INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Prof. Gilson Yukio Sato UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 1

2 Aviso Esta apresentação foi baseada no texto Metodologia de análise de redes sociais de QueilaSouza e Carlos Quandt. O texto faz parte da coletânea: O Tempo das redes; organizado por Fábio Duarte e pelos já citados autores; São Paulo: Editora Perspectiva, UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 2

3 Introdução Social Network Analysis SNA Ferramenta metodológica multidisciplinar Formalização gráfica e quantitativa Teste matemático de modelos e teorias sociais Foco nos aspectos relacionais UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 3

4 Introdução Social Network Analysis SNA Fundamentos teóricos Teoria do grafos Estatística/Probabilidades Modelos algébricos Aplicações Difusão de inovações Redes teoristas Epidemias UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 4

5 Definição Redes sociais são estruturas dinâmicas e complexasformadas por pessoas com valores e/ou objetivos em comum, interligadas de forma horizontale predominantemente descentralizada. UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 5

6 Exemplos Movimentos sociais Conselhos políticos internacionais Redes terroristas Associações de classe Redes de especialistas e acadêmicos UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 6

7 Características Formalidade Existência de regras, procedimentos padronizados de interação Densidade Proporção de elos existentes em relação aos elos possíveis Centralidade Grau de centralização da rede UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 7

8 Atores mais centrais Centralidade Maior número de elos com outro atores Papel social de alta conectividade Posição hierárquica superior Elos de maior abrangência Alta conectividade com atores-chave de sub-redes A presença de atores centrais deixa a rede mais centralizada UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 8

9 Outras características Uma rede pode assumir diferentes formatos e níveis de formalidade com sua evolução Redes podem ter diferentes objetivos Redes informais são baseadas por alto fluxo de comunicação e pouca formalidade UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 9

10 Conceitos básicos Conjunto (set) de atores = nós + elos Nós (nodes) Elos (ties) Elos não-direcionados (nondirected ties) Elos direcionados (directed ties) Elos: linhas ou curvas (arcs) Elos ponderados (valued ties) UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 10

11 Representação gráfica UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 11

12 Representação Matricial Matrizes quadradas ou retangulares (squaredorrectangularmatrix) Sociomatrizes(sociomatricesorX) Geralmente representam dados binários Dada matriz X= g x h; g= elos enviados (sentedtiesori) h= elos recebidos (received ties or j) UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 12

13 Conceitos Ator (actor) Indivíduos ou grupos de indivíduos Unimodais(one-modenetworks): atores do mesmo tipo Multimodais (two-modenetworks): atores de tipos diferentes UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 13

14 Conceitos Elos (relationalties) Conexão ou troca entre dois atores Propriedades Direção (directional ou nondirectional) Valor (dichotomous ou valued) UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 14

15 Conceitos Díade (dyad) Par de atores + elo Propriedades: Reciprocidade Correlação entre relações, etc... Tríade (triad) Três atores +elos UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 15

16 Conceitos Subgrupo (subgroup) atores + elos Relação (relation) Conjunto de elos do mesmo tipo Rede Social (social network) Conjunto finito de atores e suas relações UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 16

17 Conceitos Grau nodal (nodal degree) Grau de atividade de um nó Calculado pelo n⁰ de elos Digráficos (dighaphs) Composto por elos direcionados Pode apresentar diferentes graus nodais UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 17

18 Conceitos Densidade (density) Elos existentes/número máximo de elos Pode variar de 0 a 1 Tipicamente < 0,5 6 3/6 = 0,5 UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 18

19 Conceitos Caminhada (walk) Seqüência de nós e elos Tanto nós quanto elos podem aparecer mais de uma vez Número total de elos = largura da caminhada UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 19

20 Conceitos Trilhas (Trails) Caminhada em que cada elo ocorre uma só vez Caminhos (Paths) Caminhada em que cada elo e nó ocorrem uma só vez Distância Geodésica (Geodesicdistance) Menor distância entre dois nós (em caminhos) UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 20

21 Conceitos Pontos de corte (Cutpoints) Nós que se excluídos, dividem a rede em subredes ou componentes Pontes (Bridges) Elos que se excluídos, dividem a rede em subredes ou componentes Conectividade (Cohesiveness) A rede tem alto grau de conectividade se for necessário eliminar um grande número de nós e elos para dividir a rede UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 21

22 Conceitos Grafos ponderados (Valuedgraphs) Os elos são relacionados com um valor representado a força ou intensidade do elo UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 22

23 Conceitos Imbricamento estrutural (Embeddedeness) Descreve como os atores participam de múltiplas redes simultaneamente UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 23

24 Considerações gerais Braço matemático da sociologia Análise e interpretação de dados matemáticas ou estatísticas SNA usa ferramentas estatísticas como outras abordagens Foco nas relações entre dados e teoria Não busca generalizações para outras redes UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 24

25 Considerações gerais A amostra não é probabilística Seleção da amostra baseada em relações entre atores (não atributos individuais) Interdependência entre elementos da amostra UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 25

26 Dados em SNA Não são focados nos atores Ex: sexo, idade, etc.. Foco nas relações Ex: quem gosta de quem, etc... Dados permitem definir uma rede Posição dos atores Densidade Reciprocidade UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 26

27 Posicional X relacional Posicional Foco na posição dos nós e elos Foto da estrutura Ex: pessoa mais no centro ou não Relacional Interações Desenvolvimento de padrões na estrutura Ex: reciprocidade de relações UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 27

28 Fronteira A priori Ex: pessoas de uma empresa Conforme o desenvolvimento da pesquisa Um critério: força dos elos (intensidade ou freqüência das interações) Abordagem realista: percepção dos próprios atores Abordagem nominalista: interesse do pesquisador e na base teórica UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 28

29 Níveis de análise Nível único Ex: relações de trabalho Níveis múltiplos Ex: relações de trabalho e relações de amizade UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 29

30 Métodos de levantamento de dados Métodos de rede completa Cada ator por todos os outros atores Preferencialmente para grupos pequenos (small world) Métodos da bola de neve População não conhecida a priori Começa com um grupo que indica outros atores UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 30

31 Métodos de levantamento de dados Redes ego-centradas com alter conexões Identificação dos nós focais (egos) interconectados Identificação dos nós ligados aos egos (alters) Identificação da interconexões entre alters Redes ego-centradas sem alter conexões Foco em um nó individual Foto da rede local do nó analisado UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 31

32 Métodos de levantamento de dados Redes de múltiplas relações Considera os vários tipos de elo A distância entre atores pode variar conforme o tipo de elo Escolha dos tipos de elo Material (somente um lugar em dado tempo): dinheiro, pessoas, etc... Informacional (múltiplas localizações): informação e conhecimento UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 32

33 Medidas binárias Escalas de medida 1 : relação existe / 0 : relação não existe Medidas relacionais nominais multicategorias Múltipla escolha entre tipos de relação Binário : tipo de relação existe ou não UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 33

34 Escalas de medida Medidas de relações agrupadas ordinais Força dos elos Escala de três pontos Conexão positiva Conexão negativa Conexão neutra Medidas totais de relações ordinais Força dos elos Escala que representa diferentes graus de força UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 34

35 Escalas de medida Medidas totais de intervalos em relações ordinais Força dos elos Escala que representa diferentes graus de força Intervalos na escala são variáveis Ex. para avaliar intensidade: troca de s, telefonemas e correspondência UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 35

36 Aplicações de SNA Para aplicação precisa: Identificação dos nós, dos elos entre nós e dos tipos de relações envolvidas Caracterização da estrutura Atores-chaves, contatos-chave, relações primárias, relações secundárias, etc... Sociograma Representação gráfica Centralização, formação de sub-grupos, pontes, etc.. UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 36

37 Aplicações de SNA Métodos e medidas foram desenvolvidos para estudar: Grupo social Isolamento Popularidade Prestígio Coesão social Papel Social Reciprocidade Mutualidade UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 37 Troca

38 Análises e medidas usando SNA Análise do grau de atividade do nó e da posição que ele ocupa Medida do graus de influência, acessibilidade e proximidade Alto graus de centralidade: pontos críticos de falha Equivalência estrutural Centralização da rede em poucos nós muito conectados UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 38

39 Análises e medidas usando SNA Análise de agrupamento Identificação de grupos Buracos estruturais Identificação de áreas não conectadas Pequenos mundos Identificação de grupos fechados UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 39

40 Medidas de rede Temas emergentes Integração de múltiplas redes de relações Relação entre nível do indivíduo e da rede como um todo Afiliação em múltiplas redes Novas técnicas de representação gráfica UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 40

41 Aviso Esta apresentação foi baseada no texto Metodologia de análise de redes sociais de QueilaSouza e Carlos Quandt. O texto faz parte da coletânea: O Tempo das redes; organizado por Fábio Duarte e pelos já citados autores; São Paulo: Editora Perspectiva, UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 41

42 Discussão Nicholas A. Christakise James H. Fowler. The Spread ofobesityin a LargeSocial Network over 32 Years. TheNewEnglandJournalof Medicine; 357; 4; July, UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 42

43 Destaques Obesidade contagiosa Três graus de separação Obesos só fazem amigos obesos? Pessoas de mesmo sexo tem mais influência Alcance dos dados Tempo de coleta Número de pessoas Cautela na conclusão UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 43

44 Destaques Construção da justificativa Aumento da obesidade Mudanças sociais? Genética? Pobreza? Hipóteses Ganho de peso de uma pessoa influencia outra Imitação UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 44

45 Destaques Metodologia Origem dos dados Seleção dos dados Estatística Consideração de várias variáveis UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 45

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV Análise de Redes Texto original: Introduction to Social Network Methods de Robert A. Hanneman, Department of Sociology University of California, Riverside. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e

Leia mais

REDES SOCIAIS E SAÚDE

REDES SOCIAIS E SAÚDE REDES SOCIAIS E SAÚDE Prof. Gilson Yukio Sato UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 1 Redes Sociais Sociologia/Ciências Sociais Aplicação Saúde Computação Ciência da Informação Urbanismo Marketing

Leia mais

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior Universidade de Brasilia - UnB Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método Prof: Edgar Reyes Junior edreyes@unb.br Ementa Conceitos, teóricos e teorías; Principais medidas de redes sociais; Exemplos de

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS DÉBORA ZANINI Data Intelligence Ciências Sociais UNICAMP JOÃO PAULO BELUCCI Social Intelligence Midialogia UNICAMP OBJETIVOS DA OFICINA Compreender conceitos básicos

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ. marisaleal@im.ufrj.br

Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ. marisaleal@im.ufrj.br Marisa Leal Instituto de Matemática da UFRJ marisaleal@im.ufrj.br Visitar o material selecionado, não necessariamente na ordem apresentada a seguir, visando a introdução de definições, conceitos e aplicações

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais Santo André, 2Q2011 1 Agenda Redes Sociais Análise de Redes Sociais Métricas para Análise de Redes Sociais Redes Sociais Online Medições e Análise de Redes Sociais

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

Réseau sexuel dans l infection à VIH chez les HSH : observation, analyse et modélisation comparative au Brésil et en France.

Réseau sexuel dans l infection à VIH chez les HSH : observation, analyse et modélisation comparative au Brésil et en France. Rede sexual na infecção pelo HIV entre HSH: observação, análise e modelização comparativa entre Brasil e França. Réseau sexuel dans l infection à VIH chez les HSH : observation, analyse et modélisation

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte. Aula 04 Metodologia de um TCC

Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte. Aula 04 Metodologia de um TCC Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte Aula 04 Metodologia de um TCC Trabalho de Conclusão de Curso I Objetivos Ao final desta aula, você

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social Autor Fernando Miranda MESTRADO EM EDUCAÇÃO TIC E EDUCAÇÃO Análise

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta ESTATÍSTICA Ciências Contábeis Professor: Ricardo Vojta RAMOS DA ESTATÍSTICA A estatística dedutiva (também conhecida como Estatística Descritiva) se encarrega de descrever o conjunto de dado desde a elaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Métodos Quantitativos. PROF. DR. Renato Vicente

Métodos Quantitativos. PROF. DR. Renato Vicente Métodos Quantitativos PROF. DR. Renato Vicente Método Estatístico Amostra População Estatística Descritiva Inferência Estatística Teoria de Probabilidades Aula 4A Inferência Estatística: Um pouco de História

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

ESTATÍSTICA. O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto,

ESTATÍSTICA. O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto, ESTATÍSTICA O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto, organizá-los e expôlos na forma de tabelas ou gráficos. Apresentando uma estatística

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática (1) Data Mining Conceitos apresentados por 1 2 (2) ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Conceitos apresentados por. 3 LEMBRE-SE que PROBLEMA em IA Uma busca

Leia mais

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA NOMINAL ORDINAL QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA CONTÍNUA - Variável qualitativa nominal = valores que expressam atributos, sem nenhum tipo de ordem. Ex: cor dos olhos, sexo, estado civil, presença

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA Arq. Juan Pedro Moreno Delgado, DSc. Delgado, J. P. M., Organização social do território e mobilidade urbana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SÉRIES, TABELAS E GRÁFICOS ESTATÍSTICOS Departamento de Estatística Tarciana Liberal TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS SÉRIES ESTATÍSTICAS Um gerente de produção da

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais É uma área científica centrada no estudo das relações, muitas vezes definidas como redes sociais. Em sua forma básica, uma rede social é uma rede onde as ligações entre organizações

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais

Trabalho Imaterial e as Redes Sociais. Semana da SBC IFBA Setembro de 2010

Trabalho Imaterial e as Redes Sociais. Semana da SBC IFBA Setembro de 2010 Trabalho Imaterial e as Redes Sociais Semana da SBC IFBA Setembro de 2010 NTIC e o Trabalho Imaterial Novas Tecnologias da Informação e Comunicação - NTIC: formam o alicerce para o deslocamento do processo

Leia mais

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística;

Leia mais

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela:

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela: 1 Organograma Linear O organograma linear de responsabilidade revela: 1. A atividade ou decisão relacionada com uma posição ou cargo organizacional, mostrando quem participa e em que grau, quando uma atividade

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

3 Abordagem Sistêmica

3 Abordagem Sistêmica 3 Abordagem Sistêmica 3.1 A visão sistêmica Como uma das correntes do pensamento administrativo, a abordagem sistêmica foi introduzida em meados da década de 60. Os teóricos de sistemas definiram-na como,

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação 1 AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação Ernesto F. L. Amaral 06, 08 e 13 de setembro de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

Redes Complexas Aula 2

Redes Complexas Aula 2 Redes Complexas Aula 2 Aula passada Logística, regras Introdução e motivação Aula de hoje Redes sociais Descobrimento Características Redes Sociais Vértices: pessoas ou grupo de pessoas Arestas: algum

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Um dos elementos práticos mais importantes do estudo das redes sociais na Internet atualmente são os modos de mapeamento dessas redes.

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações

Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações p1 Redes Sociais e a pesquisa em gestão de redes de operações Mestrado em Administração Universidade Metodista de Piracicaba msacomano@unimep.br Slide 1 p1 apresentação. agradecimentos a org. do Simpoi

Leia mais

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TIPOLOGIA DE APLs INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fabio Stallivieri UFF e RedeSist Brasília 17/04/2012 1. Introdução Elaboração de indicadores objetiva

Leia mais

Trabalho Computacional

Trabalho Computacional Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Profª Claudia Boeres Teoria dos Grafos - 2014/2 Trabalho Computacional 1. Objetivo Estudo e implementação de algoritmos para resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidad

Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidad Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidades - parte IV 2012/02 Distribuição Exponencial Vamos relembrar a definição de uma variável com Distribuição Poisson. Número de falhas ao longo

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Local government web sites in Finland: A geographic and webometricanalysis

Local government web sites in Finland: A geographic and webometricanalysis UFRJ IBICT Pós graduação em ciência da informação Disciplina: Processamento e Transferência da Informação por Meio Eletrônico Professores: Fábio Gouveia e Jacqueline Leta alunos: Roberto Lopes e Fabíola

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

Guia de Atividades para Introdução do Powersim no Processo Ensinoaprendizagem de Equações Diferenciais Ordinárias

Guia de Atividades para Introdução do Powersim no Processo Ensinoaprendizagem de Equações Diferenciais Ordinárias Guia de Atividades para Introdução do Powersim no Processo Ensinoaprendizagem de Equações Diferenciais Ordinárias Nestas atividades temos como objetivo sua familiarização com o software Powersim e, através

Leia mais

CEAHS CEAHS. Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1

CEAHS CEAHS. Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1 CEAHS Breve descrição das disciplinas Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado de Saúde 2 Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1 Economia da Saúde 1 Processos e Sistemas em Saúde 2 Negócios

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Marcos Eduardo de Mattos

Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Marcos Eduardo de Mattos Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Marcos Eduardo de Mattos Ciclo de vida organizacional Assim como o ciclo de vida dos seres humanos, as organizações surgem como seres vivos, para

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social

Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social Análise de Redes Sociais aplicada à Engenharia Social Pedro A. Lemes da Silva pedro.lemes@gmail.com Segurança da Informação Prof. Luiz Eduardo Guarino Resumo Este artigo tem por objetivo apresentar uma

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTA DAS DISCIPLINAS 1º Período GADM 7712-TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO (4.0.0) 4 Introdução; Antecedentes Históricos;

Leia mais

ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Prof. Dr. Marcos Antonio de Santos de Jesus Unisanta (jesusmar@litoral.com.br)

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais