Modelos de Crédito Aplicados a Empresas de Factoring

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de Crédito Aplicados a Empresas de Factoring"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração de Empresas Modelos de Crédito Aplicados a Empresas de Factoring EAD 601 Trabalho de Conclusão de Curso II Professor Orientador: Prof. Dr. José Roberto Securato DANIEL MIZUSAKI KATAYAMA São Paulo 2003

2 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração de Empresas Modelos de Crédito Aplicados a Empresas de Factoring EAD 601 Trabalho de Conclusão de Curso II Professor Orientador: Prof. Dr. José Roberto Securato Aluno: Daniel Mizusaki Katayama N USP: Monografia apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade como parte dos requisitos para conclusão do curso de Administração de Empresas, referente à disciplina EAD 601 Trabalho de Conclusão de Curso II, Orientado pelo Professor Doutor José Roberto Securato. São Paulo 2003

3 I AGRADECIMENTOS Agradeço ao Professor Dr. José Roberto Securato pelas orientações, apoio e incentivo. Agradeço aos funcionários da Delta Amika Factoring e Tetrafac Factoring pelas informações concedidas e pelo contínuo apoio e incentivo. Agradeço aos meus familiares, a Mirian Midori Kina e aos meus amigos pelas informações concedidas, colaboração, apoio e incentivo. Agradeço aos funcionários da Biblioteca FEA / USP pela qualidade de seus serviços e apoio.

4 II RESUMO O fomento mercantil, também conhecido como factoring, surgiu no Brasil no início da década de 80. A formação deste mercado permitiu que os pequenos e médios empresários tivessem ao seu dispor uma importante ferramenta para a melhoria das condições de concessão de crédito aos seus clientes. Através das empresas de factoring, estes empresários podem reduzir os seus riscos e se dedicar ao corebusiness de suas atividades sejam elas a prestação de serviços, a fabricação de mercadorias, intermediação, comercialização de produtos, etc. O objetivo deste trabalho é elaborar um modelo de crédito que seja adequado às operações de empresas de factoring, de forma a minimizar o risco destas e capacitando-as a oferecer aos seus clientes serviços melhores a custos inferiores.

5 III ABSTRACT Fomento Mercantil, also known as factoring, first appeared in Brazil during the early 80 s. This market s formation allowed the small and medium entrepreneurs to have a tool to ensure better credit conditions to their clients. Through factoring companies, these entrepreneurs could reduce their risk and dedicate to their core-business, such as services, building products, intermediating, commercializing products, etc. This work s objective is to elaborate a credit model that is adequate to factoring operations, which will minimize their risk and allowing them to offer better services at lower costs to their clients.

6 Índice 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS IMPORTÂNCIA PROBLEMÁTICA TENDÊNCIAS METODOLOGIA DO TRABALHO DE PESQUISA DELINEAMENTO DO ESTUDO TÉCNICA DE COLETA DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS CONTEXTO ECONÔMICO INFLAÇÃO TAXA DE JUROS INADIMPLÊNCIA O MERCADO DE FACTORING DEFINIÇÃO DE FACTORING PERFIL DO CLIENTE DE FACTORING DEFINIÇÃO DO PÚBLICO ALVO RISCOS DO MERCADO DE FACTORING EMPRESAS ESTUDADAS MODELOS DE CRÉDITO DEFINIÇÃO DE CRÉDITO ANÁLISE DE CRÉDITO RISCOS DA CONCESSÃO DE CRÉDITO...28

7 5.4. GARANTIAS ANÁLISE SUBJETIVA DO CRÉDITO OS CS DO CRÉDITO FASES DA ANÁLISE SUBJETIVA DE CRÉDITO RATING DE CRÉDITO ANÁLISE MATRICIAL DE CRÉDITO CONTROLE DO RISCO DA CARTEIRA DE CRÉDITO ANÁLISE DE CRÉDITO DE UMA CARTEIRA DE FACTORING PARTICULARIDADES ANÁLISE MATRICIAL CENÁRIOS MACRO-ECONÔMICOS PESOS DAS VARIÁVEIS APLICAÇÃO DO MODELO MATRICIAL RELAÇÃO ANÁLISE MATRICIAL VERSUS RATING RISCO E PROBABILIDADE DE LIQUIDAÇÃO DA CARTEIRA VALOR EM RISCO DA CARTEIRA DE FACTORING GLOSSÁRIO CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA...60

8 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. OBJETIVOS A dificuldade em se analisar o crédito de pequenas e médias empresas, entidades predominantes no mercado de factoring, tem se apresentado como um empecilho para as atividades das empresas que atuam neste mercado. O objetivo deste trabalho é realizar um estudo sobre o mercado de factoring e estabelecer um modelo de análise de crédito condizente com as particularidades que o regem. A elaboração deste modelo será fundamentada sobre o estudo aprofundado das atividades de duas empresas atuantes deste setor. Este modelo de crédito será aplicado a estas duas empresas e iremos apresentar os resultados preliminares de sua aplicação, elaborando um estudo de um caso prático sobre estas duas organizações. O modelo, que deverá ser descrito no decorrer deste trabalho, poderá contribuir sobre a profissionalização da atuação das empresas de fomento mercantil, resultando em melhor desempenho e práticas mais padronizadas.

9 IMPORTÂNCIA Os cenários de instabilidade financeira que o Brasil vivenciou nos últimos anos fez com que o governo exercesse políticas monetárias reduziram a quantidade de recursos disponíveis para crédito no mercado. Através de ferramentas como os empréstimos compulsórios e elevadas taxas de juros o governo reduziu a capacidade do sistema financeiro de absorver as necessidades de crédito do pequeno e médio empresariado brasileiro. Além disso, os altos índices de inadimplência têm aumentado os riscos para as instituições financeiras que provêem crédito de curto prazo. Desta forma, as taxas de juros cobradas por este tipo de crédito passaram a apresentar um premio pelo risco muito elevado, o que tornou mais dispendiosa a captação de recursos para estes pequenos e médios empresários. Neste cenário, as empresas de fomento mercantil, ou factoring, têm assumido uma crescente importância no mercado brasileiro. Através da compra de títulos, estas empresas têm sido responsáveis pelo provimento de recursos financeiros para o capital de giro de muitas empresas brasileiras. Além disso, as factorings têm auxiliado seus clientes a administrarem os seus recursos financeiros e estabelecerem políticas de concessão de crédito, reduzindo a sua necessidade de captar recursos dispendiosos e tornando suas operações mais saudáveis.

10 3 Entretanto, ainda não existem muitos trabalhos e estudos realizados sobre este setor, o qual é caracterizado por muita utilização de feeling e da experiência profissional dos agentes de factoring. Esta ausência de estudos e trabalhos sobre o setor faz com que haja uma falta de aplicação das teorias de crédito e risco nas empresas de factoring. A adequada aplicação destas teorias a este mercado pode colaborar para que os empresários do setor possam desempenhar seus papéis com maior eficiência. Este trabalho visa suprir estas necessidades do mercado brasileiro, iluminando o entendimento do mercado de fomento mercantil e elaborando um sistema de controle de crédito para as empresas que operam neste setor.

11 PROBLEMÁTICA A organização administrativa de grandes empresas prevê, de maneira geral, uma forma de analisar o crédito dos clientes e também de organizar os fluxos de caixa da empresa, respeitando os prazos de pagamentos e recebimentos da organização. Isso é primordial para a saúde financeira de uma empresa e até mesmo para sua sobrevivência. A maior parte destas empresas mantém esta estrutura internamente, apesar de haverem casos em que isso não ocorre. Atualmente, existem empresas como a Unilever que mantém parte de seus setores financeiros terceirizados com empresas como a Accenture. A decisão de manter a estrutura financeira da organização dentro ou fora da empresa varia em função das estratégias traçadas por cada administração. A importância vital de manter uma saúde financeira não é restrita a grandes empresas. As pequenas e médias empresas compartilham desta mesma necessidade e sua falta de atuação sobre este assunto pode, muitas vezes, levá-las ao fracasso. Entretanto, muitas vezes a devida atenção não é dada para estas áreas das empresas. Algumas vezes por falta de capacidade administrativa, outras por falta de recursos disponíveis, muitas pequenas e médias empresas não possuem um setor encarregado de analisar a concessão de crédito para cada cliente nem mesmo uma área financeira que seja capaz de organizar os fluxos de caixa respeitando os prazos de recebimento e pagamento de cada cliente ou fornecedor.

12 5 Além disso, a falta de organização financeira das pequenas empresas, o seu risco operacional e a falta de garantias acaba tornando a captação de recursos financeiros para as suas operações mais cara. As instituições financeiras não têm condições de avaliar e acompanhar as operações destas pequenas empresas de maneira muito intensiva, o que acaba elevando o risco operacional da concessão de crédito destas organizações. Em vista deste maior risco, as instituições financeiras acabam cobrando prêmios pelo risco mais elevados, encarecendo a captação de recursos de curto prazo nestas pequenas e médias empresas. Estes fatores explicam em parte a razão pela qual o principal mercado de atuação de empresas de factoring é o de pequenas e médias empresas. Estas organizações muitas vezes não têm condições de manter uma estrutura financeira saudável e os serviços de factoring de análise de crédito dos clientes, de organização financeira e de provimento de recursos para o capital de giro de organização acabam sendo muito adequados para as empresas que se encaixem neste último cenário TENDÊNCIAS O mercado de factoring tem apresentado um relevante crescimento nos últimos anos. A tabela abaixo apresenta os números que representam esta evolução e, no entender do autor, leva a crer que a importância deste mercado será crescente no que diz respeito ao desenvolvimento da economia brasileira.

13 6 Evolução do Factoring no Brasil Empresas Associadas Patrimônio Líquido 1.107, , ,40 Carteira , , ,00 Inadimplência 3,77% 3,76% 3,77% Funcionários Empresas Clientes Fonte: Anfac - Levantamento Estatístico de 2001 A quantidade de estabelecimentos atendidos por empresas de factoring cresceu, entre 1999 e 2001, cerca de 9,48%, entretanto, a carteira total atendida cresceu cerca de 46,05%. Esta carteira de títulos de empresas de factoring atingiu, em 2001, cerca de R$ milhões. Cabe observar que estes dados estão restritos às empresas cadastradas na ANFAC, entretanto, existem mais empresas atuando no mercado além das cadastradas na associação. Os serviços de factoring no Brasil têm possibilitado o desenvolvimento das pequenas e médias empresas através da difusão das práticas de administração financeira como também da concessão de crédito aos diversos empresários. O cenário de crescimento econômico previsto para ocorrer nestes próximos anos será de fundamental importância para o setor, pois sua atividade será fundamental para o desenvolvimento da pequena e média industria brasileira.

14 7 2. METODOLOGIA DO TRABALHO DE PESQUISA 2.1. DELINEAMENTO DO ESTUDO A metodologia de estudo de caso foi baseada nas orientações de Gilberto Martins e Alexandre Lintz (2000, p.36 58). Segundo os autores o estudo de caso trata-se de uma técnica de pesquisa cujo objetivo é o estudo de uma unidade que se analisa profunda e intensamente. E considera-se a unidade social estudada em sua totalidade, seja um indivíduo, uma família, uma instituição, uma empresa, ou uma comunidade, com o objetivo de compreendê-lo em seus próprios termos. O estudo de caso, de acordo com Martins e Lintz (2000, p. 36): É uma investigação empírica que pesquisa fenômenos dentro de seu contexto real (pesquisa naturalística). O estudo de caso reúne o maior número de informações detalhadas, por meio de diferentes técnicas de coleta de dados: entrevistas, questionário, observação participante, entrevista em profundidade, levantamento de dados secundários etc., com o objetivo de apreende a totalidade de uma situação e, criativamente, descrever a complexidade de um caso concreto. Mediante um mergulho profundo e exaustivo em um objetivo delimitado problema da pesquisa -, o estudo de caso possibilita a penetração na realidade social, não conseguida plenamente pela análise e pela avaliação quantitativa.

15 8 O estudo de caso tem como principais aplicações, a importância de explicar ligações causais em intervenções ou situações da vida real que são complexas demais para tratamento através de estratégias experimentais ou de levantamento de dados, além de descrever um contexto de vida real no qual uma intervenção ocorreu. Pode se ainda avaliar uma intervenção em curso e modificá-la com base em um Estudo de Caso ilustrativo, o qual não será objeto deste trabalho. E ainda explorar aquelas situações nas quais a intervenção não tem clareza no conjunto de resultados. Segundos os autores, é importante atentar para os principais componentes do design da pesquisa, como: Trata-se de um estudo do tipo como? e/ou por quê?; As proposições orientadoras do estudo, enunciadas a partir de questões secundárias; Unidade de análises: indivíduo? organização? setor?... Estabelecer a lógica que ligará os dados às proposições do estudo; Critérios para interpretar os achados referencial teórico e categorias. E ainda não se deve confundir generalização analítica própria do Estudo de Caso com generalização estatística. O que se generaliza, no Estudo de Caso, são os aspectos do modelo teórico encontrado. O caso não é um elemento amostral.

16 9 Dessa maneira, há uma razão lógica de se elaborar um estudo de caso com uma delimitação, para que a seleção dos aspectos mais relevantes leve a uma compreensão mais completa sobre a situação estudada. Nesta fase, foram também escolhidas as técnicas de estudo mais adequadas para a coleta de dados TÉCNICA DE COLETA DE DADOS Após a definição clara da delimitação do objeto de estudo abordado neste trabalho, foram escolhidas as técnicas de coleta de dados. são: Segundo os autores Martins e Lintz (2000) as principais fontes de evidências Documentação; Registros em arquivos; Observação direta; Observação participante; Entrevistas; Uso de artefatos físicos.

17 10 Neste trabalho foram utilizados basicamente dois tipos de fontes de evidência: a entrevista e a observação direta, pois eram a fontes que estavam disponíveis e que mais auxiliariam neste estudo de caso. Para a elaboração da entrevista foi utilizada foi basicamente um questionário de questões abertas, do tipo associação de palavras, com questões claras e compreensíveis para o(s) entrevistado(s). Buscou-se obter dados de informações e opiniões mais relevantes por meio da conversação objetiva e através da observação direta. As entrevistas constituem a principal fonte de evidência de um Estudo de Caso. Trata-se de relato verbal sujeito a problemas de viés, recuperação de informações e/ou de articulação imprecisa. Quando possível deve-se usar gravador. Há três tipos de entrevistas: aberta para extrair fatos; opiniões, insights ; focada perguntas previamente formuladas. Servem para corroborar o que o investigador pensa a respeito de determinada situação, segundo os mesmos autores. Neste trabalho as entrevistas foram conduzidas com os gerentes das empresas analisadas, a fim de conseguir depoimentos que descrevessem todas as etapas, desde as discussões iniciais sobre os motivos do investimento do sistema até seu desenvolvimento e implementação. E a segunda fonte de evidência utilizada para a coleta de dados e informações foi à observação direta. Neste contexto, o pesquisador foi um observador passivo,

18 11 durante o período de três meses aproximadamente para análise do funcionamento do sistema e o sucesso de sua implementação, além do resultado obtido pelo sistema para a empresa em geral ANÁLISE DOS DADOS A análise de dados é um dos aspectos mais importantes e difíceis de um Estudo de Caso, pois exige um raciocínio crítico do investigador/entrevistador para construir descrições, interpretações que possibilitem a extração cuidadosa das conclusões. Porém, por se considerar de uma situação específica, não muito ampla e de uma só empresa, a análise das informações obtidas foi facilitada. Segundo os autores Martins e Lintz (2000), há duas maneiras de se analisar os dados coletados, através de uma proposição teórica (referencial teórico) ou desenvolver uma criativa descrição do caso. Basear-se em proposições teóricas é a forma mais comum para se analisar as evidências de um caso. Segundo o professor Martins, (site: Sendo assim, as proposições podem fornecer a orientação teórica que direcionará a análise do estudo. Isso ajuda a focalizar a atenção sobre certos dados e a ignorar outros, além de auxiliar a organizar o estudo como um todo e a definir explanações alternativas a serem examinadas proposições teóricas sobre relações causais

19 12 perguntas do tipo como? ou por quê? podem ser úteis para direcionar a análise do estudo de caso. Esta primeira estratégia foi utilizada neste trabalho, já que além de ser a mais comum, é a mais recomendada pois a segunda estratégia, de descrição é menos preferível, servindo de alternativa quando não se tem um referencial teórico. A forma de análise de dados através da proposição teórica permitiu que fossem descritos modelos teóricos de análise de crédito, comparando o caso da empresa real com os modelos teóricos, onde poderão ser obtidas as razões para demonstrar que o modelo de crédito proposto se torna adequado para as operações em empresas de factoring.

20 13 3. CONTEXTO ECONÔMICO Contextualizar economicamente o cenário atual é de extrema relevância para a avaliação de crédito. O cenário macro-econômico afeta diretamente as empresas de factoring em vista de que esta lida diretamente com a inadimplência de pessoas físicas e jurídicas, taxas de juros, níveis de atividade econômica, etc. Desta forma, ambientar a atual situação econômica é necessário para que se possa fazer uma correta avaliação do mercado de factoring, assim como o grau de risco de suas operações e, conseqüentemente, a taxa de retorno esperada INFLAÇÃO Desde Julho de 1994, com a implantação do Plano Real, o Brasil vivencia um período de inflação controlada, mesmo tendo havido uma considerável alta na inflação dos últimos 5 anos. A inflação medida pelo índice oficial do governo, o IPCA, tem apresentado como média nos 5 últimos anos, cerca de 9,05% ao ano.

21 14 Inflação Mensal IPCA 8,00% 7,00% 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% 0,00% -1,00% jul/94 out/94 jan/95 abr/95 jul/95 out/95 jan/96 abr/96 jul/96 out/96 jan/97 abr/97 jul/97 out/97 jan/98 abr/98 jul/98 out/98 jan/99 abr/99 jul/99 out/99 jan/00 abr/00 jul/00 out/00 jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 Fonte: IPEADATA O cenário atual é de uma expectativa de queda da inflação em vista do período conturbado que foi vivenciado no final do ano de Neste ano houve a eleição presidencial e a oposição do governo era a favorita para ganhar a eleição (expectativa que veio a se comprovar). O mercado financeiro apresentou uma certa apreensão neste período, o que refletiu diretamente na estabilidade econômica TAXA DE JUROS A meta governamental da taxa de juros básica da economia, a SELIC, que apresentou considerável alta no ano de 2002, sofreu cortes sucessivos durante o segundo semestre do ano de 2003, atingindo o patamar de 17,5% (Reunião do COPOM de Novembro de 2003) conforme ilustra o gráfico abaixo.

22 15 Meta SELIC Anual 50,00% 45,00% 40,00% 35,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% jan/99 mar/99 mai/99 jul/99 set/99 nov/99 jan/00 mar/00 mai/00 jul/00 set/00 nov/00 jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 Fonte: Banco Central do Brasil O governo eleito do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou, durante o ano de 2003, políticas responsáveis e condizentes com o contexto da ocasião. Isso amenizou os ânimos do mercado refletindo na melhora de diversos índices da economia, como uma queda da inflação, a diminuição do risco Brasil de agências internacionais e outros. Neste novo contexto, o governo pôde reduzir as taxas de juros de maneira a estimular a volta do crescimento do mercado, que se apresentou estagnado nos anos que precederam INADIMPLÊNCIA A inadimplência atingiu níveis extremamente elevados no ano de Entretanto, a partir deste ano, a taxa de inadimplência medida pela Associação de

23 16 Comércio de São Paulo (Boletim Gastão Vidigal) girou entre cerca de 2% A 10%. O Gráfico abaixo ilustra este comportamento da taxa. Taxa de Inadimplência 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% jan/99 mar/99 mai/99 jul/99 set/99 nov/99 jan/00 mar/00 mai/00 jul/00 set/00 nov/00 jan/01 mar/01 mai/01 jul/01 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 Fonte: IPEADATA Durante o ano de 2003, a inadimplência se apresentou um pouco mais estável que nos anos anteriores, sendo que a taxa média do ano de 2003 (Janeiro a Outubro) foi de cerca de 5,59%. No período entre março e maio, a taxa apresentouse menor que nos anos anteriores. Este período, nestes cinco anos analisados, foi caracterizado por uma maior taxa de inadimplência. A taxa de inadimplência intensifica a importância da analise de crédito das empresas, pois apresenta um considerável aumento do risco das operações. Esta reflete diretamente na probabilidade de recebimento dos créditos concedidos de uma empresa.

24 17 4. O MERCADO DE FACTORING 4.1. DEFINIÇÃO DE FACTORING A correta conceituação de factoring é desconhecida pela maior parte das pessoas. Muitos confundem as empresas de factoring com bancos, financeiras ou mesmo agiotas. Entretanto, a empresa de factoring não realiza atividades de nenhuma destas três entidades. As atividades de uma empresa de factoring englobam desde a prestação de serviços até o provimento de caixa para as empresas que precisem saldar os seus compromissos de curto prazo. Os serviços prestados pelas empresas de factoring vão desde consultorias financeiras até mesmo a efetiva atuação sobre o setor financeiro da empresa, administrando todas as contas a receber como também a pagar. Em alguns casos, as empresas de factoring cuidam da administração financeira de seus clientes, deixando para o proprietário a administração da produção ou vendas. Neste caso, os empresários podem dedicar-se às atividades relacionadas ao seu core-business, sejam elas a venda, a intermediação, a fabricação de produtos ou mesmo a prestação de serviços. As empresas de factoring podem ainda prover caixa para as empresas através da compra dos títulos por esta emitidos. Uma venda a prazo feita pela a empresa pode ser transformada em uma duplicata, isto é, um título de crédito que representa esta venda através de uma cópia (duplicata) da nota fiscal de venda. Quando esta

25 18 venda ocorre, a empresa de factoring se encarrega de assumir todos os riscos de crédito que esta venda ocasionou. Este último fator é que distingue as atividades da factoring das atividades de um banco. Um banco faz desconto de duplicatas enquanto a factoring compra a duplicata. O desconto de duplicata não faz com que o banco assuma todos os riscos do sacado. Caso este não venha a honrar os seus compromissos, o banco pode ainda vir a cobrar o cedente pelo título, enquanto nas empresas de factoring, este risco é integralmente assumido por elas, não podendo exercer uma cobrança sobre o cedente destas duplicatas. LEITE (2003, p. 32) define factoring como sendo uma atividade mercantil mista atípica = serviços + compra de créditos (direitos creditórios) resultantes de vendas mercantis.. Esta definição engloba as atividades que um agente de factoring deve executar e também frisa a diferenciação da empresa de factoring em relação a uma instituição financeira.

26 PERFIL DO CLIENTE DE FACTORING No momento econômico atual, todas as empresas, especialmente aquelas de médias e pequenas dimensões, têm necessidade de recursos para fazer frente aos custos e encargos numa economia competitiva. As pequenas e médias não dispõem de estrutura administrativa para suportar as incertezas e flutuações de um sistema econômico como o brasileiro, caracterizado por diversas oscilações e alterações das políticas governamentais. Necessitam, sobretudo, de apoios técnicos, administrativos e gerenciais para que possam comprar bem suas matérias primas e insumos, produzir com custos compatíveis e vender seus produtos a preços competitivos. A tabela abaixo apresenta a evolução do direcionamento das operações de factoring no Brasil. Direcionamento das Operações Ind. Metalúrgica 15,00% 18,00% 18,00% 22,00% 20,00% 28,00% 2. Ind. Química 8,00% 10,00% 7,00% 8,00% 3,00% 3,00% 3. Ind. Gráfica 5,00% 3,00% 4,00% 4,00% 4,00% 2,00% 4. Ind. Têxtil/Confec. 3,00% 2,00% 2,00% 2,00% 5,55% 5,00% 5. Ind. Sucro-alcool 0,50% 0,50% 0,50% 0,50% 0,45% 0,50% 6. Outras Indústrias 21,00% 25,00% 30,00% 32,00% 34,00% 35,00% 7. Empresas Comerc. 25,00% 21,00% 20,00% 18,00% 17,00% 14,00% 8. Prest. Serviços 22,00% 20,00% 18,00% 13,00% 13,00% 12,00% 9. Emp. Transporte 0,50% 0,50% 0,50% 0,50% 3,00% 0,50% Fonte: Anfac Conforme apresentado, o factoring tem como clientela tradicional a pequena e média empresa representada de forma significativa por industrias. No Brasil existem

27 20 hoje milhares de industrias, de porte médio e pequeno, que contribuem substancialmente para engrossar o produto interno bruto nacional. É a clientela preferencial do factoring porque se ajusta como uma luva a seus legítimos e verdadeiros objetivos, ou seja: expandir os ativos dessas empresas, aumentando suas vendas, criando todas as condições indispensáveis ao seu efetivo e almejado crescimento e eliminando o seu endividamento, sem criar novas exigibilidades. Outro fator que afeta fortemente uma pequena e média empresa para atuar junto a uma empresa de factoring é que esta costuma executar vendas de menor porte. Uma vez transformadas em duplicatas, estas poderiam ser descontadas em um banco ou mesmo vendidas para um agente de factoring. Apesar de, tradicionalmente, cobrarem taxas de juros mais baixas que as empresas de factoring, os bancos cobram também uma série de tarifas como de cobrança, protesto de títulos, etc. Estas tarifas, quando consideradas sobre um titulo de baixo valor, acabam elevando a taxa de juros de maneira muito acentuada, o que encarece o desconto do título em um banco. Uma empresa de factoring, não possuindo a grande estrutura de um banco, apresenta custos inferiores. Estes custos são repassados na forma de uma taxa de juros de valor, tradicionalmente, superior a dos bancos. Entretanto, quando consideradas as tarifas bancárias de um desconto de título, o produto de uma empresa de factoring acaba apresentando um custo inferior. Isso faz com que, para as pequenas e médias empresas, seja mais atrativo estar procurando as empresas

28 21 de factoring para transformarem as suas contas a receber em caixa. Além disso, o desconto de uma duplicata gera um passivo para a empresa que pode vir a ser reclamado pelos bancos. Entretanto, ao efetuar uma venda da duplicata para a empresa de factoring, este passivo não é criado, resultando em menor grau de alavancagem para a empresa.

29 DEFINIÇÃO DO PÚBLICO ALVO O mercado-alvo do factoring é, em sua essência e origens históricas, universalmente constituído do pequeno e médio produtor industrial. Podemos classificar em três diferentes tipos o perfil da clientela-alvo do factoring: Empresas sem acesso ao mercado de crédito tradicional. Empresas que, embora tenham acesso ao mercado de crédito, não possuem conhecimentos técnicos que lhes respaldem a iniciativa de barganha com as instituições financeiras. Empresas dirigidas por pessoas com excelente nível técnico, em seu ramo de atividade, mas utilizam os serviços de factoring para cuidar da gestão de caixa, enquanto concentram seus esforços na produção. De acordo com Leite (2003), O perfil típico hoje da empresa candidata potencial no Brasil para operar com o factoring pode estar delimitado num faturamento mensal que varia entre R$ ,00 e R$ ,00..

30 RISCOS DO MERCADO DE FACTORING Em uma operação de factoring, a empresa fomentadora assume todos os riscos referentes aos créditos futuros que forem adquiridos de outras empresas (cedentes). Desta forma, no caso de vendas (as quais são representadas através de duplicatas), assume-se, principalmente, o risco de crédito destas. Em outras palavras, assume-se o risco de um sacado não honrar os compromissos a prazo referentes a uma compra que fez com o cedente (o cliente da factoring). Uma empresa de factoring pode ainda estar exposta ao risco de crédito de seus próprios clientes. Uma vez que muitas empresas em dificuldades financeiras acabam procurando as empresas de factoring para obter capital de giro e assim atender os seus compromissos de curto prazo, estas podem, em um determinado momento, acabar cometendo atos ilícitos para saldar suas dividas. Dentre estes atos, as empresas entrevistadas listaram atitudes como emissão de títulos frios, isto é, sem procedência de uma venda a prazo da empresa, cobrança em duplicidade de uma mesma venda e outros. Além destes riscos, a empresa de factoring está exposta aos riscos do mercado (conjunturais), como flutuação das taxas de juros, surgimento de produtos substitutos e também empresas concorrentes. Existem diversas variáveis econômicas e legais que afetam fortemente as operações de factoring no Brasil, uma vez que a legislação acerca do assunto sempre foi vaga, mas tem tomado forma nos últimos anos.

31 EMPRESAS ESTUDADAS As empresas estudadas e entrevistadas apresentam um índice de giro mensal médio de cerca de R$ 976 mil e R$ mil. De acordo com LEITE (2003), estas empresas podem ser classificadas como pequena (giro abaixo de R$ 1 milhão) e média (giro entre R$ 1 milhão a R$ 5 milhões). Estes tipos de empresas compõem cerca de 90% do mercado, sendo que 60% das empresas são de médio porte e 30% de pequeno porte. Os 10% restantes representam empresas com giro superior a R$ 5 milhões. A Delta Amika Factoring Fomento Comercial Ltda é uma empresa de factoring de pequeno porte. Criada em 17 de Dezembro de 1990, a empresa atua no mercado a mais de 12 anos, já tendo prestado serviços para mais de empresas entre sacados e cedentes. Assim como o restante do mercado de factoring, grande parte dos seus clientes são empresas do ramo industrial. Sua carteira de clientes é caracterizada por parcerias de longo prazo. Algumas essas empresas são acompanhadas pela a Delta-Amika desde a sua data de criação, em Seus parceiros estão todos localizados na Grande São Paulo. Isso se deve em função de que, para o acompanhamento intensivo das operações financeiras de seus clientes, existe uma necessidade de proximidade física muito relevante.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING Jean Raphael de Oliveira ANITELI 1 Thiago Memare FUJITA 2 Wilson de Luces Fortes MACHADO³ RESUMO: Não existem muitos estudos relacionados ao processo

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II! Como ponderar os cenários?! Como criar um rating de crédito?! O preenchimento da matriz de crédito?! A importância da análise setorial

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA,

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos Diante do atual cenário doméstico e internacional, os especialistas da HSBC Global Asset Management acreditam

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO BALANÇO 213/2 RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO As incertezas do mercado econômico brasileiro no primeiro semestre de 213 jogaram para baixo as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) e elevaram

Leia mais

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A inadimplência prejudica a liquidez das empresas que conta com os valores a receber para saldar seus compromissos assumidos. Torna-se necessário estimar

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EMDIREITOS CREDITÓRIOS EMPÍRICA GOAL ONE CNPJ: 12.610.459/0001-96. Relatório Trimestral: 3º Trimestre de 2015

FUNDO DE INVESTIMENTO EMDIREITOS CREDITÓRIOS EMPÍRICA GOAL ONE CNPJ: 12.610.459/0001-96. Relatório Trimestral: 3º Trimestre de 2015 São Paulo, 10 de novembro de 2015. FUNDO DE INVESTIMENTO EMDIREITOS CREDITÓRIOS EMPÍRICA GOAL ONE CNPJ: 12.610.459/0001-96 Relatório Trimestral: 3º Trimestre de 2015 1) DADOS DO FUNDO Administrador: Gradual

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista TERMO DE ADESÃO AO REGULAMENTO E CIÊNCIA DE RISCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista 3 - Agência N 4 - Conta

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Data de Competência: 06/10/2015 1. CNPJ 10.322.668/0001-09 2. PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO GLEICE LUANA CARDOSO DE FARIAS Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA Luana733@hotmail.com Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Palavras-chave: provisão para créditos de liquidação duvidosa; nível de risco; classificação de devedores; apropriação de receita.

Palavras-chave: provisão para créditos de liquidação duvidosa; nível de risco; classificação de devedores; apropriação de receita. Constituição da provisão para créditos de liquidação duvidosa de bancos e demais instituições financeiras principais alterações introduzidas pelo Conselho Monetário Nacional e o efeito nas demonstrações

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais