PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral"

Transcrição

1 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: I Definição: administração intravenosa de quantidades suficientes de nutrientes com objetivo de manter, ou melhorar o estado nutriciona II Indicações em cirurgia pediátrica: Atresia intestinal Atresia de esôfago Íleo meconial Doença de hrschsprung Onfalocele Gastrosquise Hérnia diafragmática Pré e pós operatório de grandes cirurgias Abdome agudo obstrutivo Fistulas digestivas Síndrome do intestino curto III Quando iniciar? O mais precoce possível quando indicada, em crianças com estabilidade cardiocirculatória e metabólica. IV Vias de administração A-via central: Permite fornecer maior taxa calórica Indicada quando há maior necessidade protéico-calórica Pode ser exclusiva e por tempo prolongado Oferece glicose em maior concetração ( >12,5%) B-via periférica: Menos invasiva e com poucas complicações Usada por pouco período de tempo Oferce glicose em concentração menor ( >12,5%) V Necessidades Nutricionais: NECESSIDADES DE ENERGIA E DE AMINOÁCIDOS EM CRIANÇA SOB NUTRIÇÃO PARENTERAL Aminoácidos (g/kg/d) Energia (cal./kg/d) RNPT 2,5-3, RNT 2,0-2,5 80 Lactentes(1mês-2anos) 2,0-2, a-9a 1,5-2, a 1,3-1, Adolescentes 1,0-1,

2 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 2 de 7 A. Calóricas: 55 65% hidrato de carbono 35 55% lipídios 15% proteínas * 1g glicose = 4 cal 1g lipídio = 9 cal 1g proteína = 4 cal (não deve ser considerada como aporte calórico, os AA são utilizados para síntese proteíca). Relação ideal: 160cal / g nitrogênio ( cal/gn) 1g AA 0,16g de nitrogênio 160cal de glic + lipideos / 25 Kcal proteícas 25cal não proteícas / gr de AA Iniciar: 27 cal/kg/dia cal/kg/dia (aumentar lentamente) Ex: 0,16g x gr proteínas = X Cal.NI proteíca X B. Hidrato de Carbono: sempre respeitando a tolerância individual Glicose principal fonte de energia RnT: 3 5 mg/kg/min = 4 7g/kg/dia RnPT: 5 6 mg/kg/min = 7 9g/kg/dia Aumentar a dose 0,5 1,5mg/kg/min (1-2g/kg/dia) Concentração veia periférica: 12,5% Máxima Obs: Oferta maior 7mg/kg/min (10g/kg/d) veia profunda: 18% (RnPT) / 25% (RnT) Está associada a aumento da síntese de gordura e acima de 20mg/kg/min (30g/kg/d) a infiltração gordurosa no fígado. Manter concentração plasmática mg/dL (Glicemia) Hiperglicemia persistente (> 200 a 250 mg/dl) - Primeiro diminuir a infusão de glicose gradualmente até normalizar - Aumentar a quantidade proteína (3 4g/kg/d) leva ao aumento de AA e estes da secreção de insulina Hiperglicemia severa (> 300 mg/dl) - Principalmente se associada a hiperpotassemia

3 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 3 de 7 - Iniciar baixas doses de insulina 0,5mµ/kg/min = 0,03 ui/kg/hora - Adicionar 1cc de albumina 5% para cada 10cc de insulina diminuir a aderência da insulina - Acompanhar os níveis plasmáticos de lactato e queda do ph nas crianças recebendo insulina. NECESSIDADES HÍDRICAS: (ml/kg/dia) 1ml/1 cal. Idade (dias) Pré-termo (ml/kg) Termo (ml/kg) >7a NECESSIDADES HÍDRICA E CALÓRICAS EM CRIANÇAS Peso Até 10kg 11-20kg Acima de 20kg Necessidades hídricas = 1ml/1cal Necessidades diárias 100cal/kg 1000cal/kg mais 50cal para kg acima de 10kg 1500cal/kg mais 20cal para kg acima de 20kg FATORES QUE ALTERÃO AS NECESSIDADES HÍDRICAS DIÁRIAS A-FATORES QUE AUMENTAM: Prematuridade Calor radiante Temperatura ambiente elevada Febre Baixa umidade relativa do ar Estados hipercatabólicas Insuficiência respiratória Uso de diuréticos Perdas extras: diarréia, fístulas, queimados etc Alimentação parenteral Diabetes insípidus B-FATORES QUE DIMINUEM AS NECESSIDADES HÍDRICAS Isoletes com temperatura normotérmicas Ambientes com umidade relativa do ar elevada Ventilação mecânica Insuficiência renal,cardíaca e hepática Pós operatório imediato

4 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 4 de 7 SIHAD (secreção inapropriada do hormônio antidiurético) C. Proteínas Iniciar: 1 1,5 g/kg/dia Aumentar: 0,5 g/kg/dia Máximo: 2,5 4,0 g/kg/dia no RN Deve ser iniciado no 1º dia de vida no RN Obs: Aumento da uréia pode ser reflexo do uso efetivo desses aminoácidos como fonte de energia, ao invés de intolerância ao aporte proteíco. Pode não tolerar esses valores: Criança com: Infecção Insuficiência hepática Altas doses de corticóide 6,25g proteínas = 1gN (gramas de nitrogênio) 1g AA = 0,16gN 1g 4 cal D. Lipídios: Iniciar no 1º dia Importante: Desenvolvimento do cérebro, retina e membranas. Precursores de substâncias vasoativas. Inicar com: 0,5 1,0 g/kg/dia 3g/kg/dia Soluções 20%: são as preferidas menor volume depuradas mais rápido melhor padrão lipídico menos ác. graxos cadeia longa Teor calórico: sol. 10% ml - 1g = 10cal. Sol.20% ml 2g =20 cal. Efeitos colaterais: Deslocamento da Bb da sua ligação com a albumina Piora da função pulmonar Aumento do risco de DPC Interferência com a função imune ou plaquetária

5 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 5 de 7 Contra-indicaçõoes: Alergia á ovo Alterações metabólicas das gorduras Pancreatite aguda Disturbios hematopoéticos Aumento de triglicerídios Pós operatório imediato Paciente chocado Insuficiência respiratória grave Insuficiência hepática Infusão Máxima: 0,25g/kg/hora Triglicerídeo > 200 mg/dl interromper a infusão Utilizar heparina 1 UI/mL solução NP (aumenta a atividade da lipase lipoproteica e hepática), não está sendo mais utilizada,aumenta os acidos graxos livres que são neurotóxicos Devem ser infundida em velocidade constante durante as 24 horas E. Eletrólitos: Na+ (sódio) 2 4mEq/kg/dia Iniciar com 24h de vida no RN Aumentar no RnPT, se necessário Níveis normais: meq/l K (potássio) 2 3 meq/kg/dia Iniciar com 48h Níveis normais: 3,5 5 meq/l Cl (cloro): 2 6 meq/kg/d Ca (cálcio): mg/kg/c/rnpt = 60/90mg/kg/d (3,0 4,5 meq/g/d) P (fósforo): mg/kg/d (RnPT < 1000g = 40 70mg/kg/d) Mg (magnésio): 0,25-0,5mEq/kg/dia Proporção de Ca/P é de 1,7 Oligoelementos: 0,1 0,2 ml/kg/dia

6 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 6 de 7 Zn (zinco): mcg/kg/dia Cu (cobre): mcg/kg/dia Cr (cromo): 0,2 mcg/kg/dia Mn (manganês): 1 mcg/kg/dia NECESSIDADES BASAIS DE ELETRÓLITOS E MINERAIS NA CRIANÇA Eletrólitos Necessidades (meq/kg/dia) Sódio 2-4 Potássio 2-5 Cloro 2-4 Cálcio 0,5-2,0 Magnésio 0,25-0,5 Potássio 0,5-2,0 VI-MONITORIZAÇÃO MÍNIMA DURANTE A NPP: < 1 Semana > Semana Peso Diário Diário Comprimento Semanal Semanal Perímetro Cefálico Semanal Semanal Eletrólitos e gasometria 2 3 x semana 1 2 x semana Cálcio / Fósforo --- Quinzenal Uréia Semanal Semanal Triglicérides --- Semanal Albumina --- Se necessário TGO/TGP/yGT --- Quinzenal Glicosúria 3 x dia 3 x dia Densidade urinária 3 x dia 3 x dia Hemograma/Culturas Se necessário Se necessário Hematócito Semanal Semanal VII- COMPLICAÇÕES DA NUTRIÇÃO PARENTERAL: A-Relacionado ao cateter B-Trombose e tromboembolismo C-Embolia pulmonar D-Infusão fora do sistema E-Infecciosa F-Embolia séptica G-Metabólicas

7 Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 7 de 7 H-Relacionado aos eletrólitos e minerais I-Relacionada as vitaminas e oligoelementos J-Esteatose hepática L-Hepatomegalia M-Colestase intra-hepática N-Colelitíase O-Miscelânia: Eosinofilia Hipoabulbinemia Alterações metabólicas osseas Distúrbios de coagulação Distúrbios pisiquiátricos VIII-CONTROLE DA COLESTASE: Diminuir oferta de aminácidos Diminuir oferta de glicose Manter infusão de lipídios em até 2g/kg/d Se possivel suplementar taurina Reduzir a oferta de cobre e maganês ( excreção hepática) REFERÊNCIAS/DOCUMENTOS COMPLEMENTARES: * Neonatologia Instituto Materno-Infantil de Pernambuco Medsi Editora Médica e Científica LTDA. * Medeiros Filho, João Gonçalves Neonatologia: guia prático 2005 Editora Idéia LTDA * Brasil Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância. Pediatria. Prevenção de Controle de Infecção Hospitalar. Brasília Ministério da Saúde * Clolerthy JP, EICHENWALD, EC & STARK, AR. Manual de Neonatologia. 5 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, * Margotto PR. Assistência ao RN de risco. 2 ed. Brasília: Pórfiro, * Gomella TL. Neonatologia: manejo, procedimentos, problemas no plantão, doenças e farmacologia neonatal. 5 ed. Porto Alegre: Art Med, * Rotinas Médicas em Neonatologia. HCFMRP-USP VALIDAÇÃO: Dra. Adriana Queiroga MÉDICO Elaborou o documento em 21/07/2010 Dra. Helena Germoglio MÉDICO DA CCIH Validou o documento em 31/08/2010 Dra. Janine Valença COORD. MÉDICO Validou este documento em 09/09/2010 Katiúscia Barros ENFERMEIRO ESCRITÓRIO DA QUALIDADE Aprovou e disponibilizou o documento em 10/09/2010

HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA SERVIÇO DE NEONATOLOGIA

HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA SERVIÇO DE NEONATOLOGIA HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA SERVIÇO DE NEONATOLOGIA PROTOCOLO PARA NUTRIÇÃO PARENTERAL EM RECÉM-NASCIDOS EM UTI NEONATAL FORTALEZA-CE 2010 HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA SERVIÇO DE NEONATOLOGIA PROTOCOLO

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

ELETRÓLITOS: Iniciar com 48hs de vida, segundo a tabela abaixo. SUPORTE NUTRICIONAL REQUERIMENTOS

ELETRÓLITOS: Iniciar com 48hs de vida, segundo a tabela abaixo. SUPORTE NUTRICIONAL REQUERIMENTOS NUTRIÇÃO PARENTERAL OBJETIVOS - Manter adequado aporte calórico e balanço nitrogenado positivo - Prevenção da deficiência de ácidos graxos essenciais - Promover o crescimento. A nutrição parenteral (NP)

Leia mais

NUTRIÇÃO PARENTÉRICA UCEP, 1999

NUTRIÇÃO PARENTÉRICA UCEP, 1999 NUTRIÇÃO PARENTÉRICA UCEP, 1999 Está indicada em todo o doente que não é possível alimentar por via entérica. Pode ser usada como a única fonte de nutrientes ou em complemento da via entérica. Mesmo quando

Leia mais

NUTRIÇÃO CCEX. Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia JANEIRO/2016

NUTRIÇÃO CCEX. Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia JANEIRO/2016 Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia CCEX Nome do Candidato NUTRIÇÃO JANEIRO/2016 Inscrição INSTRUÇÕES Verifique se este caderno de

Leia mais

OLICLINOMEL (poliaminoácidos, glicose e emulsão lipídica com eletrólitos)

OLICLINOMEL (poliaminoácidos, glicose e emulsão lipídica com eletrólitos) b OLICLINOML (poliaminoácidos, glicose e emulsão lipídica com eletrólitos) IDNTIFICAÇÃO DO MDICAMNTO OLICLINOML poliaminoácidos, glicose e emulsão lipídica FORMA FARMACÊUTICA mulsão Injetável líquido homogêneo

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal 1 de 5 2070 94 RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como

Leia mais

KABIVEN e KABIVEN PERIPHERAL

KABIVEN e KABIVEN PERIPHERAL KABIVEN e KABIVEN PERIPHERAL Fresenius Kabi Emulsão para Infusão glicose + poliaminoácidos + emulsão lipídica Kabiven_Kabiven Peripheral_BU_04_PS Notificação alt. rot. NOV/2012 1 MODELO DE BULA KABIVEN

Leia mais

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum UNIDADE 8 - INTERRELAÇÕES METABÓLICAS 8.1 - Ciclo Jejum-alimentação 8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum 8.3 - Inter-relações

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável ANO LECTIVO 2010/2011 Alimentação Saudável Turma: 8º A Elaborado por: Adriana nº1, Carolina Pereira nº8 e Cátia nº10 Disciplina: Área de Projecto e Formação Cívica Professores: Eurico Caetano e Helena

Leia mais

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 Desnutrição protéico-calóricacalórica Síndrome clínica em conseqüência de um balanço energético

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Nutrição parentérica personalizada no recém-nascido prematuro

Nutrição parentérica personalizada no recém-nascido prematuro Nutrição parentérica personalizada no recém-nascido prematuro Israel Macedo Neonatologista UCIN - CHLC, EPE Lisboa Santarém, 16 Março 2013 Declaração de conflito de interesses Oautor nãotemconflitos deinteressea

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Aleitamento Materno Por que estimular?

Aleitamento Materno Por que estimular? Aleitamento Materno Por que estimular? Francine Canovas Dias Nutricionista Especializanda Disciplina de Gastroenetrologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Recomendações 1980-1 s estudos sobre

Leia mais

Preciso saber para fazer render

Preciso saber para fazer render A MELHOR ALIMENTAÇÃO PARA UM MAIOR RENDIMENTO Rosa Santos (Nutricionista) Preciso saber para fazer render A energia que cada um necessita para viver Que energia para aumentar o rendimento Quanta energia

Leia mais

PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado

PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado APRESENTAÇÃO

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

DDAVP Hemo Laboratórios Ferring acetato de desmopressina. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DDAVP Hemo acetato de desmopressina

DDAVP Hemo Laboratórios Ferring acetato de desmopressina. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DDAVP Hemo acetato de desmopressina DDAVP Hemo Laboratórios Ferring acetato de desmopressina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DDAVP Hemo acetato de desmopressina APRESENTAÇÕES Solução Injetável de 15 mcg/ml de acetato de desmopressina disponível

Leia mais

Dietas Caseiras para Cães e Gatos

Dietas Caseiras para Cães e Gatos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIA AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA CAMPUS DE JABOTICABAL SERVIÇO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA Prof. Dr. Aulus Cavalieri Carciofi

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

Neonatologia. Neonatologia ICTERÍCIA NEONATAL E SUAS REPERCUSSÕES. Hiperbilirrubinemia

Neonatologia. Neonatologia ICTERÍCIA NEONATAL E SUAS REPERCUSSÕES. Hiperbilirrubinemia Neonatologia Dr Alexandre Netto Formado Pela Universidade de Mogi das Cruzes 2005 Residencia de Pediatria e Neonatologia pela Santa Casa SP 2006 2008 Especialista em Pediatria e Neonatologia pela SBP.

Leia mais

Kavit fitomenadiona. Solução Injetável 10 mg/ml. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Kavit fitomenadiona. Solução Injetável 10 mg/ml. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Kavit fitomenadiona Solução Injetável 10 mg/ml Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO KAVIT fitomenadiona APRESENTAÇÃO Caixa contendo

Leia mais

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Carolline Ferreira de Brito 1 Jesualdo Alves Avelar 2 Felipe Waschmuth Menhô Rabelo 3 RESUMO A desnutrição é um problema frequente enfrentado por

Leia mais

Bebida hidratante. suplementação

Bebida hidratante. suplementação Texto > Paula Cristóvão Santos e Custódio César* Bebida hidratante A razão de ser isotónica Há mais do que uma boa razão para ingerir bebidas isotónicas antes, durante ou após o exercício. E a recomendação

Leia mais

- LICITANTES DESABILITADOS -

- LICITANTES DESABILITADOS - - LICITANTES DESABILITADOS - NOME DO PROMOTOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACOAL EDITAL / PROCESSO: 0039-2012 / 1571/2012 PREGOEIRO RESPONSÁVEL: SILVIA DURAES GOMES OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA POSSÍVEL

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável Material Técnico Zinco quelato Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

Nutrição do Recém-nascido Pré-termo Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Necessidades Nutricionais no Prétermo

Nutrição do Recém-nascido Pré-termo Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Necessidades Nutricionais no Prétermo Nutrição do Recém-nascido Pré-termo Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Necessidades Nutricionais no Prétermo Susana Pissarra Março 2013 AGENDA 1. Nutrição no RN pré-termo 2. Necessidades

Leia mais

Cloridrato de metformina

Cloridrato de metformina Cloridrato de metformina Prati-Donaduzzi Comprimido de liberação prolongada 500 mg e 750 mg Cloridrato de metformina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de metformina Medicamento genérico

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Processo de envelhecimento

Processo de envelhecimento Fernando Santos Processo de envelhecimento O idoso não é uma versão mais velha do adulto jovem O idoso tem características metabólicas distintas que alteram as necessidades em relação a nutrientes específicos

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 08:10 horas do dia 29 de fevereiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

PYR-PAM pamoato de pirvínio

PYR-PAM pamoato de pirvínio PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG Bula do Paciente Pyr-Pam UCI-FARMA Conforme RDC 47/09 Página 1 PYR-PAM pamoato de pirvínio FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO PYR-PAM DRÁGEA 100 MG: cartucho contendo

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg JARDIANCE (empagliflozina) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg Jardiance empagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg ou 25

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES MÓDULO I - DIABETES MELLITUS: a dimensão do problema Atualizar conhecimentos na área da diabetes; Sensibilizar para as medidas de prevenção; Adquirir competências

Leia mais

O primeiro passo para a saúde de bebês prematuros é a nutrição.

O primeiro passo para a saúde de bebês prematuros é a nutrição. Análise de Leite Humano O primeiro passo para a saúde de bebês prematuros é a nutrição. Analise com Miris. E faça cada gota valer a pena. Analise com Miris. E faça cada gota valer a pena. A medicina neonatal

Leia mais

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE Unidade I Princípios Básicos, 2 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Composição dos Fluidos Corporais, 3 Água, 3 Solutos, 4 Espaços dos Fluidos,

Leia mais

Marcas Trilon. Informações Técnicas. Especialidades Químicas. Setembro 1998. Edição 1

Marcas Trilon. Informações Técnicas. Especialidades Químicas. Setembro 1998. Edição 1 Informações Técnicas Setembro 1998 Edição 1 = Marca Registrada Marcas Trilon Agentes Sequestrantes rgânicos para a Indústria de detergentes e produtos de limpeza, as Indústrias Químico-Técnicas e outros

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

NUTRIÇÃO PARENTÉRICA EM RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS

NUTRIÇÃO PARENTÉRICA EM RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS ANDREIA FILIPA RODRIGUES BATISTA NUTRIÇÃO PARENTÉRICA EM RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS Orientadora: Liliana Mendes Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Departamento de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Granola Soft. Benefícios

Granola Soft. Benefícios Granola Soft A granola é um mix de cereais, castanhas e frutas secas que contêm vitaminas, proteínas, nutrientes, muitas fibras e outros componentes importantes para o equilíbrio do organismo e para controle

Leia mais

PROTOCOLO ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL SUPORTE NUTRICIONAL. Preferência por dietas líquidas prontas a fim de evitar manipulação em demasia.

PROTOCOLO ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL SUPORTE NUTRICIONAL. Preferência por dietas líquidas prontas a fim de evitar manipulação em demasia. Código: PC.SND.001 Data: 29/07/2010 Versão: 1 Página: 1 de 16 DIETAS ENTERAIS: SUPORTE NUTRICIONAL Preferência por dietas líquidas prontas a fim de evitar manipulação em demasia. Preferência por dietas

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIENCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE NÚCLEO DE NUTRIÇÃO Profa Danielle Góes Disciplina Nutrição Materno-Infantil NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE 1. NECESSIDADES

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio.

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio. Haemocomplettan P fibrinogênio APRESENTAÇÃO Haemocomplettan P 1g: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 1 g de pó liofilizado para solução injetável e infusão. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PERÍODO DE TRANSIÇÃO (3 semanas pré-parto a 3 semanas pós-parto) aperíodo de tempo onde a vaca passa por grandes alterações

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Aspiração de Tubo Orotraqueal (TOT) ou Traqueostomia (TQT) em Recém- Nascidos (RN) Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 05 Área

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g Glifage XR cloridrato de metformina APRESENTAÇÕES Glifage XR 500 mg: embalagens contendo 30 comprimidos

Leia mais

Diabetes na infância e Hipoglicémia

Diabetes na infância e Hipoglicémia XXVIII Ação de formação Noções de primeiros socorros Consulta Pediatria H.E.S. Évora EPE Diabetes na infância e Hipoglicémia Abril 2012 Enf.ª-Ana Beja Enf.ª - Gisela Antunes O que é a Diabetes? A diabetes

Leia mais

SANDOSTATIN octreotida

SANDOSTATIN octreotida SANDOSTATIN octreotida APRESENTAÇÕES Solução para injeção (subcutânea) ou concentrado de solução para infusão (infusão intravenosa). Embalagem com 5 ampolas de 0,05 mg/ml, 0,1 mg/ml ou 0,5 mg/ml. VIA SUBCUTÂNEA/INTRAVENOSA

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa

Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa Catarina Hipócrates (pai da Medicina, 460 a.c.) 1-

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Nome do Medicamento: FOLACIN. Forma Farmacêutica: COMPRIMIDO REVESTIDO. Concentração: 5 MG

Nome do Medicamento: FOLACIN. Forma Farmacêutica: COMPRIMIDO REVESTIDO. Concentração: 5 MG Nome do Medicamento: Forma Farmacêutica: COMPRIMIDO REVESTIDO Concentração: 5 MG BULA PARA O PACIENTE ácido fólico APRESENTAÇÕES Comprimido Revestido de 5mg: caixa com 8, 20 ou 30 comprimidos revestidos.

Leia mais

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE Dra Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Área Técnica da Saúde da Criança e Adolescente CODEPPS SMS DE São Paulo SEPSE NEONATAL PRECOCE DE ORIGEM BACTERIANA

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Preparatório Concursos- 2012 DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias;

Leia mais

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO E SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES = Ingestão e Digestão = Alimentos = Absorção = Nutrientes = Eliminação = Restos (não-digeridos / não-absorvidos) 1. Mecânicos

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL Mariah Benine Ramos Silva 1, Thanise Pitelli Paroschi 2, Ana Flávia de Oliveira 3 RESUMO:

Leia mais

Nutrição parenteral em Pediatria

Nutrição parenteral em Pediatria 0021-7557/00/76-Supl.3/S339 Jornal de Pediatria Copyright 2000 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 76, Supl.3, 2000 S339 ARTIGO DE REVISÃO Nutrição parenteral em Pediatria Parenteral

Leia mais

PROBLEMAS DE PELE EM FRANGOS: CELULITE E PODODERMITE

PROBLEMAS DE PELE EM FRANGOS: CELULITE E PODODERMITE PROBLEMAS DE PELE EM FRANGOS: CELULITE E PODODERMITE Sarge F. Bilgili Ph.D., Department of Poultry Science Auburn University Auburn, Alabama 36849 Problemas de pele em frangos Crescimento anormal das penas/empenamento

Leia mais

Nutricafé. Eliane Petean Arena. Nutricionista

Nutricafé. Eliane Petean Arena. Nutricionista Nutricafé Eliane Petean Arena Nutricionista Originário da Etiópia, na África, o fruto do cafeeiro tornou-se popular no mundo e adaptou-se bem na região da Arábia, localizada naquele continente. O Brasil,

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg LER CUIDADOSAMENTE ANTES DE USAR FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 mg: cartucho com 3 blisters de 10 comprimidos revestidos CLORIDRATO

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol.

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: SIMDAX levosimendana Formas Farmacêuticas, vias de administração e apresentações: SIMDAX (levosimendana) 2,5 mg/ml: embalagens com 1 frasco-ampola

Leia mais