Qual é o Papel da Inteligência de Negócios (BI) nos Países em Desenvolvimento? Um Panorama das Empresas Brasileiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qual é o Papel da Inteligência de Negócios (BI) nos Países em Desenvolvimento? Um Panorama das Empresas Brasileiras"

Transcrição

1 Qual é o Papel da Inteligência de Negócios (BI) nos Países em Desenvolvimento? Um Panorama das Empresas Brasileiras Autoria: Maira Petrini, Marlei Pozzebon, Maria Tereza Freitas Resumo No contexto corporativo, a combinação de inovação tecnológica e crescente competitividade fazem com que a gestão da informação seja um enorme desafio e exija processos de tomada de decisão construídos sobre informação segura, oportuna e abrangente. Em relação à Tecnologia de Informação (TI), depois de anos de investimentos marcantes no sentido de implementar uma plataforma tecnológica que apoiasse todos os processos empresariais e que fortalecesse a eficiência da estrutura operacional, a maioria das organizações tem alcançado um estágio onde a implementação de soluções de TI para níveis estratégicos não só é possível, mas necessária. Este contexto explica o aparecimento da área conhecida como Inteligência de Negócios ou "Business Intelligence (BI), visto como uma resposta às necessidades atuais em termos de informação para tomada de decisão, com a utilização intensiva de tecnologias de informação. O objetivo deste projeto de pesquisa é examinar o significado e o papel da Inteligência de Negócio (BI) em um contexto particular, o dos países em desenvolvimento, mais especificamente, o contexto brasileiro. Se a administração da TI já é um desafio para empresas em países desenvolvidos, o que pode-se dizer sobre organizações que lutam em contextos instáveis como os dos países em desenvolvimento? 1 Introdução As últimas décadas do século XX e o início do século XXI têm sido marcadas por uma expansão das Tecnologias de Informação (TI) e comunicação através do mundo industrializado, num ritmo vertiginoso (Steinmueller, 2001). Tendências de globalização não só trazem um ambiente competitivo turbulento, e na maior parte do tempo desigual, como também propagam ondas de "imperativos administrativos" como programas de qualidade total, reengenharia e sistemas integrados, os quais exercem uma enorme pressão sobre as organizações que não só querem sobreviver mas também serem bem sucedidas. Além da busca de desempenho e efetividade, organizações globais precisam também respeitar a ética, e demonstrar responsabilidade social e ambiental. Este contexto inteiro torna a tarefa de administrar a informação um desafio real. De fato, a gestão da informação é vista como um dos maiores desafios que caracterizam o contexto corporativo atual. A combinação de inovação tecnológica constante e crescente competitividade faz com que a administração da informação seja um enorme desafio e exija processos de tomada de decisão construídos sobre informação segura e oportuna, recolhida de fontes internas e externas. Embora o volume de informação disponível esteja aumentando, isto não significa que as pessoas tenham capacidade de extrair o seu valor (Burn e Loch, 2001). Em relação à TI, depois de anos de investimentos marcantes no sentido de implementar uma plataforma tecnológica que apoiasse todos os processos empresariais e que fortalecesse a eficiência da estrutura operacional, a maioria das organizações pressupõe terem alcançado um estágio onde a implementação de soluções de TI para níveis estratégicos não só é possível, mas necessária. Este contexto explica o aparecimento da área conhecida como Inteligência de Negócios ou "Business Intelligence (BI), visto como uma resposta às necessidades atuais em termos de informação para tomada de decisões estratégicas, com a utilização intensiva de TI. 1

2 Esta percepção da TI como um fator estratégico não é exclusiva aos países desenvolvidos. É esperado que tenha um papel chave fundamental também nos países em desenvolvimento. A possibilidade da transferência de tecnologia é vista como uma oportunidade para organizações em países emergentes de maneira a queimar etapas de crescimento nos seus programas para industrialização e progresso (Steinmueller, 2001). Contudo, muito frequentemente os resultados de soluções baseadas em TI têm mostrado pequenos impactos nos objetivos que as empresas pretendem alcançar (Sahay e Avgerou, 2002). Entre as razões para esta situação, pode-se argumentar que as soluções de TI desenvolvidas dentro de determinados contextos (como o mundo desenvolvido, por exemplo) não são necessariamente vantajosas quando incorporadas em outros contextos, como os chamados em desenvolvimento. Tais considerações instigaram a avançar com um programa de pesquisa a fim de investigar o estado da arte e o papel, se é que existe, de projetos de Inteligência de Negócios (BI) no contexto de países em desenvolvimento, mais especificamente, no contexto do Brasil. Por trás de uma investigação mais ampla Qual o papel da Inteligência de Negócios (BI) nos países em desenvolvimento? duas questões estão sendo exploradas. Primeiro, quais as abordagens, modelos ou quadros de análise (frameworks) que têm sido adotados para implementar projetos de Inteligência de Negócios (BI) em empresas brasileiras? Estas abordagens são aderentes a uma estratégia de negócio particular da organização ou adotam padrões importados do contexto dos países desenvolvidos? Qual o tipo de informação a ser considerado para integrar esses sistemas? Formal ou informal? De que forma é obtida a informação? Qual a origem da informação: Fontes internas e externas? Há uma tendência que privilegia algumas áreas, como finanças ou marketing, em detrimento de outras, ou há uma preocupação em manter múltiplas perspectivas? Segundo, qual é o valor percebido da Inteligência de Negócios (BI) para a administração estratégica das empresas brasileiras? Considerando que o uso de TI teve lugar no contexto da globalização, e estando atento para o fato de que as empresas que participam em tais processos globalizados nem sempre competem em iguais condições, como aplicações de Inteligência de Negócios (BI) podem ajudar as organizações em países em desenvolvimento a obter vantagens competitivas? Explorando estas questões e discutindo-as com os empresários brasileiros, o propósito desta pesquisa foi desenhar um panorama em termos de que tipo de projetos de Inteligência de Negócios (BI) já foram implementados nas empresas brasileiras e qual o seu valor agregado em termos de ganhos de vantagens competitivas relativamente as empresas em países desenvolvidos. 2 Revisão de Literatura 2.1 TI e Países em Desenvolvimento Frequentemente assume-se que o impacto da implementação de TI é similar em qualquer empresa, independentemente do contexto social e da cultura local particular aonde se encontra esta organização. Baseada na experiência e pesquisa em diferentes lugares do mundo como Europa e América Latina, Avgerou (2002) sustenta uma visão diferenciada. Ela desenvolve uma abordagem conceitual para dar respostas a diversidade organizacional em que as inovações de TI tomam lugar. Desde conceitos institucionalizados da sociologia da tecnologia, passando por debates atuais sobre a globalização até críticas da racionalidade da modernidade, a autora mostra como os processos de inovação de TI e mudanças organizacionais refletem aspirações, preocupações e ações locais, bem como as múltiplas influências institucionais de globalização. 2

3 Dentro desta perspectiva, levantam-se questões como: A implementação de TI nos países em desenvolvimento pode ser tratada de forma similar aos países industrializados? Por exemplo, Mursu et al (2000) sugerem que existem requisitos especiais que deveriam ser levados em conta na metodologia para desenvolvimento de Sistemas de Informação (SI) na África. Estes requisitos especiais estão baseados nas condições socio-econômicas locais, bem como em assuntos socio-políticos mais amplos, como sustentabilidade, acessibilidade e identidade comunitária. Embora estas questões sejam também pertinentes aos países industrializados, elas mostram-se mais críticas nos países em desenvolvimento, não tendo sido suficientemente endereçadas através da metodologia de desenvolvimento de SI existente. Realmente, inúmeras estimativas sugerem que uma maioria significativa de projetos de SI falha de algum modo nos países em desenvolvimento. Por que isto ocorre? Primordial para o sucesso ou fracasso do desenvolvimento de SI em países desenvolvidos é o caminho percorrido entre onde nós estamos agora e para onde o sistema de informação quer nos levar. O primeiro será representado pelas realidades atuais do contexto particular (parte de qual pode contemplar percepções subjetivas da realidade). O último será representado pelo modelo ou concepções, exigências e suposições que estiverem incorporados no desenho do novo SI. O Projeto Conceitual deriva em grande parte da visão global dos stakeholders que dominam o processo de concepção do SI. De uma forma mais precisa, pode ser dito que o sucesso e a falha dependem da lacuna existente entre as realidades atuais e o projeto conceitual dos sistemas de informação (Heeks, 2002). Tais lacunas surgirão especialmente quando os projetos conceituais dominantes estiverem remotos (física ou simbolicamente) do contexto da implementação e uso do SI. Embora isto possa acontecer de vários modos, a área dos SI dos países em desenvolvimento é dominada particularmente pela transferência mecanicista de projetos de uma realidade para outra (Heeks, 2002). Este contexto pode ser exemplificado pela experiência das Filipinas. Lá, um projeto de fundo de assistência para introduzir um SI de saúde foi projetado de acordo com um modelo que assumia a presença de programadores qualificados, gerentes de projeto qualificados, uma infra-estrutura tecnológica sólida, e uma necessidade para produção de informação como as utilizadas pelo sistema de saúde Americano (Jayasuriya 1995 apud Heeks 2002). Na realidade, nenhum destes fatores estavam presentes no contexto filipino e o projeto de SI falhou. Acredita-se que exista um papel emergente e importante para a pesquisa de TI: estudar os indivíduos em particular, grupos, organizações, ou sociedades em detalhe, e em contexto. Desta forma, estudos de SI organizacional de todas as partes do mundo poderiam formar a base para comparações e conclusões de um ponto de vista global. A fim de contribuir com avanços nos conhecimentos locais / globais de implementação e uso de SI, esta pesquisa em Inteligência de Negócios (BI) aponta para os países em desenvolvimento: através do acesso às empresas brasileiras, buscou-se encontrar novas perspectivas com relação ao contexto de países em desenvolvimento. Segundo Meier (2000), TI é uma ferramenta poderosa para ajudar os países a promover o seu desenvolvimento. O autor cita como exemplo a possibilidade de reforçar e redirecionar novos programas educacionais, criar pequenas organizações não-governamentais orientadas à comunidade e a comunicação social. Estudos recentes em SI têm mostrado a importância do contexto local e, mais especificamente, a importância da adaptação de práticas globais baseadas em TI quando implementadas em países em desenvolvimento. Porém, a natureza destas adaptações e os fatores que as criam ainda são pobremente compreendidos (O'Bada, 2002). 3

4 2.2 Inteligência de Negócios (BI) A revisão de literatura em Inteligência de Negócios (BI) revela poucos estudos, sendo a maioria deles conceituais. Além disso, reconhece-se a separação tradicional entre aspectos técnicos e administrativos, organizados em dois grupos (Tabela 1). Foco Principal Referências Abordagem Administrativa O foco no processo de coleta de dados de fontes internas e externas e análise dos mesmos, a fim de gerar informação relevante. Liautaud (2000); Luckevich, Vitt e Misner (2002); Schonberg et al. (2000); Kalakota & Robinson (2001) Abordagem Tecnológica O foco nas ferramentas tecnológicas que suportam o processo. Kudyba e Hoptroff (2001); Watson, Goodhue and Wixon (2002); Scoggins (1999); Hackathorn (1999); Dhar e Stein (1996); Giovinazzo (2002) Tabela 1: Duas abordagens de Inteligência de Negócios (BI) Na abordagem administrativa, a Inteligência de Negócios (BI) é vista como um processo em que os dados internos e externos da empresa são integrados para gerar informação pertinente para o processo de tomada de decisão. O papel da Inteligência de Negócios (BI) aqui é criar um ambiente informacional com processos através dos quais dados operacionais possam ser coletados, tanto dos sistemas transacionais como de fontes externas, e analisados, revelando dimensões estratégicas do negócio. Desta perspectiva emergem conceitos como organização inteligente : uma empresa que usa a Inteligência de Negócios (BI) para tomar decisões mais rápidas e mais inteligentes que os seus competidores (Liautaud, 2000). Simplificando, inteligência significa a redução de um enorme volume de dados em conhecimento, através de um processo de filtragem, análise e disseminação da informação (Kalakota & Robinson, 2001). A resposta de como as empresas adquirem inteligência poderia estar na transformação de dados-informação-inteligência. Aqui emerge uma crença tradicional: dados são crus e espelham as transações diárias e operacionais de uma empresa; informação são os dados filtrados e que, através de um processo de agregação, adquirem um certo nível de significado contextual; inteligência eleva a informação a um estágio superior: é o resultado da compreensão completa de ações, contextos e escolhas. A abordagem tecnológica apresenta a Inteligência de Negócios (BI) como um conjunto de ferramentas que apoia o armazenamento e análise de informação. O foco não está no próprio processo, mas nas tecnologias que permitem a gravação, recuperação, manipulação e análise da informação. Por exemplo, Kudyba e Hoptroff (2001) entendem a Inteligência de Negócios (BI) como uma tecnologia de repositório de dados Data Warehouse (DW) que permite aos usuários extrair dados (demográficos e transacionais) e gerar relatórios estruturados que podem ser distribuídos nas empresas através das redes internas (Intranets). Watson, Goodhue & Wixon (2002) têm identificado que algumas organizações obtém mais retorno na implementação de DW do que outros, demonstrando inclusive medidas de quantificação do impacto alcançado com a sua implementação. A evolução no uso de DW acontece quando são aplicadas técnicas avançadas de mineração de dados para transformar dados em informação (Scoggins, 1999). Nesta área, Hackathorn (1999) aborda a convergência de tecnologias de armazenamento de dados, mineração de dados, análise de hipertexto e recursos de informação da Internet como um grande desafio que reside na criação de uma arquitetura para todas estas tecnologias em uma plataforma de Inteligência de Negócios (BI) organizacional. Independente da abordagem, administrativa ou tecnológica, existem idéias compartilhadas em todos estes estudos: (1) a essência da Inteligência de Negócios (BI) é a coleta da informação, 4

5 análise e uso e (2) o objetivo é apoiar o processo de tomada de decisão estratégica. A análise da literatura existente sobre Inteligência de Negócios (BI) permite compreender seu conceito sob os pontos de vista administrativo e tecnológico. Entretanto, para investigar os modelos ou quadros de análise (frameworks) que têm sido adotados, verificando a aderência destes a uma estratégia de negócio particular da organização, e para identificar o tipo de informação a ser considerado para integrar esses sistemas e como é obtida, outras áreas precisam ser investigadas como Planejamento da Informação, Balanced Scorecard e Inteligência Competitiva. 2.3 A contribuição da literatura do Planejamento da Informação: informação estratégica Autores que escrevem sobre Planejamento da Informação enfatizam a importância de identificar informação em um volume reduzido de dados, porém estratégicos (Reich e Benbasat, 2000), posicionando-se em um paradoxo relativo à sobrecarga de informação que temos hoje: o problema da Inteligência de Negócios (BI) é exatamente reduzir quantidade em qualidade. De acordo com Connely et al. (1997), é muito provável que a informação relevante para a tomada de decisão já exista dentro da empresa ou esteja claramente definida na mente dos administradores. Os autores também consideram que a mais valiosa informação para tomada de decisão concentra-se em um número relativamente pequeno de sweet spots que já existem na informação que flui ao longo da cadeia de valor das organizações, categorizadas de acordo com a área na qual eles se referem e que deveriam ser monitorizadas (Tabela 2). ADMINISTRAÇÃO GERAL Finanças Produção 1. Balanço de rendimento Multidimensional 14. Administração de capacidade 2. Análise de Lucro Drill-Down 15. Padrões de Custo Produto & Qualidade 3. Balancete Multidimensional 16. Causa da Baixa Qualidade 4. Influências Financeiras Principais Distribuição 5. Análise de Fluxo Monetário 17. Qualificação da Transportadora Vendas Atendimento ao consumidor 6. Análise de vendas 18. Entrega nos prazos 7. Rentabilidade dos Clientes & Produtos 19. Reclamações e Retornos 8. Plano de Vendas versus Previsões 20. Custo de Relação de Serviço 9. Pipeline de vendas HR/TI Marketing 21. Administração de RH 10. Análise de Marketing Estratégico 22. Competência essenciais 11. Análise de Marketing Tático 23. Desenvolvimento de BI Compras modos Retorno sobre o investimento 12. Rotatividade do estoque 13. Qualificação do Fornecedor Tabela 2: 24 Formas de Impactar o seu Negócio (CONNELY et al, 1997) A análise de tais sweet spots permitiria a redução de custo, melhoria de desempenho e possíveis vantagens competitivas. A fim de tornar o processo de tomada de decisão mais efetivo, os autores sugerem que as informações deveriam ser repassadas de uma maneira compatível com o modo de pensar dos gerentes, uma vez que diferentes administradores analisam a informação de diferentes pontos de vista. Em uma área semelhante, tem-se o conhecido método dos Fatores Críticos de Sucesso (FCS), pelo qual são identificados e selecionados os objetivos executivos, os indicadores, as medidas e os relatórios, através de uma sucessão de entrevistas com a alta administração. Rockart 5

6 (1979) sugere a identificação dos FCS por uma série de sessões isoladas que envolvem a alta direção. Nestas sessões, os objetivos e os FCS são reconhecidos, bem como a relação existente entre os mesmos, são criados os indicadores e medidas, e discutidos os possíveis relatórios. Estes panoramas progressivos da estratégia da empresa e as medidas de desempenho estão baseados em fontes como a própria organização, sua posição na indústria e sua localização geográfica, assim como os demais fatores ambientais e temporais. A principal contribuição de Connely et al. (1997) e Rockart (1979) para este trabalho em Inteligência de Negócios (BI) é que ambos sugerem que as informações relevantes para a tomada de decisão podem ser sistemática e coletivamente identificadas dentro da empresa desde que respeitem estilos de tomada de decisão e pontos de vista individuais. Tal equilíbrio entre padronização e customização é um dos maiores desafios em qualquer projeto de SI. Em Inteligência de Negócios (BI), parece até mais crucial. 2.4 A contribuição da abordagem do Balanced Scorecard: informação multidimensional Encontra-se no Balanced Scorecard (BSC) um suporte adicional para o presente estudo ao associar indicadores e medidas de monitoramento aos objetivos estratégicos da companhia. O conceito de BSC abrange um conjunto de medidas que provêem uma visão rápida e compreensível do negócio para os executivos de alto nível (Kaplan e Norton, 1992). Seu desenvolvimento foi motivado pelo descontentamento com as medidas tradicionais de desempenho, preocupadas somente com as métricas financeiras, focalizadas no passado, sem olhar para o futuro. Como resultado, as medidas financeiras foram complementadas com métricas relacionadas aos processos internos do negócio, aos clientes e a medidas inovadoras e aprendizagem organizacional (Tabela 3). Perspectiva Exemplos de Indicatores de Desempenho Financeiro! Retorno sobre o investimento Cliente! Fidelização do Cliente! Entrega nos Prazos Processo Interno / Negócio! Qualidade do Processo! Tempo do Ciclo do Processo Aprendizagem e Crescimento! Qualificação dos Empregados Tabela 3: Indicadores de desempenho de acordo com as quatro perspectivas do BSC. A principal contribuição do BSC para este estudo é a idéia de múltiplas perspectivas. Mas em um mundo onde constantemente são revisadas as estratégias de administração, onde modelos empresariais vêm e vão como ondas no mar, analisar as quatro perspectivas propostas em BSC proporciona todas as necessidades de informação da empresa nos dias de hoje? Não deveriam ser consideradas novas perspectivas? Por exemplo, em um mundo cada dia mais globalizado, as vantagens competitivas das empresas movem-se da coerência de processos internos para a busca de coerência com as cadeias de valor ampliadas. Além disso, o papel social e ambiental da empresa, relacionados as suas comunidades locais e países também têm aumentado em visibilidade e importância. Processos inter-organizacionais e responsabilidade social poderiam ser considerados exemplos de novas perspectivas que a abordagem de BSC deveriam articular. 2.5 A contribuição da área de Inteligência Competitiva: informação contextualizada 6

7 Finalmente, buscou-se a percepção de uma área vizinha, a Inteligência Competitiva (IC). A Sociedade dos Profissionais de Inteligência Competitiva (Society of Competitive Intelligence Professionals - SCIP) define inteligência como um processo de coleta, análise e disseminação de informação precisa, relevante, específica, atual e visionária, relacionada com a empresa, o ambiente empresarial e os competidores (Miller, 2002). Encontra-se aqui a mesma preocupação com o processo de coleta e análise dos dados, e com a distinção entre informação e inteligência, como definidas na Inteligência de Negócios (BI), mas o foco está na obtenção das informações externas sobre competidores e mercados. A preocupação central de IC está em como a inteligência pode fluir pela organização para o benefício de todos. Por exemplo, em uma indústria de manufatura, o nível de desperdício é uma informação que pode ser analisada com o passar do tempo, de acordo com a linha de produto (o seu contexto). Estas análises mostram que os níveis de desperdício são mais altos em um período específico de tempo, com uma linha de produto específica. As análises mais profundas, incluindo informação externa, podem mostrar que tal incremento coincide com o aumento de umidade de ar. A inteligência, que pode ser utilizada para determinar uma ação, é que o material usado naquela linha de produto específico é mais sensível a umidade do ar do que outros materiais. Informação é factual, inteligência é algo que pode determinar uma atitude, porém, ambas são contextuais. 2.6 O significado da Inteligência de Negócios (BI): propondo uma nova definição Todas as abordagens revisadas acima são claramente dominadas por uma atitude objetivista que desconsideram a construção social e o processo político de produção de informação em qualquer organização. Com a intenção de desenvolver uma apreciação mais crítica, elaborou-se uma definição distinta da Inteligência de Negócios (BI): um processo construído coletiva e socialmente de coleta, análise e disseminação de informação, onde a informação retida é pouca mas estratégica, pertencente a múltiplas perspectivas, que reflete os ambientes internos e externos, e sua contextualização. Além disso, acredita-se que tal processo deveria ser reflexivo, isto é, membros da organização deveriam reconhecer o seu papel como produtores e consumidores de informação, e o papel da sua organização nos seus contextos. 3 Métodos de Pesquisa A presente pesquisa pode ser classificada como um estudo qualitativo, uma vez que busca descrever e entender os fenômenos complexos, cujos fatores contextuais devem ser analisados profundamente. Até o presente momento, não existem estudos acadêmicos que apontem para pesquisas de Inteligência de Negócios (BI) de um ponto de vista prático no Brasil. Com o objetivo de preencher esta lacuna, através da investigação da implementação e utilização de projetos de Inteligência de Negócios (BI) no Brasil, buscou-se identificar quais abordagens estão sendo aplicadas pelas empresas brasileiras, que tipo de informação e fontes são utilizados e quais os benefícios alcançados. Baseados em estudos recentes (Robey et al., 2002; Hannula & Pirttimaki, 2003), que mostram o valor das entrevistas realizadas por telefone, especialmente utilizadas para desenhar um panorama inicial de determinados fenômenos; optou-se por usar entrevistas semi-estruturadas, a fim de cobrir um maior número de empresas brasileiras. 7

8 Adotou-se o critério de amostragem (Miles e Huberman, 1990), isto é, todos os casos selecionados possuíam o mesmo critério: empresas que tenham implementado um projeto de Inteligência de Negócios (BI) e que estejam utilizando-o atualmente. Através de um questionário semi-estruturado (disponível sob solicitação), foram entrevistados por telefone os responsáveis pelas atividades de Inteligência de Negócios (BI) de cada organização selecionada, entre Janeiro e Março de Inicialmente foram contatadas 30 empresas, porém somente 15 concordaram em participar. As demais argumentaram questões de segredo comercial ou falta de interesse pelo estudo. O número de casos do estudo é reduzido, porém a realidade mostra que o número de empresas brasileiras a utilizar sistemas de Inteligência de Negócios (BI) ainda é muito pequeno. Em uma pesquisa do IDC (2002) sobre cenários e tendências de Inteligência de Negócios (BI), onde foram investigadas 250 empresas brasileiras, os resultados mostraram que somente 12% delas (30 empresas) já investiram em alguma solução de projetos nesta vertente, sem quantificar percentuais de sucesso desta população. Dentro deste contexto, o estudo mostra-se representativo, uma vez que abarca 50% deste universo. A barreira principal para a adoção de um sistema de Inteligência de Negócios (BI) é justificar o retorno real que as empresas podem obter com a sua aquisição. 4 Os Resultados As empresas pesquisadas pertencem a diferentes indústrias (manufatura, financeira, seguros, bens de consumo, química, saúde, tecnologia), e podem ser classificadas de porte médio a grande, uma vez que empregam de 500 a mais de 1000 funcionários. Na sua grande maioria (mais de 80%) são subsidiárias brasileiras de organizações multinacionais. Há quantos anos as empresas brasileiras utilizam um sistema de Inteligência de Negócios (BI)? Os sistemas de Inteligência de Negócios (BI) são relativamente recentes nas empresas brasileiras. Das empresas entrevistadas, 73% começaram a utilizar sistemas de Inteligência de Negócios (BI) nos últimos 3 anos, sendo que as aplicações mais antigas operam há somente 6 anos. Como estes sistemas no passado chamavam-se EIS (Executive Information Systems), foi perguntado se as empresas já utilizavam-no antes da implementação do projecto de Inteligência de Negócios (BI), mas a resposta foi negativa. Estas empresas utilizaram uma metodologia específica para identificar seus indicadores de Inteligência de Negócios (BI)? Uma das principais preocupações da pesquisa foi investigar qual a abordagem de implementação de Inteligência de Negócios (BI) é adotada pelas empresas brasileiras, em termos de identificação de indicadores de desempenho. Surpreendentemente, 73% das empresas entrevistadas não utilizam uma metodologia específica para desenvolvimento dos seus projetos. Ao contrário, simplesmente recuperam os indicadores ou medidas existentes, aqueles já utilizados em relatórios tradicionais de Sistemas de Informação Gerencial (SIG) e planilhas eletrônicas. De fato, parece que as empresas põem muito mais atenção construindo e administrando o repositório de dados, do ponto de vista técnico, do que pensando no seu conteúdo. Resumindo, um processo individual ou coletivo de identificação de indicadores fundamentais que podem ajudar efetivamente no processo de tomada de decisão não acontece. Relativamente as restantes 27%, as empresas que realmente usam uma metodologia de Inteligência de Negócios (BI) específica, optam, na sua maioria, pelo Balanced Scorecard. Foram articuladas quatro perguntas complementares, a fim de identificar qual o tipo de informação e as fontes que as empresas entrevistadas têm utilizado: (a) Como os indicadores 8

9 são identificados?; (b) A fonte de informação é interna ou externa?; (c) Existe algum tipo de indicador dominante?; e (d) Como os indicadores são organizados? Foram adotados indicadores padrões ou foram reconhecidos indicadores específicos do cenário local? O propósito de conhecer como os indicadores foram identificados advém da preocupação de verificar se a coleção de indicadores integrados no sistema de Inteligência de Negócios (BI) reflete as aspirações, preocupações e ações locais, e satisfaz a idéia de que países diferentes possuem requisitos diferentes. Os resultados são: 87% das empresas definiram os seus indicadores a partir do contexto brasileiro e 13% das empresas usam indicadores sugeridos pelas suas matrizes ou por consultores externos (até mesmo nestes casos, eles tentam ganhar vantagem e agregar indicadores do seu contexto local). Na próxima seção são discutidas as implicações destes resultados. São combinadas fontes externas de informação a fontes internas? Relativo às fontes de informação, nossos resultados mostram que o foco é a informação produzida de sistemas operacionais ou transacionais. Poucas empresas têm se preocupado com informação externa. Só 27% das empresas utilizam informação externa nos seus sistemas de Inteligência de Negócios (BI). Nestes casos, as informações externas perfazem de 10% a 25% da informação total utilizada. Entre as principais fontes de informação externa, encontramos os institutos de mercado (participação de mercado), institutos governamentais (informação demográfica) e pesquisa de mercado feita sob encomenda para um propósito específico. Existe algum tipo de indicador dominante? Abordagens como o Balanced Scorecard, advertem para o perigo das medidas de desempenhos refletirem essencialmente uma dimensão financeira, que é percebida como um tipo de monitoramento reativo e não pró-ativo. Mais do que evitar um domínio financeiro, estas abordagens reivindicam que os indicadores deveriam ser equilibrados, isto é, sem nenhuma perspectiva dominante mas uma mistura de vários. A pesquisa revela que 80% das empresas têm algum tipo de indicador dominante, os quais predominam os indicadores de vendas (58%) e os indicadores financeiros (42%). Em geral, isto pode explicar porque os sistemas de Inteligência de Negócios (BI) começaram nas áreas comerciais ou financeiras dentro das empresas e ficaram restritos a estas áreas. Como os indicadores são organizados? 67% das empresas organizaram os indicadores por áreas, como financeira, vendas, fornecedores, recursos humanos, etc. e 33% por produtos, como cartão de crédito, leasing, investimentos, seguro de automóvel e seguro de vida (de fato, todas as empresas que apresentaram os indicadores organizadas por produto são das indústrias de banco e seguros). Empresas que usam Balanced Scorecard mostram os indicadores de acordo com as suas quatro perspectivas: financeiro, cliente, processo interno negócio, aprendizagem e crescimento. Os usuários de uma área têm acesso à informação de outras áreas? Finalmente, foi questionado sobre a organização e o acesso à informação. Os usuários dos sistemas de Inteligência de Negócios (BI) são os gerentes (87%), alta direção (73%), superintendentes (33%) e especialistas (33%) de diferentes áreas. Em 67% destas empresas, os usuários de uma área podem acessar à informação de outras áreas, mas nenhuma empresa compartilha suas informações com fornecedores ou clientes. O controle de acesso está baseado em níveis hierárquicos, isto é, gerentes e alta direção podem acessar informação de todas as áreas, mas superintendentes ou especialistas podem acessar somente a sua área, ou papéis específicos, isto é, usuários de uma determinada filial podem acessar toda a informação, mas somente da sua filial. 9

10 5 Discussão Através desta primeira coleção de entrevistas semi-estruturadas, revelou-se um panorama interessante do uso de Inteligência de Negócios (BI) no Brasil. Alguns dos resultados eram esperados mas muitos apresentaram surpresas. A primeira surpresa é a lacuna existente entre os discursos dominantes de consultores e vendedores e o que foi encontrado na prática. Os consultores de TI e vendedores tentam convencer a opinião pública que a Inteligência de Negócios (BI) já é uma realidade na maioria das empresas, especialmente os líderes em cada segmento ou indústria. Este estudo em campo mostrou que, embora muitas empresas tencionem adotar uma aplicação de Inteligência de Negócios (BI), poucas já embarcaram em tal projeto. Esta lacuna entre as propagandas e a prática é específica do contexto brasileiro ou podemos encontrar um cenário semelhante mundialmente? Pelo menos no Canadá, da experiência de um dos investigadores que está trabalhando em uma universidade canadense, o quadro é bem parecido: há muito interesse pelo assunto BI, mas proporcionalmente existem poucos projetos já implementados ou amadurecidos. Por estas razões, o benefício real de investimentos em aplicações de Inteligência de Negócios (BI) ainda precisa ser provado. Acredita-se que este cenário é ligeiramente diferente no EUA, se forem consideradas as reivindicações de Kaplan e Norton de que 90% das empresas listadas na Fortune 1000 estão usando Balanced Scorecard para monitorar os seus negócios. Com exceção dos EUA, este panorama indica que as empresas brasileiras podem levar vantagem e começar a usar sistemas de Inteligência de Negócios (BI) no mesmo momento que a maioria dos seus competidores localizados mundialmente. Um segundo ponto importante identificado está relacionado à abordagem metodológica adotada por usuários da Inteligência de Negócios (BI), que respondeu a primeira pergunta: Quais as abordagens, modelos ou quadros de análise que têm sido adotados para implementar projectos de BI em empresas brasileiras? Essas abordagens são aderentes a uma estratégia de negócio particular da organização ou são padrões importados do contexto dos países desenvolvidos?. Surpreendentemente, a maioria das empresas não utilizaram alguma abordagem padrão ou importada. Sob determinados aspectos, isto pode ser considerado positivo, pois havia o receio de que o processo de globalização pudesse forçar um tipo de homogeneidade para empresas em países em desenvolvimento, impondo os seus modelos e abordagens, que frequentemente não são adaptados à realidade de outros contextos. No entanto, os resultados mostraram que é pouco frequente a adoção de alguma abordagem específica ou bem definida para implementar aplicações de Inteligência de Negócios (BI). Isto porém, pode tornar-se perigoso. A falta de uma metodologia para melhorar a habilidade de identificar de forma adequada os indicadores de desempenho pode pôr em perigo a própria existência de uma aplicação de Inteligência de Negócios (BI). Além disso, embora prestando atenção a informação local e contextualizada, os sistemas de Inteligência de Negócios (BI) nas empresas investigadas tendem a privilegiar a informação formal e interna em detrimento da informal e externa. Também o foco nas áreas financeiras e comerciais pode ser problemático, porque áreas importantes, que representam uma forte fonte de vantagem competitiva, como inovação, motivação dos empregados e aprendizagem coletiva podem ser negligenciadas (Kaplan e Norton, 1992). A consideração anterior esta relacionada diretamente a segunda pergunta da pesquisa: Qual é o valor percebido da Inteligência de Negócio (BI) para a administração estratégica das 10

11 empresas brasileiras? Considerando que o uso da TI teve lugar no contexto da globalização, e estando atento que empresas que participam em tais processos globalizados não competem em iguais condições, espera-se que as aplicações de Inteligência de Negócios (BI) possam ajudar as empresas em países em desenvolvimento a obter vantagens competitivas. Apesar disso, os resultados da pesquisa sugerem que poucas empresas brasileiras estejam usando aplicações de Inteligência de Negócios (BI), e entre elas, há uma ausência de metodologias bem definidas. Esta é uma tendência preocupante. Procurando as razões de tal quadro, questionou-se se um fenômeno conhecido de TI não estaria acontecendo: a adoção de uma inovação de TI sem realmente entender sua natureza ou seu valor. No contexto brasileiro, percebeu-se que os consultores e vendedores de TI tiveram uma forte influência em empurrar novas soluções de TI para as organizações, até mesmo quando a natureza ou valor de tal inovação não eram largamente entendidos. Isto significa que uma solução de Inteligência de Negócios (BI) pode ser adotada como um projeto estratégico, mas termina por ser uma solução técnica para problemas táticos e operacionais. A tendência atual entre gerentes de projetos de Inteligência de Negócios (BI) nas empresas brasileiras, na área de gerenciamento dos repositórios de dados reforça esta convicção. Uma aplicação de Inteligência de Negócios (BI) precisa de um alinhamento com a estratégia organizacional para produzir benefícios razoáveis. Uma falta de entendimento do papel estratégico destas aplicações deveria ser superada. A palavra estratégico é freqüentemente utilizada para aumentar o valor percebido do projeto de Inteligência de Negócios (BI) ou da oferta do vendedor, mas nem sempre esteve integrada ao processo empresarial implementado. Pode-se utilizar as palavras de Buytendijk (2001) para buscar o significado de estratégico, um dos termos mais abusados nos projetos de Inteligência de Negócio (BI). O que acontece quando a Inteligência de Negócios (BI) é aplicada do ponto de vista tático/operacional e não do ponto de vista estratégico? Um desenvolvimento estratégico de Inteligência de Negócios (BI) significa que esta aplicação é embutida nos sistemas e processos do negócio para construir uma empresa mais ágil, que pode se antecipar e reagir mais rapidamente que seus competidores às mudanças das condições do negócio e novas oportunidades de lucro. Por outro lado, um desenvolvimento tático de uma aplicação de Inteligência de Negócio (BI) tem por objetivo tornar o processo atual mais eficiente, normalmente o processo de relatório da administração. Em consequência, o uso estratégico da informação está focado em quão bem a organização está encontrando suas metas e objetivos pré-definidos. Além disso, este uso provê uma perspectiva e suporta diretamente como a organização está preparada para mudar de rota, indo além de melhorar as operações atuais. Enquanto prevalecer o uso tático da informação, o sistema vai atender a processos do dia-a-dia, ou somente melhorar os processos atuais. Quando estas diferenças não são claras, pode-se transformar o sistema de Inteligência de Negócios (BI) / Data Warehouse num cemitério de dados. Por um lado, um mau dimensionamento de infra-estrutura de armazenamento de dados pode representar um esbanjamento, que só atende a poucas aplicações, ou a subestimação causando atrasos e fracasso do projeto como um todo. Por outro lado, devido a falta de preocupação em definir a informação estratégica alinhada aos objetivos estratégicos, e sim recuperar indicadores ou medidas que já existam em planilhas eletrônicas, já utilizadas em relatórios administrativos tradicionais, o uso da Inteligência de Negócios (BI) não é estratégico, mas tático. Ao encontro desta afirmação vem um dos resultados da pesquisa, onde identifica-se que os principais 11

12 usuários destes sistemas não fazem parte da alta administração 73%, mas sim da administração intermediária e especialistas gerentes (87%), superintendentes (33%) e especialistas (33%). A Inteligência de Negócios (BI) termina sendo usado como um Sistema de Informação Gerencial (SGI), porém mais flexível e com funcionalidades gráficas, mas não como um novo EIS para tomada de decisão estratégica. Estas empresas estão adotando Inteligência de Negócios (BI) como uma nova aplicação tecnológica, um software novo, e não como uma nova abordagem administrativa. O valor de um sistema de Inteligência de Negócios (BI) está no valor dos indicadores e na informação que é produzida, analisada e disseminada. Se não houver nenhuma consciência em como produzir, analisar e disseminar tal informação e quão estratégicas são esses alertas produzidos, o benefício destes sistemas provavelmente será mínimo ou desaparecerá. Esta pesquisa sugere que o papel estratégico e social de TI não é sempre percebido. Atrás de qualquer aplicação de TI, demonstram-se escolhas sociais e políticas. Adotar uma aplicação de Inteligência de Negócios (BI) é muito mais uma questão organizacional ou administrativa do que tecnológica. Quando as empresas prestam mais atenção em como construir e gerir técnica e efetivamente um repositório de dados centralizado do que em construir coletiva e socialmente um mecanismo de produção e disseminação de informação útil e oportuna para a tomada de decisão, pode-se perder muito do benefício potencial de um projeto de Inteligência de Negócios (BI). Coletar e armazenar uma coleção de métricas, sem o respectivo alinhamento com os objetivos estratégicos organizacionais, podem ser vistos como desperdício de tempo e esforço. A exceção neste cenário são as empresas que decidiram usar Balanced Scorecard como uma abordagem metodológica. Devido a sua própria natureza, a abordagem do BSC exige a revisão das metas estratégicas, pois requer o alinhamento de indicadores fundamentais com as metas principais e os objetivos funcionais. Talvez por estas razões percebe-se que empresas que usam BSC possam ser as únicas que estejam utilizando suas aplicações de Inteligência de Negócios (BI) para propósitos verdadeiramente estratégicos. Por outro lado, exatamente porque empresas brasileiras não têm importado mecanicamente modelos e abordagens de outros contextos, deduz-se que exista aqui uma oportunidade para estimular estas empresas a desenvolver quadros de análise de acordo com os contextos social, econômico e cultural brasileiros. Mesmo que originados de uma maneira não-sistemática, os indicadores têm sido identificados de acordo com o contexto brasileiro e este fato pode representar um elemento importante a ser explorado pelos investigadores e profissionais que apontam para o uso de TI como um vetor para desenvolvimento. 6 Conclusões Este estudo exploratório levanta algumas questões importantes. Sistemas de Inteligência de Negócios (BI) na maioria das empresas que foram investigadas estão mais relacionados a tecnologia do que com o negócio. Em outras palavras, as empresas implementaram os seus sistemas com foco tecnológico, isto é, preocupadas em como estruturar o repositório de dados, qual o vendedor de tecnologia é melhor, etc. Há uma falta de foco na determinação de quais informações são mais relevante para o negócio, ou até mesmo alinhar indicadores, que seriam incluídos no sistema com objetivos estratégicos. Nas empresas onde Balanced Scorecard foi usado para direcionar o desenvolvimento do sistema de Inteligência de Negócios (BI), encontrou-se mais alinhamento entre os indicadores e os objetivos estratégicos. Acredita-se que a utilização de algum tipo de metodologia para ajudar a 12

13 identificar a informação estratégica poderia incrementar o valor ou os benefícios destes projetos. A constatação de que a maioria das empresas brasileiras investigadas tem definido os seus indicadores prestando especial atenção ao contexto brasileiro, apresenta-se como um resultado positivo, uma vez que estudos recentes de TI sugerem a importância do contexto local na implementação de soluções baseadas em TI em países em desenvolvimento (O'Bada, 2002). Porém, o fato de que a maioria das empresas não utilizam qualquer metodologia específica parece colocar em perigo a criação de valor ou vantagem competitiva dos seus projetos de Inteligência de Negócios (BI). Esta pesquisa propõe revisitar as visões existentes da Inteligência de Negócios (BI). Acreditase que um processo coletivo, contextualizado e crítico de administração de informação pode ajudar as empresas em países em desenvolvimento a alcançar valor nos seus projetos. TI pode ser uma ferramenta poderosa para ajudar os países a promoverem o seu próprio desenvolvimento (Meier, 2000) Porém, a natureza destas adaptações e os fatores que os influenciam são pobremente compreendidos. Esta pesquisa buscou trazer este problema ao domínio da Inteligência de Negócios (BI): como países em desenvolvimento deveriam utilizar TI de acordo com os seus contextos sociais, econômicos e culturais? Nossa contribuição principal é lançar alguma luz sobre assunto. Referências AVGEROU, C. Information Systems and Global Diversity, Oxford University Press, London BURN, J, & LOCH, K. The Societal Impact of the World Wide Web Key Challenges for the 21 st Century, Information Resources and Management Journal, vol. 14, no. 4, 2001, pp BUYTENDIJK, F. Strategic BI: Its Definition and Effect on Infrastructure, Gartner Group, CONNELY, R, et al (1997), The Muldimensional Manager: 24 ways to impact your bottom line in 90 days, Cognos Incorporeted, ON, Canada. DHAR, V, & STEIN, R. Seven Methods for Transforming Corporate Data into Business Intelligence, Prentice Hall, GIOVINAZZO, W. Internet-Enabled Business Intelligence, Prentice Hall, HACKATHORN, R. Farming the Web for Systematic Business Intelligence. Proceedings Of The Fifth ACM SIGKDD International Conference On Knowledge Discovery and Data Mining, San Diego, United States, HANNULA, M. & PIRTTIMAKI, V. Business Intelligence Empirical Study on the 50 Finish Companies, Journal of American Academy of Business Cambridge, Mar, 2003, pp HEEKS, R. Information Systems and Developing Countries: Failure, Success and Local Improvisation, Information Society, vol. 18, no. 2, 2002, pp IDC - International Data Corporation. Business Intelligence: Aspectos e Tendências do Uso de Ferramentas de Análise Corporativa, IDC - International Data Corporation. Ferramentas de Business Intelligence no Brasil KALAKOTA, R & ROBINSON, M. E-business 2.0 Roadmap for success, Addison- Wesley, NY, KAPLAN, R & NORTON, D. The Balanced Scorecard measures that drive performance, Harvard Business Review, 70(1), Jan-Feb, 1992, pp

14 KUDYBA, S, & HOPTROFF, R. Data Mining and Business Intelligence: A Guide to Productivity, Idea Group Publishing, LIAUTAUD, B. E-Business Intelligence: Turning Information into Knowledge into Profit, McGraw-Hill, LUCKEVICH, M.; Vitt, E.; Misner, S. Business Intelligence, Microsoft Press, MEIER, R. Late-blooming Societies Can Be Stimulated by Information Technology, Futures, Kidlington, v.32, 2, Mar, 2000, p 163. MILES, M, & Huberman, A. Qualitative Data Analysis, Sage Publications, London, MILLER, J. O Milênio da Inteligência Competitiva, Bookman, Brazil, MURSU, A et al. Information Systems Development in a Developing Country: Theoretical Analysis of Special Requirements in Nigeria and Africa, Proceedings of the 33rd Hawaii International Conference on System Sciences, O BADA, A. Local Adaptations to Global Trends: a Study of an IT-based Organizational Change Program in a Nigerian Bank, Information Society, New York, v.18, no 2, Mar- Apr, 2002, p. 77. REICH, B., BENBASAT, I. Factors that Influence the Social Dimension of Alignment between Business and Information Technology Objectives, MIS Quartely, vol. 24, no 1, Mar, 2000, pp ROBEY, D., ROSS, J. & BOUDREAU, M. Learning to implement enterprise systems: An exploratory study of the dialectics of change. Journal of Management Information Systems, vol 19, no 1, 2002, p. 17. ROCKART, J.F. Chief Executives define their own data needs. Harvard Business Review, vol. 57, no. 2, Mar-Apr, 1979, pp SAHAY, S., AVGEROU, C. Information and Communication Technologies in Developing Countries, Information Society, vol. 18, no. 2, 2002, pp SCOGGINS, J. A Practitioner s View Of Techniques Used In Data Warehousing For Sifting Through Data To Provide Information, Proceedings Of The Eight International Conference On Information And Knowledege Management, Kansas City, MI, SCHONBERG, E.; COFINO, T.; HOCH, R.; PODLASECK, M.; SPRARAGEN, S. Measuring Success, Communications oh the ACM, vol. 43, no. 8, Aug, 2000, pp STEINMUELLER, W. ICTs and the Possibilities for Leapfrogging by Developing Countries, International Labour Review, vol. 140, no. 2, 2001, pp WATSON, H.; GOODHUE, D.; WIXON, B. The Benefits of Data Warehousing: Why some organizations realize exceptional payoffs. Information & Management, Amsterdam, May,

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio http://www.uniriotec.br/~tanaka/sain tanaka@uniriotec.br Visão Geral de Business Intelligence Evolução dos Sistemas de Informação (computadorizados) 1950 s:

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. M.Sc. Anderson Pazin Aula 01 Sistema Sistema é um conjunto de elementos dinamicamente relacionados formando uma atividade para atingir um objetivo sobre

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Proposta de Formação Complementar: BUSINESS INTELLIGENCE E SUA APLICAÇÃO À GESTÃO Aluno: Yussif Tadeu de Barcelos Solange Teixeira

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH e-rh / Recursos Humanos Virtual Novas Tendências Como já foi visto com o advento da globalização e do crescimento da tecnologia e a difusão da Internet,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas 2º Contecsi Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação / Internacional Conference on Information Systems and Technology Management 01-03 de Junho de 2005 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Capítulo 11 APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 11.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 1 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 2 CENÁRIO

Leia mais

Medição de Desempenho de Processos

Medição de Desempenho de Processos Medição de Desempenho de Processos Leandro Jesus VP Associações ABPMP Brasil as.abpmp.br@gmail.com 21 25615619 21 99790945 O Palestrante Leandro Jesus: Sócio-Diretor da ELO Group, consultoria especializada

Leia mais

People Ready BI White Paper da Microsoft

People Ready BI White Paper da Microsoft People Ready BI People Ready BI White Paper da Microsoft Guy Weismantel, Microsoft Corporation Publicado: Junho de 2008 Para informações mais recentes acesse http://www.microsoft.com/brasil/bi Conteúdo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Gestão de Performance por KPIs

Gestão de Performance por KPIs Gestão de Performance por KPIs Henrique Brodbeck Diretor, Brodbeck Consultores em Informática Henrique Brodbeck Brodbeck Consultores em Informática e UFRGS Business Intelligence - BI Termo guarda-chuva

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 11 OBJETIVOS OBJETIVOS APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais