FACTORING. PALAVRAS CHAVE: Contrato. Factoring. Evolução histórica. Divergências. Doutrinárias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACTORING. PALAVRAS CHAVE: Contrato. Factoring. Evolução histórica. Divergências. Doutrinárias."

Transcrição

1 FACTORING Bernardo Augusto da Costa Pereira 1 RESUMO O presente artigo trata sobre o contrato de factoring, principalmente no Brasil. Seu objetivo foi analisar o desenvolvimento do contrato desde suas origens até os dias atuais, e de tratar de noções essenciais para a compreensão do tema. Pretendeu-se também tratar das diversas modalidades do factoring e de sua relação com as atividades bancárias. Utilizou-se, para tal, atualizada doutrina, jurisprudência e legislação. Observou-se então, que devido à falta de legislação específica sobre o contrato estudado, até o presente momento, as divergências entre os autores são constantes e intensas, tornando o assunto mais complexo. Dentro desse âmbito de divergências, o presente artigo também fixa seu posicionamento. PALAVRAS CHAVE: Contrato. Factoring. Evolução histórica. Divergências. Doutrinárias. ABSTRACT The present article is about the contract of factoring, mainly in Brazil. Its objective was to analyze the development of the contract since its origins until the actual days, and treat of essential notions to the comprehension of the subject. It was intended to treat, as well, of the several modalities of factoring and its relation with banks activities. It was used, for that, actual doctrine, jurisprudence and legislation. It was observed, then, that due to the lack of specific legislation, about the studied contract, until the present time, the divergences between authors are constant and intense, making the subject even more complex. Inside this sphere of divergences, this article also takes its position. Key words: Contract. Factoring. Historical evolution. Doctrinal divergences. 1 Estudante do Curso de Direito do Centro Universitário do Pará Cesupa.

2 1 INTRODUÇÃO Este artigo surgiu devido às divergências existentes sobre o contrato de factoring. Divergências essas experimentadas por mim no decorrer do 4ª semestre do curso de direito, quando se estudou o tema. A oportunidade do artigo surgiu durante o GET- Grupo de Estudo Temático, sobre contratos empresariais, onde novas perguntas se fizeram presentes. O presente trabalho contribuirá para a comunidade acadêmica por ser uma fonte de pesquisa confiável e atualizada, tanto para os estudiosos sobre o tema, como para interessados, já que tratará de diversos pontos essenciais para a compreensão do factoring. Mostrar-se-á também o posicionamento da doutrina e dos tribunais pátrios perante o assunto. O objetivo geral é tratar do contrato de factoring, de forma ampla, ao abarcar a sua evolução histórica e modalidades. O objetivo específico, por sua vez, é definir os contornos sobre o que é o contrato de fomento mercantil, frente às constantes divergências existentes. Sua contribuição será visível, já que o tema em questão é abordado normalmente de forma muito breve. 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Antes de tudo é importante tratar da evolução histórica desse contrato e assim visualizar sua utilidade e importância até os dias atuais. Há divergências doutrinárias sobre o momento em que se teve origem... enquanto para uns a figura do agente mercantil já era conhecida desde os primórdios da civilização para desenvolver o comércio... inclusive com citações no código de Hamurabi; para outros se tem notícia de que os Fenícios, após dominarem o comércio no Mediterrâneo, chegaram à Península Ibérica e, no século VIII a.c. estabeleceram na região onde atualmente é Portugal um centro comercial que era chamado de FACTORIA. As FACTORIAS dos Fenícios tinham como objetivo colocar seu agente mercantil no mercado de destino para desenvolver o comércio e reduzir o risco de operações de comércio, ou seja, os comerciantes confiavam suas mercadorias aos seus agentes para vendê-las em outras praças, bem como pagavam comissões para que esses agentes efetuassem a cobrança de seus créditos e prestar informações sobre outros comerciantes a fim de se conhecer o real risco para a realização de seus negócios. Surgiram assim, os consultores mercantis. 2 2 SANT ANNA, Valéria Maria. Factoring: fomento mercantil doutrina, prática, jurisprudência. Bauru; São Paulo: EDIPRO p.10

3 Roma, seguindo a idéia dos fenícios, instituiu, em áreas estratégicas de seu império, a figura do factor: indivíduo que se encarregava de fomentar o comércio local, fornecer crédito a outros comerciantes, receber e armazenar mercadorias, pagar e cobrar. 3 Continuando na linha do tempo, temos seu desenvolvimento na Idade Média, e sua disseminação por outros países, como os do Mediterrâneo. 4 A época das Grandes Navegações foi, naturalmente, seu momento de maior disseminação pelo Globo. O período dos descobrimentos, assim como o momento da colonização, permitiu a disseminação de diversos costumes, e o mesmo ocorreu com o factoring. Uma breve pausa para uma explanação. Foi dito que certos autores não consideram a Idade Antiga, como o berço do factoring. Isso se deve ao fato de que ele não era realizado da mesma forma que atualmente. Isso é verdade, mas ainda assim, não se pode negar que o factoring atual, como muito que existe, precisou evoluir e passar por mudanças. Entende-se que a idéia original, bruta, surgiu na antiguidade e foi lapidada pelo evoluir da civilização humana, até assemelhar-se ao contrato atual....nos séculos XIV e XV, na Europa, o FACTOR era um agente mercantil representante dos exportadores nas colônias; ele vendia mercadorias a terceiros contra o pagamento de uma comissão. No começo ele custodiava as mercadorias e depois prestava contas aos proprietários. Com o passar do tempo esses representantes passaram a antecipar o pagamento das mercadorias aos seus fornecedores, cobrando, posteriormente, dos compradores. Assim, surgiu o conceito atual de FACTORING: compra do direito de crédito junto a terceiros, produtores e fornecedores. 5 Apenas uma ressalva: considerando a necessidade de cumulação da compra de títulos, com prestação de serviços, como se faz no presente trabalho, não se pode considerar o conceito, como fez a autora, atual, mas sim como uma evolução. Momento também essencial para o factoring foi o da relação econômica entre Inglaterra e Estados Unidos, que na época eram metrópole e colônia, respectivamente. Relação esta muito intensa, principalmente devido à produção têxtil. Conforme Valéria Sant anna. enquanto os Estados Unidos eram colônia da Inglaterra, o comércio têxtil era muito intenso e o FACTOR, além de atuar como representante, consignatário e distribuidor das mercadorias do exportador, era também responsável pela gestão e cobrança das 3 Ibid.; p.10 4 GOMES, Luiz Roldão de Freitas. Contrato. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, p SANT ANNA, Valéria Maria. Factoring: fomento mercantil, doutrina, prática, jurisprudência. São Paulo: Bauru: EDIPRO, p

4 faturas. Ou seja, de mero intercambiário entre a Inglaterra e suas colônias, passou a ser consultor de qualidade dos produtos e dos preços praticados, da escolha da clientela e, por fim, também era responsável pela cobrança. Após a independência dos EUA as atividades dos feitores aumentaram, pois o mercado necessitava de profissionais experientes e que conhecessem os compradores para fornecimento de financiamento e de concessão de crédito, e, claro, nada melhor que os feitores para executar essa tarefa 6 Demonstrando a importância dos Estados Unidos, foi neste país que surgiu a primeira sociedade de factoring, a William Iselin and Co., fundada em Neste momento o intermediário propôs comprar à vista o que seus clientes vendiam a prazo. 8 Conclui-se também que passou a assumir o risco de não obter o pagamento, assim como o dever de realizar a cobrança do devido. A partir da década de 60, o factoring começa a ser praticado na Europa, por empresas de fomento mercantil norte-americanas, principalmente na Itália, que hoje é a 2ª maior em volume de operações, atrás apenas da Inglaterra. 9 No Brasil, a figura do factoring só veio a surgir mais de um século depois, de uma forma, no mínimo, incomum. No Brasil, a faturização teve inicio em Um funcionário do Banco Central do Brasil, ao examinar relatório de um banco de investimentos de São Paulo, integrante de um conglomerado financeiro, deparou-se com a rubrica factoring, rasurada no lugar de Financiamento de capital de Giro, no ativo do balancete da instituição financeira. Submeteu o assunto À Inspetoria Geral de Mercado de Capitais do Banco Central. Ao examinar o relatório, a referida Inspetoria deparou-se com um instituto até então desconhecido, reconhecendo no mesmo uma forma de fornecer capital de giro. 10 Outro momento histórico de relevância para o factoring foi a Convenção de Ottawa, realizada em Seu objetivo era definir claramente os contornos do factoring em relações internacionais. Foi realizada pelo UNIDROIT- Instituto Internacional para a Unificação do Direito Privado, o qual definiu o balizamento do factoring em relações internacionais, da seguinte forma: 6 Ibid., p OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Factoring e desconto bancário: estudo comparativo. São Paulo: BH Editora, p.87 8 SANT ANNA, Valéria Maria. Factoring: fomento mercantil, doutrina, prática, jurisprudência. São Paulo: Bauru: EDIPRO, 2008.p WARGAFTIG, Sérgio Nougués. Factoring: um instrumento pouco conhecido. Revista eletrônica de administração, n.1, dez Disponível em: <http://www.revista.inf.br/ >. Acesso em 18 jan OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op.cit. p. 87

5 Art Esta Convenção rege os contratos de factoring e a cessão de valores a receber conforme descritos neste Capítulo. 2.Para as finalidades desta Convenção, o contrato de factoring refere-se ao contrato concluído entre uma parte (o fornecedor) e uma outra parte (o representante), nos termos do qual: (a) o fornecedor possa transferir o irá transferir ao representante os valores a receber provenientes de contratos de vendas de bens celebrados entre o fornecedor e seus clientes (devedores) diferentes daqueles para a vendas de bens, adquiridos principalmente para seu uso pessoal, familiar ou residencial; (b) O representante deverá desempenhar no mínimo duas das seguintes funções: -financiamento ao fornecedor, incluindo empréstimos e pagamentos adiantados; -manutenção de contas (livro-razão) relativo aos valores a receber; -cobrança dos valores a receber; -proteção contra inadimplemento do pagamento pelos devedores; CONCEITO E NOÇÕES GERAIS. O factoring é um contrato relativamente novo no Brasil, como observado, e também é conhecido como faturização, fomento mercantil e fomento comercial. Todas essas denominações serão usadas nesse trabalho, apesar de considerarmos inadequada a expressão faturização. Factoring é uma palavra de origem inglesa, formada por factor e ing. O sufixo ing tem o sentido de fazendo. Factor por sua vez, tem origem no verbo latim facere, que significa fazer, fomentar. 12 O factoring seria, portanto, aquele que fomenta, que desenvolve. Não há no Brasil uma legislação específica para o factoring, portanto conceituá-lo não é tarefa fácil. Maria Helena Diniz afirma O contrato de faturização do fomento mercantil ou factoring é aquele em que um empresário (faturizado) cede a outro (faturizador), no todo ou em parte, os créditos provenientes de suas vendas mercantis a terceiro, mediante o pagamento de uma remuneração, consistente no desconto sobre os respectivos valores, ou seja, conforme o montante de tais créditos. Daí dizer Waldirio Bulgarelli que a operação de factoring seria a venda do faturamento de uma empresa à outra, que se incumbe de cobrá-lo, recebendo em pagamento uma comissão Convenção Sobre Factoring Internacional da Unidroit. Disponível em: <http://www.fd.unl.pt/>. Acesso em: 18/01/2010, às 20:36 12 LEITE, Luíz Lemos.Histórico, evolução no exterior e no Brasil, aspectos conceituais do factoring. In: SEMINÁRIO SETORIAL DE CAPITAL DE RISCO, FACTORING, JOINT VENTURE E FRANCHISING. Anais... Brasília: Cebrae, p , p.51, citado por, OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Ibidem. p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 23. ed. São Paulo: Saraiva, p.739

6 Da mesma forma entende Waldo Fazzio Junior O factoring ou faturização (fomento) é um contrato misto de compra e venda, desconto e cessão de crédito, pelo qual uma empresa vende a outra seu faturamento a prazo, total ou parcial, sem garantir pagamento dos créditos transferidos, recebendo como preço valor menor que o daqueles, consistindo essa diferença em remuneração da empresa adquirente. Para o faturizado, significa a antecipação de valores de seus créditos; para o faturizador, a compra de ativos por valor inferior. 14 Com todo o respeito devido aos mestres, discordamos de seus entendimentos. Realmente a cessão remunerada de créditos citada faz parte do contrato de factoring, mas este não se esgota aí. A lei nº 9.249/ , que altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como a contribuição social sobre o lucro líquido e dá outras providencias, em seu artigo 15, 1º, III, d, conceitua o factoring da seguinte forma d) prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, compra de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring). Aparentemente a lei pode parecer antiga, e passar a idéia de que o conceito está defasado, contudo, esta lei sofreu diversas alterações, sendo a mais recente devido à Lei nº , de 27 de maio de 2009, e o conceito supracitado manteve-se. Parte da doutrina também concorda com nosso posicionamento. Por exemplo, Fabrício Oliveira: Isto posto, entendemos a faturização como o contrato que envolve a transferência de créditos cumulada com a prestação de serviços (convencionais ou diferenciados) por parte de uma pessoa a outra. 16 Da mesma forma, o Superior Tribunal de Justiça, cuja ementa transcrevemos abaixo 17 Ementa: TRIBUTÁRIO. COFINS. BASE DE CÁLCULO. FATURAMENTO/RECEITA BRUTA. ATIVIDADE EMPRESARIAL DE FACTORING. "AQUISIÇÃO DE 14 FAZZIO JUNIOR, Waldo. Manual de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Atlas, p BRASIL, Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de Disponível em:< Acesso em: 18 Jan OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op. cit.. p BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial / RJ. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/>. Acesso em: 18 Jan

7 DIREITOS CREDITÓRIOS". ITENS I, ALÍNEA "C", E II, DO ATO DECLARATÓRIO (NORMATIVO) COSIT 31/97. LEGALIDADE. 1. A Contribuição para Financiamento da Seguridade Social - COFINS, ainda que sob a égide da definição de faturamento mensal/receita bruta dada pela Lei Complementar 70/91, incide sobre a soma das receitas oriundas do exercício da atividade empresarial de factoring, o que abrange a receita bruta advinda da prestação cumulativa e contínua de "serviços" de aquisição de direitos creditórios resultantes das vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços. 2. In casu, cuida-se de mandado de segurança impetrado, em , em que se discute a higidez do disposto no Itens I, alínea "c", e II, do Ato Declaratório (Normativo) COSIT 31/97, que determinam que a base de cálculo da COFINS, devida pelas empresas de fomento comercial (factoring), é o valor do faturamento mensal, compreendida, entre outras, a receita bruta advinda da prestação cumulativa e contínua de "serviços" de aquisição de direitos creditórios resultantes das vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços, computando-se como receita o valor da diferença entre o valor de aquisição e o valor de face do título ou direito adquirido. 3. A Lei 9.249/95 (que revogou, entre outros, o artigo 28, da Lei 8.981/95), ao tratar da apuração da base de cálculo do imposto de renda das pessoas jurídicas, definiu a atividade de factoring como a prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, compra de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (artigo 15, 1º, III, "d"). 4. Deveras, a empresa de fomento mercantil ou de factoring realiza atividade comercial mista atípica, que compreende o oferecimento de uma plêiade de serviços, nos quais se insere a aquisição de direitos creditórios, auferindo vantagens financeiras resultantes das operações realizadas, não se revelando coerente a dissociação das aludidas atividades empresariais para efeito de determinação da receita bruta tributável. 5. Conseqüentemente, os Itens I, alínea "c", e II, do Ato Declaratório (Normativo) COSIT 31/97, coadunam-se com a concepção de faturamento mensal/receita bruta dada pela Lei Complementar 70/91 (o que decorra das vendas de mercadorias ou da prestação de serviços de qualquer natureza, vale dizer a soma das receitas oriundas das atividades empresariais, não se considerando receita bruta de natureza diversa, definição que se perpetuou com a declaração de inconstitucionalidade do 1º, do artigo 3º, da Lei 9.718/98). 6. Recurso especial a que se nega provimento. (grifo nosso) A própria ANFAC, Associação Nacional das Empresas de Fomento Mercantil, afirma o seguinte: A atividade desenvolvida pelo fomento mercantil é caracterizada pela prestação de serviços e pela compra de créditos mercantis (duplicatas ou outros papéis resultantes de uma venda mercantil) Embasados na lei, doutrina e jurisprudência não duvidamos em conceituar factoring como: contrato mercantil, onde há transferência de créditos cumulada com prestação de serviços, por parte de uma pessoa jurídica, a empresa de fomento mercantil, para outra pessoa, física ou jurídica. Aquele que transfere os créditos e recebe os serviços é o faturizado, 18 Disponível em: <http://www.anfac.com.br/>. Acesso em: 18 Jan

8 enquanto que aquele que presta os serviços e adquire os créditos é denominado de faturizador ou factor. Afirmamos que o faturizado pode ser uma pessoa física ou jurídica. É um ponto onde a doutrina também não é pacífica. Maria Helena Diniz 19 afirma que: o contrato celebrar-se-á entre faturizador e faturizado, ambos empresários, sejam pessoas físicas ou jurídicas.... Já Waldo Fazzio Junior 20 : O factoring ou faturização (fomento) é um contrato misto de compra e venda, desconto e cessão de crédito, pelo qual uma empresa vende a outra seu faturamento.... A autora defende a possibilidade de o faturizado ser pessoa física ou jurídica, enquanto que o autor admite apenas pessoas jurídicas no papel de faturizado. A nossa postura se embasa no artigo 58 da Lei nº 9532/ , que afirma: Art. 58. A pessoa física ou jurídica que alienar, à empresa que exercer as atividades relacionadas na alínea "d" do inciso III do 1º do art. 15 da Lei n.º 9.249, de 1995 (factoring), direitos creditórios resultantes de vendas a prazo, sujeita-se à incidência do imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos e valores mobiliários - IOF às mesmas alíquotas aplicáveis às operações de financiamento e empréstimo praticadas pelas instituições financeiras. O Projeto de Lei da Câmara nº 13/2007 (Projeto de Lei nº3615/2000, na Casa de origem), em sua redação original, trata da possibilidade do faturizado ser tanto pessoa jurídica como pessoa física, desde que realizam atividade econômica, em nome próprio ou oraganizadas. Acontece que o Projeto de Lei citado não é lei, portanto não possui força jurídica. Sendo assim essas especificações de que o projeto trata não podem ser aplicadas no nosso ordenamento jurídico, pelo menos no momento. Vale mencionar que o PL nº 3896/2000 foi apenso ao PL nº 3615/2000, de forma que este passou a tratar do factoring de uma forma geral. Não se deve esquecer, como muitas vezes ocorre, que existe o empresário pessoa física, que deve ter todo o direito de realizar o contrato estudado neste artigo. Conforme ensina Fabio Ulhoa Coelho 22 Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Essa pessoa pode ser tanto a física, que emprega seu dinheiro e organiza a empresa individualmente, como a jurídica, nascida da união de esforços de seus integrantes. 19 DINIZ, Maria Helena. Manual de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Atlas, p FAZZIO JUNIOR, Waldo. Manual de direito comercial. 6. ed. São Paulo. Atlas, p BRASIL, Lei nº 9532 de 10 de dezembro de Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/> 22 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 12. ed. São Paulo: Saraiva, v.1. p.63

9 A questão que deve ser digna de atenção é a seguinte: a pessoa física que não exerce atividade empresarial pode ser parte em um contrato de factoring? Esse contrato visa fomentar a atividade empresarial, logo, é certo permitir que uma pessoa física não empresária o pratique? De que forma, uma pessoa física não empresária poderá receber a prestação de serviço da factoring, já que esse é um requisito legal essencial para a existência do contrato? Sem dúvida nenhuma são questionamentos instigantes. A partir do momento que a lei permite que pessoas físicas sejam partes em contratos de factoring, deve-se entender genericamente, todas as pessoas físicas, incluindo aquelas que não exercem atividade empresarial. Apesar de o objetivo do contrato de fomento mercantil, como o próprio nome afirma, seja desenvolver o comércio, auxiliando os que exercem atividade empresária, a lei permite que pessoas físicas, genericamente falando, o exerçam. Logicamente, é necessária a aceitação da empresa de factoring, logo, se esta não quiser contratar com a pessoa física não empresária, não haverá celebração de contrato. Quanto à natureza jurídica do contrato de factoring, consideramos este um contrato autônomo, por possuir características próprias: cessão onerosa de créditos combinada com prestação de serviços. Vale dizer que não há forma societária estipulada para a empresa de factoring e que os títulos de crédito comumente cedidos são: a nota promissória e o cheque pós- datado (popularmente conhecido como cheque pré- datado) O contrato estudado é bilateral, oneroso e atípico. Não se trata de um contrato de adesão, já que é de interesse do faturizado negociar a remuneração da factoring. Nas palavras de Jorge Luis Costa Beber, juiz de direito de Blumenau, Santa Catarina Não se trata, do mesmo modo, de um contrato de adesão, pois quem busca crédito antecipado obviamente negocia o valor da remuneração exigida pela empresa de factoring, deliberando, também, sobre os títulos que serão cedidos, tudo mediante respectivo borderô, preenchido a cada nova operação 23 Contrato bilateral é aquele, no qual ambos os contratantes possuem deveres, sendo ambos credores e devedores do outro, já que possuem obrigações recíprocas. Onerosos são os contratos que geram modificação na esfera jurídica patrimonial de ambas as partes, ou seja, ambas se beneficiaram, devido ao encargo suportado pela outra parte. O factoring classifica-se como atípico, pois não disciplinado pelo legislador, ou seja, não possui regulamentação, sendo baseado no princípio da autonomia da vontade. No contrato de adesão, 23 BEBER, Jorge Luis Costa. Contrato de Factoring. Legalidade da Cláusula de Regresso. Agência Nacional de Factoring. Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring. Disponível em: <http://www.anfac.com.br/>. Acesso em: 29 Jan

10 que não é o caso do factoring, conforme mencionado, uma das partes aceita os termos do contrato, o qual foi estabelecido anteriormente, sem sua presença. Tratamos diversas vezes que no factoring há a necessidade da cessão onerosa de créditos combinada com prestação de serviço, para que este contrato fique caracterizado de forma plena. Segundo Caio Mário da Silva Pereira, cessão de créditos é o negócio jurídico em virtude do qual o credor transfere a outrem a sua qualidade creditória contra o devedor, recebendo o cessionário o direito respectivo, com todos os acessórios e todas as garantias 24. A cessão pode ser onerosa ou gratuita, é bom frisar. Pode ainda ser pro soluto ou pro solvendo. cessão pro solvendo é aquela em que o cedente transfere o crédito, mas continua responsável ela solvência do mesmo; cessão pro soluto é aquela em que o cedente transfere o crédito em definitivo ao cessionário, não respondendo pela solvência do mesmo, mas somente pela sua existência no momento e que foi transferido 25 Alguns doutrinadores defendem que, o factoring tem como característica ter sua transferência de créditos de forma pro soluto, regra no Brasil. Contudo existe grande debate sobre a possibilidade de ocorrer a transferência em caráter pro solvendo. Waldo Fazzio Junior, no seu já citado conceito sobre factoring, defende posicionamento de a transferência de créditos ser somente da forma pro soluto, ao afirmar que não há garantia do pagamento dos créditos transferidos, por parte do faturizado. Segundo o autor: se ocorrer a inadimplência, não tem direito de ação contra o faturizado. 26 (pagina 539). Já Carlos Roberto Gonçalves afirma que o faturizador... garante os créditos, pois fica obrigado aos pagamentos, mesmo na hipótese de insolvência dos devedores, salvo disposição em contrário no contrato Conclui-se, portanto, que o doutrinador aceita a possibilidade da transferência de crédito ser tanto pro soluto como pro solvendo, já que a transferência de crédito ficará condicionada a estipulação contratual. Da mesma forma age Maria Helena Diniz, ao mencionar que o factoring representará um financiamento da empresa faturizada, na medida em que o faturizador adquire seus créditos, pagando-os ao faturizado,e assume o risco com a 24 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. In: OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op.cit. p OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op.cit. p FAZZIO JUNIOR, Waldo. Op.cit. p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil brasileiro. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 670

11 cobrança e o não-pagamento das contas, sem ter direito de regresso contra aquele. Isto é, em caso de falta de pagamento, deverá arcar sozinho com os prejuízos. 28 Ela também afirma que... por ser contrato atípico, não contém elementos obrigatórios, que não possam ser modificados pelas partes. 29 Interpretando as duas passagens, depreende-se que, através do contrato, as partes podem se valer tanto da forma pro soluto como pro solvendo. O Projeto de Lei do Senado nº 230, de 1995 e o Projeto de Lei nº 3615, de 2000 (o PL 3869/2000 foi apenso a este), tratam do factoring como prestação cumulativa e contínua de serviços conjugada com a aquisição pro soluto de créditos. O Projeto de Lei da Câmara nº 13/2007 (Projeto de Lei nº3615/2000, na Casa de origem), em sua redação original, mantevese neutro, não especificando modalidades de aquisição de crédito. Defendemos a posição de que, sim, é possível realizar um contrato de factoring tanto de forma pro soluto, como pro solvendo. Não há lei que impeça isto, sendo que nesse caso insere-se o princípio da liberdade contratual. O Juiz Jorge Beber afirma se assim ocorre de um modo geral no direito contratual, não soa desarrazoado afirmar que em se tratando de contrato de fomento mercantil inexiste qualquer ilegalidade na estipulação por parte do faturizado da sua responsabilidade subsidiária na hipótese de inadimplemento por parte dos sacados dos títulos cedidos para a empresa de factoring. Tal estipulação não é vedada por lei, não atenta contra a ordem pública e atende aos interesses do próprio faturizado, que negociará com o factor um fator de compra (deságio) que melhor atenda aos seus interesses. Acresçase, ainda, que a referida previsão contratual não afronta o princípio da boa-fé, salvante quando cabalmente provado pelo faturizado sua noção equivocada sobre o real teor do regresso ajustado (boa-fé subjetiva). 30 No momento que o faturizado cede seus créditos ao faturizador, este não paga o valor integral dos títulos, pois necessita tirar seu lucro. Esse valor é denominado fator de compra, e é citado pelo autor acima. Nada impede que se estabeleça um fator de compra menor, caso haja uma transferência pro solvendo, se for de interesse das partes. É importante tratar que nosso código civil de 2002 regulamenta a cessão de créditos em seus artigos 286 ao 298, sendo que no artigo 290 afirma que é obrigatória a notificação do devedor, para q ela tenha eficácia. 28 DINIZ, Maria Helena. Manual de direito comercial. 6. ed. São Paulo. Atlas, p Ibid., p BEBER, Jorge Luis Costa. Contrato de Factoring. Legalidade da Cláusula de Regresso. Agência Nacional de Factoring. Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring. Disponível em: <http://www.anfac.com.br/>. Acesso em: 29 Jan

12 Art A cessão do crédito não tem eficácia em relação ao devedor, senão quando a este notificada; mas por notificado se tem o devedor que, em escrito público ou particular, se declarou ciente da cessão feita. Art Na cessão por Título oneroso, o cedente, ainda que não se responsabilize, fica responsável ao cessionário pela existência do crédito ao tempo em que lhe cedeu; a mesma responsabilidade lhe cabe nas cessões por Título gratuito, se tiver procedido de má-fé. Art Salvo estipulação em contrário, o cedente não responde pela solvência do devedor. 31 A regra é a cessão de crédito no Brasil ocorrer de forma pro soluto, contudo nada impede que ela ocorra em caráter pro solvendo, desde que pactuado pelas partes, que exercem sua autonomia de contratar. É o que a lei faculta, e o contrato de factoring não pode ser exceção. Mesmo que tal modalidade seja incomum no Brasil, deve-se lembrar que o contrato de fomento mercantil é relativamente novo em solo pátrio. A pro credit, agência italiana, autorizada pela Coface (Compagnie Française d Assurance pour le Commerce Extérieur), um dos maiores conglomerados financeiros do mundo, trata das modalidades pro soluto e pro solvendo de factoring La fattorizzazione dei crediti può avvenire con le seguenti MODALITA' : FACTORING pro-solvendo: se il factor acquista i crediti con diritto di rivalsa sul cedente nel caso di mancato pagamento da parte del debitore; FACTORING pro-soluto: se il factor acquisisce i crediti in via definitiva, ossia senza diritto di rivalsa in caso di inadempimento del debitore. 32 Encerrando esse sub-tópico, vale dizer que incidem sobre as atividades de fomento mercantil os seguintes tributos: IR, CSSL, PIS, COFINS, ISS, CPMF E IOF MODALIDADES DE FACTORING Antes de tratar das modalidades de factoring, parece-nos adequado, neste momento, mencionar que também há diferenciação entre as prestações de serviços realizadas pela empresa de fomento mercantil, característica essencial para esta operar. O motivo disto é que 31 BRASIL. Código Civil. Disponível em: <http://www.dji.com.br/>. Acesso em: 29 Jan Pro-Credit. Website. Disponível em: <http://www.pro-credit.it/>. Acesso em: 29 Jan GONÇALVES, Valério Pedroso; SILVA, Luís Antônio da;operações de factoring e a incidência de IOF: a tributação do IOF sobre operações de factoring. Revista Jurídica. Brasília, v.8, n. 79, p.33-37, jun/jul., Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 31 Jan

13 o grande número de modalidades de contratos de fomento mercantil deve-se aos diversos tipos de prestação de serviços ofertados pela empresa de factoring. Segundo o professor Fabrício Oliveira, existem os serviços convencionais e diferenciados. Os serviços convencionais prestados pelo factor dizem respeito à prática de serviços administrativos usuais, tais como organização contábil, avaliação de fornecedores e clientes, análise de crédito, dentre outros; já os serviços diferenciados correspondem à gestão, parcial ou total, da empresa do faturizado pelo factor. Os serviços diferenciais implicam, portanto, em um envolvimento muito maior entre as partes. 34 Entendido isso, diversas são as modalidades de factoring existentes, sendo as principais 35 : factoring convencional, maturity factoring, trustee factoring, factoring para exportação e factoring matéria- prima. Segundo Carlos Alberto Gonçalves, o conventional e o maturity factoring são as comumente usadas no Brasil. 36 O factoring convencional, também chamado de tradicional ou de factoring com antecipação, possui como característica principal a antecipação de valores. Caso o contrato seja realizado, o faturizado oferece os créditos não vencidos, e ao aceitar, a faturizadora antecipa o valor para seu cliente, antes do vencimento dos títulos negociados, retirando sua margem de lucros. Há uma antecipação de créditos por parte da faturizadora. O maturity factoring é uma modalidade onde não há antecipação de créditos para o faturizado. Este oferece seus títulos ainda por vencer, e será ressarcido por eles na data de vencimento dos próprios. Maturity é uma palavra em inglês que quer dizer maturidade, de forma que ao falarmos de maturity factoring, haverá o pagamento para o faturizado, quando os créditos oferecidos alcançarem a sua maturidade, seu vencimento. Por isso também é conhecido como factoring no vencimento ou factoring sem antecipação. Nota-se também que o pagamento destinado à factoring é menor, já que não houve antecipação dos créditos. Continuando, temos o trustee factoring. Trustee é uma palavra inglesa que tem origem na também inglesa trust. Esta significa confiança, sendo o trustee, aquele em que se tem confiança. Eis seu significado: fiduciário, síndico, curador. Conclui-se pela própria nomenclatura, que é uma modalidade onde há um forte vinculo entre o faturizado e a empresa de faturização. 34 OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op.cit. p Ibid., p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil brasileiro. 4. ed. São Paulo: Saraiva, p.671

14 Como explica Fabrício Oliveira: No trustee factoring a faturizadora passa a administrar as contas do cliente assessorando-o na seleção de compradores e na verificação dos riscos, além de comprar créditos decorrentes das vendas. 37 O factoring para exportação, conhecido também por import-export factoring, é uma modalidade onde há maior risco, maior complexidade, já que a operação será em âmbito internacional. Naturalmente a remuneração devida à empresa de factoring será maior. Importante frisar que sendo um dos países signatários da Convenção de Ottawa, citada anteriormente, esta deverá ser observada, por tratar de operações internacionais. Conforme as palavras de Valéria Maria Sant anna Nessa modalidade, a exportação/importação é intermediada por duas empresas de FACTORING (uma de cada país envolvido), que garantem a operacionalidade e liquidaçãodo negócio. Nesta modalidade são utilizados os instrumentos das espécies anteriores (conventional e maturity), conforme o tipo de negociação. 38 Temos no factoring matéria-prima um meio de facilitar o acesso do faturizado à matéria-prima, por preço certo e determinado. 39 A FACTORING nesse caso transforma-se em intermediária entre a empresa fomentada e seu fornecedor de matéria-prima. 40 A faturizada, nesta operação, não terá como fomento recursos financeiros, mas matéria-prima/insumo e estoque para sua produção (manufaturização ou industrialização), cujo custo será bancado pelo faturizador junto ao fornecedor que terá, em contrapartida direitos de exclusividade sobre a venda dos produtos oriundos dessa matéria- prima. 41 Além dessas existem outras modalidades de factoring, menos comuns ainda, como apontam Fabrício Oliveira 42 e Valéria Maria Sant anna 43 : Collection type factoring; Intercredit; Open factoring; Undisclosed factoring; Factoring with recourse; Non notification factoring. 37 OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Op.Cit, p SANT ANNA, Valéria Maria. Op.Cit.., p OLIVEIRA, Fabrício VasconcelosOp.Cit, p SANT ANNA, Valéria Maria, Op.Cit., p DONINI, Antonio Carlos. Factoring. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p.40, apud OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos, op.cit, p FERREIRA, Waldemar. Tratado de direito comercial, São Paulo: Saraiva, p.92. v.8 ; RIZZARDO, Arnaldo. Factoring. p.35-38, 2.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, SÁ, Gonçalo Ivens Ferraz da Cunha O factoring e a nova constituição. Revista Direito Mercantil, São Paulo: Revista dos Tribunais, nº 73, p apud OLIVEIRA, Fabrício, Op.Cit, p RIZZARDO, Arnaldo. Factoring. p.34-37, São Paulo: Revista dos tribunais, 1997, apud SANT ANNA, Valéria Maria, op.cit.,p.26

15 2.4. FACTORING E ATIVIDADE BANCÁRIA Existe o debate sobre se a empresa de factoring exerce uma atividade bancária, havendo posições doutrinárias diversas. O referido debate, longe de ser exclusivamente acadêmico, possui amplas conseqüências práticas, a saber: a aplicação (ou não) dos privilégios e limitações referentes aos bancos. Assim, caso a faturizadora seja considerada instituição financeira, deve se submeter às regras aplicáveis aos bancos. Essa controvérsia, dada a sua importância, fugiu à seara doutrinária, alcançando o Banco Central do Brasil, além dos tribunais. 44 A posição majoritária não considera o contrato em estudo bancário. Da mesma forma, o Superior Tribunal de Justiça, já decidiu em considerar a empresa de factoring uma instituição não financeira, como demonstra a ementa citada abaixo. 45 Ementa: CIVIL. CONTRATO DE "FACTORING". JULGAMENTO EXTRA PETITA. EXCLUSÃO DO TEMA ABORDADO DE OFÍCIO. JUROS REMUNERATÓRIOS. LEI DE USURA. INCIDÊNCIA. LIMITAÇÃO. I. Inexistindo pedido ou recurso, é vedado ao órgão julgador conhecer de ofício de questão referente a direito patrimonial, a saber, a descaracterização do contrato de "factoring", que deve ser excluída do âmbito do julgado, conforme pacificado pela e. Segunda Seção, quando do julgamento do REsp n /RS, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, unânime, julgado em , DJU de II. As empresas de "factoring" não se enquadram no conceito de instituições financeiras, e por isso os juros remuneratórios estão limitados em 12% ao ano, nos termos da Lei de Usura. III. Recurso especial conhecido e parcialmente provido. Não sendo instituições financeiras, as empresas de fomento mercantil não necessitam de autorização prévia do Banco Central do Brasil para realizarem suas atividades. Contudo vale tratar da Circular nº 2.715/96, do Banco Central do Brasil, a qual permitiu que as instituições financeiras realizem operações de créditos, e aporte de recursos à empresas de factoring, conforme transcrevemos abaixo. 46 A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em , com base no disposto no art. 3º, inciso I, da Resolução nº 2.118, de , DECIDIU: 44 OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos, op.cit.., p BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial /RS. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/>. Acesso em: 31 Jan BANCO CENTRAL DO BRASIL. Circular nº 2.715, de 28 de agosto de Disponível em: <http://www.fiscosoft.com.br/>. Acesso em: 31 Jan

16 Art. 1º Permitir às instituições financeiras: I - a realização de operações de crédito com empresas cujo objeto social, exclusivo ou não, seja a prática de operações de compra de faturamento ("factoring"); II - o aporte de recursos a empresas de "factoring" e promotoras de vendas. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogado o art. 3º da Circular nº 2.511, de Brasília, 28 de agosto de 1996 Outro ponto onde a definição das empresas de fomento comercial como instituições não financeiras faz-se essencial é em relação aos juros incidentes sobre o factoring. Como visto na jurisprudência anterior: as empresas de "factoring" não se enquadram no conceito de instituições financeiras, e por isso os juros remuneratórios estão limitados em 12% ao ano, nos termos da Lei de Usura. Conforme trata o professor Fabrício Vasconcelos de Oliveira 47 : Assim, o 3º do artigo 1º da Lei da Usura previa que a taxa de juros, quando não convencionada, não podia ultrapassar 6% ao ano; o Código Civil de 1916, em seu artigo 1.062, também previa dispositivo equivalente. Deste modo, por força do dispositivo no artigo 1º, caput da lei da Usura combinado com o 3º de seu artigo 1º e com o artigo do Código Civil, não era admissível a estipulação de taxas de juros superiores a 12% ao ano (o dobro da taxa legal), exceção feita às instituições financeiras (... Acontece que isso era aplicado quando o Código Civil de 1916 estava em vigor. O Código Civil de 2002 prevê uma regra nova sobre juros, conforme os artigos 406 e 591, transcritos abaixo. 48 Art Quando os juros moratórios não forem convencionados, ou o forem sem taxa estipulada, ou quando provierem de determinação da lei, serão fixados segundo a taxa que estiver em vigor para a mora do pagamento de impostos devidos à Fazenda Nacional. Art Destinando-se o mútuo a fins econômicos, presumem-se devidos juros, os quais, sob pena de redução, não poderão exceder a taxa a que se refere o art. 406, permitida a capitalização anual. Conclui-se, portanto, que não se aplica mais a Lei da Usura, para identificar- a taxa de juros, e sim a taxa cobrada pela Fazenda Nacional pela mora no pagamento de tributos 47 OLIVEIRA, Op.cit, p BRASIL. Código Civil. Disponível em <http://www.dji.com.br/>

17 federais. Essa taxa é a referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, ou seja, a taxa SELIC. Isto se deve ao art.39, 4, da lei nº 9250/1995, que assim dispõe: 4º A partir de 1º de janeiro de 1996, a compensação ou restituição será acrescida de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir da data do pagamento indevido ou a maior até o mês anterior ao da compensação ou restituição e de 1% relativamente ao mês em que estiver sendo efetuada. Este estudo não objetiva tratar do debate sobre a validade ou não da taxa SELIC como juros de mora. O que interessa para o presente trabalho é o fato de ser essa a taxa aplicada às operações não bancárias, tal qual o factoring. Enquanto que o limite dos juros bancários é aquele definido pelo mercado. CONCLUSÃO Ao término deste trabalho observa-se que o factoring, como esperado, é um assunto polêmico, onde debate doutrinário sobre o tema, que não possui até o momento legislação específica, apesar de ter um projeto de lei tramitando no legislativo, é grande. Existem conflitos doutrinários tanto de civilistas como dos especialistas em direito comercial, e os tribunais superiores fazem sua parte, ao definir contornos seguros para a prática da faturização. A dificuldade se torna maior devido aos diversos tipos de fomento mercantil praticados, e as semelhanças com a atividade bancária, o que, por si só, não caracteriza as faturizadoras como instituições financeiras. Por último, vale ressaltar, o fato de que tramita no legislativo um Projeto de Lei da Câmara, que visa definir os contornos do factoring, o que será de grande valia, pois, como observado, esse contrato gera grandes benefícios para os pequenos e médios empresários, principalmente. REFERÊNCIAS BANCO CENTRAL DO BRASIL. Circular nº 2.715, de 28 de agosto de Disponível em: <http://www.fiscosoft.com.br/>. Acesso em: 31 Jan BEBER, Jorge Luis Costa. Contrato de Factoring. Legalidade da Cláusula de Regresso. Agência Nacional de Factoring. Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring. Disponível em: <http://www.anfac.com.br/>. Acesso em: 29 Jan

18 BRASIL. Código Civil. Disponível em: <http://www.dji.com.br/>.lei Nº 9.249, de 26 de dezembro de Disponível em:<http://www.receita.fazenda.gov.br/>. Acesso em: 18 Jan Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial / RJ. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/>. Acesso em: 18 Jan Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial /RS. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/>. Acessado em: 31 Jan COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 12. ed. São Paulo: Saraiva, V.1. Convenção Sobre Factoring Internacional da Unidroit. Disponível em: <http://www.fd.unl.pt/>. Acesso em: 18 Jan DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 23. ed. São Paulo: Saraiva, DONINI, Antonio Carlos. Factoring. Rio de Janeiro: Forense, FAZZIO JUNIOR, Waldo. Manual de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, Waldemar. Tratado de direito comercial. São Paulo: Saraiva, v.8 GOMES, Luiz Roldão de Freitas. Contrato. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil brasileiro. 4. ed. São Paulo: Saraiva, GONÇALVES, Valério Pedroso; SILVA, Luís Antônio da. Operações de factoring e a incidência de IOF: a tributação do IOF sobre operações de factoring. Revista Jurídica. Brasília, v.8, n. 79, p.33-37, jun/jul., Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/> Acessado em: 31 Jan LEITE, Luíz Lemos. Histórico, evolução no exterior e no Brasil, aspectos conceituais do factoring. In: SEMINÁRIO SETORIAL DE CAPITAL DE RISCO, FACTORING, JOINT VENTURE E FRANCHISING. Anais... Brasília: Cebrae, p OLIVEIRA, Fabrício Vasconcelos. Factoring e desconto bancário: estudo comparativo. São Paulo: BH Editora, PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 11. ed. Rio de janeiro: Forense, Pro-Credit. Website. Disponível em: <http://www.pro-credit.it/>. Acessado em: 29 Jan RIZZARDO, Arnaldo. Factoring. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, São Paulo: Revista dos tribunais, 1997.

19 SÁ, Gonçalo Ivens Ferraz da Cunha e. O factoring e a nova constituição. Revista Direito Mercantil, São Paulo: Revista dos Tribunais, nº 73, p SANT ANNA, Valéria Maria. Factoring: fomento mercantil doutrina, prática, jurisprudência. São Paulo: Bauru: EDIPRO, WARGAFTIG, Sérgio Nougués. Factoring: um instrumento pouco conhecido. Revista eletrônica de administração, n.1, dez Disponível em: <http://www.revista.inf.br/>. Acesso em 18 Jan

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 Fomento Mercantil 57 Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em 7 de outubro último, o II Encontro Jurídico de Fomento Mercantil, contando

Leia mais

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING)

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) ELAINY MORAIS GONÇALVES* Pós-Graduada em Direito Público 1. Introdução Em face da estreita faixa de sobrevivência imposta às pequenas

Leia mais

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring)

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) 162 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 A atividade de fomento

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

Factoring e a Perícia Contábil

Factoring e a Perícia Contábil Factoring e a Perícia Contábil Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta de forma sucinta as operações de factoring e suas implicações, que resultam em auto de inspeção pericial;

Leia mais

História e Natureza Jurídica do Factoring

História e Natureza Jurídica do Factoring Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring História e Natureza Jurídica do Factoring 145 Rose Marie Pimentel Martins 1 A palavra FACTORING é formada pela radical FACTOR,

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC Evaristo Dumont de Lucena Pereira epereira@machadomeyer.com.br Patrocinadores: 2 QUE BICHO É ESSE?????

Leia mais

Fomento Mercantil (factoring)

Fomento Mercantil (factoring) Fomento Mercantil (factoring) 153 Rudi Baldi Loewenkron 1 Fran Martins conceituou a atividade de fomento mercantil da seguinte forma: O contrato de faturização ou factoring é aquele em que um comerciante

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A1-AB98 6/1/2010 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 25 - Data 23 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF xxxxxx xxxxxx xxxxxx ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais.

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. FACTORING: UM INSTRUMENTO POUCO CONHECIDO WARGAFTIG, Sérgio Nougués Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. RESUMO A atividade de factoring

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring Orientador: Prof. Dr. Rogério Alessandre de Oliveira Castro

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1 128 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Fomento Mercantil Mariana Moreira Tangari Baptista 1 O contrato de faturização, fomento mercantil ou factoring é um contrato

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 186 ICMS MS/MT/RO FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 186 ICMS

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-38 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Aspectos gerais da factoring Vitor Cardoso* Rafael Souto** 2. Aspectos gerais 2.1 Denominação O ilustre professor Waldirio Bulgarelli, ao abordar questão relativa a denominação do

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL Capítulo VII Fomento Comercial OUTUBRO 2013 O fomento mercantil consiste na prestação de serviços com as seguintes características: I O prestador dos

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond.

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond. O SISTEMA AUTO-FACTORING JOSÉ CARLOS CAROTA 1, SEBASTIÃO DO CARMO E. VIEIRA 2 Sumário: 1. Introdução; 2. Receitas Financeiras; 3. Factoring e Auto-Factoring; 4. Apuração de Tributos; 5. Hipótese de Aplicação

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring 114 O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring Leonardo Cardoso e Silva 1 O factoring é uma atividade comercial, mista e atípica, que

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA O curso é estruturado de sorte a oferecer uma visão panorâmica dos principais aspectos dos títulos

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO CARGA TRIBUTÁRIA As Agências de Fomento e Carga Tributária: As Agências de Fomento surgiram com base no programa de redução da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

Processo n. 0026636-73.2011.8.19.0208 - QUIMICA OURO NEGRO IND.

Processo n. 0026636-73.2011.8.19.0208 - QUIMICA OURO NEGRO IND. Processo n. 0026636-73.2011.8.19.0208 - QUIMICA OURO NEGRO IND. E COM. LTDA. e ALEXANDRE RODRIGUES VALE ajuizaram embargos à execução em face de NEGOCIA SOCIEDADE DE GESTÃO DE INFORMAÇÕES CADASTRAIS LTDA.

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vícios Da Execução Fundada Em Nota Promissória[1] Waldemir Banja[2] Sabemos todos que a nota promissória, possivelmente o mais popular e o mais utilizado dos títulos de crédito entre

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U: 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 RELATÓRIO

O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 RELATÓRIO 1 O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 Procedência: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - SEDESE

Leia mais

CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE AÇÕES OPERAÇÃO CONTA MARGEM

CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE AÇÕES OPERAÇÃO CONTA MARGEM CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE AÇÕES OPERAÇÃO CONTA MARGEM O presente instrumento, doravante denominado de CONTRATO, define as condições e relações entre a MERCANTIL DO BRASIL MB CORRETORA

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES: cessão de crédito, cessão de débito, cessão de contrato. Silvio Reis de A. Magalhães SUMÁRIO

TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES: cessão de crédito, cessão de débito, cessão de contrato. Silvio Reis de A. Magalhães SUMÁRIO TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES: cessão de crédito, cessão de débito, cessão de contrato Ada Bittar Mônica A. R. L. Gonzaga Regina Curcio Silvio Reis de A. Magalhães SUMÁRIO 1 INTRODUÇÂO...2 2 CESSÃO...3 2.1

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 870 Comunicamos que, no uso da competência atribuída no item II da Resolução nº 816, de 06.04.83, a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 18.07.84, objetivando viabilizar a sistemática

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 10ª Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Celular: (82) 9143-7312 CONTRATOS MERCANTIS Tipos de contratos eletrônicos B2B: business to business

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco.

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. Adílio Rodrigues de Souza RESUMO O principal objetivo deste trabalho foi demonstrar e apresentar a forma

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP.

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP. REVISÃO NO CONTRATO DE CONSUMO. EQUILIBRIO CONTRATUAL E A POSIÇÃO DO STJ. No atual cenário econômico brasileiro, aonde a oferta pelos bens de consumo alcança cada vez mais todas as classes, as instituições

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL

DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL RÔMULO MALLMANN COPETTI Itajaí, Junho de 2007. UNIVERSIDADE

Leia mais

Nº 70007931553 COMARCA DE PORTO ALEGRE ACÓRDÃO

Nº 70007931553 COMARCA DE PORTO ALEGRE ACÓRDÃO FACTORING. REVISÃO CONTRATUAL. DUPLICATAS. DESÁGIO. JUROS. RECOMPRA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. ENDOSSO. CESSÃO DE CRÉDITO. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. DESCABIMENTO. 1 - O contrato de factoring não constitui negócio

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda Contratos mercantis Quando duas ou mais pessoas acordam em constituir, regular ou extinguir uma relação jurídica de índole patrimonial, estão celebrando um contrato. O contrato é o consenso, aperfeiçoando

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais