Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal"

Transcrição

1 1 de RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como conduzir? 1-Definição: Quadro clínico caracterizado por taquipnéia, gemência, batimento de asa de nariz, tiragens (uso da musculatura acessória respiratória) e cianose, com aumento das necessidades de oxigênio. 2-Identificar fatores predisponentes: Idade gestacional; Uso de corticóide antenatal; Fatores de risco para infecção: rotura prematura das menbranas, ITU materna, febre materna, presença de corrimento; Tipo de parto e condições de nascimento; Momento do surgimento do desconforto respiratório. 3-Exame físico de RN: Avaliar estado geral; Definir grau de insuficiência respiratória; Verificar permeabilidade de coanas e do esôfago, presença de sopro, aspecto do abdômen e da caixa torácica. 4-Conduta inicial: Assegurar um ambiente térmico neutro; Suporte respiratório; Monitorização cardiorespiratória oximetria de pulso; Hidratação; Solicitar rx de tórax e, após estabilização, gasometria arterial. 5-Suporte respiratório: HOOD CPAP VPPIN Ventilação Mecânica HOOD Indicação: Desconforto respiratório leve em RN > 1.500g que necessita FiO2 0,40 para manter SatO2 > 89%.

2 2 de 5 CPAP NASAL Orientação Geral: RN < 1.500g, a qualquer sinal de aumento do trabalho respiratório; RN > 1.500g, mantendo SatO2 < 89%, inalatório c/ FiO2 0,40. Indicações: Apnéia da prematuridade: Traqueomalácia; Doença de membranas hialinas; Pneumonia, atelectasias, edema pulmonar, aspiração de mecônio, taquipnéia transitória do recém-nascido; Cardiopatias c/ ingurgitamento de vasos pulmonares. Contra-indicações: Pneumotórax não tratado; Hérnia diafragmática; Grave instabilidade cardiovascular; Falência respiratória (ph < 7,25, PaO2 < 50mmHg, PaCO2 > 65mmHg e FiO2 > 0,60). Uso Clínico: Pronga nasal adequada para idade gestacional e peso do RN; sistema aquecido e umidificado; Iniciar c/ 4 a 6 cmh2o e FiO2 0,40 a 0,60, c/ fluxo 5 a 10 L/min; Passar SOG nº 6 ou 8 e manter aberta inicialmente (descompressão gástrica); AVAS criteriosa. Complicações do uso do CPAP: Distensão abdominal; Pneumotórax; Hipercapnia; Diminuição do débto cardíaco; Irritação nasal, necrose de septo. VENTILAÇÃO C/ PRESSÃO POSITIVA INTERMITENTE NASAL (VPPIN) Indicação clássica: Apnéias freqüentes, quando o RN não responde à CPAP nasal, na tentativa de evitar a reintubação. VENTILAÇÃO MECÂNICA A ventilação mecânica é um procedimento invasivo de suporte à vida com muitos efeitos sobre o sistema cardiopulmonar. O objetivo é otimizar as trocas gasosas e melhorar o estado clínico com os menores valores possíveis de FiO2, volume corrente e pressões de respirador. Indicações Relativas: Apnéias intermitentes freqüentes que não respondem a tratamento farmacológico; Tratamento precoce. Quando o uso de ventilação mecânica é previsto pela deterioração de troca gasosa; Alívio do trabalho respiratório em um RN com sinais de dificuldade respiratória; Administração de surfactante em RN com DAS. Indicações Absolutas: Apnéia prolongada; PaO2 abaixo de 50mmHg ou FiO2 acima de 0,80. Estas indicações podem não se aplicar a RN com cardiopatia congênita cianótica; PaCO2 acima de 60mmHg com acidemia persistente; Anestesia geral. Modalidades Ventilatórias: Ventilação mecânica convencional (IMV); Ventilação sincronizada.

3 3 de 5 ESTRATÉGIA VENTILATÓRIA SDR PIP = 20 25cmH2O PEEP = 4 5cmH2O FR = cpm Ti = 0,4seg. (ajustar p/ a mínima necessária p/ manter SatO %) SAM PIP = 20 25cmH2O PEEP = 4 cmh2o Fluxo = 7 8 L/min FR = cpm Ti = 0,4 0,5 seg. SÍMDROME DO PULMÃO ÚMIDO PIP = 20 cmh2o PEEP = 5cmH2O FR = 40 cpm Ti = 0,4 seg. PNEUMONIA NEONATAL PIP = cmh2o PEEP = 4 5 cmh2o Fluxo = 7 8 L/min FR = cpm Ti = 0,4 0,5 seg. APNÉIA NEONATAL PIP = cmh2o PEEP = 4 5 cmh2o FR = cpm Ti = 0,4 seg. FiO2 = 0,40 0,50 PROXIMA ETAPA Ajustar conduta baseado: Valores de gasometria arterial; Aspecto do rx de tórax; Evolução clínica e laboratorial do RN (HMG, PCR, ionograma). GASOMETRIA ARTERIAL Valores aceitáveis:

4 4 de 5 ph = 7,25 7,35; PaO2 = mmhg; PaCO2 = mmhg; SatO2 = 89 95%. Como Conduzir: Alteração na oxigenação Ti, FR e do fluxo). Alteração na ventilação Volume-minuto = FR x VC Ajustes na FiO2 e/ou na MAP ( a MAP é elevada por aumentos da PEEP, PIP, Ajustes na ventilação minuto. RAIO X DE TÓRAX Infiltrado retículo-granular difuso = DMH = Considerar uso de surfactante; Aspecto sugestivo de SAM = Risco aumentado de barotrauma; se presença pneumotórax, realizar drenagem torácica em selo d agua; Condesações parenquimatosas = Pneumonia; Iniciar antibioticoterapia; Presença de cardiomegalia = Solicitar ECG, ECO c/ Doppler colorido e parecer do cardiologista; Patologia cirúgica (atresia de esôfago, hérnia diafragmática) = contactar CIPE. 6-Surfactante Exógeno: Indicações: SDR (raio x e/ou FiO2 0,40 p/ manter PaO mmhg ou SatO %); RN prematuro c/ PN < 1000g que tenha necessitado IOT em sala de parto; SAM, Pneumonia, Hemorragia pulmonar, Hérnia diafragmática = ainda em estudo. Como conduzir: Administrar o mais precoce possível, de preferência até 2 horas de vida; Dose: 100mg/kg. Se o RN tiver mais de 6 horas de vida, aumentar p/ 200mg/kg; Técnica de administração: da injeção lateral c/ seringa estéril; Avaliar necessidade de retratamento a cada 6 horas (rx de tórax e gasometria arterial). 7-Extubação quando iniciar: RN c/ respiração espontânea, com quadro infeccioso controlado e hemodinamicamente estável, mantendo oxigenção e ventilação satisfatórias c/ parâmetros ventilatórios mínimos (FR entre 15 e 20cpm, PIP entre 15 a 20 cmh2o, PEEP < 4 cmh2o e FiO2 < 0,40). PREPARO PARA EXTUBAÇÃO: Se RN < 1.000g: iniciar aminofilina (ataque de 4 a 6 mg/kg, IV lento e 12h após, iniciar manutenção de 1,5 a 2,0 mg/kg/dose, IV, 12/12h); Se intubação > 7 a 10 dias ou episódio prévio de falha na extubação: dexametasona 0,1 mg/kg/dose, IV, 8/8h, total de 3 doses; Fisioterapia Respiratória. CUIDADOS PÓS-EXTUBAÇÃO: Inalação c/ 1,0 ml de adrenalina 1 ;1000; Se RN < 1.500g: CPAP nasal ou VPPIN; Se RN > 1.500g: HOOD ou CPAP nasal; Fisioterapia Respiratória; Monitorização rigorosa = risco de apnéia.

5 5 de 5 Riscos Material perfuro-cortante; Presença de fluidos corpóreos. Elaborado por Dra. Eliane Brito REFERÊNCIAS: * Neonatologia Instituto Materno-Infantil de Pernambuco Medsi Editora Médica e Científica LTDA. * Medeiros Filho, João Gonçalves Neonatologia: guia prático 2005 Editora Idéia LTDA * Brasil Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância. Pediatria. Prevenção de Controle de Infecção Hospitalar. Brasília Ministério da Saúde * Clolerthy JP, EICHENWALD, EC & STARK, AR. Manual de Neonatologia. 5 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, * Margotto PR. Assistência ao RN de risco. 2 ed. Brasília: Pórfiro, * Gomella TL. Neonatologia: manejo, procedimentos, problemas no plantão, doenças e farmacologia neonatal. 5 ed. Porto Alegre: Art Med, * Rotinas Médicas em Neonatologia. HCFMRP-USP OBSERVAÇÕES GERAIS: Não houve modificação no conteúdo do documento, apenas alteração na codificação devido mudança de processo. Código Anterior PC.TINT HISTÓRICO DE REVISÕES: ELABORAÇÃO/VALIDAÇÃO: Dra. Janine - RESPONSÁVEL TÉCNICO - Validou o documento em 03/11/2010 Dra. Helena Germoglio - MEDICO CCIH JR - Validou o documento em 10/09/2010 Mitcheline Mahon - ENFERMEIRO* - Aprovou e Disponibilizou o documento em 11/11/2010

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA Israel Figueiredo Junior UFF 2009 israel@vm.uff.br OBJETIVOS OXIGENAR VENTILAR MANTER ph PaO2 PaCO2 ph N HISTÓRICO 1800-1 o relato de IOT associada a VM 1887 - O Dwyer

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Para começar... Ventilação mecânica é ventilação

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM A assistência ventilatória é caracterizada pela otimização das

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral

PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: I Definição: administração intravenosa de quantidades suficientes de nutrientes com objetivo de manter, ou melhorar

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF

Serviço de Pediatria HU-UFJF Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº 003 BRONQUIOLITE Elaborado em: Julho 2010 Revisado em: Maio 2011 Objetivo: - Estabelecer o diagnóstico da bronquiolite viral aguda em lactentes com sintomas respiratórios.

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter GERENCIAMENTO DOS RISCOS ASSISTENCIAIS - Neocenter Gerenciamento de riscos n Objetivos Ter uma base mais sólida e segura para tomada de decisão; Identificar melhor as oportunidades e ameaças; Tirar proveito

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun VENTILAÇÃO MECÂNICA Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun OBJETIVOS PaO2/ SaO2 PaCO2 / ventilação alveolar Trabalho resp e prevenir fadiga musc recrutar alvéolos colapsados/ atelectasiados COMPLICAÇÕES

Leia mais

DOENÇA DE MEMBRANA HIALINA: O USO DO SURFACTANTE NESTA PATOLOGIA.

DOENÇA DE MEMBRANA HIALINA: O USO DO SURFACTANTE NESTA PATOLOGIA. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DOENÇA DE MEMBRANA HIALINA: O USO DO SURFACTANTE NESTA PATOLOGIA. Tânia Mara Gameiro Rodrigues ¹; Marcos Roberto

Leia mais

TRANSPORTE NEONATAL. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br

TRANSPORTE NEONATAL. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br TRANSPORTE NEONATAL Israel Figueiredo Junior israel@ vm.uff.br Dar preferência ao transporte INTRA-ÚTERO Quando ocorre em local sem estrutura, o RN deve ser removido para centro de referência É caro e

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL QUESTÃO 21 Sobre a insuficiência cardíaca congestiva, é correto afirmar, EXCETO: a) Os inibidores da fosfodiesterase são uma alternativa

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA

DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA 1 DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA A Doença da membrana hialina, cuja denominação atual é SÍNDROME DO DESCONFORTO RESPIRATÓRIO, é uma desordem respiratória de recém-nascidos PREMATUROS devida, primordialmente,

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO O bebé prematuro, em geral com peso inferior a 2.500 gramas, está mais propenso a problemas de saúde tendo em conta que a gravidez encurtada não permitiu o desenvolvimento

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA Luciano Amédée Péret Filho CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva Diretrizes Assistenciais Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Versão eletrônica atualizada em jun/2012 Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Definição Ventilação Mecânica Invasiva (VNI)

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO PREPARO PARA REANIMAÇÃO HISTÓRIA MATERNA Intercorrências clínicas Intercorrências gestacionais Intercorrências no trabalho de parto e parto Líquido amniótico

Leia mais

Revalidação de Diploma Médico Graduado no Exterior 2013 P A D R Ã O D E R E S P O S T A S

Revalidação de Diploma Médico Graduado no Exterior 2013 P A D R Ã O D E R E S P O S T A S P A D R Ã O D E R E S P O S T A S QUESTÃO 01 I) Vôlvulo de sigmoide. II) São considerados pela literatura fatores predisponentes ao vôlvulo de sigmoide: - megacólon chagásico - constipação crônica - uso

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DA ASFIXIA DURANTE O NASCIMENTO Certas condições durante a gravidez estão associadas com o aumento do risco de asfixia ao nascer

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I.

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. Segundo o II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (não revisado - 2011) I VENTILAÇÃO MECÂNICA - Objetivos da Ventilação Mecânica - Conclusões do II Consenso Brasileiro

Leia mais

CIRURGIA CARDÍACA FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO. Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação

CIRURGIA CARDÍACA FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO. Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO CIRURGIA CARDÍACA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO Avaliação Pré operatória Índice diafragmático:

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 QUESTÃO 26 Quanto à ausculta pulmonar, é INCORRETO afirmar: a) O atrito pleural é ouvido igualmente durante a inspiração e expiração. b) Broncoespasmo, edema de mucosa e secreções

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 Currículo Vitae Ticiana Leal Leite Buarque ticianaleal@yahoo.com.br Informações

Leia mais

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 1 - O que é ventilação mecânica? Ventilação mecânica Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 Ventilação mecânica é o suporte oferecido ao paciente por meio de um aparelho, o ventilador, auxiliando-o

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Prematuridade e actuação na sala de partos Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Classificações do RN Baseadas na IG: termo- entre as 37 e as 42 semanas IG prétermo menos de 37semanas pós termo- mais de 42

Leia mais

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013 Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Professor FCMMG Jornal Brasileiro de Pneumologia Revista Brasileira de Terapia Intensiva Agosto

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva 1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva Coordenador: SÉRGIO SALDANHA MENNA BARRETO Relator: NIVALDO FILGUEIRAS Colaboradores: AÍRTON STINGELLIN CRESPO, ANALUCE GÓES, ARTHUR VIANNA,

Leia mais

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia.

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia. Regulamento do Colégio de Subespecialidade de Neonatologia da Ordem dos Médicos para reconhecimento de Idoneidade e Capacidade Formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia - Versão

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA PROPRIEDADES ELÁSTICAS DO PULMÃO Resistência Respiratória: Define-se resistência respiratória como o conjunto de forças opostas ao fluxo aéreo, pode-se conceituar resistência como a relação existente entre

Leia mais

INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SÃO FRANCISCO

INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SÃO FRANCISCO Caroline Paola Mena Merino Carvalho RA: 001200400119 Grazielle Cristine Ferraz Sacrini Paris RA: 001200400939 INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

ASPECTOS DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA ADULTO

ASPECTOS DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA ADULTO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE DO DITRITO FEDERAL - E APECTO DA MECÂICA REPIRATÓRIA VETILAÇÃO MECÂICA ÃO IVAIVA ADULTO Fr>25/mim Trabalho Respiratório 7,25> ph < 7,35 ao2 30% Considerar Intubação

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

A Utilização do CPAP (Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas) em Neonatos Pela Fisioterapia Como Manobra Respiratória e suas Complicações.

A Utilização do CPAP (Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas) em Neonatos Pela Fisioterapia Como Manobra Respiratória e suas Complicações. 1 A Utilização do CPAP (Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas) em Neonatos Pela Fisioterapia Como Manobra Respiratória e suas Complicações. Resumo Vilza Carla Ferreira Cunha 1 Email: vilzacunha_2@hotmail.com

Leia mais

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Marcelo Alcantara Holanda Prof Terapia Intensiva/Pneumologia Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará UTI respiratória Hospital Carlos Alberto

Leia mais

TAKAOKA MONTEREY SMART

TAKAOKA MONTEREY SMART TAKAOKA MONTEREY SMART OPERAÇÃO NO RECÉM-NASCIDO O Monterey Smart é um respirador microprocessado desenvolvido para atender pacientes adultos, infantis e neonatais em terapia intensiva e transporte intra

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica PROMOÇÃO Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Associação de Medicina Intensiva Brasileira APOIO Sociedade Brasileira de Anestesiologia

Leia mais

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 PARECER COREN-SP 018 /2013 CT PRCI n 99.921 Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 Ementa: Mensuração e regularização da pressão do cuff (balonete) de cânulas de entubação e traqueostomia por Enfermeiro.

Leia mais

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte.

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte. SERVOVENTILADOR COLOR MS: 10229820103 OCP: TÜV Rheinland... DESCRITIVO Servoventilador pulmonar microprocessado eletrônico para insuficiência respiratória de paciente adulto a neonatal em UTI. Reúne ventilação

Leia mais

PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049

PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049 PARECER COREN-SP 019/2014 CT PRCI n 103.894/2013 Ticket n 317.049 Ementa: Administração de surfactante em neonatos por Enfermeiro. 1. Do fato Profissional questiona se o Enfermeiro pode realizar administração

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

UTI NEONATAL - OBJETIVA - CONCURSO 2002. Questão 01

UTI NEONATAL - OBJETIVA - CONCURSO 2002. Questão 01 .estrategiaconcursos.com.br Questão 01 Um recém-nascido com peso de nascimento 2.400g, idade gestacional de 231 dias, apresentou quadro de insuficiência respiratória com 24 horas de vida. O parto foi normal

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória Introdução Maior causa de morte nos E.U.A. Mais de 70% das mortes em pacientes com pneumonia são atribuídas à insuficiência

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais