CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS Soma Tecnologia da Informação Lins - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS Soma Tecnologia da Informação Lins - SP"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Fabio José Soriano Guedes Maicon Cesar Vicente de Paula Rogério Aparecido Pereira CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS Soma Tecnologia da Informação Lins - SP LINS SP 2010

2 FÁBIO JOSÉ SORIANO GUEDES MAICON CESAR VICENTE DE PAULA ROGÉRIO APARECIDO PEREIRA CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Ciências Contábeis, sob a orientação do Prof. M. Sc Ricardo Yoshio Horita e orientação técnica da Profª M. Sc Heloisa Helena Rovery da Silva LINS SP 2010

3 Guedes, Fabio José Soriano; De Paula, Maicon Cesar Vicente; Pereira, Rogério Aparecido G957c Captação de Recursos: Soma - TI / Fabio José Soriano Guedes; Maicon Cesar Vicente de Paula; Rogério Aparecido Pereira. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Ciências Contábeis, 2010 Orientadores: Ricardo Yoshio Horita; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. Captação de Recursos. 2. Financiamentos. 3. Linhas de Credito. I Título. CDU 657

4 FÁBIO JOSÉ SORIANO GUEDES MAICON CESAR VICENTE DE PAULA ROGÉRIO APARECIDO PEREIRA CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do titulo de Bacharel em Ciências Contábeis Aprovada em: / / Banca Examinadora: Prof. Orientador: Ricardo Yoshio Horita Titulação: Mestre em Ciências da Computação pela UFSCAR Assinatura: 1º Prof(a): Titulação: Assinatura: 2º Prof(a): Titulação: Assinatura:

5 Dedico esse trabalho aos meus pais, Manoel Soriano Guedes e Maria Conceição Fialho Guedes, as pessoas que me ensinaram a viver como muita ética e profissionalismo. Dedico também a minha querida irmã Deise Cristina Guedes que sempre me apoiou a estudar. Dedico também a uma pessoa querida e especial em minha vida Bruna Roberta Melges Zanuto por sempre estar ao meu lado. Fabio Guedes Dedico a minha família, em especial a minha mãe Sueli de Cesar e a minha tia Maria Ermínia Conceição Pinto, por sempre estarem ao meu lado me apoiando em todos nos momentos, e que me ensinaram a ser esta pessoa responsável, educada e com caráter. Dedico ao meu irmão Willian Cesar Vicente de Paula, por me apóia nos momentos difíceis, para que eu não desanimasse. Maicon Cesar Dedico aos meus familiares, principalmente aos meus pais Benedito de Abreu Pereira e Rosana M. K. Pereira, que sempre me apoiaram e me ajudaram nessa trajetória. Aos meus amigos que sempre estão comigo, dando força e aconselhando durante minha vida. Rogério Ap. Pereira

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pela minha saúde e a paz que ele proporciona em minha vida, por todos os momentos difíceis por quais passei e superei em minha vida, que seria impossível enfrentá-los sem sua presença, Muito obrigado Senhor. Agradeço também a toda minha família, em especial minha mãe Maria Conceição Fialho Guedes que me apoiou em todos os anos da minha vida e também durante o período de formação e meu pai Manoel Soriano Guedes que sempre foi uma lição de vida pra mim e me ensinou a ser batalhador e humilde e ter sempre muita garra e é meu exemplo de Vida, Muito Obrigado. Agradeço aos meus companheiros de grupo Maicon César e Rogério Aparecido, que além de companheiros de grupos são meus fies amigos que me ensinaram muito durante esse período em que trabalhamos em equipe e com eles pude compartilhar muitas alegrias. Agradeço ao nosso professor e orientador Ricardo Horita, que nos conduziu até esse momento de gloria e finalização do trabalho. Um homem que merece respeito não só pela sua capacidade profissional, mas também pelo grande ser humano que ele representa. Obrigado. Agradeço aos sócios da empresa Paulo César Montalvão e Andrei Oliveira, que sempre nos trataram muito bem, atendendo o grupo com muita paciência e nos ajudando a realizar esse importantíssimo trabalho. Agradeço a professora Rosiane Gouvêa, que intermediou o nosso encontro com os proprietários da empresa SOMA e nos ajudou a dar inicio a esse trabalho. Agradeço a todos os Professores do Unisalesiano-Lins,

7 que fizeram parte das nossas vidas e aumentaram nosso conhecimento durante os quatro anos de faculdade. Agradeço ao Unisalesiano, por todos os ensinamentos que obtivemos e ao suporte que a universidade possibilitou a nós alunos durante esse período de vida que passamos nela. Fabio José Primeiramente a Deus, que me concedeu a vida, saúde e capacidade para concretizar mais essa etapa, dando-me força, coragem e determinação na busca de mais um ideal. A Minha Família, dedico este trabalho a vocês por terem a cada dia alimentado os nossos sonhos, dando-me entusiasmo para alcançar os meus objetivos. A vocês que jamais mediaram esforços para me apoiar, não só na realização deste trabalho, mas em todas as etapas de minha vida. Em especial para Minha Mãe Sueli e Minha Tia Maria. Aos Professores e Colegas de Classe, agradeço aos meus professores que sempre podemos contar em todos os momentos, e colegas de classe, por todo incentivo colaboração e amizade, Desejo muita sorte e sucesso a todos. A Professora Heloisa pela dedicação e paciência com o nosso grupo, sempre nos motivando para chegarmos ao melhor resultado final. A professora Rosiane por ter nos dado a Honra de conhecermos a Soma TI, empresa que abriu as portas para nossa pesquisa e elaboração de todo o Trabalho de Conclusão de Curso. A empresa SOMA TI, aos Proprietários Paulo e Andrei que sempre podemos contar com a ajuda e colaboração para a elaboração de toda a pesquisa elaborada e apresentada, por ter aberto a porta da empresa Soma para nosso Grupo. Muito Obrigado.

8 Aos companheiros de TCC, muito obrigado Fabio e Rogério, pelo companheirismo pela amizade desenvolvida em torno desses quatro anos, amizade sincera e verdadeira, onde conseguimos vencer os obstáculos e concluirmos nosso grande objetivo. Muito Obrigado. Ao Nosso Orientador, pela paciência e principalmente pela dedicação que teve comigo, com meus parceiros e com a nossa monografia. Ricardo Horita você foi muito importante nessa etapa de nossa s vidas, nunca vamos esquecer tudo o que fez pela gente. Não poderíamos ter escolhido orientador melhor! Obrigado!!! Maicon Cesar Primeiramente a Deus, que vem me proporcionando saúde e sabedoria, por estar sempre comigo, me iluminando durante toda minha vida. Aos meus pais Benedito e Rosana, por me darem força nas minhas escolhas e me apoiarem, por te me ensinar a respeitar o próximo e lutar pelos meus sonhos. Aos amigos e professores, a todos amigos de sala, que me ajudaram e me ensinara, principalmente ao Fabio e Maicon, que compartilharam de perto este momento em minha vida e aos professores que me orientaram na minha formação. Em especial a professora Rosiane que nos que nos indicou a empresa SOMA TI. A empresa SOMA TI, aos empresários Andrei e Paulo que abriu a porta para que pudéssemos realizar a nosso trabalho de conclusão de curso.

9 Aos nossos orientadores, Ricardo Horita e Heloisa Helena, pela a orientação, dedicação, paciência e conhecimento passado durante este tempo. Obrigado a todos! Rogério

10 RESUMO Atualmente, as empresas, cada vez, mais buscam alternativas formas de captar recursos financeiros, por isso há necessidade de conhecer o sistema financeiro devido sua importância no sistema empresarial, pois tem como objetivo transferir recursos para agentes econômicos. É extremamente importante que as empresas tenham profissionais capacitados e que saibam buscar esses recursos com o menor custo possível, estando sempre atentos às propostas apresentadas pelas instituições financeiras. Hoje, as instituições financeiras, tanto as privadas, quanto as públicas, oferecem um leque de linhas de créditos para as empresas, havendo inúmeros incentivos empresarias por parte delas, principalmente pelas governamentais, que tem programas de acordo com as particularidades da empresa e onde será investido o capital, como: PROGER, FINAME, FINEP, PRIME, entre outros; estes podem ser oferecidos para os mais diversos tipos de investimentos, tais como: capital de giro, imobilizado e mobilizado, infra-estrutura, turismo, programa social, entre outros, sendo necessário saber qual a necessidade da empresa e pesquisar qual a melhor linha de crédito para ela. Independentemente de onde será aplicado e de onde foi captado, o retorno que o investimento trará será o mesmo, por isso a importância de saber qual a melhor linha para empresa, suas vantagens, condições de pagamento e seu custo; este é fator determinante para analisar se o retorno foi o esperado ou não. É importante focar que o conhecimento das melhores linhas de crédito, possibilita alcançar um maior retorno financeiro, cabendo assim, aos gestores da empresa este papel e procurar as melhores condições para empresa, pois somente eles sabem o prazo necessário para que se obtenha retorno do capital financiado e o tempo para saldar esta dívida. Palavras-chave: Captação de recursos. Financiamento. Linhas de Créditos.

11 ABSTRACT Currently, companies more and more seek alternative ways to raise funds, so there is need to know the financial system because of its importance in the business system, which objective is to transfer resources to economic agents. It is extremely important that companies have trained professionals and who can seek out these resources with the lowest possible cost, being always mindful of the proposals presented by financial institutions. Today, financial institutions, both private and public ones, offer a range of credit lines to companies, with numerous entrepreneurial incentives on their part, especially the government, which has programs in accordance with the characteristics of the company and where it will invested capital, as PROGER, FINAME, FINEP, PRIME, among others, these can be offered for different types of investments, such as working capital, fixed assets and mobilized, infrastructure, tourism, social program, including others, being necessary to know what the need of company and to search what the company needs and find the best line of credit for it. Regardless of where you applied and where it was captured, the return that the investment will be the same, hence the importance of knowing what the best line to the company, its advantages, payment terms and cost, this is an important factor to consider if the return was expected or not. It is important to focus that knowledge of the best lines of credit, is possible to achieve a higher financial return, so fitting, to company managers this role and seek the best conditions to company, because only they know the time needed to get that return on capital funded and the time to pay off this debt. Key-words: Fundraising. Financing. Lines of Credit.

12 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Sócios da Soma TI Andrei e Paulo...19 Figura 2: Incubadoras de empresas de Lins...21 LISTA DE QUADRO Quadro 1: Indicadores para avaliação das empresas...35 Quadro 2: Taxa de juros mensais cobrados pelos maiores bancos privado do país...38 Quadro 3: Distribuição do Recurso...51 Quadro 4: simulação de financiamento em doze meses, capital de giro, Banco Bradesco...59 Quadro 5: simulação de financiamento em trinta e seis meses, capital de giro, Banco Bradesco...59 LISTA DE ABREVIATURAS AC: Ativo Circulante ADETEC: Agência de Desenvolvimento Econômico e Tecnologia de Lins AP: Ativo Permanente AS: Sociedades Anônimas BACEN: Banco Central do Brasil BB: Banco do Brasil BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CEF: Caixa Econômica Federal CGL: Capital de Giro Liquido CMN: Conselho Monetário Nacional

13 CMV: Custo de Mercadoria Vendida CNPq: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CODEFAT: Conselho Deliberativo de Fundo de Amparo ao Trabalhador CVM: Comissão de Valores Mobiliários DA: Despesa Antecipada DR: Duplicatas a Receber ELP: Exigível a Longo Prazo FAP: Formulário de Apresentação de Proposta FGO: Fundo Garantidor da Operação FGTS: Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FINAME: Agência Especial de Financiamento Industrial FINEP: Financiadora de Estudos e Projetos GIC: Gestão de Indústria e Comércio IA: Inteligência Artificial IECP: Índice de Endividamento a Curto Prazo IEG: Índice de Endividamento Geral IIPL: Índice de Imobilização de Capital Liquido IIRñC: Índice de Imobilização de Recursos não correntes ILC: Índice de Liquidez Corrente ILG: Índice de Liquidez Geral ILS: Índice de Liquidez Seca IPCT: Índice de Participação de Capital de terceiro LB: Lucro Bruto LL: Lucro Liquido LO: Lucro Operacional MB: Margem Bruta MCT: Ministério da Ciência e Tecnologia ML: Margem Liquida MOP: Margem Operacional PC: Passivo Circulante PL: Patrimônio Liquido PMPC: Prazo Médio Pagamento de Compras PMRE: Prazo Médio Renovação de Estoque PMRV: Prazo Médio Recebimento de Vendas

14 PRIME: Programa Primeira Empresa PROGER: Programa de Geração de Emprego RLP: Realizável a Longo Prazo RPL Retorno sobre Patrimônio Liquido ROI: Retorno sobre Ativo Total SENAC: Serviço Nacional de aprendizagem Comercial SFN: Sistema Financeiro Nacional TJ: Taxa de Juros TJLP: Taxa de Juros a Longo Prazo TI: Tecnologia da Informação TR: Taxa de Referencia UDOP: União dos Produtores de Bioenergia VL: Vendas Liquidas

15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPITULO I - A EMPRESA SOMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - ME 18 1 HISTÓRICO Objetivos e Valores Estrutura física e organizacional Incubadora de Empresas Softwares Desenvolvimento de softwares na empresa Como os Softwares auxiliam na gestão das empresas Gerente Comercial Gestão da Indústria e Comércio - GIC Controle de Ponto Quem desenvolve os softwares na empresa A que setores são focados os softwares Comercialização do produto Marketing do produto Serviço de manutenção do produto Perspectivas do mercado O novo projeto A ideia do novo projeto O diferencial do novo projeto CAPÍTULO II - CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINACEIROS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Autoridades Monetárias Conselho Monetário Nacional CMN Banco Central do Brasil BACEN Comissão de Valores Mobiliários CVM... 31

16 2.1.4 Banco do Brasil - BB Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Caixa Econômica Federal CEF Instituições Financeiras Bancárias Categorias de Empréstimos Recursos de Curto Prazo Recursos de Médio Prazo Recurso de Longo Prazo Recursos com Menores Custos Importância de Menores Custos Linhas de Créditos Estimuladas pelo Governo Linhas de Créditos Linhas de Créditos Específicas PROGER PROGER Urbano Social PROGER Turismo Investimento BNDES FINAME FCO Empresarial FINEP Subvenção Econômica PRIME KIT PRIME CAPÍTULO III CAPTAÇÂO DE RECURSOS AQUISIÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS PARA A EMPRESA SOMA TI Primeiros passos para a obtenção deste recurso Importância da Incubadora de Empresas de Lins para a captação do recurso Edital KIT PRIME Etapas do Edital A Subvenção Econômica FINEP... 49

17 3.3 Vantagens do Recurso FINEP A importância das Consultorias A escolha de recurso financeiro apropriado Captação através de Linhas de Créditos Convencionais Desvantagens das Linhas de Créditos Convencionais Requisitos para a Captação de Recursos Convencionais Parecer Final PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 70

18 16 INTRODUÇÃO No Brasil existem vários tipos de linhas de créditos especificas que facilitam a captação de recursos para as empresas possibilitando a elas menores custos financeiros e maior suporte no investimento de acordo com seu setor ou ramo de atividade. O que as empresas necessitam é conhecer e saber em qual linha de crédito o seu empreendimento se enquadra, qual lhe proporciona maior apoio facilidade e comodidade. É necessário que organizações entendam como funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN), e todos os órgãos e autoridades monetárias que nosso país possui. Esse trabalho mostra a captação de um recurso financeiro na empresa SOMA-TI analisando a linha de crédito que a empresa se enquadrou e o suporte que ela obteve para obtenção de tal recurso. O suporte é a ferramenta pela qual as organizações tomam conhecimento dessas linhas de créditos através de um profissional, uma base treinada ou uma consultoria externa nessa área. A SOMA-TI trabalha no desenvolvimento de softwares para gestão. A empresa possui três focos: softwares para empresas comerciais; para indústrias e o agronegócio, sendo este último responsável por projeto, inovador que motivou o ingresso da empresa na Incubadora de Empresas de Lins. A Incubadora de Empresas foi a responsável pelo conhecimento que a empresa obteve sobre a melhor linha de crédito para seu projeto. A escolha do melhor recurso financeiro não se baseia em encontrar apenas aqueles com juros baixos, mas sim, encontrar uma linha de crédito que esteja comprometida com o sucesso do projeto, investindo em áreas distintas como consultorias técnicas do produto, marketing, mercado entre outras atividades. Diante do exposto questiona-se: O conhecimento das linhas de crédito disponível no mercado financeiro pode auxiliar o gestor a escolher a linha de crédito apropriada à empresa tal

19 17 que proporcione maior retorno ou menor custo financeiro? Em resposta a tal questionamento surgiu a seguinte hipótese: O conhecimento do mercado financeiro, e suas linhas de créditos disponíveis é uma informação essencial para que a empresa escolha aquela que melhor se adapte, tornando o empreendimento viável. Tal análise pode ser decisiva para o sucesso de uma empresa. Para demonstrar a veracidade da hipótese, foi realizada uma pesquisa na empresa SOMA-TI, durante o período de fevereiro a outubro de Na realização da pesquisa foram utilizados os métodos: Estudo de caso e Observação Sistemática e Histórico, descritos no Capítulo III. O trabalho está estruturado em: Capítulo I Relata a história da empresa, mostrando como foi sua criação, em que setor ela atua e suas perspectivas de mercado. Capítulo II Demonstra como funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN), e explica como é importante conhecer todos os órgãos responsáveis pela distribuição de credito no país. Capítulo III Demonstra como aconteceu a Captação de Recursos na empresa SOMA-TI, relatando como devem ser realizadas as escolhas das linhas de créditos em cada organização. Conclui-se com a Proposta de Intervenção e Conclusão.

20 18 CAPÍTULO I A EMPRESA SOMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - ME 1 HISTÓRICO A empresa Soma TI (Tecnologia da Informação) limitada, com sede em Lins/SP, foi constituída por dois sócios, Andrei Daniel D. Oliveira, sendo que este é formado em Análise De Sistema com 5 anos de experiência e Paulo César Montalvão, que tem 10 anos de experiência agrícola como gerente rural e está cursando o último ano de Engenharia Agronômica, com mais de 10 anos de experiência em gestão agrícola em cana de açúcar. Iniciou, conforme cadastro do CNPJ em 23/04/2009, com um capital de R$ ,00 que foi destinado à compra de moveis, computadores, impressoras, aparelho de ar condicionado, entre outros. A Soma - TI trabalha no desenvolvimento de softwares para gestão. A empresa possui três focos: software para empresas comerciais, para indústrias e para o agronegócio, sendo esta última responsável por um projeto inovador que motivou o ingresso da empresa na Incubadora de Empresas de Lins. A empresa atua em um segmento bastante competitivo e tem como diferencial oferecer produtos customizados aos clientes: oferece soluções específicas para cada caso e assim facilitar o trabalho do cliente e o uso do software. Recentemente, no inicio do ano de 2010 a empresa foi contemplada com uma subvenção de R$ ,00 do Programa Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), com a apresentação de um novo projeto que a enquadrava nas imposições do programa.

21 19 Fonte: Incubadora, 2010 Figura 1: Sócios da Soma TI Andrei e Paulo Com a disputa entre 260 empresas inscritas na Incubadora Âncora que esta localizada em Ribeirão Preto, a empresa SOMA de Lins, ficou entre as 82 empresas que foram contempladas com o Programa Primeira Empresa (PRIME) do FINEP, e receberam o recurso, por apresentar um projeto inovador, facilitador e confiável aos olhos de profissionais que analisaram toda a utilidade do produto. O mais novo projeto da empresa está ligado à área agrícola, especificamente ao setor sucroalcooleiro, onde a empresa está se focando ultimamente. Os conhecimentos e experiências dos sócios facilitaram a comunicação entre o setor computacional e o setor técnico no ramo de informatização agrícola. A empresa buscou ainda parcerias estratégicas com empresas do setor para agilizar e facilitar a aplicação da nova tecnologia. Com a crescente demanda por combustíveis renováveis e que causam menor impacto no ambiente, a cultura da cana-de-açúcar está tendo uma grande expansão no Brasil.

22 20 Segundo a União dos Produtores de Bioenergia (UDOP), espera-se que haja, no Brasil, 500 unidades produtoras de bioetanol a partir da cana até Com a ideia de se investir em um novo produto SOMA ABI de Agribusiness Inteligence, foi incentivada pela crescente demanda por inteligência em gestão estratégica e tecnologia decorrente da nova expansão sucroalcooleira. 1.1 Objetivos e Valores A empresa SOMA TI Ltda. - ME é uma software house que, por definição, é uma empresa ou organização que se dedica a elaborar software, ou seja, programa de computador, geralmente com fins comerciais. O seu diferencial está em construir sistemas inteligentes, que utilizam o banco de dados para fornecer informações estáticas sobre clientes, estoques e faturamentos. 1.2 Estrutura física e organizacional A empresa SOMA-TI Ltda. - ME está instalada dentro da Incubadora de Empresas de Lins, na Av. Floriano Peixoto, 1093, Centro, em um box de 30 m² com duas divisórias internas, ficando três salas separadas com aproximadamente 2 x 5m, ou seja, 10 m². A primeira sala é destinada a recepção dos clientes e é composta por: 1 mesa, 3 cadeiras e bebedouro de água. A sala do meio é designada para o desenvolvimento de sistema e é composta por uma mesa em L, 1 cadeira e 1 estante contendo livros diversos sobre desenvolvimento de sistemas. A última sala é destinada a testes de softwares e reuniões e possui bancada, 2 cadeiras e 1 estante com materiais de escritório Incubadora de Empresas

23 21 A Incubadora de Empresas de Lins, onde está instalada a empresa Soma TI, é um ambiente especialmente adaptado para acolher micro e pequenas empresas no início de suas atividades. Fonte: Incubadora, 2010 Figura 2: Incubadoras de empresas de Lins Atualmente ela conta com a gerência de Flavio José Anequini, e apoio da Agência de Desenvolvimento Econômico e Tecnologia de Lins (ADETEC), Unisalesiano e Eletro Montanha. Procura agregar valores à empresa em variados aspectos tais como: inovações e tecnologias conhecimentos administrativos, suporte técnico e gerencial para a formação do empreendedor. Inaugurada no ano de 2003, a incubadora de empresas de Lins segue com 7 empresas residentes, que recebem consultorias especializadas a cada segmento com objetivo de criar um empreendimento com sustentabilidade econômica e social.

24 22 Ainda existem mais 3 empresas pré residentes, que são aquelas que já estão com a documentação em andamento para se instalar. Há, ainda, 4 empresas associadas que possuem sede própria, mas têm acesso aos mesmos recursos que as empresas residentes. Além disso, há 8 empresas que são observadas pela incubadora, chamadas de graduadas. São empresas que concluíram o tempo de incubação estando ativas no mercado. A Incubadora torna a empresa competitiva no mercado, garantindo uma estrutura para ela alcançar o sucesso, mesmo após o término do período de residência no programa que é de 2 anos. Sua missão é preparar empreendedores de Lins e região para viabilizar empresas competitivas, inovadoras e de sucesso; apoiar o desenvolvimento de empresas sólidas e competitivas agregando tecnologia aos seus produtos e processos e difundir a cultura empreendedora na região, contribuindo assim, para o desenvolvimento econômico e social sustentado - do município e região. Além da importância que a incubadora exerce para as empresas ligadas a ela, o município e toda região de Lins fica muito mais fortalecido, pois todo o planejamento e a estruturação realizadas na consciência dos empreendedores fazem com que ocorra sempre um mercado mais competitivo, de alto nível e sempre com um pensamento sustentável. 1.3 Softwares Os softwares são ferramentas que ajudam o usuário a adaptar suas necessidades a ele de modo que este consiga executar tarefas, desde simples até outras mais complexas automaticamente. O software é a parte lógica do computador. Para o funcionamento de um computador necessitamos tanto da parte física (hardware), como da parte lógica (software), que é responsável pelo controle de todo processamento de dados. O software, mais especificamente o Sistema Operacional é instalado na maquina para gerenciar e fornecer as informações ao peopleware (usuário), o aplicativo é instalado sobre o Sistema Operacional. (OLIVEIRA, 2007, p. 20).

25 23 Eles podem auxiliar na gestão de qualquer empresa, em qualquer que seja sua necessidade, pois os programadores podem desenvolver aperfeiçoar e melhorar seus sistemas de acordo com a necessidade da empresa Desenvolvimento de softwares na empresa A empresa trabalha com desenvolvimento de software, sendo especialista em programas para o setor agronômico. Para o desenvolvimento de tais programas é necessário um ambiente de trabalho onde haja pouca circulação de pessoas, pois isso até atrapalharia a parte de desenvolvimento Como os Softwares auxiliam na gestão das empresas Os sistemas que são oferecidos pela empresa podem auxiliar e facilitar na gestão empresarial e administração por meio dos seus produtos que abrangem o mercado. Tem como principais produtos: Gerente Comercia, GIC e o Controle de Ponto Gerente Comercial Um software modular, ou seja, o cliente compra apenas os módulos que desejar, levando em consideração o preço (por módulo) e a necessidade de sua utilização. a) P.D.V Ponto de vendas formado por caixa, leitor de código de barras e

26 24 a. impressora fiscal (ou não); b) CAP Contas a pagar; c) CAR Contas a Receber. Ligado ao P.D.V para venda a prazo, cartão cheque pré datados, carnês convênios etc.; d) Controle de Estoques Ligado ao P.V.D (baixa no estoque) e ao compras (inclusão).aviso de estoque mínimo e programação de compra ligado na agenda; e) Compras efetua a entrada de produtos por compras com nota fiscal de entrada. Ligado ao Contas a pagar, agenda novas compras, controle de estoque e fluxo de caixa; f) Agendas de Compromisso Tudo pode ser agendado, desde uma conta a pagar como uma compra que deve ser feita periodicamente. O compromisso da agenda é indicado assim que o sistema é iniciado como compromissos de hoje; g) Fluxo de Caixa Todas as entradas e saídas indicadas por uma linha do tempo; h) Controle Bancário Ligado ao contas a pagar e receber com emissão de cheques via impressora e controle do saldo bancário. O preço de venda de cada modulo custa na faixa de R$ 90,00 e um depende do outro para ser instalado. Ficando por conta do cliente quais os módulos que ele pode ou deve utilizar Gestão da Indústria e Comércio - GIC Sistema composto por fichas técnicas dos produtos fabricados pela indústria, e quando houver solicitação de compra, gera automaticamente um romaneio e dá baixa a matéria- prima que estão em estoque Controle de Ponto Sistema de gerenciamento de entrada e saída de funcionários. Está

27 ligado a um leitor biométrico que identifica o funcionário e passa os dados para o gerenciador, com isso gera o controle Quem desenvolve os softwares na empresa As atividades na empresa SOMA - TI são desenvolvidas e divididas por áreas específicas entre os dois sócios na parte de criação, desenvolvimento e comercialização. O sócio Andrei Oliveira é responsável por contatos com os clientes, vendas, locações, treinamento, pósvenda e relatórios de Feedback. Já o sócio Paulo Montalvão é o responsável pelo desenvolvimento do software, documentação do sistema e desenvolvimento de manuais de usuários A que setores são focados os softwares O foco dos produtos (softwares), da empresa SOMA está voltado para empresas comerciais, para indústrias e o agronegócio. Com inúmeras finalidades, seus produtos conseguem atender os mais variados tipos de empresas. Seus produtos são criados de acordo com a necessidade de cada empresa. Muitos softwares já existentes só precisam ser alterados, modificados para que se enquadrem as necessidades do cliente, facilitando a integralização de seus produtos em qualquer que seja a atividades dos clientes. Desta forma, a SOMA - TI abrange clientes em setores diferentes como revendedoras de carros, clubes de futebol, fazendas. Esta amostra revela o quanto a empresa possui de diversificação no trabalho realizado.

28 Comercialização do produto Geralmente o mercado consumidor é formado por pequenos e médios empresários do setor varejista e indústrias, que não possuem capacidade em termos financeiros para a criação de um departamento de tecnologia com programadores e profissionais da área. A maioria desses empreendimentos é caracterizada como empresas familiares com faturamento entre R$ ,00 até R$ ,00 por ano Marketing do produto A propaganda é realizada através de visitas técnicas oferecendo o produto e suas vantagens. A empresa não acredita que alguém compre um software específico porque viu uma embalagem. A empresa ainda possui um plano de marketing e comercialização que persiste na idéia de contratar pessoas que, depois de treinadas, efetuarão ligações para clientes em potenciais para oferecer produtos e serviços. Após a conclusão da venda, é agendada a visita com o encarregado do departamento comercial, que demonstrará o sistema com um notebook e sempre levando algum brinde para fortalecer a marca Serviço de manutenção do produto Concluída a parte de instalação do programa, a SOMA - TI oferece um suporte e manutenção do serviço. Dificilmente uma empresa de pequeno e médio porte, que são quase totalidades de seus clientes, contratará uma pessoa com conhecimentos específicos para atualizar, modificar e manusear o sistema. Desta forma, através de uma taxa mensal, a empresa oferecerá este

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Richer de Andrade Matos Coordenador de Expansão Regional Área de Mercado Ago/2014

Richer de Andrade Matos Coordenador de Expansão Regional Área de Mercado Ago/2014 Richer de Andrade Matos Coordenador de Expansão Regional Área de Mercado Ago/2014 Agências de Fomento São instituições estaduais com fins específicos. Não podem captar depósitos à vista (não tem correntistas)

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping Retorno do investimento garantido em contrato ou a devolução da verba inicial investida* Cláusula vigésima: do retorno do investimento inicial 20.1 A Franqueadora se compromete

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Brasília, DF/2011 O acesso ao Crédito Qual o papel do crédito? O Crédito Sustentável O crédito, visto como remédio na realização

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais