JORNAL MURAL LITERÁRIO Encontro III: Comunicação Visual. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JORNAL MURAL LITERÁRIO Encontro III: Comunicação Visual. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012"

Transcrição

1 JORNAL MURAL LITERÁRIO Encontro III: Comunicação Visual Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012

2 Neste Encontro: Proximidade Alinhamento COMUNICAÇÃO VISUAL: PRINCÍPIOS DE DESIGN Repetição Contraste

3 Cronograma Características de um texto jornalístico e de um Jornal Mural Atividades com o Jornal Mural Comunicação Visual (Design Gráfico) Elaboração e Avaliação do Jornal Mural

4 Os 4 princípios básicos Proximidade Alinhamento Repetição Contraste ESCOLA DE BAUHAUS Fundada a partir de um manifesto de Walter Gropius, em 12/04/1919, a Bauhaus tem suas origens na fusão entre a Academia de Artes e a Escola de Artes e Ofícios da Alemanha.

5 PROXIMIDADE O princípio da proximidade oferece ao leitor uma pista visual imediata da organização e do conteúdo da página. Os itens relacionados entre si devem ser agrupados e aproximados uns dos outros, para que sejam vistos como um conjunto coeso e não como um emaranhado de partes sem ligação. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, p. 15

6 Exemplo 1 Cartão

7 Exemplo 1 Educomunicador Programa Nas Ondas do Rádio MÁRIO KAPLUN SME/SP

8 Exemplo 1 MÁRIO KAPLUN Educomunicador Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP

9 Exemplo 2 Banner

10 Exemplo 2 Programa Nas Ondas do Rádio O que você entende por... SME/SP PROTAGONISMO JUVENIL? Março

11 Exemplo 2 O que você entende por... PROTAGONISMO JUVENIL? Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP Março 2010

12 ALINHAMENTO O princípio do alinhamento avisa ao leitor que, mesmo separados, os itens fazem parte de único material. Nenhum item é colocado arbitrariamente numa página. Os itens devem ter uma conexão visual com algo na página. Uma vez alinhados, há uma linha invisível que conecta todos os itens, tanto em relação aos seus olhos quanto a sua mente. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p.31

13 Exemplo 3 Textos

14 Exemplo 3 Curso Aprender e Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP 1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz. Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo. Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas:

15 Exemplo 3 Curso Aprender e Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP 1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz. Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo. Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas:

16 Exemplo 1 Capas de projetos, relatórios e trabalhos

17 Exemplo 1 Trabalho de Conclusão São Paulo em mil vozes um projeto rádio educomunicativa por Edgar Roquette-Pinto Março de 2010

18 Exemplo 1 Trabalho de Conclusão São Paulo em mil vozes um projeto rádio educomunicativa por Edgar Roquette-Pinto Março de 2010

19 Exemplo 1 São Paulo em mil vozes um projeto rádio educomunicativa Trabalho de Conclusão por Edgar Roquette-Pinto Março de 2010

20 Exemplo 2 Texto com imagens

21 Exemplo 2 Protagonismo Juvenil A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. Fonte: Acervo NCE/USP Rede Nas Ondas Do Rádio

22 Exemplo 2 Protagonismo Juvenil A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. Fonte: Acervo NCE/USP Rede Nas Ondas Do Rádio

23 REPETIÇÃO O princípio da repetição afirma que algum aspecto do design deve repetir-se no material inteiro. O elemento repetitivo pode ser uma fonte em bold (negrito), um fio (linha) grosso, algum sinal de tópico, um elemento do design, algum formato específico, relações espaciais etc. A repetição pode ser considerada como consistência em um texto. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p. 49

24 REPETIÇÃO Ao olhar para um newsletter (jornal) de oito páginas, é justamente a repetição de alguns elementos sua consistência que faz com que cada uma dessas oito páginas pareça pertencer ao mesmo newsletter. (...) a repetição vai além da simples consistência: é um esforço consciente para unificar todos os elementos do design. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p. 49

25 Exemplo 1 Folhetos

26 Exemplo 1 ELEMENTOS DE UM PROJETO CRIAÇÃO Título Concepção Justificativa GESTÃO Objetivos Metas Desenvolvimento: tarefas, cronograma, organograma Recursos necessários Avaliação e Registro ELEMENTOS DE UM PROJETO CRIAÇÃO Título Concepção Justificativa GESTÃO Objetivos Metas Desenvolvimento a. Tarefas b. Cronograma c. Organograma Recursos necessários Avaliação e Registro

27 Exemplo 2 Documentos

28 Exemplo 2 ROTEIRO SIMPLIFICADO DE PROJETOS Título do Projeto: deve definir, sem margem de dúvida, o que realmente se pretende. 1- Concepção: é a definição sucinta da natureza e do alcance do que se planeja. 2- Justificativa: aqui cabe a descrição da demanda ou necessidade que se quer ver atendida. É importante que ela não seja só uma causa genérica, que poderia muito bem ser atendida por qualquer projeto semelhante, mas que se demonstre, na sua especificidade, a importância e a pertinência da radiofonia. 3- Objetivos: são as intenções amplas e abrangentes que se pretende contemplar por meio do projeto. Não devem ser confundidos com a justificativa, nem com as metas. Ao contrário destas últimas, que são objetivas e mensuráveis em prazos e números (quantificáveis), os objetivos são avaliados como cumpridos ou não cumpridos (qualificáveis), o que implica, às vezes, uma certa dose de subjetividade. Para uma melhor organização, costuma-se dividir os objetivos em: a. gerais quando se referem ao universo macro da estrutura em que o projeto será realizado. b. específicos que podem ser entendidos como tarefas a serem cumpridas dentro do próprio projeto em consonância com os objetivos de ordem geral. c. metas conjunto de ações específicas que se programa atingir e que sejam mensuráveis e quantificáveis.

29 Exemplo 2 ROTEIRO SIMPLIFICADO DE PROJETOS Título do Projeto: deve definir, sem margem de dúvida, o que realmente se pretende. 1- Concepção: é a definição sucinta da natureza e do alcance do que se planeja. 2- Justificativa: aqui cabe a descrição da demanda ou necessidade que se quer ver atendida. É importante que ela não seja só uma causa genérica, que poderia muito bem ser atendida por qualquer projeto semelhante, mas que se demonstre, na sua especificidade, a importância e a pertinência da radiofonia. 3- Objetivos: são as intenções amplas e abrangentes que se pretende contemplar por meio do projeto. Não devem ser confundidos com a justificativa, nem com as metas. Ao contrário destas últimas, que são objetivas e mensuráveis em prazos e números (quantificáveis), os objetivos são avaliados como cumpridos ou não cumpridos (qualificáveis), o que implica, às vezes, uma certa dose de subjetividade. Para uma melhor organização, costuma-se dividir os objetivos em: será dentro a. gerais quando se referem ao universo macro da estrutura em que o projeto realizado. b. específicos que podem ser entendidos como tarefas a serem cumpridas do próprio projeto em consonância com os objetivos de ordem geral. c. metas conjunto de ações específicas que se programa atingir e que sejam mensuráveis e quantificáveis.

30 Exemplo 3 Textos e artigos

31 Exemplo 3 Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim communicare e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar. O principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e, desta, com a comunidade promovendo a troca, a comunicação. A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Infanto-Juvenil Por meio da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo infantojuvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http:// que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão. Concluindo Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre as crianças e os jovens exige que repensemos nossos próprios valores. Só assim conseguiremos criar e é bem esta a palavra criar processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.

32 Exemplo 3 Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim communicare e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar. O principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e, desta, com a comunidade promovendo a troca, a comunicação. A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Infanto-Juvenil Por meio da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo infantojuvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http:// que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão. Concluindo Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre as crianças e os jovens exige que repensemos nossos próprios valores. Só assim conseguiremos criar e é bem esta a palavra criar processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.

33 CONTRASTE O contraste é uma maneira mais eficaz de acrescentar algum atrativo visual a uma página (algo que realmente faça o leitor olhar para ela) criando uma hierarquia organizacional entre diferentes elementos.

34 CONTRASTE Cria-se o contraste quando dois elementos são diferentes. Se eles diferirem um pouco mas não muito, não acontecerá o contraste e sim um conflito. Este é o segredo: segundo o princípio do contraste, se dois itens não forem exatamente os mesmos, diferencieos completamente. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p. 63

35 CONTRASTE Podemos alcançar o contraste de várias maneiras: uma letra grande pode ser contrastada com uma pequena; uma fonte em estilo antigo contrasta-se com uma fonte em bold sem serifa; um fio fino com um grosso; uma cor fria com uma mais quente; uma textura áspera com uma lisa.

36 Exemplo 1 Documentos

37 Exemplo 1 Faça seu Currículo S e u C u r r i c u l u m V i t a e A n o A apresentação Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes O currículo começa com o título geral: Curriculum Vitae (do latim) ou Currículo (em portuguës). Não se usa: Currículo Vitae, ou Curriculum. Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, , idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída.

38 Exemplo 1 Faça seu Currículo S e u C u r r i c u l u m V i t a e A n o A apresentação Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes O currículo começa com o título geral: Curriculum Vitae (do latim) ou Currículo (em portuguës). Não se usa: Currículo Vitae, ou Curriculum. Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, , idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída.

39 Exemplo 2 Documentos

40 Habilidades Habilidade em coordenar equipe; Habilidade em reconhecer e resolver problemas; Habilidade para raciocínio lógico; Habilidade para trabalhar com crianças e jovens; Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe; ELZA DIAS PACHECO Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP Brasil Fone: 0 xx Site: Formação Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. Experiência profissional 1996 Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao ECA/USP 1996 Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao ECA/USP 1996 Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq Consultora ad doc em Ciências da Comunicação, MEC Professora Associada e Livre-Docente ECA/USP Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP. Experiência profissional Minha experiência teve início com a graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982), graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968), especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961), especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974), doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e posdoutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992). È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e trabalho.

41 ELZA DIAS PACHECO Formação Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP Brasil Site: Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. Habilidades Habilidade em coordenar equipe. Habilidade em reconhecer e resolver problemas. Habilidade para raciocínio lógico. Habilidade para trabalhar com crianças e jovens. Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe. Experiência profissional 1996 Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao ECA/USP 1996 Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq Consultora ad doc em Ciências da Comunicação, MEC Professora Associada e Livre-Docente ECA/USP Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP Experiência pessoal Minha trajetória iniciou com a graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982), graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968), especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961), especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974), doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e pos-doutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992). È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e Trabalho.

42 Elementos para diagramar um JM. Trabalhar o texto sempre em coluna. No corpo de texto usar fonte com serifa. Utilizar o texto justificado. Procurar fazer título pequeno que chame a atenção do leitor

43 ATIVIDADE Cada grupo ou dupla resgata a notícia escrita para o segundo encontro do curso. Monta com criatividade a página em que sua notícia deve estar, especificando a editoria a que pertence (escolher tipo, tamanho e cor da fonte e colocar imagens referentes à notícia). Diagramar os textos já produzidos em colunas, em formato justificado, utilizando o Microsoft Power Point, a fim de que se alinhem às imagens corretamente.

44 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA WILLIANS, Robin. Design para quem não é Designer. Noções básicas de planejamento visual. São Paulo: Callis, 2009.

45 Quem somos? COORDENAÇÃO Carlos Alberto M. de Lima (gestão) Leonardo Moncorvo (apoio) Diego Balbino (apoio) Isabela Rosa da Silva (apoio) FORMADORES Alda Ribeiro Anderson Zotesso Isabel Santos Izabel Leão Márcia Coutinho Marciel Consani Paola Prandini Paula Carolei Paulo Teles Richard Romancini Salete Soares Silene Lourenço

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS EDUCOMUNICATIVOS. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012

GESTÃO DE PROJETOS EDUCOMUNICATIVOS. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012 GESTÃO DE PROJETOS EDUCOMUNICATIVOS Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2012 Cronograma Projetos educomunicativos: o que são, por que e como implementálos A escola como ecossistema

Leia mais

Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II

Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II Anderson Zotesso Rodrigues: Anderson Zotesso é mestre em Comunicação

Leia mais

Cronograma Encontro I aula 2: Webjornalismo

Cronograma Encontro I aula 2: Webjornalismo Cronograma Encontro I aula 1: Agência de No6cias Imprensa Jovem ü Encontro I aula 2: Webjornalismo Encontro II Fotojornalismo Encontro III - Radiojornalismo I Encontro IV - Radiojornalismo II Encontro

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 Cronograma Cobertura jornalística e Webwriting Fotojornalismo Radiojornalismo Telejornalismo

Leia mais

GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS. Proposta de curso. Edição 2014.

GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS. Proposta de curso. Edição 2014. GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS Proposta de curso Edição 2014. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título: Gestão da Comunicação nas Atividades Criativas e Culturais Local de realização:

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 INTRODUÇÃO A Política Estadual de Educação Ambiental tem como princípios

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 A Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CEPRO, instituição de caráter técnico-científico,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que

Leia mais

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Educomunicação Comunicação-Educação Uma área emergente Pesquisa na linha do NCE/ECA/USP As pesquisas do NCE/ECA/USP buscam

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas Área de concentração Biologia Celular e Molecular. Edital de seleção - 2013

Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas Área de concentração Biologia Celular e Molecular. Edital de seleção - 2013 Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas Área de concentração Biologia Celular e Molecular Edital de seleção - 2013 Mestrado Doutorado (primeira etapa para não egressos do programa) A Professora

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO P a s s o F u n d o - R S RESOLUÇÃO nº 11 CME, de 14 de outubro de 2008. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Regula a elaboração do Projeto Político Pedagógico, Regimentos Escolares

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

SETES CONSULTORIA E TREINAMENTO DIRETORIA EXECUTIVA REGULAMENTO PARA APRESENTAÇÃO DE PÔSTER NO I WORKSHOP SETES PARA AUTOESCOLAS

SETES CONSULTORIA E TREINAMENTO DIRETORIA EXECUTIVA REGULAMENTO PARA APRESENTAÇÃO DE PÔSTER NO I WORKSHOP SETES PARA AUTOESCOLAS SETES CONSULTORIA E TREINAMENTO DIRETORIA EXECUTIVA REGULAMENTO PARA APRESENTAÇÃO DE PÔSTER NO I WORKSHOP SETES PARA AUTOESCOLAS A diretoria executiva da Setes Consultoria e Treinamento, torna público

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA ALAGOINHAS 2014 1 SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR...

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Nome do autor: principais atividades acadêmicas em no máximo 3 linhas, colocar e-mail. 1. Se estudante de direito colocar apenas: Acadêmico

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA VERA DE PAULA GARCIA CLEUZA ORTIZ MARTINS A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA OS ALUNOS DO 3º ANO

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA VERA DE PAULA GARCIA CLEUZA ORTIZ MARTINS A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA OS ALUNOS DO 3º ANO ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA VERA DE PAULA GARCIA CLEUZA ORTIZ MARTINS A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA OS ALUNOS DO 3º ANO NOVA ANDRADINA - 2009 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA

Leia mais

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola História em Quadrinhos e Fanzine na Escola Aula 2 2ª parte Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 O que é HQ? Histórias em quadrinhos são registros imagéticos que compreendem

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Depoimento de Fredric M. Litto Presidente da ABED-Associação Brasileira de Educação a Distância Brasília, 5 de julho de 2007 ABED-Associação

Leia mais

Oficina. Conexão wi-fi Tela ou parede para projeção

Oficina. Conexão wi-fi Tela ou parede para projeção Oficina Dados básicos Titulo Autor Instituição Proposta (objetivo) Equipamentos Disponíveis Como ser um professor autor de jogos educativos em tablets, Windows e Linux com o Visual Class Luciana Allan,

Leia mais

Comércio Eletrônico Curso de Especialização SEBRAE

Comércio Eletrônico Curso de Especialização SEBRAE Comércio Eletrônico Curso de Especialização A N A L I S T A DE N E G Ó C I O Apoio Realização SEBRAE 1 WEB DESIGN Módulo 2 NatãMorais de Oliveira 2 Objetivo Treinar o Analista de Negócio no planejamento

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

NOME CURRICULUM VITAE

NOME CURRICULUM VITAE NOME OBSERVAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO MODELO DE CAPA: (TAMANHO FONTE 14, FONTE: TIMES NEW ROMAM OU ARIAL, MAIUSCULAS, NEGRITADO, CENTRALIZADO E NOME SEM ABREVEITURAS) Observação para o Preenchimento: margem

Leia mais

Organização dos Estados EDITAL DE SELEÇÃO 222/2013 Ibero-americanos PROJETO OEI/BRA/08/006 Para a Educação, ERRATA: a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados EDITAL DE SELEÇÃO 222/2013 Ibero-americanos PROJETO OEI/BRA/08/006 Para a Educação, ERRATA: a Ciência e a Cultura Organização dos Estados EDITAL DE SELEÇÃO 222/2013 Ibero-americanos PROJETO OEI/BRA/08/006 Para a Educação, ERRATA: a Ciência e a Cultura A OEI Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 1. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota de PIC é a média entre a nota

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO FORMATAÇÃO GERAL PAPEL: A4 MARGEM: 3 cm à esquerda e superior e 2 cm à direita e inferior ESPAÇAMENTO: 1,5 texto corrido; entre parágrafo 6pts antes e depois FONTE: Times New Roman ou Arial TAMANHO DA

Leia mais

Diretrizes para Autores

Diretrizes para Autores Diretrizes para Autores Os manuscritos recebidos eletronicamente (em ), que estiverem de acordo com as normas da revista e forem considerados potencialmente publicáveis pela,

Leia mais

SEMANA ACADÊMICA 2014 Educação, Ciências e Inovações

SEMANA ACADÊMICA 2014 Educação, Ciências e Inovações SEMANA ACADÊMICA 2014 Educação, Ciências e Inovações APRESENTAÇÃO Com o objetivo de integrar e divulgar as ações diversas produzidas no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão universitária nos cursos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO PROJETO DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS DOS ALUNOS BENEFICIÁRIOS DE BOLSA OVG 2015-2

DIRETRIZES GERAIS DO PROJETO DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS DOS ALUNOS BENEFICIÁRIOS DE BOLSA OVG 2015-2 DIRETRIZES GERAIS DO PROJETO DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS DOS ALUNOS BENEFICIÁRIOS DE BOLSA OVG 2015-2 CONHECER A CIDADE DE PIRES DO RIO GO PARA VALORIZÁ-LA INTRODUÇÃO Estas diretrizes descrevem os procedimentos

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL N 005/2015

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL N 005/2015 PUBLICADA EM 15/09/2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL N 005/2015 O presente Edital torna pública a abertura de inscrições e estabelece as diretrizes gerais para

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 2014. DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A)

MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 2014. DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A) MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 14 1. ENUNCIADO DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A) Gestão da Cadeia de Suprimentos Transporte e Distribuição Física Custos Logísticos Autor: Prof. Me. Rodrigo Rodrigues Anhanguera

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO SINEPE/PR DE PRÁTICAS INOVADORAS EM EDUCAÇÃO EDIÇÃO 2015

REGULAMENTO DO PRÊMIO SINEPE/PR DE PRÁTICAS INOVADORAS EM EDUCAÇÃO EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO DO PRÊMIO SINEPE/PR DE PRÁTICAS INOVADORAS EM EDUCAÇÃO EDIÇÃO 2015 I OBJETIVO DA PREMIAÇÃO 1.1 - O PRÊMIO SINEPE/PR DE PRÁTICAS INOVADORAS EM EDUCAÇÃO EDIÇÃO 2015 é uma iniciativa do SINEPE/PR

Leia mais

FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008

FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008 FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008 EDITAL QUE REGULAMENTA A INSCRIÇÃO, APRESENTAÇÃO, AVALIAÇÃO E PREMIAÇÃO DOS TRABALHOS PARA A II JORNADA CIENTÍFICA DAS FACULDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 018/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

Leia mais

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social Letras Profa. Dra. Leda Szabo Prática de Ensino de Língua Portuguesa Objetivo Apresentar um breve panorama do ensino e aprendizagem da língua portuguesa. Abordar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

1º EDITAL DE SELEÇÃO DE PESQUISAS - A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO BRASIL

1º EDITAL DE SELEÇÃO DE PESQUISAS - A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO BRASIL 1º EDITAL DE SELEÇÃO DE PESQUISAS - A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO BRASIL O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Autarquia Federal, vinculada ao Ministério da Cultura,

Leia mais

Combate à dengue. 1. Justificativa. Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba

Combate à dengue. 1. Justificativa. Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba Combate à dengue Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba O projeto Combate à dengue será desenvolvido no Colégio Municipal Centro Educacional de Tremedal (CET), localizado na cidade de Tremedal (BA), com

Leia mais

Oficina. Trazer os princípios básicos da criação de jogos educativos para tablets, Windows e Linux com o auxílio do software de autoria Visual Class

Oficina. Trazer os princípios básicos da criação de jogos educativos para tablets, Windows e Linux com o auxílio do software de autoria Visual Class Dados básicos Titulo Autor Instituição Proposta (objetivo) Equipamentos Necessários Oficina Como ser um professor autor de jogos educativos em tablets, Windows e Linux com o Visual Class Luciana Allan,

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

PLANO DE CURSO Aprendizagem Industrial

PLANO DE CURSO Aprendizagem Industrial 1 - NOME DO CURSO em Telemarketing 2 ÁREA DO CURSO Gestão 3 TITULARIDADE PROFISSIONAL Operador de telemarketing 4 PERFIL PROFISSIONAL 4.a Perfil Profissional de Conclusão: Atender usuários, oferecer serviços

Leia mais

II SEMANA AMBIENTAL DA UNICESUMAR NORMAS PARA ENVIO DOS TRABALHOS

II SEMANA AMBIENTAL DA UNICESUMAR NORMAS PARA ENVIO DOS TRABALHOS II SEMANA AMBIENTAL DA UNICESUMAR NORMAS PARA ENVIO DOS TRABALHOS Os trabalhos poderão ser inscritos na forma de resumo expandido (mínimo 3 e máximo 5 páginas); Serão aceitos trabalhos que sejam resultados

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog.

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog. Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG META Aprender a construir e utilizar um Blog. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através desse tipo de ferramenta, criar um ambiente de socialização de materiais

Leia mais

PESQUISA INTERDISCIPLINAR

PESQUISA INTERDISCIPLINAR FACULDADE MONTESSORIANO DE SALVADOR COORDENAÇÃO DOS CURSOS PESQUISA INTERDISCIPLINAR Salvador 2 1. O QUE É? Trata-se de uma pesquisa interdisciplinar de caráter teórico-empírico, envolvendo aspectos das

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário Plano de Ação do Projeto. Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto.

Instruções para preenchimento do formulário Plano de Ação do Projeto. Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto. Capa Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto. Órgão / Empresa - Escreva o nome do órgão ou empresa coordenadora do projeto. Plano de Ação do Projeto Escreva o nome do projeto.

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

EDITAL TEMA LIVRE XII JANP

EDITAL TEMA LIVRE XII JANP EDITAL TEMA LIVRE XII JANP A Comissão Organizadora da XII Jornada Acadêmica de Anatomia Aplicada faz saber que estarão abertas, no período de 19 de junho de 2015 a 03 de julho de 2015, as inscrições para

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

EDITAL 2011. Processo de Seleção para o Curso de Especialização em Defesa Social, Cidadania e Gestão da Informação

EDITAL 2011. Processo de Seleção para o Curso de Especialização em Defesa Social, Cidadania e Gestão da Informação INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO PARÁ EDITAL 2011 Processo de Seleção para o Curso de Especialização em Defesa Social,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG ÀS REVISTAS ESTABELECE NORMAS PARA A ELABORAÇÃO E PUBLICAÇÃO DOS ARTIGOS LITERÁRIOS OU CIENTÍFICOS A SEREM SEGUIDAS PELOS AUTORES INTERESSADOS.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Psicologia COREU

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Psicologia COREU VII SEMANA DA DIVERSIDADE TEMA: PSICOLOGIA, LIBERDADE, ÉTICA 23ª Jornada da Clinica de Psicologia 8ª Jornada da Ênfase Psicologia Organizações e Sociedade 2ª Jornada da Rede Psi EDITAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 6ª Série Planejamento, Programação e Controle de Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Agenda do Ipê 1 RESUMO

Agenda do Ipê 1 RESUMO Agenda do Ipê 1 Welson Pereira LIMA JÚNIOR 2 Diego Leite MACHADO DA LUZ 3 Thiago ÁLVARES DA TRINDADE 4 Juliana PETERMANN 5 Janderle RABAIOLLI 6 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 A Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, entidade sem fins lucrativos, com

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Filipa Torres Santos Queiroz Morada Rua Alexandre Herculano nº29 2025-307 Amiais de Baixo Telefone 93 813 65 42 Correio electrónico Filipa_queiroz83@hotmailcom

Leia mais