezoidal Z7 fofo Cinco paraf. cab. sext. Mx Aço Porca sextavada M Aço Arruela lisa Aço Eixo Aço Ø0 Ø Ø0 Ø,8 Ø Ø8 Ø7 Fig.,,,9 Fig., 0 7 M Ø,8 Ø Ø Ø 8, M M8 Ø 0 Ø0 Ø0 Ø M Ø, Ø Ø, Fig. 7 M Polia p/ correia trapezoidal BAL Chaveta meialua AL Porca sext. M8Aço Arruela de pressão Aço Eixo Aço Fig. 8 Ø0 Ø Ø Ø Roda A8x,Z=Aço Chaveta meialua Aço Porca sext. Maço Arruela lisa Aço Eixo Aço Chaveta meialua AL Pola p/ correia trapezoidal A90 AL Porca sext. M Aço Arruela lisa Aço Eixo Aço Fig. Fig. dist. do centro mm Roda dentadaa/"x,8z=aço Cinco paraf. cab. sext. Mx0Aço Eixo Aço Ø0 Ø0 00 Polia p/ correia trapezoidalbal Chaveta meialua AL Porca sext. MAço Arruela lisa Aço Eixo Aço Roda a/8"x,z=aço Porca sextavadamaço Arruela lisa Aço Eixo aço. Elementos de Transmissão

11 Desenho de Máquinas 00/0. Engrenagens As engrenagens juntamente com os parafusos são os elementos mais comuns e da maior importância na Engenharia Mecânica. Desta forma, a representação gráfica de acordo com as normas dos diversos tipos de engrenagens se faz necessário para uma correta leitura e interpretação dos desenhos, de forma a permitir sua fabricação, montagem e manutenção... Principais tipos de engrenagens e suas representações Engrenagem cilíndrica de dentes retos: tem seus dentes sobre um cilindro e estes são paralelos à reta geratriz do cilindro, Figura... No desenho de detalhes de engrenagem cilíndrica de dentes retos, normalmente não se faz necessário a vista que mostra a seção circular desta, Figura.. (a) e também não existe a necessidade de representar os dentes nesta vista, a não ser em casos especiais em que isto se faça necessário, como por exemplo pesquisa sobre modificação do perfil do dente, etc. Normalmente a vista de perfil, Figura.. (b) é suficiente, pois nesta já vem representado a largura do dente e o diâmetro da engrenagem. Nos cortes e seções longitudinais aos dentes, estes são representados sem hachuras, Figura.. (c). Devese sempre representar o diâmetro primitivo das engrenagens, pois este é de grande importância tanto para a análise cinemática, como para seu dimensionamento. Este tipo de engrenagem só permite acoplamento entre eixos paralelos, Figura.. (d), podendo também se acoplar a engrenagem Cremalheira reta, Figura..7. (a) (b) (c) (d) Figura.. Engrenagem cilíndrica de dentes retos Engrenagem cilíndrica de dentes helicoidais: tem seus dentes sobre um cilindro, e cada um deles é um segmento de uma hélice, Figura.., página.9. A representação deste tipo de engrenagem é bastante semelhante ao da engrenagem cilíndrica de dentes retos, alguns desenhista para diferencialas, acrescentam ao desenho as hélices da engrenagem, Figura.. (b) e (c). Quando conjugadas, este tipo de engrenagem se acopla de diversas maneiras em função dos ângulos de hélices (b ) de cada engrenagem. De uma maneira geral, o ângulo entre os eixos das engrenagens helicoidais, deve satisfazer à Equação.. Equação. Σ = β ± β, para Σ 90º (a) (b) (c) (d) Figura.. Engrenagem cilíndrica de dentes helicoidais Elementos de Transmissão.

12 Desenho de Máquinas 00/0 Quando engrenagens helicoidais têm ângulos de hélices de sentidos opostos, e de mesmo valor (p. ex. 0º dir e 0º esq), engrenam com eixos paralelos ( =0º 0º=0º), Figura.. (a), quando os ângulos de hélices são de mesmo sentido e de mesmo valor (p. ex. 0º dir e 0º dir), engrenam com eixos ortogonais [ =0º+(90º0º)=90º],, Figura.. (b). (a) (b) Figura.. Engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos paralelos (a) e de eixos ortogonais (b) Quando os ângulos de hélices são diferentes, independente do sentido das hélices, o engrenamento se processa com os eixo reversos, e o ângulo entre os eixos é a soma algébrica dos ângulos das hélices, Equação.. Figuras.. (a) e (b). (a) (b) Figura.. Engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos reversos. Cremalheira: tem teus dentes sobre uma superfície plana, Figura... São engrenagens cujos dentes não possuem perfil evolvental, e sim perfil reto. A cremalheira reta se acopla a engrenagem cilíndrica de dentes retos e a helicoidal a engrenagem cilíndrica de dentes helicoidais. Figura.. Cremalheira reta Figura.. Cremalheira helicoidal Figura..7 Cremalheira reta. Elementos de Transmissão

13 Desenho de Máquinas 00/0 Engrenagem cônica reta: tem seus dentes sobre um tronco de cone, Figura..8, e estes são paralelos à reta geratriz do cone, podem se acoplar com eixos a:7º, 90º (mais comum) e 0º, Figura..9. Figura..8 Engrenagem cônica reta 0,0 90,0 7,0 (a) (b) (c) Figura..9 Engrenagem cônica reta: angulo entre eixos Semfim : É uma parafuso com rosca trapezoidal, Figura.., cujas características do perfil do dente é função do ângulo de pressão e do módulo da engrenagem. A análise do ângulo entre eixos é semelhante ao que foi visto para engrenagem cilíndrica de dentes helicoidais, podendo o parafuso ocupar posições semelhante, eixos paralelos Figura.. (a), eixos ortogonais (mais comum) Figura..(b) e eixos reversos. Figura.. Semfim Figura.. Semfim Coroa/eixos ortogonais Figura.. Semfim Coroa/eixos paralelos Elementos de Transmissão.

14 Desenho de Máquinas 00/0.. Perfil dos dentes das engrenagens Evolvente e cicloide Dentre as curvas utilizadas na engenharia mecânica juntamente com a hélice, a evolvente e a cicloide são de particular importância, isto porque tanto a evolvente como a cicloide, são curvas que permitem transmissão de movimento com conjugado constante ou com diferenças desprezíveis. Os dentes de engrenagem com perfil cicloidal têm hoje sua aplicação basicamente nas engrenagens cônicas Hipóides e Palóides, já as engrenagens com dentes de perfil evolvental são as utilizadas na maioria das aplicações pesadas, sendo a que mais interessa aos engenheiros mecânicos.... Evolvente Definição: Evolvente é a curva descrita por um ponto de uma circunferência, que se afastar da mesma numa trajetória sempre tangente ao girar em torno da mesma. Um exemplo bem prático do que seja uma curva evolvente, se consegue enrolando um cordão em torno de um cilindro Figura.., tendo em sua extremidade um lápis. Se desenrolarmos o cordão mantendoo sempre esticado, o lápis traçará no papel uma curva parecida com a espiral, que é denominada de evolvente ou evoluta de circunferência. A circunferência em torno do qual se enrolou o cordão é denominada Circunferência de Base e é uma das circunferências mais importante no dimensionamento de engrenagens com perfil evolvente.... Desenho aproximado da curva evolvente. Figura.. Evolvente de circunferência Trace a circunferência de base Divida a circunferência de base em um determinado numero de partes iguais ( por exemplo), e por cada ponto assim determinado no perímetro da circunferência, trace uma reta tangente à circunferência. Trace um arco a partir do ponto com centro no ponto, até a reta tangente que passa pelo ponto, e cujo raio é distância de até, para determinar o ponto, Figura... Repita o processo, traçando um segundo arco com centro no ponto, iniciando o arco no ponto, determinado no processo anterior, até o arco tocar a reta tangente que passa pelo ponto, determinando o ponto. Repetir o processo centrando o compasso no ponto, traçando um arco do ponto até a reta tangente que passa por, determinando o ponto ', e assim sucessivamente. Figura.. Desenho aproximado da evolvente de circunferência. Elementos de Transmissão

15 a Desenho de Máquinas 00/0... Cicloide Cicloide é a curva descrita por um ponto da circunferência, quando esta rola sem deslizar sobre uma reta, Figura... Existem outros dois tipos, a epicicloide e a hipocicloide. A primeira acontece quando a circunferência rola sobre outra externamente, e a segunda quando a circunferência rola no interior de outra. Figura.. Desenho aproximado da cicloide.. Principais elementos da engrenagem com perfil do dente evolvental Elementos fundamentais: M módulo [mm] é o número obtido quando se divide o diâmetro primitivo da engrenagem pelo número de dentes desta. Z é o número de dentes da engrenagem. q é o ângulo de pressão da engrenagem define a direção da linha de ação da força que atua sobre o dente da engrenagem, está ligado ao perfil do dente. Elementos complementares: d p diâ. primitivo = MZ a cabeça do dente = M P Passo circular = Mπ d e diâ. externo = d p + M b pé do dente =,M e espessura circular = Mπ/ d i diâ. interno = d p,m h altura do dente =,M r raio do pé do dente = M/ d b diâmetro da base = d p cosθ L largura do dente = k.m; onde, 7 k flanco do dente P e direção da linha de ação da força r b d p d i e d d b θ Figura.. Principais elementos da engrenagem Elementos de Transmissão.

16 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de dentes de engrenagem... Traçado do perfil do dente pelo processo da evolvente de circunferência. Este processo é válido para engrenagens com qualquer ângulo de pressão, Figura... Seqüência: Traçar a circunferência de base, a externa, a interna e a primitiva. Marque sobre a cir. primitiva a espessura do dente. Traçar uma reta que seja tangente à circunferência de base e que passe pelo ponto na circ. primitiva onde foi marcado a espessura do dente. Trace uma reta ligando o ponto assim determinado na cir. de base ao centro das circunferências. Esta reta e a reta radial que passa pelo ponto marcado na cir. primitiva, devem formar um ângulo de valor igual ao do ângulo de pressão da engrenagem, Figura... Traçar outras tangentes e seus correspondentes raios, para dar início ao traçado da evolvente como visto na Figura..., quanto maior for o número de tangentes mais o processo se aproxima da curva teórica. Nota. Não é necessário traçar duas evolventes, uma para a direita e outra para a esquerda, basta fazer um gabarito ou uma cópia espelhada da primeira, e ir aplicando nas outras espessuras dos dentes. Figura.. traçado dos dentes pelo processo da eolvente... Traçado do perfil do dente, pelo método do "Odontógrafo de Grant", Figura... Este processo aproxima o traçado da evolvente através de dois arcos de circunferência, desde que a engrenagem tenha ângulo de pressão º. Na Tabela. abaixo são retirados os parâmetro f e f em função do número de dentes da engrenagem e com estes são calculados os raios dos arcos da circunferência. Seqüência: Traçar as circunferências: primitiva, de base (ângulo de pressão de º), externa e interna. Marque a espessura do dente (e=mπ/) ou (e g =0 o /Z) na circunferência primitiva, determinando os pontos e. Estes pontos servirão de base para determinação dos centros dos arcos de raio R e R na circunferência de base. Trace uma circunferência com centro no ponto e raio R =f'm. Este arco irá interceptar a circunferência de base no ponto. Repita o procedimento agora centrando a circunferência no ponto e raio R, apague parte da circunferência de forma a permanecer apenas o trecho do ponto ao ponto. Repetir todos os procedimento para o ponto. Trace uma circunferência com centro no ponto e raio R =f M. Este arco irá interceptar a circunferência de base no ponto Repita o procedimento agora centrando a circunferência no ponto e raio R, apague parte da circunferência de forma a permanecer apenas o trecho do ponto ao ponto. Repetir todos os procedimento para o ponto. A parte que falta no dente, tem direção radial, basta traçar uma segmento de reta do ponto ao centro da engrenagem, o ponto de intercessão entre a reta e o diâmetro interno da engrenagem (ponto ), determina o pé do dente do dente. 7Traçar o arco do pé do dente, r=m/. Elementos de Transmissão

17 Desenho de Máquinas 00/0 Figura.. Odontógrafo de Grant Tabela do Odontógrafo de Grant Z f f " Z f ' f " 8, 0, 7,8,0,8 0,9 8,9,9,0 0,8 9,99,7, 0,9 0,0,7,,09,0,9,7,,7,0,8,,,09,9,,9, 7,0,8,, 8,,9 70,0 9,,79, 0,,89,0,,98 0,7,9,0 70,,7, 790 7,7,, 90 7,78,7, 80,8,78, 80,... Espessura das linhas na representação convencional de engrenagens. Nos desenhos de engrenagens Figura..7, de uma maneira geral não existe a necessidade de se representar o perfil de seus dentes, devese dar prioridade às formas apresentadas nas Figuras..até... A circunferência externa deve ser representada com linha larga, e a circunferência primitiva por linha estreita. Na seção circular não é necessário representar a circunferência do pé do dente (diâmetro interno da engrenagem), caso queira representála deverá ser utilizada linha estreita. A circunferência de base não deve ser representada no desenho. Figura..7 Espessuras das linha na representação de engrenagens... Módulos e Passo diametrais (sistema norteamericano) normalizados. Tabela. Módulos (M) normalizados. Utilizar de preferência módulos em negrito. Módulo M (mm) 0, 0,70,,8,,90 0, 0,770,7, 7, ,08 0,787,8,090, 7,70 0 0,9 0,87,,, 8,998 0,9 0, 0,907,, 8, 0,77 0,979,87,8,079 9,99 0,08,9, 9,,0 0,0,00,8,79 0,8,08,98,,99,98 Elementos de Transmissão.7

18 Desenho de Máquinas 00/0.. Elementos e representação gráfica da engrenagem cilíndrica de dentes retos É a engrenagem que tem seus dentes gerados sobre a superfície de um cilindro, e os flanco de seus dentes paralelo a reta geratriz do cilindro. Este tipo de engrenagem só permite engrenamento com eixos paralelos.... Elementos da engrenagem cilíndrica de dentes retos, Figura..8 Elementos fundamentais Elementos complementares M módulo(milímetro) d p diâmetro primitivo = MZ h altura do dente = a+b q ângulo de pressão d e diâmetro externo = d p +a P passo circular = Mπ Z número de dentes d i diâmetro interno = d p b e espessura circular = P/ d b diâmetro de base = d p cosθ r = raio do pé = M/ a cabeça do dente = M b pé do dente =,M L largura do dente = k.m, onde 7 k Nota: Engrenagens de qualquer tipo são normalmente muito difíceis de se medir o módulo e o ângulo de pressão, principalmente se os dentes da engrenagem forem modificados, coisa comum na industria. A Equação. abaixo, permite determinar o módulo da engrenagem desde que a altura da cabeça do dente não tenha sido alterada. Equação. M = de Z + Nota: Normalmente como já foi dito anteriormente não existe a necessidade de se representar os dentes da engrenagem, neste caso o motivo é didático, para que se possa visualizar o passo e a espessura do dente. Figura..8 Elementos da engrenagem cilíndrica de dentes retos.8 Elementos de Transmissão

19 Desenho de Máquinas 00/0... Desenho de conjunto de um redutor a engrenagens cilíndricas de dentes retos 8 Porca sextavada Aço SAE 0 M 7 Arruela lisa Aço SAE 0 Ø Lingueta Aço SAE 0 7x8x Paraf.s/cabeça c/ fenda Aço SAE 0 Mx Eixo da coroa Eixo do pinhão Eng. Cil. de dentes retos Aço SAE 0 Ø0x0 Aço SAE Øx0 Aço SAE 0 Ø0x0 N Eng. Cil. de dentes retos Denominação Q Aço SAE 0 Ø0x0 Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Cil. de dentes retos Prof. Frederico Esc. : Data : //00 Aluno: Claudia Mat Elementos de Transmissão.9

20 Desenho de Máquinas 00/0... Desenho de detalhes de um redutor a engrenagens cilíndricas de dentes retos Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens 7, 8 8 Ø0 0,x A Ø Ø Esc. : Seção AA A M broca Ø Ø0,80 9,80, Ø Ø R,8 8 9, 7 8 Seção BB M Eng. Eng. Z M Dados das engrenagens O dp a b h 8 80, 0, P, raio do pé,, B B 9 9 Lingueta Aço SAE 0 7x8x Eixo do coroa Eixo da pinhão Aço SAE 0 Ø0x0 Aço SAE Øx0 0 Eng. Cil. de dentes retos Eng. Cil. de dentes retos Aço SAE 0 Ø0x0 Aço SAE 0 Ø0x0 N Denominação Q Especificação e Material Ø Esc. UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Cil. de dentes retos : Data : //00 Aluno: Claudia Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão

21 Desenho de Máquinas 00/0.. Elementos e desenho da cremalheira reta Este tipo de engrenagem tem o perfil dos dentes retos, e devese toda vez que for desenhada ter seus dentes representados, de forma poder se cotar a altura do dente e principalmente o ângulo do flanco de dente.... Elementos Elementos Fundamentais Elementos complementares P θ r M módulo a cabeça do dente = M q ângulo de pressão b pé do dente =,M h altura do dente = a+b P passo da engrenagem e espessura do dente = P/ r raio do pé = M/ L largura do dente = Mπ... Desenho de conjunto de um redutor a cremalheira reta = km, onde 7 k Elementos de Transmissão.

22 Desenho de Máquinas 00/0... Desenho de detalhes de um redutor a engrenagens cilíndricas de dentes retos e cremalheira reta Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens Α Β CORTE AB Escala :. Elementos de Transmissão

23 δ Desenho de Máquinas 00/0..7 Elementos e desenho da engrenagem cônica reta. Este tipo de engrenagem tem o flanco de seus dentes, paralelo à geratriz do cone no qual são gerados...7. Elementos Denominação Símbolo Coroa Pinhão Elementos fundamentais módulo M M número de dentes Z Z Z ângulo de pressão q θ ângulo entre eixos S δ +δ Elementos complementares diâmetro primitivo d p Mz Mz diâmetro externo d e dp +Mcosδ dp +Mcosδ geratriz do cone primitivo R MZ /senδ MZ /senδ semiângulo do cone primitivo d Z Z δ = tg sen( ) + cos( ) δ = tg sen( ) + cos( ) Z Z semiângulo do cone externo d a δ a =δ +θ a δ a =δ +θ a semiângulo do cone interno d b δ b =δ θ b δ b =δ θ b tg Z + Z ângulo da cabeça q a θ a =θ a = ( ) ( ) ângulo do pé q b θ b =θ b = tg, ( Z ) + ( Z ) altura da cabeça a M altura do pé b,m altura do dente h a+b raio do pé r M/ θ θ Σ δ δ δ δ δ θ θ A determinação do módulo da engrenagem cônica se faz segundo a Equação., Equação. d M = e z + cosδ Elementos de Transmissão.

24 Desenho de Máquinas 00/0..7. Como desenhar engrenagem cônica reta Seqüência: O Eixo da coroa coroa Eixo do pinhão Figura..9 pinhão Trace os eixos das engrenagens com a inclinação necessária ( ). Marque os diâmetros primitivo das engrenagens perpendiculares aso seus eixos como mostrado na Figura..9, determinando o ponto. Trace os cones primitivos das engrenagens, ligando o ponto ao vértice 0, Figura..0. Marque sobre os cones a largura (L) do dente, determinando os pontos e. A partir destes pontos levante perpendiculares ao cone primitivo, Figura... Sobre as perpendiculares traçadas, marque a altura da cabeça do dente (a), e a altura do pé do dente (b), como mostrados na Figura... Ligue a cabeça e o pé do dente ao vértice do cone (O). O desenho deve ficar como mostrado na Figura... Para que o desenho da engrenagem seja concluído é necessários dados do cubo e do corpo desta. Dispondo destas informações a engrenagem ficará como representada na Figura... 0 ' Figura..0 Figura.. Figura.. Figura.. Vistas da engrenagem cônica reta. Elementos de Transmissão

25 Desenho de Máquinas 00/0..7. Desenho de conjunto de um redutor a engrenagens cônicas Arruela lisa Aço SAE 0 Ø 7 Porca sextavada Eixo da coroa N Lingueta Lingueta Eixo do pinhão Corôa cônica Pinhão cônico Denominação Aço SAE 0 M UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Prof. Cônicas Esc. Data : : //00 Q Aço SAE 0 xx Aço SAE 0 xx7 Aço SAE 0 Ø0x00 Aço SAE Øx00 Aço SAE 0 Øx Aço SAE 0 Øx0 Especificação e Material Aluno: Romero Frederico Mat Elementos de Transmissão.

26 Desenho de Máquinas 00/0..7. Desenho de detalhes de um redutor a engrenagens cônicas Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens. Ra Ra Ra0 Ra ( ) Ra Ra0 Ra ( ) Ra Ra0 Ra ( ) Ra 9 ' Ra Ra0 Ra ( ) Eng. Eng. Z Dados das engrenagens M θ dp a b h P b Geratriz raio do pé 90,,, Lingueta Lingueta 0 ' ' 9 ' ' 8,, Aço SAE 0 xx Aço SAE 0 xx7 Eixo do pinhão Aço SAE 0 Ø0x00 Eixo da coroa Aço SAE Øx00 Corôa cônica Aço SAE 0 Øx Pinhão cônico Aço SAE 0 Ø7x0 N Denominação Q Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Cônicas Prof. Frederico Esc. Data : : //00 Aluno: Claudia Mat Elementos de Transmissão

27 Desenho de Máquinas 00/0..8 Elementos e desenho de engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais...8. Descrição Na engrenagem helicoidal cada dente é parte de uma hélice, Figura.., é como se estivéssemos tratando com roscas múltiplas, onde cada entrada é um dente, portanto todos os elementos vistos quando do estudo de roscas, estarão presentes neste capítulo, a diferença está no perfil do dente da engrenagem, que possui forma evolvental e na altura do dente que é função do módulo da engrenagem. B Corte BB B..8. Elementos Figura.. Engrenagem helicoidal Elementos fundamentais Elementos complementares M módulo(milímetro) d p diâmetro primitivo = MZ/cosβ P c passo circular = Mπ/cosβ θ ângulo de pressão d e diâmetro externo = d p +a P n passo normal = Mπ Z número de dentes d i diâmetro interno = d p b P a passo axial = Mπ/sem(β) β ângulo de hélice d b diâmetro de base = d p cosθ Ph passo da hélice = MπZ/senβ Sentido da hélice a cabeça do dente = M e n espessura normal = P n / b pé do dente =,M e c espessura circular = P c / h altura do dente = a+b r raio do pé = M/ Di diâmetro primitivo ideal = dp/cos β Zi número de dentes ideais Z/cos β L largura do dente = k.m, 7 k Nota: O número de dentes ideais (Zi), é utilizado para selecionar a freza, ferramenta utilizada na usinagem de engrenagens. A determinação do módulo da engrenagem helicoidal se faz segundo a Equação., desde que a cabeça do dente da engrenagem não tenha sido modificada. Equação. M = de Z + cosβ Elementos de Transmissão.7

28 Desenho de Máquinas 00/0..8. Desenho de conjunto de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos paralelos Porca sextavada Arruela lisa Aço SAE 0 M Aço SAE 0 Ø Lingueta Paraf. s/ cabeça c/ fenda Aço SAE 0 7x8x Aço SAE 0 Mx Eixo do pinhão Aço SAE 0 Øx0 Eixo da coroa Aço SAE Ø0x0 Coroa helicoidal Aço SAE 0 Øx0 Pinhão helicoidal Aço SAE 0 Øx0 N Denominação Q Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Cil. de dentes helicoidais Prof. Frederico Esc. Data : : //00 Aluno: Claudia Mat Elementos de Transmissão

29 Desenho de Máquinas 00/0..8. Desenho de detalhes de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais de eixos paralelos. Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens 0 M broca Ø 8 Ø,88, Ø Ø0 7, Ø,8, 0 G,8 Ø0 Ø 9, G,x,9 Seção GG 0 8 F M Ø Seção FF 8 F Eng. Eng. Dados das engrenagens Z M O dp a b h Pn Pc Ph raio do pé 8 8,8 Esq,,,, 97,0, Dir,88,, Esc. Chaveta inclinada Eixo da coroa N Eixo do pinhão Corôa helicoidal Pinhão helicoidal Denominação UFPB Universidade Federal da Paraiba : Q Aço SAE 0 8x7x Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE Ø0x0 Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE 0 Øx0 Especificação e Material Redutor a engreagens Cil. de dentes helicoidais Data : Aluno: //00 Claudia Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão.9

30 Desenho de Máquinas 00/0..8. Desenho de conjunto de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos ortogonais 7 7 Porca sextavada Aço SAE 0 M8 N Arruela lisa Chaveta meialua Eixo do pinhão Eixo da coroa Coroa helicoidal Pinhão helicoidal Denominação Q Aço SAE 0 Ø8 Aço SAE 0 Øx Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE Øx0 Aço SAE 0 Ø7x9, Aço SAE 0 Øx Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Prof. Cil. de dentes helicoidais Frederico de eixos ortogonais Esc. Data : Aluno: Mat. : //00 Claudia Elementos de Transmissão

31 Desenho de Máquinas 00/0..8. Desenho de detalhes de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos ortogonais Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens,0, Ø8,8 Ø8 Ø7,, Ø, Ø,7,7, 9, 9, M8 00,7,7 Ø,0 M8, Ø, 8 0 Ø,0, Ø Dados das engrenagens Z M O dp a b h Pn Pc Ph raio do pé Eng. 8 Esq,7,,9,,, Eng. Esq,,9 88,77, Chaveta meialua Eixo da coroa Eixo do pinhão Aço SAE 0 Øx Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE Øx0 Coroa helicoidal Pinhão helicoidal Aço SAE 0 Ø7x9, Aço SAE 0 Øx N Denominação Q Especificação e Material Ø,7 UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Prof. Cil. de dentes helicoidais Frederico de eixos ortogonais Esc. Data : Aluno: Mat. : //00 Claudia Elementos de Transmissão.

32 Desenho de Máquinas 00/ Desenho de conjunto de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos reversos Arruela lisa Aço SAE 0 Ø 7 N Esc. Porca sextavada Lingueta Lingueta Eixo do pinhão Eixo da coroa Pinhão helicoidal Coroa helicoidal Denominação Redutor a engreagens Cil. de dentes helicoidais de eixos reversos Data : Aluno: : //00 Claudia Q Aço SAE 0 M Aço SAE 0 xx Aço SAE 0,xx7 Aço SAE 0 Øx9 Aço SAE Ø9x Aço SAE 0 Ø8x Aço SAE 0 Ø7x0 Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão

33 Desenho de Máquinas 00/ Desenho de detalhes de uma transmissão por engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais, de eixos reversos Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens Ra Ra Ra Ra Ra0 Ra ( ) Ra0 Ra ( ) Ra0 Ra ( ) Ra Ra Ra0 Ra ( ) Dados das engrenagens Z M O b dp a b h Pn Eng. 8 Esq 97,,,, Eng. Esq,7 Pc 8,, Ph 8,7 0,7 raio do pé, N Lingueta Lingueta Eixo do pinhão Eixo da coroa Pinhão helicoidal Coroa helicoidal Denominação Redutor a engreagens Cil. de dentes helicoidais de eixos reversos Aço SAE 0 xx Aço SAE 0,xx7 Aço SAE 0 Øx9 Aço SAE Ø9x Aço SAE 0 Ø8x Aço SAE 0 Ø7x0 Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Esc. Data : Aluno: : //00 Claudia Q Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão.

34 Desenho de Máquinas 00/0..9 Elementos e desenho do parafuso semfim O perfil da rosca do parafuso semfim é muito semelhante à rosca trapezoidal já estudada anteriormente, as diferenças se verificam no ângulo do flanco que é função do ângulo de pressão e na altura do filete que é função do módulo. O angulo entre eixos é função dos ângulos de hélices do semfim e da engrenagem helicoidal a ele acoplada, o procedimento para identificar o posicionamento dos eixos é análogo ao visto no item Elementos. Elementos fundamentais Elementos complementares Módulo M Diâmetro primitivo d P = MZ/sen(λ) Ângulo de pressão q Diâmetro de base d b = d P cos(θ) Número de dentes Z (número de entradas) Diâmetro externo d e = d P + a Ângulo de hélice b Diâmetro interno d i = d p b Ângulo entre eixos = β ± β Cabeça do dente a = M Ângulo do flanco l = 90º β Pé do dente b =,M Sentido da hélice Direita ou Esquerda Altura do dente h = a = b Passo normal P = Mð Pa φ Passo axial Passo da hélice Altura teórica Ângulo de flanco Pa = Mð/cos(λ) Ph = Pa Z H = Pa/tg(Φ/) F = θ λ β di dp de H/ b a Ph Figura.. Elementos do parafuso semfim α Figura.. Elementos da coroa helicoidal Nota: L Largura do dente da Coroa Helicoidal: é uma dimensão de projeto (disciplina Elementos de Máquinas), na disciplina Desenho de Máquinas esta largura é fornecida ou medida em um elemento real. Os dados da coroa helicoidal são os mesmos encontrados na Página.7. Uma vez dimensionado a largura da Coroa, os pontos K e T são determinados pela interseção entre a circunferência externa do semfim e os flancos da coroa, ver desenho de conjunto da página seguinte.. Elementos de Transmissão

35 ..9. Desenho de conjunto de uma transmissão por engrenagens parafuso semfim e coroa helicoidal Desenho de Máquinas 00/0 7 Κ Τ 8 8 Porca sextavada Aço SAE 0 M 7 Arruela lisa Parafuso semfim N Pino cônico Lingueta Eixo do pinhão Eixo da coroa Coroa helicoidal Denominação Esc. Data : : //00 Aço SAE 0 Ø Q Aço SAE 0 Øx0 UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens semfim coroa Aço SAE 0 7x8x7 Aço SAE 0 Ø9x09 Aço SAE Ø9x Aço SAE 0 Ø8x70 Aço SAE 0 Ø0x Especificação e Material Prof. Frederico Aluno: Mat. Claudia Elementos de Transmissão.

36 Desenho de Máquinas 00/0..9. Desenho de detalhes de uma transmissão por engrenagens parafuso semfim e coroa helicoidal Nota: Neste tipo de desenho devese sempre colocar uma tabela com os dados das engrenagens D seção DD R, Z M O Parafuso Esq 7, Corôa Esq 7, b Dados das engrenagens dp a b h Pn Pa,,,, 7, Pc Ph,, 89,8 raio do pé, N Lingueta Eixo do pinhão Eixo da coroa Parafuso semfim Coroa helicoidal Denominação Q Aço SAE 0 7x8x7 Aço SAE 0 Ø9x09 Aço SAE Ø9x Aço SAE 0 Ø8x70 Aço SAE 0 Ø0x Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens semfim coroa Prof. Frederico. Elementos de Transmissão

37 Desenho de Máquinas 00/0. Representação simplificada e simbólica de rolamentos Na representação gráfica de rolamento, devese dar preferência a representação simbólica, de forma a simplificar o desenho, uma vez que se trata de elemento padronizado. Simplificada Simbólica Simplificada Simbólica Rolamento rígido de esferas Rolamento rígido de duas carreiras de esferas Furo cônico Furo cilíndrico Rolamento autocompensador de esferas Furo cônico Furo cilíndrico Rolamento autocompensador de rolos Elementos de Transmissão.7

38 Desenho de Máquinas 00/0 Rolamento de esferas de contato angular. Rolamento de rolos cilíndricos Rolamento axial de esferas Rolamento axial de esferas Rolamento axial de esferas com com assento plano com assento esférico contraplaca esférica Rolamento de rolos cônicos Rolamento axial de rolos Rolamento de agulhas Vista lateral simbólica para todos os tipos de rolamentos.8 Elementos de Transmissão

39 Desenho de Máquinas 00/0.. Montagens simples de rolamentos Montagens para rolamentos de esfera, cônicos, e autocompensadores de furo cilíndrico Montagem para rolamentos axiais Montagem para rolamentos autocompesadores de furo cônico. Buchas cilídrica Tabela. Tabela de buchas cilídricas com e sem flange Forma A L Forma B com flange L h D d Df d D Designação: bucha forma d X D X L UNI Exemplo: Bucha tipo A; Ø X Ø X UNI d D L Df h Elementos de Transmissão.9

40 Desenho de Máquinas 00/0.. Desenho de conjunto de um redutor com buchas cilíndricas nos apoios 7 7,8 8, 99, 77,8 7 Anel elástico externo 0 Aço SAE Øx Pino elástico 0 Aço SAE Øx Bucha cilíndrica tipo B 0 Bronze ØxØx N Esc. Bucha cilíndrica tipo B Eixo Eng. Cil. de dentes retos Eng. Cil. de dentes retos Denominação : 0 0 Q Bronze Ø0xØx0 Aço SAE Øx Aço SAE 0 Ø90x Aço SAE 0 Ø0x Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Redutor a engreagens Cil. de dentes retos Data : //00 Aluno: Evania Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão

41 Desenho de Máquinas 00/0. Retentor ("O"RING) Tabela. Dimensões dos retentores e da ranhura d d d d d d d d d d,8 Ω,0 Ω, Ω ou Φ, Φ ou & 7, & ou,00 Ω,70 Ω ou Φ,0 Ω ou Φ, Φ ou & 8,7 & ou, Ω,90 Ω ou Φ,0 Ω ou Φ, Φ ou & 0,0 & ou,0 Ω 7, Ω ou Φ,0 Ω ou Φ, Φ ou &, & ou,80 Ω 7,0 Ω ou Φ 7,0 Ω ou Φ, Φ ou &,0 & ou,00 Ω 8,00 Ω ou Φ 8,0 Ω ou Φ ou &, Φ ou &, & ou, Ω 8,0 Ω ou Φ 9,0 Ω ou Φ ou & 7, Φ ou &,0 & ou, Ω 9,00 Ω ou Φ 0,0 Ω ou Φ ou & 8, Φ ou & 8,0 & ou,00 Ω 9,0 Ω ou Φ, Ω ou Φ ou & 0,0 Φ ou & ou 0,0 & ou,0 Ω,0 Ω ou Φ, Ω ou Φ ou &, Φ ou & ou, & ou,00 Ω, Ω ou Φ, Ω ou Φ ou &, Φ ou & ou,0 & ou,0 Ω, Ω ou Φ,0 Ω ou Φ ou &,7 Φ ou & ou,0 & ou,0 Ω,8 Ω ou Φ, Ω ou Φ ou &,0 Φ ou & ou 7,0 & ou,00 Ω, Ω ou Φ 8,0 Ω ou Φ ou &, Φ ou & ou 9,0 & ou Especificação: Denominação; d x (Ω ou Φ ou &ou ) material (elastômero) Simbologia: d =Ω=,80 mm d =Φ=, mm d =&=, mm d = =,0 mm Exemplo: ORing; φx,8 Silicone.. Sede em flange ( montagem estática) D = dx(,8 a,) G = dx (0,7 a 0,7) R = 0,xd r = 0, a 0,.. Sede no cubo e sede no eixo (montagem para movimento alternativo ou rotativo) D =,0xd G = 0,9xd R = 0,xd r = 0, a 0, f G = 0,9xd Montagem no cubo Montagem no eixo Elementos de Transmissão.

42 Desenho de Máquinas 00/0.7 Exemplo de desenho de um redutor a engrenagens cilíndricas de dentes retos..7. Desenho de conjunto Incl. :0 Retentor Aço SAE ØxØx0, Visor Vidro Øx,0 Tampa do redutor Paraf. cabeça sextavada Pino cilíndrico Rol. de uma carreira de esferas 0 ZKL 00 Eixo do pinhão Eixo da coroa N Denominação Rol. de uma carreira de esferas 0 Pinhão reto Aro fixador do visor Paraf. cabeça sextavada Caixa do redutor Paraf. cabeça sextavada Chaveta inclinada Coroa reta 0 fofo Q Aço SAE Øx, Aço SAE 0 Mx fofo Aço SAE M8x Aço SAE 0 Mx Aço SAE,x,x Aço SAE 0 Øx ZKL 00 Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE Ø0x0 Aço SAE 0 Ø0x0 Aço SAE 0 Ø0x0 Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba REDUTOR Prof. Frederico Esc. : Data : //00 Aluno: Evania Mat Elementos de Transmissão

43 Desenho de Máquinas 00/0.7. Desenhos de detalhes, 0 x Ø0 Ø8 Ø, Ø 8, 0 Ø0 8, 98 Ø, 97 8,,8 Ø 8, 9 8,8 Ø0 R9 Ø, Ø x Ø0 Ø0 Ø0 x,,, R x Mx Ø Ø8 Ø 7, Coroa Pinhão Z 8 M Esc. : Dados das engrenagens O dp a b h P 0 80,,, raio do pé,, Ø Esc. : 8 Incl. :0 Esc. : Visor 8 Chaveta inclinada N Aro fixador do visor Pinhão reto Coroa reta Eixo do pinhão Eixo da coroa Esc. Denominação : REDUTOR Vidro Øx,0 Aço SAE Øx, Aço SAE,x,x Aço SAE 0 Øx0 Aço SAE Ø0x0 Aço SAE 0 Ø0x0 Aço SAE 0 Ø0x0 Especificação e Material UFPB Universidade Federal da Paraiba Data : //00 Q Aluno: Evania Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão.

44 Desenho de Máquinas 00/0 0,7 R0 R C,,7,, Quatro furos Ø Seis furos M broca Ø, Ø Ø8,,8 8, 87, 8,7 A Visto de A M broca Ø 7, Mx Ø0 Ø8 0, Visto de C 0 0 Ø7 Ø Ø 7,,,, Caixa do redutor fofo N Denominação UFPB Universidade Federal da Paraiba Esc. Data : : //00 Q REDUTOR Especificação e Material Aluno: Evania Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão

45 B Desenho de Máquinas 00/0 M8 broca Ø,8 0 Visto de B 79, R,8, 78, R8,, 8 9, Corte DE 8, Seis furos Ø,8 C 7, D Ø8 Ø 8 8, 9, E Ø 9,7,,9 D Ø Corte CD Ø8 8, R Tampa do redutor fofo N Esc. Denominação UFPB Universidade Federal da Paraiba : Data : //00 Q REDUTOR Especificação e Material Aluno: Evania Prof. Frederico Mat Elementos de Transmissão.

46 Desenho de Máquinas 00/0.8 Exercícios de engrenagens Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo indicando tolerância de circularidade de 0, mm para a engrenagem e tolerância de retitude de 0,mm para a cremalheira. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e rugosidade Ra=µm para o eixo e para o cubo da engrenagem no trecho de diâmetro φ0 mm. θ ç Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo indicando tolerância de circularidade de 0,mm para a engrenagem e 0,mm para a engrenagem. Indique tolerância de cilindricidade de 0,mm para os eixos e para os cubos nos trechos de diâmetro mm e 8.mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens. b b. Elementos de Transmissão

47 Desenho de Máquinas 00/0 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indicando tolerância de retitude de 0,mm para a cremalheira e tolerância de circularidade de 0,mm para a engrenagem. Indique rugosidade Ra=µm para os flancos dos dentes das engrenagens e Ra=µm para o cubo e para o eixo nos trechos de diâmetro 0mm. Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indicando tolerância de circularidade de 0,mm nos trechos cônicos dos dentes das engrenagens e tolerância de cilindricidade de 0,mm para os eixos nos diâmetros de 0mm e 0mm. Indique rugosidade Ra=µm para os flancos dos dentes e Ra= µm para os eixos nos diâmetro 0 e 0 mm. Elementos de Transmissão.7

48 Desenho de Máquinas 00/0 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo indicando tolerância de circularidade de 0,mm nos trechos cônicos dos dentes das engrenagens e tolerância. de cilindricidade de 0,mm para os eixos nos diâmetros 0mm e 0mm. Indique rugosidade Ra=µm para os flancos dos dentes e Ra=0µm nas demais partes das engrenagens. Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo indicando tolerância de retitude de 0,mm para a cremalheira e tolerância de circularidade de 0,mm e de cilindricidade de 0,mm para a circunferência externa da engrenagem. Indique rugosidade Ra=µm para os flancos dos dentes da engrenagem..8 Elementos de Transmissão

49 Desenho de Máquinas 00/0 7 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indicando tolerância de circularidade de 0,0mm e cilindricidade de 0,0mm para as circunferências externas das engrenagens. Indique rugosidade Ra=µm para os flancos dos dentes das engrenagens e Ra=8µm nas demais partes das engrenagens. 8 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo. Indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos nos diâmetros de mm e mm, e rugosidade Ra= µm para os cubos e eixos nos diâmetros mm e mm. Indique também Ra=µm para os flancos dos dentes das engrenagens. Elementos de Transmissão.9

50 Desenho de Máquinas 00/0 9 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de circularidade de 0, mm para as circunferências externas da engrenagem e do semfim. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e rugosidade Ra=µm para o eixo e para o cubo da engrenagem no diâmetro mm. Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para as circunferências externas da engrenagem e do semfim. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e Ra=µm para o eixo e para o cubo da engrenagem no diâmetro 8 mm..0 Elementos de Transmissão

51 Desenho de Máquinas 00/0 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0,0 mm para as circunferências externas da engrenagem e do semfim. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e Ra=µm para o eixo e para o cubo da engrenagem no diâmetro mm. Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para as circunferências externas da engrenagem e do semfim. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e Ra=µm para o eixo e para o cubo da engrenagem no diâmetro mm. Elementos de Transmissão.

52 Desenho de Máquinas 00/0 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de circularidade de 0,0 mm para as circunferências externas da engrenagem e do semfim. Indique rugosidade Ra=0µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e Ra=µm para o eixo e para o cubo das engrenagens nos diâmetros mm e 0 mm. Ranhura para chaveta meialua M Ranhura para presilha externa Ø0 Ø Rasgo para chaveta meialua 0 0 Ø0 Ø Ranhura para chaveta meialua Ranhura para chaveta meialua 0 Ø0 Ø0 Ø Ø7 Ø 0 9 M= Z=0 Z= θ= Σ=90 L=8 L= e Mat. dos eixos, chavetas, porcas, e Mat. das engrenagens fofo arruela e presilha aço SAE 0. Elementos de Transmissão

53 Desenho de Máquinas 00/0 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos nos diâmetro de 0 e 0 mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes, e Ra=µm para os eixos e cubos das engrenagens, nos diâmetros 0 e 0 mm Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos no diâmetro de 0 mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes, e Ra=µm para os eixos e cubos das engrenagens, no diâmetro 0 mm. Elementos de Transmissão.

54 Desenho de Máquinas 00/0 Rasgo para lingueta Cubo com ranhura. 0 Ø0 Posição do rasgo para a lingueta forma B. W" Eixo com ranhura. Ø0 x, Ø0 Ø Ø0 Ø Ø Ø0 e Mat. das engrenagens fofo e Mat. dos eixos, chavetas, porcas, arruela aço SAE 0 Ø0 M=8 Z= Z=0 θ= Σ=90 L=90 L=9 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos e cubos com diâmetro de e mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes, e Ra=µm para os eixos e cubos das engrenagens, no diâmetro e mm.. Elementos de Transmissão

55 Desenho de Máquinas 00/0 7 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos no diâmetro de e mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes, e Ra=µm para os eixos e cubos das engrenagens, com diâmetro e mm. 8 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para os eixos no diâmetro de e mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes, e Ra=µm para os eixos e cubos das engrenagens, com diâmetro e mm Elementos de Transmissão.

56 Desenho de Máquinas 00/0 9 Execute o desenho de conjunto e de detalhes do redutor abaixo e indique tolerância de cilindricidade de 0, mm para o eixo e cubo no diâmetro de mm. Indique rugosidade Ra=µm nos flancos dos dentes das engrenagens, e Ra=µm para o eixo e cubo da engrenagem, no diâmetro mm.. Elementos de Transmissão

DESENHO DE MÁQUINAS. Aluno: Mat.

DESENHO DE MÁQUINAS. Aluno: Mat. D i s c i p l i n a DESENHO DE MÁQUINAS 0 0 6 / 0 P r o f. F r e d e r i c o A. M. d o V a l e Aluno: Mat. SUMÁRIO Lista de tabelas IV 0 Introdução Normas gerais do Desenho Técnico de Mecânico. Formatos,

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ENGRENAGENS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Engrenagens são utilizadas para transmitir movimento de um eixo rotativo para outro ou de um eixo rotativo para outro que translada (rotação

Leia mais

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas Engrenagens cilíndricas de dentes retos Alan Christie da Silva Dantas Motivação Extensamente usadas para transmissão de movimento em maquinas industriais; Rotativo rotativo; Rotativo linear. Caixas de

Leia mais

SEÇÃO 1 MÁQUINA BÁSICA

SEÇÃO 1 MÁQUINA BÁSICA CONTEÚDO SEÇÃO 1 MÁQUINA BÁSICA CJ. CHASSI SHM 11/13 15/17... 1-2 CJ. PÉ DE APOIO... 1-4 CJ. CONTRAPESOS... 1-6 CJ. CABEÇALHO... 1-8 CJ. CABEÇALHO SHM 11/13 15/17... 1-10 CJ. RODADO DIR. / ESQ. SHM 11/13

Leia mais

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

Comandos. MOTOCULTIVADOR GASOLINA - BFG 920 MASTER Caixa Engrenagens Completas

Comandos. MOTOCULTIVADOR GASOLINA - BFG 920 MASTER Caixa Engrenagens Completas MOTOCULTIVADOR GASOLINA - BFG 0 MASTER Caixa Engrenagens Completas Comandos 00 00 PEÇA (CAIXA DE ENGRENAGEM COMPLETA) Caixa Engren. Rotativas Porca M Chapa Espacadora União Caixas Chapa União Caixas Engrenagens

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais A UU L AL A Na aula passada você viu como fresar engrenagens cilíndricas de dentes retos, utilizando o aparelho divisor universal e divisão indireta.

Leia mais

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N M Questões orte / Torção Questões de Testes e rovas orte uro Torção ura 8 parafusos Φ = 10 mm cordões de solda a = mm; l =160 mm 160 00 60 k N (1) ROV 003-01 O duto esquematizado é fabricado em chapa de

Leia mais

Engrenagens III. A máquina de uma empresa se quebrou. O. Conceituação. Características e cálculos de engrenagem com dentes helicoidais

Engrenagens III. A máquina de uma empresa se quebrou. O. Conceituação. Características e cálculos de engrenagem com dentes helicoidais A U A UL LA Engrenagens III Introdução A máquina de uma empresa se quebrou. O mecânico de manutenção foi chamado. Depois de desmontá-la, identificou o defeito: a engrenagem helicoidal estava quebrada.

Leia mais

KTR ADVANCE EDIÇÃO - 2000 CÓDIGO - 846691

KTR ADVANCE EDIÇÃO - 2000 CÓDIGO - 846691 KTR ADVANCE Versão em Português MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompéia SP Brasil Tel.: (0XX14) 4521811 Fax: (0XX14) 4521916 Email: jacto@jacto.com.br Home page: www.jacto.com.br

Leia mais

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS * ENGRENAGEM DENTADA CILÍNDRICA * CREMALHEIRAS * ENGRENAGEM CÔNICA * BARRAS E PORCAS DE ROSCA TRAPEOIDAL * ENGRENAGEM PARA CORRENTE NORMA DIN * BUCHAS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) Notas de Aulas v.2016 DESENHO DE CONJUNTO E DE DETALHE DEFINIÇÕES Conjuntos Mecânicos Peças justapostas

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra

DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra REF. DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra Torrão 05 Lateral Direito do Quebra Torrão 06 Roda do

Leia mais

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito A UU L AL A Engrenagens V A ponte rolante precisava de reparos. A coroa e o parafuso com rosca sem-fim estavam com defeitos. Os dentes da coroa e os filetes da rosca do parafuso estavam desgastados. O

Leia mais

CM 9000. evolux. Peças e Partes

CM 9000. evolux. Peças e Partes CM 9000 evolux Peças e Partes IITEM ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1,0 ESTRUTURA E PARTES E EXTERNAS 1.1 GABINETE 2/3 1.2 TAMPA 4/5 1.3 SUPORTE E MONITOR 6/7 1.4 MECANISMO DA PORTA 8/9 2,0 TANQUE DA REFRIGERAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

Sumário. ANÉIS DE FIXAÇÃO RFN 7013 - Instruções de montagem e desmontagem...14

Sumário. ANÉIS DE FIXAÇÃO RFN 7013 - Instruções de montagem e desmontagem...14 ELEMENTOS DE FIXAÇÃO CATÁLOGO 2 Tel.: (011) 5180-1777 - Fax:(011) 5181-1777 Este catálogo apresenta nossa linha básica de elementos de fixação eixo-cubo. A pedido podemos fornecer outros dois catálogos:

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE ARTICULAÇÃO E CONTRATOS COORDENAÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO TALHAS ELÉTRICAS DE CORRENTE TIPO R20

LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO TALHAS ELÉTRICAS DE CORRENTE TIPO R20 LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO TALHAS ELÉTRICAS DE CORRENTE TIPO R20 Stahl Talhas Equipamentos de Movimentação Ltda. 1 TALHA ELÉTRICA DE CORRENTE DE ELOS R20 COMPLETA 2 1 Caixa de engrenagens 1 20 323 01

Leia mais

Parte 2: Catálogo de Peças Tritton 3000, 3600 e 4600

Parte 2: Catálogo de Peças Tritton 3000, 3600 e 4600 Parte 2: Catálogo de Peças Tritton 3000, 3600 e 4600 52 TRITTON 3000 01 03800008 Braçadeira 04 02 05100002 Bucha 01 03 06300300 Mangueira 02 04 07100012 Pino 01 05 07101100 Protetor 01 06 07101300 Haste

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Itens com * somente vendidos no KIT. Preço e prazo de entrega somente mediante solicitação.

Itens com * somente vendidos no KIT. Preço e prazo de entrega somente mediante solicitação. LISTA DE PEÇAS LISTA DE PEÇAS SEPARADOR S655 Nº Código Descrição Quantidade 1 Carcaça 1 2 * Porca sextavada normal DIN 934 / M8 12 3 * Arruela lisa DIN 125 / M8 12 4 * Parafuso DIN 939 / M8 x 25 12 5

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS 1.01.02.02.02.002

CATÁLOGO DE PEÇAS 1.01.02.02.02.002 CATÁLOGO DE PEÇAS Carreta distribuidora de torta de filtro.0.0.0.0.00 Av. Marginal Francisco Vieira Caleiro, 00 - Distr. Industrial Caixa Postal - CEP -00 - Sertãozinho - SP Fone: ().00 - Fax: ().0 Fone:

Leia mais

ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS

ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS 1-1 - ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS 2 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS ADUBADOR DE DISCOS 2300A 1.04.01.02.01.001

CATÁLOGO DE PEÇAS ADUBADOR DE DISCOS 2300A 1.04.01.02.01.001 CATÁLOGO DE PEÇAS ADUBADOR DE DISCOS 00A.0.0.0.0.00 Av. Marginal Francisco Vieira Caleiro, 00 - Distr. Industrial Caixa Postal - CEP -00 - Sertãozinho - SP Fone: ().00 - Fax: ().0 ÍNDICE CHASSI DO DISTRIBUIDOR

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS. Prof.: Daniel João Generoso

Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS. Prof.: Daniel João Generoso 1 Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS Prof.: Daniel João Generoso 2009 2 INTRODUÇÃO Um projeto de máquina surge sempre para satisfazer uma necessidade, seja ela industrial, comercial, para lazer, etc. Nasce

Leia mais

1. Estruturas e tipos de rolamentos

1. Estruturas e tipos de rolamentos 1. Estruturas e tipos de rolamentos 1-1 Estrutura Os rolamentos normalmente consistem de anéis de rolamento, elementos de rolagem e uma gaiola (veja Fig. 1-1). Os elementos de rolagem são dispostos entre

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo II Aula 04 Rosca Rosca é o conjunto de reentrâncias e saliências, com perfil constante, em forma helicoidal, que se desenvolvem. externa ou internamente,

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Minami Industria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000

Minami Industria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000 Minami Industria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 940-000 E-mail: minami@minami.ind.br Site: www.minami.ind.br Tel./Fax.: (11)

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS 1.10.02.03.02.001

CATÁLOGO DE PEÇAS 1.10.02.03.02.001 CATÁLOGO DE PEÇAS SÃO FRANCISCO QUEBRA LOMBO COM TANQUE APLICAÇÃO HERBICIDA.0.0.0.0.00 Av. Marginal Francisco Vieira Caleiro, 700 - Distr. Industrial Caixa Postal - CEP 7-00 - Sertãozinho - SP ÍNDICE BARRA

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000

Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000 Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000 E-mail: minami@minami.ind.br Site: www.minami.ind.br Tel./Fax.:

Leia mais

Conteúdo do Catálogo. Indice

Conteúdo do Catálogo. Indice Conteúdo do Catálogo Indice - Estrutura - Lancer 2.000 Multiuso... 2 - Estrutura - Lancer 2.000 Multiuso...0 - Transmissão - Lancer 2.000 Multiuso...2 - Transmissão Central - Lancer 2.000 Multiuso... 5

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ROSCAS (NOÇÕES TIPOS NOMENCLATURA) É uma saliência, em forma helicoidal, que se desenvolve, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica.

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

CASE IH COLHEITA AVANÇADA 2013/2014

CASE IH COLHEITA AVANÇADA 2013/2014 CASE IH COLHEITA AVANÇADA 2013/2014 Código Atual Outubro / 2013 a Março / 2014 PREÇO PÚBLICO Peça Descrição Atual Promocional 1 7770 PORCA DE AÇO (= 425-104) 3,10 1,86 2 36057 ROLAMENTO CONICO DE AÇO 11/

Leia mais

Parte 3: Manual de serviço Cl. 271-275

Parte 3: Manual de serviço Cl. 271-275 Conteúdo Página: Parte : Manual de serviço Cl. 7-75. Generalidades............................................. Conjunto de calibres......................................... 4. Descriço e regulaço do disco

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA (APOIO, ELÁSTICO E VEDAÇÃO) Notas de Aulas v.2015 ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS Radial Axial Cônica ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS ELEMENTOS DE

Leia mais

GEM15-Dinâmica de Máquinas

GEM15-Dinâmica de Máquinas Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica Fundamentos De Dinâmica De Veículos GEM15-Dinâmica de Máquinas Professor: Marcelo Braga dos Santos Capitulo 1 Conceitos de Cinemática

Leia mais

Desenho Técnico Moderno

Desenho Técnico Moderno Desenho Técnico Moderno Capítulo 11 Elementos de Máquinas OBJECTIVOS Compreender a representação de elementos normalizados; Representar, cotar e referenciar elementos de máquinas; Distinguir e compreender

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DO FUTURO

QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DO FUTURO QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DO FUTURO Extrusoras de Perfis de Concreto MANUAL TÉCNICO IMB 900-G ECONOMIC 1 2 MANUAL DO PROPRIETÁRIO IMB 900-G ECONOMIC Índice Instruções...04 Catálogo de peças...06

Leia mais

(11) 4446-1444 H134 H139 H585 H210 H012 H012B H064 H090 H687 H440A H445 H447 H686 H524 H207 H208 H209 C = MOLA PLANA DA RÉGUA. lider em peças gráficas

(11) 4446-1444 H134 H139 H585 H210 H012 H012B H064 H090 H687 H440A H445 H447 H686 H524 H207 H208 H209 C = MOLA PLANA DA RÉGUA. lider em peças gráficas peças gráficas lider em peças gráficas Desde 1990 produz peças de manutenção e reposição para máquinas off set C A T Á L O G O MARÇO 2010 PM/SO 74 e 102 MANCAL D ÁGUA H130 BARRA TIRA FOLHA COMPLETA H218

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Introdução Definição Classificação Características Aplicação Representação Definição São elementos que ligam peças permitindo que essas se movimentem sem sofrerem alterações.

Leia mais

Relação de Peças para Plantadeira Hidráulica

Relação de Peças para Plantadeira Hidráulica 1221 DISCO DE CORTE ONDULADO 14 Com cubo,2 rolamentos 6206 e eixo 11556 DISCO DE CORTE ONDULADO 12 Com cubo,2 rolamentos 6206 e eixo 1218 DISCO DE CORTE ONDULADO 10 Com cubo,2 rolamentos 6206 e eixo 2286

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

SENAI UOP Caxias Cálculo Técnico

SENAI UOP Caxias Cálculo Técnico 01-Usando unidades de medida Quando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação Com essas

Leia mais

MONTAGEM DO MOTOR E FLANGE DA CAÇAMBA

MONTAGEM DO MOTOR E FLANGE DA CAÇAMBA Cód. Prod: 72 73 71 35 9 53 60 43 MONTAGEM DAS PÁS NO EIXO MONTAGEM DAS POLIAS E MANCAIS 45 70 75 46 65 44 33 54 1 49 57 68 61 63 76 64 67 50 51 58 66 36 52 32 15 11 27 28 000387 Capa Epoxi 000388-00 Capa

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS Professor Me. Claudemir Claudino Alves PARAFUSOS - Entre os elementos de união desmontáveis,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

MEDIDORES ROTATIVOS MEDIDOR 1450-40 E ACESSÓRIOS

MEDIDORES ROTATIVOS MEDIDOR 1450-40 E ACESSÓRIOS MEDIDORES ROTATIVOS MEDIDOR 1450-40 E ACESSÓRIOS IMPORTANTE FORNECER O NÚMERO DE SÉRIE E MODELO DO EQUIPAMENTO. AS PEÇAS DEVERÃO SER REQUISITADAS DE ACORDO COM ESTE MANUAL DE PARTES MONTAGEM DE CONJUNTO

Leia mais

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Profº Carlos Eduardo ALUNO(A): TURMA: Caruaru 2011 Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes CORTE Corte é a denominação dada à representação de um produto secionada por um ou mais planos virtuais (planos secantes). No corte se representa

Leia mais

Identificação de Partes

Identificação de Partes Intificação Partes Part List-349-I Motor Vertical Indução 1. Superior 2. Porca e Arruela do Eixo do Motor 3. Inferior 4. da Tampa Superior 5. Defletor Óleo 6. Tampa Superior 7. Rolamento Contato Angular

Leia mais

Folhas de Apoio à unidade curricular Elementos de Máquinas II ENGRENAGENS

Folhas de Apoio à unidade curricular Elementos de Máquinas II ENGRENAGENS Folhas de Apoio à unidade curricular Elementos de Máquinas II ENGRENAGENS Engenharia Mecânica Ramo Produção Prof. Dr.ª Rosa Marat-Mendes Departamento de Engenharia Mecânica Área Científica de Mecânica

Leia mais

Peça Corte Visualização Representação

Peça Corte Visualização Representação Cortes Prof. Cristiano Arbex 2012 Corte: Em Desenho Técnico tem o significado de secção, separação. É um procedimento imaginário que permite a visualização das partes internas de uma peça, sendo usado

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

(11) 4446-1444 H227 H364 H676 H684 H025A H214 H057 H214A H144 H143 H262 H329 H384 H396 H397 H432 H457 H455. lider em peças gráficas

(11) 4446-1444 H227 H364 H676 H684 H025A H214 H057 H214A H144 H143 H262 H329 H384 H396 H397 H432 H457 H455. lider em peças gráficas lider em peças gráficas Desde 1990 produz peças de manutenção e reposição para máquinas off set C A T Á L O G O MARÇO 2010 MO, SORD,SORKZ,SORS, QM, SORMZ, HOHNER, STAHL, TOK E ROTATIVA PINÇA DO CILINDRO

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças

Manual de Instruções e Lista de Peças Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Costura Reta Eletrônica Direct Drive de Alta Velocidade 9K 0 / 0F 30 / 30F Singer é uma marca registrada da The Singer Company Limited ou suas afiliadas

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

Tolerâncias geométricas - Requisitos de máximo e requisitos de mínimo material

Tolerâncias geométricas - Requisitos de máximo e requisitos de mínimo material EDITAL Nº. 07:2012 Período de 01 de julho de 2012 a 31 de julho de 2012 PROPOSTA DE CONFIRMAÇÃO DE NORMA BRASILEIRA A Proposta de Confirmação de Norma da ABNT pode ser visualizada e impressa pelo site

Leia mais

xxxx 28 02 Porca Sextavada 5/16" 2938

xxxx 28 02 Porca Sextavada 5/16 2938 2 2 2 2 Paraf. Francês /"x2./2" 0 Estrutura Paraf. Allen c/cab. Mx0 Roldana Recartilhada Eixo Paraf. Allen c/cab. Mx Bucha 0 2 0 Rolamento 00-2RS Paraf. Allen s/cab. Mx 2 Porca Paraf. Allen s/cab. Mx Engrenagem

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Correias, Polias e Transmissões. O que são?

Correias, Polias e Transmissões. O que são? Correias, Polias e Transmissões. O que são? Obs.: Fotos são meramente ilustrativas (sem escala). Página 1 TRANSMISSÕES COM CORREIAS O QUE É UMA CORREIA? Elemento de maquina que, sendo movimentado por uma

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995 JUN 1995 Sistema de tolerâncias e ajustes NBR 6158 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro -

Leia mais

E-QP-ECD-078 REV. C 02/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO -

E-QP-ECD-078 REV. C 02/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser

Leia mais

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO MANUAL TÉCNICO Série: FBRL20B Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas,

Leia mais

Fresando com aparelho divisor

Fresando com aparelho divisor Fresando com aparelho divisor A UU L AL A 46 46 Na aula passada você viu como fresar ranhuras retas do tipo T, trapezoidal e de chaveta. Nesta aula você vai aprender como fresar utilizando o aparelho divisor

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Projeções Projeção Cilíndrica Projeção Ortogonal Isométrica Vistas Ortográficas 1º Diedro 2º Diedro 3º Diedro 4º Diedro PROJEÇÕES

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) A UU L AL A Você já estudou como fazer os cálculos para encontrar as principais medidas para a confecção de uma engrenagem cilíndrica de dentes retos. Vamos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Utilizando o conceito de estruturação mecânica desenvolvido pela MOPA, o ELETROFORT é uma eletrocalha de seção transversal e características exclusivas, que permitiram

Leia mais

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas.

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. A U A UL LA Introdução aos elementos de fixação Introdução Elementos de fixação constitui uma unidade de 3 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. Nessa unidade, você vai estudar os principais

Leia mais

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito A U A UL LA Correntes Introdução Os problemas de uma empresa da área de transporte e cargas fez com que o encarregado do setor tomasse algumas decisões referentes à substituição de equipamentos, como componentes

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais