'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra."

Transcrição

1 DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle da produção trabalha-se com 3 variáveis básicas: Capacidade de produção; Demanda; Estoques. As variáveis Demanda e Capacidade são equilibradas buscando um melhor desempenho econômico, idealmente a utilização plena da capacidade produtiva leva a custos unitários menores e os estoques permitem alcançar o objetivo de balancear demanda e produção, conforme Wallace (1999, pg. 16). Ora o PCP determina a superprodução, ou seja, produz adiantado à demanda para melhor utilizar a capacidade, mas gerando estoques de materiais que não estão comprados. Os lotes econômicos são utilizados para estes cálculos, ou seja, qual o menor lote a ser produzido que compense os custos da perda de produção pela parada para a troca da ferramenta na maquina (alguns outros custos são inclusos neste calculo, como valores médios para os processos administrativos e logísticos associados, como por exemplo o custo de geração da ordem de produção, o custo da movimentação dos materiais ate o ponto de uso). Ora o PCP não produz determinado produto que já está disponível no estoque, pois foi produzido anteriormente à demanda firme. Como os estoques são a expressão de um material parado, o custo do capital imobilizado representa um aumento de custo. Mas a percepção da produção tradicional é muito tolerante em relação a estoques, pois o custo total associado ao excesso de estoque é muito mais alto que apontado pelas empresas. Portanto, o dimensionamento dos estoques é uma preocupação crescente das empresas e a competência no correto dimensionamento dos estoques é cada vez mais valorizada. '$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$&!"#$%!$& Figura 1 - Relação do custo de manutenção de estoque e custo de venda perdida Fonte: Wallace (1999, pg. 16) O que são estoques Os estoques são o acúmulo de material (material parado em espera) entre dois processos, expressa falta de fluxo entre os dois processos. O depósito de material tem um custo, pois representa capital parado, mas tem um papel relevante na manufatura ou distribuição, que é tornar dois processos independentes entre si. Quanto maior o estoque entre duas fases, maior a independência entre as fases, no sentido que interrupções em uma não acarretam interrupções na outra. Os estoques servem para regular diferenças entre as taxas de produção entre o processo fornecedor e o processo cliente. Os tipos mais comuns de estoques são: Estoque em processo ou WIP (Work in Process); estoque pulmão ou buffer, utilizados para proteger operações gargalo ou proteger os processos apos o gargalo contra paradas por falta de material para processar (estas paradas frequentemente são causadas por quebra ou baixa disponibilidade), estoque de segurança (usados para proteger o cliente de rupturas por variação de demanda); estoques de matéria prima ou componentes; estoques de produtos acabados. Estoques tem as seguintes funções:! 1

2 1. Política de Atendimento ao cliente: estoques permitem o atendimento do cliente à pronta entrega, elevando o nível de serviço ao cliente. É uma estratégia produtiva que da resposta aos requisitos dos clientes em uma larga serie de negócios, como o varejo de consumo. Os leadtimes de atendimento são assim reduzidos. 2. Aumentar o tamanho dos lotes de produção: buscando uma maior produtividade, lotes de fabricação maiores que a demanda permitem redução de tempos de troca de ferramenta, mas geram estoques pelo fato da produção ser maior que a demanda. Na produção tradicional o tamanho dos lotes é grande para evitar as paradas para troca. Embora os grandes lotes impactem em aumento dos leadtime produtivos, a disponibilidade do produto em estoque compensa este atraso. O custo são altos níveis de estoques, considerados normais pela produção tradicional que calcula custos médios unitários e não custos totais. 3. Economia com o transporte: maiores lotes reduzem a frequência de transporte. 4. Economia de compras e balanceamento de riscos: grandes lotes permitem o poder de barganha para obter custos médios unitários menores, disponibilidade de estoques aumentam a Confiabilidade do cliente no atendimento aos seus pedidos, tudo isto a um custo superior, pois altos lotes de compras demandam grande espaços de armazenagem, sistemas de informação para o gerenciamento dos estoques (Warehouse Management System), uma equipe para administração, controle e transporte dos estoques, cujos custos estão diluídos na estrutura da empresa e não são considerados na comparação direta do custo médio unitário do item quando do momento da compra. 5. Variação da demanda: Como a demanda varia de forma imprevisível, estoques de segurança são criados para compensar a picos de demanda. No caso destes picos não se realizarem, corre-se o risco de ter saldos de estoque que não giram e precisa ser vendidos com descontos bem superiores a margem de contribuição do produto, impactando negativamente sobre o lucro da empresa. No caso do lançamento de novos produtos, um estoque inicial é feito para testar o giro do produto novo no mercado. Caso o produto gire, os estoques são repostos conforme consumo. No caso de produtos sazonais, vendidos em determinado período, é necessário formar um estoque de segurança para a venda no momento do pico de consumo. Exemplos típicos são chocolates vendidos na Pascoa e Natal. Segundo Ballou (2006), estoques são acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes, materiais em processo e produtos acabados que surgem em diferentes pontos de uma cadeia de valor. Segundo o autor, existem cinco tipos de estoque: no canal (de distribuição), de especulação (sazonal), cíclico (consumo regular), de segurança (picos de demanda ou ruptura no fornecimento (lado de suprimento externo) e obsoleto (fora da validade). O estoque no canal significa em trânsito, ou seja, em transporte entre os elos da cadeia de suprimento. O estoque especulativo é formado para fins de especulação ou como forma de antecipação às vendas sazonais. O estoque cíclico é necessário para suprir a demanda média durante o tempo transcorrido entre sucessivos reabastecimentos. O estoque de segurança que é formado como pulmão contra a variabilidade na demanda (fatores externos) ou nos prazos de reposição pelo fornecedor externo. Quando se esta falando da produção interna (na própria empresa) fala-se de fatores internos e os estoques que amortizam a instabilidade da demanda são chamados de estoque pulmão. É considerado estoque obsoleto quando o estoque se deteriora, fica ultrapassado ou acaba sendo perdida/roubada. Segundo Chiavenato (2005), o tamanho do almoxarifado ou depósito representa fisicamente o tamanho da incompetência da empresa. Existem negócios em que um considerável nível de estoque é necessário, como as redes varejistas, supermercados e outros setores altamente competitivos. Ballou (2006) destaca o problema de estabelecer o nível de estoque de segurança. Como o estoque de segurança aumenta o nível médio dos estoques e afeta o nível dos serviços aos clientes por meio da disponibilidade do estoque, o custo das vendas perdidas diminui. Conforme a Figura 1, aumentar o nível médio dos estoques aumenta o custo de manutenção do estoque. Os custos de transporte permanecem relativamente constantes. Assim se busca um equilíbrio entre esses custos conflitantes. 2

3 Figura 2. Relação do custo de manutenção de estoque e custo de venda perdida Fonte: Ballou (2006, p. 58) Tubino (2009) lista as diferentes funções dos estoques nos sistemas produtivos: a) Garantir a independência entre etapas produtivas b) Permitir uma produção constante c) Possibilitar o uso de lotes econômicos d) Reduzir os lead times produtivos e) Colocar segurança no sistema produtivo f) Obter vantagens de preço O autor observa que os estoques são criados para absorver diferentes problemas do sistema de produção alguns deles, como a sazonalidade, são insolúveis, outros como o atraso na entrega de matérias-primas ou a produção de itens defeituosos podem ser resolvidos, como os estoques não agregam valor aos produtos, quanto menor o nível de estoques com que um sistema produtivo conseguir trabalhar, mais eficiente e enxuto esse sistema será. Os estoques estão relacionados (ou são a causa ou a conseqüência) a todas as sete perdas que devem ser combatidas para se chegar à manufatura enxuta superprodução, espera, transporte, processamento, estoque, movimentos desnecessários e produtos defeituosos um dos melhores indicadores de desempenho da eficiência dos sistemas produtivos é a análise e acompanhamento do giro de estoques. As seguintes decisões devem ser tomadas na gestão dos estoques: a) dimensionar o tamanho dos lotes de reposição, relacionado aos custos envolvidos com a reposição e manutenção dos estoques no sistema produtivo; b) dimensionar tamanho dos estoques de segurança, relacionado com os erros de previsão e com o nível de serviço previsto; c) definir o modelo de controle de estoque, relacionado à importância relativa do item para o atendimento do cliente e a produtividade do sistema de produção quando da produção daquele item específico; Para o calculo dos custos dos estoques consulte o livro texto da disciplia (Tubino (2009) capitulo cap. 5. Dimensionamento dos Estoques 3

4 Para o cálculo do nível dos estoques existem modelo simplificados, como apresentado por Smalley (2005, pg. 21), ilustrada na Figura 3. Modelos mais elaborados como mostra Tubino (200 /01#&' /01#&' /01#&' /01#&'!"#$%&'!"#$%&'!"#$%&'!"#$%&' ()*"+,-.,' ()*"+,-.,' ()*"+,-.,' ()*"+,-.,' S T Q Q SS T Q Q SS T Q Q SS T Q Q S semana semana semana semana Figura 3. Estoques de ciclo, pulmão e segurança Para o cálculo do nível dos estoques multiplicamos duas variáveis básicas: demanda em dias ( o elemento que retira as peças do estoque) e tempo de Ressuprimento em dias ( o elemento que repõe as peças retiradas). O Estoque Máximo = Estoque de Ciclo + Estoque Pulmão + Estoque de Segurança Estoque de Ciclo = Demanda média diária X Leadtime médio de reposição em dias Expressa o consumo regular do produto de boa qualidade durante o período de Ressuprimento. Estoque de Pulmão= como 25 % do Estoque de ciclo Expressa a falta de estabilidade da produção em termos de qualidade e quebra de máquina (fatores internos), que dificultam o fornecimento do lote a ser reposto e criam uma instabilidade no ressuprimento do processo cliente. É uma visão interna da produção. Quando precisamos de um estoque pulmão entre as máquinas? a) Quando existe instabilidade nos processos internos e a produção não cumpre o programado; b) Imprevistos na produção como Quebras de máquina, falta de matéria prima, segunda qualidade, falta de operadores; c) Quando existem gargalos internos (processo que limita a capacidade produtiva de uma cadeia) coloca-se um pulmão na frente para evitar que o gargalo pare. A produção perdida no gargalo não se recupera mais, nem em finais de semana d) Dentro do Estoque Pulmão deve-se seguir FIFO; Estoque Segurança= 20% do (Estoque Ciclo + Estoque pulmão) Expressa as variações da demanda do cliente (fatores externos), são picos e vales de demanda além do previsto. Quando precisamos de um pulmão? a) Quando a demanda do cliente externo varia além do previsto a) demanda A demanda pode ser prevista utilizando os históricos no mesmo período (meses) em anos anteriores, atualizada pela perspectiva da área de vendas, que deve dar a informação do que será vendido no próximo período. Recomenda-se fazer uma media do consumo de 3 meses para estipular o valor a ser colocado no estoque. Igualmente valioso é analisar a carteira firme do produto em analise, carteiras firmes são produtos vendidos, então analisar a carteira firme dos próximos meses ou mesmo a carteira total é importante. O atendimento do cliente é impactado por oscilações de demanda, que são protegidos por estoques, ou seja, os picos de demanda só são cobertos se houver estoque de segurança suficiente. 4

5 b) tempo de Ressuprimento. O leadtime de reposição é de suma importância para a determinação do nível dos estoques, quanto maior o leadtime maior serão os estoques de ciclo (demanda média diária) necessários. O leadtime de Ressuprimento é composto por todas as etapas desde o momento do pedido até a entrega nos estoques do cliente, ou seja, o produto volta ao estoque e esta disponível para uso. A Figura mostra a composição dos tempos. Perceba que o leadtime inclui todos os tempos de não agregação de valor, todas as paradas e esperas são percebidas pelo cliente no tempo de atendimento, ou seja, o tempo não para. Leadtime de Ressuprimento=Leadtime da informação + tempo de setup + leadtime produtivo + Leadtime de entrega Lead time da informação ou pedido Pedido FORNECEDOR CLIENTE Tempo setup+leadtime produtivo Tempo de transporte e entrega!"#$%&'()(*$()"')"'+#,-$.$"'/%(#' Figura 4. Componentes do leadtime de Ressuprimento Fonte: Adaptado do Instituto Lean A quantidade a ser ressuprida é calculada da mesma forma segundo Coimbra (2004), que detalha com um conjunto maior de variáveis, se estiverem disponíveis, conforme abaixo: Estoque de ciclo = Demanda Média Diária (por dia) X Leadtime de Reposição (em dias) Leadtime de Reposição = TI + TF + TS + TP + TT TI=Tempo de transmissão da informação ao longo do sistema (cliente/fornecedor). TS=Tempo médio da troca de ferramenta (setup). TP=Tempo mais longo para a produção do lote do item. TT=Tempo de transporte do material ao longo do sistema (fornecedor / cliente). Estoque Buffer = (Pico DM(por dia)) X Nº Picos B...Buffer DM...Demanda média diária. Picos...Pico de demanda diária. Nº Picos...Qtd de picos dentro do tempo de reposição. Estoque Segurança = %E + SOEE S...Segurança %E...Erro na previsão de demanda. SOEE...Segurança para a variação do OEE. Para a visualização do nível físico dos estoques, observe a Figura 5. 5

6 Nível mínimo Ponto de reposição Figura 5. Nível dos estoques para dois itens de estoque O nível máximo dos estoques é quando os estoques estão completos, após o lote de ressuprimento ter sido entregue nos estoques. Os estoques completos são sinalizados visualmente com a cor verde, que expressa que o estoque tem condição de atender o cliente dentro do ritmo previsto da demanda. A medida que o estoque de ciclo vai sendo consumido ao longo dos dias da semana, seguindo a linha descendente da Figura 3, o nível dos estoques vai baixando ate alcançar o ponto de reposição (amarelo). Visualmente a cor amarela expressa atenção, a partir deste momento o nível do estoque chegou ao fim do estoque de ciclo, e temos estoque suficiente para atender o cliente o tempo suficiente para que o estoque seja reposto (leadtime de Ressuprimento). Neste tempo o cliente é atendido do estoque ate chegar ao mínimo, entrando então pelo estoque de segurança adentro. Se o leadtime de Ressuprimento projetado for atendido, não será preciso entrar nos estoques pulmão. Se o fornecedor não conseguir atender o tempo de ressuprimento por quebra de maquina ou qualquer outro problema interno, o estoque pulmão será consumido. Caso a demanda do cliente seja superior ao previsto, uma quantidade maior de pecas será consumida, quebrando o ritmo de demanda previsto. Esta demanda a maior será atendida a partir do estoque de segurança. Na prática os estoques pulmão e segurança são um só, e muitos autores não os separam, chamando todos de segurança. A separação é útil para avaliar cada fator de instabilidade do atendimento da demanda do cliente. Exemplos de Cálculo dos Estoques Nível máximo 1. Uma família costuma ir ao supermercado 1 vez por semana sempre as sábados, a família consome 7 litros de leite por semana, mas quando chega visita o consumo aumenta para 9 l por semana. As visitas costumam vir 1 vez por semana. a) qual o estoque de ciclo que a família deveria manter? b) qual o estoque de segurança recomendado? 6

7 Política de Estoques Como classificar quais os itens se fazem necessário mantermos em estoque produto acabado a pronta entrega ou não? Esta questão é expressa tecnicamente na engenharia de produção com a expressão: que estratégia produtiva deve ser utilizada. Não confundir com os tipos de sistemas produtivos a serem projetados, que são a produção em massa ou contínua, a produção sob encomenda e a produção em lotes. O sistema produtivo é uma decisão de longo prazo, define o layout dos equipamentos e as questões físicas de organização e instalação da planta. A estratégia produtiva é uma forma de atender o cliente, impactando a forma de programar a produção e esta relacionado com o tipo de sistema produtivo, mas a estratégia produtiva pode mudar no curto e médio prazo para qualquer tipo de sistema produtivo. Para decidir quais itens do portfólio de produtos da empresa manter em estoque, uma classificação utilizando dados de frequência e demanda é utilizada, para o volume de peças vendidas ou previstas. Conhecida como Classificação FMS x ABC, nome vindo da língua inglesa, que representa Fast, Medium, Slow (Rápido, Médio, Lento) para os valores da frequência de venda ao longo de um período de tempo, comumente meses do ano ou semanas do ano. O critério A, B, C, letras que são utilizadas para dividir a demanda em três faixas, do A onde se encontram o volume mais representativo da demanda até a C a menos representativa, conhecida também como curva de Paretto ou classificação ABC. Segundo Ballou (2008), o Diagrama de Pareto é uma forma de controle agregado de estoques, diferenciando produtos e materiais em um número limitado de categorias para que sejam aplicadas políticas de estoques diferenciadas. Nem todos os produtos possuem importância igual para a empresa em termos de vendas, margem de lucro, fatia de mercado e competitividade. Para Slack, Chambers e Johnston (2007) o maior benefício da classificação ABC é permitir que os esforços sejam concentrados no controle dos itens mais significativos em estoque. Frequência: É utilizada uma base de dados históricos de vendas dos produtos em uma base diária. Fast: itens que possuem uma alta frequência de pedidos, produtos que os clientes compram todos os dias; Medium: itens que possuem uma média frequência de pedidos faturados, produtos que os clientes compram todas as semanas, porém nem todos os dias; Slow: itens que possuem uma baixa frequência de pedidos faturados, produtos que os clientes compram uma vez por mês. Demanda: Também iremos nos basear em uma base de dados históricos do número de peças vendidas dentro do mês. A: representam os itens de alta demanda, onde se encontram os produtos que somados representam oitenta por cento do número de peças vendidas; B: representam os itens de média demanda, onde se encontram os produtos que somados representam quinze por cento do número de peças vendidas; C: representam os itens de baixa demanda, onde se encontram os produtos que somados representam cinco por cento do número de peças vendidas. FMS x ABC: Após extração de dados, montamos a matriz de Classificação FMS x ABC, alocando cada item na sua respectiva lacuna dentro da tabela. Figure 5. Matriz de Classificação FMS x ABC. 7

8 Fonte: Adaptado Coimbra (2004) A faixa verde é onde se encontra a maior representatividade do volume de peças vendidas, aproximadamente noventa por cento. É com estes itens que trabalharemos com estoque de produto acabado, os chamando de Make to Stock, MTS (feito para estoque). Os demais itens das faixas amarela e vermelha terão a montagem sobre encomenda, as siglas ATO e MTO dividem estes itens em duas categorias Assemble to Order, ATO (montado sobre pedido) temos os componentes para a montagem em estoque porém a ordem de produção do produto final é feita somente sobre encomenda e o Make to Order, MTO (produzido sobre pedido) temos sua produção iniciada do zero, desde os componentes até o produto acabado, nestas faixas esta distribuída aproximadamente dez por cento do volume de peças vendidas. Estes critérios nos dão uma sugestão de política de estoque, o que não impede por estratégia da organização fazer ou estoque mesmo que este formato não o recomende. 8

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br 1 Projetar sistemas de movimentação e armazenagem de materiais baseados nos princípios lean 2 Aprender a desenhar o fluxo de informações e materiais

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação.

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação. Fascículo 8 Planejamento e controle da capacidade Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de administração da produção. Um

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Controlo e Gestão de Stocks

Controlo e Gestão de Stocks Publicação Nº 13-19 Maio 2010 Controlo e Gestão de Stocks PONTOS DE INTERESSE: Gestão de Stocks Sistemas de Inventário Controlo das saídas Uma gestão eficaz dos stocks é importante para qualquer empresa,

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques.

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Luiz Alberto Viana Menezes Guedes 1 Charles Emerson Cabral Marinho 2 Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO.

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. José Carlos A. Cordeiro Valesca A. Corrêa Julio M. Filho cordeiro21jcac@gmail.com valesca.correa@unitau.com.br eng.juliomalva@gmail.com

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUCILENE SCHMOELLER DE OLIVEIRA PROPOSTA DE APLICAÇÃO DO SISTEMA PUXADO EM UMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANDRÉ MIRANDA CORREA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANDRÉ MIRANDA CORREA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANDRÉ MIRANDA CORREA IMPLANTAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE APONTAMENTO INTERMEDIÁRIO

Leia mais

A gestão de estoque no contexto da logística

A gestão de estoque no contexto da logística A gestão de estoque no contexto da logística Beranice Maria de Lima Torquato (Instituição Toledo de Ensino) beranice@terra.com.br Resumo Esse artigo visa avaliar a gestão do estoque dentro da logística.

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção;

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção; Fascículo 7 A atividade de compras Não existe a área de suprimentos sem que exista a atividade de compras, que é fundamental para a gestão da área de materiais. Um bom volume de vendas e uma abordagem

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6.

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6. Programação e Controle da Produção Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 Conceitos gerais de planejamento Aula 2 Planejamento de produção Aula 3 Planejamento de recursos Prof. Me. John Jackson Buettgen

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS WWWCONVIBRAORG ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS Adriene Sugahara de Paula (UFF/Volta Redonda) adrienesp@iduffbr Denise Cristina de Oliveira Nascimento (UFF/Macaé)

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

Sistemas de Gestão de Estoques

Sistemas de Gestão de Estoques CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos Curva ABC A curva ABC tem por finalidade determinar o comportamento dos produtos ou dos clientes. Podemos desenvolver diversos tipos de curvas ABC contendo os seguintes parâmetros: 1. Produto X Demanda

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Módulo 5 Gestão de stocks

Módulo 5 Gestão de stocks Gestão das Operações Módulo 5 Gestão de stocks 5-1 Sumário (1/2) 1. Funções dos stocks Tipos de stocks 2. Análise e controlo de stocks Análise ABC Precisão dos registos Contagens periódicas 3. Modelos

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCEITOS SOBRE CUSTOS DA QUALIDADE (APOSTILA) Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

ESTUDO DE CASO ARADO S/A

ESTUDO DE CASO ARADO S/A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - ESTUDO

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Administração Materiais X Distribuição Física

Administração Materiais X Distribuição Física ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 2 Administração Materiais X Distribuição Física A é o inverso da Distribuição Física Trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés

Leia mais

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston 20030917 Adm250 Administração da Produção 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DÉBORA PEREIRA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DÉBORA PEREIRA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DÉBORA PEREIRA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA PUXADO DE MATÉRIA PRIMA (KANBAN) PARA

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência

GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência 1 GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência RESUMO As empresas do mundo atual buscam melhores alternativas para que se tenha um bom método de gestão dentro da organização,

Leia mais

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA ANÁLISE E PROPOSTA DE REDUÇÃO DO LEAD TIME DE ATENDIMENTO

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais