Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos"

Transcrição

1 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994, p. 20). Exemplos de relações incluem laços familiares, laços de amizade, contextos de trabalho, confiança, dependência, etc. 3 4 Conceitos Básicos Exemplos Redes sociais são representadas graficamente por sociogramas. Um sociograma é um grafo: Nodos indicam atores, enquanto que arestas representam os relacionamentos entre os atores. Atores podem ser pessoas, times, departamentos, organizações inteiras, etc. Uma das vantagens de SNA é que os métodos se aplicam a vários contextos.

2 5 6 Em uma frase Um sociograma não-direcionado não faz distinção entre uma aresta de A para B e outras de B para A. Em um sociograma direcionado tal distinção existe; Também é possível representar informação sobre diferentes relacionamentos em uma mesma rede; Para descobrir como A, que tem contato com B e C, é afetado pela relação que existe entre B e C. To Discover How A, Who is in Touch with B and C, Is Affected by the Relation Between B & C John Barnes 7 8 Áreas de Aplicação Propagação de doenças; Estudo de comunidades virtuais; Difusão de tecnologias; Análise organizacional; Inovação, desempenho, criação de comunidades; Combate ao terrorismo; Razão do aumento das pesquisas nos últimos anos depois do 11 de Setembro ; Desenvolvimento de software: distribuído e livre; Etc. Histórico Antropologia e sociologia inicialmente utilizaram redes sociais para mapear relações familiares durante estudos de campo; Sociologia desenvolveu amplamente a área com a aplicação de métodos matemáticos (SNA); Importante na sociologia para descrever fenômenos intermediários ;

3 9 10 Jacob L. Moreno (1934) é considerado pioneiro na utilização de redes sociais para terapia. Ele usou matrizes e sociogramas para representar relacionamentos entre crianças (quem gostava ou não de quem); Histórico Histórico Granovetter (1973) O papel das conexões fracas ( weak ties ) na busca por empregos, ou seja, não somente as conexões fortes são importantes; Conexões fracas conectam grupos distantes ; Na década de 1990, retornaram as aplicações em estudos organizacionais, administração, direito, etc; Mais recentemente: Físicos recentemente começaram a utilizar / pesquisar redes; Interesse crescente depois de 11 de Setembro; Abordagem O mundo é composto por redes parcialmente conectadas, ao invés de grupos altamente conectados; Redes sociais fornecem um mecanismo flexível de organização social e para pensar / analisar esta organização social; Elas são uma forma de estudar as interações e organizações sociais do dia a dia; Abordagem (2) A análise de redes sociais (Social network analysis - SNA) é uma ferramenta para analisar como padrões de interações entre atores formam as estruturas que organizam o comportamento destes atores; Os principais dados utilizados em SNA são as relações sociais entre os atores. Ao invés de focar nos atributos dos atores, o foco analítico é nas relações entre estes atores.

4 13 14 Abordagem (3) Redes sociais tem propriedades emergentes em sua estrutura e composição; Pode ser aplicada à diferentes níveis de análise, desde organizações até indivíduos; Ela pode integrar dados quantitativos, qualitativos e gráficos, permitindo uma análise mais detalhada dos dados (Kilduff & Tsai, 2003); Tipos de Redes quanto ao Escopo Redes totais (whole networks) Conjunto total de relacionamentos em uma unidade de análise (empresa, família, departamento, etc) Ex: Como a informação flui em uma empresa? Requer uma listagem de todas as pessoas; Requer a definição de uma fronteira (a unidade), o que pode influenciar o resultado; Tipos de Redes quanto ao Escopo (2) Redes egocêntricas (personal or egocentric networks) Consiste de um ator principal, chamado ego, as pessoas que tem relacionamentos com o ego, estes relacionamentos, e o relacionamentos entre estas pessoas; Também chamadas de redes de suporte social; Muito usadas nas áreas de psicologia 15 Tipos de Redes quanto aos Dados 1-mode networks Um único tipo de informação é representada: atores, organizações, etc; Relacionamentos entre estes atores é indicado; Ex: quem é amigo de quem, quem pede conselho para quem, quem depende de quem, alianças entre organizações, times de desenvolvimento de software que interagem com outros times, etc. 16

5 17 18 Tipos de Redes quanto aos Dados (2) 2-mode networks O tipo de informação representado é diferente: é entre objetos de um tipo e objetos de outro tipo. Por exemplo, as pessoas que foram a uma reunião, os desenvolvedores que corrigiram um determinando bug,etc; A partir de uma 2-mode network, pode-se obter uma 1-mode network através da multiplicação de matrizes: a matriz pela sua transposta; Representação Teoria dos grafos e álgebra de matrizes são os métodos principais usados para representar uma ou mais redes com n atores, e portanto em matrizes n x n; Sonha com grafos e analisa com matrizes (Barry Wellman); Ferramentas computacionais: UCINET para o cálculo de métricas; MDS, Krackplot, Pajek, e Visone para a criação de visualizações; Coleta de Dados É geralmente feita através de questionários que são distribuídos a todos os integrantes de uma equipe; 19 Coleta de Dados (2) Em um projeto, pode-se perguntar: Com que freqüência cada par de integrantes de um time tem conversas informais? Quem confia em quem? Quem depende do trabalho de quem? Quem está ciente do trabalho de quem? Quem é amigo de quem? Etc, etc. Obviamente, a pergunta será feita de acordo com a pesquisa em desenvolvimento; 20

6 21 22 Coleta de Dados (3) As respostas de todos os integrantes são agregadas, gerando a rede social de toda a equipe. Uma vez que a rede é obtida, pode-se começar a análise da rede, feita a partir de métricas; Outras formas de coleta de dados são possíveis: a partir de logs de ferramentas, minutas de reunião; Coleta de Dados (4) Em redes egocêntricas, pede-se ao informante para indicar seus contatos, os relacionamentos do informante com os contatos, e o relacionamentos entre os contatos; Neste caso, não é necessária a listagem de todos os integrantes da equipe; Análise - Métricas Análise - Métricas (2) Diversas medidas podem ser calculadas em uma rede social Densidade da rede # de conexões existentes / # possível de conexões; Grau (de entrada ou saída) de cada nodo; Atores que recebem várias conexões ou que tem várias conexões; Centralidade Vários tipos de centralidade.. Degree, closeness, betweenness, flow, etc. Hubs / bridges ou pontes ; Observação: Matrizes são utilizadas ao invés de grafos para a manipulação dos dados.

7 25 26 Análise - Métricas (3) Centralidade Degree mede o grau de cada ator, independente da qualidade destes contatos; Centralidade Betweenness caracteriza os atores que tem posição de vantagem (ou poder) na rede, na medida em que eles estão no menor caminho entre dois conjuntos de atores. Desta forma, os outros conjuntos de atores dependem destes atores entre (between) eles; Centralidade Flow expande a noção acima assumindo que atores irão usar quaisquer caminhos entre eles para atingir seus objetivos. Structural Holes Pessoas que tem papel importante na organização Visão competitiva: pessoas que tem poder; Visão colaborativa: pessoas que integram a organização; Equivalência estrutural Pessoas que possuem as mesmas conexões na rede; Análise - Exemplos Identificação de experts na organização Quem você procura quando precisa de ajuda no [X]? Experts teriam um alto grau de entrada; Oportunidades para Colaboração De quem você depende para realizar seu trabalho? Engenheiros de software em uma organização tinham as mesmas dependências mas não estavam colaborando; Pessoas que conectam grupos separados, atuam como bridges ; 27 Exemplo: Desenvolvimento Distribuído de Software Three People Global advisors Country = Angola = Brazil = Canada = Nigeria = Saudi Arabia = UK = USA Network Measures Density = 6% Cohesion = 4 Centrality = 6 Central People DPa(34), CR(29), BB(20), MDo(19), DPr(17) 28

8 Exemplo: Desenvolvimento Distribuído de Software Three People go away (leave, retire ) Country = Angola = Brazil = Canada = Nigeria = Saudi Arabia = UK = USA 29 Exemplo: Software Livre 30 Network Measures Density = 5% Cohesion = 4 Centrality = 5 32 Social Capital 31 Individual Como o potencial de recursos que um ator tem a sua disposição a partir de seus relacionamentos. investimentos pessoais que poderiam ser usados pelo ator para sua vantagem econômica a partir da ativação de relacionamentos na sua rede social. Capital social é diferente de outros tipos de capital já que se refere aos relacionamentos entre pessoas.

9 33 34 Nível Coletivo Um conceito mais cínico : "Investimento em relações sociais com resultados esperados no trabalho. Nos EUA, existe o termo networking ; Ter os contatos corretos pode ajudar uma pessoa a conseguir um emprego, negociar um melhor salário, conseguir promoções na carreira, etc. pode ser definido como os benefícios que podem ser obtidos para a comunidade como o resultado de relações positivas entre grupos, organizações, e hierarquias. Quanto maior o grau de engajamento cívico, maior a saúde econômica de uma comunidade. Grandes investimentos do FMI Observações ContactMap É preciso separar o modismo da ciência; Orkut? Ferramentas livres para redes sociais (Análise) Coleta de Dados; Visualização (JUNG); Métricas (UCINET); Etc. Ferramentas que usam redes sociais para facilitar o trabalho (Utilização) Soylent, ContactMap, ConversationMap, etc. Social computing

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tópicos Especiais em Engenharia de Software Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda Introdução Empiricismo

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Prof. Gilson Yukio Sato UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 1 Aviso Esta apresentação foi baseada no texto Metodologia de análise de redes sociais de

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais Santo André, 2Q2011 1 Agenda Redes Sociais Análise de Redes Sociais Métricas para Análise de Redes Sociais Redes Sociais Online Medições e Análise de Redes Sociais

Leia mais

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV Análise de Redes Texto original: Introduction to Social Network Methods de Robert A. Hanneman, Department of Sociology University of California, Riverside. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS DÉBORA ZANINI Data Intelligence Ciências Sociais UNICAMP JOÃO PAULO BELUCCI Social Intelligence Midialogia UNICAMP OBJETIVOS DA OFICINA Compreender conceitos básicos

Leia mais

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior Universidade de Brasilia - UnB Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método Prof: Edgar Reyes Junior edreyes@unb.br Ementa Conceitos, teóricos e teorías; Principais medidas de redes sociais; Exemplos de

Leia mais

Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ. marisaleal@im.ufrj.br

Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ. marisaleal@im.ufrj.br Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ marisaleal@im.ufrj.br Visitar o material selecionado, não necessariamente na ordem apresentada a seguir, visando a introdução de definições, conceitos e aplicações

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

Mineração da base Vestibular

Mineração da base Vestibular Mineração da base Vestibular André Cardoso de Souza Newton Amaro Jr Departamento de Ciência da Computação UFMG 13 de Dezembro de 2006 Base Vestibular Base Vestibular Base com informações dos vestibulares

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais É uma área científica centrada no estudo das relações, muitas vezes definidas como redes sociais. Em sua forma básica, uma rede social é uma rede onde as ligações entre organizações

Leia mais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Social networks are fundamental influences on human behavior and conduits for the diffusion of ideas and practices, yet their roles are

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

Ivonísio Mosca Ivonísio Mosca Tecnologia de informática atualmente é responsável por 2% de todas as emissões de dióxido de carbono. Os grandes Data Center s já consomem quase 1% de toda a energia

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET 9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET Autor(es) MARCOS ANTONIO DOS ANJOS Co-Autor(es) HAMILTON MACHITI DA COSTA PLÍNIO

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

Redes Complexas Aula 2

Redes Complexas Aula 2 Redes Complexas Aula 2 Aula passada Logística, regras Introdução e motivação Aula de hoje Redes sociais Descobrimento Características Redes Sociais Vértices: pessoas ou grupo de pessoas Arestas: algum

Leia mais

Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social

Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social Pedro A. Lemes da Silva pedro.lemes@gmail.com Segurança da Informação Prof. Luiz Eduardo Guarino Resumo Este artigo tem por objetivo apresentar uma

Leia mais

Posições centrais em uma rede social: a estrutura da rede de ONGs de Pernanbuco associadas à ABONG

Posições centrais em uma rede social: a estrutura da rede de ONGs de Pernanbuco associadas à ABONG Posições centrais em uma rede social: a estrutura da rede de ONGs de Pernambuco... Posições centrais em uma rede social: a estrutura da rede de ONGs de Pernanbuco associadas à ABONG Marcela Cox 1 Paulo

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Aplicação da Técnica de Análise de Redes Sociais em uma Instituição de Ensino Superior

Aplicação da Técnica de Análise de Redes Sociais em uma Instituição de Ensino Superior Aplicação da Técnica de Análise de Redes Sociais em uma Instituição de Ensino Superior Autoria: Guilherme Siqueira Bez, Rafael Ávila Faraco, Maria Terezinha Angeloni Resumo Com base na técnica de Análise

Leia mais

Raquel Andrade Barros (UFPB) raquel_ab@oi.com.br Nívea Marcela M. Nascimento Macedo (UFPB) niveamarcela@ig.com.br

Raquel Andrade Barros (UFPB) raquel_ab@oi.com.br Nívea Marcela M. Nascimento Macedo (UFPB) niveamarcela@ig.com.br XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A CONTRIBUIÇÃO DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA A DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO NO CONTEXTO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

CENTRO DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

CENTRO DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL CENTRO DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Alexandre Ribeiro Analista de Incidentes 4º Fórum Brasileiro de CSIRTs 17 de setembro de 2015 Objetivos

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

1.Introdução. Mário Mollo Neto 1, UniAnchieta Robert Ari Waker 2, Unip

1.Introdução. Mário Mollo Neto 1, UniAnchieta Robert Ari Waker 2, Unip Aplicação de Ferramenta Computacional Baseada em Redes Sociais para Análise de Relacionamentos em Organizações Produtivas Computer-based Tool Application for Social Network Analysis of Relationships in

Leia mais

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Andréa S. Bordin 1, Alexandre Leopoldo Gonçalves 1 1 Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento Universidade Federal

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À ENGENHARIA SOCIAL. Autoria: Adriano Carlos Rosa, Bruno Donizete da Silva, Pedro Lemes da Silva

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À ENGENHARIA SOCIAL. Autoria: Adriano Carlos Rosa, Bruno Donizete da Silva, Pedro Lemes da Silva Resumo ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À ENGENHARIA SOCIAL Autoria: Adriano Carlos Rosa, Bruno Donizete da Silva, Pedro Lemes da Silva Este artigo tem por objetivo apresentar uma ótica sobre Análise

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Aula Anterior. Capítulo 2

Aula Anterior. Capítulo 2 Capítulo 2 Clique Ciclo para de Vida editar e o estilo do Organização título do mestre Projeto O Ciclo de vida do projeto Características do ciclo de vida do projeto Relações entre o ciclo de vida do projeto

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O investidor-anjo e acadêmico Antonio Botelho discute as barreiras ao empreendedorismo e à inovação colaborativa no Brasil, e as formas de

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1)

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1) Prof. Ana Cristina Trevelin Exemplo Você é o

Leia mais

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES Jessica Cascareja Savaro (CEFET/RJ) jessica.cascareja@hotmail.com Marcela Viana Bittar Coppio (CEFET/RJ) viana.marcela@yahoo.com.br Rafael

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL

MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL Universidade Federal Fluminense Núcleo de Competitividade, Estratégia e Organização-LabCEO MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Martius Vicente R. y Rodriguez martiusyrodriguez@gmail.com

Leia mais

! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões. ! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações. ! Primeiro Trabalho!

! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões. ! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações. ! Primeiro Trabalho! Agenda! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões Entrevistas Cleidson de Souza Departamento de Informática Universidade Federal do Pará! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações! Primeiro

Leia mais

Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações

Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações p1 Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações Mestrado em Administração Universidade Metodista de Piracicaba msacomano@unimep.br Slide 1 p1 apresentação. agradecimentos a org. do Simpoi

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Belo Horizonte, 15 de dezembro de 2006 Relatório sobre aplicação de Mineração de Dados Mineração de Dados em Bases de Dados de Vestibulares da UFMG Professor:

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS. Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo

DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS. Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social Autor Fernando Miranda MESTRADO EM EDUCAÇÃO TIC E EDUCAÇÃO Análise

Leia mais

Comunicação interna de uma rede. intraorganizacional usando análise. de redes sociais.

Comunicação interna de uma rede. intraorganizacional usando análise. de redes sociais. UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE DOUTORADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Comunicação interna de uma rede intraorganizacional usando análise de redes sociais. ROBERT ARI WAKER Tese apresentada ao Programa

Leia mais

Laços Fortes e Fracos

Laços Fortes e Fracos Laços Fortes e Fracos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Força de Laços em Redes de Larga Escala Para estudar laços fracos e fortes, foi feita uma pesquisa usando dados reais de uma companhia

Leia mais

Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo

Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo Caroline Haythornthwaite Graduate School of Library and Information Science University of Illinois at Urbana-Champaign

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP

RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP 1 RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP Sibele Fausto 1, Fátima A. Colombo Paletta 1, Marina M. Yamashita 1, Vânia

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

INOVAÇÃO E GESTÃO DA MUDANÇA. Prof. Dr. Martius Vicente R. y Rodriguez martius@kmpress.com.br

INOVAÇÃO E GESTÃO DA MUDANÇA. Prof. Dr. Martius Vicente R. y Rodriguez martius@kmpress.com.br INOVAÇÃO E GESTÃO DA MUDANÇA Prof. Dr. Martius Vicente R. y Rodriguez martius@kmpress.com.br AGENDA Sociedade do Conhecimento Metodologia PPS Pessoas, Processos, Sistêmico. Gestão da Mudança Inovação Prática

Leia mais

Primeiro encontro do ciclo 2013-2014

Primeiro encontro do ciclo 2013-2014 Primeiro encontro do ciclo 2013-2014 O começo de um ciclo, com novos integrantes e uma proposta diferente em relação à construção conjunta de soluções. O CRI Nacional teve na última semana o primeiro encontro

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

ARTIGO ASPECTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS DE REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO ESTUDO DE FLUXOS DE INFORMAÇÃO

ARTIGO ASPECTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS DE REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO ESTUDO DE FLUXOS DE INFORMAÇÃO ASPECTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS DE REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO ESTUDO DE FLUXOS DE INFORMAÇÃO Cibele Roberta Sugahara Waldomiro Vergueiro Resumo: As ligações e interações propiciadas pelas redes

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

ANAIS AFINIDADES EM REDES SOCIAIS DE EMPRESA E SUAS RELAÇÕES COM A DISPOSIÇÃO EM COLABORAR: ANALISE DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA

ANAIS AFINIDADES EM REDES SOCIAIS DE EMPRESA E SUAS RELAÇÕES COM A DISPOSIÇÃO EM COLABORAR: ANALISE DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA AFINIDADES EM REDES SOCIAIS DE EMPRESA E SUAS RELAÇÕES COM A DISPOSIÇÃO EM COLABORAR: ANALISE DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA MARCOS EDUARDO ZAMBANINI ( zambanini@uscs.edu.br, zambanini@uol.com.br ) USCS

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011 1 Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais São Leopoldo RS maio 2011 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale patriciab@feevale.br Setor Educacional:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços

Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços Departamento de Ciência da Computação (DCC/UFLA) Prof. André Grützmann andre5@dcc.ufla.br Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços INVESTIR PARA BUSCAR SOLUÇÕES INOVADORAS ATENDER AO

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Busca do Conhecimento Técnico Científico: análise de rede informal interorganizacional

Busca do Conhecimento Técnico Científico: análise de rede informal interorganizacional Busca do Conhecimento Técnico Científico: análise de rede informal interorganizacional Resumo Este estudo analisa a busca do conhecimento entre os atores das redes sociais interorganizacionais informais

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais