A educaäåo fçsica como meio facilitador do desenvolvimento psicomotor do indivçduo com autismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A educaäåo fçsica como meio facilitador do desenvolvimento psicomotor do indivçduo com autismo"

Transcrição

1 1 A educaäåo fçsica como meio facilitador do desenvolvimento psicomotor do indivçduo com autismo Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientadora: Daniela Dias ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura que tem por objetivo discutir como a EducaÇÅo FÉsica contribui para o desenvolvimento das potencialidades do indivéduo com Autismo. Sendo o autismo escolhido como tema por se tratar de uma deficiñncia ao mesmo tempo complexa e instigante, ao passo de tornar-se um desafio para os profissionais que buscam possibilidades de ensino aprendizagem em diversificados mötodos e teorias. Uma vez que o autista desenvolve um conjunto de comportamentos atépicos sendo impedido de desenvolver-se de uma forma geral e baseando nas informaçües coletadas propüe-se um estudo de caso atravös da pesquisa açåo para comprovar os benefécios da educaçåo fésica no desenvolvimento dos indivéduos com autismo. Indica-se a avaliaçåo atravös do Teste de CoordenaÇÅo Corporal para CrianÇas com DeficiÑncia Mental KTK, seguido de um peréodo de intervençåo buscando os objetivos que se encaixem no propásito da pesquisa Palavras chaves: Autismo, comportamentos atépicos, educaçåo fésica, KTK. 1 INTRODUÉÑO O autismo foi estudado pela primeira vez na döcada de 40, por Kanner (1943), que concluiu tratar-se de uma incapacidade que o indivéduo tem de lidar com outros objetos e pessoas e que atinge tamböm o desenvolvimento da linguagem. Outros autores que estudaram o Autismo chegaram a conclusües repetidas ou que completam a sua teoria. Segundo Asperger (1944), trata-se de um transtorno que, alöm de afetar a comunicaçåo e o convévio social, compromete tamböm todo desenvolvimento psiconeurolágico. NÅo Ö uma simples deficiñncia, Ö um conjunto de variaçües intitulado como Espectro do Autismo e a ele såo relacionadas diversas séndromes. Apesar de ter sido estudado pela primeira vez hä 68 anos, ainda nåo se podem dizer quais as causas especéficas. Quanto a isto existem apenas suposiçües. ã algo que nåo se consegue diagnosticar durante o peréodo de gestaçåo. 1 Discentes do Curso de EducaÇÅo FÉsica da Universidade Salgado de Oliveira. ** Docente do curso de EducaÇÅo FÉsica da Universidade Salgado de Oliveira.

2 2 Ele foi entåo definido como um conjunto de comportamentos desenvolvidos de forma atépica e que podem ser viséveis a cerca dos 18 meses de vida. Seu diagnástico deve ser realizado por um profissional especializado utilizando-se de anamnese, observaçåo clénica e comportamental do indivéduo, que poderä ter apenas o espectro do autismo ou este associado a outro tipo de séndrome e/ou distårbio. Nos dias atuais os nåmeros estatésticos mostram um aumento significativo nos casos de autismo e, tem-se tamböm a informaçåo de que a maioria ocorre em meninos (Center of Deseases Control and Prevention). Ele Ö caracterizado pela dificuldade na interaçåo social, comunicaçåo e linguagem e, por comportamentos repetitivos e de auto estimulaçåo. Dessa forma såo indivéduos que nåo se interagem socialmente e nåo se desenvolvem de uma forma geral. A queståo Ö que se baseando nessa desordem comportamental foram desenvolvidos diversos mötodos e töcnicas que, em sua maioria, focam na tentativa de eliminar esses comportamentos atépicos. No entanto, a EducaÇÅo FÉsica Ö possével e capaz de ajudar no desenvolvimento desses indivéduos focando a criança em sua totalidade, buscando suas potencialidades. O autismo foi escolhido como tema deste trabalho por se tratar de uma deficiñncia ao mesmo tempo complexa e instigante, ao passo de tornar-se um desafio para os profissionais que buscam possibilidades de ensino aprendizagem em diversificados mötodos e teorias. AtravÖs deste estudo serä possével mostrar como a EducaÇÅo FÉsica Ö essencial para o desenvolvimento das potencialidades dos indivéduos com autismo e assim contribuir com novas ideias de intervençåo. 2 METODOLOGIA Este artigo se baseou numa revisåo de literatura, sendo caracterizado, como teárico-conceitual. Foram analisados alguns livros e artigos cientéficos que falam sobre a educaçåo fésica e o autismo. Baseando nas informaçües coletadas propüe-se um estudo de caso atravös da pesquisa açåo para comprovar os benefécios da educaçåo fésica no desenvolvimento dos indivéduos com autismo.

3 3 3 REFERENCIAL TEÖRICO HistÜria do Autismo A primeira descriçåo do autismo foi apresentada por Kanner, em 1943, que se baseou em onze casos de crianças que ele acompanhava e que tinham algumas caracterésticas em comum como a incapacidade de se relacionar com outras pessoas, os distårbios de linguagem (quase nåo havendo comunicaçåo) e certa preocupaçåo obsessiva com comportamentos repetitivos e auto estimulaçåo (TOMã, 2007) Esse conjunto de caracterésticas foi denominado por ele de autismo infantil precoce (Kanner, 1943, apud TOMã, 2007). Em 1944, Asperger escreveu sobre crianças, exclusivamente do sexo masculino, que apresentavam basicamente as mesmas caracterésticas, diferenciando pelo fato de que eles nåo possuéam nenhum atraso ou retardo global no desenvolvimento cognitivo ou de linguagem. Trata-se de crianças desajeitadas socialmente e que tem interesses muito peculiares e raros para as pessoas da sua idade como particularidades da histária, astrologia, parte biolágica de alguns animais ou plantas, etc. Sendo entåo indivéduos verbais e mais inteligentes. Ambos os estudos tiveram impacto na literatura mundial. No entanto, em momentos e lugares distintos, em que um nåo sabia do estudo do outro (TAMANAHA, PERISSINOTO e CHIARI, 2008). Estas duas condiçües juntamente com o transtorno global do desenvolvimento sem outras especificaçües (TGSOE) formam o conjunto denominado Transtornos ou distårbios do Espectro do Autismo (WILLIAMS e WRIGHT, 2008). O TGSOE Ö um diagnástico dado çs pessoas que se encaixam no quadro de transtorno global do desenvolvimento e que nåo podem ser categorizadas por nenhuma outra desordem, sendo mais brando que o autismo e possui sintomas parecidos com os do autismo, estando alguns presentes e outros ausentes (D ANTINO, 2008). Transtornos ou distårbios do Espectro do Autismo (ASD) Ö entåo, um distårbio do desenvolvimento que normalmente surge nos primeiros trñs anos de vida do indivéduo, sendo cerca de trñs a quatro vezes mais comuns em meninos do que em meninas. O ASD atinge a comunicaçåo, a interaçåo social, a imaginaçåo e o comportamento. NÅo Ö contraédo e tamböm nåo Ö causado pelos pais, possui mais de posséveis causas genöticas. (WILLIAMS e WRIGHT, 2008).

4 4 CaracterÇsticas e Sintomas Segundo Williams e Wright (2008), nåo existe possibilidade de detectar o ASD durante a gravidez ou no nascimento, pois nåo existem caracterésticas visuais, como na SÉndrome de Down, por exemplo, e nåo hä possibilidade de diagnosticar atravös de exames laboratoriais. Do nascimento ao 12è mñs de vida o bebñ possui um desenvolvimento visivelmente normal. A partir daé pode-se começar a observar alguns leves atrasos de desenvolvimento como o fato de engatinhar ou deslocar-se, dizer pequenas palavras e executar simples gestos. Segundo Williams e Wright (2008), hä algumas caracterésticas que podem ser observadas. Elas seråo descritas a seguir. Aos 18 meses observa-se o fato das crianças nåo efetuarem bom contato visual com os pais; nåo responder de imediato ou simplesmente nåo responder quando Ö chamado pelo nome; demonstrar pouco interesse em outras pessoas; parecer que vive em outro mundo ; possui atraso de linguagem ou estä tendo retrocesso neste desenvolvimento; nåo usa gestos utilizando geralmente a måo dos pais para mostrar o que deseja; parece nåo entender os gestos dos pais; nåo brinca com nada que esteja relacionado ç imaginaçåo como o faz de conta ; fascina-se por partes dos brinquedos nåo os usando em suas funcionalidades como, por exemplo, um carrinho, no lugar de colocä-lo para andar brinca com suas rodinhas em movimentos repetitivos; brinca enfileirando objetos e demonstra perturbaçåo caso alguöm mude a disposiçåo dos mesmos; movimenta-se de forma incomum, como andar na ponta dos pös, nåo toca as linhas da cerêmica, etc. Nas crianças de 3 a 5 anos observa-se o mesmo comportamento, acrescentando o fato de que brincam sozinhos; mostrando reaçåo incomum com relaçåo a outras pessoas como ignorar ou dar gargalhadas; possui comportamento diferenciado das outras crianças na hora das brincadeiras como sair andando no momento de ouvir histárias; sua linguagem Ö diferenciada como falar pouco e/ou repetir frases tardias ou que acabou de ouvir(ecolalia); possui dificuldade de compreensåo; interessa-se por objetos incomuns como postes, liquidificador, mapas, etc.; possui sensibilidade ao barulho; Ö sensével aos aromas chegando a cheirar os alimentos antes de comñ-los ou as roupas das pessoas; Ö sensével ao toque se interessando pelas texturas variadas.

5 5 A partir dos 6 anos acrescenta-se o fato de que nåo fazem amigos da mesma idade; nåo mostra aos professores suas tarefas; possui a dificuldade de compartilhar; nåo gosta de revezamentos querendo sempre ser o primeiro; nåo se preocupa com o sentimento das outras pessoas; nåo facilita o diälogo sobre assuntos que nåo såo do seu interesse, falando sobre os assuntos que o interessam sem se preocupar se vocñ estä interessando no mesmo; passa a maior parte do seu tempo buscando informaçües sobre assuntos incomuns que lhe chamam a atençåo; fala de forma diferenciada, com tom muito alto e sem expressåo ou com sotaque distinto. Nas crianças de 12 anos adiante se acrescenta a dificuldade de fazer e conservar amigos; dificuldade em adivinhar o que os outros pensam ou sentem nåo tendo noçåo do que fazer ou dizer em certas situaçües sociais; possui comportamento socialmente inadequado; tem uma obsessåo por manter rotina e apresenta comportamentos compulsivos. O fato de a criança possuir um ou outro comportamento acima relacionado nåo significa que esteja dentro do ASD, todos os sinais notados devem ser discutidos com um mödico, que utilizarä avaliaçåo, entrevista, observaçåo e a aplicaçåo de alguns testes para efetuar o diagnástico (WILLIAMS e WRIGHT, 2008). Medidas de intervenäåo Leva-se em consideraçåo o fato de que nenhum autista Ö diagnosticado por apenas um profissional, havendo a necessidade de uma equipe multidisciplinar (SANTOS e SOUSA, 2005). Assim como no diagnástico, a intervençåo deve ser efetuada por uma equipe multidisciplinar. Sabe-se que nåo existe a cura para o ASD, mas que Ö possével a reduçåo de alguns sintomas. Para FalcÅo (1999), apud Santos e Souza (2005), a intervençåo terapñutica pode ajudar a diminuir os comportamentos indesejados e a educaçåo deve ensinar atividades que promovam maior independñncia da pessoa com autismo. Como o ASD nåo se resume apenas a um sintoma ou comportamento inadequado, nåo existe profissional que consiga intervir sozinho, obtendo resultado significativo. Vem daé a necessidade de uma equipe multidisciplinar, o indivéduo com autismo precisa obrigatoriamente do acompanhamento dos seguintes profissionais: fonoaudiálogo, psicálogo, terapeuta ocupacional e nutricionista. NÅo se esquecendo da

6 6 imprescindével intervençåo familiar. Existem tamböm as possibilidades de intervençües alternativas com outros profissionais como o profissional de EducaÇÅo FÉsica e o musicoterapeuta. Todos estes profissionais utilizam-se de alguns mötodos desenvolvidos especificamente em sua determinada ärea e podem em alguns casos utilizarem os diversos programas, mötodos e töcnicas que foram desenvolvidos ao longo dos anos, como o sistema PECS, a intervençåo terapñutica e familiar, anälise comportamental aplicada, treinamento de integraçåo auditiva, dietas, golfinhos, EarlyBird, Higashy, Lovaas, Mifne, treinamento de integraçåo sensorial, SPEEL, e programas como o TEACCH, Son Rise, ABA, Hanen Adaptado. Em maioria estes mötodos såo os mais conhecidos e de origem estrangeira, jä såo aplicados no Brasil (WILLIAMS e WRIGHT, 2008). Segundo TomÖ (2007), o uso da EducaÇÅo FÉsica como meio de ensino para a criança com autismo ajuda no desenvolvimento de suas habilidades sociais e melhoria da qualidade de vida. A EducaÇÅo FÉsica por si sá, assim como qualquer outro profissional, nåo conseguirä suprir todas as necessidades do autista, uma vez que Ö necessäria a atuaçåo de uma equipe multidisciplinar. O profissional de EducaÇÅo FÉsica deve utilizar atividades baseando-se no que a criança gosta, nåo impondo algo que ele nunca teve contato ou nåo gosta, acrescentando-as gradativamente conforme a criança for se adaptando (MAROCCO e REZER, 2010). Para TomÖ (2007), o profissional deve utilizar atividades coerentes com a realidade da criança em funçåo da tréade autéstica, caso conträrio pode dificultar a aprendizagem e atö mesmo causar frustraçåo. ã necessärio usar um local que nåo tenha muito estémulo visual e auditivo, pois o aluno pode se distrair e perder o interesse na atividade. As atividades devem ser selecionadas conforme a idade cronolágica, atividades com começo, meio e fim, tais como circuito com obstäculos, transposiçåo de objetos, mudanças de direçåo, equilébrio dinêmico e estätico, saltos, lançamentos e jogos de bola ajudam na aquisiçåo de habilidades motoras (LABANCA, 2000 apud TOMã, 2007). O profissional de EducaÇÅo FÉsica nåo pode dar Ñnfase ao aprendizado dos movimentos e sim na sua utilizaçåo como meio para alcançar os objetivos propostos e,

7 7 lembrar que para uma intervençåo de qualidade Ö necessärio uma avaliaçåo motora contando com triagem, diagnástico e prescriçåo (TOMã, 2007, GORLA, J. I. et al, 2009). EducaÄÅo FÇsica e Autismo Para Gorla (2001), a fim de que as crianças com autismo nåo permaneçam com dificuldades cognitivas, afetivas, psicomotoras e de interaçåo Ö necessäria uma intervençåo o mais cedo possével. Sendo a EducaÇÅo FÉsica capaz de colaborar com a melhoria de suas habilidades motoras e suas habilidades da vida diäria (HENDERSON, 1992 apud GORLA, 2001). ã importante saber que ferramentas pedagágicas podem ser usadas para colaborar com o avanço da criança autista, o brincar Ö uma possibilidade pedagágica encontrada dentro da diversificaçåo de conteådos da EducaÇÅo FÉsica. Dessa forma, a EducaÇÅo FÉsica colabora diretamente com o desenvolvimento das crianças com autismo (FALKENBACH, et al, 2010). Segundo Falkenbach et al (2010); vale lembrar que nåo Ö somente planejar as aulas com os materiais necessärios e local adequado, o profissional deve ter boa desenvoltura de estratögias para que possa intervir levando em consideraçåo posséveis e necessärias adaptaçües durante um projeto e/ou uma aula previamente planejada. Sendo alöm de profissional, um companheiro apto a ajudar a criança a superar suas dificuldades. Para Lima e DelalÉbera (2007), a EducaÇÅo FÉsica tamböm Ö capaz de potencializar a socializaçåo e interaçåo das crianças autistas, fazendo com que desenvolvam sua consciñncia corporal atravös do práximo. Araåjo (1999) apud Lima e DelalÉbera (2007), enfatiza o direito que as pessoas com deficiñncia possuem de praticar a EducaÇÅo FÉsica, crendo em seus benefécios gerados çs crianças com autismo em busca de seu desenvolvimento global. Utilizando-se desses e outros recursos, o profissional de EducaÇÅo FÉsica Ö um ponto chave no desenvolvimento dessas crianças. Levem-se em consideraçåo todas as caracterésticas jä citadas, o profissional deve ter paciñncia, persistñncia, jogo de cintura, a rotina Ö imprescindével, sendo um profissional que nåo se atrase e nåo falte, såo necessärias diversas limitaçües.

8 8 4 CONSIDERAÉáES FINAIS Pensando na contribuiçåo que a EducaÇÅo FÉsica pode trazer para o desenvolvimento das potencialidades do indivéduo com Autismo e observando todos os tápicos abordados acima, a teoria de Gorla (2001), que afirma a necessidade de uma intervençåo o mais cedo possével, nos inspira na criaçåo de um projeto para estudo dessa prätica. Onde se devem identificar problemas motores, apresentar e definir princépios e consideraçües präticas relacionadas ao desenvolvimento psicomotor, implantar a EducaÇÅo FÉsica e definir programas de exercécios fésicos para indivéduos com Autismo, promover a melhoria na qualidade de vida do indivéduo com Autismo, auxiliar no desenvolvimento cognitivo, afetivo e social e possibilitar um melhor desenvolvimento da coordenaçåo motora. Dessa forma, propüe-se um estudo de caso (pesquisa açåo) em que haja a comparaçåo do sujeito antes e apás um peréodo de pesquisa para acompanhar seu grau de desenvolvimento e comprovar a eficäcia da EducaÇÅo FÉsica dentro de um mötodo selecionado. Indica-se a avaliaçåo atravös do Teste de CoordenaÇÅo Corporal para CrianÇas com DeficiÑncia Mental KTK (Gorla, 2001), trata-se de testes motores a fim de que possa ser efetuado o planejamento das atividades conforme as necessidades do indivéduo. ComeÇa-se a intervençåo com um peréodo para a avaliaçåo motora com o teste acima citado, no qual a criança serä examinada a fim de determinar em qual classificaçåo de coordenaçåo motora ela se encaixa para que seja criada uma base de referñncia. AtravÖs das informaçües coletadas cria-se entåo o curréculo social da criança, podendo utilizar töcnicas e atividades encontradas nos livros estudados para este trabalho: Convivendo com Autismo e SÉndrome de Asperger e Brincar para Crescer, com devidas adaptaçües ç realidade da criança e da EducaÇÅo FÉsica. Assim como se podem buscar outras atividades que se encaixem nos propásitos da pesquisa.

9 9 ã importante sempre preencher fichas de observaçües com anotaçües dos avanços e dificuldades encontrados no peréodo de intervençåo, assim como a aplicaçåo do teste novamente ao final do programa para que seja verificado o avanço final. REFERàNCIAS BERMAN, T. F., RAPPAPORT, A. e HOGAN, B. Brincar para crescer: 201 atividades projetadas para ajudar sua crianäa especial a desenvolver habilidades sociais fundamentais. TraduÇÅo: INCHAUSTI, A. EdiÇÅo. Inspirados pelo Autismo Ltda, p. BOSA, C. e CALLIAS, M. Autismo: breve revisåo de diferentes abordagens. Psicologia: ReflexÅo e CrÇtica, Porto Alegre-RS, v. 13, n. 1, p , jan/jul D ANTINO, M. E. F. Interdisciplinaridade e transtornos globais do desenvolvimento: Uma perspectiva de anélise. Caderno de Pás-GraduaÇÅo de Distårbios do Desenvolvimento. SÅo Paulo, v.8, FALKENBACH, A. P., DIESEL, D. e OLIVEIRA, L. C. O jogo da criança autista nas sessües de psicomotricidade relacional. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas-SP, v. 31, n. 2, p , janeiro GORLA, J. I., ARAëJO, P. F., CAMPANA, M. B. e CALEGARI, D. R. Fundamentos da avaliaçåo motora em EducaÇÅo FÉsica Adaptada. Revista Digital. Buenos Aires, ano 13, n. 128, GORLA, J. I. CoordenaÄÅo Motora de Portadores de DeficiÑncia Mental: AvaliaÄÅo e IntervenÄÅo p. DissertaÇÅo (Mestrado em EducaÇÅo FÉsica). Universidade Estadual de Campinas, SÅo Paulo. LIMA, E. M e DELALíBERA, E. S. R. A contribuiçåo da EducaÇÅo FÉsica na socializaçåo da criança autista. In: Encontro Internacional de ProduÇÅo CientÉfica Cesumar, 5, 2007, Maringä. V EPCC Encontro Internacional de ProduÄÅo CientÇfica

10 10 Cesumar. DisponÉvel em: df. Acesso em: 04/05/11. MAROCCO, V. e REZER, C. R. EducaÇÅo FÉsica e Autismo: relaçües de conhecimento. In: Congresso Sulbrasileiro de CiÑncias do Esporte, 5, 2010, Santa Catarina. Anais do V Congresso Sulbrasileiro de CiÑncias do Esporte. DisponÉvel em: 1967/1056. Acesso em: 04/05/11. SANTOS I. M., SOUSA M. P. L., Como intervir na perturbaçåo autista, DisponÉvel em: Acesso em: 04/05/11. SIMìO, M., BARCELOS, R., FARIA, M. F., OLIVEIRA, R. M. M. M. Manual para elaboraäåo de trabalhos acadñmicos/ Universidade Salgado de Oliveira, Prá-Reitoria de Pás-graduaÇÅo e Pesquisa. Niterái, TAMANAHA, A. C., PERISSINOTO, J. e CHIARI, B. M. Uma breve revisåo histárica sobre a construçåo dos conceitos do Autismo Infantil e da séndrome de Asperger. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol., 2008; v. 13, n. 3, p THIOLLENT, M. EstratÖgia de conhecimento: definiäües e objetivos. Metodologia da pesquisa aäåo. 14 ed. SÅo Paulo: Cortez, cap. 1, p TOMã, M. C. EducaÇÅo FÉsica como Auxiliar no Desenvolvimento Cognitivo e Corporal de Autistas. Movimento & PercepÄÅo, EspÉrito Santo do Pinhal, SP, v. 8, n. 11, p , jul/dez WILLIAMS, C. e WRIGHT, B. Convivendo com Autismo e SÇndrome de Asperger: EstratÖgias préticas para pais e profissionais. SÅo Paulo: M.Books, p.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Introdução A maioria das crianças, desde os primeiros tempos de vida, é sociável e procura ativamente

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia

Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia INTRODUÇÃO A psicomotricidade está

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Löhr, Thaise ROGERS, S. J.; DAWSON, G. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 UTILIZAÇÃO DO LÚDICO NO TRATAMENTO DA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL REALIZADO POR UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR. Patrícia Cristina Nóbrega Contarini Fabiana da Silva Zuttin Lígia Maria Presumido Braccialli

Leia mais

INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES

INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES Priscila Benitez Isis de Albuquerque Ricardo M. Bondioli Nathalia Vasconcelos Manoni Alice Resende Bianca Melger Universidade

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EDUCATIVO DO PROFESSOR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO E MEMÓRIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS COM O TRANSTORNO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS COM O TRANSTORNO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS COM O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Michele Morgane de Melo Mattos Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Fabiana Ferreira do Nascimento Instituto Fernando

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008)

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Atendimento Educacional Especializado AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Conceito O Atendimento Educacional Especializado - AEE É um serviço

Leia mais

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado Paula Rebouças Estudo Exploratório I. Introdução A Dislexia é uma síndrome caracterizada por problemas na leitura: ao ler a pessoa

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Autismo: a luta contra discriminação 1

Autismo: a luta contra discriminação 1 XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação 1 Autismo: a luta contra discriminação 1 Marcela MORAES2 Iara de Nazaré Santos RODRIGUES³ Jonária FRANÇA4 Faculdade Boas Novas

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA Tatiana de Lourdes Venceslau (UFF) tativenceslau@hotmail.com Vanessa de Mello Coutinho 1 (UFF) nessapeduff@yahoo.com.br Nosso trabalho está integrado ao projeto de ensina, pesquisa

Leia mais

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) :

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : Transtorno de Déficit de Atenção chama a atenção pela sigla TDAH sendo um distúrbio que ocorre em pessoas desde os primeiros

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) Sylmara Karina Silva Sousa Railda da Silva Santos Amélia Maria Araújo Mesquita Universidade Federal do Pará Eixo Temático: Práticas

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN Leonardo Triaca 1 ; Elizabeth Emma Soares de Nunez 2 ; Adriana Zilly 3 RESUMO: Com a política de inclusão

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

Inclusão escolar: o trabalho de comunicação alternativa com alunos que apresentam comprometimento motor e de fala na Rede Municipal de Ribeirão Preto

Inclusão escolar: o trabalho de comunicação alternativa com alunos que apresentam comprometimento motor e de fala na Rede Municipal de Ribeirão Preto Inclusão escolar: o trabalho de comunicação alternativa com alunos que apresentam comprometimento motor e de fala na Rede Municipal de Ribeirão Preto Denise Cristina Amoroso de Lima Carpintieri - Professora

Leia mais

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette TEA Módulo 4 Aula 5 Tics e Síndrome de Tourette Os tics são um distúrbio de movimento que ocorrem no início da infância e no período escolar. É definido pela presença crônica de múltiplos tics motores,

Leia mais

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Olívia Silva e Silva Fonoaudióloga Dayanne Rezende Heitor de Queiroz Terapeuta Ocupacional Resumo O presente artigo

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

A escola para todos: uma reflexão necessária

A escola para todos: uma reflexão necessária A escola para todos: uma reflexão necessária Área: Inclusão Selecionador: Maria da Paz de Castro Nunes Pereira Categoria: Professor A escola para todos: uma reflexão necessária A escola é, por excelência,

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE GERMANO¹, Cristina de Fátima Martins; LEMOS², Moema Teixeira Maia; LIMA 3, Vânia Cristina Lucena;

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 03: Avaliação e Desenvolvimento Infantil Jussara Hoffmann

Leia mais

O TRABALHO COM BEBÊS

O TRABALHO COM BEBÊS O TRABALHO COM BEBÊS FREITAS, Clariane do Nascimento de UFSM, Projeto Uma interlocução entre pesquisadores, acadêmicos e o processo educacional vivido no Núcleo de Educação Infantil Ipê Amarelo clarianefreitas@bol.com.br

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH)

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Por Ana Luiza Borba Psicóloga e Especialista em Psicopedagogia O aluno com distúrbio de aprendizagem (DA), possui, no plano educacional, um

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Introdução à Terapia ABA. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

Introdução à Terapia ABA. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva Introdução à Terapia ABA Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva ABA Análise do Comportamento Aplicada O objetivo principal da Terapia ABA para as crianças diagnosticadas

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA

BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA Elvis Alves de Oliveira 1 Maria José Mourato 1 Ana Patrícia Santos da Silva 1 Lisângela Costa dos Santos 2 1-Bolsistas PIBID Ciências-CAV 2- Supervisora

Leia mais

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência.

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência. FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO COM ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS Gislaine Coimbra Budel PUC PR Elaine Cristina Nascimento PUC PR Agência Financiadora: CAPES Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

CRIANÇA CEGA: LIMITES E POSSIBILIDADES - DA ESTIMULAÇÃO PRECOCE A ALFABEITZAÇÃO EM BRAILLE

CRIANÇA CEGA: LIMITES E POSSIBILIDADES - DA ESTIMULAÇÃO PRECOCE A ALFABEITZAÇÃO EM BRAILLE CRIANÇA CEGA: LIMITES E POSSIBILIDADES - DA ESTIMULAÇÃO PRECOCE A ALFABEITZAÇÃO EM BRAILLE Leilane de Nazaré Fagundes Pessoa Instituto de Ciências da Educação / Universidade Federal do Pará Aguinaldo da

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS

PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS Tirza Sodré Almeida (graduanda em Licenciatura em Música) Universidade Federal do Maranhão - UFMA Resumo: O presente trabalho visa

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7 GRUPO 5.4 MÓDULO 7 Índice 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4 2.1. Estratégias de Leitura... 4 2 1. TIPOS DE ATIVIDADES Atividades de sondagem: estão relacionadas às atividades de

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE TÍTULO: UM ESTUDO DA INCLUSÃO DE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE VOLTA REDONDA MEDIANTE A UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR.

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. Pamella Evangelista Santana 1 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul-UFMS Eixo Temático: 9- Infância e Alfabetização

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar Versão 2.0 Fevereiro 2010 Índice 2 Índice... 2 Nota Introdutória... 6 I. PROMOVER AS COMPETÊNCIAS COMUNICATIVAS E A LEITURA EM IDADE PRECOCE... 7 1.1 Introdução... 7 1.2. Actividades importantes na promoção

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno com deficiência múltipla da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN Thais Regina Santana da Silva ¹; Carla Salatti Almeida

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

MODA INFANTIL ATUANDO NO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS AUTISTAS. Fashion child acting in the development of autistic children

MODA INFANTIL ATUANDO NO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS AUTISTAS. Fashion child acting in the development of autistic children MODA INFANTIL ATUANDO NO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS AUTISTAS Fashion child acting in the development of autistic children Teixeira, Elisangela UTFPR elisangela.o.teixeira@gmail.com Otake, Yuri Evelin

Leia mais

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES OBJETIVOS DA UFCD Reconhecer a importância dos vários fatores que condicionam o desenvolvimento da criança; Identificar teorias do desenvolvimento infantil

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Juliana Castilho Tavares; Marisa Marques Ferreira... 2. Lívia Aparecida Xavier; Luisa Cristiane de Andrade...

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Juliana Castilho Tavares; Marisa Marques Ferreira... 2. Lívia Aparecida Xavier; Luisa Cristiane de Andrade... Câmpus Alfenas 10 de junho de 2013 SUMÁRIO Juliana Castilho Tavares; Marisa Marques Ferreira... 2 Lívia Aparecida Xavier; Luisa Cristiane de Andrade... 3 Lilian Swerts; Pâmela Lara Pinto... 4 Alessandra

Leia mais

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo.

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. 1. O Professor Christopher Gillberg é médico, PhD, Professor

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO: ADAPTAÇÃO DE UM TRICICLO E SUA POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO: ADAPTAÇÃO DE UM TRICICLO E SUA POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO: ADAPTAÇÃO DE UM TRICICLO E SUA POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA Lígia Maria Presumido Braccialli (bracci@marilia.unesp.br). Aila Narene Dahwache

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO José Jailson Lima Bezerra (1); Joseclécio Dutra Dantas (2) (1) Discente. Licenciatura em Ciências

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Adelany Brena Cardoso de Oliveira (Universidade

Leia mais