ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES"

Transcrição

1 ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES Jessica Cascareja Savaro (CEFET/RJ) Marcela Viana Bittar Coppio (CEFET/RJ) Rafael Garcia Barbastefano (CEFET/RJ) Cristina Gomes de Souza (CEFET/RJ) Neste artigo foi utilizada a ARS como ferramenta principal para analisar a distribuição histórica e atual dos funcionários dentro das equipes de projetos em uma empresa de Engenharia. Para isso, foi usada uma base de dados de todas as equippes de projetos ocorridos nos últimos sete anos e um questionário aplicado aos funcionários atuais. Com base nas análises dessas redes, pôde- se entender melhor quem são os pontos centrais das equipes, bem como o motivo pelos quais eles são indicados. Outra importante análise é que as redes possuem núcleos bem marcados, mostrando que as pessoas tendem a trabalhar bastante em conjunto com as demais. Um ponto de atenção na análise dos resultados é que, na grande maioria das redes, os pontos centrais são os funcionários que ocupam cargos de chefia. Porém, quanto maior a distância da necessidade de técnica e experiência, maior a ocorrência de indicações de funcionários que ocupam cargos mais baixos. A partir dos resultados objtidos, espera-se tornar o processo de tomada de decisão referente ao gerenciamento de equipes aprimorado e com maior chance de sucesso, fornecendo uma maior visibilidade dos padrões de equipes. Palavras-chaves: Análise de Redes Sociais, Organizações orientadas a Projetos, Centralidade

2 1 Introdução O capital intelectual é um dos recursos mais importantes existentes nas Organizações, principalmente em empresas orientadas para projetos. Assim, torna-se necessário o aperfeiçoamento de equipes, com objetivo de obtenção de melhores resultados através da manutenção dos recursos humanos. Porém, mais importante que deter profissionais qualificados, é geri-los da melhor maneira possível, de forma a maximizar a produtividade e desempenho organizacional. Nesse contexto, a Análise de Redes Sociais (ARS), aplicada a estudos organizacionais, surge como uma forma inovadora de aprimorar essas estruturas, proporcionando às empresas vantagem competitiva proveniente do aprimoramento da gestão do conhecimento e, consequentemente, do capital intelectual disponível internamente. Este trabalho se dedica ao estudo de uma organização orientada a projetos. Através da ARS, montamos redes que possibilitam a identificação de clusteres informais de funcionários e redes de confiança não mapeadas. O trabalho está estruturado da seguinte maneira: na seção 2 apresentamos conceitos de organizações e gerenciamento de equipes; na seção 3 tratamos do tema de redes sociais com as definições usadas no trabalho; na seção 4 tratamos do tema da participação conjunta em projetos; na seção 5 tratamos de redes de confiança entre membros de uma organização. 2 Organizações e Gerenciamento de Equipes Segundo Galbraith; Downey; Kates (2002), uma organização consiste em uma corporação inteira ou apenas uma parte dela, podendo compreender desde milhares de funcionários até alguns poucos. Outra definição é dada por Cury (2000), em que o termo Organização é apresentado como um conjunto de pessoas que se une de forma consciente, esforçando-se para a concretização de uma tarefa ou objetivo. Dessa forma, pode-se concluir que as pessoas estão sempre ligadas a várias Organizações, numa relação de interdepedência. Há, atualmente, duas formas de Estrutura: a Formal e a Informal. A primeira é aquela em que a empresa é representada formalmente, através de organogramas e alto nível de hierarquia. Já a Informal é desenvolvida de forma espontânea quando há reunião de pessoas, possuindo também uma liderança informal. Geralmente, essas relações não aparecem em organogramas, sendo formadas através do relacionamento do dia-a-dia entre os funcionários da empresa (LERNER, 2002, p ). As Estruturas Organizacionais foram criadas para direcionar as decisões de forma que os objetivos e metas estabelecidas pela empresa sejam seguidas. Analogamente, elas organizam e determinam a maneira como estes serão atingidos. Uma Organização voltada a Projetos normalmente assume o tipo baseado em Projetos ou Matricial. Além desses dois tipos, também pode assumir a forma de um conjunto de micro- Organizações, cada uma do tipo baseada em Projetos. Em uma Organização voltada a Projetos, o Centro Operacional corresponde ao principal recurso da empresa, pois é neste componente que se concentram os profissionais responsáveis por executar os Projetos. Neste 2

3 tipo de empresa, a maior riqueza é o seu capital intelectual, pois é basicamente necessária a força de trabalho para a realização dos Projetos. É de extrema importância que este componente seja bem gerenciado, sendo provido de todos os recursos necessários para que o trabalho seja desempenhado da melhor maneira possível. 3 Análise de Redes Sociais De acordo com Wasserman e Faust (1994), uma rede social é caracterizada por diversos conjuntos de atores, eventos e suas respectivas relações. Ela é definida principalmente pelos relacionamentos que os indivíduos mantém entre si, e não pelas características individuais de cada um. Tais relações permitem identificar a posição de cada um frente a um grupo de pessoas ou até mesmo a sociedade, bem como suas características centrais ou distantes e sua atividade dentro de um meio. As redes sociais conectam dados de acordo com suas semelhanças. São aplicadas a diversos casos, como redes de afinidade, comunidades locais, membros de uma Organização etc. Podem também ser explicadas como a união de atores e suas relações (WASSERMAN; FAUST, 1994). Para auxiliar a análise de construções e relações contidas nas redes, são utilizados específicos softwares desenvolvidos pela Tecnologia da Informação (AZEVEDO; RODRIGUEZ, 2010). Neste estudo, o software utilizado foi o Pajek. 3.1 Definições importantes a) Grafos ou redes: junção de nós e arestas que explicitam diversas relações. Dessa forma, rede social é composta por atores (nós) e sua interações ou conexões (arestas) (RECUERO, 2009); c) Grau: número de nós adjacentes a um vértice, podendo ser de 0 (caso não possua ligações) a quantidade de nós total menos um (caso ele possua ligação com todos) (WASSERMAN; FAUST, 1994); d) Densidade: relação entre a proporção de ligações existentes entre os nós e todas as ligações possíveis. Já a distância entre dois vértices é um caminho entre dois vértices e, se este for o menor caminho, pode-se chamá-lo de distância geodésica; e) Componentes: partes conectadas de uma rede, ou seja, cada grafo pode conter diversos subconjuntos coesos (NOOY; MRVAR; BATAGELJ, 2005). 3.2 Centralidade e pontes de intermediação Segundo Wasserman; Faust (1994), um dos principais usos da teoria de grafos na ARS é a identificação dos atores mais importantes em uma rede social. Os indicadores de centralidade permitem a análise da rede individualmente e no seu conjunto, sendo possível a identificação de vários fatores, como grau de conectividade da rede, indivíduos com o maior e menor número de interações, intermediação de alguns atores nas relações entre indivíduos e a proximidade entre os indivíduos através das suas interrelações. De modo geral, pode-se dizer que atores centrais em uma rede possuem maior facilidade de acesso a informação e a outros atores, além de possuírem maior facilidade de disseminação de informação. 3

4 Três importantes métricas de centralidade centralidade por grau (degree centrality), por proximidade (closeness) e por intermediação (betweenness) serão explanadas de forma sucinta nesta seção. Centralidade por grau Degree centrality Conforme já explicado, o grau de um vértice corresponde ao número de arestas incidentes ou ao número de vértices adjacentes a ele, representando o número de atores sociais com o qual o ator em questão mantém alguma relação. Desta forma, os atores que possuem os maiores graus são aqueles mais conectados considerando-se o caráter local da rede. Centralidade por proximidade Closeness O closeness é definido pela soma das distâncias geodésicas entre um determinado vértice e todos os outros vértices do grafo. Essa medida indica a proximidade de um determinado ator em relação aos demais atores da rede: quanto mais próximo um ator estiver dos outros atores da rede, mais central ele estará. Sendo assim, o valor do closeness é menor para vértices mais centrais, ao passo que têm valores mais baixos para a soma dos caminhos geodésicos até os outros vértices da rede. Centralidade por intermediação Betweenness O betweenness de um ator é definido como a proporção de todos os caminhos geodésicos de uma rede nos quais este vértice está presente como um ponto de intervenção. Ou seja, a centralidade de intermediação atribui importância a um ator em função da passagem de fluxo por ele para interligar outros dois atores da rede, através do menor caminho possível. Desta forma, atores com altos valores de betweenness são aqueles por onde passam maior fluxo de informações. 4 Análise de Dados Históricos Para este estudo foram coletados dados referentes às equipes de projetos dos últimos sete anos em uma empresa de Projetos, levando em consideração a participação dos membros de toda a empresa em cada projeto de acordo com cada época. Ao total foram levantados dados referentes a 25 projetos, onde o mais antigo deles foi iniciado em Foi criada uma rede bastante robusta contendo todos os participantes de todos os projetos. A partir dessa rede, utilizando as técnicas apresentadas em Nooy; Mrvar; Batagelj (2005), foi criada uma rede bimodal, onde é possível distinguir vértices de dois tipos: projetos e pessoas. A partir da rede bimodal foi possível a criação de duas novas redes: uma rede de coparticipação de pessoas em projetos e outra rede de projetos indicando o número de pessoas participantes em comum entre eles. No decorrer do trabalho as redes obtidas serão mais detalhadas e serão apresentadas diversas análises sobre cada uma delas. A rede bimodal e as duas outras geradas a partir dela serão detalhadas e analisadas a seguir. 4.1 Rede Bimodal de funcionários e Projetos A rede de Funcionários e Projetos é uma rede bimodal que expõe as ligações funcionário projeto, onde a ligação entre um projeto e um funcionário ocorre quando este funcionário participou do projeto em questão. 4

5 Com a criação desta rede, pode-se observar que alguns projetos necessitaram muito mais gente do que outros. A rede obtida através desses dados pode ser visualizada na Figura 1, onde os vértices localizados na parte superior da figura são os projetos realizados e os vértices na parte inferior da figura representam os funcionários. Figura 1 Rede bimodal de funcionários e projetos Nesta rede, além da percepção de que alguns projetos demandaram maior mão de obra do que outros, como já mencionado, também se pode retirar diversas outras informações. A partir da planilha em Excel criada anteriormente à montagem da rede, foram obtidas análises estatísticas e de centralidade. Na Tabela 1, encontram-se os funcionários que possuem maior valor para betweenness. Para estes funcionários, também se pode observar seus respectivos valores de grau e closeness. Funcionário Grau Betweenness Closeness A , , B , , C , , D , , E , , F , , G , , H , ,

6 I , , Tabela 1 Funcionários com maior valor para betweenness Confrontando os dados obtidos na empresa com esta tabela dos funcionários com maior valor de betweenness, concluímos que estes são aqueles que possuem cargos de chefia dentro da empresa. Outras análises importantes adquiridas são de estatística descritiva e histograma. Na Tabela 2, encontram-se informações como média, mediana, desvio padrão, dentre outras métricas estatísticas com relação ao tamanho das equipes em cada projeto. Média 117,44 Erro padrão 54,01 Mediana 17 Moda 5 Desvio padrão 270,05 Variância da amostra 72925,84 Intervalo 1185 Mínimo 1 Máximo 1186 Contagem 25 Nível de confiança (95,0%) 111,47 Tabela 2 Tamanho da Equipe por projeto Da mesma forma, obtém-se a Tabela 3, em que se observam os dados estatísticos projetos por funcionário. de Média 1,85 Erro padrão 0,03 Mediana 1 Moda 1 Desvio padrão 1,26 Variância da amostra 1,6 Intervalo 21 Mínimo 1 Máximo 22 Contagem 1585 Nível de confiança (95,0%) 0,06 6

7 Tabela 3 Projetos por funcionário Além das análises estatísticas demonstradas acima, a partir dos dados obtidos foi criado um histograma, que é visualizado através do Gráfico 1. Gráfico 1 Histograma de Projetos por funcionário 4.2 Rede de coparticipação de funcionários em Projetos A rede de coparticipação de funcionários em Projetos foi obtida como desmembramento da rede bimodal. Nesta rede os vértices são os funcionários, os quais são ligados de acordo com a participação em projetos comuns com outros funcionários. Foi extraída dessa rede uma partição onde foram filtrados os funcionários que participam de pelo menos cinco projetos em comum. Sendo assim, as pessoas que possuíam coparticipação em projetos com quatro ou menos funcionários foram removidas, a fim de permanecerem apenas os atores mais conectados. Se A e B estão ligados e o valor da aresta é seis, isso significa que A e B trabalharam em seis projetos em comum. Na Figura 2 é possível observar a rede de coparticipação de funcionários. 7

8 Figura 2 Rede de coparticipação de funcionários em projetos A partir da análise visual da rede da Figura 2 pode-se concluir que existe um vértice que funciona como um ponto de articulação. Esse ator é o que possui participação em projetos com mais pessoas, apresentando o maior grau da rede. Ele é também o ator que participou de mais projetos: 22 dos 25 levantados. Notoriamente ele é o elemento mais central na rede. A maioria dos vértices que aparecem na partição após o filtro feito representam funcionários com cargos de chefia, que também funcionam como pontos de articulação. Outra análise que pode ser retirada é a percepção de que os elementos da parte superior da rede estão bastante conectados entre si, mostrando que há uma tendência de certas pessoas participando nos mesmos projetos. Já o grupo na parte inferior está mais fracamente interligado. Nenhum membro de um dos grupos trabalhou em projetos comuns com algum membro do outro grupo. Se desconsiderarmos o ponto de articulação no centro da Figura 2 haveria duas componentes sem conexão. 4.3 Rede de Projetos com participantes em comum Uma terceira rede, a rede de projetos, como já mencionado, foi obtida através da primeira rede bimodal de funcionários por projeto. Nesta rede, um vértice possui ligação com outro se estes projetos compartilharam ao menos um funcionário. Dessa forma, o número na ligação entre dois vértices representa a quantidade de funcionários que estes projetos compartilharam. Porém, para facilitar a análise, essa rede foi particionada nos projetos que possuíam mais de 20 funcionários compartilhados, criando, assim, uma nova rede que pode ser visualizada na Figura 3. 8

9 Figura 3 Rede de Projetos Como se pode observar na Figura 3, alguns projetos compartilharam um número muito maior de funcionários, o que nos indica que estes projetos são mais complexos e foram desenvolvidos por mais tempo. Outro indício que se pode obter a partir desta rede, é que alguns projetos (os mais centrais, como L, N e O) tendem a possuir semelhanças de escopo, possuindo muitas pessoas compartilhadas, enquanto os demais tendem a ser mais específicos. 5. Mapeamento e análise das redes de informação, conhecimento e confiança As redes aqui encontradas foram obtidas a partir do questionário aplicado aos funcionários da empresa. Foram criadas algumas redes para a realização do mapeamento das Redes de Informação, Conhecimento e Confiança, conforme proposta deste trabalho. 5.1 Rede de Informação A primeira questão do questionário contido no Apêndice A deste trabalho solicita que o funcionário identifique com que freqüência ele se comunica com os demais para falar de assuntos relacionados ao trabalho e a atividades realizadas. O objetivo é identificar como se apresenta o fluxo de informação entre os funcionários, que pode ser visualizado através da rede a seguir. 9

10 Figura 4 Rede de Informação Analisando a rede de informação acima, pode-se observar que ela é bastante conectada, o que significa que o fluxo de informação entre os funcionários é bem denso. Esse resultado é positivo, pois é desejável que haja uma comunicação intensa entre elementos de uma mesma equipe, e destes com equipes adjacentes que trabalhem em conjunto. Na Tabela a seguir foram selecionados os cinco funcionários com maiores valores de Proximidade de Prestígio e Grau de Input, uma vez que os mesmos cinco vértices aparecem no topo da lista classificando por um ou outro critério. Vértice Proximidade de Prestígio Grau de Input 27 0, , , , ,89 46 Tabela 4 Principais atores da Rede de Informação 10

11 Dentre os cinco principais funcionários da Rede de Informação estão contidos o gerente das equipes na primeira posição (com 50 indicações dos 53 questionários aplicados), o PMO (Project Management Officer), - cargo representado pelo engenheiro que assessora a gerência um líder de equipe, um Engenheiro e um Estagiário. O Engenheiro e o Estagiário, únicos atores que figuram entre os principais nesta rede de informação que não ocupam um cargo de gestão, são bastante procurados pelos outros funcionários para falar de assuntos relacionados ao trabalho e a atividades realizadas, possuindo destaque nesta análise. O fato se justifica, pois ambos estão na equipe desde o início do projeto atual, sendo fontes de informações diversas, além de possuírem um relacionamento proativo com os demais funcionários. 5.1 Rede de Confiança na solicitação de informações Esta rede objetiva a identificação das pessoas que o funcionário recorre para ajudar a pensar na resolução de novos problemas e/ou desafios no trabalho. Desta forma, o funcionário indica quais pessoas ele deposita um maior nível de confiança ao solicitar informações. A rede de confiança na solicitação de informações é aquela cujo referencial é alguém que pode prover conhecimento e experiência em determinada situação de necessidade para a execução de suas atividades de trabalho. A partir das respostas obtidas foi possível a montagem da rede de confiança ao solicitar Informações, desenhada na figura a seguir. Figura 5 Rede de Confiança na solicitação de informações 11

12 Estão listados na tabela abaixo os cinco funcionários com maiores valores de Proximidade de Prestígio e Grau de Input. Vértice Proximidade de Prestígio Grau de Input 27 0, , , , ,57 21 Tabela 5 Principais atores da Rede de Confiança Solicitação de Informações O funcionário com maiores valores de Proximidade de Prestígio e Grau de Input é o gerente das equipes. As outras quatro posições são ocupadas por um líder de equipe e três consultores. Teórica e intrinsecamente gestores são fontes confiáveis de informação, sendo referências incontestáveis no que diz respeito suas áreas de atuação. Sendo assim, é coerente que eles sejam apontados como referências confiáveis no que diz respeito à solicitação de informações. Eles são capazes de resolver com qualidade e acurácia problemas de extrema complexidade técnica e de auxiliar em praticamente qualquer situação. Analisando esses resultados pode-se de dizer que existe coerência, pois é esperado que pessoas com cargos de gerência, líderes de equipes e consultores sejam pessoas confiáveis na solicitação de informações. 5.2 Rede de Inovação Na questão de Inovação contida no Questionário, procuramos encontrar os atores principais, que representam pontos de referência quanto ao assunto tratado. O funcionário deveria indicar pessoas com as quais trabalha e às quais recorre para discutir uma idéia inovadora. Nesta rede, o objetivo é dar continuidade ao mapeamento de Redes de Conhecimento, conforme demonstrado na figura a seguir. 12

13 Figura 6 - Rede de Conhecimento em Inovação Além da rede encontrada, também foram obtidos dados de Grau de Input e valores de Proximidade de Prestígio para cada funcionário. Vértice Proximidade de Prestígio Grau de Input 27 0, , , , ,50 12 Tabela 6 Principais atores da Rede de Conhecimento em Inovação Na Tabela anterior, foram selecionados os cinco funcionários com maior valor de Proximidade de Prestígio, que também apresentam elevados Graus de Input. Consultando as informações pessoais preenchidas nos questionários individuais, podemos concluir que todos eles possuem cargos de chefia e confiança dentro da Organização. Pela Inovação se tratar de um tema que demanda elevado nível de conhecimento, acaba por requisitar também uma experiência e técnica maior, que condiz, geralmente, com as características encontradas em cargos mais altos, como gerentes, líderes e consultores. 13

14 Esta mesma informação foi observada anteriormente ao analisar as redes de coparticipação de projetos. Estes atores principais são notoriamente agentes que exercem grande influência sobre os demais atores no que diz respeito à Conhecimento, conforme se pode perceber pelos valores obtidos para Proximidade de Prestígio. 5.3 Interesses Pessoais Nesta questão, o objetivo foi fugir um pouco dos padrões de trabalho. Quando questionadas, as pessoas deveriam citar outras pessoais nas quais confiariam seus maiores interesses. Por se tratar de um questionamento mais pessoal do que técnico, a rede encontrada se difere um pouco das demais, conforme demonstra a figura a seguir Figura 7 Rede de Confiança em Interesses Pessoais Vértice Proximidade de Prestígio Grau de Input 27 0, , , , , ,31 4 Tabela 7 Principais atores da Rede de Confiança em Interesses Pessoais A Tabela anterior expõe os seis funcionários que possuem maior influência sobre os demais, conforme mostram seus valores de Proximidade de Prestígio. Porém, já nesta tabela pode-se perceber a diferença entre esta e as demais redes, pois esses valores já não são mais tão elevados quanto os encontrados nas questões anteriores. 14

15 Para embasar ainda melhor essa informação, a tabela a seguir foi criada com os maiores Graus de Input individuais. Nela se pode observar o aparecimento de novos vértices, que correspondem a funcionários que não possuem cargos de chefia. Vértice Proximidade de Prestígio Grau de Input 27 0, , , , , ,16 8 Tabela 8 Principais atores da Rede de Confiança Graus de Input Isto ocorre devido às necessidades inerentes ao assunto abordado nesta questão. Neste caso, para inspirar confiança pura, não é necessária técnica e experiência. As propriedades aqui requisitadas dependem muito mais das características próprias e até pessoais de cada indivíduo do que sua experiência. Por isso, foram encontrados ocupando posições de destaque no Grau de Input e até mesmo na Proximidade de Prestígio, além dos funcionários mais altos hierarquicamente, alguns outros como Estagiários e Engenheiros Júnior. 6 Conclusões A partir dos dados históricos de participação de funcionários em projetos anteriores levantados na empresa estudada, foi possível a geração de três redes. Foram identificados atores centrais que, em sua grande maioria, ocupam cargos de gerência ou de chefia na empresa. Foi identificado um ponto de articulação principal que conecta duas componentes na rede de funcionários. Sem esse ponto as duas componentes estariam isoladas uma da outra. Isso comprova a existência de poucos núcleos bem marcados, onde determinadas pessoas costumam trabalhar sempre em projetos comuns, de acordo com o que foi visualizado na rede. A partir das análises das redes geradas, percebe- se que, na maioria das vezes, os gestores e líderes representam pontos centrais que exercem grande influência sobre a equipe. Porém, em determinados casos, principalmente no que diz respeito à Confiança, encontra- se também outros funcionários influentes. Isto ocorre principalmente porque, em temas relacionados à técnica, como ocorre principalmente em redes de Conhecimento e de Informação, a grande maioria dos funcionários tende a ter como exemplo seus chefes, por eles serem mais experientes em projetos e inspirar maior credibilidade. Em contrapartida, quando o questionamento é acerca da Confiança que cada um deposita em seus parceiros de trabalho, outros cargos tendem a possuir também maior visibilidade. Quando o tema está mais relacionado a questões pessoais, não só os gestores são indicados, mas também, e em alguns casos principalmente, funcionários que ocupam cargos mais simples aparecem como fontes de inspiração de confiança. 15

16 Isto também foi abordado anteriormente por Erhardt (2011) em seu artigo, em que ele expõe que, na maior parte da literatura encontrada acerca deste tema, os autores afirmam que os membros de status mais elevados tendem a dominar os ambientes de trabalho, exercendo maior influência sobre os demais membros da equipe e diminuindo o espaço para exposição de opinião dos mesmos. Porém, a interdependência entre os membros das equipes tende a diminuir essa diferenciação, pois cada indivíduo possui características e qualificações que contribuem com o desempenho da equipe. Com a análise destas redes, foi possível maior entendimento acerca do comportamento e das relações dos funcionários em uma equipe de projetos. Desta forma, foi facilitada a compreensão dos pontos chaves de cada uma das redes Informação, Conhecimento e Confiança para, assim, verificar os atores de maior influência nestes temas e o motivo. Referências AZEVEDO, T. B.; RODRIGUES, DR. M. V. R. Softwares para Análise de Redes Sociais ARS. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 6., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, p. 19. CURY, A.. Organização e Métodos: Uma Visão Holística. Editora Atlas, ERHARDT, N. Is it all about teamwork? Understanding processes in team-based knowledge work. Management Learning, United States of America, v. 42, p , GALBRAITH, J. R.; DOWNEY, D.; KATES, A. Designing Dynamic Organizations: A hands-on Guide for Leaders at all levels. New York, OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas, organização & métodos: uma abordagem gerencial. 13. Ed. São Paulo: Atlas, LERNER, R. M. Concepts and Theories of Human Development. 3. Ed. New Jersey, MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, NOOY, W.; MRVAR, A.; BATAGELJ, V. Exploratory Social Network Analysis with Pajek. New York: Cambridge University Press, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK. 3. Ed. Pennsylvania, RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Meridional, WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social Network Analysis: Methods and Applcations. New York: Cambridge University Press,

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Partições. Importador. Exportador

Partições. Importador. Exportador HO-450 Verão 2013: Pajek Material baseado nos capítulos 2, 3 e 6 do livro ESNA, 2011. Nooy, Mrvar & Batagelj, Ed. Cambridge, como material auxiliar na disciplina do curso de verão HO-450, ministrada em

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS DÉBORA ZANINI Data Intelligence Ciências Sociais UNICAMP JOÃO PAULO BELUCCI Social Intelligence Midialogia UNICAMP OBJETIVOS DA OFICINA Compreender conceitos básicos

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior Universidade de Brasilia - UnB Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método Prof: Edgar Reyes Junior edreyes@unb.br Ementa Conceitos, teóricos e teorías; Principais medidas de redes sociais; Exemplos de

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software!

1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software! 1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software! Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! Dr. Manoel Veras 28.09 Jornada Goiana de

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Unidade I GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade I GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade I GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Estrutura organizacional Estrutura organizacional é o conjunto ordenado de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

update MARKETING UD09001-MARKETING EMPRESARIAL Por Paulo Vieira de Castro

update MARKETING UD09001-MARKETING EMPRESARIAL Por Paulo Vieira de Castro - EMPRESARIAL A NOVA GESTÃO DA INFLUÊNCIA Com a ascensão dos poderes informais na sociedade contemporânea, a engenharia relacional passa a ocupar lugar de destaque nas organizações para reverter seu déficit

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Esta metodologia tem como objetivo definir o tamanho mínimo ideal da amostra, garantindo a representatividade da população de chamadas em um

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

Trabalho em Equipa e Liderança

Trabalho em Equipa e Liderança Trabalho em Equipa e Liderança Luis M. Correia 1 Equipas em Engenharia A maioria das tarefas em Engenharia está organizada em Equipas, que são constituídas para a realização de Projectos. As Equipas são

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

Gerentes de projetos e gerentes

Gerentes de projetos e gerentes Biblioteca Virtual PMI 2010 Jarno Marchetto O duplo papel do Gerente de Projeto/Gerente Funcional: Funciona? Por Jarno Marchetto, MSc, PMP Resumo Em uma ampla gama de organizações, uma pessoa pode ser

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos Parte 08 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE ISSN 1984-9354 UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Juliana Maria de Sousa Costa (CEFET/RJ) Patrícia Mattos Teixeira (CEFET/RJ) Rafael Garcia Barbastefano

Leia mais

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006 MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF fevereiro 2006 ESPAÇO OCUPACIONAL NA ORGANIZAÇÃO Necessidades da Organização Competências Individuais

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Técnicas e Ferramentas de Mercado O termo risco é proveniente da palavra risicu ou riscu, em latim, que significa ousar (to dare, em inglês). Costuma-se entender risco como possibilidade

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus

VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Identificação das técnicas utilizadas nos processos de recrutamento e seleção em uma empresa do setor de agronegócios em Bambuí-MG Marcelo Henrique Gomes COUTO¹; Amanda Cristina de CASTRO²; Flávia Luzia

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT Mestrando CARLOS C. MASCARENHAS - PG Mestrando ANTONIO RAMALHO DE S. CARVALHO - PG Orientadora Profa. Dra. GLADIS CAMARINI mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução. MINUTA Histograma do 1o Sorteio da NF Salvador xxx/2014. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador

Conteúdo. 1 Introdução. MINUTA Histograma do 1o Sorteio da NF Salvador xxx/2014. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador Relatório parcial contendo resultados 1 da análise estatística dos bilhetes premiados Conteúdo 1 Introdução O software de Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal

Leia mais

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Qual o gestor, que ainda não tenha se perguntado qual seria o sistema de gestão mais inteligente para buscar o resultado esperado? Alguns gestores

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

O Manual Tático do Marketing de Conteúdo

O Manual Tático do Marketing de Conteúdo O Manual Tático do Marketing de Conteúdo Um guia prático de como montar e executar uma estratégia de sucesso 2 ÍNDICE >> Como usar esse manual 3 >> A fundação de sua estratégia 5 >> Produção de Conteúdo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

EAD 615 Gerenciamento de Projetos. Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO

EAD 615 Gerenciamento de Projetos. Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO EAD 615 Gerenciamento de Projetos Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO Professores: Prof. Dr. Antonio C. Amaru Maximiano Prof. Dr. Roberto Sbragia Colaboradores: Benedito

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Darci Prado O modelo Prado-MMGP (Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos) foi lançado em dezembro de 2002 e reflete a experiência com o tema, de mais de quarenta

Leia mais