O PORTO DE SANTOS: MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PORTO DE SANTOS: MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO."

Transcrição

1 O PORTO DE SANTOS: MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO. Jamir Mendes Monteiro, FatecRL, Área Temática: transporte e movimentação de cargas Resumo O início da utilização das áreas portuárias como meio de entrada e saída de mercadorias de um país data do final do século XV, com o desbravamento dos mares pela civilização ibérica, muito embora povos mais antigos, como os Vikings, já houvessem se aventurado pelos mares afora, sem, contudo, darem a essas incursões caráter comercial. O enfrentamento do desconhecido, em função do parco conhecimento científico da época, deu aos homens dos mares a conotação de valentes e destemidos, reputação que facilmente foi transferida para os trabalhadores portuários a partir do século XVI. O trabalhador portuário, pelas suas próprias características históricas, se diferencia das demais categorias por apresentar um perfil profissional mais independente e dissociado da rigidez de uma estrutura hierárquica dominadora. Esta pesquisa, de caráter exploratório, utiliza preferencialmente métodos qualitativos, procurando identificar a evolução da organização do trabalho portuário avulso, a partir de 25/02/1993, data da introdução da Lei 8.630, cuja essência trata da reorganização de toda a estrutura de trabalho e da gestão portuária, regulamentando a primeira e introduzindo a influência do capital privado na segunda. As avaliações dos dados demonstraram a ocorrência de transformações dos métodos de trabalho de movimentação de cargas no porto e potencial impacto na produtividade. A análise dos questionários, respondidos pelos trabalhadores portuários avulsos, indica que a organização do trabalho está levemente acima do ponto médio entre a organização funcional, positivista, e hierarquicamente estruturada, e a organização orientada para os processos de negócios, mais horizontalizada, enxuta, multifuncional e próxima dos princípios de autogestão. Palavras-chave: Portos Santos, Gestão Portuária, Lei 8.630/93 de Modernização dos Portos. Abstract The beginning of large scale utilization of sea docks as a way of importing/exporting goods dates from the end of the 15 th century, when Iberic kingdoms promoted the discovery of alternative ways to reach Asia, although older civilizations, such as the Vikings, had also endeavored in long-range naval explorations in the past, but not in a way that resulted in establishing regular commercial activity. The adventurous character from challenging the oceans and facing the unknown, given the scanty pertinent scientific knowledge available at the time, gave the seamen an intrepid and independent reputation, which was easily transferred to dock workers, from the 16 th century onwards. Dock workers, due to their peculiar historical tradition, present a behavior that sets them apart from other types of workers, assuming a more independent attitude, strongly dissociated from strict formal hierarchical work structures. The present qualitative exploratory study aims to identify the evolution of the freelance dock work organization from 02/25/1993 on (the beginning of the application of the Dock Modernization Law number 8,630), whose essence promotes the full 1

2 reorganization of the labor structure and dock management, regulating the former and introducing the influence of private-initiative capital in the latter. An analysis of the data collected herein shows that the procedures for moving and handling cargo at the docks have undergone a marked change, with potential impact on the productivity. Furthermore, results from a survey conducted among freelance dock workers showed that the current work structure is just somewhat beyond the frontier between hierarchically structured positivist functional organization and business-process oriented one, which is more horizontal, leaner, more multifunctional and closer to the tenets of self-management. Keywords: Docks Santos, Dock Management, Dock Modernization Law. Introdução e Objetivo Estudar a evolução dos processos operacionais no Porto de Santos implica pesquisar registros históricos que remontam ao final do século XIX, com a construção do porto e recolher relatos e publicações esparsas ao longo do século XX, quando a administração do porto, em grande parte sob a gestão da Cia. Docas de Santos (CDS), pertencente às famílias Gaffrée e Guinle, sofreu interrupções administrativas, com as intervenções militares de 1930 (ditadura Vargas), 1932 (revolução constitucionalista) e do movimento de 1964 (tomada do Governo Brasileiro pelos militares). Esse processo, estudado através do filtro da história, pode ser desmembrado em quatro fases, detalhadas a seguir. De 3 de novembro de 1892 até 1930: compreendendo o período que vai da organização da Cia. Docas de Santos (CDS), em 3 de novembro de 1892 até 1930, quando a CDS perdeu para o Sindicato dos Estivadores de Santos (SES) o mercado de trabalho avulso e as operações de estivagem e desestivagem das cargas no porão e no convés dos navios, passando a administrar basicamente as operações realizadas em terra (SILVA, 1995, p. 3). A partir de 1930 até os anos 1960: quando o trabalho avulso se consolidou em torno dos sindicatos, preponderando, nesse período, os conflitos de gestão entre os sindicatos e a CDS. O período pós-1964 até 7 de novembro de 1980: quando foi assinado o Termo de entrega de bens móveis e imóveis do patrimônio do porto de Santos, transferindo ao poder público todo o acervo, instalações e pessoal da Companhia Docas de Santos, pondo fim à concessão de 90 anos. E o período contemporâneo: a partir do fim da concessão, quando a estrutura e a organização do trabalho avulso foram, pouco a pouco, sendo reavaliadas e alteradas, culminando com a promulgação da Lei 8.630, de Modernização dos Portos, em 1993, que deu à administração do trabalho portuário as feições atuais. Modernizar portos envolve não só atualizar a base tecnológica estrutural, composta por guindastes com controles numéricos, esteiras rolantes e sugadores a vácuo para movimentação de graneis sólidos, instalações refrigeradas e movimentadoras de granéis líquidos, mas, também, requalificar a mão de obra de apoio e de gestão, devidamente apoiadas por modernos sistemas de informação e controle. O horizonte de demanda de atendimento também se constitui em fator crítico. Desenvolver programas de qualificação com base nas demandas atuais ou de curto prazo pode levar rapidamente ao obsoletismo, face à rapidez das transformações das trocas internacionais por via marítima. Tão importante quanto a radiografia do que pensa o 2

3 trabalhador portuário hoje, do que ele demanda, do que ele crê ser necessário, é a elaboração de cenários dessas variáveis para horizontes de 2, 5, 10, 15 ou mais anos. (BUSSINGER, 2003). Este trabalho de pesquisa envolve o desenvolvimento do tema, utilizando dois instrumentais de pesquisa qualitativa: entrevistas abertas com os dirigentes dos principais atores no processo portuário em Santos, aqui tratadas pelo ferramental intitulado Discurso do Sujeito Coletivo, bastante utilizado quando se trata da construção de um discurso coletivo a partir de entrevistas individuais; e um questionário de avaliação, constituído de cinco características que definem um processo de trabalho, com cinco alternativas de respostas, onde a primeira alternativa aponta para o processo de trabalho tradicional, engessado, extremamente especializado, e a quinta, para a gestão por processos de negócios, onde o trabalho flui através da multidisciplinaridade e da conexão entre equipes. A terceira alternativa representa o ponto médio de evolução de um tipo de gestão para outro, enquanto que a segunda e quarta alternativas, respectivamente, denotam uma aproximação ainda forte da gestão tradicional e um encaminhamento próximo do tipo de gestão contemporâneo. Essa segunda parte da pesquisa foi tratada pelo Método da Escala de Lickert, ferramenta adequada quando se trata de medir a opinião dos respondentes sobre um determinado assunto. O objetivo principal que norteia todo o trabalho resume-se em: avaliar a evolução do processo de trabalho portuário avulso no porto de Santos, em face dos dezoito anos de promulgação da Lei nº 8.630/93, de modernização dos portos. A relevância do tema Stopford (2004, p. 226, tradução do autor) sinaliza que o comércio marítimo representa uma das maiores estórias de sucesso econômico dos últimos 50 anos, apresentando crescimento de 782% entre os anos 1950 e 1995, evoluindo de 0,55 para 4,3 toneladas brutas (TPB), fazendo da navegação marítima um dos setores econômicos que mais cresceram na economia do pós-guerra. Essa mesma publicação coloca o Brasil em 11º lugar, entre as 100 maiores economias que exploram o comércio marítimo, com base no volume de comércio entre os anos 1990/1991,. Contando com uma extensão de atracação da ordem de m, o Porto de Santos é o maior da América Latina, contando com 64 berços de atracação de navios e mais de 140 empresas atuando em atividades relacionadas com o movimento de mercadorias (LUCCI & SCARE, 2004, p. 2). A pujança da economia brasileira e a crescente necessidade de ampliação dos mercados consumidores faz desse porto o principal elemento de progresso no País, tendo em vista a sua hinterland, que engloba o Estado de São Paulo, maior centro industrial da América Latina, e mais o Estado do Paraná, o Sul dos Estados de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás e o Norte de Santa Catarina. A canalização da produção industrial e agropecuária, gerada por essa imensa área geográfica, coloca o Porto de Santos em uma posição, no que se refere ao volume de mercadorias, muito acima da registrada pelos demais portos brasileiros, conforme evidenciam os dados da Tabela 1. 3

4 Tabela 1 PORTOS BRASILEIROS ORDENADOS SEGUNDO SUA PARTICIPAÇÃO NA BALANÇA COMERCIAL Até outubro/2010 (em bilhões de dólares americanos) RANKING LUGAR EXPORTAÇÃO + IMPORTAÇÃO US$ FOB PARTICIPAÇÃO % 1º SANTOS 78,7 25,2 2º VITÓRIA 26,7 8,6 3º PARANAGUÁ 20,1 6,5 4º ITAGUAÍ 19,3 6,2 5º RIO GRANDE 13,3 4,3 6º RIO DE JANEIRO 13,2 4,2 7º SÃO LUIS 12,3 3,9 8º ITAJAÍ 11,4 3,7 9º MANAUS 6,4 2,0 10º SÃO FRANCISCO 6,2 2,0 Outros Portos 36,7 11,8 SUBTOTAL 244,4 78,3 Outros Modais 67,6 21,7 BRASIL 312,0 100,0 Fonte: Adaptado de CODESP (2010b) Com dados de outubro de 2010, a Tabela 1 posiciona o Porto de Santos como responsável por 25,2% do total de mercadorias, movimentadas nos principais portos do Brasil e em outros modais de transportes, num isolado primeiro lugar, sendo o segundo maior porto em relevância, o de Vitória, que apresenta uma participação de apenas 8,6% do total de movimentação de mercadorias no Brasil. Uma rápida história da evolução do trabalho portuário avulso em Santos Historicamente, o porto de Santos teve seu início, como empreendimento, com a promulgação pela Princesa Isabel, em 12 de julho de 1888, do Decreto nº , definindo os vencedores da concorrência, aberta em dezembro de 1886, para exame do Governo Imperial. O prazo de concessão, inicialmente de 39 anos, foi elevado, em novembro de 1890, para 90 anos, através de Decreto Imperial. O início da construção do porto se fez sob a gestão da empresa Gaffrée, Guinle & Cia., constituída pelos vencedores da concorrência, mais tarde, em 3 de novembro de 1892, incorporada para formar a Cia. Docas de Santos (CDS), quando o porto já se encontrava em operação. Além da construção e exploração do porto, a nova sociedade tinha como objetivos expressos nos seus estatutos o comércio geral e os serviços de comissária, agências de navegação e transportes terrestres. Começava, assim, a estruturação do trabalho na faixa do cais sob a orientação e liderança de uma empresa com fortes raízes familiares, pertencentes a duas das mais fortes oligarquias brasileiras: os Guinles e os Gaffrées. A abertura da imigração europeia para o Brasil, na última década do século XIX e primeiros anos do século XX, estimada em um milhão e duzentas mil pessoas, notadamente da Itália e da Espanha, mudou bastante o perfil de trabalho no porto, pois esses imigrantes introduziram no Brasil uma experiência política e uma noção de direito do trabalho até então desconhecidas em nosso País. Há quem diga que a imigração foi a principal responsável pela politização do trabalho no porto de Santos (AGUIAR, 2002, p ). 4

5 Durante a Primeira Guerra Mundial, pela primeira vez, o porto de Santos sofreu um refluxo na sua movimentação de cargas, devido à forte redução do movimento comercial com a Europa, motivado pela eclosão do conflito. Em julho de 1919, a segunda geração da família assumiu os destinos da companhia, quando a presidência da CDS foi transferida para o jovem Guilherme Guinle, que permaneceu por quatro décadas à frente da empresa, colocando definitivamente a marca da sua personalidade na forma de administração do porto. Em 1930, a administração portuária sofreu sua primeira intervenção militar, por ocasião do movimento que conduziu à ditadura de Getúlio Vargas, grupo que se manteve no poder, no Brasil, por um período de 15 anos. Com a perda de poder da oligarquia cafeeira, motivada pela política corporativista do Estado Novo, a estrutura de organização sindical dos trabalhadores avulsos foi se fortalecendo ao longo do tempo, culminando com a revolta do Governo Paulista contra o Governo de Vargas, na chamada Revolução Constitucionalista de As perdas financeiras, sofridas pela Cia. Docas, em função da obstrução do porto pelo Governo Federal, foram enormes. Durante o transcorrer da Segunda Guerra Mundial, o movimento de mercadorias no porto sofreu um decréscimo de 12,6% e o porto passou a viver a expectativa de iminentes ataques alemães (AGUIAR, 2002). Com o fim da guerra e a reestruturação da Europa, o porto de Santos viu aumentar gradativamente sua movimentação de cargas, consolidando-se a organização do trabalho avulso portuário, sob forte direção sindical, onde eram cada vez mais frequentes as ocorrências de greves e reivindicações trabalhistas. O golpe de 1964, com fortes motivações anticomunistas e antissindicais, foi o divisor de águas na administração portuária de Santos: começava ali um novo ciclo para o gerenciamento do porto. A Lei de Modernização dos Portos: uma reação a anos de descalabros administrativos ou exigência dos novos tempos? A Lei nº 8.630, promulgada em 25 de fevereiro de 1993, surge, então, com a necessidade de se modernizar os processos portuários; da dificuldade que o Estado tem em investir; para propiciar a redução do Custo Brasil e para reorganizar o Sistema Portuário Nacional, pela confusa situação que tomou conta do setor portuário após a extinção da PORTOBRÁS, empresa estatal holding da administração portuária no Brasil. Essa lei, que dispõe sobre o regime jurídico de exploração dos portos organizados e instalações portuárias, foi concebida com base na nova postura liberalizante vigente em nosso país, no sentido de diminuir a intervenção estatal e de propiciar a liberdade econômica e a abertura de mercados. Estabeleceu, portanto, uma nova estrutura para o Sistema Portuário Nacional, objetivando: aumentar a produtividade; racionalizar o ambiente de trabalho; estimular a participação do setor empresarial; e incentivar a participação dos usuários, de modo a aumentar a competitividade das exportações e desenvolver a navegação de cabotagem, considerando que os portos exercem um papel regulador de fluxo de entrada e saída de mercadorias, de fomento às atividades portuárias, propriamente ditas, como o atendimento às embarcações, às tripulações, o armazenamento das mercadorias, os financiamentos às atividades mercantis, etc. Sua entrada em vigor trouxe, sem dúvidas, avanços notáveis, criando as condições para a: (i) desregulamentação do setor portuário, principalmente quanto à contratação de serviços e a estruturação das tarifas; (ii) descentralização das decisões, mediante transferência para as comunidades locais; (iii) livre concorrência entre os portos; (iv) quebra do monopólio sindical, no âmbito de cada porto; (v) exclusão de taxas e de tarifas 5

6 por serviços não prestados; e (vi) inserção objetiva do setor privado na operação portuária. Em linhas gerais, a nova lei revoga quase toda a legislação portuária anterior e a legislação trabalhista, no tocante ao trabalho portuário avulso, e institui um novo regime jurídico para a exploração portuária além daquele que rege relações de trabalho específicas para o setor. Uma de suas mais relevantes inovações foi a criação do Conselho de Autoridade Portuária (CAP), a ser instituído em cada um dos portos organizados, sobre os quais exercerão jurisdição, acima da Administração dos Portos. Esses Conselhos passam a funcionar como órgãos normativos, de fomento e de deliberação sobre os assuntos relativos ao funcionamento dos portos, cabendo-lhe, dentre outras atribuições, regulamentar a sua exploração, homologar as tarifas e instituir Centros de Treinamento Profissional. O CAP é constituído por quatro blocos de membros titulares e seus suplentes, onde cada bloco tem direito a um voto, cabendo ao representante do governo federal, como presidente do Conselho, o voto de qualidade, no caso de empate. Essa prerrogativa aumenta bastante a capacidade de influência do governo na condução dos trabalhos. A Administração do porto, que pode ser exercida diretamente pela União ou por entidade concessionária, teve sua esfera de competência bastante ampliada e reestruturada para desempenhar, de forma integrada e harmônica, o papel de Autoridade Portuária, juntamente com as demais autoridades que exercem funções no porto organizado (aduaneira, marítima, sanitária, de saúde e de polícia marítima). Suas atribuições estão voltadas, principalmente, para a construção, manutenção e modernização de toda a infraestrutura do porto, cabendo-lhe também pré-qualificar os operadores portuários, os responsáveis pela realização das operações portuárias, definidas na lei como as de movimentação e armazenagem de mercadorias, destinadas ou provenientes do transporte aquaviário, no interior do porto organizado. Aliás, a Administração do porto é considerada pré-qualificada, como tal, conforme dispõe o parágrafo 3º, do artigo 9º, da mencionada lei. Outra grande novidade da Lei nº 8.630, de fundamental importância, é o Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO), constituído pelos operadores portuários de cada um dos portos organizados, com a finalidade principal de substituir os sindicatos dos trabalhadores portuários na tarefa de suprir os trabalhadores avulsos para movimentar a carga. Trata-se de um órgão de utilidade pública, sem fins lucrativos, cuja criação faz parte de uma mudança radical das relações trabalhistas vigentes nos portos, pois extingue o poder sindical quanto ao fornecimento de mão de obra avulsa. Resultados da Pesquisa As entrevistas de caráter aberto foram realizadas junto aos dirigentes dos principais atores que se responsabilizam pelas atividades portuárias em Santos, a saber: Secretaria de Assuntos Portuários e Marítimos SEPORT e Secretaria de Meio Ambiente SEMAM, órgãos da Prefeitura Municipal de Santos encarregadas de estreitar a relação Porto- Cidade no que concerne a implementação de políticas públicas que promovam o crescimento econômico sem abalar as estruturas do meio ambiente urbano e natural; Conselho de Autoridade Portuária CAP que se encarrega das aplicações dos processos regulatórios do Porto Organizado; Cia. Docas do Estado de São Paulo CODESP que atua como Autoridade Portuária e o Órgão Gestor de Mão de Obra OGMO que se responsabiliza pela gestão da mão de obra portuária avulsa. Do lado dos trabalhadores portuários foram entrevistados os dirigentes dos principais sindicatos de trabalhadores avulsos e vinculados, a saber: Sindicato dos Consertadores de Carga e Descarga nos 6

7 Portos do Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores Administrativos em Capatazia nos Terminais Privativos e Retroportuários e na Administração em Geral dos Serviços Portuários do Estado de São Paulo SINDAPORT, Sindicato dos Conferentes de Capatazia do Porto de Santos e Sindicato dos Empregados Terrestres em Transportes Aquaviários e Operadores Portuários do Estado de São Paulo SETTAPORT, sendo que os dois primeiros já operavam no Porto de Santos antes da promulgação da Lei e os dois últimos tiveram suas atividades regulamentadas após a implementação da mesma. Essas entrevistas tiveram como objetivo identificar a percepção de cada ator com relação às mudanças promovidas pela aplicação da nova legislação. Os questionários, por sua vez, tiveram a intenção de medir o ponto onde se localiza atualmente a organização do trabalho portuário avulso, da gestão clássica taylorista, engessada, especializada por sindicato para o tipo de gestão orientada para processos de negócios, generalista, colaborativa e multifuncional. Foram aplicados 50 questionários, em 4 dias alternados, em duas semanas consecutivas, no principal ponto de escalação de mão de obra avulsa, denominado P3, localizado ao longo da faixa do cais. Do total de questionários aplicados retornaram 44 integralmente preenchidos, perfazendo um percentual de 88% de atendimento. Dado a exiguidade do espaço para este trabalho, serão registrados, a seguir, apenas os principais resultados do tratamento das entrevistas e dos questionários: Investigação do Trabalho Avulso antes da Lei 8.630/93 O tratamento deste quesito com base na metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo sintetizou as falas dos entrevistados em duas categorias: Requisição de Trabalhadores e Controle do Trabalho Avulso, dando-se prioridade aqui à segunda categoria: O Sindicato da Estiva ele era o tomador do serviço, ele era o próprio pagador, ele tinha o controle de tudo. Passou tudo para o OGMO. Então, o controle financeiro que o sindicato tinha, perdeu tudo. Então passou a depender do repasse do OGMO. É meio histórico isso ai. Tinha uma sala maior do que essa aqui no sindicato que era o cofre, o dinheiro ficava lá. Não existia tanta violência e roubo como existe hoje. Então, o cara entrava na porta para receber o dinheiro. Depois, mudou-se, atualizou-se, e passou a pagar no ponto, mas quem carregava a mala com o dinheiro era o próprio pagador do sindicato. Então, toda a arrecadação era o sindicato. E o sindicato negociava diretamente com os armadores através da SUNAMAM, através da DPL, que eram os ministérios na época. Quadro 1: Categoria B Controle do Trabalho Avulso Comentário Analítico: todo o controle do trabalho avulso era feito pelos Sindicatos de Trabalhadores Avulsos, sendo o Sindicato dos Estivadores, o maior deles, aquele que efetivamente controlava o trabalho portuário; através da medição da produção, feita pelos Conferentes de Carga e Descarga, os valores eram cobrados diretamente das Agências de Navegação e repassados aos trabalhadores avulsos, na sede do próprio sindicato, ou nos postos de chamada. Investigação do Trabalho Avulso após a Lei 8.630/93 As categorias aqui selecionadas foram em número de três: Gestão do Trabalho Avulso, Categorias de Trabalho Avulso e Função do Sindicato, dando-se maior relevância à segunda delas. Por razões de espaço, será registrado apenas o comentário analítico: Comentário Analítico: após a promulgação da Lei nº 8.630/93 toda a gestão do trabalho portuário avulso passou para o OGMO que funciona como uma grande Central de 7

8 Trabalhadores Avulsos; é ela quem registra as requisições eletrônicas de trabalhadores avulsos, realizadas pelos Operadores de Terminais; disponibiliza essas informações aos trabalhadores; gerencia a escala de trabalho; controla o atendimento de todo o trabalho portuário avulso dentro e fora dos navios; realiza a medição da produção; recebe os valores apontados e paga os trabalhadores, dentro de regras e prazos rígidos. Problemas atuais dos Sindicatos Com relação a este tema, a consolidação do discurso apresentou um formato muito extenso, razão por que será registrado apenas o comentário analítico: Comentário Analítico: percebe-se pela análise dos DSCs que os sindicatos de trabalhadores avulsos apresentam como problema o esvaziamento das funções que mantinham antes da Lei nº 8.630/93, de monopolização da oferta de trabalho portuário avulso; também, argumentam que os novos trabalhadores confiam mais no OGMO do que nos Sindicatos, não se interessando pela sindicalização; e que a renovação dos contratos de arrendamento pode trazer novos problemas, caso outras empresas assumam a administração operacional dos terminais privados, pois, não há, na legislação, nenhum item que proteja os interesses dos trabalhadores vinculados. A alteração da diretoria da CODESP, feita por indicação política, também é apontada como problema; da mesma forma, a conscientização dos sindicatos quanto a crescente automação das atividades de carregamento/descarregamento de mercadorias nos navios, o que exige melhoria de qualidade da mão de obra avulsa, e, cada vez, menor número de trabalhadores; finalmente, a inexistência de uma área de Recursos Humanos na CODESP, também, é vista por alguns dirigentes sindicais como um problema a ser corrigido. A relação Cidade-Porto na visão da Administração Pública Municipal A este quesito será dado tratamento igual ao anterior: Comentário Analítico: a análise conjunta do discurso dos dois secretários municipais mais envolvidos com a questão portuária em Santos demonstra que o poder municipal procura atuar mais na melhoria da infraestrutura da cidade que dá acesso á área portuária. Aparece como preocupação constante o gerenciamento de execução das obras da Perimetral que liga o complexo rodoviário Anchieta/Imigrantes ao Cais do Porto. A criação da Câmara Intersetorial em Desenvolvimento Portuário no âmbito da Prefeitura Municipal, por outro lado, constitui um fórum que reúne as principais Secretarias envolvidas com o Porto, melhorando consideravelmente os níveis de decisão do Poder Público sobre os processos que envolvem a relação cidade-porto. A administração pública de um porto operacional privado Foram várias as categorias selecionadas nesta entrevista, bastante longas, por sinal. Será registrado aqui apenas o comentário analítico da questão que envolvia a administração portuária: Comentário Analítico: nesta questão, a fala do sujeito CODESP traz como principal informação o fato de que ela não opera o Porto de Santos, mas, sim, atua como Autoridade Portuária, administrando o uso do porto pelas Operadoras de Terminais Privados. O próprio Cais Público não é operado pela CODESP, funcionando como complemento dos espaços de acostamento arrendados aos Operadores de Terminais Privados, que, quando precisam de mais espaço, alugam espaços adicionais no Cais 8

9 Público à CODESP. A figura metafórica utilizada, de Síndico de Condomínio, por sinal, é a que melhor retrata a atuação operacional da Administradora Portuária. A modernização da gestão do trabalho portuário avulso Neste quesito, bastante longo também, será registrado apenas o comentário referente ao Planejamento de Recursos Humanos para o Trabalho Portuário Avulso: Comentário Analítico: o planejamento de Recursos Humanos para o trabalho portuário avulso está em andamento. Atualmente, o discurso acima demonstra que o OGMO está na fase das descrições das funções de trabalho envolvidas nos processos operacionais portuários; a partir daí, serão desenvolvidos planos de carreira, tabelas salariais, etc. O próprio plano de treinamento e qualificação apresentará mais sustentação, segundo a entrevistada, após consolidados os processos anteriores. Outra ferramenta de gestão importantíssima, também em andamento, é a implantação do sistema ERP (Enterprise Resource Planning), que controlará todos os processos operacionais do OGMO, fornecendo importantes informações de gestão em tempo real. Organização do Trabalho Portuário Avulso O tratamento deste quesito pelo método da Escala de Lickert apresenta o seguinte quadro: Tabela 2: Organização do Trabalho Portuário Avulso Características Pontos TOTAL 1. Autonomia Operacional Natureza do Trabalho Capacitação dos Trabalhadores Escala de Valores Organização do Trabalho Total Somatório Escala Likert Média Aritmética Ponderada: > 653 O resultado final do tratamento das respostas aos questionários aponta para o ponto 653 da escala, levemente acima do ponto médio (651), denotando que o processo de evolução da organização do trabalho portuário avulso, da organização funcional com princípios hierárquicos rígidos para a organização voltada a processos de negócios, horizontalizada, multifuncional, seguindo princípios de autogestão, está em franco processo de transição, após 18 anos decorridos da implantação da Lei nº 8.630/93. A discussão sobre os ajustes a serem realizados e os desafios futuros fazem parte do capítulo das conclusões deste trabalho de pesquisa. Conclusões A análise conjunta dos discursos extraídos das entrevistas com os Secretários de Governo, com os dirigentes da Autoridade Portuária, com o OGMO e com os principais dirigentes Sindicais aponta caminhos que, se bem explorados, poderão trazer amplos 9

10 benefícios à estrutura das operações portuárias em Santos. A introdução de modernos equipamentos de movimentação de carga, a profissionalização dos trabalhadores portuários avulsos, a integração sistêmica das atividades do porto de Santos e os mecanismos de controle de acesso às plataformas portuárias criam uma sinergia de trabalho capaz de redundar em aumento crescente de produtividade e geração de resultados positivos para todos os atores que dependem direta ou indiretamente das atividades portuárias. Dados de desempenho, publicados pela CODESP, relacionado aos últimos 10 anos, sinalizam que, enquanto a função importação alterna períodos de estabilidade com outros, de leve crescimento, a curva de exportação apresenta crescimento contínuo em todo o período, demonstrando que as mudanças no ambiente portuário, quer no modelo de operação e administração do porto, quer na gestão dos Recursos Humanos Avulsos, vêm dando atendimento suficiente às necessidades requeridas pela integração do Brasil ao Comércio Internacional. Até outubro de 2010, verifica-se uma movimentação geral de mercadorias da ordem de toneladas, incremento de 17,8% com relação ao mesmo período de 2009, com expectativa de fechar o ano, até dezembro de 2010, com toneladas, 15,9% acima do total de 2009 (CODESP, 2010). Referências AGUIAR, Maria Aparecida Ferreira de. O Sindicato dos Estivadores na Contramão do Processo de Modernização do Porto de Santos In: JUNQUEIRA, Luciano A. Prates (Org.). Desafios da Modernização Portuária. SP: Aduaneiras p BRITO, P. Muito a Navegar: uma análise logística dos portos brasileiros. RJ: TopBooks, p. BUSSINGER, Frederico. Requalificação do trabalhador portuário: agora vai? 19 de agosto de Disponível em: // Acesso em: 15/09/2004. CODESP. Porto de Santos: a porta do Brasil. Março/ slides.. Porto de Santos. 07/06/2010a. Disponível em: // Acesso em: 07/06/ Análise do Movimento Físico do Porto de Santos - Outubro de 2010b. Disponível em: // Acesso em: 18/12/2010 CUNHA, Ícaro (Org.). Portos no Ambiente Costeiro. SP: Editora Universitária Leopoldianum, p. FERREIRA, Francisco Vicente Aloise; PACCILLO, José Francisco. Comentários sobre a Lei de Modernização dos Portos. Santos: EDL & Luvimat, p. GOMES, J. C.; JUNQUEIRA, L. A. P. Cultura e Transformação do Trabalho no Porto de Santos. Revista Administração Pública-RAP, 2008, n. 42(6), p , nov./dez. GOMES, J. C.; JUNQUEIRA, L. A. P. Trabalho Avulso e Transformação no Porto de Santos. Revista ADM. MADE, 2008, v. 12, n. 2, p , maio/ago. LUCCI, C. R.; SCARE, R. F. Custos de Transação no Ambiente Portuário: uma aplicação da nova economia institucional para o Porto de Santos In: VII SEMEAD, 2004, São Paulo, FEA/USP, p. 12. SILVA, Fernando Teixeira da. A Carga e a Culpa: os operários das Docas de Santos. Direitos e Cultura de Solidariedade ( ). SP: Huntec, p. STOPFORD, Martin. Maritime Economics. Londres: Routledge, p. VIDAL, Soraia Maria do S. C. Santos: porto, cidade e região. In: Desafios da Modernização Portuária. SP: JUNQUEIRA, Luciano A. Prates (Org.),

O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS

O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS Resenha, José Alberto Carvalho dos Santos Claro José Alberto Carvalho dos Santos Claro Universidade Católica de Santos UniSantos Programa de Mestrado em Gestão

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS ALUISIO SOBREIRA O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS O Contexto da Lei Anterior Lei nº 8.630/93 O Contexto da Nova Lei Lei nº 12.815/13 A Evolução do Novo Marco Regulatório Principais Alterações

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18 Privatização dos Portos Os principais portos brasileiros foram construídos sob o regime de concessão privada monopolista por

Leia mais

ABORDAGEM PRÁTICA DO TRABALHO PORTUÁRIO E AVULSO

ABORDAGEM PRÁTICA DO TRABALHO PORTUÁRIO E AVULSO ABORDAGEM PRÁTICA DO TRABALHO PORTUÁRIO E AVULSO FRANCISCO EDIVAR CARVALHO Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Especialista em Administração e em Direito

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Os participantes do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos e Transporte, realizado em 11 de agosto de 2014, no Grande Hotel São Francisco,

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETO CAPÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2º Para os efeitos desta Norma, considera-se:

CAPÍTULO I DO OBJETO CAPÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2º Para os efeitos desta Norma, considera-se: ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 858-ANTAQ, DE 23 DE AGOSTO 2007. NORMA SOBRE A FISCALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA NA EXPLORAÇÃO DE PORTOS PÚBLICOS. (Alterada pela Resolução nº

Leia mais

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista FIESP/CONSIC PORTO 24 HORAS Complexo portuário santista José Cândido Senna, Coordenador do Comitê de Usuários dos Portos e. Aeroportos do Estado de São Paulo - COMUS São Paulo, 16 de agosto de 2011 Participação

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

A terceirização no Setor Portuário

A terceirização no Setor Portuário A terceirização no Setor Portuário Em função de sua complexidade, dos múltiplos atores envolvidos e da diversidade de ocupações, identificar a terceirização no setor portuário é um exercício que requer

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Pesquisa Aquaviária CNT 2006 : Portos Marítimos:Longo Curso e Cabotagem. Brasília: Confederação Nacional do Transporte, 2006.

Pesquisa Aquaviária CNT 2006 : Portos Marítimos:Longo Curso e Cabotagem. Brasília: Confederação Nacional do Transporte, 2006. Pesquisa Aquaviária CNT 2006 : Portos Marítimos:Longo Curso e Cabotagem. Brasília: Confederação Nacional do Transporte, 2006. 148 p. : il. ; 30 cm. 1. Transporte marítimo Brasil. 2. Navegação. 3. Transporte

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências. DOU 09.01.97 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

do Transporte Aquaviário

do Transporte Aquaviário Principais dados da Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 OBJETIVOS Pes Mensurar a importância econômica da cabotagem no Brasil. Identificar

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ESPEDITO SALES e CLELIA MAROUELLI Especialista em Regulação A AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Criada

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP "A importância dos terminais portuários para a competitividade do Polo de Camaçari Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP 19 de Setembro de 2014 Salvador - BA Caracterização A luta por uma legislação

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO

PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, DA COMPOSIÇÃO E DA FILIAÇÃO Artigo 1º O Plano de Auxílio Mútuo PAM, do Porto Organizado de Santos, é

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA 1- Examinamos os Balanços Patrimoniais

Leia mais

POLÍTICA DOS TERMINAIS PESQUEIROS PÚBLICOS TPP S

POLÍTICA DOS TERMINAIS PESQUEIROS PÚBLICOS TPP S POLÍTICA DOS TERMINAIS PESQUEIROS PÚBLICOS TPP S 1 TERMINAIS PESQUEIROS PÚBLICOS TPP S Conceito (Art. 4º do Decreto nº 5.231, de 2004) Terminal Pesqueiro Público é a estrutura física construída e aparelhada

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ Processo n 50.300.000.893/2009-23 A ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA - USUPORT, já devidamente qualificado

Leia mais

ADICIONAL DE RISCO RESPONSABILIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO

ADICIONAL DE RISCO RESPONSABILIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO 1 ADICIONAL DE RISCO RESPONSABILIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO Márcia Aribela de Lima Gomes Pereira Na área portuária são realizadas atividades de carga e descarga das embarcações que compreendem serviços

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

Transporte Aquaviário e Portos

Transporte Aquaviário e Portos Transporte Aquaviário e Portos Arrendamentos operacionais de áreas e instalações portuárias A Constituição Federal de 1988 estabelece que compete à União explorar os portos públicos diretamente ou mediante

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 28 de agosto de 2013. 1 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Audiência Pública - 02 de 2011

Audiência Pública - 02 de 2011 Audiência Pública 02 de 2011 Empresa: ABEAM ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE APOIO MARÍTIMO ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 2155ANTAQ, DE 19 DE JULHO DE 2011, QUE APROVA A NORMA PARA OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br Ferdinando Vinicius Domenes Zapparoli. UEL Ferdinando@uel.br Introdução

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14 Reforma Portuária Breakbulk South America 01.12.14 AGENDA 2 Reforma Portuária Desafios Oportunidades e Decisões das Empresas Expectativas EVOLUÇÃO DO MARCO REGULATÓRIO 3 1990 1993 2001 2007 2008 2013 EXTINÇÃO

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

AS MUDANÇAS REGULATÓRIAS DOS PORTOS BRASILEIROS E OS REBATIMENTOS AOS TRABALHADORES

AS MUDANÇAS REGULATÓRIAS DOS PORTOS BRASILEIROS E OS REBATIMENTOS AOS TRABALHADORES AS MUDANÇAS REGULATÓRIAS DOS PORTOS BRASILEIROS E OS REBATIMENTOS AOS TRABALHADORES THIAGO PEREIRA DE BARROS 1 Resumo: Este artigo apresenta as mudanças recentes no mundo do trabalho portuário e suas implicações

Leia mais

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando:

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando: A Gavea Logística é uma operadora logística que oferece soluções de logística Portuária, Marítima e Terrestre, em seus terminais localizados no Rio de, e. Com estrutura voltada para atendimento no mercado

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). PORTO DE SANTOS ORIGEM A expansão da cultura do café na província de São Paulo, na segunda metade do século passado, atingindo a Baixada Santista, originou a necessidade de novas instalações portuárias

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

Terminais de uso privativo

Terminais de uso privativo Terminais de uso privativo Audiência Pública do Senado Federal, PLS nº 118/2009 Brasília, 23 de maio de 2012 Wilen Manteli Presidente da ABTP Porto da USIMINAS Lei nº 8.630/1993 (Modernização dos Portos)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

Lições aprendidas durante a realização de um grande projeto com final feliz na Wilson, Sons

Lições aprendidas durante a realização de um grande projeto com final feliz na Wilson, Sons Lições aprendidas durante a realização de um grande projeto com final feliz na Wilson, Sons A Wilson Sons Quem Somos? Um dos maiores operadores de serviços portuários, marítimos e logísticos terrestres

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA

NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA NORMAS DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADORES PORTUÁRIOS DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA 1- OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para a Pré-Qualificação de pessoa Jurídica como Operador Portuário

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 Facilitação do Comércio Exterior Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 8,5 milhões de km2 16.886 Km de Fronteiras terrestres 7.367 Km de Orla Marítima 197 milhões de habitantes PIB de 2,39

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP001303/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR003506/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.000255/2014-14 DATA DO

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle da arrecadação do adicional ao frete para renovação da Marinha Mercante

Experiência: Sistema de Controle da arrecadação do adicional ao frete para renovação da Marinha Mercante Experiência: Sistema de Controle da arrecadação do adicional ao frete para renovação da Marinha Mercante Ministério dos Transportes Departamento do Fundo de Marinha Mercante Responsável: Nadilene Alves

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais