Ter ou não ter, eis a questão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ter ou não ter, eis a questão"

Transcrição

1 Ter ou não ter, eis a questão Autoria: Natália Araujo Pacheco, Patrícia da Camara Rossi, Teniza da Silveira, Carlos Alberto Vargas Rossi RESUMO As características da vida atual, principalmente nos grandes centros urbanos, trazem à tona temas como bem-estar e materialismo. Esses tópicos são de grande importância para o estudo do comportamento do consumidor, já que nas últimas décadas a evolução do consumo aparece como algo culturalmente aceito, através do qual se busca sucesso, felicidade e a noção do que é uma boa vida (BURROUGHS; RINDFLEISH, 2002). Em meio à relevância e atualidade destes temas, este trabalho tem por objetivo investigar como as posses materiais influenciam o bem-estar das pessoas, analisando percepções de bem-estar, a importância da posse na vida das pessoas e o que é importante para o sucesso e para a felicidade. Dois movimentos teóricos convergem, portanto, na condução desta pesquisa: bem-estar e materialismo. Pesquisas nessas áreas demonstram uma relação negativa entre bem-estar e materialismo. A exemplo de outros autores (EASTERLIN, 2003; NICOLAO; IRWIN; GOODMAN, 2009), aqui os termos bem-estar e felicidade são empregados como sinônimos. Por materialismo entende-se a importância que as posses materiais assumem na vida das pessoas, partindo do princípio que a valorização dessas posses se sobressai em relação a outras esferas da vida (RICHINS; DAWSON, 1992; BELK, 1984; SIRGY, 1998; KILBOURNE, 2005). A pesquisa, a fim de atingir o objetivo proposto, consistiu de 18 entrevistas em profundidade, realizadas pessoalmente pelos pesquisadores e gravadas em vídeo. A análise de conteúdo dessas entrevistas verificou a existência de associação entre dinheiro e posses materiais. Para muitos dos entrevistados, querer ter posses materiais é sinônimo de querer ter dinheiro, estabelecendo-se aí uma importante associação. Os principais resultados do estudo foram agrupados em seis categorias que emergiram a partir da associação do conteúdo das entrevistas com a literatura consultada. Na primeira categoria, O que faz as pessoas felizes, explora-se a opinião dos entrevistados a respeito dos fatores que fazem as pessoas felizes, investigando se as posses materiais seriam um desses fatores. Na segunda, Sucesso, analisa-se o que é sucesso para os entrevistados e para a sociedade no geral. Na terceira, Falta de generosidade, busca-se verificar se os entrevistados apresentam esta característica e se julgam haver relação entre generosidade e apego às posses materiais. Na quarta, Inveja, investiga-se o que os entrevistados pensam em relação a este sentimento e se julgam haver relação entre ele e o apego às posses materiais. Na quinta, Aceitação no grupo, analisa-se a relação entre as posses materiais e o sentimento de aceitação em determinados grupos sociais. Por fim, na sexta categoria, Ter versus ser, apresenta-se uma discussão sobre o que é mais valorizado atualmente pela sociedade, ter ou ser, e quais são as possíveis explicações para esse fenômeno. Identificaram-se opiniões divergentes quanto ao impacto das posses materiais no bem-estar, sendo ora relevantes, ora não, o que vem responder à pergunta do título da seguinte forma: depende. No artigo, explica-se porque. 1

2 INTRODUÇÃO A indagação sobre as questões mais essenciais da vida comumente aponta para uma busca pelo sentido da vida e para o que é preciso para ser feliz. Refletindo a respeito do segundo ponto, numa sociedade capitalista, possivelmente pensar-se-ia na importância do dinheiro ou do consumo como condição relevante. Ainda assim, provavelmente também, surgiriam respostas em sentido contrário. Este trabalho trata da busca da felicidade que pode passar pelo mundo do consumo. Assim como outras forças vivas da sociedade contemporânea, o sistema institucional do consumo ganhou uma centralidade cultural e social. Tornou-se o motor do crescimento econômico e da prosperidade nacional e o indicador por excelência da qualidade global de vida (KOZINETS; HANDELMAN, 2004). As características da vida atual, principalmente nos grandes centros urbanos, têm trazido para discussão tópicos como bem-estar e materialismo. Esses temas são de grande importância para o estudo do comportamento do consumidor que, de acordo com Belk (1988), para ser compreendido, precisa ser estudado a partir do significado que as posses representam para as pessoas, influenciando inclusive a formação da própria identidade. Ao longo das últimas décadas, a evolução do consumo aparece como algo culturalmente aceito, através do qual se busca sucesso, felicidade e a noção daquilo que é uma boa vida (BURROUGHS; RINDFLEISH, 2002). Por outro lado, Ahuvia (2008) argumenta que desde os textos de religiosos e de filósofos antigos até os dias de hoje, sempre houve críticas ao que eles entendiam como consumo excessivo, que apresenta um fundo psicológico ou espiritual que não é saudável. O bem-estar não é um tema novo, mas continua a despertar o interesse de estudiosos de diferentes áreas (CAMFIELD; SKEVINGTON, 2008; WEGGE et al., 2006; KAHN; JUSTER, 2002; DIENER, 2000; CHRISTOPHER, 1999), principalmente em virtude do aumento dos níveis de complexidade que os indivíduos enfrentam na atual forma de organização da vida em sociedade. Além disto, o tema será hoje e sempre relevante. Afinal, quem não quer ser feliz? Por outro lado, diversas são as possibilidades que estimulam nas pessoas uma postura materialista. Além de características pessoais, diferenças históricas e culturais também podem ter um papel importante nesse aspecto. Outro fator que pode ter relevância nesse campo é o papel do marketing, se cria ou fortalece o materialismo (BELK, 1985). Pesquisas na área têm demonstrado uma relação negativa entre materialismo e bemestar: quanto mais elevado o grau de materialismo do indivíduo, menor seu bem-estar subjetivo (RICHINS; DAWSON, 1992; BELK, 1984; SIRGY, 1998; KILBOURNE, 2005). Essa relação negativa ocorre porque indivíduos com alto grau de materialismo demonstram níveis inferiores de felicidade (BELK, 1985), menos satisfação com a vida (RICHINS; DAWSON, 1992) e maior tensão psicológica (BURROUGHS; RINDFLEISCH, 2002). Este trabalho pretende investigar como as posses materiais influenciam o bem-estar das pessoas, verificando percepções de bem-estar, a importância da posse na vida das pessoas e o que é importante para o sucesso e para a felicidade. O artigo está estruturado da seguinte forma: primeiro desenvolve uma revisão de teoria a respeito de felicidade, bem-estar e materialismo. Segundo, apresenta o método utilizado para a realização do estudo. Posteriormente, aborda os resultados obtidos e, por fim, destaca algumas considerações e indicações de possíveis pesquisas futuras. 2

3 Referencial Teórico O suporte teórico da pesquisa se encontra sobre os temas de bem-estar e materialismo. Bem-estar Especialmente a partir da década de 1960, a questão do bem-estar tem aparecido como um assunto proeminente, principalmente devido aos resultados insatisfatórios dos indicadores macroeconômicos de bem-estar humano (BURROUGHS; RINDFLEISH, 2002). A existência, por exemplo, de indicadores na área demonstram esse crescimento. O FIB, Felicidade Interna Bruta, criado em 1972, representa um índice com 72 pontos apoiados em quatro pilares caracterizados como economia, cultura, meio ambiente e boa governança, e vai ao encontro desse movimento. Trata-se de um índice utilizado inicialmente no Butão, pequeno país do Himalaia, localizado ao sul da China, cuja aplicação tem se espalhado em pesquisas por países como Canadá e Brasil. Segundo a lógica do FIB, o Produto Interno Bruto, PIB, índice que mede a riqueza produzida em uma economia, seria insuficiente para avaliar o desenvolvimento de uma nação (BILENKY, 2008). O bem-estar, muitas vezes tratado como sinônimo de felicidade ou de satisfação com a vida, pode ser entendido em termos da experiência interna e pessoal do indivíduo, em relação à sua percepção da vida. Também denominado bem-estar subjetivo, é um termo genérico para as diferentes valorações que as pessoas fazem a respeito de suas vidas, os eventos relativos a elas, seus corpos e mentes e as circunstâncias nas quais vivem (DIENER, 2006). Conforme Easterlin (2003), os termos felicidade, utilidade, bem-estar, satisfação com a vida e prosperidade podem ser usados com o mesmo sentido, sem qualquer perda ou prejuízo. Diener et al. (1999) revisaram o progresso de três décadas de estudos sobre bem-estar subjetivo, tomando como ponto de partida o trabalho publicado por Warner Wilson em 1967, chamado Correlações da Felicidade Declarada. Os autores perceberam que, com o passar dos anos, os pesquisadores ficaram menos preocupados em descrever características demográficas que se correlacionam com o bem-estar subjetivo e passaram a focar seus esforços na compreensão do processo subjacente à felicidade. Para eles, o bem-estar subjetivo deve ser compreendido como uma área de interesse científico em vez de um constructo específico, dividindo esse campo em quatro: sentimento agradável, sentimento desagradável, satisfação com a vida e satisfação de domínio. Podem ser citados como exemplos de domínio o trabalho, a família, a saúde e as finanças. Outra forma de tratar o bem-estar é proposta por Easterlin (2003), a partir do emprego da teoria setpoint, bastante utilizada no campo da psicologia. De acordo com essa teoria, os indivíduos possuem um dado nível de felicidade (o setpoint) determinado pela genética e por traços de personalidade. Eventos da vida, tais como casamento, perda do emprego e doença podem levar o indivíduo acima ou abaixo desse nível, porém, com o tempo, este indivíduo retornará ao nível inicial através de uma adaptação hedônica. A partir dessa teoria é possível presumir que fatores externos não têm muita influência na busca pela melhoria do bem-estar. Neste sentido, a renda, consumo ou posses materiais não teriam capacidade de efetivamente ocasionar de forma duradoura maiores níveis de bem-estar, já que isto seria determinado a priori. Contrária à teoria do setpoint, todavia, existe uma perspectiva no campo da economia na qual se acredita que as circunstâncias de vida, especialmente o aumento da renda, têm efeitos duradouros na felicidade. Nessa perspectiva presume-se que quanto mais, melhor. A partir dessa ótica, o bem-estar de uma pessoa pode ser elevado com o aumento de sua renda. Apesar de reconhecer que a felicidade está associada a muitas circunstâncias além das condições materiais, a perspectiva econômica assume que se a renda aumenta substancialmente, o bem-estar geral move-se na mesma direção (PIGOU, 1932). Diener et al. 3

4 (1999) também falam da relevância de fatores como a renda para o bem-estar, porém afirmam que o elemento subjetivo é essencial e que a maioria dos pesquisadores reconhece que felicidade e satisfação com a vida são extremamente importantes. Hsee et al. (2009) também trabalham com a experiência hedônica relacionada ao consumo a partir de uma classificação que inclui três tipos: experiência monetária como alguém se sente em relação a uma determinada quantidade de dinheiro; experiência de aquisição como a pessoa se sente ao adquirir um item de consumo; e experiência de consumo como o indivíduo se sente ao consumir tal item. A experiência, nesse caso, pode ser positiva (feliz) ou negativa (infeliz). O estudo questiona qual, entre esses tipos de experiências, se relaciona com o padrão absoluto e qual se relaciona com o padrão relativo de consumo. O padrão absoluto é aquele que pode ser inerentemente avaliado, ou seja, que possui uma escala de avaliação inata e invariável. Nesse caso, o indivíduo não precisa de comparações externas. Já o padrão relativo é aquele que não pode ser avaliado de forma inerente, isto é, que se baseia em referências outras que não o próprio indivíduo, que precisa ser avaliado em relação a outros objetos ou pessoas. A partir da realização de três experimentos, Hsee et al. (2009) demonstram que a experiência monetária é dissociada da experiência de consumo e esta, por sua vez, é dependente do meio. Ainda, as experiências monetária e de consumo possuem diferentes padrões hedônicos, sendo a primeira relativa (por não ser possível sua avaliação inerente) e a segunda absoluta (pode ser avaliada de forma inata). Os autores destacam, então, a importância das comparações e das relações pessoais para determinar o bem-estar a partir de itens não inerentes, havendo, também uma variação em relação às diferentes gerações familiares. Para finalizar, o estudo destaca que a felicidade pode ser dependente de itens de riqueza e de consumo relativos ou absolutos, de acordo com o caso avaliado. Kahneman e Krueger (2006) explicam que as perguntas mais utilizadas em surveys com o objetivo de medir bem-estar subjetivo, evocam relatos de satisfação geral com a vida e de felicidade. São perguntas tais como Considerando todas as coisas, quão satisfeito você está com sua vida como um todo ultimamente?. Estes autores alegam que essas perguntas medem o bem-estar acessando somente a utilidade lembrada e não a utilidade experimentada, que é a forma como as pessoas se sentem sobre as experiências enquanto elas ocorrem, ou seja, em tempo real. Esses relatos com base na utilidade lembrada podem ser influenciados por fatores como condições climáticas e até mesmo por perguntas anteriores feitas pelo pesquisador. Ng (2003) destaca que o consumo de produtos está à disposição das pessoas para satisfazer suas preferências. Entretanto, a satisfação das preferências não é o objetivo final; o que se busca, em última instância, é a felicidade ou o bem-estar, termos usados pelo autor de forma intercambiável. Materialismo Richins e Dawson (1992) definem materialismo como um conjunto de crenças sobre a importância das posses na vida do individuo. Para os autores, a questão da aquisição das posses tende a ser central na vida dos materialistas, sendo uma das possíveis razões o fato de encararem essas posses como essencial para sua satisfação e bem-estar. Da mesma forma, Belk (1984) define materialismo como a importância que um consumidor atribui a possessões mundanas. No maior nível de materialismo, essas posses assumem papel central na vida das pessoas, sendo fontes de satisfação e insatisfação. De acordo com Belk (1984), materialistas apresentam três características de personalidade: inveja, falta de generosidade e sentimento exacerbado de posse. A inveja, que pode ser um traço de personalidade negativo ou positivo (pois pode estimular o desenvolvimento), consiste no desejo pelas posses que são dos outros; o invejoso 4

5 ressente-se com aqueles que possuem aquilo que quer. Belk (1985) diferencia os termos inveja e ciúme; o primeiro está relacionado às posses dos outros (posses, experiências e pessoas), enquanto o segundo diz respeito às próprias posses (dificuldade de emprestar, por exemplo). A falta de generosidade é definida como uma falta de vontade de dar ou partilhar posses com os outros. Inclui também a relutância em emprestar ou doar bens para outras pessoas e atitudes negativas em relação à caridade. O sentimento exacerbado de posse, por sua vez, é definido como uma tendência de apresentar controle sobre as posses. Seu domínio inclui a preocupação com a perda de bens, o desejo de maior controle das posses e uma inclinação para a manutenção dessas posses (BELK, 1985). Para Sirgy (1998), materialismo é a condição na qual o domínio da vida material é considerado altamente saliente em relação a outros domínios da vida, o que significa que a pessoa materialista atribui extrema importância ao mundo do dinheiro, da riqueza e das posses materiais. Kilbourne (2005) explica que existem muitas definições de materialismo, mas todas apresentam um critério em comum: refletem o consumo de itens que vão além do aspecto instrumental, ou seja, o indivíduo busca manter uma relação com os objetos através da qual ele possa se sentir valorizado. São encontradas na literatura acerca do materialismo diversas escalas, dentre as quais podem ser citadas a de Moschis e Churchill (1978), Yamauchi e Templer (1982), Belk (1984), Richins e Dawson (1992), Micken (1995) e Richins (2004). A Escala de Valores Materiais (RICHINS; DAWSON, 1992), que considera o materialismo um valor composto por centralidade, felicidade e sucesso, destaca-se entre uma das formas mais usadas para sua medição, tendo passado por um ajuste que reduziu a escala de 18 para 15 itens (RICHINS, 2004). O primeiro componente refere-se à centralidade na aquisição, o que significa que pessoas materialistas colocam a posse e a aquisição de bens materiais no centro de suas vidas. O segundo componente refere-se à procura da felicidade e ajuda a explicar a centralidade. Por fim, o sucesso está relacionado ao fato dos materialistas julgarem seu sucesso e o das outras pessoas através da qualidade e quantidade de suas posses. De acordo com Ahuvia e Wong (1995), a principal consequência de um estilo de vida materialista é sua incapacidade de proporcionar os estados prometidos de felicidade e satisfação com a vida em geral. Em relação aos traços de personalidade das pessoas materialistas, a literatura indica que a balança pende para o lado negativo (BELK, 1985; RICHINS; DAWSON, 1992). Em termos gerais, as pessoas materialistas são vistas segundo uma orientação mais individualista, característica que, por ser conflitante com os valores coletivistas relativos à família, religião e comunidade, é responsável por gerar uma redução no senso de bem-estar devido a essa tensão. Assim, o stress associado a valores conflitantes diminui a satisfação e pode levar a problemas psicológicos como depressão e neurose (BURROUGHS; RINDFLEISCH, 2002). A questão do materialismo também pode ser observada em pessoas jovens, crianças e adolescentes. Crianças provenientes de famílias onde a comunicação não é efetiva e os pais não proporcionam uma atmosfera adequada tendem a apresentar índices mais baixos de autoestima. Esse sentimento, que também ocorre em adolescentes, acaba direcionando para a busca de alguma coisa, algum objeto que possa fazê-los se sentir melhor consigo mesmos. Nesse caso, as posses materiais preenchem esta lacuna; porém, conforme o foco se vira para as posses, sua imagem sua auto-imagem defasada tende a ser fortalecida (CHAPLIN; JOHN, 2007). Importante destacar que o materialismo é algo diferente do consumismo. O consumismo, segundo Jones et al. (2005), é a forte manifestação em relação à atração e consumo de bens ou serviços. Segundo Stearns (1997), uma sociedade consumista envolve um grande número de pessoas que direcionam suas vidas - a partir da busca de significados e da satisfação pessoal - para a busca e aquisição de bens materiais. Nesse contexto exposto por 5

6 Stearns (1997), a busca de significados está ligada a um anseio mensurável de que, em seu extremo, a vida de alguém não está completa sem uma ou outra determinada aquisição. Diferentemente, o materialismo, embora apresente, também, o aspecto de centralidade na aquisição, demonstra um componente relacionado à posse de bens ou objetos, sendo que o fato de ter tais bens ou objetos acaba se tornando sobressalente em relação a outras esferas da vida do indivíduo. MÉTODO A pesquisa é de natureza exploratória. Optou-se por trabalhar com pesquisa qualitativa devido à natureza do estudo, uma vez que poderia proporcionar melhor percepção sobre o contexto do problema proposto, além de permitir o entendimento do indivíduo pesquisado e de alguns de seus aspectos íntimos (FERGUSON; TODD, 2006). Em pesquisa qualitativa, aqui, este artigo alinha-se com a perspectiva paradigmática da Consumer Culture Theory (CCT), assumindo as denominações homônimas de pesquisa pós-positivista ou interpretativa. Os procedimentos adotados incluem-se em atividades de asseveração científica como as técnicas etnográficas, netnográficas e videográficas (BELK, 2009). Foram efetuadas 18 entrevistas em profundidade, todas realizadas pessoalmente pelos pesquisadores e gravadas em vídeo como técnica de coleta de dados, para que fosse possível registrar todas as expressões e os movimentos dos entrevistados. Segundo Belk e Kozinets (2005), as entrevistas gravadas em vídeo oferecem uma vantagem tanto em relação às entrevistas cuja gravação ocorre somente em áudio quanto em relação às entrevistas simplesmente transcritas: a possibilidade de registrar a linguagem corporal, incluindo a forma como os respondentes movimentam seus corpos, os gestos, o tom de voz e a distância que mantém dos objetos e das pessoas, que após registradas podem ser codificadas e analisadas sempre que conveniente. Ferguson e Todd (2006) advogam que a utilização de vídeo proporciona informações multisensoriais e contribui para um entendimento mais complexo e completo a respeito do assunto pesquisado, entendimento esse que o texto escrito, sozinho, não consegue proporcionar. Seguindo a mesma linha, Spanjaard e Freeman (2006) esclarecem que, se além de ouvir as pessoas, utilizarmos evidências visuais, será possível, através da comunicação não verbal, enriquecer os resultados da pesquisa. Para estes autores, itens como motivação, emoções e valores, por serem dificilmente articulados, podem ser capturados e compreendidos quando contam com o auxílio da imagem. Sherry e Schouten (2002) destacam que a técnica ainda proporciona o engajamento da audiência e facilita o ganho de conhecimento. Antes de iniciar o registro das imagens, foi feito um pré-teste de roteiro com gravação somente em áudio com quatro pessoas. Nessa ocasião, algumas perguntas foram incluídas e outras retiradas. A escolha dos participantes da pesquisa levou em consideração aspectos pessoais e profissionais. Nesse sentido, variou entre os limites do arco potencialmente materialistas a potencialmente despojados, visando maior amplitude dos resultados e a análise dos casos negativos. Dentre os entrevistados, encontram-se advogados, empresários, professores, estudantes (níveis de graduação e mestrado), psicólogo, auxiliar de serviços gerais, supervisor operacional, servidor público, comerciante, consultor organizacional, representante comercial de acessórios de informática, bancário, dona de casa e corretor de imóveis. A média de idade dos pesquisados foi de aproximadamente 39 anos, sendo a idade mínima 22 e a máxima 66 anos. Dos entrevistados, 39% foram homens e 61% mulheres. As entrevistas ocorreram em local sugerido pelos entrevistados, uma vez que a intenção foi deixá-los à vontade para que falassem sobre o assunto de interesse deste artigo. Foi utilizado o roteiro testado previamente como base para as entrevistas, porém, o mesmo foi 6

7 alterado e ampliado conforme as oportunidades de melhoria de compreensão detectadas. As entrevistas duraram aproximadamente 45 minutos. Depois de realizadas as entrevistas, todas foram transcritas para facilitar a análise. Os dados foram analisados de forma interativa, tanto para os temas antecipados quanto para os emergentes, andando para frente e para trás repetidamente entre os resultados e a literatura. A análise de casos negativos (FISCHER; OTNES, 2006) foi usada para dirigir e limitar a análise e para colocar condições limítrofes nos resultados. A coleta de dados terminou quando os novos dados foram facilmente classificáveis como uma repetição dos resultados já existentes. Tendo em vista a perspectiva da triangulação dos dados, além da realização das entrevistas filmadas e de sua análise cotejada com a literatura, optou-se por verificar o nível de materialismo dos entrevistados a partir da Escala de Valores Materiais (RICHINS; DAWSON, 1992), já com as alterações sugeridas por Richins (2004). Sendo assim, duas semanas após a realização das entrevistas, foi enviado aos respondentes um questionário por com esta escala, solicitando seu preenchimento. Entrevistados sem acesso a preencheram tal questionário pessoalmente. Dos 18 entrevistados, 15 responderam este questionário. No que concerne às técnicas de análise de dados empregadas na pesquisa, foi empregada, inicialmente, a análise de conteúdo das entrevistas em profundidade. A análise dos dados decorrentes da Escala de Valores Materiais foi descritiva. De acordo com Tashakkori e Teddlie (1998), a utilização de uma análise paralela de dados é a estratégia de análise de dados mais utilizada nas ciências sociais e comportamentais. Os resultados decorrentes das duas técnicas de coleta de dados são discutidos na seção a seguir. RESULTADOS Este estudo investigou um dos aspectos do bem-estar das pessoas, que é a posse física e simbólica de bens. A análise de conteúdo das entrevistas permitiu a identificação de diversas opiniões relacionadas ao materialismo, ao bem-estar e à influência do primeiro no segundo. Em grande parte das entrevistas, foi observada uma forte associação entre dinheiro e posses materiais. Nenhuma questão continha a palavra dinheiro, porém a mesma apareceu frequentemente nos discursos quando os entrevistados eram questionados sobre as posses materiais. Muitos entrevistados associaram querer ter posses a querer ter dinheiro, estabelecendo-se aí uma relação direta e positiva. Os principais resultados da análise foram agrupados em seis categorias, definidas a partir da associação do conteúdo das entrevistas com a literatura consultada. O que faz as pessoas felizes, Sucesso, Falta de generosidade, Inveja, Aceitação social e Ter versus ser. A partir disto, foram interpretados os significados atrelados a cada categoria e relacionados com a literatura existente. Ao final da seção de resultados, discutiu-se o produto da aplicação da Escala de Valores Materiais. O que faz as pessoas felizes Orientando-se pelo trabalho de autores (EASTERLIN, 2003; NICOLAO et al., 2009) que consideram felicidade e bem-estar como sinônimos, buscou-se verificar diferentes percepções de bem-estar e investigar de que forma as posses materiais impactam na felicidade das pessoas. Richins e Dawson (1992) e Richins (2004) destacam a busca da felicidade através da aquisição de bens materiais como uma das dimensões do materialismo. 7

8 A partir das entrevistas, identificou-se diversos fatores que fazem as pessoas felizes. Alguns entrevistados atribuíram a felicidade às coisas simples da vida, como o contato com a natureza e o sorriso de uma criança. Outros, no entanto, atribuíram a felicidade principalmente ao poder de consumo e à situação financeira, aliados a fatores como saúde e convivência harmoniosa com a família e os amigos. Foi reconhecido que cada pessoa sente-se feliz de uma forma, dependendo de suas características pessoais e de seus gostos, conforme pode ser verificado nas seguintes declarações: Tem gente que fica feliz com sair e fazer compras; tem gente que é feliz em fazer um esporte, passear, viajar, vai depender. Podendo fazer as minhas coisas, ter o meu esporte, isso já faz com que eu me sinta bem. (MARCOS) Meu bem-estar está muito na minha casa, em estar bem com meus familiares e estar bem comigo mesma. (DENISE) Ganhar bem e ter saúde é o principal para ser feliz. Se eu tenho saúde e ganho o suficiente para ir em busca de qualidade de vida, é o suficiente para mim. (GLÁDIS) Alguns entrevistados admitiram a existência de um único fator sobressalente na busca pela felicidade, porém esse fator variou conforme o entrevistado. Outros entrevistados, entretanto, afirmaram haver um conjunto de fatores que leva à felicidade. Foram citados como fatores importantes, seja em conjunto ou individualmente, a saúde, a situação financeira, a convivência familiar, o contato com a natureza e a aceitação pessoal ou o estar bem consigo mesmo. Após discorrerem sobre o que faz as pessoas felizes e sobre o que os faz sentirem-se bem com a própria vida, os entrevistados responderam a seguinte questão: as posses materiais deixam as pessoas mais felizes? Alguns argumentaram que não, que a felicidade vem de dentro para fora, não pode ser alcançada através de objetos e que o dinheiro não compra certas coisas fundamentais, como saúde e amizades verdadeiras. Essa opinião é compreensível visto que, apesar de haver entrevistados de baixa e de alta renda, todos apresentavam condições financeiras para suprir necessidades básicas do ser humano. A literatura indica que o dinheiro pouco impacta na felicidade de pessoas que estão acima da linha da pobreza (AHUVIA, 2002, 2008; DRAKOPOULOS, 2008), como no caso desses entrevistados. Para outros, as posses materiais podem fazer as pessoas mais felizes, desde que aquelas estejam associadas a outros fatores como realização profissional e pessoal, por exemplo. Uma pessoa que compartilha dessa opinião destacou: Claro que as posses, em minha opinião, te fazem mais feliz, mas que nem eu disse, não é tudo na vida e só com elas, eu pelo menos não conseguiria ser feliz. (CLARISSA) Foi comentado que há um componente de felicidade na possibilidade de acesso a bens, assim como no poder de desfrutar experiências de lazer quando desejado. Certos entrevistados não chegaram a apresentar ressalvas, pois concordaram que as posses fazem as pessoas mais felizes: Com certeza (as posses materiais fazem as pessoas mais felizes). É aquela coisa, dinheiro não traz felicidade, mas te coloca num bom poder de barganha. (TARIN) Sucesso Tendo em vista que o sucesso é uma das dimensões do materialismo (RICHINS; DAWSON, 1992; RICHINS, 2004), verificou-se de que forma os entrevistados o definem. Em algumas respostas, foi possível identificar que o julgamento de sucesso é baseado nas posses materiais. Para grande parte dos entrevistados, o sucesso está relacionado ao dinheiro e, consequentemente, às coisas que o dinheiro pode comprar. A esfera profissional foi 8

9 amplamente citada como lócus do sucesso, bem como o reconhecimento advindo desta esfera e sua recompensa monetária. Também foi ressaltado que a associação entre dinheiro e sucesso é tão grande, atualmente, que o simples fato de uma pessoa ter dinheiro, independentemente se este é fruto de seu trabalho ou se é herança de família, faz com que os outros a considerem bem sucedida. A origem do dinheiro não é importante, mas sim a quantidade. Alguns entrevistados alegaram que o sucesso transcende o lado monetário e material, sendo consequência do alcance de objetivos traçados e da felicidade, ou seja, para um indivíduo ser bem sucedido é importante estar feliz e ter atingido seus objetivos, sejam eles quais forem. A felicidade, em alguns momentos, apareceu como fator que leva ao sucesso, pois se uma pessoa atinge todos os objetivos traçados, tem dinheiro, mas não se sente feliz, não é considerada bem sucedida. Em outros momentos, a lógica dos discursos foi inversa e o sucesso apareceu como fator fundamental para alcançar a felicidade. Nesses casos, argumentou-se que uma pessoa que não atinge seus objetivos, materiais ou não materiais, sente-se frustrada e isso a torna infeliz, o que está alinhado com o trabalho de Tatzel (2003). Para esta autora, pessoas com alta aspiração financeira têm índices de bem-estar menos elevados quando comparadas a pessoas com baixa aspiração financeira. Falta de generosidade Uma vez que Belk (1984, 1985) identifica a falta de generosidade como uma característica materialista, verificou-se se os entrevistados apresentavam, em algum nível, essa característica e se julgavam haver relação entre generosidade e apego às posses materiais. Richins e Dawson (1992) encontraram suporte para a hipótese de que os materialistas estão menos dispostos a dividir seu dinheiro e suas posses com os outros, convergindo com Belk (1984, 1985). Grande parte dos entrevistados afirmou que pessoas muito apegadas às posses materiais são menos generosas quando comparadas àquelas que têm desprendimento material. Isso porque as pessoas muito apegadas ao material estão preocupadas em acumular bens e interessadas em conquistar novas posses e por isso não enxergam as necessidades dos outros. Um entrevistado assumiu ser materialista e utilizou seu exemplo para argumentar que esse tipo de pessoa seria menos generosa quando comparada a uma pessoa materialmente desapegada: Eu acho que as pessoas mais desprendidas tendem a ser mais generosas exatamente porque não objetivam mais nada e talvez o apego a status seja menos necessário. Aí é exatamente o exemplo do meu pai e o meu: meu pai dá dinheiro pra todo mundo e ajuda um monte de instituições e não seria essa a minha prioridade. Eu iria sempre querer mais, entendeu? Adquirir uma casa melhor, um carro melhor. (CHRISTIAN) Esse argumento converge com uma característica materialista citada no trabalho de Tatzel (2003), a de que pessoas materialistas são insatisfeitas com o que possuem. Parte dos entrevistados considerou não haver relação entre o fato de ser apegado ou desprendido das posses materiais e ser mais ou menos generoso. Segundo Belk (1984), a falta de generosidade associada às pessoas materialistas não se restringe à relutância em doar, consistindo também na relutância em emprestar seus pertences a outras pessoas. Alguns dos entrevistados admitiram não gostar de emprestar suas coisas por dois motivos: primeiro porque preservam muito seus pertences, tendo receio que outros não farão o mesmo. O segundo motivo consistiu na atribuição de valor sentimental a certos objetos, o que torna estes insubstituíveis aos seus donos e, por isso, valiosos demais para serem emprestados. Ambos os motivos demonstraram a vontade de ter controle sobre as posses, porém, de acordo com Richins (1994), o segundo motivo não representaria uma tendência de pessoas materialistas. Essa autora afirma que pessoas com alto nível de 9

10 materialismo dão importância àquelas posses mais caras, que demonstram status e que têm visibilidade pública, enquanto que pessoas com baixo nível de materialismo têm como posses mais significativas aquelas que trazem prazer ou que carregam lembranças, como no caso dos entrevistados que atribuíam valor sentimental a alguns de seus objetos. Foi solicitado a todos os entrevistados que falassem de algo que possuíssem e do qual gostavam muito. Os entrevistados que alegaram gostar muito de posses como carro, jóias, perfumes importados e roupas de grife foram aqueles com maior nível de materialismo detectado na aplicação do questionário, o que corrobora o trabalho de Richins (1994). Inveja Sendo a inveja uma das características da pessoa materialista (BELK, 1984, 1985; RICHINS; DAWSON, 1992) investigou-se o que os entrevistados pensavam sobre esse sentimento, assim como a relação entre o apego às posses e a inveja. Opiniões muito divergentes surgiram em relação a esse tópico. Alguns entrevistados apresentaram conceitos sobre o que seria a inveja, enquanto outros alegaram não saber direito qual seria a melhor definição para este sentimento. Em alguns momentos a inveja foi classificada como boa, um sentimento inocente, que desperta o desejo de ter algo tão bom quanto aquilo que o outro possui. Esse sentimento foi chamado de inveja boa e não implicaria em sentimentos negativos em relação à pessoa que possui o objeto desejado. A inveja positiva, na opinião dos entrevistados, representa um incentivo, impulsionando as pessoas a batalhar pelos seus objetivos. Essa noção de inveja boa contraria a afirmação de Belk (1984) de que a pessoa que tem inveja ressente-se com aquela que possui o objeto desejado. O fato é que mesmo admitindo a possibilidade de haver implicações positivas em relação à inveja, não se nega as implicações negativas desta. A maioria dos entrevistados destacou que as pessoas mais apegadas às posses são mais invejosas. Alguns, no entanto, responderam não haver relação direta entre apego material e inveja, não sendo possível dizer que tipo de pessoa tem mais inveja. Para alguns entrevistados, o desejo de ter o que os outros têm é comum e inerente ao ser humano. Uma explicação para esse fenômeno seria a vasta gama de possibilidades, sejam elas de compras materiais ou de experiências, que são apresentadas às pessoas. Frente a essas possibilidades, o desejo de ter é despertado, porém os recursos são escassos, e quando uma pessoa não consegue ter o que deseja, mas outra consegue, surge a inveja. Também foi citada a inveja ruim, que consiste no desejo de ter um determinado objeto somente porque outra pessoa o tem, não implicando em gostar ou não deste objeto. Está associada ao desejo de ter como forma de comparação. Alguns dos entrevistados mostraram não concordar com a classificação de inveja boa versus inveja ruim. Para eles, a inveja consiste exclusivamente em um sentimento ruim, que desencadeia outros sentimentos como frustração e infelicidade. Parafraseando alguns dos entrevistados, é possível afirmar que a inveja mata, destrói a pessoa em si, destrói amizades, cega, prejudica a vida, é um sentimento muito forte e que sempre contém um pouco de maldade. A inveja estaria associada ao desejo de que o outro perca aquilo que tem. Aceitação social A análise de conteúdo permitiu a identificação da relação entre as posses materiais e o sentimento de aceitação em determinados grupos sociais. O surgimento dessa relação no discurso dos entrevistados foi especialmente importante por convergir com o exposto por Ahuvia (2002, 2008): ao contrário do que muitos defendem, a felicidade não é o objetivo final que orienta as escolhas de todos os indivíduos, ou seja, ser feliz não é a prioridade de todos. 10

11 Algumas pessoas valorizam mais a honra ou a manutenção das tradições em detrimento da felicidade e algumas podem buscar através do consumo não uma forma de ser feliz, mas sim meios de construir sua identidade e de participar de relações sociais. Alguns entrevistados defenderam a idéia de que as posses funcionam como símbolos, algo necessário para ser aceito em um grupo, o que pode ser comparado à constatação de Rademacher (2007) de que pessoas que estão trocando de grupo social tendem a buscar uma identidade socialmente aceitável através de peças de vestuário. Para alguns entrevistados, a questão das posses como requisito de aceitação em um grupo costuma ser mais comum na adolescência e juventude, período em que os indivíduos buscam firmar sua identidade e estabelecer uma posição junto aos grupos sociais. O depoimento abaixo fala desse tipo de pré-requisito para aceitação na adolescência. Eu lembro na época de colégio, que era ridículo, mas é coisa de adolescente. Era a época da Victor Hugo e eu queria muito uma Victor Hugo. Nossa! E depois até comprei uma Victor Hugo, mas muito tempo depois. Queria muito porque era de aceitação mesmo, de entrar no grupo. (...) onde eu estudava, tinha muito desses símbolos de ai, se não tem, não pertence ao grupo. Então na época da adolescência isso é muito forte. (CLARISSA) Essa opinião converge com os resultados encontrados por Richins e Dawson (1992) e com a proposta de Belk (1985) de que o materialismo decai com o passar da idade. Caindo o nível de materialismo com o avanço da idade, pré-requisitos para aceitação como o descrito acima tenderiam a tornarem-se menos importantes. Essa opinião também ficou em linha com o trabalho de Achenreiner (1997), que destaca que o materialismo em crianças está relacionado à influência exercida por seus pares. Alguns depoimentos mostraram que as posses materiais como condição para a aceitação social nem sempre é uma imposição do meio. Pareceu existir uma preocupação com o fato de merecer estar no grupo, uma vontade de ter o que os outros têm para fazer jus à sua companhia, advinda, provavelmente, de um sentimento de inferioridade por ter condição financeira mais modesta. Uma entrevistada comentou: Eu vivi a minha vida toda querendo ter coisas legais para poder andar com pessoas legais. (GLÁDIS) Essa constatação não visa negar a existência de pressões de grupos onde o ter é prérequisito de aceitação, mas sim considerar que algumas pessoas podem estar tão preocupadas em provar para si mesmas que merecem estar naquele grupo quanto em mostrar isso para as outras pessoas. Ter versus ser Quando indagados sobre o que seria mais valorizado em nossa sociedade, o ter ou o ser, houve grande convergência na opinião de que a sociedade está muito preocupada com o ter e que isso não é positivo, pois diminui a importância e a dedicação ao ser. As especulações em torno da provável explicação desse fenômeno consideraram a pressão e os padrões impostos pela sociedade de consumo como uma das principais causas. Em relação a esse assunto, um dos entrevistados comentou: Nós vivemos numa sociedade extremamente consumista, que você marca a sua maneira de ser pelo carro, pela grife, pela casa, pela sua conta bancária. Então isso influencia tremendamente na maneira das pessoas se comportarem. (FRANZ) A mídia também foi destacada como responsável pela grande valorização do ter. Os jornais, novelas, programas de TV e intervalos comerciais que mostram pessoas felizes ao ter e consumir determinados produtos foram apontados como vilões em muitos discursos analisados. De acordo com uma psicóloga entrevistada, os indivíduos inconscientemente associam a imagem de pessoas felizes aos produtos que estão sendo anunciados, e buscam na 11

12 aquisição desses produtos aquela felicidade que, supostamente, é atingida através do seu consumo. Alguns dos entrevistados demonstraram acreditar que a valorização do ter em detrimento do ser é consequência da forma como as pessoas são educadas. Hoje em dia se vê guriazinhas de colegial não usando roupa que não seja de marca, então eu acho que isso não vem com a idade não, acho que isso já vem da criação, vem é do ensinamento, vem de casa. Porque tu vai ser o que os teus pais te ensinam. (RAQUEL) Para essas pessoas, a sociedade se afasta de valores verdadeiros porque muitos pais abdicam da tarefa de educar seus filhos e isso pode deixá-los mais suscetíveis à valorização do ter. Nesse caso, a culpa não poderia ser atribuída exclusivamente à mídia, que tem um importante papel social: a comunicação. A opinião de um entrevistado ilustra esse argumento: Acho que se a gente vive numa sociedade que é muito materialista, isso se deve basicamente a essa abdicação dos pais da tarefa de criar os filhos, a um sistema de ensino que é cada vez mais ideologizado e menos professoral de verdade, e à decadência de valores religiosos do que propriamente à propaganda. Propaganda vende para quem quer comprar, propaganda tem um papel importante na sociedade, que é um papel de transmissão de informação. O que a propaganda faz é te dizer olha, esses bens estão disponíveis a esse preço. Ela tem que te criar um encantamento, mas se a pessoa não quer, não compra. (RICARDO) A atribuição da falha na educação, como causa da valorização do ter, corrobora os resultados do trabalho de Chaplin e John (2007). Para esses autores, crianças que vem de famílias cuja comunicação é ineficiente, cujos pais não proporcionam uma atmosfera de apoio e incentivo, e cujos pares exercem muita influência em suas vidas, estão mais sujeitas a apresentar baixa auto-estima. Quando isso acontece, a tendência é buscar algo que aumente esta auto-estima e muitas crianças e adolescentes fazem isso através das posses materiais. Logo, as causas da baixa auto-estima citadas por Chaplin e John (2007), que levam a certo grau de materialismo, podem ser eliminadas através de educação de qualidade, ensino de valores verdadeiros e convívio familiar harmonioso. Nesse caso, a transmissão de valores pessoais é ainda mais importante que o cuidado com os impactos das ações de marketing na sociedade. Um dos entrevistados encerrou sua entrevista com um conselho: que as pessoas consumam aquilo que têm vontade e que as fazem felizes, ou seja, que não comprem algo com o objetivo de impressionar ou de se assemelhar aos outros, pois a vida é uma só e não se pode desperdiçar a chance de ser feliz. Esse conselho parece pertinente ao considerar que são as motivações intrínsecas, aquelas que surgem de dentro para fora, e não as motivações extrínsecas, que surgem de fora para dentro, que estão associadas a maiores níveis de bemestar (AHUVIA, 2002; TATZEL, 2003). Análise dos resultados da aplicação da Escala de Valores Materiais A escala de Richins e Dawson (1992) e suas variações propostas por Richins (2004) têm sido largamente utilizadas para acessar o nível de materialismo dos consumidores (MUNCY; EASTMAN, 1998; BURROUGHS; RINDFLEISCH, 2002; CLEVELAND; LAROCHE; PAPADOPOULOS, 2009; NICOLAO; IRWIN; GOODMAN, 2009). A aplicação da escala de mensuração de materialismo de Richins (2004), nesta pesquisa, trouxe a confirmação de algumas percepções que surgiram a partir da análise de conteúdo das entrevistas. Nessa escala, quanto maior a concordância com questões diretas e quanto menor a concordância com questões de escala reversa, maior o nível de materialismo do entrevistado. Como foi utilizada uma escala do tipo Likert de 1 a 5 para essa mensuração, os níveis de materialismo detectados entre os entrevistados através das médias das questões diretas variou de 2,00, para o menos materialista, até 4,22 para o mais materialista. As médias 12

13 das questões em escala reversa variaram de 2,17 para o mais materialista até 4,40 para o menos materialista. A única pessoa que assumiu ser apegada às posses materiais foi a que teve o maior nível de materialismo detectado pelo questionário, enquanto que a única pessoa que assumiu ser desapegada em relação às posses materiais foi a que teve o menor nível de materialismo. Outros entrevistados que demonstraram traços de falta de generosidade, julgamento através das posses, prazer em comprar e crença de que as posses fazem as pessoas mais felizes também tiveram altos níveis de materialismo, de acordo com essa escala. CONSIDERAÇÕES FINAIS O título empregado no artigo é ter ou não ter, eis a questão. A resposta para esta dúvida, a partir do esforço de pesquisa aqui descrito, parece ser: depende... Isto é, a literatura trabalhada aqui revela que, para esta questão, não há uma só resposta. Dependendo do lugar, da época, da pessoa em si, o dinheiro ou a possibilidade de consumo decorrente de sua posse pode ou não conduzir a mais felicidade ou bem-estar. O abandono da lógica exata e linear para compreender esta relação ou a ausência dela soa imprescindível. Ainda a partir da literatura, pode-se selecionar dois fortes argumentos para justificar a dissociação entre posse e bem-estar ou felicidade, aqui tratados como sinônimos. O primeiro está relacionado à teoria psicológica denominada setpoint, mencionada na revisão de literatura, que sustenta a existência de um nível de bem-estar pré-determinado pela genética e pela personalidade. Isto significa dizer que, por mais que a pessoa tenha coisas, o seu nível efetivo de bem-estar não será modificado por esta condição. O segundo argumento encontrado na literatura, defendendo a dissociação entre posse e bem-estar, é respaldado pelos dados contundentes de diversas pesquisas nacionais que medem bem-estar, que apontam quase sempre níveis superiores de bem-estar para populações de países ricos como Dinamarca, Noruega, entre outros, se comparados a países com mais desigualdade de renda, tal como o Brasil, mas internamente, nos países, evidenciam que não necessariamente os mais ricos possuem mais bem-estar. Tal relação parece ser explicada pelo fato de que a partir de um nível mínimo de satisfação das necessidades mais fundamentais, o dinheiro ou a posse de bens não proporcionam mais bem-estar. Belk (1984) destaca que as pessoas com alta pontuação em escalas de materialismo são menos felizes do que outras. Dittmar (1992) argumenta que a razão para isto é que as pessoas buscam objetivos não materiais como satisfação pessoal ou o sentido da vida e se decepcionam quando as coisas materiais falham em prover isto. Por outro lado, o principal argumento a favor da relação entre posse de bens e bemestar está na raiz do raciocínio anterior, porém como o outro lado da mesma moeda. Ele consiste no fato de que sociedades que vislumbram um incremento no poder aquisitivo da população percebem, como reflexo, uma ampliação no nível de bem-estar. Por exemplo, a partir da aquisição de uma casa, uma pessoa pode sentir mais segurança, conforto, etc., que geram mais bem-estar. Outra questão levantada anteriormente no texto diz respeito ao fato de que nem todas as pessoas são movidas pela busca da felicidade. Neste sentido, o materialismo não aparece como contraponto ou condição para a felicidade, já que esta não aparece em perspectiva. Além da literatura, evidentemente, devem ser resgatados os dezoito entrevistados. Para eles, a resposta depende também foi encontrada. Ainda que apenas três deles tenham assumido explicitamente a condição de materialistas, em grande parte dos discursos, percebese uma valorização das posses materiais ou certo nível de materialismo. Os resultados das entrevistas mostraram que algumas pessoas consideram não haver influência das posses materiais na felicidade, enquanto outras acreditam que as posses materiais podem fazer as pessoas mais felizes, desde que outros fatores não materiais também 13

14 estejam presentes. Alguns entrevistados, contudo, afirmaram sem ressalvas que as posses trazem felicidade. Esta amplitude de causas para o sentimento de bem-estar subjetivo vai ao encontro do que constitui a psicologia hedônica (KAHNEMAN et al., 1999), que compreende desde o prazer sensorial até o êxtase criativo, desde a ansiedade passageira até a depressão de longo prazo, desde a miséria até a alegria. O que as evidências disponíveis sugeriram é que as pessoas têm dificuldade para predizer seus gostos e experiências hedônicas, o que contraria a acuracidade dos modelos econômicos tradicionais (KAHNEMAN et al., 1999). Foram identificados traços de materialismo em alguns dos entrevistados através da análise do seu discurso e da aplicação da escala de Richins (2004). A gravação da imagem e do áudio das entrevistas possibilitou aos pesquisadores perceber como essas pessoas ficavam entusiasmadas ao falar daqueles objetos que mais gostavam e como se sentiam realizadas mostrando esses objetos durante a filmagem. A análise de conteúdo das entrevistas, principalmente do conteúdo relacionado às questões projetivas, permitiu perceber a grande relevância do ter na atualidade. Essa relevância acaba, por vezes, deturpando valores mais profundos e diminuindo o reconhecimento da importância do ser. As causas atribuídas à maior valorização do ter em comparação ao ser foram: pressões de grupos, padrões impostos pela sociedade de consumo, apelo da mídia e educação deficiente por parte dos pais. Este resultado traz inquietação à percepção de van Praag e Frijters (1999) sobre a tradição econômica de identificação de riqueza e de felicidade, quando afirmam que é bem conhecido e também amplamente reconhecido por outras disciplinas (além da Economia) que há mais entre o céu e a terra do que a renda e tudo o que possa ser comprado com esta renda (p. 427). Esta pesquisa destaca que aspectos sociais e culturais, como amor e relacionamentos, realmente influenciam o estado de bem-estar, o que vem ao encontro da teoria sobre as causas da felicidade (ARGYLE, 1999), mas também realça que, entre o céu e a terra, as posses ajudam muito a explicar a felicidade de algumas pessoas. O raciocínio seguinte é: qual a importância disto para a sociedade, para o marketing ou para a pesquisa sobre o comportamento do consumidor? Do ponto de vista da sociedade, é importante salientar que há diferenças entre o bemestar econômico (economic welfare) e o bem-estar geral (well-being). De acordo com Kahneman et al. (1999), o bem-estar econômico diz respeito à avaliação atribuída pelo indivíduo à renda ou, mais genericamente, à sua contribuição para o bem-estar a partir dos bens e serviços que podem ser adquiridos com dinheiro. Por outro lado, o bem-estar geral ou a qualidade de vida é influenciada por outras questões além dos recursos materiais, tais como saúde, relacionamento com o parceiro, a família e amigos; a qualidade do trabalho; a liberdade política, a ambiente físico, entre outras coisas. Neste sentido, o importante é buscar e identificar questões importantes para determinada sociedade, e trabalhar além do esforço de ampliar o poder aquisitivo da população ou reduzir a desigualdade de renda. As implicações dos resultados para o marketing se dão em pelo menos duas vias, uma relacionada à necessidade das empresas ampliarem o modelo mental empregado na compreensão dos consumidores, no sentido de que o ter não é tudo. Oferecer produtos que proporcionem experiências prazerosas tem se mostrado fortemente apropriado para determinados segmentos. Exemplo disso é a tendência da vida simples. A segunda via vincula-se à possibilidade de ações sociais destinadas a melhorar a qualidade de vida de clientes e não clientes. Do ponto de vista da pesquisa sobre o consumidor, ressalta-se, inicialmente, a necessidade de descortinar mais ampla e profundamente as raízes para um comportamento mais ou menos materialista. Motivações intrínsecas a isto também se refletem em diversas esferas de consumo dos indivíduos e podem auxiliar na compreensão da relação estabelecida com diferentes categorias de produtos e serviços. Para tanto, técnicas de coleta de dados que 14

15 façam mais uso da lógica psicanalítica podem ser muito úteis. Adicionalmente, é imprescindível levar em consideração que a natureza do tema estudado aqui é interdisciplinar. MacInnis e Folks (2010) destacam que há alguns fenômenos em comportamento do consumidor que são interdisciplinares, como é o caso do materialismo, o que implica dizer que devem ser pesquisados a partir de uma abordagem interdisciplinar. Para elas, isto ainda não ocorre nesta área. Sugere-se que em futuras pesquisas sobre materialismo e bem-estar seja considerada também a questão de formação de identidade através das posses, assunto abordado por Belk (1988). Durante a realização das entrevistas surgiu a questão das posses materiais como requisito para aceitação social. Acredita-se que essa aceitação está intimamente relacionada à construção de identidade a partir de objetos pessoais, conforme já apontado por Ahuvia (2005). Outra sugestão seria realizar um estudo sobre o impacto do materialismo no bem-estar entrevistando somente pessoas com alto nível de materialismo, pois o impacto tende a ser maior para estas. Para isso, a escala de mensuração de materialismo de Richins (2004) poderia ser aplicada antes das entrevistas, funcionando como um critério de seleção dos participantes do estudo. Enfim, talvez o próximo trabalho deva responder por que ter, ou quanto ter - e assim caminha a humanidade. REFERÊNCIAS ACHENREINER, G. B. Materialistic Values and Susceptibility to Influence in Children. In Advances in Consumer Research, v. 24, p , AHUVIA, A. C. Individualism/Collectivism and Cultures of Happiness: a Theoretical Conjecture on the Relationship Between Consumption, Culture and Subjective Well-being at the National Level. Journal of Happiness Studies, v. 3, p , AHUVIA, A. C. Beyond the extended self: loved objects and consumers identity narratives. Journal of Consumer Research, v. 32, n.1, p , AHUVIA, A. C. If money doesn t make us happy, why do we act as if it does? Journal of Economic Psychology, v. 29, p , AHUVIA, A.; WONG, N. Materialism: origins and implications for personal well-being. In European Advances in Consumer Research, v. 2, p , ARGYLE, M. Causes and correlates of happiness. In: KAHNEMAN, D.; DIENER, E.; SCHWARZ, N. Well-being: the foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage, 1999, p BELK, R. Three scales to measure constructs related to materialism: reliability, validity, and relationships to measures of happiness. Advances in Consumer Research. v. 11, ed. Thomas Kinnear, Provo, UT: Association for Consumer Research, p , BELK, R. Materialism: trait aspects of living in the material world. Journal of Consumer Research, v. 12, p , Dec BELK, R. Possessions and the extended self. Journal of Consumer Research, v.15, p , BELK, R.; KOZINETS, R. Videography in marketing and consumer research. Qualitative Market Research: An International Journal, v. 8, n. 2, p , BELK, R. The modeling empiricism gap: lessons from the qualitative-quantitative gap in consumer research. Journal of Supply Chain Management, v. 45, n. 1, p , Jan BILENKY, T. Felicidade bruta: ricos seriam desprivilegiados. Terra Magazine, Disponível <http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,oi ei6594,00- Felicidade+Bruta+%20 ricos+seriam+desprivilegiados.html>. Acesso em 02/02/

16 BURROUGHS, James E.; RINDFLEISCH, Aric. Materialism and Well-Being: A Conflicting Values Perspective. Journal of Consumer Research, v. 29, n. 3, p , CAMFIELD, L.; SKEVINGTON, S. On subjective well-being and quality of life. Journal of Health Psychology, v. 13, n. 6, p , CHAPLIN, L.N.; JONH, D. Growing up in a material world: age differences in materialism in children and adolescents. Journal of Consumer Research, v. 34, p , CHRISTOPHER, J. C. Situating psychological well-being: exploring the cultural roots of its theory and research. Journal of Counseling & Development, v. 77, n. 2, p , CLEVELAND, M.; LAROCHE, M.; PAPADOPOULOS, N. Cosmopolitanism, consumer ethnocentrism, and materialism: an eight-country study of antecedents and outcomes. Journal of International Marketing, v. 17, n. 1, p , DIENER, E et al. Subjective well-being: three decades of progress. Psychological Bulletin, v. 125, n. 2, p , DIENER, E. Subjective well-being: the science of happiness and a proposal for a national index. American Psychologist, v. 55, n. 1, p , DIENER, E. Guidelines for national indicators of subjective well-being and ill-being. Journal of Happiness Studies, v. 7, n. 4, p , DITTMAR, H. The social psychology of material possessions. Hemel Hempstead: Harvest Wheatsheaf, DRAKOPOULOS, S. A. The Paradox of Happiness: towards an alternative explanation. Journal of Happiness Studies, v. 9, p , EASTERLIN, R. A. Explaining Happiness. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 100, n. 19, p , FERGUSON, S.; TODD, S. Videography: new kid on the research block or significant contribution to consumer research? Advances in Consumer Research - European Conference Proceedings, v.7, p , FISCHER, E.; OTNES, C. C. Breaking new ground: developing grounded theories in marketing and consumer behavior. In: BELK, R. W. Handbook of qualitative research methods in marketing. Nothampton: Edward Elgar, 2006, p HSEE, C. et al. Wealth, warmth and wellbeing: whether happiness is relative or absolute depends on whether it is about money, acquisition or consumption. Journal of Marketing Research, v. 46, n.3, p , JONES, P. et al. Sustainable retailing and consumerism. Management Research News, v. 28, n. 1, p , KAHN, R.; JUSTER, T. Well-being: concepts and measures. Journal of Social Issues, v. 58, n.4, p , KAHNEMAN, D.; KRUEGER, A. Developments in the measurement of subjective wellbeing. Journal of Economic Perspectives, v. 20, n. 1, p. 3-24, KAHNEMAN, D.; DIENER, E.; SCHWARZ, N. Well-being: the foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage, KILBOURNE, W. et al. A cross-cultural examination of the relationship between materialism and individual values. American Marketing Association, p , Winter, KOZINETS, R. V.; HANDELMAN, J. M. Adversaries of consumption: consumer movements, activism, and ideology. Journal of Consumer Research, v. 31, p , MACINNIS, D.; FOLKES, V. The disciplinary status of consumer behavior : a sociology of science perspective on key controversies. Journal of Consumer Research, v. 36, p , MICKEN, K. A new appraisal of the Belk materialism scale. Advances in Consumer Research, v. 22, p ,

17 MOSCHIS, G.; CHURCHILL, G. Consumer socialization: a theoretical and empirical analysis. Journal of Marketing Research, v. XV, p , MUNCY, J. A.; EASTMAN, J. K. Materialism and consumer ethics: an exploratory study. Journal of Business Ethics, v. 17, p , NG, Yew Kwang. From preferences to happiness: Towards a more complete welfare economics. Social Choice and Welfare, v. 20, p , NICOLAO, L.; IRWIN, J. R.; GOODMAN, J. K. Happiness for sale: do experiential purchases make consumers happier than material purchases? Journal of Consumer Research, v. 36, n.2, p , PIGOU, A. The Economics of Welfare. London: Macmillan and Co., 4 ed., p. XXIX- 40. RADEMACHER, M. A. Do I belong? Clothing, group membership, and identity during the college transition. Advances in Consumer Research, v. 34, p , RICHINS, M. L. Special Possessions and the Expression of Material Values. Journal of Consumer Research, v. 21, p , RICHINS, M. L.; DAWSON, S. A Consumer Values Orientation for Materialism and its Measurement: Scale Development and Validation. Journal of Consumer Research, v. 19, p , RICHINS, M. L. The Material Values Scale: Measurement Properties and Development of a Short Form. Journal of Consumer Research, v. 31, p , SHERRY, J.; SCHOUTEN, J. A role for poetry in consumer research. Journal of Consumer Research, v.29, SIRGY, M. J. Materialism and quality of life. Social Indicators Research, n. 43, p , SPANJAARD, D.; FREEMAN, L. Tread softly: using videography to capture shopping behaviour. Advances in Consumer Research - Asia-Pacific Conference Proceedings, v. 7, p , STEARNS, P. Stages of Consumerism: recent works on the issues of periodization. The Journal of Modern History, v. 69, p , TASHAKKORI, A.; TEDDLIE, C. Mixed methodology: combining qualitative and quantitative approaches. Thousand Oaks: Sage, TATZEL, M. The Art of Buying: Coming to Terms with Money and Materialism. Journal of Happiness Studies, v. 4, p , VAN PRAAG, B. M. S.; FRIJTERS, P. The measurement of welfare and well-being: the leyden approach. In: KAHNEMAN, D.; DIENER, E.; SCHWARZ, N. Well-being: the foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage, 1999, p WEGGE, J. et al. Work motivation, organizational identification, and well-being in call centre work. Work & Stress, v. 20, n. 1, p , YAMAUCHI, K.; TEMPLER, D. The development of a money attitude scale. Journal of Personality Assesment, v. 46, n. 5, p ,

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos 65 5. A pesquisa As dificuldades envolvidas na conciliação da maternidade com a vida profissional têm levado muitas mulheres a abandonar até mesmo carreiras bem-sucedidas, frutos de anos de dedicação e

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Honrar os valores, uma questão de integridade

Honrar os valores, uma questão de integridade Honrar os valores, uma questão de integridade Por: P.A. (Paulo Alvarenga) Nos últimos congressos de desenvolvimento profissional que participei, o que mais tenho escutado é sobre a importância dos valores.

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Doador: características principais e possíveis preocupações Rubens da Costa Santos*

Doador: características principais e possíveis preocupações Rubens da Costa Santos* Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial Doador: características principais e possíveis preocupações Rubens da Costa Santos* Recentemente

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

2014 Agosto Ed. 15 1

2014 Agosto Ed. 15 1 2014 Agosto Ed. 15 1 2 2014 Agosto Ed. 15 Editorial Caros assinantes, Como sinalizamos na edição de julho, esta edição fala sobre Felicidade. Começar a construir uma edição abordando um tema tão profundo

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2 WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES v1 2 3 v2 CONTEÚDO MoVE international 3 Aprendizagem para a Vida 4 5 O Caminho para a identidade profissional 6 7 Líderes na preparação 8 9 Fortalecendo

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL MBA EXECUTIVO EM LIDERANÇA E GESTÃO ORGANIZACIONAL ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING POS GRADUAÇÃO EM: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CIÊNCIAS

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO

FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO AUTORES Caroline C. Bueno Fernando A. Escorsin Fernando Colleoni Filipe F. Baptista Rafael Carvalho ORIENTADOR Luís Roberto Gomes de Assumpção

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 5 Discussão dos Resultados Este capítulo apresenta a análise e a interpretação dos dados extraídos das entrevistas com as consumidoras de baixa renda. Primeiramente, serão abordadas as buscas pelos valores

Leia mais

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 Organizações Positivas LOGOS ou razão, princípio e explicação. HOLI, a comemoração da harmonia. Conjugamos conhecimento e sabedoria,

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO Fevereiro 2016 PERFIL DA MULHER BRASILEIRA 68,0% das entrevistadas dão nota igual ou maior que SETE para a própria felicidade

Leia mais

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel SUPLEMENTO DO PROFESSOR No ano passado lannoy Dorin Elaborado por Fernanda Baruel A adolescência é um período conturbado. Além das mudanças no corpo, muitos e novos são os sentimentos e as sensações. Por

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

1999; HSEE et al., 2009). Diversos apontam que comportamento de grande

1999; HSEE et al., 2009). Diversos apontam que comportamento de grande 1 Introdução O Ocidente viveu a Revolução Industrial, fazendo com que a sociedade se tornasse cada vez mais dependente de bens e práticas de consumo (MCCRACKEN, 2003). A sociedade resultante dessa transformação

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO Career Compass Para Fulano de Tal 99999999 Data CONFIDENCIAL Reproduzido através do Inventário de Motivos, Valores e Preferências Copyright 2001

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais