DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL"

Transcrição

1 DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL Tatiana Diair Lourenzi Franco Rosa, Unespar Câmpus de Campo Mourão, RESUMO: No contexto econômico, a tecnologia é considerada um fator essencial para promover o crescimento e a competitividade de países ou regiões, pois empresas que desenvolvem produtos com maior intensidade tecnológica, implementam um volume maior de atividades inovativas em seus processos produtivos, o que lhes proporciona maior produtividade no uso de seus recursos e alcance de novos mercados. O presente estudo tem como objetivo a análise de indicadores de inovação e da evolução das exportações de produtos industriais de alta tecnologia, do Brasil, contemplando o período de 2003 a Para tanto, foi feita uma análise estatística descritiva, a partir de dados disponibilizados pelos relatórios da Pesquisa de Inovação (PINTEC/IBGE) e pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior (SECEX/MDIC). Os resultados mostraram que, em relação aos indicadores de inovação, os valores encontram-se baixos, mas houve evolução quanto à intensidade da inovação, com aumento de aproximadamente 34% entre 2003 e Quanto às exportações de bens industriais, verificou-se que a maior participação foi dos setores de baixa tecnologia, enquanto que a menor foi representada pelos setores de alta tecnologia, sendo que, para esta última, o destaque nas vendas externas foi para Aeronáutica e aeroespacial. Palavras-chave: Inovação. Brasil. Comércio Exterior. INTRODUÇÃO No contexto econômico, a tecnologia é considerada um fator essencial para promover o crescimento e a competitividade de países e/ou regiões. Isso porque, empresas que desenvolvem produtos com maior intensidade tecnológica, implementam um volume maior de atividades inovativas em seus processos produtivos, o que lhes proporciona maior produtividade no uso de seus recursos e melhores oportunidades no alcance de novos mercados. O debate sobre a importância da inovação para o crescimento e o desenvolvimento das economias ganha cada vez maior relevância, desde a contribuição inicial mais enfática de Joseph Schumpeter, em 1911, aprofundando-se com as transformações mais recentes, decorrentes das rápidas mudanças tecnológicas. De acordo com Diniz (2001), a tecnologia não pode ser vista como uma mercadoria, e, por isso, torna-se essencial a capacidade de desenvolvimento empresarial ou setorial. Dessa forma, a construção de vantagens comparativas, com base no processo de inovação permanente, alcançará o sucesso somente quando os agentes estiverem preparados para aproveitar as oportunidades abertas com as mudanças tecnológicas. Para Perez e Soete (1988) apud Diniz (2001), o sucesso em questão depende da capacidade de superação das barreiras que surgem quando há necessidade de cobrir uma série de custos como, por

2 exemplo, investimento produtivo, aquisição do conhecimento tecnológico, obtenção de experiência, superação de desvantagens locacionais e erros. No que diz respeito à situação da inovação para a economia brasileira, percebe-se que, apesar dos avanços obtidos nos últimos anos, esta encontra-se em atraso com relação a outros países. Esse atraso tem explicações em fatores estruturais, relacionados ao modelo de desenvolvimento adotado para a implantação e desenvolvimento do setor industrial: industrialização por substituição de importações (ISI). Segundo Suzigan (2000), esse modelo levou a um atraso tecnológico e manteve a indústria com baixos níveis de eficiência e de competitividade, levando a uma descontinuidade do processo de desenvolvimento industrial, devido a problemas como: protecionismo excessivo; tardia e insuficiente ênfase no fomento à exportação; quase desleixo em relação à capacidade tecnológica para inovar, em complementação ao fomento de capacitação para produzir; ampla concessão de subsídios (fiscais e financeiros) à formação de capital industrial e à exportação de produtos manufaturados; forte intervenção reguladora; não-seqüencialidade dos planos e políticas. De acordo com a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras - ANPEI (2004), como o referido modelo tinha como principal objetivo abastecer o mercado interno, com a concessão de proteção de mercado para a produção local, os empresários, em sua grande maioria, não se sentiram incentivados busca por novos mercados e por inovações. Com isso, ainda hoje, a maioria das empresas, principalmente nas de pequeno e médio porte, ainda tratam a exportação como uma simples complementação de suas atividades de mercado. No entender de Bahia e Araujo (2007), o Brasil apresenta como legado do período desenvolvimentista, da estagnação da década de 1980 e do processo de reestruturação produtiva da década de 1990, um estágio elevado de industrialização, que resulta em um montante considerável de riqueza produtiva, mas que, por sua vez, apresenta duas deficiências importantes: uma deficiência em eletrônica e informática e uma estrutura com processos produtivos mais eficientes que na década de 1980, mas que não conseguiu desenvolver uma mudança de estratégia na indústria. Conforme Lessa (2007), na década de 1990, com o governo de Fernando Collor e logo após o governo de Fernando Henrique Cardoso, o apoio era para uma economia de integração competitiva globalizada, ou seja, uma economia que busca compreender melhor os fatores que determinam o crescimento econômico. Com isso, os investimentos voltados para a indústria, o desenvolvimento de pesquisas, implantação de tecnologias, entre outros, foram deixados de lado. A partir dessa descontinuidade de incentivos à indústria nesse período, o Brasil passou de oitava economia industrial do planeta, para a décima terceira.

3 No que diz respeito à inovação, a ANPEI (2004) destaca, ainda, que a indústria brasileira estruturou-se de forma pouco dinâmica em relação à geração e incorporação de progresso técnico, tendo em vista o isolamento quanto à competitividade externa, a rentabilidade obtida e o acesso relativamente fácil a tecnologias importadas. Portanto, não era necessário correr os riscos inerentes à atividade inovadora. Já nos anos 1990 observava-se a necessidade de mudanças importantes não apenas na política tecnológica do governo, mas em toda a postura da sociedade brasileira diante da inovação. Em novembro de Para romper com essa estrutura, o governo deveria ter liderado um processo de transformação da sociedade, no qual o desenvolvimento científico, tecnológico e de introdução de inovações, passasse a ser visto como estratégico para o desenvolvimento nacional e para o crescimento auto-sustentado (ANPEI, 2004, p. 40). foi implantada a Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior - PITCE, que, de acordo com Santos, Porto e Costa (2005) representou a retomada da política industrial no Brasil. Conforme os referidos autores, essa política contemplava linhas de crédito voltadas à modernização industrial, ferramentas para inserção externa, e, também, apoio legal específico para inovação e desenvolvimento tecnológico. Para Pereira (2004), o desenvolvimento industrial e tecnológico tem que ser abordado por uma política definida, competente, e lúcida que considere o esforço de pesquisa quanto à transferência dos resultados para a sociedade. Para o autor, política industrial tem como objetivo geral maximizar a renda, desenvolver sistemas produtivos que possam dar crescimento industrial, procurar investir em inovações, pesquisa científica, para melhorar a qualidade dos produtos nacionais para que possa obter mais participação na área tecnológica. Segundo Castellano (1996), a sociedade necessita de empresas de alta tecnologia, seja para utilizar seus produtos e serviços, seja para fomentar a concorrência entre empresas - inclusive de tecnologia convencional - e, com isso, melhorar a qualidade dos produtos nacionais. O autor aponta que as empresas de alta tecnologia apareceram no Brasil na década 1990, algumas para tornarem-se fornecedoras de empresas de tecnologia convencional, outras para lhes fazer concorrência e outras para colocar inovações. De acordo com o mesmo autor, a criação de empresas de alta tecnologia está relacionada aos resultados de pesquisas aplicadas, em que produtos novos ou inovadores aparecem como potenciais soluções para problemas de produção ou de mercado. 1 A PITCE foi formulada em 2003, mas anunciada em 2004 (FERRAZ, 2009).

4 Castellano (1996) ressalta, ainda, que uma empresa de tecnologia avançada é um fenômeno que ocorre num contexto ambiental, fortemente influenciado por fatores, políticos, legais, sociais, econômicos e tecnológicos. E o Brasil, nesse sentido, se encontra carente e, para que consiga superar essas dificuldades, é necessário que busque empreender agregando resultados positivos, para que capitalistas possam acreditar no futuro dessas indústrias, investindo em seu potencial. Ainda no entender do mesmo autor, além dessas carências, o Brasil também aponta algumas dificuldades relacionadas ao não desenvolvimento da indústria de alta tecnologia, sendo elas: mentalidade dos investidores avessa ao risco, em decorrência de tratamentos fiscais desfavoráveis; ausência de investidores de capital de risco experimentados; falta de aceitação cultural ou social para os esquemas de participação dos empregados/dirigentes nos lucros das empresas; falta de tradição do sistema financeiro em comprar cotas de pequenas sociedades; as restrições legais às aplicações de bancos estatais na forma de participações de risco; inexistência de capitalistas de risco em forma de pessoa física, no Brasil, como ocorre em outros países. Segundo Gonçalves (1998), o desenvolvimento da indústria de alta tecnologia dependendo de algumas regiões fica condicionado à presença de fatores locacionais, ou seja, de alguns setores como trabalho qualificado, espírito empreendedor, amenidades, infra-estrutura educacional e de pesquisa e capital de risco. Com a existência desses requisitos começa a dar-se processo no desenvolvimento dessas indústrias tanto como inovação, como criação de empresas para que haja sustentabilidade dessa nova geração de indústrias. Dessa maneira, a indústria de alta tecnologia, necessita da participação de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). De acordo com Castells (1986) apud Gonçalves (1998), as indústrias que mais se destacam na arte de tecnologia são a eletrônica, a informática, a mecânica de precisão, a de equipamentos militares e espaciais, a biotecnologia, a de novos materiais e a química fina. Com a implantação dessas indústrias de alta tecnologia, aumentam as contratações de trabalhadores, aumentando dessa forma a força de produção, pois, na medida em que cresce este mercado de trabalho, o local vai se especializando, melhorando assim o bem-estar das pessoas Dentro desse contexto, o presente trabalho tem como objetivo apresentar o desempenho recente dos indicadores de inovação tecnológica, bem como a evolução das exportações da indústria de alta tecnologia, no Brasil, de forma a observar se houve melhora dos mesmos no período de 2003 a Para tanto, foi realizada uma análise estatística descritiva, a partir de dados disponibilizados pelos relatórios da Pesquisa de Inovação (PINTEC/IBGE) para o período 2003/2011, e, também, pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior (SECEX/MDIC), para o período Além desta introdução, e esse trabalho conta com mais três seções: a primeira diz respeito à evolução de indicadores de inovação no Brasil, a segunda, com

5 uma breve análise da participação dos setores industriais por intensidade tecnológica no país, com um estudo mais detalhado para a indústria de alta tecnologia, e, por fim, as considerações finais. TAXA DE INOVAÇÃO, ESFORÇO INOVADOR E INTENSIDADE DA INOVAÇÃO NO BRASIL De acordo com o Manual de Oslo (2005), é essencial entender a razão da mudança tecnológica, ou seja, por que as empresas inovam. No caso de processo que eleve a produtividade, a empresa obtém uma vantagem de custo sobre seus concorrentes, vantagem esta que lhe permite obter uma maior margem aos preços vigentes de mercado ou, dependendo da elasticidade da demanda, usar uma combinação de preço mais baixo e margem mais elevada do que seus concorrentes para conquistar participação de mercado e obter ainda mais lucros. No caso de inovação de produto, a empresa obtém uma posição monopolista devido, ou a uma patente (monopólio legal), ou ao tempo que levam os concorrentes para imitá-la. Esta posição monopolista permite que a empresa estabeleça um preço mais elevado do que seria possível em um mercado competitivo, obtendo lucro, portanto. Podem ser diferenciados quatro tipos específicos de inovação: produto/serviço, processo, um método organizacional e marketing. Cada tipo pode ser melhor definido, conforme o Manual de Oslo (2005), da seguinte forma: a) Inovações de produto: mudanças significativas nas potencialidades e funcionalidades de produtos e serviços oferecidos pela empresa, incluindo-se aqui os bens e serviços totalmente novos e aperfeiçoamentos importantes para produtos já existentes no mercado; b) Inovações de processos: mudanças importantes nos métodos de produções e distribuições; c) Inovação organizacional: novos métodos organizacionais, novas práticas gerencias, tais como alterações em práticas de negócios, gestão de recursos humanos, na organização do trabalho, ou nas relações externas da empresa; e, d) Inovação em marketing: mudança no design do produto e da embalagem, na promoção do produto e sua colocação adequada no mercado. De forma a verificar o avanço das empresas brasileiras no referido assunto, foram observados os dois primeiros tipos de inovação (produto e processo), com os dados que se encontram disponíveis nos relatórios da Pesquisa de Inovação Tecnológica do IBGE. Por meio da Tabela 1, percebe-se que houve evolução positiva no número de empresas que implementaram inovação de produto e/ou processo no Brasil, entre os anos de 2001 e Observa-se que o número de empresas totais das indústrias extrativa e de transformação

6 aumentou em , no período, enquanto que aquelas que implementaram inovações aumentaram em , fazendo com que a participação destas no total tivesse um crescimento irrisório, entre o início e o final do período considerado. Destaca-se que o período foi o que apresentou o maior valor de Taxa de inovação (percentual de empresas que implementaram inovação do total de empresas que responderam à pesquisa), chegando a 38,11%. Tabela1 - Número de empresas* que implementaram inovação de produto e/ou processo e Taxa de inovação Brasil, 2001/2011 Empresas Que implementaram inovação Total de empresas Taxa de inovação 33,27 33,36 38,11 35,56 Fonte: Elaborada pela autora com base nos relatórios da PINTEC (2003 e 2005) *Indústrias extrativa e de transformação No que diz respeito às atividades empreendidas pelas empresas para inovar, de acordo com o relatório da Pesquisa de Inovação Tecnológica, do IBGE (2011, p.20), estas são classificadas em dois tipos: a) Pesquisa e Desenvolvimento - P&D (pesquisa básica, aplicada ou desenvolvimento experimental); e, b) Outras atividades não relacionadas com P&D, envolvendo a aquisição de bens, serviços e conhecimentos externos. Ainda de acordo com o relatório do IBGE (2011), a mensuração dos recursos destinados às atividades inovativas revela o esforço empreendido para a inovação de produto e processo e é um dos principais objetivos das pesquisas de inovação. A Tabela 2 mostra o volume de recursos alocados em atividades inovativas, bem como aqueles aplicados em atividades internas de P&D 2, além da receita líquida de vendas dessas empresas. Percebe-se que a receita líquida das empresas inovadoras tem sido maior a cada período, tendo aumentado 125,41% comparando-se o ano de 2011 ao de Já com relação aos gastos com atividades inovativas, o aumento para o mesmo período foi de, aproximadamente, 117,7%, e aqueles realizados em atividades de P&D apresentaram um crescimento de 197,2%. 2 Compreende o trabalho criativo, empreendido de forma sistemática, com o objetivo de aumentar o acervo de conhecimentos e o uso destes conhecimentos para desenvolver novas aplicações, tais como produtos ou processos novos ou substancialmente aprimorados. O desenho, a construção e o teste de protótipos e de instalações-piloto constituem, muitas vezes, a fase mais importante das atividades de P&D. Inclui também o desenvolvimento de software, desde que este envolva um avanço tecnológico ou científico (PINTEC, 2011, p.21).

7 Tabela 2 Receita Líquida e Dispêndios realizados pelas empresas inovadoras nas atividades inovativas Brasil, 2003/2011 em R$ Receita Líquida de vendas Dispêndio em atividades inovativas - Total Dispêndio em atividades internas de P&D Fonte: Elaborada pela autora com base nos dados da PINTEC (2003, 2005, 2008 e 2011) Apesar da variação positiva bastante expressiva, com relação aos dados apresentados na Tabela 2, os indicadores de inovação no Brasil apresentaram baixo desempenho, conforme mostra a Tabela 3. Com relação ao Esforço inovador, que diz respeito ao percentual de dispêndio em atividades inovativas do total da receita líquida de vendas, houve pequena variação no período, que passou de 2,46% em 2003 para 2,77 em No entanto, nos anos seguintes houve redução nesse indicador, passando a representar apenas 2,54% em 2008 e 2,37% em No que diz respeito à Intensidade da inovação percentual de dispêndio em atividades de P&D do total da receita líquida de vendas o resultado foi ainda pior, já que, em todo o período, não chegou a atingir nem 1% de participação. Destaca-se, porém, que houve uma melhora no valor do indicador, que passou de 0,53%, em 2003, para 0,71, em 2011, o que representou um aumento de quase 34%. Tabela 3 Indicadores de inovação Brasil, 2003/2011 (%) Esforço inovador 2,46 2,77 2,54 2,37 Intensidade da inovação 0,53 0,57 0,62 0,71 Fonte: Elaborada pela autora com base nos dados da PINTEC (2003, 2005, 2008 e 2011) De acordo com publicação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA (2010), os gastos com P&D das empresas brasileiras, como proporção do PIB, foram de 0,54% no ano de 2008, enquanto que, comparativamente, em países como Estados Unidos, Finlândia e países da OCDE, esse valor foi de 2%, 2,77% e 1,63%, respectivamente.

8 Outro reflexo importante do avanço de um país, em termos tecnológicos, é o aumento da competitividade externa, que, de acordo com Bello (2000), é traduzida muitas vezes, mas não somente, no comércio internacional de produtos com maior valor agregado e alta tecnologia. Os resultados das vendas industriais de alta tecnologia são apresentados na próxima seção. EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS POR INTENSIDADE TECNOLÓGICA: A INDÚSTRIA DE ALTA TECNOLOGIA De acordo com classificação utilizada pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério de Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior MDIC (2012), que é extraída da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a divisão da indústria por intensidade tecnológica consiste em: alta, média-alta, média-baixa e baixa tecnologia. Os setores que compõem a indústria de alta tecnologia, principal foco do presente estudo, são: Aeronáutica e Aeroespacial, Farmacêutica, Material de escritório e informática, Equipamentos de rádio, TV e comunicação e Instrumentos médicos de ótica e precisão. A indústria de média-alta tecnologia é composta por: Máquinas e equipamentos elétricos não especificados, Veículos automotores, reboques e semi-reboques, Produtos químicos, exclusive farmacêuticos, Equipamentos para ferrovia e material de transporte não especificados, e Máquinas e equipamentos mecânicos não especificados. Integram a indústria de média-baixa tecnologia os setores de: Construção e reparação naval, Borracha e produtos plásticos, Produtos de petróleo refinado e outros combustíveis, Outros produtos minerais nãometálicos, e Produtos metálicos. Por fim, a indústria de baixa tecnologia é composta por: Produtos manufaturados não especificados e bens reciclados, Madeira e seus produtos, papel e celulose, Alimentos, bebidas e tabaco, e, Têxteis, couro e calçados. A respeito das exportações de produtos industriais da economia brasileira, constatou-se, por meio dos dados da Tabela 4, que, apesar de ainda comporem mais da metade da pauta, os produtos industriais perderam participação no total das exportações nos últimos anos. Enquanto em 2007 participaram com, aproximadamente 76%, foram gradativamente reduzindo esse valor, chegando a 59,8% em 2011, apresentando breve recuperação nos dois últimos anos da série, terminando 2013 com participação de 62,4% do total exportado pelo país. De forma contrária, observa-se que os produtos não industriais ganharam participação. Na divisão por intensidade tecnológica, os dados mostraram que, no período , o setor mais representativo foi o de baixa tecnologia, com participação média de, aproximadamente, 26%, seguido dos setores de média alta tecnologia, que registrou um percentual de 18,4, média baixa tecnologia (17%) e alta tecnologia (5%). No comparativo do último com o primeiro ano da série, percebe-se que todos os setores apresentaram redução de participação nas exportações, e,

9 especificamente a indústria brasileira de alta tecnologia, principal objeto desse estudo, apresentou uma variação negativa de, aproximadamente, 4,1%, entre 2007 e Tabela 4 Participação percentual dos setores industriais nas exportações brasileiras por intensidade tecnológica Indústria Alta tecnologia (I) 6,37 5,81 5,91 4,61 3,79 4,19 4,06 Média-alta tecnologia (II) 22,73 20,27 17,78 17,98 16,64 16,71 16,46 Média-baixa tecnologia (III) 19,67 19,64 16,15 14,57 15,27 16,00 17,11 Baixa tecnologia (IV) 27,11 25,96 28,52 26,41 24,12 24,75 24,79 Produtos industriais 75,88 71,68 68,37 63,57 59,80 61,60 62,40 Produtos não industriais 24,12 28,32 31,63 36,43 40,18 38,36 37,58 Total 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 Fonte: Elaborada pela autora com base nos dados do MDIC (2014) Na análise dos setores da indústria de alta tecnologia, observa-se, por meio da Tabela 5, que aquele que se manteve com maior participação em todo o período foi o de Aeronáutica e Aeroespacial, com participação média de 2,6%. No entanto, este mesmo setor apresentou, também, redução de participação ao longo do período, tendo iniciado a sério com um percentual de 3,24, caindo para 1,82, em 2011, e fechando a série com uma participação de 2,31%. Os demais não chegaram a atingir 1% na média, e apresentaram redução de participação ao longo dos anos, com exceção do setor de Material de escritório e informática, que, do ano de 2007 para 2012, obteve um aumento de participação de, aproximadamente, 417,6%, passando de um percentual de 0,17 para 0,88. Tabela 5 Participação dos setores da indústria de alta tecnologia nas exportações brasileiras Setores Aeronáutica e Aeroespacial 3,24 3,06 2,96 2,32 1,82 2,32 2,31 Farmacêutica -46,4 0,71 0,75 1,01 0,91 0,60 0,45 0,38 Material de escritório e 0,17 0,12 0,13 0,10 0,86 0,88 0,82 informática Equipamentos de rádio, TV 1,78 1,45 1,34 0,87 0,39 0,40 0,39 e comunicação -78 Instrumentos médicos de 0,48 0,43 0,47 0,42 0,13 0,15 0,15 ótica e precisão-68,8 Fonte: Elaborada pela autora com base dos dados do MDIC (2014)

10 Com relação aos setores da indústria de alta tecnologia que mais perderam participação no total das exportações do país, destacam-se: Equipamentos de rádio, TV e comunicação, com variação negativa de 78%, comparando-se o último ao primeiro ano da série, e, Instrumentos médicos de ótica e precisão, que reduziram sua participação em, aproximadamente, 68,8%. CONSIDERAÇÕES FINAIS A situação tecnológica no Brasil, no que se refere a indicadores de inovação e competitividade externa, é de atraso quando comparada aos dados de outros países, como por exemplo aqueles pertencentes à OCDE, denotando que deve haver mais incentivos às empresas para gastos com P&D. Isso também pôde ser verificado pelos indicadores de esforço inovador e intensidade da inovação, que encontraram-se muito baixos, sendo que o primeiro registrou, em média, apenas 2,5 % da receita líquida de vendas dispendida com atividades inovativas. Porém, pôde-se verificar também que, apesar do percentual baixo, houve uma melhora crescente no valor da intensidade de inovação, que passou de 0,53% para 0,71%, no período considerado, o que pode ser considerado um avanço. Em relação aos dados de exportações brasileiras, verificou-se que os produtos industriais perderam participação ao longo dos anos considerados, e os não industriais ganharam participação. Na divisão da indústria por intensidade tecnológica, constatou-se que o setor de baixa tecnologia foi o mais representativo, contribuindo em média com 26% do total das exportações nacionais. Para a indústria de alta tecnologia, foi possível observar que esta representou os setores de menor participação na pauta de exportações, com um valor médio de 5% do total. Dentre estes setores, pôde-se destacar o de Aeronáutica e aeroespacial, e Material de escritório e informática. O primeiro, por ter a maior participação em todos os anos considerados, e o segundo, porque, apesar de baixa representatividade, apresentou crescimento considerável entre o primeiro e o último ano da série. Diante das políticas voltadas ao setor industrial, bem como das leis de incentivo à inovação, nos últimos anos, espera-se que estudos futuros possam mostrar uma melhora tanto da evolução dos indicadores de atividades inovativas das empresas, como também em relação ao ganho de competitividade das exportações brasileiras. REFERÊNCIAS ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras. Como Alavancar a inovação tecnológica nas empresas. São Paulo, BAHIA, Luiz Dias de; ARAÚJO, Rogério Dias de. Panorama da Indústria Brasileira. Brasília: Editora

11 BELLO, Teresinha. S. Competitividade externa: para quê? Indicadores Econômicos FEE, Porto Alegre, v. 27, n.3, p , CASTELLANO, Sebastian. Proposição de um Modelo para Planejamento e Desenvolvimento de Projetos em Empresas de Alta Tecnologia. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, DINIZ, Clélio Campolina. Globalização, escalas territoriais e política tecnológica regionalizada no Brasil. Texto para Discussão: p. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, FERRAZ, Max Benjoino. Retomando o debate: a nova política industrial do governo Lula. Revista planejamento e políticas públicas, n. 32, jan./jun GONÇALVES, Eduardo. Possibilidades e Limites para o Desenvolvimento da Indústria de Alta Tecnologia em Juiz de Fora. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais Cedelplar, IBGE. Pesquisa de Inovação tecnológica Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em: 21 out Pesquisa de Inovação tecnológica Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em: 21 out Pesquisa de Inovação tecnológica Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em: 11 jan Pesquisa de Inovação tecnológica Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em: 21 out LESSA, Carlos. Política Industrial e Industrialização. Jornal Valor Econômico, publicado no dia 04 de maio de MANUAL DE OSLO. Diretrizes para coleta e interpretação de dados de inovação. 3ª edição. OCDE/FINEP, MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Estatísticas de Comércio Exterior. Disponível em: < Acesso em: 11 jul Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Estatísticas de Comércio Exterior. Disponível em: < Acesso em: 15 maio PEREIRA, José Matias. Política Industrial e Tecnológica e Desenvolvimento. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

12 SANTOS, Airton Gustavo dos; PORTO, Cornélia Nogueira; COSTA, Patrícia Lino. Política Industrial no Brasil: O que é a nova política industrial. Nota Técnica nº. 11, SUZIGAN, Wilson. Indústria Brasileira: Origem e Desenvolvimento. Nova Edição. São Paulo: Hucitec, 2000.

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 Indicadores Setoriais de Inovação Indústria A Paep 2001 pesquisou um universo de 41

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers A economista Fernanda de Negri discute os méritos e deficiências das políticas de inovação brasileiras. Fernanda De Negri é diretora de Estudos

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 Introdução Objetivo Geral: Levantar informações que visam à construção de indicadores nacionais e regionais das atividades de inovação tecnológica nas empresas industrias,

Leia mais

Diferenciação de Valor

Diferenciação de Valor Diferenciação de Valor 1 Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias Sucesso para as empresas significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan

Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan Introdução Esta apresentação tem como objetivo sinalizar a importância de uma efetiva articulação entre a política de comércio exterior e a política tecnológica,

Leia mais

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

1 Introdução e formulação da situação-problema

1 Introdução e formulação da situação-problema 1 Introdução e formulação da situação-problema Na indústria farmacêutica, a inovação representa sua força motriz. Algumas inovações proporcionaram grande impacto nos tratamentos como a descoberta da penicilina,

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

Confiança no crescimento em baixa

Confiança no crescimento em baixa 10Minutos 19ª Pesquisa Global com CEOs Setor de Engenharia e Construção Confiança no crescimento em baixa Destaques Março 2016 Destaques Com 65% das indicações, suborno e corrupção são consideradas as

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

Desenvolvimento Econômico. Parte III. Inovação e Crescimento Econômico

Desenvolvimento Econômico. Parte III. Inovação e Crescimento Econômico Desenvolvimento Econômico Parte III Inovação e Crescimento Econômico Prof. Antonio Carlos Assumpção O Motor do Crescimento Econômico Nossa primeira resposta foi dada pelo modelo de Solow e algumas considerações

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de operações: Marco Antonio Reis Guarita SERVIÇO BRASILEIRO

Leia mais

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS Área: ECONOMIA BUENO, Elizabete Cristina PONTILI,RosangelaMaria Resumo: Desde a década de 1930

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ Estrutura da Indústria A indústria do Estado do Ceará é fortemente marcada pela presença de quatro divisões pertencentes à categoria de uso de bens de consumo não duráveis:

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO Orientador Empresarial Microempreendedor Individual-Formalização-Setor de Serviços-Crescimento SETOR DE SERVIÇOS É CAMPEÃO EM

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS ESTATÍSTICA ACIDENTÁRIA DADOS QUE COMPROVAM OUTRA REALIDADE Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 A UTILIZAÇÃO DA TAXA DE INCIDÊNCIA DE ACIDENTES DE TRABALHO Por que o correto é trabalhar com as taxas

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 A CONTRATAÇÃO DE EQUIPE DE VENDAS IN HOUSE Eco, MBA Real Estate, Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho No mercado

Leia mais

Palavras-chave: Loja virtual. Comércio eletrônico. Internet.

Palavras-chave: Loja virtual. Comércio eletrônico. Internet. Migração de Lojas Físicas para Virtuais: breve histórico e contextualização Gabriel Dallo gabriel_dalo@hotmail.com Lucas Gabriel Rodrigues Simões lucasgabriel_simoes@hotmail.com Pedro Gustavo Duarte pedro_g_duarte@hotmail.com

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Nº 82 dezembro 2014 A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Uma Análise Comparativa com o Brasil e os Estados Nordestinos 2002-2013 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / -

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / - IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO 0 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa são essenciais

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Turma Especial ESPM/ABF-Rio Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 15.698,00

Leia mais

Em sintonia com o movimento de incubadoras de empresas e parques tecnológicos ao redor do mundo, o Brasil também corre atrás de sua independência

Em sintonia com o movimento de incubadoras de empresas e parques tecnológicos ao redor do mundo, o Brasil também corre atrás de sua independência NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PUC SP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Prof. Dr. Antonio Vico Mañas e-mail: vicereitoria@pucsp.br tel.: 36708284 Equipe PUC INOVAÇÃO Vice Reitoria 1 Em sintonia

Leia mais

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão 5 Considerações Finais 5.1 Conclusão Nos dias atuais, nota-se que a marca exerce papel relevante para criar a diferenciação da empresa e de seus produtos tanto no mercado interno como nos mercados internacionais.

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº 11.196/2005 Julho 2014 Agenda Cenário de P&D no Brasil; Conceito de Inovação Tecnológica; Projeto identificação e descrição; Principais Incentivos Fiscais;

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental.

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Edna Veloso de Medeiros - prof_edna@yahoo.com.br Centro Estadual de

Leia mais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Missão Executa a sua missão através da cooperação próxima e articulada com outros organismos

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas e Indicadores

GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas e Indicadores GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas Cristiane Machado de Vargas 1. Introdução A velocidade do mercado na introdução das novas tecnologias nos últimos anos modificou

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Franciele Henrique, Aluna do Curso de Graduação em Economia da UNESPAR/Apucarana, franciele_henrique@hotmail.com

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 Marcelo Luis Montani marcelo.montani@hotmail.com Acadêmico do curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Mônica Antonowicz Muller monicamuller5@gmail.com Acadêmica

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR Contribuições da Arquitetura e da Engenharia de Projetos para os candidatos ao Governo Federal Agosto de 2010 O Brasil

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo - Pesquisa 1 Apresentação O CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço, no ano em que completa 10 anos de atividades, e a ABCEM Associação

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais