Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho PST. Sandra Regina Ayres Rocha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho PST. Sandra Regina Ayres Rocha"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho PST O pior é não ter mais profissão, bate uma tristeza profunda. : sofrimento, distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho e depressão em bancários. Sandra Regina Ayres Rocha Professora orientadora: Dra. Ana Magnólia Mendes Brasília, agosto de

2 Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho PST O pior é não ter mais profissão, bate uma tristeza profunda. : sofrimento, distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho e depressão em bancários. Sandra Regina Ayres Rocha Dissertação apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, como requisito parcial ao título de Mestre em Psicologia. Orientadora: Prof. Dra. Ana Magnólia Mendes Brasília, agosto de

3 Esta dissertação de mestrado foi aprovada pela seguinte banca examinadora: Professora Doutora Ana Magnólia Mendes Presidente da banca Instituto de Psicologia Universidade de Brasília Professor Doutor Mário César Ferreira Instituto de Psicologia Universidade de Brasília Professora Doutora Tereza Cristina Cavalcanti Ferreira de Araújo Instituto de Psicologia Universidade de Brasília Professora Doutora Maria das Graças Torres da Paz Suplente Instituto de Psicologia Universidade de Brasília 3

4 Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive. Fernando Pessoa Obra Poética (1960/1997) 4

5 Em memória de Ângela Pfitscher, que comigo iniciou esta jornada. Durante um tempo, de maneira muito próxima e sempre sorrindo trilhou uma parte do percurso, mas o interrompeu, sendo chamada a passar por novos caminhos. A meu pai, o bancário que melhor conheci e que, a despeito de ter vivenciado a reestruturação por que passaram as instituições financeiras, preserva o orgulho de ter sido do Banco do Brasil. Ao Hugo, como um alerta. 5

6 AGRADECIMENTOS A Ana Magnólia, que recebeu a mim e a este projeto, antes da seleção do mestrado. Acreditou em nós e nos enriqueceu com suas orientações. Imensa é sua capacidade de impregnar com leveza e bom humor assuntos de trabalho. Aos bancários que prestimosamente se dispuseram a participar deste estudo. Ao Sindicato dos Bancários pela oportunidade e, especialmente, a Eliane, pelo empenho pessoal para que o trabalho acontecesse, perdendo horas na tentativa de montar os grupos de intervenção. Aos meus pais, Anátolio e Balbina, que com sua força e dedicação ensinaram-me o valor do trabalho, da disciplina, do amor e tantos outros valores que balizam minha conduta. Tenho orgulho de vocês e de sua sabedoria para educar quatro filhos. Aos meus irmãos, Sérgio, Júnior e Andresson, amigos inseparáveis, por cada momento compartilhado, pelo carinho, apoio e cuidado, e também pelas diferenças. De brinde trouxeram Kátia, Flávia e Nise. Obrigada, meninas, pela torcida e pelas risadas: contribuições muitas vezes desapercebidas. À mais recente aquisição da família, o pequeno André, pela sua adorável existência. Ao José Marcos, que viu antes de mim a possibilidade e a necessidade de realizar este projeto. Advertiu-me e pacientemente foi plantando este sonho. Sempre acreditou em minha capacidade. Quando eu duvidava, olhava-me estarrecido e dizia: é tão óbvio! Como você não vê? Nunca se cansa de dizer o quanto se orgulha de mim. A Paloma, por me acompanhar na coleta de dados e enriquecer este trabalho. A Janaína, Carol, Vinicíus e Aninha, pelas transcrições das fitas, pelas fofocas e pela divertida companhia. O que seria de nós sem os intervalos? A Sônia, Janice, Leda, Carla Sabrina e Denise Rasia, que compuseram o meu coletivo de trabalho, como preconiza Dejours: cooperação e confiança. Infindáveis parcerias, profissionais e pessoais. Á dona Moema e Suziane, que solicitamente ajudaram-me com os textos em francês. Aos primos Hebert, pelas massagens e dicas de como evitar a dor nos ombros, e a Mara pelo tempo perdido com tantas impressões. A Andréia, Simone e Alessandra, queridas e sempre amigas, que conseguem a proeza de se fazer presentes em meio a constante ausência. Aos colegas do grupo de pesquisa, pela possibilidade de aprendizagem e discussões. Aos colegas Vladimir, Cesco, Elka, Cris Porto e Jansler pela ajuda mútua durante as aulas. Ao C. pelo cuidado, carinho, pelas músicas e, especialmente, pelo jardim. Ao professor Mário César, que apresentou-me os fundamentos da ergonomia, respondeu afirmativamente às minhas solicitações e, com seu olhar atento e detalhado, contribuiu para a qualidade de trabalhos que desenvolvi. Ás professoras Tereza Cristina e Maria das Graças, que aceitaram fazer parte da banca, enriquecendo com sugestões este trabalho. A todos, tios, primos, amigos e colegas que torceram por mim, minha gratidão. 6

7 RESUMO Este estudo de caso investiga o processo de adoecimento por Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) e a depressão desenvolvida em sua conseqüência. Os participantes são bancários afastados do trabalho por acometimento de Dort. O referencial teórico é da psicodinâmica do trabalho que investiga a saúde psíquica dos trabalhadores, obtida pela constante luta pelo prazer e evitação do sofrimento no trabalho. O prazer é concebido como uma vivência de satisfação, expresso por meio da gratificação, da realização, do reconhecimento, da liberdade, da valorização no trabalho. O sofrimento diz respeito a uma experiência dolorosa relativa a sentimento de angústia, medo ou insegurança. Ambos constituem um constructo único, dialético, influenciado pelo contexto de produção de bens e serviços a que está submetido o trabalhador. Este contexto contempla as condições de trabalho, a organização do trabalho e as relações socioprofissionais. Na interação do trabalhador com seu contexto de produção, dá-se o estabelecimento de estratégias de mediação que podem ser mobilização coletiva ou estratégias defensivas. A primeira transforma situações geradoras de sofrimento em fonte de prazer e as últimas evitam o contato dos trabalhadores com a experiência dolorosa. Além deste referencial, o estudo apóia-se, também, na literatura sobre Dort e sobre depressão. Dort refere-se a diversas patologias do sistema músculo-esquelético que acometem extremidades superiores, têm início insidioso e podem resultar em incapacidade laborativa. O conceito de depressão utilizado refere-se à Depressão Essencial, cujo elemento característico é o embotamento afetivo com desaparecimento do prazer em todas as instâncias da vida e robotização dos comportamentos. A metodologia do estudo contempla estratégia qualitativa para análise e coleta de dados. Utilizam-se entrevistas coletivas e individuais semi-estruturadas com, respectivamente, 19 e 7 participantes. Todas as entrevistas foram submetidas à análise categorial temática por juízes. Os resultados para as entrevistas coletivas indicam três categorias construídas a priori - Condições de trabalho; Organização de trabalho e Relações sociais de trabalho - e outras quatro categorias construídas a posteriori: Em banco tudo é cronometrado ; Você é colega enquanto está produzindo ; Não valeu a pena ; e Fui traído, o banco não liga a mínima para mim. As categorias resultantes das entrevistas individuais foram : Nunca pensei que pudesse ser uma patologia ; O pior é não poder mais trabalhar, bate uma tristeza profunda ; Quem disse que você tem Dort? ; Nunca fui uma pessoa triste. Com base nestas categorias, identifica-se rigidez do contexto de produção que impossibilita satisfação de necessidade dos trabalhadores. A aceleração das cadências como estratégia defensiva em resposta às exigências de produtividade é valorizada por pares, chefia e clientes, mas evita a identificação do sofrimento. O adoecimento por Dort é gradual e passível de negação, dada a invisibilidade dos sintomas. Longo trajeto é percorrido até o diagnóstico e tratamento adequado da doença. O afastamento do trabalho se dá tardiamente. Médicos e lesionados resistem em fazer uso deste recurso. A depressão surge em conseqüência das limitações impostas pela doença e do afastamento do trabalho. Caracteriza-se por tristeza profunda, falta de vontade de sair de casa, diminuição do prazer, necessidade de isolamento e sentimento de inutilidade. Palavras-chave: prazer-sofrimento no trabalho; Dort; depressão relacionada a Dort. 7

8 ABSTRACT This case study investigates the illness process caused by Work-related muscolosketal disorders WMSD - and the depression developed as a consequence of it. The participants are bank clerks taken away from work due to WMSD's attack. The theoretical referential is the work's psychodynamic, that investigates the psychic health of workers, which results from the constant fight for pleasure and avoidance of suffering at work. Pleasure is understood as a satisfaction experience, shown through gratuity, accomplishment, recognition, freedom, valuation at work. Suffering is related to a painful experience associated to distress, fear or unreliability. Both constitute a single, dialectic construct, influenced by the production context of goods and services, under which the worker is placed. This context includes the work conditions, the work organization and the work social relations. In the interaction between the worker and his production context, it occurs the establishment of mediation strategies that can be collective mobilization or defensive strategies. The first one transforms situations that cause suffering into a source of pleasure, while the last ones prevent the contact of the workers with the painful experience. Beyond this referential, this study is also supported in WMSD and depression literature. WMSD is referred to many kinds of pathologies of the muscle-skeletic system that attack the body's superior extremities that have an insidious beginning and can result in work incapacity. The concept of Depression is referred to the Essential Depression of which the characteristic element is the affective weakening and the disappearance of pleasure in life situations as well as robotized behaviors. The methodology of the study includes qualitative strategy for data collecting and analysis. Group and individual semi-structured interviews are made with 19 and 7 participants, respectively. All interviews are submitted to the categorial theme analysis by judges. The group interviews' results show three constructed categories in advance Work conditions; Work organization and Work social relations and another four constructed categories afterwards: "In banks everything is timed", "You are a colleague while you are producing", "It was not worthwhile" and "I was betrayed, the bank doesn't care about me". The resulting categories of the individual interviews were: "Never thought it could be a disease", "The worst is no more being able to work, you feel deeply sad", "Who said you have WMSD?" and "I've never been a sad person". Based on these categories, it's possible to identify the stiffness in the production context, which impedes the satisfaction of the workers' needs. The acceleration of the beatings as a defensive strategy in respond to the productivity demands is valued by pairs, bosses and clients, but avoids the suffering identification. The WMSD illness process is gradual and subject to denial, due to the symptoms' invisibility. A large path is gone through until the diagnosis and the proper treatment of the disease. The lay off from work is late. Doctors and patients resist in using this resource. The depression comes as a consequence of the limitations brought by the disease and the lay off. WMSD is featured by deep sadness, unwilling of getting out of home, reduction of pleasure, necessity of isolation and feeling of uselessness. Key words: pleasure-suffering at work, WMSD, depression related to WMSD. 8

9 SUMÁRIO Introdução Psicodinâmica do trabalho Contribuições de Christophe Dejours Organização do trabalho Sofrimento psíquico no trabalho Estratégias defensivas Mobilização subjetiva Contribuições de outros autores Estudos com a categoria bancários Estudos com profissionais de saúde Estudos com outras categorias profissionais e estudos teóricos Sofrimento psíquico, Dort e Depressão relacionada ao trabalho Modelo de investigação Método Universo da pesquisa Participantes Instrumento Entrevistas coletivas Entrevistas individuais Procedimento Análise de dados Resultados Contexto de produção de bens e serviços Organização do trabalho

10 Condições de trabalho Relações sociais de trabalho Categorias empíricas das entrevistas coletivas e individuais Categorias das entrevistas coletivas Categorias das entrevistas individuais Discussão Conclusão Referências Anexos Anexo 1- Ficha de Inscrição Anexo 2- Roteiro da Entrevista Coletiva Anexo 3- Roteiro de Entrevista Individual Anexo 4- Quadro para análise de conteúdo

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Representação gráfica da alienação social Figura 2 Modelo de investigação 11

12 LISTA DE QUADROS E TABELAS Tabela 1: Distribuição dos participantes segundo gênero, idade e escolaridade Tabela 2: Distribuição dos participantes segundo instituição e tempo na instituição Tabela 3: Distribuição dos participantes segundo cargo e tempo no cargo Tabela 4: Distribuição dos participantes segundo tempo de diagnóstico e de afastamento do trabalho Quadro 1: Resumo das categorias sínteses das entrevistas coletivas Quadro 2: Categoria síntese A das entrevistas coletivas Quadro 3: Categoria Síntese B das entrevistas coletivas Quadro 4: Categoria Síntese C das entrevistas coletivas Quadro 5: Categoria Síntese D das entrevistas coletivas Quadro 6: Resumo das categorias sínteses das entrevistas individuais Quadro 7: Categoria Síntese E das entrevistas individuais Quadro 8: Categoria Síntese F das entrevistas individuais Quadro 9: Categoria Síntese G das entrevistas individuais Quadro 10: Categoria Síntese H das entrevistas individuais 12

13 INTRODUÇÃO Houve um tempo em que o ingresso na carreira bancária era cercado de grande expectativa. Nessa atividade vislumbrava-se status social, segurança, realização, salários competitivos e reconhecimento. Após os recentes ajustes por que passou a economia brasileira, o bancário resultante está inserido em contexto de pouca valorização, desgaste, frustração e medo de ser descartado. A realidade não correspondeu às expectativas. De acordo com Segnini (1999), por décadas o trabalho bancário representou possibilidade de continuidade nos estudos e era entendido como provisório. Posteriormente, em virtude de melhores condições de trabalho e de carreira, comparativamente a outros setores profissionais, foi adquirindo um caráter definitivo. Atualmente, configura-se como definitivamente provisório, tendo em vista a reestruturação produtiva que repercutiu tanto no perfil da categoria quanto na forma como o trabalho está estruturado. A atual configuração do sistema financeiro nacional está regulamentada pela Lei de 1964, resultando em uma reforma bancária que dividia as instituições financeiras em bancos comerciais, de investimento e de desenvolvimento, sociedades de crédito, financiamento e investimento, caixas econômicas, sociedades de poupança e empréstimos. Estas instituições 13

14 formaram conglomerados financeiros até que, em 1987, restam 120 dos 336 bancos existentes em 1964 (Dieese, 2002). Em 1988, com a liberalização de regras por parte do Conselho Monetário Nacional, pequenas distribuidoras e corretoras, mesmo dispondo de pouco capital, multiplicam-se em bancos: de 120, em 1987, para 243, em Na década de 80 do século XX, surge uma corrente econômica denominada neoliberalismo, que defende como opção para a prosperidade o aumento da produtividade e a livre concorrência nacional e internacional. Esta corrente considera o estado insubstituível como provedor de infra-estrutura econômica e social, mas ineficiente como produtor de bens e serviços. Ela torna-se o carro chefe de transformações no cenário mundial. O sistema financeiro passa, então, por um processo de ajustes da economia nacional para se adequar à essa nova ordem mundial. O processo de reestruturação produtiva resulta em três modalidades de ajuste do sistema bancário: diminuição do número de instituições por meio de falências, fusões, incorporações e privatizações; ajustes relativos à composição dos produtos bancários; ajustes no aparato regulatório do sistema bancário, que envolvem mudanças no sistema de garantia de crédito (Segnini, 1999). No início dos anos 90, especialmente após o Governo Collor, a abertura do mercado brasileiro atraiu muitos bancos estrangeiros, incrementando a 14

15 competição. A estabilização da moeda, em 1994, impôs mudanças importantes em o todo sistema financeiro, sobretudo nos bancos, que foram obrigados a sobreviver sem os ganhos fáceis obtidos com a inflação (Larangeira, 1997; Segnini, 1999; Lima, 1999). Segundo relatório do Dieese (2002), entre 1994 e 2000, o número de bancos no país sofre redução de 20%. Houve maior redução de bancos públicos e maior presença de bancos com controle estrangeiro, o que aumentou o ambiente de competitividade com os bancos nacionais. Levandose em conta não apenas a questão econômica, desconsidera-se a função social dos bancos: até 1997, 121 agências são consideradas não-rentáveis e, por isso, fechadas. Além das medidas de ajuste, intensificaram-se algumas tendências que objetivam redução de custos e maximização dos lucros: uso maciço de tecnologias, investimentos no auto-atendimento, utilização de mão-de-obra terceirizada. Recorre-se, também, à fusão de postos de trabalho, redução de níveis hierárquicos e difusão de postos de atendimento, com menos empregados e mais máquinas (Uchida, 1998; Segnini, 1999; Lima, 1999; Dieese, 2002). Todas essas medidas provocaram forte retração no mercado de trabalho bancário nacional. Em dez anos, a categoria sofre redução de 812 mil para 15

16 497 mil postos de trabalho (Dieese, 2002) por meio de demissões e, nos bancos estatais, pelos Programas de Demissão Voluntária e Estímulo à Aposentadoria (Segnini, 1999). Ainda segundo Dieese (2000), as demissões entre bancários estão diretamente relacionadas a três planos econômicos. A primeira onda de demissões ocorre após o Plano Cruzado, em 1986, resultando na redução de 109 mil postos de trabalho. Em 1992, após o Plano Collor, com a implantação do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade, outros 128 mil postos são reduzidos, e após 1994, com o Plano Real, 161 mil postos de trabalho são extintos. Em relação àqueles que permaneceram empregados, percebe-se a intensificação do trabalho, com sobrecarga, realização de horas extras, impossibilidade de fazer pausas durante a jornada de trabalho. A informação passa a ser a principal ferramenta de trabalho. Em sentido contrário ao esperado, a incorporação da tecnologia não enriqueceu o trabalho. A informatização é percebida pela categoria como fonte de empobrecimento do conteúdo do trabalho (Lima, 1999). Segundo Ribeiro (1999), a aceleração da automação e as mudanças na organização do trabalho suscitaram, nestes últimos anos, inúmeros estudos que ratificam o sofrimento e adoecimento dos bancários. Então, paralelamente 16

17 a essa nova ordem do sistema de produção, assiste-se a uma fragilização da saúde dos bancários, ilustrada por acometimento de doenças músculoesqueléticas, alcoolismo, depressão, ansiedade e tentativas, algumas bemsucedidas, de suicídio. Diante deste contexto, escolheu-se a categoria bancária para realização deste estudo. O processo de reestruturação produtiva implica não somente mudança do perfil do trabalho e trabalhadores, como também dos determinantes da saúdedoença no trabalho e, conseqüentemente, na epidemiologia e caracterização das doenças do trabalho. Neste sentido, os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, que a partir de agora serão denominados Dort, configuram-se como uma doença do trabalho que suscita o interesse do pesquisador pelo caráter epidêmico que foi adquirindo, pelo conhecimento apenas parcial dos fatores implicados no adoecimento, pelo custo elevado com afastamentos, reposição de pessoal para as organizações, e, também, pelas conseqüências nefastas na vida dos acometidos, só para citar alguns motivos. É extensa a literatura sobre Dorts, englobando diversos olhares que se complementam, mas por limitações de tempo, espaço e objetivo, não serão todos abordados neste estudo. Optou-se, então, por revelar o sofrimento psíquico intrincado neste adoecer, caracterizando-o como uma vivência 17

18 anterior ao acometimento por Dort para, depois, evidenciá-lo sob o enfoque deste adoecer e suas conseqüentes repercussões, dentre elas a depressão. Como teoria de sustentação da pesquisa, escolhe-se a psicodinâmica do trabalho que investiga a saúde psíquica no trabalho, privilegiando o estudo da relação entre sofrimento psíquico e as estratégias de mediação utilizadas pelos trabalhadores para superá-lo e transformá-lo em fonte de prazer. Justifica-se esta escolha, tendo em vista que a doença profissional exige o entendimento do contexto de trabalho que acarreta sofrimento singular a ele relacionado e à possibilidade de perda da capacidade laborativa precoce. A saúde psíquica é conseguida pela constante busca de prazer e evitação do sofrimento. O prazer é entendido como uma vivência de extrema satisfação, expresso por meio da gratificação, da realização, do reconhecimento, da liberdade e da valorização no trabalho. O sofrimento é concebido como vivência de experiências dolorosas relativas à angústia, medo ou insegurança. Ambos, prazer e sofrimento, constituem-se em constructo único e dialético, que co-existem em função de um contexto de produção de bens e serviços. Este contexto contempla as condições de trabalho, a organização do trabalho e as relações socioprofissionais. Na interação do trabalhador com o mesmo são construídas estratégias de mediação: mobilização coletiva ou 18

19 estratégias defensivas. A primeira subverte o sofrimento transformando as situações a ele relacionadas em fonte de prazer; as outras evitam o contato do trabalhador com a experiência dolorosa. O sofrimento fracassadamente enfrentado abre espaço ao adoecimento. Dorts se configuram como uma possível expressão do mesmo. Dorts referem-se a diversas patologias do sistema músculo-esquelético que acometem principalmente as extremidades superiores, ocasionando ou não degeneração dos tecidos. Têm início insidioso, caracterizando-se pela ocorrência de vários sintomas concomitantes ou não, como dor, formigamento, dormência, choque, peso, fadiga precoce, podendo resultar em afastamento temporário ou permanente do trabalho, tendo em vista suas repercussões (Brasil, 2000). Este adoecer tem relação estreita e explícita com uma combinação de fatores relativos ao contexto de trabalho, sendo portanto considerado uma doença ocupacional. Resulta de um sofrimento patogênico com o modo de relação com o trabalho, e acarreta na vida dos lesionados repercussões relacionadas à dor, diminuição da capacidade laborativa e restrições no desenvolvimento de atividades do dia-a-dia como escovar os dentes acompanhadas de diminuição da auto-estima, ansiedade e depressão, só para citar alguns efeitos emocionais. 19

20 A depressão pós-dorts é referida na literatura, embora haja pouco aprofundamento na sua caracterização. Investigar esta temática é importante até para propor medidas terapêuticas que minimizem o sofrimento dos lesionados. A possibilidade de sucesso dos tratamentos encontra relação diretamente proporcional à correta compreensão da sintomatologia e das causas do adoecimento. A depressão também tem sido exaustivamente estudada e contempla vários modelos explicativos. Este estudo trata da depressão desenvolvida em função de um adoecimento no trabalho e, por isso, requer um entendimento que considere as peculiaridades da atividade produtiva. Tendo em vista que trabalho é uma atividade coletiva, uma análise fundada na psicologia individual pode não contemplar aspectos psicológicos do trabalhador. Assim, tenta-se privilegiar, nesta pesquisa, estudo sobre depressão relacionada ao trabalho, e parte-se do conceito de depressão essencial cuja característica central refere-se a um embotamento afetivo, à diminuição do interesse e prazer em todas as instâncias da vida e a uma robotização do indivíduo. Tendo em vista os pressupostos da psicodinâmica, estudos sobre Dort e depressão disponíveis na literatura e caracterização do momento atual por que passa a categoria bancários, este estudo investiga o processo de adoecimento por Dort e a depressão desenvolvida em sua conseqüência. Especificamente, 20

21 pretende-se: investigar o contexto de produção de bens e serviços e sua relação com as vivências de prazer-sofrimento e estratégias de mediação do sofrimento dos bancários antes de serem acometidos por Dort; caracterizar o processo de adoecimento por Dort dos participantes; caracterizar os sintomas depressivos vivenciados pelos portadores de Dort; estabelecer relação entre a depressão ligada a Dort e outros tipos de depressão. Para cumprir estes objetivos, norteiam este estudo de caso as seguintes questões de pesquisa: 1. Como se caracterizava o contexto de produção de bens e serviços a que estavam submetidos os portadores de Dort? 2. Qual a dinâmica que envolve a mediação do sofrimento e o prazer desses trabalhadores antes do adoecimento? 3. Como os participantes vivenciam o adoecimento por Dort? 4. Como se caraterizam os sintomas depressivos relacionados a Dort? 5. Quais as relações entre a depressão ligada a Dort e outros tipos de depressão? Participaram do estudo bancários oriundos de bancos privados ou estatais. Todos são portadores de Dort e se encontram afastados do trabalho por licença médica ou aposentadoria por invalidez. 21

22 Metodologia qualitativa de análise e coleta de dados foi utilizada, dada a natureza do objeto de estudo. As entrevistas coletivas propiciaram a investigação do contexto de produção de bens e serviços e da dinâmica de prazer e sofrimento para os participantes; as entrevistas individuais auxiliaram a compreensão do adoecimento por Dort e a análise e caracterização da depressão. Os resultados indicam nove categorias resultantes das análises das entrevistas. As mesmas revelam, com base na teoria que sustenta a pesquisa, um rígido contexto de produção de bens e serviço que privilegia exigências de produtividade e tem pouca margem de ajuste às necessidades e/ou desejos do trabalhador. A aceleração das cadências é valorizada, neste contexto, pelos atores que compõem as relações sociais de trabalho. O adoecimento é gradual, lento, dando margens à negação por parte dos trabalhadores acometidos e confusão no diagnóstico pelos médicos. A depressão instala-se em virtude das restrições impostas pela doença e pelo afastamento do trabalho. A apresentação deste estudo subdivide-se em sete capítulos específicos. No primeiro explicita-se o modelo da psicodinâmica do trabalho, seu desenvolvimento ao longo das últimas décadas, contemplando estudos realizados por Dejours e outros autores sobre organização do trabalho, sofrimento psíquico no trabalho e estratégias de mediação. 22

23 No capítulo 2, aborda-se a literatura sobre Dort e depressão tendo como fio condutor o sofrimento psíquico que permeia estes adoecimentos. No capítulo 3, descreve-se o modelo de investigação como o objeto de estudo e a definição das variáveis de pesquisa. No capítulo 4, caracteriza-se a metodologia de investigação, descrevendo o perfil dos participantes, instrumentos e procedimentos de coleta e análise de dados. No capítulo 5, apresentam-se os resultados da pesquisa. Nos capítulos 6 e 7, são realizadas a discussão e a conclusão do trabalho, respectivamente. Por último, segue a bibliografia utilizada para o embasamento desta pesquisa e, em anexo, os instrumentos utilizados. 23

24 1- PSICODINÂMICA DO TRABALHO Este capítulo trata da psicodinâmica do trabalho, contemplando sua trajetória conceitual e empírica. A primeira parte do percurso revela o pensamento de Christophe Dejours, subdividido em quatro temáticas: organização do trabalho, sofrimento psíquico no trabalho, estratégias defensivas e mobilização subjetiva. A segunda etapa ressalta contribuições de outros autores em estudos empíricos e teóricos, finalizando com a apresentação dos principais conceitos da teoria atualizados e ampliados por Ferreira e Mendes (2003) e que serão utilizados nesta pesquisa. 1.1 Contribuições de Christophe Dejours As relações entre trabalho e saúde mental têm sido estudadas desde o término da Segunda Guerra Mundial. Um grupo de pesquisadores, juntamente com Louis Le Guillantt, fundou a psicopatologia do trabalho cujo objeto é a análise clínica e teórica do adoecimento mental devido ao trabalho. Com exceção de alguns poucos estudos, não foi fácil descrever um grande quadro das patologias mentais do trabalho, comparável ao das patologias das afecções do corpo chamadas doenças profissionais. 24

25 Interessado nesta problemática, Christophe Dejours, precursor da psicodinâmica do trabalho, inicia seus estudos buscando esclarecer o processo saúde-adoecimento inerente ao trabalho repetitivo e sob pressão temporal, com operários semiqualificados, especialmente da construção civil, servidores públicos franceses e emigrantes submetidos a condições precárias e gritantes de exploração. Sob o enfoque de alguns conceitos da psicanálise e pressupostos da escola psicossomática francesa, propõe-se a explicar o adoecimento mental no trabalho. A constatação de que a maioria dos trabalhadores não desenvolve doenças mentais, a despeito das pressões sofridas no trabalho, direciona o foco da investigação para a manutenção do saudável no espaço de trabalho. Como não enlouquecer diante de tantas pressões no trabalho? Dejours persegue esta resposta identificando sofrimento e conseqüentes mecanismos de regulação que mantêm o indivíduo saudável, impedindo-o de desenvolver doenças mentais. Assim, a normalidade pressupõe sofrimento e é alcançada na luta contra a desestabilização psíquica e somática que a organização do trabalho oferece (Dejours, 1987). A disciplina deixa de ser psicopatologia do trabalho e passa a ser análise psicodinâmica das situações de trabalho ou psicodinâmica do trabalho. Investiga-se, então, a dinâmica dos processos psíquicos mobilizados pela 25

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Do stress profissional ao burnout

Do stress profissional ao burnout Do stress profissional ao burnout Análise das causas e dos efeitos do stress profissional: do burnout ao coping e à resiliência Instituto Bissaya-Barreto. Seminário Prof. Doutor. Pierre Tap Tradução :

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Educação Permanente e gestão do trabalho

Educação Permanente e gestão do trabalho São Bernardo,março de 2013 Educação Permanente e gestão do trabalho Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Trabalho em saúde O trabalho em saúde não é completamente

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975.

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975. Desenvolvimento Ocupacional 25/04/2011 ARAUJO, L; CALVOSA, M. Relações de Trabalho: Planejamento e Novas Oportunidades de Carreira para o Trabalhador. In: Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br A família e a sua capacidade de enfrentar desafios Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br Definições de família segundo Aurélio Pessoas aparentadas, que vivem em geral na mesma casa,

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien.

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien. A LUDICIDADE COMO CAMINHO PARA A RESILIÊNCIA EM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SITUAÇÃO DE ESTRESSE OCUPACIONAL PEREIRA, Fernanda Almeida UFBA GT-04: Didática Resumo Atualmente, no Brasil, estudos

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

MEGAINVEST. Código de Ética

MEGAINVEST. Código de Ética Código de Ética Sumário - Do Código de Ética - Filosofia Corporativa - Valores - Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas Relacionadas - Exceções ao Código, Sanções e Punições Acreditamos que, no

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração CAPÍTULO 10 Enfoque Comportamental na Administração MAXIMIANO /TGA Fig. 9.1 A produção robotizada, que ilustra o sistema técnico das organizações, contrasta com o sistema social, formado pelas pessoas

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais