Erik Júnio Avelino dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Erik Júnio Avelino dos Santos"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO Erik Júnio Avelino dos Santos Gestão do Capital de Giro nas Micro e Pequenas Empresas: Um estudo sobre a importância da escolha das fontes de financiamento na Rede de Supermercados Paraíba. João Pessoa Agosto de 2009

2 2 Erik Júnio Avelino dos Santos Gestão do Capital de Giro nas Micro e Pequenas Empresas: Um estudo sobre a importância da escolha das fontes de financiamento na Rede de Supermercados Paraíba. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Coordenação do Serviço de Estágios Supervisionado em Administração, do curso de Graduação em Administração, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às exigências para obtenção do Grau de Bacharel em Administração. Orientador: Professor Ms. Wagner Soares Fernandes dos Santos João Pessoa Agosto de 2009

3 3 Ao Professor Mestre Wagner Soares Fernandes dos Santos, solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Curso do aluno Erik Júnio Avelino dos Santos. João Pessoa, 03 de Agosto de 2008 Prof. Doutor Rosivaldo de Lima Lucena Coordenador do SESA Parecer do Professor Orientador: Prof. Ms. Wagner Soares Fernandes dos Santos Orientador

4 4 Erik Júnio Avelino dos Santos Gestão do Capital de Giro nas Micro e Pequenas Empresas: Um estudo sobre a importância da escolha das fontes de financiamento na Rede de Supermercados Paraíba. Trabalho de Conclusão de Curso Aprovado em: de Agosto de Banca Examinadora Prof. Ms. Wagner Soares Fernandes dos Santos Orientador Prof. Ms. Carlos Eduardo Cavalcante Examinador Prof. Especialista Khalil Gibran Sousa Leite Examinador

5 5 SANTOS, Erik Júnio Avelino dos. Gestão do Capital de Giro nas Micro e Pequenas Empresas: Gestão do Capital de Giro nas Micro e Pequenas Empresas: Um estudo sobre a importância da escolha das fontes de financiamento na Rede de Supermercados Paraíba. (Monografia Curso de Graduação em Administração). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, RESUMO As micro e pequenas empresas tentam diariamente encontrar o equilíbrio entre ativos e passivos circulantes. Se esse equilíbrio é mantido, os ativos circulantes podem ser pagos em tempo, os estoques continuam sendo abastecidos, assim como continuam sendo suficientes para atender a demanda de vendas. Entretanto, se a situação financeira fugir desse equilíbrio, os problemas se multiplicarão e a empresa caminhará rumo à falência. A gestão do capital de giro, dos recursos financeiros de curto prazo e a gestão do capital de curto prazo é extremamente importante para essas empresas, porém é perceptível que quanto menor a organização maior o grau de desconhecimento dos gestores. A revisão da literatura existente gerou a base teórica sobre a gestão financeira, o empreendedorismo, gestão das micro e pequenas empresas, aspecto histórico da análise financeira, análise financeira de empresas, capital de giro, liquidez, fluxo de caixa, ciclo operacional, financeiro e econômico, política de crédito, administração financeira de estoques, necessidade de capital de giro e fontes de financiamentos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas. Os resultados da pesquisa mostram o conhecimento restrito dos gestores na escolha de alternativas para o financiamento e a adoção de fontes de financiamento geralmente mais onerosas. Palavras-chave: Capital de Giro. Gestão financeira. Micro e pequenas empresas. Fontes de Financiamento

6 6 SANTOS, Erik Júnio Avelino dos. Administration of the working capital in the Micro and Companies: A study on the importance of the choice of the financing sources and your influence in the growth of Supermaket Paraíba's Net. (Monograph (degree course in Administration). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, ABSTRACT Small and micro enterprises try to find daily the balance between circulating assets and liabilities. If this balance is kept, circulating assets can be paid on time, stocks can be continuously supplied and are also enough to attend sales demand. However, if the financial situation flees of that balance, problems will multiply and the company will walk heading for the bankruptcy. The management of the working capital, of the short time financial resources and of the short time capital administration are extremely important for those companies, despite the fact that it can be noticed that the smaller a company is, the greater is the degree of the managers' ignorance. The existent revision of literature generated the theoretical basis about financial management, entrepreneurship, management of micro and small enterprises, historical aspects of the financial analysis, company s financial analysis, working capital, liquidity, cash flow, operational, financial and economic cycle, credit politics, stocks financial management, working capital need and sources of financings. The data were collected through interviews. The results of the research show the managers' restricted knowledge while choosing among alternatives for the financing and adoption of financing sources usually more onerous. Word-key: Working capital. Financial management. Small and micro enterprises. Sources of Financing

7 7 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Características do comportamento empreendedor Quadro 02 Critérios para classificação das pequenas empresas Quadro 03 Cálculo da Liquidez Geral LG Quadro 04 Cálculo da Liquidez Imediata LI Quadro 05 Cálculo da Liquidez Seca LS Quadro 06 Cálculo da Liquidez Corrente LC Quadro 07 Ciclos da Empresa Quadro 08 Indicadores operacionais Quadro 09 Composição da Política de Crédito Quadro 10 Índices de análise do LEC Quadro 11 Necessidade líquida de capital de giro Fontes de financiamentos Quadro 12 Modalidade de leasing Quadro 13 Variável da Pesquisa

8 8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 01 Você concede Descontos nas compras à vista? Gráfico 02 O prazo que obtém para pagamento é superior ao prazo de recebimento? Gráfico 03 - Você controla o estoque de acordo com a demanda dos produtos? Gráfico 04 - Qual o prazo médio de reposição de estoque? Gráfico 05 - Qual desses fatores você considera ser maior gerador da Necessidade de Capital de Giro? Gráfico 06 - Com que freqüência a empresa recorre à capital de terceiros? Gráfico 07 - Com que freqüência a empresa recorre ao capital próprio (Patrimônio Líquido, aumento de capital ou retenção de lucro Gráfico 08 - Você costuma recorrer a financiamentos bancários? Gráfico 09 - Caso recorra a financiamentos bancários, quais as modalidades utilizadas-- 51 Gráfico 09.1 Cheque especial Gráfico 09.2 Empréstimos Gráfico 09.3 Descontos de duplicatas Gráfico 09.4 Outras modalidades Gráfico 10 Qual a fonte de financiamento mais utilizada pela empresa? Justifique

9 9 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Pessoa Jurídica Cheque Especial Pré-Fixado Tabela 02 Pessoa Jurídica Capital de Giro Pré-Fixado Tabela 03 Pessoa Jurídica Desconto de duplicatas

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS DO ESTUDO Objetivo geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONTEXTUALIZANDO O EMPREENDEDORISMO GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ASPECTO HISTÓRICO DA ANÁLISE FINANCEIRA ANÁLISE FINANCEIRA DE EMPRESAS CAPITAL DE GIRO CAPITAL DE GIRO E LIQUIDEZ Liquidez Geral (LG) Liquidez Imediata (LI) Liquidez Seca (LS) Liquidez Corrente (LC) FLUXO DE CAIXA CICLO OPERACINAL, FINANCEIRO E ECONÔMICO Indicadores Operacionais POLÍTICA DE CRÉDITO Elementos de uma política de crédito Análise de crédito ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE ESTOQUES Enfoque ABC Modelo do Lote Econômico de Compra NECESSIDADES DE CAPITAL DE GIRO FONTES DE FINANCIAMENTO Parcerias estratégicas Factoring Vendor Finance Compror Finance Hot Money Leasing PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTOS DA PESQUISA SUJEITOS DA PESQUISA COLETAS DE DADOS VARIÁVEIS DA PESQUISA TRATAMENTO DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS RECOMENDAÇÕES...59

11 SUGESTÕES PARA ESTUDOS FUTUROS...59 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...58 APÊNDICES...63 Apêndice I Roteiro de entrevista...64

12 12 1. INTRODUÇÃO Dados recentes indicam que mais da metade das micro e pequenas empresas fecham suas portas em menos de dois anos de existência. São inúmeros os fatores que levam a tais números e bastante complexa é a elucidação do problema, que vai desde o despreparo dos administradores até a conjunturas econômicas adversas. (SEBRAE/ES, 2003) O planejamento financeiro envolve a realização de projeções de vendas, renda e ativos baseadas em estratégias alternativas de produção e de marketing, seguidas pela decisão de como atender às necessidades financeiras previstas. (BRIGHAM, 2004, p.343) A necessidade de gerenciamento do capital de giro surge em função da não sincronização entre produção, vendas e cobranças, esse capital demonstra os recursos necessários da empresa para financiamento de suas atividades operacionais, desde as aquisições de insumos básicos, até o recebimento pela venda da produção acabada. Para produzir, são necessários recursos financeiros que, salvo nos casos excepcionais de adiantamentos de clientes, a empresa os terá de dispor até que o produto da venda seja recebido. A má gestão desse ativo causa, geralmente, impactos diretos no crescimento das empresas, principalmente as micro e pequenas. Normalmente, as empresas buscam manter um equilíbrio específico entre ativos e passivos circulantes e entre vendas e cada categoria de ativos circulantes em suas operações. Enquanto esse equilíbrio for mantido, os passivos circulantes podem ser pagos em tempo, os fornecedores continuarão a embarcar os produtos e a restabelecer os estoques e estes serão suficientes para atender à demanda de vendas. No entanto, se a situação financeira fica fora de equilíbrio, os problemas surgem e se multiplicam, e a empresa pode entrar rapidamente em uma espiral declinante que a leva à falência. (BRIGHAM, 2004, p.377) De acordo com Gitman (2001), Uma importante consideração sobre as empresas é a capacidade de financiar operações recorrentes: a transição do caixa para os estoques, depois para duplicatas a receber e a volta ao caixa. Existem várias estratégias para o financiamento desse ciclo, dependendo da proporção que a empresa utiliza de recursos de curto ou longo prazo, para o financiamento de suas necessidades de capital. A pesquisa aqui apresentada decorre acerca da área de Finanças com ênfase nas influências que a escolha das fontes de financiamentos do Capital de Giro exercem no crescimento das micro e pequenas empresas de comércio varejista.

13 DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA É perceptível que quanto menor a organização maior o grau de desconhecimento das técnicas de gestão de capital de giro em determinadas circunstâncias e necessidades. Na verdade o micro e pequeno empresário possui limitações naturais para captação de recursos. Primeiro porque, geralmente, não possuem poder de barganha junto às instituições financeiras, segundo porque muitas vezes recorrem aos bancos quando já se encontram em uma situação crítica e sem as garantias para viabilizar a aprovação do capital pretendido. A gestão do capital de giro, dos recursos financeiros de curto prazo e gestão do capital de curto prazo é extremamente importante para as micro pequenas empresas. De fato, não existe matéria na área de finanças mais importante e ao mesmo tempo mais mal-entendida. As boas oportunidades de negócio podem ser irreparavelmente danificadas pela gestão ineficiente dos ativos e passivos de curto prazo (LONGENECKER et al., 2007.). À medida que as micro e pequenas empresas desejam expandir suas atividades, muito tempo é gasto na análise das aplicações em ativos permanentes, mas pouca atenção é dada em relação aos investimentos em clientes e estoques. A concessão de prazo para clientes ou a opção por um aumento nos níveis de estoque pode significar uma decisão de investimento tão ou mais duradoura do que aquela efetuada em ativos permanentes. Dessa forma, a ausência de capital para suprir as variações e as necessidades de capital de giro pode levar à falência muitas empresas. Além disso, as empresas necessitam que a manutenção de sua estrutura física, permanente e operacional necessária para suas atividades estejam garantidas. Devido à acirrada competitividade no setor, as micro e pequenas empresas são cada vez mais exigidas em termos de eficácia na gestão de seus recursos, induzindo os responsáveis pela gestão empresarial a avaliarem suas decisões em informações que possuam credibilidade. Para Assaf Neto e Silva (2002), a importância e o volume do capital de giro para as empresa são determinados pelo seu volume de vendas, o qual é lastreado pelos estoques, valores a receber e caixa; pelas sazonalidades dos negócios, que determina variações nas necessidades de recursos ao longo do tempo; pelos fatores cíclicos da economia, como recessão, comportamento do mercado, etc.; pela tecnologia, principalmente aplicada aos custos e tempo de produção; e pelas políticas de negócios, centradas em alterações nas condições de venda, de crédito, produção etc.

14 14 Dessa forma, nos deparamos com a seguinte questão de pesquisa: Qual a importância da escolha das fontes de financiamento do Capital de Giro na Rede de Supermercados Paraíba? 1.2 JUSTIFICATIVA O planejamento financeiro é considerado uma das grandes fontes de contribuição ao sucesso organizacional, pois é o capital de giro que fornece respostas ao administrador com relação a decisões fundamentais como o nível de endividamento a assumir e o aproveitamento de oportunidades de investimentos. A maioria das micro e pequenas empresas, por não possuírem setores específicos para o tratamento de informações, se deparam com questões cruciais ao seu crescimento como, por exemplo, a análise da Necessidade de Capital de Giro NCG. A análise da NCG se mostra relevante, pois é a partir dela que os gestores tomam suas decisões quanto a questões financeiras atuais e para períodos futuros calculados por meio de projeções. Marion (1998, p.27) descreve que: observa-se com certa freqüência que várias empresas, principalmente as pequenas, têm falido ou enfrentam sérios problemas de sobrevivência. Ouvimos empresários que criticam a carga tributária, os encargos sociais, a falta de recursos, os juros altos etc., fatores esses que, sem dúvida, contribuem para debilitar a empresa. Entretanto, descendo fundo em nossas investigações, constatamos que muitas vezes a célula cancerosa não repousa nessas críticas, mas na má gerência, nas decisões tomadas sem respaldo, sem dados confiáveis. (MARION, 1998, p. 27) Dessa forma, a otimização da administração do capital de giro requer atenção especial na escolha de suas fontes de financiamento devido a sua onerosidade, que pode vir a prejudicar a sobrevivência e o crescimento das micro e pequenas empresas. A pesquisa auxiliará as micro e pequenas empresas a adotarem uma nova estratégia na sua Gestão Financeira, mais especificamente do Capital de giro, como também para tomarem medidas que venham trazer-lhes vantagens e benefícios aos seus negócios. Observando que tal tema não possui muitos estudos realizados faz-se necessário uma ampliação do conhecimento científico a respeito dele, por se tratar de uma temática de interesse ao campo da Administração e mais especificamente da Gestão Financeira, visto que a mesma precisa de um maior aprofundamento no saber a cerca de alternativas que melhoram o seu desempenho.

15 15 Assim, o estudo das influências que a escolha das fontes de financiamentos do Capital de Giro exercem no crescimento das micro e pequenas empresas de comércio varejista é justificado. A realização deste trabalho atende, ainda, como requisito básico de uma pesquisa científica para a conclusão do curso de Bacharel em Administração da Universidade Federal da Paraíba, e será de grande relevância para o pesquisador, pois irá contribuir para seu aperfeiçoamento nesta temática. 1.3 OBJETIVOS DO ESTUDO Objetivo geral Estudar a importância da escolha das fontes de financiamento do Capital de Giro na Rede de Supermercados Paraíba Objetivos Específicos Avaliar a política de crédito e a gestão financeira dos estoques; Analisar a necessidade de capital de giro; Identificar as fontes de financiamento mais utilizadas

16 16 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Buscar-se-á a apresentação dos principais conceitos teóricos necessários ao desenvolvimento deste trabalho, discutindo os seguintes pontos: empreendedorismo, gestão de micro e pequenas empresas, aspecto histórico-conceituais da análise financeira do capital de giro, liquidez, fluxo de caixa, fontes de financiamentos, entre outros. 2.1 CONTEXTUALIZANDO O EMPREENDEDORISMO O Empreendedorismo mostra-se um grande aliado no desenvolvimento econômico, dando suporte à maioria das inovações que promove esse desenvolvimento. As nações desenvolvidas têm dado especial atenção e apoio às iniciativas empreendedoras, por saberem que são a base do crescimento econômico, da geração de emprego e renda (DORNELAS, 2003). O termo empreendedor, embora tenha se originado a partir de pesquisas em economia, recebeu diferentes contribuições da psicologia e da sociologia, provocando diferentes definições e variações em seu conteúdo. Enquanto os economistas associam o indivíduo empreendedor à inovação, os psicólogos e sociólogos concentram-se nos aspectos ligados à criatividade e intuição. Os empreendedores são indivíduos que: descobrem as necessidades de mercado e abrem novas empresas para satisfazer essas necessidades. Os empreendedores assumem riscos e estimulam mudanças, inovação e progresso do setor econômico, ao contrário de empregados assalariados, que recebem remuneração específica e não assumem os riscos do empreendimento. (LONGENECKER et al., 2007, p.7)

17 17 1. Busca de oportunidade e iniciativa; 2. Persistência; 3. Comprometimento; 4. Exigência de qualidade e eficiência; 5. Correr riscos calculados; 6. Estabelecimento de metas; 7. Busca de informações; 8. Planejamento e monitoramento sistemáticos; 9. Persuasão e redes de contato; e 10. Independência e autoconfiança. Quadro 01-Características do comportamento empreendedor Fonte: Adaptado do Curso IPGN (2002). De acordo com o Quadro 1, o empreendedor é a pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades. Tendo a capacidade de transformar idéias em realizações, beneficiando assim toda comunidade. Dessa forma, é notado que o empreendedor é alguém que não resiste a novos desafios e que está sempre propondo novas idéias, além de ser motivado pela auto-realização, independência e desejo de assumir responsabilidades. Segundo Longenecker et al. (2007, p.12) os empreendedores podem ser classificados de duas maneiras distintas, diferindo no grau de profissionalismo e no estilo de gestão adotado pela empresa. O primeiro são os empreendedores artesanais que possuem experiência técnica, mas falham em manifestar habilidades para boa comunicação e para a formação gerencial. O segundo são os empreendedores de oportunidade que evitam o paternalismo, delegam poder sempre que necessário, empregam diversos tipos de estratégias de marketing e vendas, obtêm capitais de mais de duas fontes para abrir a empresa e planejam-se para o crescimento futuro. O termo empreendedor relaciona-se com a prática, visão de mercado e a evolução. Além disso, o trabalho do empreendedorismo numa empresa de negócios é fazer os negócios de hoje capazes de fazer o futuro, transformando-se em um negócio diferente (DRUCKER, 1974). Um empreendedor pode ser alguém que inicie sua própria empresa ou alguém comprometido com a inovação de empresas já estabelecidas, desde que seja fator que permita

18 18 que os negócios prosperem em um ambiente econômico de mudanças. Os indivíduos com visão empreendedora tendem a perceber novas oportunidades na economia e explorá-las (SCHUMPETER, 1983). No Brasil, infelizmente, a maioria dos negócios gerados é baseado no empreendedorismo de necessidade, ou seja, não são baseados na identificação de oportunidades de negócio diferenciados, mas no suprimento das necessidades básicas de renda daquele que empreende, para que tenha condições de subsistência, mantendo a si e sua família (DORNELAS, 2003). O empreendedorismo poderia ser definido simplesmente como a gestão e apropriação de recursos materiais e humanos, partindo de uma visão de criar, desenvolver e implantar soluções, atendendo às necessidades da sociedade 2.2 GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Muito esforço já foi feito para definir e classificar as micro e pequenas empresas usando critérios como volume de vendas, número de funcionários e valor de ativos, mas ainda não existe uma definição universal aceita. Para Longenecker et al. (2007, p.7-8), alguns fatores são primordiais para essa classificação, como os apresentados no Quadro 2: 1. A empresa é financiada por uma ou por poucas pessoas; 2. Com exceção da função de marketing, as operações da empresa são geograficamente localizadas; 3. Comparadas a empresas maiores do mesmo segmento, a empresa é pequena; 4. O número de empregados da empresa é, em geral, menor que cem. Quadro 02 - Critérios para classificação das pequenas empresas Fonte: Adaptado de Longenecker et al. (2007, p.8). Independentemente do tamanho da empresa, todo gestor precisa de conhecimento para um processo eficaz de gestão. De acordo com Almeida apud Kassai (1997, p. 71), na pequena empresa a administração é geralmente feita pelos seus proprietários ou por seus parentes, que muitas vezes não têm conhecimento aprofundado de técnicas administrativas. Segundo Gazzoni apud Arantes (1998, p.48),

19 19 o sistema de gestão empresarial é composto por instrumentos que constituem ferramental extremamente útil e contribuem para a eficácia e a eficiência da administração. As necessidades de revisão e ajustes no sistema de gestão empresarial são decorrentes do próprio processo de evolução da empresa e inerentes aos requisitos de sobrevivência, crescimento e continuidade. Portanto, a empresa desempenha importante papel econômico e social no mundo moderno, tendo a função de coordenar os chamados fatores da produção para obtenção de bens e serviços destinados à satisfação das necessidades humanas. Segundo Silva (2004), a atividade econômica desenvolvida pela empresa na produção de bens abrange desde as atividades de extração, cultivo e criação, até o processo de transformação. Um dos maiores problemas enfrentados pelos gestores de micro e pequenas empresas é a busca e obtenção de financiamentos, em virtude da política adotada pelos agentes financiadores no Brasil. Realmente o Brasil não é exemplo de como financiar a pequena empresa, mas algumas atitudes por parte do empreendedor deveriam ser tomadas com o intuito de mudar esse cenário. O fato de não existirem políticas públicas claras que apóiem o empreendedorismo no país não justificam jogar toda culpa do insucesso do empreendimento no governo. O empreendedor deve utilizar de sua capacidade de planejamento e habilidade de negociação, bem como seu networking, para identificar as melhores alternativas no mercado para injetar capital em seu negócio. (DORNELAS, 2003, p.175). Do ponto de vista de análise financeira, se faz importante uma análise multidisciplinar, envolvendo os produtos que a empresa analisada produz e a importância desses produtos para a satisfação das necessidades de seus clientes. 2.3 ASPECTO HISTÓRICO DA ANÁLISE FINANCEIRA A análise financeira sempre esteve muito ligada à necessidade de identificação da solidez e da performance das empresas. A partir de meados do século XIX, fatos como o surgimento das grandes corporações nos Estados Unidos levaram à separação das funções de proprietários e de administrador da empresa. Desta maneira passou-se a exigir um sistema de avaliação formal de performance da própria administração. Em 1890, já era rotineiro para os bancos comerciais solicitarem demonstrações contábeis para avaliação de seus clientes. Durante a primeira década do século XX já se fazia uso dos índices financeiros e índice de liquidez corrente (SILVA 2004).

20 20 Portanto, diversos profissionais atualmente desenvolvem e aprimoram diversos índices com o objetivo de analisar a solidez financeira das empresas, técnicas de comparação das empresas com os padrões dos respectivos segmentos de atuação, modelos de previsão de insolvências ou de classificação de risco baseados no uso de técnicas de métodos quantitativos, como também o uso de metodologias para identificação do fluxo de caixa e para determinação da necessidade de capital de giro das empresas. 2.4 ANÁLISE FINANCEIRA DE EMPRESAS A análise financeira de uma empresa consiste em uma avaliação minuciosa dos dados financeiros disponíveis, bem como das condições internas e externas que a afetam financeiramente. Tais dados financeiros referem-se às demonstrações contábeis, programas de investimentos, projeções de vendas e projeção de fluxo de caixa. As demonstrações contábeis são apenas canais de informação sobre a empresa, tendo como objetivo principal subsidiar a tomada de decisão. É importante destacar que a análise financeira não pode ser limitada apenas aos indicadores de natureza financeira, pois há uma série de fatores que, mesmo não podendo ser chamados de financeiros, causam impacto na saúde financeira da empresa. (SILVA, 2004, p.28). Tais fatores referem-se a questões que devem ser elucidadas, como por exemplo: O que faz a empresa? Quem são os proprietários, quem tem poder de mando? Quem são os administradores? Que padrão de tecnologia apresenta? Quais os planos de investimento? É lucrativa e próspera? É sólida ou corre o risco de quebrar em pouco tempo? Está muito endividada? Que tipo de público consome seus produtos? Quem são seus principais concorrentes? A empresa é tão forte quanto seus concorrentes?

21 21 Qual a tendência da empresa de potencialidade de geração de lucro? Diversas questões podem e devem ser levantadas, objetivando tornar cada vez mais transparentes a performance e a solidez da empresa. 2.5 CAPITAL DE GIRO Para Assaf Neto e Silva (2002), a qualidade nas decisões que envolvem Capital de Giro é depende diretamente da capacidade analítica do administrador para compreender o problema em toda sua extensão, e do seu conhecimento técnico para definir a melhor solução. A administração do capital de giro refere-se à administração das contas dos elementos de giro, que são os ativos e passivos circulantes e as inter-relações existentes entre eles. Dessa forma, são observados fundamentalmente os níveis adequados de estoques que as empresas devem manter, seus investimentos em créditos a clientes, critérios de gerenciamento do caixa e estrutura dos passivos correntes, de forma consistente, com objetivos enunciados pela empresa e tendo por base a manutenção de determinado nível de rentabilidade e liquidez. O capital de giro representa os recursos demandados por uma empresa para financiar suas necessidades operacionais, que vão desde a aquisição de matérias-primas (mercadorias) até o recebimento pela venda do produto acabado. (ASSAF NETO; SILVA, 2002, p. 35) Para Fleuriet (2003, p. 12), o capital de giro é um conceito econômico financeiro e não uma definição legal, constituindo uma fonte de fundos permanente utilizada para financiar a necessidade de capital de giro da empresa. O gerenciamento de capital de giro envolve a otimização da inter-relação dos elementos que o constituem. A busca do equilíbrio financeiro é o objetivo maior da administração de capital de giro, isso pode se dar, principalmente, pela obtenção de um nível de estoque compatível com as necessidades da empresa, investimentos proporcionais em créditos a clientes, critérios de gestão de caixa e de passivos circulantes, coerentes com um nível de rentabilidade ótima e liquidez segura. (PAULO; MOREIRA, 2003). Segundo Agustini (1999), o capital de giro de uma empresa pode se encontrar em três situações diferentes: capital de giro nulo, capital de giro próprio e capital de giro de terceiros. O primeiro ocorre quando o ativo circulante é igual ao passivo circulante, ou seja, os haveres,

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro.

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre um dos tópicos mais obscuros do edital de Análise de Balanços do concurso para Fiscal do ICMS de São Paulo. Trata-se do seguinte item: Análise do Capital de Giro: Necessidade

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 RESUMO O mercado apresenta alto nível de competitividade e inovações. Segundo dados do Sebrae (2011) uma das principais

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais