O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS"

Transcrição

1 1 O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Rosa Prédes * Sarah Bernardo Pereira ** RESUMO O trabalho é parte da pesquisa sobre o Mercado de Trabalho do Serviço Social na Sociedade Contemporânea e analisa a inserção do Serviço Social em instituições dos municípios do interior do Estado de Alagoas, situando-o no processo de descentralização das políticas sociais no Brasil. Palavras-chave: Descentralização, Municipalização, Políticas Públicas, Serviço Social ABSTRACT The text is part of the research project Work s Market of the Social Work" and analyses the professional practice in municipal institutions, linked to the descentralization of the social policies. Keywords: Social Work, social policies, descentralization. 1 INTRODUÇÃO Desde as primeiras sistematizações dos dados da pesquisa sobre o mercado de trabalho do Serviço Social em Alagoas 1 vem-se se constatando o crescimento de instituições empregadoras de assistentes sociais cuja abrangência é municipal. Dos levantamentos realizados no cadastro dos Profissionais inscritos no Conselho Regional de Serviço Social (CRESS 16 Região/Alagoas), notou-se um progressivo crescimento de assistentes sociais que se vinculam às instituições públicas municipais: 26,33% em 2001, 28,83% em 2002 e 37,44% em Assim, colocou-se o desafio de aprofundar essa tendência de municipalização do espaço sócio-ocupacional da profissão, exatamente no período histórico de expansão do processo de descentralização das políticas sociais no Brasil. Com isso, incorporou-se à pesquisa sobre o mercado de trabalho do Serviço Social as suas particularidades nos municípios do interior do Estado 2. Partindo do pressuposto de que a análise do Serviço Social exige uma remissão direta aos processos sócio-econômicos mais amplos e às relações entre Estado e * Assistente Social, Profª Drª do Departamento de Serviço Social da UFAL ** Graduanda em Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas e Bolsista do PIBIC/UFAL/CNPq 1 Pesquisa iniciada em 2000, pelo grupo de pesquisa coordenado pela Profª Drª Rosa Prédes; sendo uma parceria entre o Departamento de Serviço Social da UFAL e o CRESS 16ºRegião, com a participação de profissionais e alunos de Serviço Social. 2 Esse estudo foi viabilizado pelo financiamento da FAPEAL (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas) ao projeto de pesquisa O Mercado de Trabalho do Serviço Social na Sociedade Contemporânea: Investigação da Realidade no Estado de Alagoas, ao qual está vinculado o Plano de Trabalho da Bolsista do PIBIC/CNPq/UFAL, cuja realização está permitindo a sistematização dos dados aqui apresentados.

2 2 sociedade, o estudo das particularidades do mercado de trabalho do Serviço Social nos municípios do interior, contempla uma investigação sobre o processo de descentralização das políticas sociais e as suas interferências na constituição do espaço sócio-ocupacional do Serviço Social. A profissão é aqui entendida como própria ao desenvolvimento capitalista, inserida em intervenções sociais que se organizam a partir do reconhecimento da existência da questão social e de suas repercussões, estas são expressões da desigualdade produzida pela forma de produção desta sociedade, na qual se contrapõem o capital e o trabalho, nas suas diversas relações econômicas e político-ideológicas. Assim, apesar da aparência de mera atividade, de um mero conjunto de providências e encaminhamentos, a atuação do assistente social é marcada e marca diversos processos sociais participantes da produção e da reprodução das relações sociais. Ou seja, a efetivação das ações profissionais nas suas dimensões técnica, ética e teórica - tem conseqüências reais na realidade que produz a necessidade de sua intervenção profissional, a qual só pode ser compreendida se vista como parte de iniciativas mais amplas de enfrentamento da questão social, mediada por políticas sociais e por instituições. Nesse trabalho apresentamos alguns resultados da pesquisa em instituições do interior do Estado que possuem pelo menos um assistente social contratado. O acesso a essa realidade se deu através de dois tipos de fonte de dados: os relatórios de visitas de fiscalização realizadas pela agente fiscal do CRESS 16 Região a 75 (setenta e cinco) instituições e os formulários de registro das visitas dos pesquisadores do grupo de pesquisa a 26 (vinte e seis) instituições 3. Assim, a sistematização dos dados relativos a uma amostra de instituições visitadas no período 2001 a 2003 foi realizada através de indicadores que identificam o perfil institucional, a inserção do Serviço Social e o trabalho dos assistentes sociais. 2 DESCENTRALIZAÇÃO / MUNICIPALIZAÇÃO E O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR Nos últimos quinze anos o processo de descentralização das políticas públicas tem alterado a dinâmica de prestação dos serviços sociais, pelas instituições estatais. Como as políticas sociais perfazem a base concreta sobre a qual se efetiva a atuação dos profissionais de Serviço Social, tal processo aparece na sua configuração atual. Das 3 Nessas visitas tanto de fiscalização quanto da pesquisa foi entrevistado pelo menos um assistente social, nos casos em que havia mais de um profissional, as respostas de ambos foram registradas no mesmo formulário. Portanto, os resultados aqui apresentados foram contabilizados por instituição. Os formulários da pesquisa de campo constavam dos mesmos indicadores que compõe a visita de fiscalização, excluindo-se aqueles exclusivos do processo de fiscalização.

3 3 instituições do interior visitadas, 90,32% têm abrangência municipal e somente 6,45% são estaduais; nenhuma é federal. Assim, ainda que nem todas as instituições municipais tenham a presença do Serviço Social, o mercado de trabalho profissional está bastante marcado por essas mudanças, o que merece maior atenção por parte dos pesquisadores. Fala-se muito hoje em descentralizar e municipalizar ações de cunho federal para instâncias estaduais e municipais, afirmando-se serem essas instâncias, principalmente a municipal, as mais próximas da população e por isso é que podem chegar mais próximo das respostas sociais de que a população necessita. Assim, Estados e, principalmente, municípios passaram a responder por ações que antes eram tidas como responsabilidades do Governo Federal. Em meio a essas responsabilidades pretende-se que principalmente os municípios encontrem formas de se auto-sustentar e de procurar formas de enfrentamento de suas realidades sociais, ao invés de ficar apenas esperando repasses e programas federais e estaduais. Este processo tem se dado com muitos problemas, pois pesquisas recentes mostram que a maioria dos municípios brasileiros possui problemas gravíssimos, de várias ordens: desemprego, educação, saúde, finanças, pobreza absoluta, etc, levando muitas pessoas a irem embora para os grandes centros em busca de melhores condições de vida. Muitos municípios brasileiros, especialmente no Nordeste, encontram-se em situações de pobreza e, muitas vezes, acomodados, esperando apenas repasses e ações de cunho federal, nas diversas áreas do social como habitação, trabalho, assistência, desenvolvimento, etc, que muitas vezes não abrange toda a população do município e suas reais necessidades. Quando se estimula a descentralização/ municipalização pretende-se encontrar um novo caminho, através dos municípios de reorganizar o enfrentamento do quadro de desigualdades e pobreza no país, enfocando a descentralização tributária, administrativa e de benefícios, através da implementação de medidas e de projetos de investimento e desenvolvimento capazes de trazer crescimento para o município e proporcionar o atendimento das necessidades básicas e o bem estar de suas populações. Nesse debate, coloca-se com muita força a necessidade do desenvolvimento local, através de ações nas áreas de saúde, educação, meio ambiente, entre outros, enfatizando principalmente a informação e a criação de grupos cooperativos dentro da sociedade local. Nessa realidade, pode-se perceber que várias das demandas colocadas pelas intervenções sociais dos municípios, pelas novas modalidades de gestão municipal, pelo desenvolvimento de políticas locais e pela prestação de serviços sociais envolvem a necessidade e a possibilidade de atuação profissional do assistente social. A pesquisa sobre o mercado de trabalho do Serviço Social no interior do Estado de Alagoas vem analisando diversos indicadores que permitem delinear os contornos e as

4 4 particularidades do processo de interiorização do espaço sócio-ocupacional da profissão. Nesse trabalho destacam-se alguns dos principais resultados encontrados até o momento, a partir da sistematização dos dados relativos ao período , de uma amostra de 96 instituições localizadas nos municípios da região Agreste e Zona da Mata. Também no interior prevalece a Saúde como a principal área de atuação do Serviço Social (53,77% das instituições), seguida da Assistência Social (24,53%) e da Educação (4,72%). Com índices menores também se encontram as áreas de Habitação, Criança e Adolescente, Trabalho, Política Urbana, Justiça e Meio Ambiente, o que expressa uma tendência à diversificação das políticas sociais no interior, embora prevaleçam as políticas mais consolidadas Saúde e Assistência Social. A pesquisa também demonstra que o mercado de trabalho no interior é significativamente composto por instituições de natureza pública (92,55%), reafirmando o Estado é o maior empregador de profissionais de Serviço Social. Essa tendência de expansão do mercado de trabalho do Serviço Social no interior é um processo recente, pois em 40,74% das instituições os profissionais dessa categoria foram incorporados na década de 90 e em 37,04% a partir de Isto reforça a análise de que este processo é parte da descentralização das políticas sociais para o âmbito municipal. Tal expansão de instituições empregadoras de assistentes sociais não tem sido acompanhada pela ampliação de postos de trabalho, pois em 88,37% delas só existe um (01) assistente social em seu quadro de funcionários, o que remete a uma possível sobrecarga de trabalho para os profissionais de cada instituição. Além disso, os vínculos empregatícios são precarizados, já que a prestação de serviço e o cargo comissionado são os tipos mais presentes (37,5% e 31,25%, respectivamente). Somente em 12,5% das instituições encontrou-se o vínculo efetivo, derivado de concurso público. Vale ressaltar que é grande a necessidade de ampliação do quadro de assistentes sociais nos municípios do interior do estado (em 57,63% das instituições, sendo que em 63,33% delas necessita-se de mais um (01) profissional e em 26,67% de mais dois (02) profissionais). A precarização do vínculo empregatício é reforçada pela remuneração recebida pelos assistentes sociais: 59,77% das instituições remuneram os profissionais com salários na faixa de 3 a 6 salários mínimos (SM), 20,69% com até 3 SM e somente 17,24% com salários na faixa de 6 a 9 SM. Sobre a carga horária semanal de trabalho, ainda que prevaleçam as 40 horas (em 41,54% das instituições), a pesquisa encontrou cargas horárias parciais - 20 horas (em 38,46%), 30 horas (em 9,23%), 24 horas (em 3,08%) e menos de 20 horas (em 3,08%) possibilitando, e até mesmo obrigando os profissionais a estabelecerem vínculos empregatícios com mais de uma instituição (em 42,31% das instituições os assistentes sociais possuem dois (02) vínculos empregatícios). Isto coloca algumas

5 5 questões no tocante ao trabalho desenvolvido pelos assistentes sociais, especialmente na construção de ações consistentes, planejadas e com possibilidade de continuidade. Dada a necessidade de avançar na análise sobre o trabalho desenvolvido pelos assistentes sociais nos municípios do interior, ressaltam-se alguns indicadores, especialmente as atribuições profissionais, com o seguinte resultado: Encaminhar providências à população (em 13,21%); Orientação a indivíduos e grupos para identificação e utilização de recursos sociais na defesa de seus usuários (em 9,06%); Coordenação de planos, programas e projetos (em 8,29%); Elaboração de planos, programas e projetos (em 6,99%), e mais 41 outras atribuições diferenciadas. Tomando-se apenas essas mais incidentes, pode-se perceber que há uma combinação de encaminhamento de providências, orientação parta o uso de recursos sociais e a coordenação e elaboração de projetos. Tais resultados colocam desafios de análise quando se acrescenta o dado de que em 76,84% das instituições os assistentes sociais não possuem plano de intervenção. Assim, pode-se levantar a hipótese de que a combinação de cargas horárias parciais, de duplo vínculo e de ausência de planejamento pode estar reforçando uma tendência de burocratização da atuação do assistente social, que sem uma permanência prolongada junto aos usuários, consegue, no máximo, realizar atividades de enfrentamento dos problemas imediatos, sem possibilidade de práticas mais contínuas. Chama a atenção, por exemplo, os baixos índices para atribuições que implicam em continuidades, que demandam um trabalho mais de longo prazo: Acompanhamento social a grupos (em 4,14%), Mobilização de comunidade (em 1,29%), Orientação social a grupos (em 1,29%), Capacitação de usuários (0,51%). Ademais, dentre os projetos executados pelos assistentes sociais no interior, é muito comum a presença apenas dos projetos definidos no nível federal, o que também ocupa o assistente social com todas as providências burocráticas para o recebimento de recursos e para a prestação de contas. Vale ressaltar, ainda, que as problemáticas geradoras de demandas para a atuação do assistente social no interior estão mais próximas da vida da população, o que põe ao profissional uma necessidade de conhecimento da realidade, de envolvimento com a população, com as suas organizações. Dentre os usuários do Serviço Social, a pesquisa identificou uma grande variedade de situações específicas - Crianças, Idosos, Adolescentes, Famílias, Gestantes, Portadores de Deficiência Específica, Condutor Infrator, Trabalhadores rurais, Mulheres, Funcionários, Estudante, Portadores de Deficiência Mental, Dependentes Químicos, Doadores de Sangue, Gestores de Políticas Sociais, Adultos, Entidades Assistenciais, Aposentados/ Pensionistas/ Beneficiários, Portadores de Deficiência Física assim como aparece a população nas suas expressões mais gerais: População em geral (em 15,22%), População excluída (em 10,14%), População específica de uma área (em 4,35%).

6 6 Um resultado significativo a ser destacado é o envolvimento dos assistentes sociais em conselhos de direitos, pois em 58,33% das instituições os profissionais de Serviço Social estão inseridos em conselhos, embora 38,44% não tenha essa atuação. Dos que participam de conselhos, prevalecem os conselhos municipais (CM) correspondentes às principais áreas de atuação no interior: CM de Assistência Social (em 40,28%), CM de Saúde (em 33,33%) e CM de Criança e Adolescente (em 5,55%) e o Conselho do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (em 4,17%). Nesses conselhos os assistentes sociais assumem a representação do governo (em 24,79%) e a representação dos profissionais (em 33,87%). A capacitação profissional é algo constante entre esses profissionais apesar de muitas vezes estarem distanciados da capital: em 81,91% das insituições os profissionais participaram de algum curso nos últimos tempos. O curso de atualização e os de capacitação são os mais procurados (43,3% e 27,83%, respectivamente). Os cursos tratam sobre o próprio Serviço Social (em 54,33%) ou sobre a área de trabalho (em 35,44%). Finalmente, destacamos que a vinculação dos assistentes sociais do interior às entidades organizativas ainda é muito baixa (somente em 17,70%), o que coloca uma grande questão sobre a conscientização política e sobre o exercício político desse profissional, tão importante para a sua identidade como trabalhador e para a sua competência política. 3 CONCLUSÃO Nessa primeira aproximação com a realidade do mercado de trabalho do Serviço Social no interior de Alagoas, já podemos afirmar que se trata de um processo de interiorização que não está concluído, haja vista a insuficiência de profissionais para o atendimento das diversas demandas. Para analisarmos esse processo não podemos nos descolar do processo de descentralização e de municipalização das políticas públicas, que nos últimos quinze anos tem transferido para a esfera municipal muitas das responsabilidades vinculadas às políticas sociais, mas não sem conflitos e tensões, o que rebate na atuação do assistente social. Diante dos aspectos levantados nesse trabalho sobre a inserção do Serviço Social nas políticas sociais descentralizadas para a esfera municipal, concluímos apontando a constatação de que tais mudanças já estão incorporadas ao espaço sócio-ocupacional, ao exercício profissional dos assistentes sociais. Cabe, então, uma reflexão crítica sobre essa realidade e o desenvolvimento de estratégias profissionais que, ainda que considerem os limites do processo de descentralização, possa potencializar ações e objetivos profissionais

7 7 mais amplos e, de fato, comprometidos com o interesse da maioria da população que vive nos municípios do interior. REFERÊNCIAS CUNHA, Rosani Evangelista. Organização e gestão das políticas sociais: o financiamento de políticas sociais no Brasil. In: CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL E POLÍTICA SOCIAL. Módulo 3, Brasília: Unb, IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo, Cortez, PRÉDES, Rosa (org). Mercado de Trabalho do Serviço Social: Fiscalização e exercício profissional. Maceió: EDUFAL, STEIN, Rosa Helena. Organização e gestão das políticas sociais no Brasil: Implementação de Políticas Sociais e descentralização político administrativa. In: CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL E POLÍTICA SOCIAL. Módulo. 3, Brasília: Unb, TRINDADE, Rosa. Relatório de Pesquisa: Tendências contemporâneas do mercado de trabalho do Serviço Social em Alagoas. Maceió, março de 2004.

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta: 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional Pró-Infância Brasileira e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Artigo

Leia mais

XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE)

XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE) 1 XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE) Grupo de Trabalho [título] GT15: Ocupações e Profissões Título do trabalho: O perfil profissional do assistente

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA ISSN 2316-7785 INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA Alexsandro Queiroz Lencina alexqueiroz@sb.iffarroupilha.edu.br Alex Sandro Gomes Leão alexleao@iffarroupilha.edu.br

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE PÚBLICA NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ (HUOP)

A CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE PÚBLICA NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ (HUOP) A CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE PÚBLICA NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ (HUOP) Nelci Maria Wagner Sandra Cordeiro Muniz 1 INTRODUÇÃO: O direito à saúde

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DA UNICAMP

O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DA UNICAMP O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DA UNICAMP Elienai Ortega Martins Baldo 1 Andréia Moreira de Oliveira 2 Selma Silva Cesário 1 Lilian Sagio Cezar 3 RESUMO Neste artigo buscamos contextualizar

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 O SERVIÇO SOCIAL EM

Leia mais

I Mostra de Profissões Colégio Estadual Barbosa Ferraz

I Mostra de Profissões Colégio Estadual Barbosa Ferraz I Mostra de Profissões Colégio Estadual Barbosa Ferraz Profissional de Serviço Social Definição da profissão O Serviço Social foi regulamentado, no Brasil, em 1957, mas as primeiras escolas de formação

Leia mais

TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS EM SANTA CATARINA: questões para o debate

TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS EM SANTA CATARINA: questões para o debate TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS EM SANTA CATARINA: questões para o debate Arnaldo Xavier 1 Vania Maria Manfroi 2 RESUMO Este trabalho apresenta os dados da pesquisa Mercado de

Leia mais

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 1 ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO AUTORES Antônio Roberto Silva Santos arsilvasantos@gmail.com Elisângela Santana Nascimento esna_1@yahoo.com.br Fânia

Leia mais

PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA

PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA APRESENTAÇÃO A Fundação de Amparo à Doença e à Pobreza Fundap, atua na recuperação de dependentes de álcool e drogas, atendendo a uma população que, independentemente

Leia mais

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços INFORMATIVO GESTÃO DE PESSOAS 2013-2016 Maio - 2016 Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para uma melhor prestação de serviços uma sociedade cada vez mais complexa e dinâmica exige

Leia mais

Introdução. (ASM/SES-RJ) em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde Mental do IPUB/UFRJ (NUPPSAM).

Introdução. (ASM/SES-RJ) em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde Mental do IPUB/UFRJ (NUPPSAM). TÍTULO: PERFIL PRELIMINAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES AUTORES: Maria Cristina Ventura Couto 1 ; Maria Paula Cerqueira Gomes 2 ; Daniely Silva

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA Marcelo Soares Pereira da Silva UFU marcelosoares@ufu.br Resumo: No contexto das políticas de formação

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS As Conferências Municipais da Assistência Social de 2007 avaliarão as metas aprovadas nas Conferências de 2005, identificando os avanços, as dificuldades e os desafios a serem enfrentados nos próximos

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO do PROGRAMA: Ética, Cidadania e Solidariedade: A UNIFEBE, Você e a Comunidade.

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95,

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLUÇÃO N 124/2006 O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLVE: Aprovar a utilização das definições de Programas

Leia mais

DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ketiane dos Santos Alves 1 ; Milca Jorge de Souza 1 ; José

Leia mais

Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial

Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial A modalidade Compra com Doação Simultânea do Programa de Aquisição de Alimentos e sua articulação interinstitucional

Leia mais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais EXTENSO 2013 Eje 4: Ambiente, Educación Ambiental y Desarrollo Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais Letícia Fernanda Assis¹; Márcio Viera²; Juliana Ferrari³;

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Prefeitura Municipal de Porto Real/Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT.

COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT. COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT. SANTOS, Cássia Fabiane dos - UFMT 1 GT: Afro-brasileiros e Educação / n.21 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012 A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso Fabio Ribas Recife, março de 2012 Uma pauta para nosso diálogo: 1)Desafios para o fortalecimento

Leia mais

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012 1 Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços Vitória ES - 05/2012 Categoria: Estratégias e Políticas Setor Educacional: Educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVA NO SERVIÇO SOCIAL

A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVA NO SERVIÇO SOCIAL Apresentação O grande desafio na atualidade é, pois, transitar da bagagem teórica acumulada ao enraizamento da profissão na realidade, atribuindo, ao mesmo tempo, uma maior atenção às estratégias, táticas

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil enfoque Qual é a questão? Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil Luís Donisete Benzi Grupioni Doutorando em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pesquisador

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO

O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO RUTHES, Pamela C. Endler, (estágio II) BREINACK, Miriam, (supervisora), OLIVEIRA, Maria Iolanda (orientadora), e-mail:

Leia mais

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Moisés Goldbaum SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_16_2015_PDHC Produto Sistematização de Experiências Inovadoras Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Área Temática: Educação Cláucia Honnef 1 (Coordenador da Ação de Extensão

Leia mais

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010)

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) O que pode ser destacado sobre o Seminário Internacional sobre os sistemas de saúde do Brasil e da Espanha: compartilhando experiências?

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

Orientador: Ricardo Tavares

Orientador: Ricardo Tavares FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA - 2006 ANÁLISE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM PERNAMBUCO, COM BASE

Leia mais

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática Fernanda Pereira Santos 1 Profª. Drª. Célia Maria Fernandes Nunes 2 Profª. Drª. Marger Ventura Viana 3 Resumo Com esta pesquisa pretende-se

Leia mais

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal A infância, adolescência e juventude são fases fundamentais no desenvolvimento humano e na formação futura dos cidadãos. No plano social,

Leia mais

Conservação de tubarões e raias do Brasil EDITAL 01/2016

Conservação de tubarões e raias do Brasil EDITAL 01/2016 Conservação de tubarões e raias do Brasil EDITAL 01/2016 A sobrepesca e a degradação de habitats por fontes diversas têm alterado profundamente as populações de animais marinhos, trazendo consequências

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA 1 A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA Maria José Lima da Silva 1 Os programas de pós-graduação desempenham importante papel na formação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP.

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. 141 AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. Samanta Antonio Gea Uni-FACEF Maria Zita Figueiredo Gera² Uni-FACEF 1. INTRODUÇÃO A presente proposta de pesquisa tem como objetivo realizar um estudo

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA Thainá Albertassi Eliane Fátima G. de Oliveira INTRODUÇÃO Dentro do contexto social encontrado hoje, a educação vem se propagando de variadas formas para atingir os grupos de indivíduos

Leia mais

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Esplanada dos Ministérios. Bloco G, Ed. Sede, 8º Andar CEP:

Leia mais

Breve Histórico da Instituição

Breve Histórico da Instituição Breve Histórico da Instituição Universidade Federal de Santa Maria, idealizada e fundada pelo Prof. Dr. José Mariano da Rocha Filho, foi criada pela Lei n. 3.834- C, de 14 de dezembro de 1960, com a denominação

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE Coordenação Geral de Educação em Saúde e Gestão Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

OS PEDAGOGOS EM DIFERENTES ESPAÇOS: UMA PROPOSTA PARA DISCUTIR O TRABALHO DESTES PROFISSIONAIS¹

OS PEDAGOGOS EM DIFERENTES ESPAÇOS: UMA PROPOSTA PARA DISCUTIR O TRABALHO DESTES PROFISSIONAIS¹ OS PEDAGOGOS EM DIFERENTES ESPAÇOS: UMA PROPOSTA PARA DISCUTIR O TRABALHO DESTES PROFISSIONAIS¹ SIQUEIRA, Gabriely Muniz²; ALVES, Bruna Pereira³; RIBEIRO, Eliziane Tainá Lunardi 4 ; MANCKEL, Maria Cecília

Leia mais

Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem

Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem CARTA DE CANDÓI/2013 Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem No inverno de 2013, após treze anos da Carta de Porto Barreiro,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/10/001

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

CRECHES NO SISTEMA DE ENSINO DE JUIZ DE FORA: VELHOS DILEMAS E NOVAS PERSPECTIVAS

CRECHES NO SISTEMA DE ENSINO DE JUIZ DE FORA: VELHOS DILEMAS E NOVAS PERSPECTIVAS CRECHES NO SISTEMA DE ENSINO DE JUIZ DE FORA: VELHOS DILEMAS E NOVAS PERSPECTIVAS Alexsandra Zanetti Prefeitura de Juiz de Fora alexzanetti13@yahoo.com.br Resumo: Neste trabalho pretendemos fazer um relato

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais