ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR"

Transcrição

1 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição (63) Terezinha Franco Nutricionista

2 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR 2.1 IMPORTÂNCIA Complementar o AM, aos 6 meses, com a introdução de novos alimentos na dieta - as numerosas qualidades e funções do leite materno deve ser mantido preferencialmente até os dois anos de vida ou mais; Suprir as necessidades nutricionais, a partir dos seis meses - a introdução da alimentação complementar que aproxima progressivamente a criança aos hábitos alimentares da família; Adaptação a uma nova fase do ciclo de vida, na qual lhe são apresentados diferentes sabores, cores, aromas, texturas e saberes;

3 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR 2.1 IMPORTÂNCIA O leite materno é capaz de suprir todas as necessidades nutricionais da criança até os 6 meses, após deve ser complementado; No sexto mês de vida a criança já tem desenvolvidos os reflexos necessários para a deglutição, como o reflexo lingual, excitação à visão do alimento, já sustenta a cabeça, facilitando a alimentação oferecida por colher, e tem-se o início da erupção dos primeiros dentes, o que facilita na mastigação; A partir do sexto mês a criança desenvolve ainda mais o paladar e começa a estabelecer preferências alimentares.

4 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL DESAFIO PROFISSIONAL Conduzir adequadamente esse processo; Auxiliar a mãe e os cuidadores da criança de forma adequada, e estar atento às necessidades da criança, da mãe e da família; Acolher dúvidas, preocupações, dificuldades e conhecimentos prévios e também as experiências exitosas; Conhecimento técnico para garantir o sucesso de uma alimentação complementar saudável; Empatia e a disponibilidade do profissional diante das inseguranças da mãe; A família deve ser estimulada a contribuir positivamente nessa fase - a alimentação complementar permite maior interação do pai, dos avôs e avós, dos outros irmãos e familiares.

5 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR A alimentação complementar deve prover suficientes quantidades de água, energia, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais, por meio de alimentos seguros,culturalmente aceitos, economicamente acessíveis e que sejam agradáveis à criança; O profissional de saúde, na orientação da dieta de uma criança, deve levar em conta: conceitos adequados de preparo, noções de consistência e quantidades ideais das refeições e opções de diversificação alimentar que contemplem as necessidades nutricionais para cada fase do desenvolvimento; As práticas alimentares no 1º ano de vida marco importante na formação dos hábitos alimentares.

6 PROBLEMAS NUTRICIONAIS MAIS PREVALENTES NA INFÂNCIA A partir dos seis meses de idade, a alimentação complementar, tem a função de complementar a energia e micronutrientes necessários para o crescimento saudável e pleno desenvolvimento das crianças. As situações mais comuns relacionadas à alimentação complementar oferecida de forma inadequada são: Desnutrição Excesso de Peso Anemia Ferropriva Hipovitaminose A

7 Prevalência de anemia e hipovitaminose A em crianças de 6 a 59 meses, PNDS Macrorregião Anemia Problema de Saúde Pública (a) Hipovitaminose A Problema de Saúde Pública (b) Norte 10,4 Leve Nordeste 25,5 Moderado Sudeste 22,6 Moderado Sul 21,5 Moderado Centro-Oeste 11 Leve 10,7 Moderado 19 Moderado 21,6 Moderado 9,9 Leve 11,8 Moderado Brasil 20,9 Moderado 17,4 Moderado a Classificação da Prevalência de Anemia em relação a importância como Problema de Saúde Pública. Fonte: WHO. Iron Deficiency Anaemia Assessment, Prevention and Control. A guide manangers programme b Classificação da Prevalência de Hipovitaminose A em relação a importância como Problema de Saúde Pública. Fonte: WHO. Indicators for assessing Vitamin A Deficiency andtheir application in monitoring and evaluating intervention programas. WHO/NUT/

8 Percentual (%) Evolução da prevalência de déficit de altura para a idade em crianças menores de 5 anos, segundo a região. PNDS 1996 e ,4 22, ,6 7,3 6,9 5,9 5,8 8,5 10,9 5, Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste *Variação não significativa

9 Percentual (%) Evolução da prevalência de déficit de peso para a altura em crianças menores de 5 anos, segundo a região. PNDS 1996 e ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 2,5 0,6 3,5 2 2 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste 1,5 0,6 2 2,9 1, *Variação não significativa

10 Percentual (%) Estado Nutricional Evolução PNDS 1996 e PNDS , ,8 7,3 7, ,5 1,6 0 Déficit de altura para a idade Excesso de peso Déficit de peso para a idade

11 Proporção de crianças que consumiram outros leites, segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região < 30 dias dias 60 a 90 dias 90 a 120 dias Nordeste 20,6 24,0 30,9 39,1 50,9 Norte 12,9 18,0 21,8 32,7 37,7 Centro Oeste 11,2 22,4 24,9 28,9 38,3 Sudeste 21,4 27,8 36,6 44,8 56,3 Sul 15,9 23,9 40,5 49,6 50,7 Brasil 17,8 24,0 31,1 38,6 48,8 120 a 180 dias MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

12 Proporção de crianças que consumiram água, segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região < 30 dias dias 60 a 90 dias 90 a 120 dias Nordeste 19,1 26,5 34,7 49,9 67,0 Norte 14,1 17,8 29,2 48,1 64,5 Centro Oeste 12,5 21,1 26,5 45,8 65,0 Sudeste 10,8 17,4 25,9 33,1 57,4 Sul 4,6 5,9 11,4 18,6 33,2 Brasil 13,6 19,6 27,9 40,6 60,4 120 a 180 dias MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

13 Proporção de crianças que consumiram suco, segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região < 30 dias dias 60 a 90 dias 90 a 120 dias 120 a 180 dias Nordeste 5,0 4,4 7,1 18,8 36,8 Norte 3,6 4,9 7,7 18,9 35,3 Centro Oeste 4,3 2,5 3,2 12,1 30,4 Sudeste 3,8 2,9 8,6 22,1 42,1 Sul 3,9 2,0 2,6 10,9 29,4 Brasil 4,2 3,5 6,8 18,2 37,0 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

14 Proporção de crianças que consumiram comida salgada segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região 0 3 meses 3 6 meses 6 9 meses 9-12 meses Nordeste 2,9 15,4 58,4 77,4 Norte 1,4 8,9 60,5 80,7 Centro Oeste 1,5 21,4 84,3 94,9 Sudeste 1,1 28,9 82,9 93,9 Sul 1,5 21,1 86,0 92,5 Brasil 1,7 20,7 73,2 87,6 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

15 Proporção de crianças que consumiram frutas segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região 0 3 meses 3 6 meses 6 9 meses 9-12 meses Nordeste 3,0 21,0 62,3 77,7 Norte 1,6 1,5 61,8 72,4 Centro Oeste 1,7 5,8 79,1 84,6 Sudeste 1,2 28,3 72,6 82,5 Sul 0,8 27,7 79,1 85,0 Brasil 1,8 24,4 69,8 79,2 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

16 Proporção de crianças que consumiram verduras e legumes segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região 0 3 meses 3 6 meses 6 9 meses 9-12 meses Nordeste 2,0 13,3 54,6 69,5 Norte 1,0 6,4 56,5 76,3 Centro Oeste 1,3 19,6 82,0 90,9 Sudeste 1,0 25,1 80,7 88,6 Sul 0,8 18,0 82,6 84,8 Brasil 1,3 18,0 70,9 82,4 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

17 Proporção de crianças que consumiram café segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região 0 3 meses 3 6 meses 6 9 meses 9-12 meses Nordeste 0,2 0,9 3,8 7,6 Norte 0,0 0,9 7,2 14,3 Centro Oeste 0,3 1,4 4,9 7,6 Sudeste 0,1 1,0 4,4 7,1 Sul 0,3 1,1 6,0 11,8 Brasil 0,1 1,0 4,9 8,7 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

18 Proporção de crianças que consumiram bolacha e/ou salgadinhos segundo faixa etária regiões e Brasil, 2008 MS Região 0 3 meses 3 6 meses 6 9 meses 9-12 meses Nordeste 2,1 8,0 44,1 72,0 Norte 0,9 4,6 37,1 61,4 Centro Oeste 1,2 7,8 50,2 75,4 Sudeste 0,8 11,0 48,3 72,6 Sul 0,6 13,3 57,9 79,5 Brasil 1,2 8,9 46,4 71,7 MS, 2008 II Pesquisa de prevalência em aleitamento materno, DF e capitais brasileiras

19 Marcadores de Consumo Alimentar Sisvan, 2009 Prática Alimentar de Crianças de 6 meses a 2 anos Crianças que consumiram n % Consumo de verduras/legumes* % Consumo de frutas* % Consumo de carne % Consumo de feijão* % Consumo assistindo televisão % Consumo de comida de panela no jantar* % Consumo de bebidas ou preparações adoçadas** % Consumo de papa salgada/comida de panela** % Consumo de suco industrializado ou refresco em pó*** % Consumo de refrigerante*** % Consumo de leite ou leite com farinha* % TOTAL DE CRIANÇAS AVALIADAS - BRASIL % * Refere-se ao consumo no dia anterior ao atendimento. **Refere-se ao consumo antes dos 6 meses de idade. *** Refere-se ao consumo no último mês anterior ao atendimento. Fonte: As setas representam a variação entre 2008 e 2009.

20 A Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS) tem como eixo estratégico a Promoção da Alimentação Saudável (PAS) e entre suas ações prioritárias busca reforçar a implementação da Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN), cujas diretrizes fundamentam-se no DIREITO HUMANO à ALIMENTAÇÃO ADEQUADA e na SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (SAN)

21 Material de apoio Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos

22 Sobre o guia... Foi elaborado com base em dados e pesquisas. Criou um conjunto de recomendações para alimentação complementar saudável. É recomendado para subsidiar e nortear práticas clínicas e educativas. Sua implementação auxilia na redução de riscos e agravos à saúde da criança.

23 Redução do risco de cárie dental em 44% no grupo que recebeu as orientações alimentares de acordo com os Dez Passos da Alimentação Saudável para crianças menores de dois anos. Feldens CA, Vitolo MR, Drachler ML. Community Dent Oral Epidemiol 2006; 34: 1-9. Redução do risco morbidade respiratória em 41% no grupo que recebeu as orientações alimentares de acordo com os Dez Passos da Alimentação Saudável para crianças menores de dois anos. Vitolo MR, Bortolini GA, Campagnolo PDB, Feldens CA,Preventive Medicine 2008; 47: Redução de uso de medicamentos de 44% no grupo que recebeu as orientações alimentares de acordo com os Dez Passos da Alimentação Saudável para crianças menores de dois anos. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler; Cadernos de Saúde Pública Redução do risco de diarréia de 32% no grupo que recebeu as orientações alimentares de acordo com os Dez Passos da Alimentação Saudável para crianças menores de dois anos. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler; Cadernos de Saúde Pública

24 Materiais: Amamenta e Alimenta

25 Quais esferas estão envolvidas na implementação da Rede Amamenta e Alimenta CGPAN/MS Municípios SMS Estados - SES Equipes de Saúde da Atenção Básica (ESF, NASF)

26 Quais são as principais responsabilidades destas esferas? Ministério da Saúde: Coordenar a Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável no âmbito nacional; Elaborar materiais de capacitação e apoio; Capacitar profissionais que servirão de multiplicadores nos estados; Acompanhar e avaliar as estratégias estaduais; Disponibilizar sistema eletrônico de monitoramento dos dados de Alimentação Complementar coletados pelas Unidades de Saúde (Sisvan web).

27 Quais são as principais responsabilidades destas esferas? Secretarias Estaduais de Saúde: Implementar e coordenar no âmbito estadual; Formar tutores em seus municípios; Fornecer apoio técnico aos municípios; Acompanhar e avaliar.

28 Quais são as principais responsabilidades destas esferas? Secretaria Municipal de Saúde Capacitar uma rede de tutores municipais; Organizar, em conjunto coma Gerência das Unidades de Saúde, as Oficinas de trabalho (roda de conversa) nas Unidades de Saúde; Implementar a Rede na Atenção Básica de Saúde.

29 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL FORMAÇÂO DOS HÁBITOS ALIMENTARES Complexa rede de influências: Genéticas e Ambientais. ATRIBUTOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: Acessibilidade física e financeira; Sabor; Variedade; Cor; Harmonia; Segurança Sanitária;

30 ORIENTAÇÕES PARA UMA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL 1. IDADE DE INTRODUÇÃO - SÓ NO 6º MÊS DE VIDA É QUE A CRIANÇA ESTARÁ PREPARADA PARA RECEBER ALIMENTAÇÃO DE CONSISTÊNCIA PASTOSA, POIS O GRAU DE TOLERÂNCIA GASTROINTESTINAL E A CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DE NUTRIENTES ATINGIU UM NÍVEL SATISFATÓRIO; 1. FREQUÊNCIA A CRIANÇA AM EXCLUSIVO ATÉ O 6º MÊS DESENVOLVE A CAPACIDADE DE AUTOCONTROLE DA INGESTÃO DESDE DE CEDO, APRENDE A DISTIGUIR SENSAÇÕES DE FOME (JEJUM) E DE SACIEDADE (APÓS ALIMENTAÇÃO)- ISSO PERMITE QUE A CRIANÇA ASSUMA O AUTOCONTROLE SOBRE O VOLUME DE ALIMENTO QUE CONSOME EM CADA REFEIÇÃO E OS INTERVALOS ENTRE CADA REFEIÇÃO;

31 ORIENTAÇÕES PARA UMA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL 3. ESQUEMA ALIMENTAR: APÓS COMPLETAR 6 MESES - AM SOB LIVRE DEMANDA, DUAS PAPAS DE FRUTAS E UMA PAPA SALGADA; APÓS COMPLETAR 7 MESES - AM SOB LIVRE DEMANDA, DUAS PAPAS DE FRUTAS E DUAS PAPAS SALGADAS; APÓS COMPLETAR 12 MESES - AM SOB LIVRE DEMANDA, UMA REFEIÇÃO PELA MANHÃ, DUAS FRUTAS (MANHÃ E TARDE), DUAS REFEIÇÕES DA FAMILIA (ALMOÇO E JANTAR).

32 COMPOSIÇÃO E CONSISTÊNCIA DIETA VARIADA EVITAR MONOTONIA ALIMENTAR; A CONSISTÊNCIA DEVE AUMENTAR GRADATIVAMENTE; ESTIMULAR O CONSUMO DE ALIMENTAÇÃO BÁSICA E ALIMENTOS REGIONAIS (ARROZ,FEIJÃO, BATATA, MANDIOCA/MACAXEIRA/AIPIM, LEGUMES, FRUTAS, CARNES); A CARNE E O OVO DEVE FAZER PARTE DAS REFEIÇÕES DESDE OS SEIS MESES DE IDADE;

33 COMPOSIÇÃO E CONSISTÊNCIA O PROFISSIONAL DEVE INSISTIR NA UTILIZAÇÃO DE MIÚDOS UMA VEZ POR SEMANA, ESPECIALMENTE FÍGADO DE BOI, POIS SÃO FONTES IMPORTANTES DE FERRO; ÓLEO VEGETAL EM PEQUENA QUANTIDADE; CRIANÇAS QUE RECEBEM OUTRO LEITE QUE NÃO O MATERNO DEVEM CONSUMIR NO MÁXIMO 500ML POR DIA.

34 OBRIGADA! Terezinha Franco Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição (63)

Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno I Encontro Nacional de Alimentação Complementar Saudável Gisele Ane Bortolini Jeanine Salve Política

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/ DAPES /SAS

Leia mais

BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F, GAMA CM, VITOLO MR. 11 de Junho de 2010.

BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F, GAMA CM, VITOLO MR. 11 de Junho de 2010. Implementação dos Dez Passos da Alimentação Saudável para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos em Unidades de Saúde: ensaio de campo randomizado por conglomerados BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F,

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Alimentação complementar. Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas

Alimentação complementar. Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas Alimentação complementar Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas Alimentação saudável O conhecimento correto e atualizado sobre a alimentação da criança é essencial para a

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Monitoramento da implementação da ENPACS: Passo a passo para facilitar a utilização do sistema de gerenciamento de implementação da ENPACS -

Leia mais

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Encontro com Referências Estaduais de Alimentação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS Quando o desmame não pôde ser revertido após orientações e acompanhamento dos profissionais ou em situações em que a

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos

Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos 1-Por que crianças menores de 2 anos precisam de uma alimentação saudável? A criança menor de 2 anos está crescendo rápido e por isso

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Nutrição Programa de Pós-Graduação em Nutrição A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar XIII Seminário Internacional

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica A anemia ferropriva representa, provavelmente, o problema nutricional mais importante da

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Silvia Saldiva Instituto de Saúde smsaldiva@isaude.sp.gov.br SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE Transição Nutricional A partir da década de 60, as

Leia mais

Anamnese Alimentar Infantil

Anamnese Alimentar Infantil Anamnese Alimentar Infantil Identificação da Criança Nome do Aluno: Data de Nascimento: Tipo Sanguíneo: Refeições realizadas na escola: ( ) Colação ( ) Almoço ( ) Lanche Gravidez e Pós-Parto Com quantas

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA?

PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA? PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA? Nos 2(dois) anos da vida que se inicia, a criança está crescendo rápido e por isso necessita de uma alimentação saudável para

Leia mais

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO?

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 3 de outubro de 9 O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? Pâmela Carla de Andrade¹, Fabíola Roberta

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação!

ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação! ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação! ISABEL DINIS Fases da Infância e as Problemáticas Infantis. Oliveira do Hospital, 2009 Importância da alimentação saudável Estado de saúde adequado Óptimo

Leia mais

7ª Conferência Estadual de Saúde - 2011. Documento Orientativo do Tema Estadual: Alimentação Saudável

7ª Conferência Estadual de Saúde - 2011. Documento Orientativo do Tema Estadual: Alimentação Saudável 1 7ª Conferência Estadual de Saúde - 2011 Documento Orientativo do Tema Estadual: Alimentação Saudável 1. INTRODUÇÃO O Sistema Único de Saúde - SUS considera como objetivos a formulação de políticas que,

Leia mais

Programas de Promoção do Desenvolvimento na Primeira Infancia e seus Indicadores

Programas de Promoção do Desenvolvimento na Primeira Infancia e seus Indicadores Programas de Promoção do Desenvolvimento na Primeira Infancia e seus Indicadores Simpósio: O PAPEL DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO DA PRIMEIRA INFÂNCIA-DPI BRASILIA 22 e 23/03/2016

Leia mais

Créditos. Colaboradores: Projeto Gráfico

Créditos. Colaboradores: Projeto Gráfico Brasília, 2014. Governador do Distrito Federal - Agnelo Queiroz Vice Governador - Tadeu Filippelli Secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (SEDEST) - Daniel Seidel Subsecretária

Leia mais

Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO

Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO ricos em cores, aromas e sabores. As frutas e hortaliças (legumes e verduras) são alimentos

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- A alimentação é uma necessidade de todas as pessoas. Para termos uma alimentação saudável, é preciso comer alimentos variados e em quantidades adequadas.

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Uma ação que integra Sesc, empresas doadoras, entidades filantrópicas e voluntários, com o intuito de reduzir carências alimentares e o desperdício.

Uma ação que integra Sesc, empresas doadoras, entidades filantrópicas e voluntários, com o intuito de reduzir carências alimentares e o desperdício. 2 O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para o consumo. O programa é uma ponte que busca de onde sobra e entrega

Leia mais

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br Alimentação Escolar Saudável 1. 2. 3. Agenda 4. 5. 6. A infância é o período no qual os hábitos alimentares são desenvolvidos. É uma fase onde as necessidades nutricionais estão aumentadas e devem ser

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL

INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL Brasília Agosto de 2015 A Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB) visa o fortalecimento das ações de promoção, proteção

Leia mais

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde Diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição Organização da Atenção Nutricional

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

Ações desenvolvidas pela Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição. da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso.

Ações desenvolvidas pela Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição. da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso. Ações desenvolvidas pela Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso. 1 Mato Grosso 2 Informações Gerais População Geral: 3.033.991 hb (IBGE, 2010) ÁreaSuperfície

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA HÁBITOS ALIMENTARES

MEDICINA PREVENTIVA HÁBITOS ALIMENTARES MEDICINA PREVENTIVA HÁBITOS ALIMENTARES HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIENCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE NÚCLEO DE NUTRIÇÃO Profa Danielle Góes Disciplina Nutrição Materno-Infantil NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO LACTENTE 1. NECESSIDADES

Leia mais

EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO. Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014.

EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO. Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014. EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014. Bolhas orofaringeanas Constipação Fibrose submucosa Cáries dentárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos MINISTÉRIO DA SAÚDE Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos Brasília DF 2010 Apresentação A alimentação saudável é fundamental para garantir a saúde e o

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO CARDÁPIO EXECUTADO EM UMA CRECHE MUNICIPAL DO CENTRO-OESTE MINEIRO ÂNGELA CRISTINA DA SILVA 1, MARIANA MIRELLE PEREIRA NATIVIDADE 2, FABIO HENRIQUE SANTIAGO 3, ELIETH DIAS DE OLIVEIRA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Melhorar a qualidade de vida é o principal objetivo das estratégias

Leia mais

Aleitamento Materno Por que estimular?

Aleitamento Materno Por que estimular? Aleitamento Materno Por que estimular? Francine Canovas Dias Nutricionista Especializanda Disciplina de Gastroenetrologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Recomendações 1980-1 s estudos sobre

Leia mais

A importância da primeira infância

A importância da primeira infância A importância da primeira infância Cesar Victora Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas Presidente da Associação Epidemiológica Internacional Perito em Nutrição Infantil da Organização Mundial

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família AGENDA DA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Copyright 2009 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Todos os direitos

Leia mais

GUIA DIETA ONLINE UM DIA COM UMA ALIMENTAÇÂO SAUDÁVEL DIETA ONLINE. por Nutricionista Dr.ª Joana Carido. Dr.ª Joana Carido

GUIA DIETA ONLINE UM DIA COM UMA ALIMENTAÇÂO SAUDÁVEL DIETA ONLINE. por Nutricionista Dr.ª Joana Carido. Dr.ª Joana Carido GUIA DIETA ONLINE DIETA ONLINE Dr.ª Joana Carido VISITE A MINHA PÁGINA NO FACEBOOK UM DIA COM UMA ALIMENTAÇÂO SAUDÁVEL por Nutricionista Dr.ª Joana Carido Relembro que este plano alimentar é apenas orientativo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE Brasília DF 2005 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Política

Leia mais

A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável

A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável MARIA DO CARMO DE ARAUJO FERNANDES Consultora Principal TCP/BRA/3003 SITUAÇÃO NUTRICIONAL

Leia mais

DINÂMICA: TRABALHANDO OS GRUPOS DE ALIMENTOS

DINÂMICA: TRABALHANDO OS GRUPOS DE ALIMENTOS DINÂMICA: TRABALHANDO OS GRUPOS DE ALIMENTOS -GRUPO DOS CEREAIS -GRUPO DA COMIDA -GRUPO DAS FRUTAS -GRUPO DAS GULOSEIMAS -GRUPO DAS HORTALIÇAS -GRUPO DAS SOBREMESAS Assessoria de Apoio à Alimentação Escolar

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável ANO LECTIVO 2010/2011 Alimentação Saudável Turma: 8º A Elaborado por: Adriana nº1, Carolina Pereira nº8 e Cátia nº10 Disciplina: Área de Projecto e Formação Cívica Professores: Eurico Caetano e Helena

Leia mais

Nossa Linha de Produtos

Nossa Linha de Produtos Nossa Linha de Produtos PerSHAKE Chocolate e Baunilha Fonte de proteína de soja, vitaminas, minerais e fibras. 0% Gordura, 0% Açúcar e 0% Sódio. A alimentação equilibrada vai além do bom funcionamento

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL Mariah Benine Ramos Silva 1, Thanise Pitelli Paroschi 2, Ana Flávia de Oliveira 3 RESUMO:

Leia mais

Dietas Caseiras para Cães e Gatos

Dietas Caseiras para Cães e Gatos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIA AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA CAMPUS DE JABOTICABAL SERVIÇO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA Prof. Dr. Aulus Cavalieri Carciofi

Leia mais

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná Apresentação da Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição do Estado do Paraná Apresentação da Equipe Estadual Estado: PARANÁ Coordenadora: ADRIANE LEANDRO Equipe técnica: ADRIANE LEANDRO CÉLIA RATIGUIERI

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL Artigo apresentado no IV Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2012-2 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL Ellen Rúbia de Oliveira e

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS Resumo PRZYBYSZ, Mariângela Prefeitura Mun. Curitiba mari_prz@yahoo.com.br MENEGAZZO, Raquel Cristina Serafin Prefeitura Mun. Araucária Prefeitura Mun.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezada Senhora: Estamos desenvolvendo uma pesquisa cujo título é ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE GRÁVIDAS QUE PARTICIPAM DO GRUPO DE GESTANTES

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO ÁREA DE NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO ÁREA DE NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO ÁREA DE NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS RESIDENTES NA VILA PLANALTO,

Leia mais

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Saúde Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada Tópicos de abordagem Conceito brasileiro de Segurança Alimentar e Nutricional Organização de um Sistema Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência Atenção Integral à Saúde - SAIS Diretoria de Atenção Básica - DAB

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência Atenção Integral à Saúde - SAIS Diretoria de Atenção Básica - DAB NOTA TÉCNICA nº 01/2014 Em, 04 de fevereiro de 2014. Orienta sobre a implantação do e-sus, diz das responsabilidades das três esferas de governo. Considerando a necessidade de reestruturar o Sistema de

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL COMIDA DE VERDADE NO CAMPO E NA CIDADE: POR DIREITOS E SOBERANIA ALIMENTAR Os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas (CFN/CRN), atendendo

Leia mais

A DIETA CERTA SAÚDE IATE

A DIETA CERTA SAÚDE IATE Ganhar músculos ou perder peso requer alimentos diferentes. Adequar o hábito alimentar aos objetivos garante resultados mais rápidos e eficazes A DIETA CERTA A alimentação equilibrada é essencial para

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DA 3ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CEST/RS (ATUALIZADO PELA RESOLUÇÃO CES/RS Nº 02/2014) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A 3ª

Leia mais

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas infantis para lactentes destinadas a necessidades dietoterápicas específicas e fórmulas infantis

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais