Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado"

Transcrição

1 Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS Professor Me. Claudemir Claudino Alves

2 PARAFUSOS - Entre os elementos de união desmontáveis, os parafusos são os mais utilizados, pelo custo reduzido e fácil aplicação; - Os parafusos podem ser de fixação ou de movimento. Os parafusos de movimento são usados na transmissão de forças. As roscas têm formato trapezoidal, quadrado ou de dente de serra. 2

3 Características dos parafusos de fixação. O parafuso de fixação pode ser dividido em três partes: cabeça, corpo e rosca, conforme indicado na figura 3

4 A figura a seguir mostra esquematicamente diversas formas de cabeça de parafusos. 4

5 A rosca normalmente é de perfil triangular, com ângulo de 60 ou 55, dimensões em milímetros (rosca métrica) ou em polegadas (rosca UNC e rosca Whitworth). As dimensões principais podem ser observadas na figura a seguir. 5

6 - Define-se o passo de uma rosca (p) como a distância entre dois filetes consecutivos, medida paralelamente ao eixo. - Avanço é a distância que a porca percorre paralelamente ao eixo da rosca, quando gira uma volta. Exemplo: em uma rosca de três entradas, o avanço é equivalente a três vezes o passo. - A rosca pode ser grossa, média e fina. A rosca de uso corrente é a grossa, que não é recomendada em aplicações em que haja vibrações. - A rosca fina, muito usada na indústria automobilística, é a mais indicada para suportar vibrações. 6

7 - A designação da rosca métrica é feita pela letra M (maiúscula), seguida pelos números indicativos do diâmetro nominal (diâmetro externo) e do passo, em milímetros, separados pelo sinal. Exemplo: rosca M10 1,25. Na designação da rosca de passo normal pode ser suprimida a informação referente ao passo. Exemplo: rosca M10. 7

8 Classes de resistência de parafusos Sistema de designação Os símbolos são formados por dois algarismos separados por um ponto (x.x). a) O primeiro algarismo indica 1/100 da resistência à tração nominal (Rm) em MPa. b) O segundo algarismo indica 10 vezes a relação entre o escoamento nominal (Re) e a resistência à tração nominal (Rm). Por exemplo, em um parafuso com classe de resistência 5.6, temos: 8

9 9

10 Esses símbolos com dois algarismos separados pelo ponto, normalmente, vêm marcados nos parafusos e são utilizados quando é necessária a certificação de suas propriedades mecânicas. A figura a seguir mostra esquematicamente sua localização. 10

11 Fixação por atrito As fixações por atrito são dimensionadas em função da força axial de compressão (Fa) entre as peças, originada pelo torque de aperto dado no parafuso. Este, quando solicitado, desenvolve uma força de atrito (Fat) que mantém as partes unidas. Nas tabelas a seguir constam os valores de torque, força de aperto e diâmetro dos parafusos cuja classe de resistência é respectivamente 5.6 e

12 12

13 13

14 Exemplo Determinar o diâmetro do parafuso para suportar a carga de 5 kn, somente por atrito, para o carregamento indicado na figura a seguir. Dados: Q = 5 kn; μ = 0,15; parafuso de classe

15 15

16 Se considerarmos o coeficiente de segurança, conforme o tipo de solicitação, o diâmetro do parafuso ficaria muito grande e inviável para a aplicação. A solução mais adequada seria a utilização de mais parafusos, ou fazer o parafuso trabalhar sujeito a cisalhamento. Como sabemos, os parafusos devem estar sujeitos apenas a esforços de tração. O parafuso, porém, pode estar sujeito a cisalhamento se for colocado sem folga no furo das peças, de modo que a parte roscada não esteja na região sujeita a cisalhamento, como mostra a figura a seguir. 16

17 17

18 18

19 Observe que se obtém uma solução com o diâmetro menor, mesmo levando em conta o coeficiente de segurança. Existem outras soluções que podem ser adotadas caso os esforços sejam de cisalhamento. As técnicas consistem em descarregar o esforço cortante em outros elementos, tais como: pinos, chavetas, buchas, ressaltos etc. Algumas dessas técnicas são esquematicamente mostradas na figura a seguir. 19

20 20

21 Furos de passagem de parafusos - Furos de passagem de parafusos, se realizados conforme recomendação normativa, não exigem a utilização de arruelas (lisas ou de pressão), exceto quando os elementos estão sujeitos a vibrações. Nesse caso, usaremos arruelas de pressão. - A arruela lisa deve ser utilizada se o diâmetro do furo de passagem for superior ao estipulado por norma, ou em furos do tipo oblongo. Algumas montagens são mostradas na figura a seguir. 21

22 Os tipos e dimensões de parafusos, porcas e arruelas de pressão e lisas encontram-se tabelados pela norma ABNT, ou em livros, catálogos de fabricantes, manuais etc. 22

23 Para parafusos de rosca métrica, a tabela a seguir fornece os valores do diâmetro do furo de passagem. 23

24 24

25 (1) Os furos de passagem da série fina devem ter um escareamento na área correspondente à concordância entre a cabeça e o corpo do parafuso. 25

26 As dimensões d e D são indicadas na figura a seguir. 26

27 Parafusos para vasos de pressão. 27

28 A força (Fe) devido a pressão interna aplicada em cada parafuso deve ser a igual a força total aplicada na tampa (Ft) pela pressão, dividida pelo número de parafusos (z). 28

29 O número de parafusos depende do projeto. Uma regra para flanges e vasos de pressão é que a distância entre dois parafusos de ser no máximo 120mm. 29

30 TIRANTES Desmontagem Em geral, uma maquina ou equipamento industrial corretamente funcionando nas condições especificadas pelo fabricante e recebendo cuidados periódicos do serviço de manutenção preventiva é capaz de trabalhar, sem problemas, por muitos anos. Entretanto, quando algum dos componentes falha, seja por descuido na operação, seja por deficiência na manutenção, é necessário identificar o defeito e eliminar suas causas. 30

31 No caso de máquinas mais simples, é relativamente fácil identificar o problemas e providenciar sua eliminação, porem, quando se trata de maquinas mais complexas, a identificação do problema e sua remoção exigem, do mecânico, a adoção de procedimentos sequenciais bem distintos. O primeiro fato a ser considerado é que não se deve desmontar uma maquina antes da analise dos problemas. A analise, como já foi visto em aulas anteriores, deve ser baseada no relatório do operador, no exame da ficha de manutenção da maquina e na realização de testes envolvendo os instrumentos de controle. 31

32 32

33 Atividades Pós-Desmontagens Após a desmontagem, a lavagem, o secamento e a separação das peças em lotes, deve-se dar inicio a correção das falhas ou defeitos. As atividades de correção mais comuns são: Confecção de peças Substituição de elementos mecânicos Substituição de elementos de fixação Rasqueteamento Recuperação de roscas Correção de erros de projetos Recuperação de chavetas Etc. 33

34 34

35 Tensão Admissível A tensão admissível é a tensão ideal de trabalho para o material nas circunstâncias apresentadas. Geralmente, esta tensão deverá ser mantida na região de deformação elástica do material. 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

45 45

46 46

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo II Aula 04 Rosca Rosca é o conjunto de reentrâncias e saliências, com perfil constante, em forma helicoidal, que se desenvolvem. externa ou internamente,

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Parafusos Parafuso de cabeça sextavada: Em desenho técnico, esse parafuso é representado da seguinte forma Parafusos Aplicação Esse

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) Notas de Aulas v.2016 DESENHO DE CONJUNTO E DE DETALHE DEFINIÇÕES Conjuntos Mecânicos Peças justapostas

Leia mais

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180 USIFER A Solução em Moagem Indústria Metalúrgica Ltda. Rua Vêneto, n 969 Bairro Nova Vicenza CEP 95180-000 Farroupilha RS Fones: (54) 3222 5194 Vendas (54) 3261 7356 Fábrica e-mail: usifermoinhos@usifermoinhos.com.br

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ROSCAS (NOÇÕES TIPOS NOMENCLATURA) É uma saliência, em forma helicoidal, que se desenvolve, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica.

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Travas e vedantes químicos

Travas e vedantes químicos A U A UL LA Travas e vedantes químicos O mecânico de manutenção de uma empresa de caminhões tentava eliminar, de todas as formas, um vazamento de óleo que persistia na conexão de um manômetro de um sistema

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas.

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. A U A UL LA Introdução aos elementos de fixação Introdução Elementos de fixação constitui uma unidade de 3 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. Nessa unidade, você vai estudar os principais

Leia mais

Desenho Técnico Moderno

Desenho Técnico Moderno Desenho Técnico Moderno Capítulo 11 Elementos de Máquinas OBJECTIVOS Compreender a representação de elementos normalizados; Representar, cotar e referenciar elementos de máquinas; Distinguir e compreender

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I Ligações Aparafusadas Parte I Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Ligações em Estruturas de Aço e Mistas Professor: Luciano

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

A última versão revisada estará à disposição dos interessados no. departamento de engenharia da CSM. Revisão: Novembro/2013

A última versão revisada estará à disposição dos interessados no. departamento de engenharia da CSM. Revisão: Novembro/2013 Betoneira 120 Litros A CSM reserva-se ao direito de alterar este manual sem aviso prévio. A última versão revisada estará à disposição dos interessados no departamento de engenharia da CSM. Revisão: Novembro/2013

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

Sumário. ANÉIS DE FIXAÇÃO RFN 7013 - Instruções de montagem e desmontagem...14

Sumário. ANÉIS DE FIXAÇÃO RFN 7013 - Instruções de montagem e desmontagem...14 ELEMENTOS DE FIXAÇÃO CATÁLOGO 2 Tel.: (011) 5180-1777 - Fax:(011) 5181-1777 Este catálogo apresenta nossa linha básica de elementos de fixação eixo-cubo. A pedido podemos fornecer outros dois catálogos:

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento autocompensador de rolos esféricos de alta performance com maior capacidade de carga Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Leia mais

Projeto: Torquímetro Didático

Projeto: Torquímetro Didático Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin 1º semestre de 2010 Projeto: Torquímetro Didático Disciplina: F-609 Instrumentação para Ensino Aluno: Diego Leonardo Silva Scoca diegoscocaxhotmail.com

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 10 Verificação e Ajuste da Folga Axial dos Compressores Parafuso 11/02 Tipos de compressores: OS.53 / OS.70 / OS.74 HS.53 / HS.64 / HS.74 HSKC 64 / HSKC 74 Sumário Página 1 Introdução

Leia mais

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas Metalo Modular Sistema de Andaimes em Alumínio Instruções Técnicas Modular_AF4.indd 1 Modular Índice Favor observar: Nestas instruções técnicas, encontram-se todas as informações e indicações importantes

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Introdução Padronização e Definições Tipos e Usos de Parafusoso Introdução Elementos de fixação: Importância Por que estudar elementos de fixação. Papel em projetos

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito A U A UL LA Correntes Introdução Os problemas de uma empresa da área de transporte e cargas fez com que o encarregado do setor tomasse algumas decisões referentes à substituição de equipamentos, como componentes

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO AGA-TEC Indústria, Comércio e Manutenção Ltda. R: Danilo Valbuza, 703 - Laranjeiras 07700-000 Caieiras / SP - Brasil Tels /Fax: (11) 4441 8353 / 8309 / 8247 / 8502 E-mail: agatecvendas@terra.com.br MANUAL

Leia mais

Itens com * somente vendidos no KIT. Preço e prazo de entrega somente mediante solicitação.

Itens com * somente vendidos no KIT. Preço e prazo de entrega somente mediante solicitação. LISTA DE PEÇAS LISTA DE PEÇAS SEPARADOR S655 Nº Código Descrição Quantidade 1 Carcaça 1 2 * Porca sextavada normal DIN 934 / M8 12 3 * Arruela lisa DIN 125 / M8 12 4 * Parafuso DIN 939 / M8 x 25 12 5

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE ARTICULÁVEL DE PAREDE PARA PLASMA OU LCD MEDIUM 3A MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Fixação na parede - Para Tv s e monitores Plasma ou LCD com padrão VESA 75x75, 100x100, 200x100 ou 200x200

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Chavetas Chavetas Tem finalidade de unir dois elementos. Fabricado em aço Formato retangular ou semicircular Chavetas Tem finalidade de unir dois elementos. Fabricado

Leia mais

Uniões moveis são aquelas que se caracterizam pela possibilidade de separar as peças previamente unidas sem danificar o conjunto.

Uniões moveis são aquelas que se caracterizam pela possibilidade de separar as peças previamente unidas sem danificar o conjunto. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 Uniões moveis são aquelas que se caracterizam

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br Acoplamentos elásticos eflex www.aciobras.com.br Os acoplamentos elásticos EFLEX com garras, tipos EA, GA e HA, são utilizados na ligação de eixos rotativos, com desalinhamentos normalmente inevitáveis,

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

Rebites I. Um mecânico tem duas tarefas: consertar

Rebites I. Um mecânico tem duas tarefas: consertar A U A UL LA Rebites I Introdução Um mecânico tem duas tarefas: consertar uma panela cujo cabo caiu e unir duas barras chatas para fechar uma grade. A questão é a seguinte: qual elemento de fixação é o

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Manual de Montagem, Operação e Manutenção Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Índice Página 1 Aplicação e modelos 4 1.1 Aplicação 4 1.2 Dimensionamento 4 1.3 Segurança 4 Português 2 Montagem 5 2.1 Especificações

Leia mais

Manual de Manutenção 10ª Edição

Manual de Manutenção 10ª Edição Manual de Manutenção 10ª Edição Nosso Freio, Sua Segurança Falar da história da Master é resgatar uma trajetória de sucessos. Em 1986, quando foi fundada a partir de uma joint-venture entre Randon e Rockwell

Leia mais

Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS. Prof.: Daniel João Generoso

Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS. Prof.: Daniel João Generoso 1 Módulo 3 ELEMENTOS DE MÁQUINAS Prof.: Daniel João Generoso 2009 2 INTRODUÇÃO Um projeto de máquina surge sempre para satisfazer uma necessidade, seja ela industrial, comercial, para lazer, etc. Nasce

Leia mais

Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil

Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil Parafusos são elementos de fixação, empregados na união não permanente de peças, isto é, as peças podem ser montadas e desmontadas facilmente,

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

by d Avila, 2004 versão 1.0

by d Avila, 2004 versão 1.0 Versão 1.0 2 by d Avila, 2004 versão 1.0 O autor e o Grupo CB Brasil acreditam que todas as informações aqui apresentadas estão corretas e podem ser utilizadas para qualquer fim legal. Entretanto, não

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO 2 o Semestre de 2001 Molas Helicoidais e Planas AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO A NTUNES DOS

Leia mais

e do operador na instalação e na manutenção. Nesse tipo de montagem, o cabo de alimentação não sofre torções nem é tracionado.

e do operador na instalação e na manutenção. Nesse tipo de montagem, o cabo de alimentação não sofre torções nem é tracionado. O Giroposte tem por objetivo ser um modelo de poste de giro articulável. Indicado para uso em áreas que necessitam de um sistema seguro para instalação de iluminação, câmeras de segurança, sensores e outros

Leia mais

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários A UU L AL A Cálculos de roscas Nem sempre os parafusos usados nas máquinas são padronizados (normalizados) e, muitas vezes, não se encontra o tipo de parafuso desejado no comércio. Nesse caso, é necessário

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

SUSPENSOR PNEUMÁTICO PARA 3º EIXO. Manual de Montagem, Operação e Manutenção

SUSPENSOR PNEUMÁTICO PARA 3º EIXO. Manual de Montagem, Operação e Manutenção Manual de Montagem, Operação e Manutenção SUSPENSOR PNEUMÁTICO PARA 3º EIXO GB E Assembly, operating and maintenance instructions for JOST AIR AXLE LIFTS FOR TAG AXLES Instrucciones de montaje, funcionamiento

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

* Norma ANSI/FCI 70.2

* Norma ANSI/FCI 70.2 Steam Seal Válvula Borboleta CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS Corpo Monobloco wafer, de pescoço longo para facilitar o isolamento térmico quando instalada na tubulação, totalmente fundido em aço carbono ou

Leia mais

Recuperação de elementos mecânicos

Recuperação de elementos mecânicos A U A UL LA Recuperação de elementos mecânicos O dono da fábrica Quipapá chamou Asdrúbal, um dos melhores mecânicos de manutenção da empresa, e falou: - Asdrúbal, tenho em minha casa um torno antigo, daqueles

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

LISTA DE MONTAGEM MULTIPLA POR FAVOR INFORME O NÚMERO OU CÓDIGO, CASO VOCE NECESSITE DE ATENDIMENTO OU PEÇAS. F I T N E S S

LISTA DE MONTAGEM MULTIPLA POR FAVOR INFORME O NÚMERO OU CÓDIGO, CASO VOCE NECESSITE DE ATENDIMENTO OU PEÇAS. F I T N E S S A V I S O : ANTES DE INICIAR QUALQUER EXERCÍCIO OU PROGRAMA DE EXERCÍCIOS, POR FAVOR CONSULTE SEU MÉDICO. ANTES DOS EXERCÍCIOS, TENHA CERTEZA QUE TODAS AS PARTES DESTE EQUIPAMENTO FORAM BEM FIXADOS PELOS

Leia mais

Conectores Elétricos Rotativos

Conectores Elétricos Rotativos Conectores Elétricos Rotativos Serior aos coletores escovas convencionais Blindado com rolamentos de esferas Maior confiabilidade, livre de manutenção Livre de ruídos elétricos Resistência de condução

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos

Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos A U A UL LA Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos Em uma linha de produção, uma das máquinas parou de funcionar. O mecânico de manutenção decidiu desmontá-la para verificar a causa da parada.

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO

SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Disponível em dois modelos: SUPRULERP SUPRULERG - Para TV s Plasma ou LCD, compatíveis com fixação VESA máxima

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas rreias speciais Transmissões por Correntes Ferramentas iversais Correias Sincronizadoras uchas e Cubos Rodas rramentas de manutenção Correias Poleias Acoplamentos bos Rodas Dentadas Correias speciais Transmissões

Leia mais

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Bitolas aplicáveis Auto-atarraxante Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5

Leia mais

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL 1 - NOME DO CURSO Lubrificador Industrial 2 - OBJETIVO Lubrificam máquinas e equipamentos, sinalizando pontos de lubrificação, interpretando desenhos de máquinas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ SISTEMAS ESPECIALISTAS - PROJETO DE PARAFUSOS DE UNIÃO Carlos Felipe Espiúca Monteiro PROJETO FINAL SUBMETIDO AO

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

SOQUETES E ACESSÓRIOS

SOQUETES E ACESSÓRIOS SOQUETES E ACESSÓRIOS Os soquetes são ferramentas manuais destinadas ao aperto e desaperto de porcas ou parafusos, conjugados com um acessório. Os soquetes e acessórios Belzer são forjados em aço cromo-vanádio,

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Sumário 1 - Instalação 1.1 - Ambiente de Instalação... 3 1.2 - Fixação Mecânica... 3 1.3 - Rede Elétrica... 4 1.4 - Fiação... 5

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 06 CISALHAMENTO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 06 CISALHAMENTO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Cálculo de solda de filete Resistências de cálculo a solicitação de cálculo é igual à resultante vetorial de todas as forças de cálculo na junta que produzam tensões normais

Leia mais

Transformador de Distribuição Monofásico, Bifásico e Trifásico

Transformador de Distribuição Monofásico, Bifásico e Trifásico Transformador Monofásico e Bifásico BI. MONO. H x H 2 H 2 T N O Data Revisões Aprovado. Vanderlei Robadey Pág. 1 de 5 Transformador Trifásico Potência (kva) DIMENSÕES (mm) A B C D (máx) E (máx) F (máx)

Leia mais

Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes

Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes 1 Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes por d Avila, Edson. 2004, versão 1.0. Autorizada reprodução se mantido os créditos do autor 2 O autor acredita que todas as informações aqui apresentadas estão

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Porta Estepe

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Porta Estepe Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo Porta Estepe Março / 2005 O Porta-Estepe tem como função principal, fazer a fixação do pneu sobressalente nos veículos. Este manual irá ajudá-lo na instalação,

Leia mais

RALAS JOST. Manual de Montagem, Operação e Manutenção MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900

RALAS JOST. Manual de Montagem, Operação e Manutenção MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900 Manual de Montagem, Operação e Manutenção RALAS JOST MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900 GB E Installation and operating instructions for TURNTABLES SERIES KLK HE, KLK SO AND KDL 900 Instrucciones de montaje

Leia mais

Motobombas Centrífugas Submersíveis Séries BCS-365 e BCS-475

Motobombas Centrífugas Submersíveis Séries BCS-365 e BCS-475 Motobombas Centrífugas Submersíveis Séries e BCS-475 Pedestal Roscado Pedestal Flangeado Motobombas para líquidos com sólidos em suspensão, conforme tamanho especificado na tabela. Aplicações Gerais Estações

Leia mais

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002 Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003 Descrição: Polia Máquina: Tear da Ráfia Código Rone: 015-101-002 Descrição: Polia Z=43 Código Rone: 001-010-023 Descrição: Tubo suporte do Cachimbo

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Série DIPLOMAT, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de

Leia mais