Programa de Internação Domiciliar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Internação Domiciliar"

Transcrição

1 Programa de Internação Domiciliar SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL SAS - SUBSECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIAPS - DIRETORIA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA GEAD - GERÊNCIA DE ATENÇÃO DOMICILIAR

2 Internação Domiciliar O que não é: ü PSF ü HOME CARE NÃO SUBSTITUI A INTERNAÇÃO HOSPITALAR

3 Internação Domiciliar O que é? ü Modalidade de atenção realizada por uma equipe multiprofissional específica para esse fim, que presta assistência domiciliar a pessoas com quadros clínicos crônicos e agravados, porém estáveis, que exijam cuidados que superam aqueles que possam ser oferecidos pela Atenção Primária.

4 Onde a Internação Domiciliar se insere? ATENÇÃO DOMICILIAR Assistência Domiciliar Atenção Primária. Alta Complexidade. Baixa densidade tecnológica. Internação Domiciliar Média Complexidade + Atenção Primária. Alta Complexidade. Média densidade tecnológica.

5 E a Atenção Domiciliar? SAMU HOSPITAL ATENÇÃO DOMICILIAR UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE HOSPITAL DIA SADT SAF AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO

6 Quando surgiu a Atenção Domiciliar? ü 1947: EUA - Unidade de Assistência Domiciliar, América do Norte e Europa. ü 1949: Brasil - Serviço de Assistência Médica Domiciliar e de Urgência - SAMDU (Min. do Trabalho). ü 1960: Fundação de Serviço Especial de Saúde Pública (FSESP) - Serviço de Assistência Domiciliar do Hospital de Servidores Públicos do Estado de São Paulo (HSPE).

7 E no Distrito Federal? ü 1994: SAMED - Serviço de Assistência Multiprofissional em Domicílio Regionais de Sobradinho e Planaltina. ü 2000: NAMID - Núcleo de Assistência Médica a Internados em Domicílio. ü 2002: NAMID Gama. ü 2003: Equipe Móvel. ü 2003: COIND - Coordenação de Internação Domiciliar. ü 2007: GEAD - Gerência de Atenção. Domiciliar/DIAPSESF - Diretoria de Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família. ü 2007: NRADs - Núcleos Regionais de Atenção Domiciliar.

8 Onde estamos? Regionais com o Programa implantado:

9 Como estamos? Atualmente o programa conta com 5 equipes multiprofissionais, nas Regionais de Saúde de Sobradinho, Planaltina e Gama Asa Norte e Guará, que corresponde a uma cobertura populacional de 36,4%. Desde sua implantação o número de pacientes atendidos foi de (2007). Número de profissionais dos NRADs: ü Agente Administrativo: 08 ü Assistente Social: 01 ü Auxiliar de Enfermagem:14 ü Enfermeira: 06 ü Fisioterapeuta: 05 ü Médico: 16 ü Nutricionista: 04

10 Atendimentos realizados desde Brasília: Pacientes atendidos Pacientes em atendimento Sobradinho Gama Planaltina

11 Doenças de maior prevalência no Programa. Brasília:2007. Equipe Móvel Planaltina G-80.8 ( Outras formas de paralisia cerebral infantil) G-80.9 (Paralisia cerebral infantil ñ especificada) G-82.2 (Paraplegia ñ especificada) E-14 ( Diabetes mellitus ñ especificada) Sobradinho J-45 (Asma) J-44.9 (DPOC ñ especificada) I-10 (Hipertensão essencial primária) I-69 (Sequela de AVC ñ especificado) Gama

12 Distribuição por faixa etária dos pacientes em atendimento no Programa. Brasília: Planaltina Sobradinho Gama Equipe Móvel <15 anos 15 a a a 60 >61 anos 12

13 Por que a Atenção Domiciliar surgiu? ü Transição demográfica 80 + anos anos anos anos Pirâmide Populacional Dez Anos antes anos ü Transição epidemiológica anos anos anos 00-04anos masculina feminina ü Modelo de Saúde 80 + anos anos anos Pirâmide Populacional Ano atual anos ü Situação da Saúde anos anos anos anos 00-04anos masculina feminina

14 Qual a base legal da Internação Domiciliar? ü Portaria 2416 de 23/03/1998 que estabeleceu critérios para credenciamento de hospitais para a realização de Internação Domiciliar no SUS. ü Lei nº /2002 da SAS/MS que acrescentou à Lei (Lei Org. de Saúde) o cap. VI Do Subsistema de Atendimento e Internação Domiciliar. ü RDC nº 11 da ANVISA de 26/01/2006 que dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção Domiciliar. ü Portaria nº 20 da SES/DF de 02/05/2006 que implanta o Subsistema de Assistência Domiciliar no âmbito do Distrito Federal. ü Portaria nº do MS de 19/10/2006 que institui a Internação Domiciliar no âmbito do SUS.

15 O que a Internação Domiciliar possibilita? ü Humanizar o atendimento e o cuidado ao paciente. ü Garantir cuidados e insumos mínimos com economia da hotelaria, redução de internações e reinternações, disponibilização de leitos hospitalares e, conseqüentemente, diminuição de custos de assistência. ü Desenvolver parceria entre a equipe de saúde e o paciente/família no processo de tomada de decisões relacionados ao cuidado a saúde, com responsabilidade eqüitativamente distribuída.

16 À quem a Internação Domiciliar se destina? ü Idoso portador de doença crônica com incapacidade funcional e dependência física para as atividades da vida diária (AVD) a partir do grau 4 da Escala da Cruz Vermelha Espanhola. ü Portadores de doenças que necessitem de cuidados paliativos. ü Pacientes com patologias múltiplas e co-morbidades, dependência total/parcial, que necessitem de equipamentos e procedimentos especializados no domicílio. ü Pacientes internados em hospital referência que têm condições clínicas de receber alta precoce e assim serem desospitalizados e que possuam alguma condição que os incapacitem de comparecer à Unidade de Saúde.

17 À quem a Internação Domiciliar se destina? ü Portadores de incapacidade funcional que apresentem: ü Doenças crônicas agravadas, transmissíveis ou não (tuberculose, câncer, moléstias cardiovasculares e outras). ü Seqüelas por acidentes decorrentes de causas externas ou outros. ü Úlceras de decúbito, agudizadas por infecção e ou com repercussão sistêmica. ü Seqüelas de agravos ou pós-operatório de cirurgias de grande porte.

18 Escala de Avaliação da Incapacidade Funcional da Cruz Vermelha Espanhola ü Grau 0 Vale-se totalmente por si mesmo. Caminha normalmente ü Grau 1 Realiza suficientemente as Atividades da Vida Diária (AVD). Apresenta algumas dificuldades para locomoções complicadas. ü Grau 2 Apresenta algumas dificuldades nas AVD, necessitando apoio ocasional. Caminha com ajuda de bengala ou similar. ü Grau 3 Apresenta graves dificuldades nas AVD, necessitando de apoio em quase todas. Caminha com muita dificuldade, ajudado por pelo menos uma pessoa. ü Grau 4 Impossível realizar, sem ajuda, qualquer das AVD; capaz de caminhar com extraordinária dificuldade, ajudado por pelo menos duas pessoas. ü Grau 5 Imobilizado na cama ou sofá, necessitando de cuidados contínuos.

19 Quais os critérios de Inclusão? 1. Clínicos Estar com a condição clínica comprometida, com diagnóstico firmado ou hipótese diagnóstica e tratamento estabelecido pelo médico assistente. Apresentar grau de perda funcional e dependência para a realização de Atividades da Vida Diária (AVD), definida com base na Escala de Avaliação da Incapacidade Funcional da Cruz Vermelha Espanhola, a partir do grau 4.

20 Quais os critérios de Inclusão? 2. Administrativos Residir na área de abrangência da equipe. Ter consentimento formal do paciente ou de familiares/cuidador por meio da assinatura do Termo de Consentimento Informado padronizado. Encaminhamento de médico assistente. Realização de visita pré-admissional. Tempo necessário para a desospitalização. Possuir sistema de comunicação que garanta o acionamento da equipe em caso de intercorrências clínicas.

21 Quais os critérios de Inclusão? 3. Assistenciais Possuir um responsável que exerça a função de cuidador. Apresentar condições seguras de acesso ao domicílio do paciente. Contextos familiar, domiciliar, comunitário e ambiental adequados, a serem constatados pela equipe: condições mínimas de higiene e espaço; pessoas que se responsabilizem pelos cuidados com o paciente; saneamento; segurança para os membros da equipe e outros. Ter um médico que se responsabilize pela sua indicação.

22 Quais os critérios de EXCLUSÃO? ü Pacientes com necessidades de: üventilação mecânica; üenfermagem intensiva; üpropedêutica complementar, realização de procedimento diagnóstico ou tratamento cirúrgico com urgência. ü Uso de medicação complexa com efeitos colaterais graves ou de difícil administração. ü Sem cuidador contínuo identificado. ü Pacientes ou responsáveis que não aceitarem a proposta do Programa. ü Pacientes instáveis do ponto de vista hemodinâmico.

23 Quais os critérios de EXCLUSÃO? ü Soroterapia endovenosa contínua. ü Paciente sem diagnóstico prévio. ü Ausência de condições de higiene necessária a cada caso. ü Risco à integridade da equipe de saúde. ü Impossibilidade de acesso ao local de atendimento. ü Ausência na rede de assistência de serviços necessários aos cuidados do paciente. ü Patologias graves sem possibilidade de controle domiciliar. ü Pacientes com quadro clínico não agravado e que possa receber assistência domiciliar no nível de atenção primária à saúde (Equipes de Saúde da Família e Centros de Saúde).

24 Quais os Critérios de Saída/Alta? 1. Clínicos ümelhora das condições clínicas e/ou estabilidade clínica com encaminhamento para outro ponto de atenção à saúde como a atenção primária (PSF e CS). üintercorrência clínica ou urgência/emergência que justifique internação hospitalar. üóbito.

25 Quais os Critérios de saída/alta? 2. Administrativos ümudança da área de abrangência. Piora de condições domiciliares mínimas üpiora de condições domiciliares mínimas que comprometa a resolutividade da internação domiciliar.

26 Quais os Critérios de Saída/Alta? 3. Assistenciais ü Inexistência de um cuidador. ü Não concordância com o médico/equipe do paciente. ü Solicitação de desligamento a pedido do paciente e/ou familiar. ü Omissão de informações pertinentes com o propósito de transgredir os critérios da admissão. ü Opção do doente ou família por prescrições ou orientações de profissionais externos, contrárias às da equipe. ü Falta de aderência aos cuidados propostos e normas da assistência.

27 Qual a composição ideal das equipes dos NRADs? Equipe de Saúde: ü Assistente social ü Auxiliar de enfermagem ü Auxiliar de consultório dentário ü Cirurgião dentista ü Enfermeiro ü Farmacêutico ü Fisioterapeuta ü Fonoaudiólogo ü Médico ü Nutricionista ü Psicólogo ü Terapeuta ocupacional ü Técnico de Higiene Dental Equipe Administrativa: ü Chefe de Núcleo Regional ü Agente administrativo ü Motorista Equipe de Apoio: ü Cuidador ü Familiar ü Voluntário

28 Número Núcleos População Regiões de Regionais EMAD* de 2007 Saúde (projeção) de Atenção Domiciliar NRAD NRAD REGIÃO Núcleo CENTRO Asa SUDOESTE Paranoá 24 1 NORTE LESTE Bandeirante SUL Norte Sul NORTE SUL Qual área de abrangência dos Núcleos? Regiões Administrativas (RAs) Núcleos Regionais de Atenção Domiciliar População 2007 (projeção) Número de EMAD* Regiões de Saúde Brasília (Asa Sul) Lago Sul Riacho Fundo Candangolândia Núcleo Bandeirante NRAD Asa Sul NRAD Núcleo Bandeirante REGIÃO CENTRO SUL Guará NRAD Guará Brasília (Asa Norte) Lago norte NRAD Asa Norte REGIÃO CENTRO NORTE Cruzeiro Ceilândia NRAD Ceilãndia Brazlândia NRAD Brazlândia REGIÃO OESTE Taguatinga NRAD Taguatinga Samambaia NRAD Samambaia REGIÃO SUDOESTE Recanto das Emas NRAD Recanto das Emas Sobradinho NRAD Sobradinho Planaltina NRAD Planaltina REGIÃO NORTE Paranoá Itapoâ NRAD Paranoá REGIÃO LESTE São Sebastião NRAD São Sebastião Gama NRAD Gama Santa Maria NRAD Santa Maria REGIÃO SUL Total

29 Que atividades são desenvolvidas pela Equipe Multiprofissional? ü Atenção domiciliar, nas modalidades de assistência e internação domiciliar. ü Admissão ao Programa de Oxigenoterapia Domiciliar. ü Desenvolvimento do Programa de Cuidados Paliativos em parceria com a Gerência de Câncer/Hospital de Apoio. ü Coleta de exames complementares em domicílio. ü Educação em saúde no contexto domiciliar e comunitário. ü Empréstimo de equipamentos hospitalares necessários ao tratamento do paciente mediante critérios e disponibilidade na SES-DF. ü Realização de reuniões periódicas com as equipes, familiares e cuidadores. ü Fornecimento de Dieta Enteral para pacientes em internação domiciliar em parceria com a Gerência de Nutrição

30 Quais os Recursos Financeiros? ü Portaria / MS em regulamentação. ü S I A SUS ü S I H - SUS

31 Quais os indicadores mínimos de acompanhamento, monitoramento e avaliação? (Portaria nº 2.529/MS e RDC nº 11/ANVISA) ü Taxa de mortalidade para a modalidade de internação domiciliar ü Taxa de internação após a atenção domiciliar ü Taxa de infecção para a modalidade de internação domiciliar ü Taxa de alta da modalidade de assistência domiciliar ü Taxa de alta da modalidade de internação domiciliar

32 Quais as perspectivas para a Internação Domiciliar no Distrito Federal? ü Implantação oficial do programa de Internação Domiciliar. ü Re-estruturação/expansão dos Núcleos Regionais de Atenção Domiciliar. ü Formalização/regionalização/expansão do Programa de Oxigenoterapia Domiciliar. ü Elaboração e implantacão do Projeto de Suporte Ventilatório Domiciliar. ü Supervisão de home care terceirizado.

33 Contatos: ü GEAD - GERÊNCIA DE ATENÇÃO DOMICILIAR MARIA LEOPOLDINA DE CASTRO VILLAS BÔAS FONE/FAX: ü NÚCLEO REGIONAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR SOBRADINHO FABIANA BINDA FONE: / ü NÚCLEO REGIONAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR PLANALTINA MAURÍCIO NEIVA CRISPIM FONE: ü NÚCLEO REGIONAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR GAMA VIVIANE VIEIRA PACHECO FONE: ü NÚCLEO REGIONAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR ASA NORTE VITTORIA NEIDE COLLAREDA SICILIANO FONE: ü NÚCLEO REGIONAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR GUARÁ RENILDA OLIVEIRA MATOS FERNANDES FONE:

34 ... o tempo de vida depende no máximo de 30% do patrimônio genético. Os outros 20% estão relacionados à condições históricas, socioeconômicas e sorte. Sobram 50% para serem administrados. Esta é a parte que nos cabe no latifúndio da vida, esta é a parte sobre a qual podemos opinar e escolher: depende de cada um. Guimarães, Renato Maia. Decida você como e quanto viver. Ed. Saúde e Letras.Brasília:2007.

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD. Experiências selecionadas da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES- DF 2013

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD. Experiências selecionadas da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES- DF 2013 Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Experiências selecionadas da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES- DF 2013 Experiências selecionadas Prontuário Domiciliar Maria Leopoldina

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

ANEXO I LOCAIS ONDE O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS SERÁ EXECUTADO

ANEXO I LOCAIS ONDE O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS SERÁ EXECUTADO ANEXO I LOCAIS ONDE O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS SERÁ EXECUTADO Planaltina Itapoã Granja do Torto Paranoá Sobradinho São Sebastião Taguatinga Ceilândia Brazlândia

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES

PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES Coordenação geral: Julieta Carriconde Fripp Coordenação técnica: Isabel Arrieira Coordenação Administrativa: Airton Oliveira 1 - ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DECRETO Nº, DE DENOVEMBRO DE 2015

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DECRETO Nº, DE DENOVEMBRO DE 2015 3 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DECRETO Nº, DE DENOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aestrutura administrativa da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. ROXO - SUBSECRETARIA VERDE COORDENAÇÃO AMARELO

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

II Fórum de Qualidade de Vida do Senado Federal

II Fórum de Qualidade de Vida do Senado Federal II Fórum de Qualidade de Vida do Senado Federal "O dependente químico e a responsabilidade social" Patrícia Oliveira Barbosa Assistente Social PADQ/SEE Responsabilidade Social É a forma de gestão que se

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 (Publicada no D.O.U. 03 Junho 2003, Seção I, pg. 84) Dispõe sobre normas técnicas necessárias à assistência domiciliar de paciente, definindo as responsabilidades do médico,

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

Entendendo a Assistência Domiciliar

Entendendo a Assistência Domiciliar 1 Entendendo a Assistência Domiciliar Copyright 2003 para Home Health Care Doctor Serviços Médicos Domiciliares Av. Hélio Pellegrino, 420 - Moema São Paulo - SP - CEP 04513-100 Telefone: (0xx11) 3897-2300

Leia mais

Manual Instrutivo do Melhor em Casa

Manual Instrutivo do Melhor em Casa Manual Instrutivo do Melhor em Casa 1. Atenção Domiciliar A demanda por melhorias na qualidade da atenção e por cuidado integral à saúde, além do envelhecimento da população associada à transição epidemiológica

Leia mais

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or Guilherme Villa Novembro de 2013 Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos Diretor Médico do Hospital Quinta D Or A Importância Social do Tema Long-term care services are needed by individuals

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/DAB Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar Ação: Ampliação e qualificação da atenção domiciliar. Para quem:

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR ROSANI DA ROSA BENDO 1 LAIS PRISCILA FAGHERAZZI 2 MARA LUCIA RENOSTRO ZACHI 3 INTRODUÇÃO:

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

45 anos no DF. 67 anos no Brasil. 07 unidades operativas

45 anos no DF. 67 anos no Brasil. 07 unidades operativas Senac: Pronatec abril/2014 Senac breve história 45 anos no DF. 67 anos no Brasil. 07 unidades operativas Sobradinho Gama Taguatinga Norte 903 Sul SCS (duas) Ceilândia Você quer trabalhar? Ter renda? Brasil:

Leia mais

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos.

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos. Introdução A Assistência Domiciliar surge para responder à demanda de individualização da assistência, realizando cuidados na privacidade do domicílio do paciente, possibilitando ao mesmo e à família participarem

Leia mais

11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa

11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa Cuidados paliativos: cuidados ao fim da vida 11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa Marco Polo Dias Freitas Edgar Nunes de Moraes Este módulo e o próximo Dinâmica da rede de atenção à

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização A relação do Programa Melhor em Casa com a rede hospitalar é estratégica e fundamental para viabilizar a desospitalização, permitindo

Leia mais

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007 Auditoria Operacional: Qualidade das instalações físicas das escolas públicas do Distrito Federal 2007 Processo nº 37.711/2006 - ANEXO - FOTOS DAS ESCOLAS VISITADAS DATA DAS VISITAS: 05/FEV A 09/FEV DE

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

Universidade Anhanguera-Uniderp

Universidade Anhanguera-Uniderp Universidade Anhanguera-Uniderp O papel da Atenção à Saúde na gestão de crônicos idosos na saúde suplementar Gisele Silva Piva Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado no MBA em Gestão de Planos

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Atenção domiciliar

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Atenção domiciliar CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Sara Turcotte Introdução A visita domiciliar é um instrumento de trabalho que pertence ao mundo dos cuidados de saúde desde o início do desenvolvimento da medicina e dos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Relatório Técnico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA O Estatuto do Idoso três anos depois da promulgação 16 a 22 de agosto de 2006 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública de abrangência restrita ao

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 001/2007 O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

Gerenciamento de Casos Especiais

Gerenciamento de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais Cuidados especiais pra Quem É especial. QUEM ama cuida. 2 o programa Gerenciamento de casos especiais, oferecido pelo departamento de Qualidade de vida e saúde, da unimed

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

Oportunidade de estágio

Oportunidade de estágio Id Oportunidade: 11597 / Empresa: privada / Semestre Oportunidade de estágio Semana de 26 a 31 de Maio de 2015 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DO PROCESSO SELETIVO INSCREVA-SE NO SITE: www.bred.com.br ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS NDF IN PROFISSIONAIS Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição (fantasia):

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Desospitalização com Segurança: o que há de novo?

Desospitalização com Segurança: o que há de novo? Desospitalização com Segurança: o que há de novo? William Nascimento Viana, MD, MSc Gerente da Qualidade - Hospital Copa D Or RJ Médico Clínico Geral PRONEP RJ Avaliador trainee de acreditação JCI 11ª

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na RELEMBRANDO... Perspectiva de RAS A RAS é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ JOCELINA AP. S. P. DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ JOCELINA AP. S. P. DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ JOCELINA AP. S. P. DE OLIVEIRA ATENDIMENTO DOMICILIAR AO IDOSO CURITIBA 2012 JOCELINA AP. S. P. DE OLIVEIRA ATENDIMENTO DOMICILIAR AO IDOSO Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

Resolução SS - 82, de 14-8-2015.

Resolução SS - 82, de 14-8-2015. Circular 274/2015 São Paulo, 17 de Agosto de 2015. Resolução SS - 82, de 14-8-2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Diário Oficial do Estado Nº 151, segunda-feira, 17 de agosto de 2015. Prezados Senhores,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DF SECRETÁRIO DR. RAFAEL DE AGUIAR BARBOSA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Visão Ter um sistema que a população conheça, preze e confie, sendo

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Prontuário Domiciliar Colaboradores: Maria Leopoldina de Castro Villas Bôas (Gerente de Atenção Domiciliar/SES DF), Josefa Graciene Silveira Santos, Viviane

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

TABELA SALARIAL Outubro de 2009 Fonte: Coordenadoria de Recursos Humanos - Secretaria Estadual da Saúde GRATIFICAÇÕES Salário Base GEA Executiva Geral

TABELA SALARIAL Outubro de 2009 Fonte: Coordenadoria de Recursos Humanos - Secretaria Estadual da Saúde GRATIFICAÇÕES Salário Base GEA Executiva Geral TABELA SALARIAL Outubro de 2009 Fonte: Coordenadoria de Recursos Humanos - Secretaria Estadual da Saúde 674/92 Agente de Saneamento 206,55 326,61 32,00 80,00 645,16 265,00 910,16 674/92 Agente de Saúde

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

A TOXICOLOGIA NO SUS: EXPERIÊCIAS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS. Sérgio Yoshimasa Okane CGMAC/DAET/SAS/MS CGUE E CGFM-SUS/DAHU/SAS/MS

A TOXICOLOGIA NO SUS: EXPERIÊCIAS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS. Sérgio Yoshimasa Okane CGMAC/DAET/SAS/MS CGUE E CGFM-SUS/DAHU/SAS/MS A TOXICOLOGIA NO SUS: EXPERIÊCIAS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Sérgio Yoshimasa Okane CGMAC/DAET/SAS/MS CGUE E CGFM-SUS/DAHU/SAS/MS Sumário de Apresentação Contexto de Criação da FN-SUS Escopo de atuação,

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS 1) PAB FIXO Podem ser custeados com o PAB-FIXO, todos os procedimentos pertinentes à atenção básica da saúde (ambulatorial),

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

Desafios atuais decorrência do envelhecimento populacional: a assistência suplementar de saúde e seus projetos de cuidado para com o idoso RELATÓRIO FINAL 1- INTRODUÇÃO Uma das maiores conquistas da humanidade

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais