Programação em VBA Texto Introdutório. António Silva DEI-Isep

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação em VBA Texto Introdutório. António Silva DEI-Isep 2009-10-28"

Transcrição

1 Programação em VBA Texto Introdutório António Silva DEI-Isep

2 .

3 Conteúdo 1 Introdução 8 2 Conceitos Básicos O que é um Macro? Técnicas de construção dum Macro Gravação de um Macro A escrita de um Macro O editor de VBA Criação de um Macro Variáveis e Tipos de Dados Conceito de variável Criação das variáveis Tipos de Dados A operação de Atribuição O uso de constantes Como trabalhar com Objectos Propriedades, Métodos e Eventos Propriedades Métodos Eventos Os objectos do Excel mais comuns Como trabalhar com as propriedades dos objectos Excel Como aplicar métodos aos objectos Objectos gráficos MsgBox InputBox Forms Botões de Comando Rótulos Caixas de Texto Botões de Opção Caixas de Verificação Quadros (Frames) Caixas de Listagem Estruturas de controlo do programa Estruturas de controlo condicional If...Then...Else If...Then Estruturas condicionais embutidas Estruturas de controlo repetitivo Estruturas de Controlo Do...Loop Ciclos controlados por contador

4 5.2.3 Ciclos controlados por sentinela Estrutura de Controlo For..To..Next Estruturas de controlo repetitivo imbricadas Variáveis indexadas - vectores e matrizes Declaração de vectores Processamento de vectores Funções e Procedimentos Exemplo de função criada pelo programador Como aceder às funções standard do Excel Programação do Excel usando VBA Trabalhar com objectos Workbook Trabalhar com objectos Worksheet Propriedades de Worksheet Métodos de Worksheet Trabalhar com objectos Range Adicionando uma interface gráfica Instalação da Form Instalação dos Controlos Incorporação da Form na sub-rotina Como visualizar e terminar uma Form Tratamento de eventos através de Event Handlers Como recolher os resultados de uma Form Exemplo de aplicação Exemplo de aplicação mais elaborado Notas finais 63 4

5 Lista de Figuras 1 Janela de invocação do ambiente de Gravação de Macros Janela de Gestão de Macros Barra de Ferramentas de VBA Editor integrado do VBA Criação de novo Módulo Diferentes tipos de dados e o seu armazenamento em memória Como forçar a declaração explícita automaticamente Uma Form e vários Controlos Janela de Propriedades Lista de eventos disponíveis Objectos e Eventos Exemplo de MsgBox Exemplo de InputBox Vários optionbutton agrupados numa frame Vários checkbox agrupadas numa frame Uma Frame agrupando três botões de comando Exemplo de listbox Estrutura de controlo condicional If...Then...Else Estrutura de controlo condicional If...Then Estruturas de controlo condicional imbricadas Estrutura de controlo repetitivo Do...While Estrutura de controlo repetitivo Do...Until Ciclos controlados por contador Ciclos controlados por sentinela Exemplo de Ciclos Imbricados Um vector é uma variável múltipla Um exemplo de vector de strings Porquê usar ciclos para processar vectores? Funções como caixas pretas Utilização da função margemlucro numa fórmula Criação de uma Form no VBA A UserForm para Entrada Múltipla de Dados Objecto da classe Tabstrip

6 Lista de Tabelas 1 Tipos de dados suportados pelo VBA Propriedades mais comuns dos objectos gráficos VBA Valores de configuração das características de uma Caixa de Mensagem Valores devolvidos por uma Caixa de Mensagem

7 Listings 1 VerificaValor - exemplo de função definida pelo utilizador verificagama - exemplo de função definida pelo utilizador Exemplo de aplicação de If..Then..Else imbricados FormataBordo - exemplo de sub-rotina usando For..Next Exemplo usando Ciclos Imbricados Exemplo de processamento de um vector Outro exemplo de processamento de um vector Função margemlucro Sub-rotina InsereLinhas Handler do objecto cmdfechar para o evento click Exemplo de sub-rotina de invocação de uma UserForm Exemplo de sub-rotina de inicialização de uma UserForm Handler do objecto cmdfechar para o evento Click Sub-rotina de inicialização da UserForm Handler associado ao objecto Tabstrip1 para o evento Change

8 1 Introdução Este texto tem como objectivo apoiar o ensino das técnicas de programação de computadores, utilizando, como ambiente de aplicação, programas como o gestor de folhas de cálculo Excel. Destina-se assim aos alunos que já possuem alguns conhecimentos da utilização e funcionamento desta aplicação. Concretamente, presume-se que estão já familiarizados com os conceitos de folha de cálculo, de livro de trabalho, de fórmulas e funções standard. A linguagem de programação que vai ser utilizada será o VBA (Visual Basic for Applications). É uma linguagem que permite acrescentar capacidades adicionais a certo tipo de aplicações informáticas, concretamente as pertencentes ao Microsoft Office, entre as quais o Excel e o Word. Permite ainda automatizar a realização de muitas tarefas rotineiras nessas aplicações. Como o próprio nome indica, trata-se duma adaptação da linguagem genérica de programação Visual Basic de modo a poder ser utilizada no ambiente específico das aplicações Office. 2 Conceitos Básicos O VBA constitui uma ferramenta poderosa nas mãos de programadores experimentados mas pode, ao mesmo tempo, ser muito útil a qualquer utilizador, mesmo inexperiente. De facto, no dia a dia da utilização destas aplicações, defrontamo-nos com a necessidade de repetir a mesma tarefa várias vezes ao dia ou, de em certas ocasiões, ter que repetir uma determinada tarefa uma série de vezes de seguida. Seja escrever ou formatar um certo texto, seja executar uma série de comandos ou escolher opções de menus, seja ainda realizar a formatação complexa de um documento, são inúmeras as ocasiões em que dava jeito poder automatizar essas tarefas repetitivas. É aqui que entra o VBA, permitindo a construção daquilo que se designa vulgarmente por macros. 2.1 O que é um Macro? Um macro contem uma lista das instruções a realizar para executar uma determinada tarefa. No fundo, é um programa escrito em VBA, que indica a uma aplicação como o Excel quais os passos a dar para atingir um objectivo específico. Pode-se dizer que um macro não é mais que uma descrição formalizada das tarefas que se pretende automatizar. Os macros incluem instruções que interagem com elementos da aplicação. Por exemplo, quando, numa aplicação Office se pretende fechar uma janela, pode-se seleccionar a opção de menu Close. Um macro escrito em VBA, usará a seguinte instrução para obter o mesmo efeito: ActiveWindow.Close Existem duas formas alternativas de criar um macro mas a forma como ele é criado não muda o seu conteúdo, continuando a ser um contentor de uma lista de instruções a realizar pela aplicação em que está instalado. 8

9 2.2 Técnicas de construção dum Macro Se bem que um macro seja um programa em VBA, nem sempre é necessário escrevê-lo de forma explícita, ou seja, escrevendo especificamente as instruções VBA que o compõem. Sobretudo quando os macros são simples, é muitas vezes mais prático criá-los de forma automática, gravando a sequência de passos que ele deverá executar na aplicação. Esta forma de criar um macro corresponde a mostrar ao computador o que fazer para conseguir obter o resultado pretendido. O utilizador indica ao programa que se vai entrar num modo de gravação do macro e inicia a execução da sequência de acções que normalmente teria que executar. Quando chega ao fim dessa sequência, indica ao programa que a gravação terminou. Após ter atribuído a essa sequência uma combinação de teclas especial, esse macro estará pronto a ser executado, substituindo assim o conjunto de acções que anteriormente seriam necessárias. Tudo se passa como se estivéssemos a ensinar a aplicação pelo exemplo. Se se investigar, no entanto, o conteúdo desse macro, verificar-se-á que ele é composto precisamente por instruções escritas em VBA, sendo que a cada acção ou comando da aplicação corresponderá uma instrução (ou conjunto de instruções) específica do macro. A forma alternativa de construir um macro será assim introduzir essas instruções num editor de texto apropriado. É essa, de facto, a forma de criar um macro quando o seu âmbito é algo não trivial. 2.3 Gravação de um Macro Quando uma dada operação envolvendo uma série de acções deva ser utilizada frequentemente faz sentido tentar automatizar a sua execução. Para gravar um macro que seja capaz de efectuar essas acções, haverá que invocar o modo de gravação de macros, mediante o Menu "Tools/Macros/Record a New Macro" (em Excel), o que fará aparecer a janela descrita da Figura 1. Nela se pode especificar o nome do macro, a localização em que será armazenado, uma descrição das suas funções e ainda a combinação de teclas (Shortcut key) que será utilizada para arrancar com o macro, uma vez este construído. Figura 1: Janela de invocação do ambiente de Gravação de Macros 9

10 Figura 2: Janela de Gestão de Macros Após se premir a tecla OK, aparecerá uma pequena janela que permitirá controlar o processo de gravação e dever-se-á dar início à execução das acções que o macro vai substituir. Quando se tiver executado a última acção a incluir no macro, basta dar a indicação de que a gravação terminou. Uma vez tal realizado, esse macro passará a estar disponível mediante a invocação da combinação de teclas especificada anteriormente (no caso da Figura 1 na página precedente, seria Ctrl+Shft+M) e realizará, de forma automática, exactamente a mesma sequência de acções que tínhamos realizado manualmente. Em alternativa, mediante a combinação de teclas ALT-F8, pode ser accionada a janela de Gestão de Macros (Figura 2), onde, entre outras acções, pode ser escolhido o macro a ser executado. Para facilitar o acesso às facilidades de gravação e edição de macros, será conveniente tornar visível de forma permanente a barra de ferramentas de Visual Basic (Figura 3). No Excel, isto poderá fazer-se mediante a opção de Menu "View/Toolbars/Visual Basic". Figura 3: Barra de Ferramentas de VBA 2.4 A escrita de um Macro Ensinar pelo exemplo ao Excel como fazer as coisas é um método expedito de construir um macro, mas tem as suas limitações. Já que um macro não é mais que um programa 10

11 escrito em VBA, porque não tratá-lo como tal e aceder ao seu código, alterando-o de forma a melhorar a sua eficiência ou a corrigir problemas. E já agora, porque não criá-los de raiz, aproveitando todo o poder duma linguagem como o VBA? 2.5 O editor de VBA Para aceder ao editor especializado de Visual Basic (Figura 4), que se encontra integrado no próprio Excel, basta utilizar o icone adequado na barra de ferramentas ou usar directamente a combinação de teclas ALT-F11. Tornando a premir esta combinação de teclas, voltaremos à nossa folha de cálculo. A este editor especializado é também dado o nome de Integrated Development Environment (IDE) ou Ambiente de Desenvolvimento Integrado e é semelhante à aplicação autónoma usada para o desenvolvimento de programas em Visual Basic. Figura 4: Editor integrado do VBA Do lado esquerdo na Figura 4 podem-se ver duas janelas, a primeira das quais é designada por Explorador de Projectos e que serve para mostrar o conteúdo do projecto VBA actual. Um projecto em VBA inclui um ficheiro duma aplicação Office (como, por exemplo, uma folha de cálculo do Excel) e todos os ficheiros VBA associados, incluindo os próprios macros e eventuais user forms (janelas de interface próprias utilizadas pelos 11

12 Figura 5: Criação de novo Módulo macros 1 ). Para poder começar a escrever macros usando o VBA é necessário criar um módulo que o possa albergar, o que é conseguido usando a opção de menu "Insert/Module". Como consequência, para além do novo módulo aparecer referido na janela do Explorador de Projectos, será criada uma janela nova onde será possível escrever o código que constitui o novo macro. Se já existir algum módulo criado, bastará seleccionar o módulo pretendido no explorador de projectos, posicionar o cursor na janela correspondente a esse módulo, numa área fora de qualquer macro já existente, e seleccionar a opção de menu "Insert/Procedure". Aparecerá uma janela própria (Figura 5) onde será possível dar o nome ao novo procedimento (o conjunto de instruções que constituirá o macro), especificar o tipo de macro que vai ser construído (função ou procedimento 2 ) e qual o âmbito da sua utilização (privada ou pública, ou seja, limitada ou não ao ficheiro actual). 2.6 Criação de um Macro Está na hora de construir o primeiro macro em VBA. Suponhamos que se pretende criar um macro que verifique se o valor presente numa determinada célula é superior a um dado limite e que, caso seja, disso notifique o utilizador. A sub-rotina em que esse macro deverá assentar poderá ter o seguinte conteúdo: Listing 1: VerificaValor - exemplo de função definida pelo utilizador 1 Public Sub v e r i f i c a V a l o r ( ) 2 I f C e l l s (2, 2) > 100 Then 3 MsgBox " Valor maximo excedido! " 4 End I f 5 End Sub 1 Sobre o assunto, ver Secção 8. 2 A distinção entre funções e procedimentos (ou sub-rotinas) será abordada mais à frente. 12

13 Não nos vamos de momento preocupar com os detalhes do código que constitui o macro. Basta verificar que, em 1 o lugar, é constituído por uma linha de cabeçalho que especifica o tipo de macro (neste caso, uma sub-rotina (Sub) ou procedimento) e o seu nome (verificavalor). O corpo do macro é composto pela estrutura de controle condicional (If...Then 3 ) que vai verificar se o conteúdo da célula B2 4 é ou não maior que o valor 200. Caso essa condição seja verdadeira, o macro apresentará uma mensagem no ecran dizendo que o valor máximo foi excedido. Finalmente, o macro é terminado com uma linha contendo "End Sub". O que este simples macro faz, portanto, é verificar o conteúdo de uma célula específica da folha de cálculo e avisar o utilizador caso o valor nela contido ultrapassar um valor pré-determinado. Sempre que for necessário fazer esta verificação, bastará invocar a combinação de teclas que tenha sido associada a este macro. É verdade que sta verificação poderia ter sido realizada colocando numa célula uma fórmula contendo a função standard do Excel IF. Mas suponhamos agora que se pretende algo mais complicado, por exemplo, fazer essa verificação num conjunto de células e apenas desencadear o alarme caso mais do que duas dessas células ultrapassem o limite estabelecido. A sub-rotina modificada poderia ser algo como: Listing 2: verificagama - exemplo de função definida pelo utilizador 1 Public Sub verificagama ( ) 2 Dim i As Integer, c As Integer 3 c = 0 4 For i = 1 To 5 5 I f C e l l s ( i, 3) > 100 Then 6 c = c End I f 8 Next 9 I f c > 2 Then 10 MsgBox c & " v a l o r e s s u p e r i o r e s ao l i m i t e! " 11 End I f 12 End Sub A verificação é agora repetida em todas as células de C1 a C5 graças aos serviços da estrutura de controlo repetitivo For...To...Next 5 que executará 5 vezes as instruções contidas nas linhas 5 a 7. Para além de verificar o conteúdo da célula em análise, é ainda actualizado um contador, baseado na variável c (ver linha 6), sempre que o valor contido nessa célula ultrapasse o limite. Só quando o valor desse contador for maior que 2 será gerada a mensagem de alarme. Estaremos já em posição de perceber a utilidade de construir os macros usando directamente o VBA. Não seria trivial resolver este problema usando apenas fórmulas e certamente impossível executando comandos e seleccionando menus do Excel. A um macro criado usando directamente o VBA pode também ser associada uma combinação de teclas que facilite o seu acesso. Isso pode ser feito através do botão 3 Ver Secção na página Cells(2,2) refere-se à célula B2 (2 a coluna, 2 a linha) 5 Ver Secção na página

14 Options na Janela de Gestão de Macros, invocada mediante ALT-F8. 3 Variáveis e Tipos de Dados A informação processada por um macro pode ser de diferente natureza e existir em diferentes formatos. Genericamente um programa pode utilizar, entre outras, informação numérica e informação chamada alfa-numérica, ou seja texto. A linguagem VBA consegue lidar com informação de diversos tipos, que detalharemos adiante na Secção 3.3 na página Conceito de variável Uma variável é uma localização de memória em que a informação pode ser guardada de modo a ser usada por um macro. Cada variável é caracterizada pelo seu nome e pelo seu tipo, ou seja, o tipo de dados que pode armazenar. O conteúdo de uma variável pode mudar durante a execução do macro. Existem algumas regras governando a escolha do nome duma variável: 1. Deve obrigatoriamente começar por uma letra; 2. Não pode conter espaços nem caracteres como vírgulas ou pontos; 3. Não pode exceder 255 caracteres; 4. Não pode ser igual a uma palavra reservada para o VBA. O tipo da variável especifica qual o tipo de dados que pode conter. Uma variável de um determinado tipo não está preparada para armazenar dados de um tipo diferente. A razão para este facto é que o espaço necessário para armazenar diferentes tipos de dados não é o mesmo. Enquanto um inteiro simples pode ser guardado em 2 bytes de memória 6, para guardar um número real podem ser necessários 8 bytes (ou mesmo mais, dependendo da precisão requerida). A Figura 6 na página seguinte ilustra graficamente esta realidade. 3.2 Criação das variáveis Ao acto de criação de variáveis chama-se declaração. Criar uma variável envolve dar-lhe um nome e reservar em memória o espaço necessário para que ela possa guardar o tipo de dados para o qual está a ser criada. O acto de declarar a variável informa o VBA àcerca do nome pelo qual ela será conhecida assim como qual o tipo de dados que ela deverá estar preparada para receber. Como é óbvio, nenhuma variável pode ser utilizada antes de ser criada. A declaração deve, pois, preceder a sua utilização. Desde que se siga esta regra, é possível inserir declarações em qualquer ponto do macro. No entanto, é boa prática agrupar todas as 6 Para armazenar números que podem variar entre e 32767, ou seja valores diferentes, há necessidade de dispor de 16 unidades básicas de informação (bits), ou seja dois bytes (1 byte = 8 bits). De facto, se cada bit apenas pode representar um valor binário (0 ou 1), 16 bits poderão representar até 2 16 = valores diferentes. 14

15 Figura 6: Diferentes tipos de dados e o seu armazenamento em memória declarações necessárias num bloco a colocar no início, para mais fácil manutenção do programa. Em VBA, existem duas formas de declaração de variáveis: explícita e implícita. A declaração explícita exige a utilização da instrução específica Dim... As (Dimensionar... Como). Por exemplo, a instrução Dim Preço As Integer cria (declara) uma variável com o nome Preço e do tipo Integer, ou seja, dimensionada para receber dados do tipo integer (inteiro simples 7 ). A declaração implícita resume-se a utilizar pela primeira vez uma variável sem qualquer declaração explícita prévia, dando-lhe um nome e atribuindo-lhe um valor. O VBA criará automaticamente a variável do tipo pretendido. Esta segunda forma de declarar variáveis tem, a despeito da sua simplicidade, um problema grave: é possível, por distracção, criar uma variável nova indesejada, quando o que se pretendia era apenas escrever o nome de uma variável já existente. Suponha, por exemplo, que havia criado uma variável "Distancia" mediante a instrução 8 : 7 A discussão dos vários tipos de dados suportados pelo VBA será feita na Secção 3.3 na próxima página. 8 Como se verá na secção 3.4 na página 17, esta instrução guarda na variável "Distancia"o valor

16 Distancia=1260 Como é a primeira vez que o VBA encontra esta palavra ("Distancia"), partirá do princípio que se trata de uma variável ainda por declarar e tratará de a criar, substituindose ao programador. Dar-lhe-á o nome "Distancia" e dimensiona-la-á de forma a poder guardar inteiros simples, já que é essa a utilização sugerida na instrução. Agora suponha que adiante no programa, por engano, escrevia "Distncia" ao referir-se à variável em causa. O VBA não emitirá nenhum alerta, já que aceitou tranquilamente "Distncia" como uma nova variável. A forma mais prudente de lidar com declarações de variáveis é, pois, utilizar apenas declarações explícitas, e instruir o VBA para não aceitar declarações implícitas, gerando uma mensagem de erro apropriada. Para tal, deverá ser acrescentada a instrução Option Explicit no início do módulo contendo o macro. Figura 7: Como forçar a declaração explícita automaticamente Se se pretender que seja esse o comportamento automático do VBA em todos os módulos, deverá seleccionar-se no Editor do VBA a opção "Require Variable Declaration"no sub-menu Options do menu Tools. 3.3 Tipos de Dados Como já vimos, um macro deverá poder lidar com diferentes tipos de dados. A linguagem VBA suporta, entre outros, o tratamento dos seguintes tipos de dados descritos na Tabela 1 na próxima página Quando declaramos variáveis dever-se-á, em princípio, especificar qual o tipo de dados que ela irá suportar. No entanto, em VBA é possível omitir a especificação do tipo de dados na declaração de variáveis. O VBA criará uma variável do tipo Variant capaz de armazenar qualquer tipo de dados. O que, à partida, parece uma boa ideia acaba por não o ser porque, entre outros motivos, implica um gasto excessivo de memória e torna a execução dos macros mais lenta. Será, portanto, de evitar, na medida do possível. 16

17 Tipo Descrição Integer Inteiro simples, usado para representar inteiros entre e Long Inteiro longo, ou seja, compreendido entre e Single Real representado com precisão simples, com valores negativos compreendidos entre cerca de -3,4E38 e -1,4E-45 e valores positivos entre cerca de 1,4E-45 e 3,4E38 Double Real representado com precisão dupla, usado para representar números reais muito maiores ou muito mais pequenos que com o tipo single String Usado para representar texto (informação alfanumérica como letras, algarismos e símbolos especiais); strings são representadas entre aspas Boolean Usado para representar valores lógicos (True ou False) Date Usado para representar datas ou valores de tempo; são representados entre caracteres # Object Serve para guardar referências a objectos Tabela 1: Tipos de dados suportados pelo VBA 3.4 A operação de Atribuição A operação de Atribuição permite guardar um dado numa variável, ou seja, atribuir-lhe um valor. A sintaxe utilizada por esta operação é a seguinte: Variável = Valor O resultado da operação será, portanto, o de guardar Valor em Variável. Valor pode ser um valor constante ou o conteúdo de outra variável. Neste caso, a atribuição consistirá na cópia do conteúdo de uma variável para outra do mesmo tipo. A instrução seguinte copia o valor contido na variável idade para a variável temp (partimos do princípio que ambas são do tipo integer): temp = idade Pode ainda ser atribuído a um variável o resultado de uma expressão ou o valor devolvido por uma função. Atente-se nos seguintes exemplos: total = peso1 + peso2 resultado = sqrt(2+peso) No 1 o exemplo, o VBA resolverá em primeiro lugar a expressão à direita do operador de atribuição (=), somando os conteúdos das variáveis peso1 e peso2, após o que copiará esse resultado para a variável total. No 2 o exemplo, a expressão à direita é composta por uma função standard do VBA (sqrt()). Esta função calcula a raiz quadrada do valor ou expressão que se encontrar dentro dos seus parêntesis. Assim sendo, o VBA calculará em 1 o lugar o resultado da expressão 2 + peso, fornecerá esse valor à função sqrt(), após o que copiará o valor fornecido por essa função para a variável resultado. É importante que se perceba que a operação de atribuição é uma operação destrutiva. Se a variável contiver já um valor, uma operação subsequente de atribuição sobre essa 17

18 variável, substituirá o valor nela contido pelo novo valor. Convem, assim, lembrar que nesta operação o fluxo da informação se faz sempre da direita para a esquerda e não o contrário. Há ainda que ter em atenção o facto de que não é normalmente aconselhável atribuir um valor de um dado tipo a uma variável de tipo diferente. Os resultados podem ser a perda de informação ou o mau funcionamento do programa. O VBA poderá gerar uma mensagem de erro mas tal nem sempre acontece, podendo produzir-se comportamentos anómalos difíceis de detectar e corrigir. 3.5 O uso de constantes Uma constante consiste num nome que é dado a um valor numérico ou a uma cadeia de caracteres, e que pode ser usado dentro do programa na vez desses valores. Funciona como uma espécie de sinónimo. A utilização de constantes em substituição dos valores que representa justifica-se pelo seguinte facto: se um dado valor constante fôr utilizado muitas vezes ao longo dum programa, caso ocorra a necessidade de o modificar, seremos forçados a corrigir manualmente todas as ocorrências desse valor, correndo, além disso, o risco de nos enganarmos. Se, ao invés, for definida uma constante com esse valor, bastará modificar essa definição inicial para que tal mudança automaticamente se repercuta em todas as ocorrências dessa constante no decurso do programa. A sintaxe da definição de constantes é a seguinte: Const Nome As tipo = expressão Por expressão entende-se um valor numérico, uma cadeia de caracteres, ou uma expressão cujo resultado seja um destes tipos de valores. Caso, por exemplo, seja necessário usar ao longo de um macro um mesmo factor em vários cálculos, faz sentido definir esse factor como constante e usar o seu nome em vez dele: Const Factor as Single = Sempre que seja subsequentemente necessário utilizar este factor numa expressão, usar-se-á Factor em vez de

19 4 Como trabalhar com Objectos Para que uma macro possa manipular o ambiente da aplicação, seja modificando a formatação de um documento, modificando opções da aplicação ou introduzindo dados numa gama de células, vai ser preciso interagir com Objectos. Genericamente, pode dizer-se que um objecto é algo que pode ser visto, tocado, sentido. Em VBA, considera-se um objecto tudo aquilo que pode ser visto e que pode ser manipulado de alguma forma. Quer o documento, quer uma célula ou gama de células, quer a própria aplicação são considerados, para os efeitos de programação em VBA, como sendo objectos. Mas podem ainda existir outros objectos, nomeadamente aqueles que permitem construir uma interface gráfica específica do macro. A esses objectos gráficos chamamos controlos e são colocados em janelas especiais chamadas forms. Na Figura 8 podem ser observados vários objectos instalados numa form: uma caixa de texto, dois botões de comando, vários rótulos ou etiquetas e uma caixa de verificação. Através deles é possível o macro interagir com o utilizador. Veremos em detalhe mais à frente para que servem e como utilizar estes diferentes objectos. Figura 8: Uma Form e vários Controlos Os objectos podem ser manipulados de várias formas: podemos mudar as suas propriedades, que traduzem características próprias dos objectos; podemos aplicar um método a um objecto, ou seja, executar uma acção sobre ele; podemos especificar uma sub-rotina que será executada sempre que um determinado evento ocorra nesse objecto. Vamos agora utilizar a analogia para introduzir estes conceitos. Consideremos um automóvel: As suas "propriedades" são características físicas como o modelo, o peso ou a cilindrada; 19

20 Os seus "métodos" especificam o que pode ser feito com ele: acelerar, travar, mudar de direcção, etc; Os seus "eventos" são ocorrências que provocarão respostas automáticas por parte do automóvel, como seja, um alarme que dispara (resposta) caso desliguemos o carro com as luzes ligadas (evento). 4.1 Propriedades, Métodos e Eventos Vamos, de seguida, aprofundar estes conceitos de propriedades, métodos e eventos Propriedades As propriedades de um objecto são as suas características físicas. Como na vida real, cada objecto possui características próprias ou propriedades, que podem ser quantificadas ou especificadas, como sejam as suas dimensões ou o tipo de letra que usa. A cada objecto está associada uma lista de propriedades a que é possível atribuir valores, determinando a sua aparência, localização e outros detalhes. Pode-se então dizer que as propriedades de um objecto definem a forma como ele se apresenta ou se comporta. Diversos objectos podem partilhar a mesma propriedade. Essa propriedade, no entanto, pode afectar esses objectos de forma diferente. Caption Name Left Top Height Width Font Visible Define o texto a afixar na barra de título das forms, da legenda ( caption ) dos botões de comando, ou nos rótulos ( label ) Define o nome pelo qual o objecto é identificado Define o afastamento entre uma form e o limite esquerdo do ecrã ou entre um controlo e o limite esquerdo da form Define o afastamento entre uma form e o topo do ecrã ou entre um controlo e o topo da form Define a altura do objecto Define a largura do objecto Especifica qual o tipo de letra a usar nos controlos Permite controlar o aparecimento de um dado objecto Tabela 2: Propriedades mais comuns dos objectos gráficos VBA Já vimos que quer os elementos do Excel como folhas de cálculo ou próprio documento, quer elementos constituintes de interfaces gráficas que os macros possam utilizar, são considerados objectos. Na Tabela 2 são descritas algumas das propriedades mais importantes e que são comuns à maior parte dos objectos gráficos. Os valores que as propriedades de um dado objecto tomam podem ser consultados ou modificados usando a janela de propriedades (Figura 9 na página seguinte). Nessa janela aparece a lista de propriedades do objecto que estiver nesse momento seleccionado. Nela pode observar, entre outras, algumas das propriedades referidas na lista acima (Caption, Height e Font) e os respectivos valores no momento. 20

Programação em VBA Texto Introdutório

Programação em VBA Texto Introdutório Programação em VBA Texto Introdutório versão 3 António Silva DEI-Isep 2009-12-30 1 . Conteúdo 1 Introdução 9 2 Conceitos Básicos 9 2.1 O que é um Macro?.............................. 9 2.2 Técnicas de

Leia mais

Criando um formulário no VBA

Criando um formulário no VBA Criando um formulário no VBA No dia-a-dia, não queremos nem ouvir falar em formulários: imediatamente nos vem à mente qualquer idéia relacionada com burocracia... Mas, na hora de criar interfaces de macros,

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Excel - VBA. Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam

Excel - VBA. Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam Excel - VBA Docente: Ana Paula Afonso Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam tarefas específicas, automatizando-as. Quando uma macro é activada, executa uma sequência de instruções.

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

Manipulação de Células, linhas e Colunas

Manipulação de Células, linhas e Colunas Manipulação de Células, linhas e Colunas Seleccionar células Uma vez introduzidos os dados numa folha de cálculo, podemos querer efectuar alterações em relação a esses dados, como, por exemplo: apagar,

Leia mais

1. Estilos 1. 2. Índices 7

1. Estilos 1. 2. Índices 7 Carlos Maia Índice 1. Estilos 1 1.1. Considerações gerais 1 1.2. Aplicar estilos 1 1.3. Modificar estilos 2 1.4. Criar um novo estilo 3 1.5. Cópia de estilos 5 1.6. Retirar todos os estilos presentes num

Leia mais

Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015. Visual Basic VBA

Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015. Visual Basic VBA Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015 Visual Basic VBA Macros Funções Conjunto de instruções que são executadas sempre que se desejar e pela ordem apresentada As funções são

Leia mais

Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado.

Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado. 4.º PASSO PROGRAMAÇÃO DO CAMPO DISTRITO : PROJECTO COM ADO Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado. 1) Abra o formulário

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

Capítulo Tabelas e Gráficos

Capítulo Tabelas e Gráficos Capítulo O menu de tabelas e gráficos torna possível criar tabelas numéricas de funções guardadas na memória. Poderá também utilizar funções múltiplas para criar tabelas. Como utiliza a mesma lista de

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Microsoft Excel Macro V. Índice 16-) Formulários... 42 17-) Gerando código para o Formulário... 49

Microsoft Excel Macro V. Índice 16-) Formulários... 42 17-) Gerando código para o Formulário... 49 Microsoft Excel Macro V Índice 16-) Formulários... 42 17-) Gerando código para o Formulário... 49 16-) Formulários A forma mais comum de comunicação de um sistema com o usuário é por meio de caixas de

Leia mais

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha.

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha. Aula 1 O modelo de objetos do Excel APPLICATION É o próprio Excel. Temos diversas propriedades e métodos importantes nesse objeto. Destacamos dois exemplos: Application.DisplayAlerts Se for true, o Excel

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Índice: Tipo de Aplicações em Visual Basic Componentes do Visual Basic

Índice: Tipo de Aplicações em Visual Basic Componentes do Visual Basic O tutorial a seguir,é feito para iniciantes em Visual Basic, que no qual, pode ajudar alguns que querem saber algumas funcções. Que começe o Tutorial ^^ Índice: Tipo de Aplicações em Visual Basic Componentes

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina do Correio Para saber mais sobre Correio electrónico 1. Dicas para melhor gerir e organizar o Correio Electrónico utilizando o Outlook Express Criar Pastas Escrever

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação.

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação. Barra de deslocamento ESTATÍSTICA Barra de menus Barra de título Barra de ferramentas padrão e de formatação Barra de fórmulas Conjuntos e Células (Intervalos) Área de trabalho Separador de folhas Barra

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. Funções

Usando o Excel ESTATÍSTICA. Funções Funções Podemos usar no Excel fórmulas ou funções. Anteriormente já vimos algumas fórmulas. Vamos agora ver o exemplo de algumas funções que podem ser úteis para o trabalho de Excel. Para começar podemos

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

Módulo III. Folhas de Cálculo

Módulo III. Folhas de Cálculo Módulo III Ferramentas do Office Folhas de Cálculo Ferramentas de produtividade 1 Folhas de Cálculo O que é: Uma Folha de Cálculo é, por tradição, um conjunto de células que formam uma grelha ou tabela

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Sumário. Capítulo l - Introdução ao VBA

Sumário. Capítulo l - Introdução ao VBA Sumário Capítulo l - Introdução ao VBA l Capítulo 2 - O Ambiente VBE 3 2. 1. Acessando o VBE do Excel 3 2. 1. 1. Janela de Projeto 4 2. 1. 2. Janela de Propriedades 5 2. 2. Gravação de Macros 6 2. 3. Níveis

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel

Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel Estrutura geral de uma folha de cálculo: colunas, linhas, células, endereços Uma folha de cálculo electrónica ( electronic

Leia mais

Alteração da taxa de IVA

Alteração da taxa de IVA Manual do Utilizador Alteração da taxa de IVA Software Sisgarbe Data última versão: 24-06-2010 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-06-2010 Versão: 1.00 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

BARRA DE PROGRESSO EM VBA

BARRA DE PROGRESSO EM VBA BARRA DE PROGRESSO EM VBA Quando elaboramos uma programação em VBA e não sabemos o tempo de execução podemos utilizar uma alternativa para a visualização do progresso da tarefa, uma barra de progressão

Leia mais

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8 2 ÍNDICE Acesso para agências...3 Organização por pastas...4 Download das facturas a partir do site...5 Pesquisa de facturas...8 Configurar notificações por email...11 3 Bem-vindo ao manual de uso do novo

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SIPART (versão Setembro/2004) Manual de Utilização ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ACEDER À APLICAÇÃO...4 3. CRIAR NOVO UTILIZADOR...5 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento.

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Sessão nº 2 Iniciar um novo documento Objectivos: No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Iniciar um novo documento Ao iniciar-se o Word, este apresenta

Leia mais

A.2. Usando Tarski World

A.2. Usando Tarski World Tarski World é um programa que acompanha o livro Language, Proof and Logic 1 (LPL) e baseia-se numa premissa muito simples: as linguagens aprendem-se melhor quando as utilizamos. O programa aplica esta

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo O Excel é uma folha de cálculo capaz de guardar dados, executar cálculos e gerar gráficos. Introdução à Folha de Cálculo Uma folha de cálculo, por exemplo o Excel, permite

Leia mais

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = "Título"

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = Título 1.1.1 OBJECT As variáveis do tipo Object representam referências a objectos alojados na memória, em endereços reservados. A partir do momento em que atribuímos um objecto a uma variável deste tipo, podemos

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

Preenchimento automático, Séries

Preenchimento automático, Séries Preenchimento automático, Séries O Microsoft Excel pode preencher automaticamente datas, períodos de tempo e séries de números, incluindo números combinados com texto, como Mês 1, Mês 2,..., etc. Preenchimento

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

A1;A7 é o mesmo que A1 e A7 A1:A7 é o mesmo que A1 até A7 (abrange A1, A2, A3, A4, A5, A6, A7).

A1;A7 é o mesmo que A1 e A7 A1:A7 é o mesmo que A1 até A7 (abrange A1, A2, A3, A4, A5, A6, A7). Excel Avançado Atenção! 1. Nunca referenciamos valores, mas sim o nome da célula que contém o valor, como A1, sendo A a coluna e 1 a linha. 2. As fórmulas sempre iniciam com sinal de =. 3. Lembre-se de:

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N.

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N. Manual Formador/a: Ricardo Cabral Data: 05/2013 Formações Modulares Certificadas Área de Formação: Ciências Informáticas UFCD: 0755 Funcionalidades Avançadas N.º Horas: 25 A Relha Cooperativa de Serviços

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

Introdução à realização de macros

Introdução à realização de macros Introdução à realização de macros 1 Introdução Macros são ações que se executam automaticamente num documento do MS Office, tal como abrir um arquivo, selecionar um campo ou fazer um cálculo, isto é, é

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Noções básicas sobre macros no Access 97. Construção de algumas macros simples. Noções básicas sobre procedimentos VBA no Access 97

Noções básicas sobre macros no Access 97. Construção de algumas macros simples. Noções básicas sobre procedimentos VBA no Access 97 MS Access 97-Macros Estrutura da aula Noções básicas sobre macros no Access 97 Construção de algumas macros simples Noções básicas sobre procedimentos VBA no Access 97 Exemplo de um procedimento VBA Apresentação

Leia mais

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de 1. Alguns conceitos sobre Tabelas Dinâmicas Com tabelas dinâmicas podemos criar dinâmica e imediatamente resumos de uma lista Excel ou de uma base de dados

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop.

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Inicialize o 3D Studio VIZ. Faça duplo clique no ícone de 3D Studio VIZ Abre-se a janela da figura seguinte. Esta

Leia mais

Fórmulas e Funções 7

Fórmulas e Funções 7 Fórmulas e Funções 7 7.9. Visualização automática do resultado Para visualizar rapidamente o resultado das funções mais simples média, soma, contar, mínimo e máximo: 1. Menu de contexto sobre a barra de

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

Folha de Cálculo (Excel)

Folha de Cálculo (Excel) Tecnologias de Informação e Comunicação Folha de Cálculo (Excel) Professor: Rafael Vieira. 1. Introdução à folha de cálculo o nome folha de cálculo atribuído a este tipo de programas, deve-se, principalmente,

Leia mais

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II O seguinte exercício contempla um processo com três estágios. Baseia-se no Inquérito de Satisfação Fase II, sendo, por isso, essencial compreender primeiro o problema antes de começar o tutorial. 1 1.

Leia mais

MS-Excel 2010 Essencial (I)

MS-Excel 2010 Essencial (I) MS-Excel 2010 Essencial (I) Carga Horária: 20 horas Objetivos: Este curso destina-se a todos os profissionais que atuam nas áreas financeiras e administrativas, e que necessitem agilizar os seus cálculos,

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

Na seguinte figura, vemos uma calculadora que determina a área de um círculo.

Na seguinte figura, vemos uma calculadora que determina a área de um círculo. 307 Capítulo 18 Caixas de diálogo personalizadas (formulários, userforms) Na seguinte figura, vemos uma calculadora que determina a área de um círculo. A pergunta óbvia é: Puxa, como se faz isto? Resposta:

Leia mais

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 Este programa permite gerir toda a sua colecção de músicas, vídeos e até mesmo imagens, estando disponível para download no site da Microsoft, o que significa que mesmo quem

Leia mais

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007 Manual do Utilizador SAFT para siscom Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01 Data criação: 21.12.2007 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289 899 629

Leia mais

1 Revisão: Construção de fórmulas

1 Revisão: Construção de fórmulas 1 Revisão: Construção de fórmulas Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Como efetuar uma operação...3 Construindo

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Formador: Carlos Maia

Formador: Carlos Maia Formador: Carlos Maia Iniciar o MS Excel MS Excel - Introdução 1 Ajuda Se ainda não estiver visível a ajuda do Excel do lado direito do ecrã, basta clicar sobre Ajuda do Microsoft Excel no menu Ajuda,

Leia mais

VBA Visual Basic for Applications. APROG - Civil

VBA Visual Basic for Applications. APROG - Civil Visual Basic for Applications APROG - Introdução é uma linguagem de programação que permite acrescentar capacidades adicionais a aplicações como o Excel ou o Word. Permite automatizar a realização de tarefas

Leia mais

Programação em Visual Basic for Applications & Excel

Programação em Visual Basic for Applications & Excel Programação em Visual Basic for Applications & Excel Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Programação em Visual Basic for Applications

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL ACRESCENTANDO UMA NOVA COMPOSIÇÃO UNITÁRIA DE CUSTO AO BANCO GERAL DE DADOS (cunitgr.xls) Os arquivos cunitgr.xls e Bennett Profissional 04.xls são "pastas de trabalho"

Leia mais

MANUAL TPROFESSOR VERSÃO 1.0. Com base na versão 34 da aplicação

MANUAL TPROFESSOR VERSÃO 1.0. Com base na versão 34 da aplicação MANUAL DO TPROFESSOR VERSÃO 1.0 Com base na versão 34 da aplicação Truncatura / "Manual TProfessor" / 2 INDICE INTRODUÇÃO... 3 CONVENÇÕES... 3 INÍCIO DA UTILIZAÇÃO... 4 SUMÁRIOS... 5 COMO SUMARIAR....

Leia mais

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28.

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28. ACCESS 2007 MACROS & VBA - CURSO COMPLETO AS-44-33 Honda Civic YY-44-32 Opel Corsa UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno AA-00-01 Ford Transit TABELA ERRO! NÃO EXISTE NENHUM TEXTO COM O

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

MANUAL DE UTILIZADOR Aplicativo: Análise do Estudo da Lição da Escola Sabatina. 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início...

MANUAL DE UTILIZADOR Aplicativo: Análise do Estudo da Lição da Escola Sabatina. 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início... Índice 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início... 2 1.2. Perguntas de segurança... 2 2. FORMULÁRIO PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1. Caixa de Texto: Nome da Igreja... 4 2.2. Botão:

Leia mais