CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social,"

Transcrição

1 Recife, 16 de setembro de 2011

2 CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, desenvolvimento econômico, educação, juventude, direitos humanos, esporte e lazer e que permanece estreitamente ligada as questões tidas como problema de polícia.; Dificuldade: não temos um diagnóstico da realidade que corresponda a magnitude do problema; ESTRATÉGIA: Construção coletiva potencializando as ações integradas entre os serviços/programas da PREFEITURA DO RECIFE e organizadas por eixos com foco no território Atuação descentralizada numa perspectiva de intersetorialidade e interdisciplinaridade garantindo o controle social e a participação da sociedade civil

3 Há inúmeros fatores biológicos, psicológicos e sociais envolvidos na cultura do consumo do crack e outras drogas. 3 3

4 PRINCÍPIOS: Atenção integral: o/a usuário/a deve ser visto de forma ampla e não apenas na questão específica da saúde; Participação comunitária: o cuidado do/a usuário/a na comunidade, no espaço onde ele/ela vive, perto da família; Territorialização: cada unidade deve atender um espaço determinado, para facilitar o vínculo; Estratégia da redução de danos: o principal objetivo é melhorar a qualidade de vida dos/as usuários/as; Intersetorialidade: a questão do tratamento não é só da saúde, por isso é necessário integrar as ações para incluir o/a usuário/a em outros espaços de cidadania.

5 GESTÃO INTEGRADA DO PLANO PREVENÇÃO DO USO, TRATAMENTO E REINSERÇÃO SOCIAL EDUCAÇÃO PERMANENTE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL ALIANÇAS ESTRATÉGICAS / PROJETOS INTEGRADOS - Objetivo: Instituir o Comitê Integrado de Atenção ào crack e as atribuições de cada instância. - Ojetivo: Integrar os/as agentes do território das Secretarias envolvidas (capilaridade agregada) para otimizar recursos e ampliar o acesso ao cuidado integral - Objetivo: Desenvolver a capacidade técnica/política dos/as profissionais envolvidos/as com a problemática do crack com o propósito de transformar e qualificar as práticas. - Objetivos: Envolver a sociedade civil e organizada fortalecendo os movimentos populares e as redes sociais; Fortalecer a capacidade de reunir, avaliar e aplicar informações sobre o uso do crack -Objetivo: Integrar iniciativas de cada Secretaria para diagnóstico (linha de base), prevenção, tratamento e monitoramento da situação do crack no Recife PLANO NACIONAL DO CRACK Secretaria de Saúde Secretaria da Assistência Social/IASC Secretaria de Educação Esporte e Lazer/Geraldão Secretaria da Juventude Secretaria de Ciência Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Secretaria de Direitos Humanos e Segurança Cidadã Secretaria de Cultura/ Fundação de Cultura Secretaria de Comunicação Secretaria Especial da Mulher Orçamento Participativo Secretaria de Gestão Estratégica Secretaria de Relações Institucionais PLANO ESTADUAL DO CRACK

6 Gestão Integrada do Plano Comitê Gestor (11 secretários e 11 suplentes) Comitê Executivo (02 Representantes por Secretaria) Comitês Regionais - 06 (Representantes das Secretarias nas RPAs) Atribuições: Tomada de decisões, monitoramento. Redirecionamento/inclusão de ações no plano. Articulação de parcerias. Apoio ao Comitê Executivo. Atribuições: planejamento e monitoramento da execução das ações do plano. Redirecionamento/inclusão de ações. Execução das decisões estratégicas tomadas pelo Comitê Gestor. Apoio aos comitês regionais. Atribuições: Construção do fluxo dos equipamentos/programas da RPA. Execução e monitoramento das ações. Subsidiar o redirecionamento das ações do plano.

7 A AÇÃO INTEGRADA ENVOLVE: Implantação de programas e serviços; Contratação e ampliação de equipes de trabalho; Requalificação e aquisição de novos espaços e equipamentos; Qualificação de serviços;

8 Ampliação do atendimento nas comunidades; Realização de pesquisas em parceria com a universidade; Formação continuada abordando a temática com os educadores, técnicos e gestores da Prefeitura; Articulação com entidades/organizações da sociedade civil.

9 PRINCIPAIS PROGRAMAS E SERVIÇOS Integração no território

10 ESPORTE E LAZER/JUVENTUDE Realização de oficinas sistemáticas esportivas e de lazer junto aos serviços socioassistenciais, nos territórios PRONASCI e em cerca de 100 comunidades do Recife através do programa Círculos Populares de Esporte e Lazer; Envolvimento de 180 profissionais; Requalificação de espaços e equipamentos da rede física esportiva e de lazer; Formação continuada abordando a temática Crack e outras drogas com as equipes que atuam nos territórios.

11 MULHER Atendimento as mulheres em situação de violência doméstica que fazem uso do Crack e/ou outras drogas Fortalecimento da articulação e do acesso aos serviços especializados de atendimento às/aos usuárias/os 30 profissionais envolvidas DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ Fortalecimento do acolhimento para os/as usuários/as de crack e outras drogas no Centro Margarida Alves

12 CULTURA Inclusão de mensagens e selo da campanha nos eventos culturais promovidos pela prefeitura Mobilização dos/as artistas para as campanhas de prevenção ao uso do crack e outras drogas Realização de formação com os/as profissionais das oficinas do Multicultural CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Inclusão dos/as usuários/as em Programas de qualificação profissional

13 EDUCAÇÃO Formação continuada abordando a temática Crack e outras drogas com professores/as e dirigentes escolares Incluir nos conteúdos escolares ações de prevenção ao uso de drogas nas escolas municipais Fortalecer as ações do Lição de Vida e Educações de Jovens e Adultos - EJA nos serviços da rede socioassistencial Inclusão dos/as usuários/as nos cursos profissionalizantes Promover a Cultura da Paz no ambiente escolar através dos Programas: Escola que Protege; Escola Segura do Recife e Escola Legal

14 ASSISTÊNCIA SOCIAL/IASC 12 Centros de Referência de Assistência Social (CRAS); 01 Centro de Referência Especializado de Assistência Social Neuza Gomes, 24 horas, voltado para população de rua (CREAS POP); 01 Centro de Referência Especializado de Assistência Social Ana Vasconcelos, voltado para adolescentes em cumprimento de Medidas Socioeducativas (Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade); 10 Casas de Acolhida, 01 República e 01 Casa de Passagem Diagnóstica.

15 GESTÃO ESTRATÉGICA E PLANEJAMENTO Monitoramento sistemático dos indicadores da AÇÃO INTEGRADA Processamento das informações dos fluxos de rede através dos comitês regionais ORÇAMENTO PARTICIPATIVO Fortalecimento comunitário da AÇÃO INTEGRADA no território COMUNICAÇÃO Interlocução com os veículos de comunicação

16 SAÚDE 17 CAPS (06 CAPS AD) 04 Casas do Meio do Caminho 06 equipes do Consultório de Rua/ 06 oficineiros/as 01 unidade de desintoxicação 20 escolas do Programa Saúde nas Escolas 20 NASF / Apoio Integrado no Território e Matriciamento do CAPS no PSF Integração ensino-serviço com a FAFIRE/UFPE/UPE/IMIP

17 INCREMENTO: Transformação de 1 CAPS AD para 24 horas Ampliação de 04 equipes do Consultório de Rua Implantação de 04 Casas do Meio do Caminho ( 01 para infância e adolescência) 10 Leitos de desintoxicação Implantação do Telessaude Educação permanente com o Escola de Redutores de Danos Inclusão de 30 escolas do 3º e 4º ciclo do Programa Saúde das Escolas

18 INCREMENTO: 01 Centro de Referência Especializado em Assistência Social, voltado para população de rua. Serviço de abordagem social, no turno da noite, vinculado ao CREAS POP. 01 Centro de Referência Especializado em Assistência Social, voltado para crianças e adolescentes. 01 albergue terapêutico para crianças e adolescentes. Reforma e requalificação das Casas de Acolhida da rede de proteção social de crianças e adolescentes.

19 PROJETOS INTEGRADOS/PESQUISAS Quebrando pedras e plantando flores: Avaliação da implantação da política de atenção integral a usuários de crack, álcool e outras drogas da Cidade do Recife Proponente: UFPE/CNPQ Entre pedras e tiros: perfil dos usuários, estratégias de consumo e impacto social do uso docrack Proponente: UFPE/FACEPE PET saúde mental/crack Secretaria de Saúde do Recife Proponente: UFPE/UPE

20 PROJETOS INTEGRADOS/PESQUISAS Motivos apontados por usuários de crack desencadeadores de recaída e avaliação dos fatores predisponentes que levam a esse quadro Proponente: UNIFESP/CNPQ Pesquisa nacional: Perfil dos usuários de crack Amostra Região Metropolitana do Recife (RMR) Proponente: FIOCRUZ Financiamento da SENAD

21 PROFISSIONAIS DIRETAMENTE ENVOLVIDOS Aproximadamente profissionais INVESTIMENTO DE RECURSOS ENVOLVIDOS R$ ,72

22 Viver longe da droga não é o suficiente, é preciso redescobrir o gosto pela vida

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS PROPOSTA PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS Crack é possível vencer 1 P á g i n a Secretaria de Educação Secretaria de Assistência Social Secretaria de Segurança Pública

Leia mais

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX Relatório do Criança e Adolescente ( ) Página 1 de 42 EIXO: ACESSO À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SUB-EIXO: CULTURA (b) (c) 13-Cultura 122-Administração Geral 146-Gestão da Política Cultural 2338-Gestão Superior

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e Outras Drogas e suas

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M.

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. Fernandes Pereira Marcos importantes para o trabalho social com a questão das drogas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA

TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ÁLCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA ARTICULAÇÃO DE REDES INTERSETORIAIS DE ATENÇÃO AO USUÁRIO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS I CONTEXTO

Leia mais

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Garantir o bom funcionamento e reais condições de atendimento a população em toda Rede de Serviços de Saúde, de forma eficiente; Fortalecer o Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito Santo

Leia mais

CREAS Recursos Humanos

CREAS Recursos Humanos Como deve ser a composição da equipe de referência do CREAS? Os recursos humanos constituem elemento fundamental para a efetividade do trabalho do CREAS. A vinculação dos profissionais do CREAS com a família/indivíduo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.179, DE 20 DE MAIO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, cria o seu Comitê Gestor,

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

Questionário Rede Privada

Questionário Rede Privada MONITORAMENTO SUAS CENSO SUAS 2010 Questionário Rede Privada O Censo Rede Privada 2010, tem como finalidade proporcionar subsídios para a construção e manutenção de indicadores de monitoramento e avaliação

Leia mais

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua.

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. 28 de novembro de 2013 Assistência Social Política pública de Seguridade Social, não-contributiva,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DO RS NA PAZ

PLANO DE TRABALHO GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DO RS NA PAZ PLANO DE TRABALHO GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DO Secretaria de Estado da Saúde 1. Finalidade do Plano de Trabalho: Atender o Decreto Estadual nº 48.611, de 22 de novembro de 2011, que institui o Comitê

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Evento UNICAMP DESAFIOS SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS, E POR CONSEGUINTE DA REGIÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

EDITAL 012/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO VAGAS PARA PROJETOS SOCIAIS

EDITAL 012/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO VAGAS PARA PROJETOS SOCIAIS EDITAL 012/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO VAGAS PARA PROJETOS SOCIAIS A Fundação La Salle é uma entidade ligada à Rede La Salle, situada no município de Canoas/RS, com atuação nacional, responsável

Leia mais

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór Mapeamento da rede de atenção aos Linha usuários de drogas: Um método Políticas Públicas sobre Drogas exploratório Pedro Henrique Antunes da Costa Telmo Mota Ronzani Fernando Basile Colugnati Centro de

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

Estrada do Arraial, 3108 Casa Amarela, Recife-PE Fones: 81 3183 3258 / 3259 www.todoscomanotasolidario.sedsdh.pe.gov.br 1

Estrada do Arraial, 3108 Casa Amarela, Recife-PE Fones: 81 3183 3258 / 3259 www.todoscomanotasolidario.sedsdh.pe.gov.br 1 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 03 OBJETIVO... 04 ATIVIDADES TÉCNICAS... 04 SISTEMÁTICA DO PROGRAMA... 06 ESTRATÉGIAS DE MOBILIZAÇÃO... 07 PREMIAÇÃO... 08 RESULTADOS... 09 GRÁFICOS... 10 RELAÇÃO DOS PARTICIPANTES...

Leia mais

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL OBJETIVO: 0108- Promover os serviços, programas e benefícios de proteção social, por meio de capacitação, monitoramento, co-financiamento, implantação e orientação,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II Gestão Pública de Excelência 1-Ter uma gestão pública de excelência e que assegure o crescimento sustentável da cidade e consequentemente o bem-estar do cidadão. 2-Valorizar e desenvolver os recursos humanos,

Leia mais

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Coordenadora Marta Conte Psicanalista, Pos Doutora pela FIOCRUZ Coordenadora do Eixo da Pesquisa e Membro do Comitê de Ética da Escola de Saúde Pública

Leia mais

PLANO DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS

PLANO DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PLANO DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS Câmara Técnica Intersetorial Salvador 2012 PLANO DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK

Leia mais

Orientações para criação dos Comitês Municipais

Orientações para criação dos Comitês Municipais Mobilização Paranaense para Promoção da Saúde Mental Orientações para criação dos Comitês Municipais ez/2011 Como tudo começou ou Iniciativa da vice- governadoria que convidou as Secretaria de Saúde, Educação,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará. 14 de novembro de 2012

Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará. 14 de novembro de 2012 Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará 14 de novembro de 2012 Plenária: Conclusões e indicação de boas práticas e fluxos de atendimento a serem

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

SUAS- Sistema Único de Assistência Social

SUAS- Sistema Único de Assistência Social SUAS- Sistema Único de Assistência Social CRAS CREAS SEMAS I PETI Bolsa Família I PROJOVEM Adolescente Centro de Referencia de Assistência Social saúde semas Ribeirinhas Educaçã o Meio Ambient e Quilombos

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95,

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLUÇÃO N 124/2006 O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLVE: Aprovar a utilização das definições de Programas

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 Publica as deliberações da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CNAS, no uso das competências que lhe confere

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária

Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária Coordenação colegiada: Christiane Nunes de Freitas (CGRAPS) Adriane da Silva, Psicóloga Ana Paula de Lima, Psicóloga Marisa Martins

Leia mais

Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário De Álcool e outras Drogas- EPAD

Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário De Álcool e outras Drogas- EPAD PREFEITURA DE GOIANIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA FAMÍLIA-COESF DISTRITO SANITÁRIO NOROESTE NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

Secretaria de Educação, Esporte e Lazer Diretoria de Ações Educacionais Complementares Gerência de Educação Profissionalizante

Secretaria de Educação, Esporte e Lazer Diretoria de Ações Educacionais Complementares Gerência de Educação Profissionalizante Secretaria de Educação, Esporte e Lazer Diretoria de Ações Educacionais Complementares Gerência de Educação Profissionalizante Secretaria de Educação, Esporte e Lazer Diretoria de Ações Educacionais Complementares

Leia mais

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, através do Núcleo de Atenção à Saúde Mental//Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Especial de Média Complexidade Serviço Especializado de Abordagem Social Administração: Rodrigo Antonio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social:

Leia mais

X CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROPOSTAS DE ÂMBITO ESTADUAL:

X CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROPOSTAS DE ÂMBITO ESTADUAL: X CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROPOSTAS DE ÂMBITO ESTADUAL: EIXO I A 1. Implementar ações de informação permanente e intersetorial, objetivando a promoção dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Conselho Nacional de Secretaria-Executiva Consultoria Jurídica Secretaria Nacional de Renda de

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS. Projetos e Políticas Públicas de competência do SISNAD

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS. Projetos e Políticas Públicas de competência do SISNAD MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Projetos e Políticas Públicas de competência do SISNAD Brasília, junho de 2012 Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida de Souza 2 Luciana Pavowski Franco Silvestre 3 Tailana Lia Sebastião 4

Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida de Souza 2 Luciana Pavowski Franco Silvestre 3 Tailana Lia Sebastião 4 ENCONTRO DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA REGIONAL DE PONTA GROSSA 2014 COMO RESULTADO DO PROCESSO DE ASSESSORIA E MONITORAMENTO Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida

Leia mais

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo VIVER A CIDADE QUE A GENTE AMA. FAZER A SÃO PAULO QUE A GENTE QUER. Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo A importância da primeira infância O desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner)

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) Dispõe sobre o Programa Escola Aberta nas escolas públicas urbanas de educação básica. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-7157/2010.

Leia mais

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS - 2004 SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS REDE

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS www.fortaleza.ce.gov.br EIXOS DO PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 1. Gestão e Informação 2. Prevenção e Mobilização Social 3.

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 20 de novembro de 2014 Porto Alegre RS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 20 de novembro de 2014 Porto Alegre RS Avaliação qualitativa da gestão, organização e implementação dos serviços socioassistenciais nos Centros de Referência Especializados da Assistência Social (CREAS) VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS Política Nacional de Assistência Social Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS SEADES Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social A SEADES é o Órgão Gestor

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 Ficam criados os cargos e ampliadas as vagas de cargos de provimento efetivo que integrarão o Anexo III da Lei Complementar nº 118, de 3 de dezembro de 2010,

Leia mais

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL HISTÓRICO DA POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA

Leia mais

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A SAS S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A CCI Vovó Zizá P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SAS S E C R E TA R I A M

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1. SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP Gestão do Conhecimento e de Informações criminais; Formação e Valorização Profissional; Implantação

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS 1- O QUE É O TRABALHO INTERSETORIAL DA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? É uma diretriz de todas as políticas públicas

Leia mais

Nilson João Espindola Secretário de Assistência Social. DECRETO Nº. 1426, DE 29 DE AGOSTO DE 2012, com base na Lei Municipal nº. 2.755/2007.

Nilson João Espindola Secretário de Assistência Social. DECRETO Nº. 1426, DE 29 DE AGOSTO DE 2012, com base na Lei Municipal nº. 2.755/2007. 2014 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA Gestão 2012/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA Gestão 2012/2014 Avenida

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva Atingir as metas estabelecidas no Plano Municipal de Educação Projeto do Plano Municipal de Educação Conferência Municipal de Educação Projeto realizado Conferência realizada Elaborar o Plano Municipal

Leia mais

TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas

TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas CRESS 16ª REGIÃO/AL: I Colóquio de Serviço Social na área sociojurídica TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas Maceió/AL Maio/2016 Marcus Aurélio de F. Barros Promotor de Justiça no RN e Professor

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016

PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016 PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016 UM DUQUE PARA TODOS SAÚDE Proposta de ação: - Estabelecer parceria com as redes de hospitais do SUS, para melhor atendimento da população Bacelarense. - Ampliar

Leia mais

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET)

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) I Encontro de Apoio Técnico Estadual a Gestão Descentralizada do Suas: Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social PRÊMIO GESTOR PÚBLICO PARANÁ PGP/PR DADOS CADASTRAIS Ano/Edição: 2015 Município: Mandaguari - PR Função de Governo: III - Assistência Social CNPJ: 76285345-0001/09 Endereço: Avenida Amazonas, 500 - Centro

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015 CódigoDenominação 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1011 1012 Objetivo 1013 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Promover o desenvolvimento pessoal e

Leia mais