Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT"

Transcrição

1 Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1

2 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para cada pacote independentemente. Usando roteamento datagrama é fácil utilizar enlaces separados. Roteamento Circuito Virtual: a rota é escolhida de sessão para sessão. Roteamento estático: a rota é escolhida de forma já estabelecida entre pares O/D. 2

3 Roteamento É Um Problema Global Roteamento estático não é desejável. Roteamento datagrama é uma forma natural para dividir o tráfego. Como? 3

4 Roteamento Pelo Menor Caminho Cada enlace tem um custo que reflete: O comprimento do enlace; O atraso no enlace; Congestionamento; $$ custo. Custo pode variar ao longo do tempo. O comprimento de uma rota é a soma dos custos ao alongo da rota. O caminho mais curto é o caminho de comprimento mínimo. Algoritmos do menor caminho (Shortest Path): Bellman-Ford: versões centralizada e distribuída; Algoritmo de Dijkstra; Muitos outros. 4

5 Grafos Dirigidos (dígrafos) Um grafo dirigido (dígrafo) G = (N,A) é um conjunto finito não vazio de N nós e um conjunto de pares de nó ordenados A denominados arcos dirigidos. Caminho Dirigido: (4, 2, 1, 4, 3, 2) Ciclo dirigido: (4, 2, 1, 4) Redes de dados são melhor representadas com dígrafos, embora tipicamente os enlaces tendem a serem bi-direcionais (custo pode diferir em cada direção). Para simplificar utilizaremos enlaces bi-direcionais com mesmo custo nos nossos exemplos. 5

6 Algoritmo Bellman Ford Determine os caminhos mais curtos, a partir de uma dado nó fonte, digamos nó 1, para todos os outros nós. Idéia geral: Primeiro ache o enlace mais curto, Então o shortest path de no máximo dois enlaces etc. Seja dij= se (i,j)não é um arco. Seja Di(h) a distância mais curta de 1 para i usando no máximo h arcos. Di(1) = d1i ; i 1 D1(1) = 0 Di(h+1) = min {j} [Dj(h) + dji] ;i 1 D1(h+1) = 0 Se todos os pesos são positivos, o algoritmo termina em N-1 passos. 6

7 Exemplo Bellman Ford 7

8 Bellman Ford Distribuído Custo do enlace pode variar com o tempo. Mudança nas condições do tráfego. Falhas nos enlaces. Mobilidade. Cada nó mantém sua própria tabela de roteamento. Necessário atualizar a tabela periodicamente para refletir as mudanças na rede. Seja D i a distância mais curta do nó i para o destino. D i = min {j} [Dj + dij]: equação de atualização. Cada nó (i) periodicamente atualiza os valores de D i usando a equação de atualização. Cada nó mantém os valores de dij para os seus vizinhos, como também os valores de D j recebidos de seus vizinhos. Utilizando estes valores calcula D i e envia o novo valor de D i para seus vizinhos. Se não ocorreram mudanças na rede,o algoritmo irá convergir para os caminhos mais curtos no máximo em N passos. 8

9 Reação Lenta a Falhas no Enlace Inicia com D 3 =1 e D 2 =100. Na prática, às vezes os comprimentos dos enlaces mudam. Suponha que o enlace entre 3 e 1 falhe (ou seja, d 31 =infinity). No passo seguinte o nó 2 irá atualizar: D 2 = d 23 +D 3 = 4. Serão necessárias aproximadamente 100 iterações antes que o nó 2 possa convergir para a rota correta para o nó 1. Possíveis soluções: Propagar também as informações de rotas; Esperar antes de rotear novamente para um caminho de custo crescente, O nó próximo ao enlace que falhou deveria anunciar que D=infinito por algum tempo para evitar caminhos fechados. 9

10 Instabilidade Quando as rotas mudam devido às alterações nas condições de tráfego, afetam as cargas nos enlaces, e portanto as rotas podem oscilar. 10

11 Instabilidade Havendo um valor definido independente do fluxo no enlace ajuda a prevenir este problema. Atualizações não síncronas também ajudam. 11

12 Algoritmo de Dijkstra Determine o enlace mais curto a partir de um determinado nó fonte para todos os outros nós. Requer pesos nos arcos (enlaces) não negativos. O algoritmo trabalha em estágios: Estágio k: os k nós mais próximos são determinados; Estágio k+1:a partir dos k nós mais próximos ao nó fonte determinar o nó k+1 mais próximo. Observação importante: O caminho para o nó k+1 mais próximo pode incluir somente os nós que pertencem ao conjunto dos k nós. Seja M o conjunto dos nós já incorporado pelo algoritmo. Inicia com Dn = dsn para todo n (Dn = menor distancia de n para o nó fonte). Repete até que M=N Ache o nó w M que tenha a próxima menor distância para o nó fonte. Adicione w para M. Atualize as distâncias: Dn = min [Dn, Dw + dwn] (para todos os nós n M). Observe que a atualização de Dn precisa ser feita somente para os nós que ainda não estão em M e que atualização requer somente o calculo de uma nova distância indo através do novo nó w que foi adicionado. 12

13 Exemplo Dijkstra 13

14 Implementação do Algoritmo de Dijkstra Versão Centralizada: Um único nó obtém as informações de topologia e calcula as rotas. As rotas podem ser difundidas para o resto da rede. Versão Distribuída: Cada nó i difunde {dij para todo j} para todos os outros nós na rede; todos os outros nós podem então calcular os caminhos mais curtos para cada outro nó. O protocolo Caminho mais curto sem laços (Open Shortest Path First- OSPF) é usado na Internet 14

15 Roteamento na Internet Sistema Autônomo (AS) A Internet é dividida em AS s onde cada um é controlado por uma única autoridade. O protocolo de roteamento é classificado em duas categorias Protocolos Internos - Operam dentro de um AS. Protocolos externos -Operam entre AS s. Protocolos Internos Tipicamente utilizam algoritmos do caminho mais curto. Vetor Distância: Baseado no protocolo de estado do enlace de Bellman-ford distribuído. Baseado no Dijkstra distribuído. 15

16 Protocolos Vetor Distância Baseado no Bellman-Ford distribuído. Nós trocam informações das tabelas de roteamento com seus vizinhos. Exemplos: Routing information protocols (RIP) A métrica usada é contador de saltos (enlaces) (dij=1). As informações de roteamento são trocadas a cada 30 segundos. Interior Gateway Routing Protocol (IGRP) Protocolo proprietário Cisco. A métrica considera a carga. Dij~ 1/(µ λ) (estima ao atraso através do enlace). Atualiza a cada 90 segundos. Tem capacidade de roteamento multi-caminho. 16

17 Protocolos Estado do Enlace Baseado no algoritmo de caminho mais curto de Dijkstra. Elimina laços; Roteadores monitoram o estado de seus enlaces de saída. Roteadores difundem o estado de seus enlaces no AS. Todo nó conhece o estado de todos os enlaces e pode calcular todas as rotas usando o algoritmo de Dijkstra. Nós enviam pacotes para o próximo nó ao longo da rota com o endereço de destino do pacote.o próximo nó irá procurar pelo endereço na tabela de roteamento. Exemplo: Open Shortest Path First (OSPF) de uso comum na Internet. Protocolo de estado do enlace tipicamente gera menos tráfego de controle que aqueles de Vetor distância Link. 17

18 Roteamento Entre-Domínios Usados para rotear pacotes através de diferentes AS s. Opções: Roteamento estático rotas configuradas manualmente. Roteamento Vetor-Distância: Exterior Gateway Protocol (EGP); Border Gateway Protocol (BGP). Problemas Que métrica de custo utilizar para o roteamento Vetor-Distânica Problemas quanto a políticas: O provedor de rede A pode não requerer que pacotes de B sejam roteados através de sua rede ou os provedores de rede podem ter um acordo. Problemas de custo: Provedores de rede podem cobrar uns aos outros para entregar pacotes. 18

19 Pontes, Roteadores & Gateways Uma ponte é usada para conectar vários segmentos de redes locais. Roteamento na camada 2 (Ethernet) Não conhece o endereço Vários níveis de sofisticação: Pontes mais simples somente enviam pacotes; Pontes inteligentes são semelhantes aos roteadores. Um roteador (para rotear os pacotes) usa o endereço de camada de rede. Entre dois Sistemas Autônomos. Usando o mesmo protocolo (por ex.: IP, ATM). Um Gateway conecta duas redes usando diferentes protocolos, Conversão de protocolos. Esta definições são freqüentemente trocadas mas estão evoluindo! 19

20 Pontes, Roteadores & Gateways 20

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.» Roteadores são os dispositivos responsáveis pelo recebimento

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede - Roteamento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Algoritmos de Roteamento: Roteamento de estado de enlace (link-state LS) Roteamento de Vetor de Distância (distancevector

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA ROTEAMENTO ROBUSTO E EFICIENTE BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO

UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA ROTEAMENTO ROBUSTO E EFICIENTE BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO MAVERSON EDUARDO SCHULZE ROSA UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA ROTEAMENTO ROBUSTO E EFICIENTE BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO MÁXIMO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Cap. 04 Camada de Rede

Cap. 04 Camada de Rede Cap. 04 Camada de Rede 4.1 Introdução e Serviços 4.1.1 Repasse e Roteamento 4.1.2 Modelo de Serviço de Rede 4.2 Redes Datagramas / Circuitos Virtuais 4.2.1 Redes de Circuitos Virtuais 4.2.2 Redes de Datagramas

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF Monografia apresentada na disciplina Laboratório de Redes II no Mestrado de Redes de Computadores da UNIFACS. Alunos : Manoel Carvalho Marques Neto manoel.netom@unifacs.br

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Aula 03 Introdução ao encaminhamento 2004-2005

Aula 03 Introdução ao encaminhamento 2004-2005 Aula 03 Introdução ao encaminhamento V1 V2 FCUL 2004-2005 Sumário Introdução ao encaminhamento. Distance Vector Routing. Link State Routing.. (Nota: a maioria das figuras foram retiradas de A. Tanenbaum

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Protocolo EIGRP. Graduação Tecnológica em Segurança da Informação São Leopoldo RS Brasil

Protocolo EIGRP. Graduação Tecnológica em Segurança da Informação São Leopoldo RS Brasil Protocolo EIGRP Diego Alves 1, Joel Ten Caten 1, Maximiliano Xavier 1, Roger Oberdan 1 1 Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Graduação Tecnológica em Segurança da Informação São Leopoldo RS

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Aula 7 Protocolos de roteamento:

Aula 7 Protocolos de roteamento: Aula 7 Protocolos de roteamento: Roteamento Estático; Roteamento dinâmico. Camada de rede A camada de rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. Para que se chegue ao destino,

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento

Leia mais

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 - formato do datagrama Mudanças mais importantes Capacidade de endereçamento expandida Cabeçalho fixo de 40 octetos Aumentar

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3 PEL/FEN Redes de Computadores 015/1 Segunda Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os principais serviços providos pela camada rede. ) Cite as diferenças entre datagrama e circuito

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

ROTEAMENTO DINÂMICO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO

ROTEAMENTO DINÂMICO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO JONATAN SCHROEDER ROTEAMENTO DINÂMICO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM AVALIAÇÃO DE FLUXO MÁXIMO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa de Pós-Graduação em Informática,

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 05 - OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt OSPF. Suporte para diferentes tipos de redes. Encaminhamento hierárquico no OSPF. IS-IS. IGRP.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Evolução de Técnicas de Roteamento Redes de Computadores 2 1 Experimentos iniciais instalação e manutenção a mão Crescimento

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro Redes Corporativas 9 junho 2004 Fabio Montoro Experiência do responsável técnico Experiência em redes de dados, áudio e vídeo Primeiro fornecimento de mux voz-dados do Brasil em 1991 Primeiro fornecimento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III Trabalho: PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04 Cadeira: Administração de Redes III Data: 23/03/2013 Aluno: Revisões: 1.2 Impresso em 22/04/2013 Página 1 de 22 RESUMO Este documento faz uma análise técnica das

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina COMPONENTES ATIVOS DE REDE i Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Assuntos: Objetivos da Disciplina Competências Habilidades Bibliografia Didática

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DE SÃO JOSÉ NUCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA MÓDULO 2 CAPÍTULO 6 Redes de Computadores Prof. Jorge H. B.

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1 Introdução Roteamento é a movimentação de informações da origem até o seu destino, sendo que essa informação deve passar por pelo menos um modo intermediário, ou seja, a origem e o destino não estão ligadas

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

ROTEAMENTO EM REDES DE COMPUTADORES

ROTEAMENTO EM REDES DE COMPUTADORES ROTEAMENTO EM REDES DE COMPUTADORES 1. Introdução Um dos principais problemas a ser resolvido no nível de rede é a escolha do caminho que os pacotes devem seguir para interconexão das estações de origem

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais