- (41) Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR"

Transcrição

1 - (41) Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR

2 ROSIMERE BENITES Dados Pessoais: Casada: Reinaldo Benites Filha: Beatriz Benites (16 ANOS AUTISTA) Rua Canadá, 98 Jardim Monte Santo - Almirante Tamandaré Paraná Formação: Teologia Pedagogia Capacitação em aconselhamento (DST/AIDS) Informática Extensão universitária em Escola que protege (UFPR) Trabalho na Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré Setor da Saúde Programa DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Como mulher sou esposa, mãe, dona de casa e trabalho fora, cuido da Associação, sou pastora auxiliar numa igreja do Evangelho Quadrangular próximo a minha casa onde desenvolvo alguns trabalhos. Fundadora e Presidente da Associação de Atendimento e Apoio ao Autista Curitiba PR AAMAPARA.

3 COMO SURGIU A AAMPARA Tudo começou quando minha filha Beatriz, com 1 ano e meio sofreu uma alteração comportamental brusca. A partir daí começamos uma busca frenética para ajudar nossa filha e se desenvolver, por quase quatro longos anos procurei vários médicos que pudesse fazer um diagnóstico e com isso direcionar uma intervenção adequada. Nessa trajetória encontrei muitas mães vivendo a mesma angústia e desespero, sem encontrar um diagnóstico precoce e intervenção qualificada. Resolvi que precisava fazer algo em prol destas crianças que tanto precisa da ajuda.

4 -Desde 2006, ano em que foi fundada, a AAMPARA participa de campanhas de conscientização sobre o autismo, visando uma maior visibilidade das dificuldades enfrentadas pelos autistas e seus familiares. -Orientação aos pais ao receberem o diagnóstico de autismo de seus filhos e os possíveis encaminhamentos. -Mantém representatividade junto a Comissão da Pessoa com Deficiência e da Comissão de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, buscando melhorias no atendimento, na rede pública de saúde. -Participou da formulação da lei de 30 de abril de 2013, que institui, no âmbito do Estado do Paraná, as diretrizes para a política estadual de proteção dos direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autista TEA.

5 -No final de maio de 2013, entregou ao Ministério Público, um dossiê apontando as principais necessidades dos autistas e suas famílias, buscando garantir seus direitos constitucionais, atendimento à saúde e educação. Neste mesmo documento foi sugerido um centro que contemplasse saúde e educação, visando um suporte no contra turno das crianças em idade escolar e atendimento especializado aos que não tem indicativo de frequentar a escola regular, devido à severidade do seu quadro.

6 -Participação na 6ª Conferência Local de Saúde Amigo Especial, em julho de 2013 no Pequeno Cotolengo, onde foi aprovada a pauta sobre a criação do Centro de Referência em Autismo que deverá ser discutida também na Conferência Distrital de Saúde e tem como objetivo que a proposta chegue até a 12ª Conferência Municipal de Saúde e seja incluída na meta plurianual da prefeitura de Curitiba. -Participação da 11ª Conferência Distrital de Saúde do Portão em agosto de 2013, reafirmando a proposta do Centro de Referência em Autismo, com o objetivo de dar maior visibilidade ao problema enfrentado pelas famílias quanto ao atendimento fragmentado e pouco resolutivo oferecido na rede pública de saúde em Curitiba.

7 -Participação na 12ª Conferência Municipal de Saúde de Curitiba realizada nos dias 22, 23 e 24 de novembro de 2013, no Colégio Estadual do Paraná. Nesta conferência foram votadas as propostas para a implementação das políticas municipais de saúde, bem como a eleição dos conselheiros que irão compor o Conselho Municipal de Saúde na gestão 2013/2015. Foram levadas a votação as propostas apresentadas pela CSM (Comissão de Saúde Mental), que conta com a representação da AAMPARA, solicitando a implantação de Centros especializados em TEA, com equipes multidisciplinares e metodologias de trabalhos adequadas ao autismo, diagnóstico precoce através de indicadores clínicos de risco e capacitação para profissionais e familiares, bem como as propostas aprovadas na Conferência Distrital.

8 -Participou no dia 05 de abril de 2014 do 1º Simpósio Regional Sobre Autismo organizado pelo Rotary Club e Rotaract Club Curitiba Água Verde em parceria com a Prefeitura Municipal de Curitiba, a Associação de Atendimento e Apoio ao Autismo (AAMPARA), a União dos Pais pelo Autismo (UPPA), a Ação Social para Igualdade das Diferenças (ASID) e o Centro CONVIVER. O 1 Simpósio Regional sobre Autismo, aconteceu nos Salão dos Atos no Parque Barigui e contemplou estudantes e profissionais de Saúde e Educação com palestras de capacitação sobre o Autismo e atividades de vivências com conscientização para a comunidade Curitibana, entre elas uma caminhada pelo parque com distribuição de folders sobre autismo.

9 -No dia 08 de abril de 2014, foi lançado o livro AUTISMO: PERSPECTIVAS NO DIA A DIA. O livro contou com a colaboração de uma equipe multiprofissional que traz de forma simples, informações atualizadas da parte médica, educacional e terapêutica, com o objetivo de auxiliar os profissionais e familiares de autistas a trabalharem o seu desenvolvimento. Este valioso trabalho teve a parceria da AAMPARA e do CENEP, patrocínio da ITAIPU e o apoio do deputado Péricles de Mello e colaboradores.

10 -A AAMPARA através de parceria com a Vibestudio, colocou no ar seu site com objetivo de colaborar com conhecimentos sobre autismo, legislações e também uma breve conscientização da importância dos familiares participarem das políticas públicas de saúde, colaborando desta forma para um atendimento mais alinhado as -necessidades destas famílias. -Disponibilizou no site uma FICHA DE CADASTRO DA PESSOA COM DIAGNÓSTICO DE AUTISMO, com o objetivo de traçar um perfil do autista em Curitiba e também fazer um comparativo com as demais regiões do país.

11 -Projeto Mulheres Mães teve início no 2º semestre de 2014 e continua em andamento. Pensando nas dificuldades enfrentadas cotidianamente pelas mães/cuidadoras de crianças autistas, é importante que se crie um espaço de acolhimento, permeado por trocas de experiências e saberes, onde elas possam expressar seus sentimentos, suas alegrias e seus desafios diários. Cornel, (2013, p.73) no livro Autismo perspectivas no dia a dia, relata que a família que recebe um membro autista passa por experiências únicas, tornando-se vulnerável à integração social, com predisposição à depressão e a um rompimento familiar. A autora conclui que o acolhimento a essa família e o atendimento especializado é fundamental para a criança e para estruturação familiar.

12 De acordo com Bosa (2002), há um alto nível de estresse nas mães de portadores de autismo. Dentre os fatores apontados como estressores surgem: os cuidados diários com a criança, a espera por tratamento e atendimento para o filho em instituições especializadas, bem como o deslocamento e os custos destes. Ainda lhe cabe a administração da casa e com essa sobrecarga de tarefas, resta pouco tempo disponível para si própria; associado a estes fatores, está a dificuldade de compreender a criança. Os rituais e as estereotipias do filho levam a cuidadora/mãe ao isolamento social, inclusive de amigos e familiares e denunciam a intensa demanda dessa população.

13 O Projeto Pensando nessas mulheres - mães, desenvolvemos um projeto que pudesse contemplar as mães e que seus filhos pudessem estar com elas nesse momento. O projeto tem como objetivo principal trabalhar com grupos de mulheres - mães de pessoas autistas. Para atingir esse objetivo tem-se como metas: Abordar a relação mãe-filho e o contexto de vida dessas mulheres com fins a (re) significar o cotidiano;

14 Ampliar a participação social. Pensar sobre o cotidiano destas mulheres, a forma com que vivenciam o cuidado deste filho, a sobrecarga, a falta de suporte social, mostra a importância de se criar práticas que as assistam em sua integralidade, apostando no resgate de sua identidade para que possam exercer o cuidado, sem que isso signifique a perda da sua condição de mulher. Para a elaboração deste projeto estão envolvidos a AAMPARA, e importantíssima participação da UFPR através de um voluntariado acadêmico orientado por professores do curso de Terapia Ocupacional e equipe técnica composta por fonoaudióloga, 2 terapeutas ocupacionais e 1 psicóloga.

15 O projeto acolheu no 2º semestre de 2014, 9 mães e 9 filhos com autismo, sendo que neste ano iniciamos o projeto com 18 mães e 18 filhos autistas de idades variadas. Estes atendimentos foram custeados com recursos do Instituto Positivo, que destinou parte da verba arrecadada com o Concerto de Natal de 2013, para a AAMPARA. E através da COMUNIDADE TERAPEUTICA MISSÃO SHALON, na pessoa do Pastor Rechier Alexandre que cedeu a casa terapêutica onde acontece o apoio as famílias dos internos em recuperação, para que pudéssemos trabalhar nas quartas feiras o único dia em que a casa não tem atividades.

16 Existe uma demanda muito maior, porém o espaço em que estamos atendendo não está adequado, mas podemos contar com muita alegria com o apoio de uma igreja localizada em local central. Embora seja notório os resultados obtidos com o grupo de mães e também com os filhos, precisamos de um local maior e melhor estruturado para podermos também dar início aos atendimentos individualizado de nossas crianças e também para captar recursos para ampliar de forma sustentável a instituição. - Neste ano fomos agraciados com o apoio da ASID, para a assessoria administrativa e capacitação dos membros dirigentes da AAMPARA.

17 Existe uma demanda muito maior, porém o espaço em que estamos atendendo não está adequado, mas podemos contar com muita alegria com o apoio de uma igreja localizada em local central. Embora seja notório os resultados obtidos com o grupo de mães e também com os filhos, precisamos de um local maior e melhor estruturado para podermos também dar início aos atendimentos individualizado de nossas crianças e também para captar recursos para ampliar de forma sustentável a instituição.

18 O atendimento com as crianças e adolescentes acontece em grupo, tem uma T.O. uma Psicóloga e uma Fonoaudióloga. A partir do interesse das crianças, é proposto brincadeiras com peças de dominó, ou quebra cabeça ou outros brinquedos que envolva as demais. O objetivo é estimular a participação no brincar livre e estimulando sua criatividade e interação social, a partir das atividades preferidas, é possível trabalhar regras sociais tomada na hora de ir embora, guardar o brinquedo que utilizou, entre outras. Como resultado, tem sido possível perceber que as crianças conseguem permanecer na atividade por um tempo, aumentando seu grau de atenção e permitindo o afastamento de suas mães. Além disso, também conseguiram interagir umas com as outras sem maiores dificuldades.

19 - Neste ano fomos agraciados com o apoio da ASID (Ação Social para as IGUALDADE das Diferenças), para a assessoria administrativa e capacitação dos membros dirigentes da AAMPARA.

20 1edicao/videos/t/curitiba/v/diagnostico-precoce-pode-auxiliar-odesenvolvimento-portadores-de-autismo/ Este é o endereço do Vídeo da RPC

21 Meu Anjo Azul Que me inspira Continuar Lutando

22

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2009 Transição de marca O Centro de Ação Voluntária de Curitiba completou 10 anos em março de 2008 e depois de ver consolidada uma etapa de vida da organização, iniciou um processo

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FEATI

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FEATI RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FEATI A responsabilidade social, para esta IES, representa um compromisso constante com o comportamento ético e consciente em favor da sociedade. Nesse sentido o ensino superior,

Leia mais

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo VIVER A CIDADE QUE A GENTE AMA. FAZER A SÃO PAULO QUE A GENTE QUER. Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo A importância da primeira infância O desenvolvimento

Leia mais

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância Edição XI Ano IV Novembro de 2015 Pela infância 1 editorial Por Misael Elias, integrante do CDC O ano de 2015 vai chegando ao fim e demonstra o quanto foi produtivo para o CDC de Pedro Leopoldo. O investimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento.

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR 1 TITULO DO PROJETO: Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. 2 SUMÁRIO: Atualmente muito se tem incentivado

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE RESOLUÇÃO N 008/2015 Dispõe sobre a inclusão de políticas do aluno autista no Núcleo de Pesquisa e Estudos em Educação para a diversidade e Inclusão da Mantida. A Diretora Geral da, no uso das atribuições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PORTO ALEGRE

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PORTO ALEGRE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PORTO ALEGRE Comissão de Educação Infantil Parecer n.º 007/2007 CME/PoA Processo n.º 001.040339.04.1 Credencia/autoriza o funcionamento da Escola de Educação Infantil

Leia mais

PNE uma conquista da sociedade

PNE uma conquista da sociedade Entrevista Sueli Rodarte, durante o 22º Fórum Estadual da Undime/MG, discutindo os desafios e as perspectivas da educação municipal Fotos: Ernandes Ferreira PNE uma conquista da sociedade Cristina Ministerio

Leia mais

Clipping Eletrônico - Quarta-feira dia 01/04/2015. Preço dos remédios sobe de 5% a 7,7% a partir desta 3ª feira

Clipping Eletrônico - Quarta-feira dia 01/04/2015. Preço dos remédios sobe de 5% a 7,7% a partir desta 3ª feira Clipping Eletrônico - Quarta-feira dia 01/04/2015 Portal D24 AM 01 de abril de 2015. Fonte: http://new.d24am.com/noticias/saude/preco-remedios-sobe-5-77- partir-desta-3-feira/131497 Preço dos remédios

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO. 2005 N.º Despacho

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO. 2005 N.º Despacho CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2005 N.º Despacho PROJETO DE LEI Nº 362/2005 TORNA OBRIGATÓRIO QUE TODAS AS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO QUE OFEREÇAM ATENDIMENTO PEDIÁTRICO EM REGIME

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL?

AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL? AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL? Getsemane de Freitas Batista IM/UFRRJ Márcia Denise Pletsch PPGEDUC/UFRRJ Eixo Temático: Política Educacional Inclusiva

Leia mais

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: EM

Leia mais

TELEVISANDO O FUTURO. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

TELEVISANDO O FUTURO. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) TELEVISANDO O FUTURO Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Área de Abrangência:

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR II: Serviços da Rede Básica Porto Alegre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial RELATÓRIO DE ATIVIDADES O CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG Campo Grande MS 2011 01- JUSTIFICATIVA A Prefeitura Municipal de Campo Grande com sua Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais e a Guarda

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL RELATÓRIO DE NOVE ANOS DE ATIVIDADES 2002-2011 CUIABÁ, MARÇO DE 2012. Introdução/Desenvolvimento: O CAPSi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPS Infantil)/CIAPS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução nº 014/2014, de 24 de julho de 2014. Determina publicação no Diário oficial de Porto Alegre do

Leia mais

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Valéria Araújo Quando crianças, adolescentes, jovens e familiares do distrito da Brasilândia

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015 CDC em foco Edição XI Ano IV Maio de 2015 Cuidados na infância 1 editorial Mais uma Semana do Bebê está chegando em Apiaí e Itaoca. E é claro que não podíamos deixar esse encontro passar batido! Na 11º

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL HOSPITALAR E DOMICILIAR NO RIO GRANDE DO NORTE

ATENDIMENTO EDUCACIONAL HOSPITALAR E DOMICILIAR NO RIO GRANDE DO NORTE ATENDIMENTO EDUCACIONAL HOSPITALAR E DOMICILIAR NO RIO GRANDE DO NORTE Resumo Andréia Gomes Silva 1 - SEEC Simone Maria da Rocha 2 - SEEC Grupo de Trabalho - Educação, Saúde e Pedagogia Hospitalar Agência

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

A APMF COMO PRINCÍPIO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA E DE INTEGRAÇÃO FAMÍLIA/ESCOLA

A APMF COMO PRINCÍPIO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA E DE INTEGRAÇÃO FAMÍLIA/ESCOLA A APMF COMO PRINCÍPIO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA E DE INTEGRAÇÃO FAMÍLIA/ESCOLA RESUMO KLENK, Henrique - PUCPR. henriqueklenk@pop.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR. Elisa.matheussi@pucpr.br ENS, Romilda

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE Raquel Silva Borges, Bolsista PET (Re) Conectando Saberes - UFU Ana Paula de Assis, Bolsista PIBID- Subprojeto

Leia mais

DISCUSSÕES DOS PAIS NA SALA DE ESPERA em

DISCUSSÕES DOS PAIS NA SALA DE ESPERA em HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Projeto OCUPANDO O TEMPO: REFLEXÕES E DISCUSSÕES DOS PAIS NA SALA DE ESPERA em busca de um melhor aproveitamento do tempo dos pais na espera pelos

Leia mais

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo):

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo): 20 DADOS PARA O ACERVO TÉCNICO DO NUTRICIONISTA I - IDENTIFICAÇÃO DA NUTRICIONISTA: Nome: II- DADOS PARA COMPOSIÇÃO DO ACERVO TÉCNICO: CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista POLÍTICAS PÚBLICAS DE ATENDIMENTO PARA AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Saúde Educação Trabalho Cultura, Esportes e Lazer Transporte Especializado Centros de Convivência Moradias Assistidas

Leia mais

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Introdução A convivência familiar e comunitária é um dos direitos fundamentais 1 garantidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, 1990). A lei ainda enfatiza que: Toda criança ou adolescente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL

PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL PROFIS SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO PALATAL PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL BAURU - 2012 1- Identificação Instituição Responsável: PROFIS Sociedade de Promoção Social do Fissurado Lábio

Leia mais

FACULDADE CAMARA CASCUDO PROJETO PARA A APAE

FACULDADE CAMARA CASCUDO PROJETO PARA A APAE FACULDADE CAMARA CASCUDO PROJETO PARA A APAE NATAL 2009 FACULDADE CAMARA CASCUDO PROJETO PARA A APAE PEDRO CORREIA PORTO NATAL 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Contextualização do problema... 5 1.2 Caracterização

Leia mais

TÍTULO: O VÍDEO COMO ELEMENTO COMUNICATIVO NO TRABALHO COMUNITÁRIO:

TÍTULO: O VÍDEO COMO ELEMENTO COMUNICATIVO NO TRABALHO COMUNITÁRIO: TÍTULO: O VÍDEO COMO ELEMENTO COMUNICATIVO NO TRABALHO COMUNITÁRIO: O PROJETO CASARÃO 1 AUTORAS: Roseli Esquerdo Lopes (relopes@power.ufscar.br); Denise Dias Barros (ddbarros@usp.br); Ana Paula Serrata

Leia mais

Iniciando nossa conversa

Iniciando nossa conversa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola Necessidades educacionais especiais dos alunos Iniciando nossa conversa Brasília 2005

Leia mais

O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência

O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência Izabel de Loureiro Maior Universidade Federal do Rio de Janeiro Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CoMDef

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde MANIFESTO : Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde INTRODUÇÃ O A Associação Brasileira de Ensino

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL FACULDADE MÉTODO DE SÃO PAULO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA ERIKA DE SOUZA NOGUEIRA JENIFFER OLIVEIRA RODRIGUES COSTA JESSICA PRISCILLA TESLENCO MARTINS PINHEIRO TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Escola que faz pela paz

Escola que faz pela paz Escola que faz pela paz Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto de Educação para Não Violência Cidade:

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA EXPERIÊNCIA COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ENTORNO DO LIXÃO DE CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL.

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA EXPERIÊNCIA COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ENTORNO DO LIXÃO DE CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL. EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA EXPERIÊNCIA COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ENTORNO DO LIXÃO DE CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL. Fabiola Silva dos Santos INTRODUÇÃO: A ocupação da periferia das cidades,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta MDS - MS 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE)

BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE) BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE) REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA A Brinquedoteca é um espaço criado para ampliar as práticas de ensinar

Leia mais

NASCIMENTO AMPLIA PARTICIPAÇÃO POPULAR NO ORÇAMENTO

NASCIMENTO AMPLIA PARTICIPAÇÃO POPULAR NO ORÇAMENTO Gabinete nº 9 - Rua São Bento, 887 Centro Fone: (16) 3301-0615 Site: www.vereadornascimento.com.br - e-mail: nascimento@camara-arq.sp.gov.br Assessoria: Elisandra, Aguinaldo e Vagner assessorianascimento@camara-arq.sp.gov.br

Leia mais

METODOLOGIA: O FAZER NA EDUCAÇÃO INFANTIL (PLANO E PROCESSO DE PLANEJAMENTO)

METODOLOGIA: O FAZER NA EDUCAÇÃO INFANTIL (PLANO E PROCESSO DE PLANEJAMENTO) METODOLOGIA: O FAZER NA EDUCAÇÃO INFANTIL (PLANO E PROCESSO DE PLANEJAMENTO) Celi Terezinha Wolff 24 de Junho de 2014 Em trios caracterizar e apresentar para o grande grupo: processo de planejamento; plano

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA Socorro Maria de Souza Lima RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR ÁREA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE:

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Valdir Monteiro Silva Cargo do Responsável: Coordenador da Comissão Eecutiva de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Contatos

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica.

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: ANÁLISE DAS PRÁTICAS CORPORAIS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ALAGOA GRANDE - PARAÍBA Waldilson Duarte Cavalcante de Barros Professor

Leia mais

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo DIREITOS HUMANOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CONVENÇÃO SOBRE

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. EDITAL N. 02 de 26 de abril de 2007.

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. EDITAL N. 02 de 26 de abril de 2007. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL N. 02 de 26 de abril de 2007. PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL I. OBJETIVO GERAL A União Federal, representada

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

AÇÕES FORMATIVAS EM ESPAÇO NÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO NO PROJETO SORRIR NO BAIRRO DO PAAR

AÇÕES FORMATIVAS EM ESPAÇO NÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO NO PROJETO SORRIR NO BAIRRO DO PAAR AÇÕES FORMATIVAS EM ESPAÇO NÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO NO PROJETO SORRIR NO BAIRRO DO PAAR Souza, Wanclesse Renata Gomes de 1, Silva, Fernanda Senna 2 1 Graduando em Pedagogia- Universidade Federal

Leia mais

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino:

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino: Rua do Atendimento Protetivo Municipalino: Esta é a Rua do Atendimento Protetivo. Esta rua tem como missão fundamental resgatar os direitos das crianças e dos adolescentes que foram violados ou ameaçados

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social PRÊMIO GESTOR PÚBLICO PARANÁ PGP/PR DADOS CADASTRAIS Ano/Edição: 2015 Município: Mandaguari - PR Função de Governo: III - Assistência Social CNPJ: 76285345-0001/09 Endereço: Avenida Amazonas, 500 - Centro

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL

PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL A AEBES/Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves HEJSN, promove anualmente eventos relacionados às datas comemorativas: aniversário do hospital, páscoa,

Leia mais

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS 1- O QUE É O TRABALHO INTERSETORIAL DA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? É uma diretriz de todas as políticas públicas

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 Ficam criados os cargos e ampliadas as vagas de cargos de provimento efetivo que integrarão o Anexo III da Lei Complementar nº 118, de 3 de dezembro de 2010,

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL PLANO DE AÇÃO ANUAL 2012 dezembro de 2011 a junho 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL Público-alvo: Beneficiários Do Rendimento Social de Inserção Nº de Participantes: 16 Horário: 9h00-17h30 Contacto: 249

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1439 ESPAÇO DE RESSOCIALIZAÇÃO: ATENÇÃO AO EGRESSO E À FAMÍLIA, COMARCA DE APUCARANA, PR Latif Antonia Cassab Márcia Josefina Beffa Amanda da Costa Mattos Bruna Balthazar de Paula

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

MEU AMIGO AUTISTA: UMA POSSIBILIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE AUTISMO ATRAVÉS DA ABORDAGEM CRÍTICO-SUPERADORA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

MEU AMIGO AUTISTA: UMA POSSIBILIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE AUTISMO ATRAVÉS DA ABORDAGEM CRÍTICO-SUPERADORA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. MEU AMIGO AUTISTA: UMA POSSIBILIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE AUTISMO ATRAVÉS DA ABORDAGEM CRÍTICO-SUPERADORA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Ana Paula de Melo¹; Ieda Mayumi Sabino Kawashita²; Renata Beatriz

Leia mais

Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1

Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1 Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1 Gustavo PELLA 2 Isabeli da Silva GUIRELLI 3 Jessé Florentino BENTO 4 Marlon Cine de LIMA 5 Rodolfo MIRANDA

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família A Intersetorialidade como estratégia ao atendimento integral à Pessoa com Deficiência, desde a Atenção Básica Coordenação de Programas de Reabilitação\SMS Rio de Janeiro Coordenação de Reabilitação e Atenção

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE. Antonio Rioyei Higa 1 Tutor PET FLORESTA/UFPR. Kelen Bührer Pedroso 1 Acadêmico PET FLORESTA/UFPR

SEMANA DO MEIO AMBIENTE. Antonio Rioyei Higa 1 Tutor PET FLORESTA/UFPR. Kelen Bührer Pedroso 1 Acadêmico PET FLORESTA/UFPR SEMANA DO MEIO AMBIENTE Antonio Rioyei Higa 1 Tutor PET FLORESTA/UFPR Kelen Bührer Pedroso 1 Acadêmico PET FLORESTA/UFPR Matheus Pinheiro Ferreira 1 Acadêmico PET FLORESTA/UFPR RESUMO Desde 2003, o PET

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais