Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór"

Transcrição

1 Mapeamento da rede de atenção aos Linha usuários de drogas: Um método Políticas Públicas sobre Drogas exploratório Pedro Henrique Antunes da Costa Telmo Mota Ronzani Fernando Basile Colugnati Centro de Referência em Pesquisa Intervenção e Avaliação em Álcool e outras Drogas - CREPEIA

2 Contextualização Paradoxo das redes no cenário de álcool e outras drogas: O que são? Por quê? Antídoto? Funcionam? Histórico

3 Origem/Embasamento Estrutura Operacional Profissionais; Serviços; Articulações/relações; Sistemas de apoio e logística. Rede de Atenção à Saúde Modelo de Atenção Condições Crônicas; Intersetorialidade; Integralidade; Continuum de cuidado; Foco na APS. População Centralidade do atenção no indivíduo, comunidade; Caract. e necessidades da população direcionando serviços e assistência.

4 Rede de Atenção AD Atenção Básica em Saúde - Unidade Básica de Saúde (UBS); - Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF); - Consultório na Rua; - Centro de Convivência. SETOR SAÚDE - SUS (RAS E RAPS) Atenção Psicossocial Estratégica - Centros de Atenção Psicossocial (CAPS); - Centros de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPSad); - Centros de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSi) Atenção Residencial de Caráter Transitório - Unidades de Acolhimento (UA); - Comunidades Terapêuticas Atenção Hospitalar - Hospitais gerais com leitos, ambulatórios ou enfermarias especializadas. Atenção de urgência e emergência - SAMU, Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Hospitais de Pronto Socorro e UBS Estratégias de Desinstitucionalização - Serviços Residenciais Terapêuticos (SRTs). Estratégias de Reabilitação Psicossocial - Geração de trabalho e renda, empreendimentos solidários e cooperativas sociais.

5 Rede de Atenção AD SETOR ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Proteção Básica - Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) Proteção Especial (Média Complexidade) - Centros de Referência Especializados da Assistência Social (CREAS); - Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP). Proteção Especial (Média Complexidade) - Serviços de acolhimento institucional.

6 Rede de Atenção AD OUTROS SETORES E RECURSOS COMUNITÁRIOS Outros Setores - Educação, Esporte e Lazer, Cultura, Segurança: ações de promoção de saúde e prevenção, abrangendo determinantes sociais, culturais etc., potencializando também ações de cuidado. Entidades Socioassistenciais - Associações e organizações não governamentais (ONGs) de caráter assistencial que atendem usuários de drogas, dentre outras ações, escopos e públicos-alvo. Grupos de Ajuda Mútua - Alcoólicos Anônimos (AA); - Narcóticos Anônimos (NA); - AL-ANON, NAR-ANON, Pastoral da Sobriedade e Amor Exigente

7 Rede de Atenção AD

8 Objetivos Apresentar um método de mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas utilizado no município de Juiz de Fora, Minas Gerais Analisar aspectos estruturais da rede mapeada; Disponibilizar o método para ser utilizado em outros contextos nacionais e internacionais.

9 Método Estudo de corte transversal com duas partes: levantamento dos serviços e coleta de informações; mapeamento através de ferramentas online de geocodificação. Serviços governamentais ou não governamentais, da RAS, RAPS, rede SUAS e recursos comunitários. Tabulação e análise descritiva em planilhas do Google Drive (GD).

10 Método

11 Como acessar?

12

13

14

15 Resultados Tabela 1: Serviços que prestam assistência a usuários de drogas em Juiz de Fora Tipos de Serviço N % UBS Urbanas 48 26,1 UBS Rurais 19 10,4 CAPS gerais 3 1,6 CAPS ad 1 0,5 CAPS i 1 0,5 Ambulatórios em saúde mental e álcool e outras drogas 2 1,1 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas 6 3,3 Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/Emergência 1 0,5 CRAS 9 4,9 CREAS 4 2,3 Equipes de Consultório na Rua 1 0,5 Residências Terapêuticas 12 6,5 Serviços de Acolhimento Institucional 3 1,6 Centros de Convivência 1 0,5 Entidades Socioassistenciais* 9 4,9 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 20 10,9 Grupos de Ajuda Mútua** 44 23,9 Total ,0

16 Resultados Tabela 2: Serviços da rede de acordo com sua natureza governamental Tipos de serviço de acordo com sua natureza N % Governamentais 93 50,5 UBS Urbanas 48 26,1 UBS Rurais 19 10,4 CAPS gerais 3 1,6 CAPS ad 1 0,5 CAPS i 1 0,5 Ambulatórios em Saúde Mental e Álcool e outras Drogas 2 1,1 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas 5 2,7 Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/Emergência 1 0,5 CRAS 9 4,9 CREAS 4 2,2 Governamentais gerenciados por entidades não governamentais 13 7,1 Equipes de Consultório na Rua 1 0,5 Residências Terapêuticas 12 6,6 Não governamentais com fins lucrativos 11 6,0 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas (Hospital Psiquiátrico) 1 0,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 10 5,5 Não governamentais sem fins lucrativos 67 36,4 Entidades Socioassistenciais 9 4,9 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 10 5,5 Grupos de Ajuda Mútua 44 23,9 Centros de Convivência 1 0,5 Serviços de Acolhimento Institucional 3 1,6 Total ,0

17 Resultados Tabela 3: Serviços da rede de acordo com sua região Tipos de serviço de acordo com sua região N % Central 44 23,9 UBS Urbanas 3 1,6 CAPS gerais 2 1,1 CAPS ad 1 0,5 CAPS i 1 0,5 Ambulatórios em Saúde Mental e Álcool e outras Drogas 2 1,1 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas 2 1,1 Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/Emergência 1 0,5 CRAS 1 0,5 CREAS 3 1,6 Centros de Convivência 1 0,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 5 2,8 Serviços de Acolhimento Institucional 1 0,5 Entidades Socioassistenciais 5 2,8 Grupos de Ajuda Mútua 16 8,8 Leste 23 12,5 UBS Urbanas 9 4,9 CAPS gerais 1 0,5 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas 1 0,5 CRAS 2 1,1 Serviços de Acolhimento Institucional 1 0,5 Entidades Socioassistenciais 1 0,5 Grupos de Ajuda Mútua 8 4,5

18 Resultados Tabela 3: Serviços da rede de acordo com sua região (cont.) Nordeste 12 6,5 UBS Urbanas 5 2,8 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas 2 1,1 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 2 1,1 CRAS 1 0,5 Grupos de Ajuda Mútua 2 1,1 Norte 28 15,2 UBS Urbanas 14 7,6 CRAS 1 0,5 CREAS 1 0,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 2 1,1 Grupos de Ajuda Mútua 10 5,5 Oeste 10 5,4 UBS Urbanas 3 1,6 CRAS 1 0,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 2 1,1 Entidades Socioassistenciais 1 0,5 Grupos de Ajuda Mútua 3 1,6

19 Resultados Tabela 3: Serviços da rede de acordo com sua região (cont.) Sudeste 24 13,0 UBS Urbanas 8 4,5 CRAS 2 1,1 Equipe de Consultório na Rua (UBS de referência) 1 0,5 Residências Terapêuticas 7 3,8 Serviços de Acolhimento Institucional 1 0,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 1 0,5 Grupos de Ajuda Mútua 3 1,6 Hospitais com leitos, ambulatórios ou enfermarias para álcool e outras drogas (Hospital Psiquiátrico) 1 0,5 Sul 23 12,5 UBS Urbanas 6 3,2 CRAS 1 0,5 Residências Terapêuticas 5 2,8 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 7 3,8 Entidades Socioassistenciais 2 1,1 Grupos de Ajuda Mútua 2 1,1 Rural 20 11,0 UBS Rurais 19 10,5 Clínicas e Comunidades Terapêuticas 1 0,5 Total ,0

20 Resultados

21 Resultados

22 Resultados Tabela 4: Perfis dos serviços da rede Variáveis N % Foco da Assistência Usuários de drogas ,7 Familiares de usuários de drogas 8 4,3 Faixa Etária Crianças e adolescentes (5 a 18 anos) 97 52,7 Adultos (acima de 18 anos) ,4 Sexo Feminino 2 1,1 Masculino 17 9,2 Ambos os sexos ,7 Sistemas de Tratamento de acordo com os modelos assistenciais 1. Sistemas Abertos ,9 1.1 Psicossocial 38 20,7 1.2 Ambulatorial 3 1,6 1.3 Psicossocial/Ambulatorial 73 39,7 1.4 Ajuda Mútua 44 23,9 2. Sistemas Tradicionais 26 14,1 2.1 Internação para Desintoxicação 6 3,2 2.2 Comunidades Terapêuticas 19 10,4 2.3 Internação Psiquiátrica 1 0,5 Financiamento Próprio 2 1,1 Doações (pessoas físicas e jurídicas) 55 29,9 Público ,3 Privado/Particular (pagamentos dos usuários) 11 6,0

23 Pontos de Atenção da Rede Baixa cobertura de serviços públicos governamentais (especialmente os especializados); Expansão da rede de APS, auxiliando na proposta de cuidado contínuo e territorializado; Necessidade de mais CAPSad; Atenção à grupos de pessoas com necessidades específicas: Crianças e adolescentes; Pessoas em situação de rua; Mulheres

24 Pontos de Atenção da Rede Continuidade da implantação e expansão da RAPS, especialmente nos níveis de assistência hospitalar e atenção residencial transitória; Ampliação da rede de urgência e emergência para usuários de drogas; Maior distribuição e regionalização dos serviços, principalmente os governamentais especializados; OBS: semelhança com o cenário nacional

25 Potencialidades do Método 1. Caráter ampliado e abordagem de redes; 2. Baixo custo e utilização de ferramentas acessíveis e sem necessidade de conhecimentos específicos; 3. Disponibilização na internet com alta abrangência e facilidade de visualização; 4. Consonância com políticas na área e perspectiva de transparência governamental (acesso à informação); 5. Auxílio na visualização e gerenciamento da rede por profissionais, gestão e população; 6. Maior conhecimento sobre os serviços e modelos de tratamento existentes.

26 Implicações Futuras Métodos de amostragem baseados em nominação sucessiva que sejam submetidos a verificações e ajustes posteriores: O mapeamento não é exaustivo, nem permanente; A rede não é só um conjunto de serviços. O mapeamento é só a primeira etapa do conhecimento dessa rede. Importância de estudos que busquem analisar/compreender os aspectos relacionais: Estudos observacionais; Análise de Redes Sociais (ARS).

27 ARS - Exemplo CAPSad ESF1 CRAS1 CT1 CAPSad ESF CRAS CT

28 ARS - Exemplo ESF1 CAPSad CRAS1 CT1

29 Obrigado!

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, através do Núcleo de Atenção à Saúde Mental//Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo REDES DE ATENÇÃO EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo SÃO BERNARDO DO CAMPO É O 5º MUNICÍPIO DO ESTADO DE SP EM POPULAÇÃO E ORÇAMENTO

Leia mais

Orientações para criação dos Comitês Municipais

Orientações para criação dos Comitês Municipais Mobilização Paranaense para Promoção da Saúde Mental Orientações para criação dos Comitês Municipais ez/2011 Como tudo começou ou Iniciativa da vice- governadoria que convidou as Secretaria de Saúde, Educação,

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento à Situação de Rua Desenho de Processos da FASC SMS

Plano Municipal de Enfrentamento à Situação de Rua Desenho de Processos da FASC SMS Plano Municipal de Enfrentamento à Situação de Rua Desenho de Processos da Porto Alegre, 25/07/202 Plano Municipal de Enfrentamento à Situação de Rua Devido à relevância dos projetos da dentro do programa

Leia mais

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M.

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. Fernandes Pereira Marcos importantes para o trabalho social com a questão das drogas

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e Outras Drogas e suas

Leia mais

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social,

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, Recife, 16 de setembro de 2011 CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, desenvolvimento econômico,

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

Relatório da Visita de Avaliação in loco. Faculdade União de Campo Mourão

Relatório da Visita de Avaliação in loco. Faculdade União de Campo Mourão Relatório da Visita de Avaliação in loco. Faculdade União de Campo Mourão 24 e 25/11/2014 Michely Ribero da Silva Membro da Comissão Intersetorial de Recursos Humanos Representante do segmento Usuários

Leia mais

Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário De Álcool e outras Drogas- EPAD

Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário De Álcool e outras Drogas- EPAD PREFEITURA DE GOIANIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA FAMÍLIA-COESF DISTRITO SANITÁRIO NOROESTE NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA Educação Permanente Para Atenção Integral Ao Usuário

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará. 14 de novembro de 2012

Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará. 14 de novembro de 2012 Encontro do Comitê Estadual de Enfrentamento às Drogas do Ministério Público do Estado do Ceará 14 de novembro de 2012 Plenária: Conclusões e indicação de boas práticas e fluxos de atendimento a serem

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg. O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.br Integração e Integralidade Portaria GM 3252 Art. 4º A Vigilância

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE CADASTRAMENTO DE PROPOSTAS INCENTIVO CAPS, UA, SRT, LEITO HABILITAÇÃO CAPS, UA, SRT, LEITO Versão 1 Mar/2013 Informações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico?

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Seja bem vindo! Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro

Leia mais

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Coordenadora Marta Conte Psicanalista, Pos Doutora pela FIOCRUZ Coordenadora do Eixo da Pesquisa e Membro do Comitê de Ética da Escola de Saúde Pública

Leia mais

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR.

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Relatoria Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Coordenadora da mesa: Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Palestrantes convidados: Stellanaris

Leia mais

Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária

Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária Comissão de implantação de Apoio Matricial e NASF na Atenção Primária Coordenação colegiada: Christiane Nunes de Freitas (CGRAPS) Adriane da Silva, Psicóloga Ana Paula de Lima, Psicóloga Marisa Martins

Leia mais

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Organização

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 -

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - O Planejamento na Administração Municipal - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - Informação é Cidadania Março - 2013 Orçamento = Planejamento Programa de Governo Planejamento Estratégico Situacional

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde - Belo Horizonte Presidente do CONASEMS Lei 10.216/2001: um pouco da história Apresentada

Leia mais

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação Módulo 4 Atenção em rede como condição para o tratamento integral Unidade 2 Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação 109 Identificação de recursos comunitários existentes e

Leia mais

5 - Curso de Aperfeiçoamento em Crack e outras Drogas para Agentes dos Sistemas Judiciário, Policial e Ministério Público;

5 - Curso de Aperfeiçoamento em Crack e outras Drogas para Agentes dos Sistemas Judiciário, Policial e Ministério Público; EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA 1/ PARA ALUNOS DOS CURSOS DO CENTRO REGIONAL DE REFERÊNCIA EM CRACK E OUTRAS DROGAS DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA A (SES), por meio DO Centro de Referência

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: Políticas de Saúde CARGA-HORÁRIA: 30 horas EMENTA: Retrospectiva Histórica. Estado e políticas sociais. Mudanças econômicas e políticas de saúde

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

Os programas de extensão na educação permanente. Carmen L. A. de Santana

Os programas de extensão na educação permanente. Carmen L. A. de Santana Os programas de extensão na educação permanente Carmen L. A. de Santana 2014 Extensão Universitária Área temática :Saúde Periferia dos Sonhos Direitos Humanos Saber Cuidar Curso Arteterapia Comunitária

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde?

Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde? Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde? Primeiramente, destacamos que os recursos repassados pelo Fundo Nacional de Saúde para os Fundos Estaduais ou Municipais de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 INSTRUMENTOS DE GESTÃO - 2013 2014 2015-2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PAS 2014 E 2015 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE 2014-2017 PAS

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017 Linha de Atuação: Universalização e Humanização do Atendimento Básico e Secundário CÓDIGO DO PROGRAMA: 119 PROGRAMA DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE VALOR DO PROGRAMA NO PERÍODO FONTES 2014 2015 2016 2017 Tesouro

Leia mais

PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS - PEAS 2013 Questionário da Etapa I

PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS - PEAS 2013 Questionário da Etapa I BLOCO 01 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais 01. Número cadastral 02. Siape do entrevistador PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL OFICINA DE ATUALIZAÇÃO PERCURSOS FORMATIVOS NA RAPS CABO DE SANTO AGOSTINHO PERÍODO:

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET)

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) I Encontro de Apoio Técnico Estadual a Gestão Descentralizada do Suas: Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta

Leia mais

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território HÊIDER AURÉLIO PINTO Diretor do Departamento de Atenção Básica/SAS/MS Rio de Janeiro, agosto de

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira. Qualidade dos serviços públicos e tributação

Retratos da Sociedade Brasileira. Qualidade dos serviços públicos e tributação Retratos da Sociedade Brasileira Educação Meio ambiente Qualidade dos serviços públicos e tributação Locomoção urbana Segurança pública Saúde Pública agosto/2010 dezembro/2010 março/2011 agosto/2011 outubro/2011

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA ARTICULAÇÃO DE REDES INTERSETORIAIS DE ATENÇÃO AO USUÁRIO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS I CONTEXTO

Leia mais

Política Social: características

Política Social: características Política Social: características Políticas Sociais são formas mais ou menos institucionalizadas que as sociedades constroem em seu processo histórico para proteger e/ou promover parte ou todos os seus

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Janeiro 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Janeiro 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Janeiro 2014 Política Estadual de Saúde Mental 1995 - Lei Estadual nº 11.189 Segue os princípios e diretrizes do SUS e da

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Geordany Rose de Oliveira Viana Esmeraldo Enfermeira e Mestranda em Saúde PúblicaUECE

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA

TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA TERMO DE REFERÊNCIA ARTICULADOR BOA VISTA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ÁLCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito Santo

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Organização

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Por que precisamos de uma PNH? Para enfrentar as graves lacunas quanto ao acesso aos serviços e e à atenção integral à saúde. Para modificar

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL

A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL Fernando Coelho Neto São Paulo, 30/06/2011 Definição de Ambiente de Trabalho Saudável Ambiente de trabalho saudável é aquele em que os trabalhadores

Leia mais

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental Coordenadora: Lourdes A. Machado GPT Grupo de Produção Temática em Saúde Mental LEGISLAÇÃO SAÚDE MENTAL Lourdes A. Machado Junho 2009 CONCEITOS LEIS:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS PROPOSTA PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS Crack é possível vencer 1 P á g i n a Secretaria de Educação Secretaria de Assistência Social Secretaria de Segurança Pública

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 20 de novembro de 2014 Porto Alegre RS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 20 de novembro de 2014 Porto Alegre RS Avaliação qualitativa da gestão, organização e implementação dos serviços socioassistenciais nos Centros de Referência Especializados da Assistência Social (CREAS) VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento

Leia mais

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

Dados científicos apontam o rápido envelhecimento da população brasileira nas últimas

Dados científicos apontam o rápido envelhecimento da população brasileira nas últimas Projeto de Implantação da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa (RASPI) na Coordenadoria Regional de Saúde Oeste: busca de um novo paradigma de atenção. Autores: Leonardo Jose Costa de Lima; Alexandre

Leia mais

A organização da agenda e o acesso dos usuários a consultas médicas nas Unidades Básicas de Saúde

A organização da agenda e o acesso dos usuários a consultas médicas nas Unidades Básicas de Saúde A organização da agenda e o acesso dos usuários a consultas médicas nas Unidades Básicas de Saúde ALVES, Andréia Ferreira² BUCKY, Daniele de Almeida Carvalho ³ COSTA, Agrimeron Cavalcante ¹ FERREIRA, Lucilene

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

Ações Integradas na Prevenção do Uso de Drogas e Violência. J. M. Bertolote Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP

Ações Integradas na Prevenção do Uso de Drogas e Violência. J. M. Bertolote Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Ações Integradas na Prevenção do Uso de Drogas e Violência J. M. Bertolote Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Saúde precária Abandono escolar Exploração sexual Trabalho infantil Inexistência de projeto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Chácara Rua: Heitor Candido, 60 Centro 36.110-000 Chácara Minas Gerais Telefax: (32) 3277-1014 E-mail; pchacara@acessa.com.

Prefeitura Municipal de Chácara Rua: Heitor Candido, 60 Centro 36.110-000 Chácara Minas Gerais Telefax: (32) 3277-1014 E-mail; pchacara@acessa.com. LEI 646 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso. O Prefeito Municipal de Chácara, MG, faço saber que a Câmara Municipal de Chácara decreta e eu sanciono a seguinte Lei: INSTITUI

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 02/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 02/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 02/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL O Instituto Sócio Cultural, Ambiental e Tecnológico Arthur Andrade IAA, organização não governamental, sem fins lucrativos, fundado

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV Protocolo geral Dispõe sobre as condições para a promoção,

Leia mais

Experiências de cadastramento e atendimento da população em situação de rua. Brasília, 31 de julho de 2015

Experiências de cadastramento e atendimento da população em situação de rua. Brasília, 31 de julho de 2015 Experiências de cadastramento e atendimento da população em situação de rua Brasília, 31 de julho de 2015 Cadastro Único em Números 27.506.689 23.504.382 13.827.097 Total de famílias no Cadastro Único

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II Gestão Pública de Excelência 1-Ter uma gestão pública de excelência e que assegure o crescimento sustentável da cidade e consequentemente o bem-estar do cidadão. 2-Valorizar e desenvolver os recursos humanos,

Leia mais

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente)

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) SIGLAS: ANEXO I Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente; Informações Iniciais

Leia mais

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos 2015 Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos Competências do Departamento: Receber, examinar

Leia mais

ATENÇÃO À PESSOAS COM PROBLEMAS RELACIONADOS AO CONSUMO DE CRACK Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas DAPES - SAS- MS

ATENÇÃO À PESSOAS COM PROBLEMAS RELACIONADOS AO CONSUMO DE CRACK Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas DAPES - SAS- MS ATENÇÃO À PESSOAS COM PROBLEMAS RELACIONADOS AO CONSUMO DE CRACK Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas DAPES - SAS- MS OFICINA Produzindo, avaliando e disseminando sínteses de evidências

Leia mais

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Legislações - SAS Sex, 02 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Estabelece normas para o cadastramento, no SCNES, das equipes que farão

Leia mais