MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços"

Transcrição

1 MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços Verificação de Aprendizado Professor - Claudio Anselmo Moreto Grupo de Trabalho: Ivan Augusto Cesar Almeida João Rodrigo Calantone Monteiro de Assis Deborah Pereira da Silva Diego Guediguian Carolina Porto Frodl Kennia Gonçalves 19/03/2012

2 Este trabalho será realizado com referencia em um processo de contratação de serviços da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). Institucional: Perfil Corporativo e Estratégia A Companhia Siderúrgica Nacional, fundada em 9 de abril de 1941, iniciou suas operações em 1º de outubro de Como primeira produtora integrada de aço plano no Brasil, a CSN é um marco no processo brasileiro de industrialização Privatizada em 1993, e após sete décadas de atividade, continua a fazer história. Empresa de capital aberto, com ações negociadas nas Bolsas de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA) e de Nova Iorque (NYSE), a CSN é um dos maiores e mais competitivos complexos siderúrgicos integrados do mundo. Com capacidade de produção anual de 5,6 milhões de toneladas de aço bruto e mais de dezenove mil colaboradores, a CSN concentra suas atividades em siderurgia, mineração, cimento, logística e energia. Oferece uma das mais completas linhas de aços planos do continente, de alto valor agregado. A estratégia integrada e alinhada ao negócio principal assegura posição de destaque no setor siderúrgico brasileiro. A aquisição dos ativos da Heartland Steel, constituindo a CSN LLC, nos Estados Unidos, em 2001, marcou o início do processo de internacionalização da CSN. Atualmente, entre seus ativos, a empresa conta com uma usina siderúrgica integrada, seis unidades industriais, sendo duas delas no exterior (Estados Unidos e Portugal), uma distribuidora de aços planos, minas de minério de ferro, calcário e dolomita, terminais portuários, participações em estradas de ferro e em duas usinas hidrelétricas. Com uma gestão firme e inovadora, a empresa acredita na força empreendedora do capital nacional e no enorme potencial brasileiro de competitividade no setor siderúrgico. O aço da CSN está presente em diversos segmentos, entre os quais se destacam o Automotivo, Construção Civil, Embalagens, Linha Branca e OEM, fornecidos para clientes no Brasil e no Exterior.

3 MAPA ATUAL: Atualmente, o processo de contratação de serviços da empresa CSN, possui um fluxograma de processo definido de maneira a valorizar a parte burocrática e contratos alinhados com normas e regulamentos para este fim, deixando alguns fatores importantes de mercado. O processo de compra de serviços da empresa CSN hoje é representado pelo fluxograma abaixo: Fluxograma de Processo de Contratação de Serviços da Empresa CSN.

4 Pontos fortes do Processo atual: 1) Os pré-requisitos da CSN para seleção de fornecedores, obriga os mesmos a estarem regulares com as exigências legais; 2) A representatividade da empresa (CSN) no mercado atrai o interesse dos fornecedores; 3) Negociação através do custo aberto, realizada através da ferramenta (planilha de composição de custos); 4) Fornecedores com contrato em andamento na CSN, se estiverem com alguma pendência de documentos, deverá regularizar para então ser classificado em um novo Com o processo acima, toda a parte de cadastro e documentação dos concorrentes é garantida antes da efetiva contratação do serviço, todos os requisitos legais necessários e demais formalizações são realizadas de maneira a garantir que tudo esteja de acordo no momento de finalizar a contratação. Este é o processo atual de contratação de serviços da empresa CSN, mas a seguir iremos efetuar uma analise critica deste processo e apresentar um projeto de melhoria para a empresa de maneira a melhorar este processo de contratação de serviços.

5 MAPA FUTURO: Com base nos conhecimentos adquiridos durante as aulas de Sistemas de Produção e realizando uma analise critica do processo acima apresentado, alguns pontos de melhoria e controle foram sugeridos para o processo deixando mais robusto e confiável. O processo acima não contempla em momento algum prazo ou períodos para nenhuma das etapas de negociação ou seleção, deixando todo o processo em aberto por tempo indeterminado conforme destacado. Em momento algum ao longo do processo são estabelecidos prazos e/ou deixa-se claro que tem-se um prazo a cumprir, deixando por parte do interessado e/ou departamento cobrar e acompanhar o processo conforme sua necessidade ou disponibilidade do dia a dia.

6 Seleção & Avaliação de Fornecedores Sugestão de melhoria no processo: Gestão da Contratação Programa CSN de Gestão de Contratos SELEÇÃO DE FORNECEDORES Gestão de Contratos AN Suprimentos Gestores de Contratos Necessidade de Contratação Disponi biliza RC no SAP Orçamentação e Licitação Selecionar Fornecedores no Mercado Utilizar critérios de Análise de Fornecedores p/ aprovação de fornecedores selecionados Negociação Estabelecer e Seleção Prazo nesta etapa de N Fornecedores Ok? S Incluir Fornecedor na folha de Aprovação de Delineamento Formalização da Contratação Redigir e enviar minuta contratual para fornecedor Discussão da minuta entre CSN e Fornecedor Execução Medição Encerramento N Estabelecer Prazo nesta etapa de Fornecedor Aceita Visita Técnica? S Fornecedor Realiza Visita Técnica Recebe Laudo Técnico do Contraparte definindo quais fornecedores estão aptos a atender a Companhia S Necessidade De Visita Técnica? N Receber Proposta Técnica/Comercial Equalizar e negociar propostas Estabelecer Prazo nesta etapa de Enviar para fornecedores aprovados Carta Convite Enviar proposta técnica para contraparte avaliar tecnicamente Submeter a folha de negociação para aprovação DJUR chancela a minuta Enviar contrato para fornecedor assinar Receber contrato assinado pelo fornecedor Criar pedido de compra no sistema vinculado a RC Comunicar contraparte e fornecedor sobre aprovação do pedido Avaliação da Contratada Estabelecer Prazo nesta etapa de Sugestões no processo de negociação onde prazos podem ser estabelecidos. Analise das sugestões propostas: Processo a ter prazo estabelecido: Enviar para fornecedores aprovados Carta Convite Porque: O estabelecimento de prazo para envio e retorno de Carta Convite deixa o solicitante e o solicitado cientes de que existe um tempo proposto e que o não cumprimento deste prazo acarreta um "penalty" para as partes. Benefícios: Com o estabelecimento de prazos, o departamento que solicitou a compra do serviço terá um feedback de quando o mesmo estará disponível para seu departamento.

7 O serviço do departamento de compras passa a ser melhor controlado visto que a realização de Follow-up de solicitações abertas garante que todos as solicitações sejam atendidas de maneira eficiente e coerente não adiantando e/ou atrasando nenhum processo solicitado com um prazo previamente estabelecidos. Processo a ter prazo estabelecido: Receber Proposta Técnica/Comercial Porque: Ao estabelecer o prazo para receber a proposta técnica do fornecedor, fica estabelecido um compromisso entre fornecedor/cliente demonstrando que existe interesse entre as partes e de que o processo possui coerência e de que o não cumprimento pode deixá-lo de fora do processo de seleção o que pode comprometer um eventual contrato futuro. Benefícios: Com isso o departamento de compras passa a ter um período de recebimento de informação o que torna o serviço do departamento mais organizado e padronizado. O departamento solicitante pode acompanhar o andamento do processo e ter feedback do andamento da negociação. Processo a ter prazo estabelecido: Enviar proposta técnica para contraparte avaliar tecnicamente Porque: Ao estabelecer um prazo o fornecedor pode saber quando a reposta de sua proposta técnica será fornecida, deixando-o ciente de que uma resposta lhe será dada sendo ela a aprovação ou declínio de sua proposta o que deixa o processo mais seguro para ambos.

8 Benefícios: O departamento de compras pode juntamente ao solicitante ter uma melhor analise das propostas técnicas enviadas e fornecedor ao solicitante da compra poder de escolha e participação no processo, padronizando e organizando o Com este processo com prazo estabelecido o solicitante sabe quando tempo ainda terá ate ter sua solicitação atendida. Processo a ter prazo estabelecido: Submeter a folha de negociação para aprovação Porque: Ao ter o prazo estabelecido nesta etapa do processo, o prestador de serviço que teve sua proposta técnica aprovada passa a ter um prazo de quando ira começar a prestar o serviço. Benefícios: Com este processo o fornecedor pode se preparar para atender os serviços contratados tomando as devidas providencias necessárias para elaboração do serviço. O contratante saberá quando terá o inicio das atividades solicitadas. Com as melhorias propostas no processo de compras de serviço da empresa CSN, pretende-se estabelecer um melhor fluxo do processo, pois o tempo requerido entre a solicitação e o inicio da prestação do serviço passa a ser mensurável, e os departamentos passam a ter uma data de quando terão as suas solicitações atendidas o que deixa o processo mais transparente e padronizado.

9 Pontos fortes deste projeto: continua. Processo padronizado. Estabelecimento de métricas mensuráveis. Visualização das etapas do Comprometimento de todos os envolvidos. Possibilidade de aplicação do ciclo PDCA para melhoria Comentário: Para efetivação deste projeto, se faz necessário um plano de ação para colocar cada uma das necessidades de implantação do processo, bem como para estabelecer prazos e como estes processos serão medidos junto com fornecedores e departamentos envolvidos atualmente e posterior aplicação e acompanhamento, visto que o processo atual não contempla este procedimento e não teríamos dados para estabelecer uma meta para que as melhorias propostas possam atingi-las. Referencia:

Implantando o SISCOSERV na CSN

Implantando o SISCOSERV na CSN Implantando o SISCOSERV na CSN Competitividade mundial A CSN cresce e prospera graças a um modelo de produção totalmente integrado e à diversificação de suas atividades. A presença em em toda a cadeia

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001. Atividade Autoridade Responsabilidade

IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001. Atividade Autoridade Responsabilidade IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001 1 OBJETIVO Estabelecer as orientações e procedimentos para prestar o atendimento ao cliente que procura algum dos serviços ou produtos que compõe o portfólio e/ou o atendimento

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE GESTÃO DE CONTRATOS 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2 - VISÃO

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados As informações contidas neste documento são proprietárias e para uso confidencial dos destinatários explicitados. Propriedade

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional,

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

CADASTRO CORPORATIVO DE FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS DA PETROBRAS

CADASTRO CORPORATIVO DE FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS DA PETROBRAS CADASTRO CORPORATIVO DE FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS DA PETROBRAS Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos.

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. 1. OBJETIVO Este documento tem a finalidade de estabelecer diretrizes para a aquisição de bens e serviços nas empresas

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Manual de regras do Programa de valorização de boas idéias

Manual de regras do Programa de valorização de boas idéias GLOBAL SERVIÇOS E ASSISTÊNCIA 24H NO AR Manual de regras do Programa de valorização de boas idéias Versão 1.0 25/02/2011 Ano 2011 RESUMO Este documento tem como objetivo esclarecer as regras e os critérios

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 FAQ 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 1. Edital SENAI e SESI 1.1 O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? O Edital é uma iniciativa do SENAI e do SESI que visa despertar a cultura da inovação na

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO EMAIL: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO Q1 (0,5) Q2 (0,5) Q3 (1,0) Q4 (1,0) Q5 (1,0) TOTAL (10,0) Q6 (1,0) Q7 (2,0) Q8 (1,0) Q9 (1,0) Q10

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Objetivos do Cadastro de Fornecedores Legal: atender o decreto 2745 e preservar a Cia. em questões relacionadas ao mercado fornecedor; Empresarial:

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1

2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1 2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1 2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 2 COLABORADORES: Profa. Dra. Katia Cruzes Jorge Luiz Camaforto

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança Manual de Compras Hospital Estadual da Criança 2015 1 1- OBJETIVO Definir diretrizes e procedimentos para as compras de materiais e contratação de serviços, visando: A) Diminuição de custos; B) Racionalização

Leia mais

Contas a Pagar - Política de Pagamentos a Fornecedores

Contas a Pagar - Política de Pagamentos a Fornecedores Contas a Pagar - Política de Pagamentos a Fornecedores Setembro / 2013 Bem vindo ao sistema de consultas de pagamentos da TOTVS S/A. Aqui você encontrará informações sobre condições de pagamentos, bem

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente.

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Ajuste do Plano de Trabalho, Termo

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Como Elaborar uma RFP

Como Elaborar uma RFP Como Elaborar uma RFP Eduardo Mayer Fagundes Engenheiro eletricista, especialista em telecomunicações, mestre em Ciência da Computação. Extensão universitária em Darden School of Business na Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 03-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 30/05/11 Emissão de procedimento. Katty Cavalcanti Separação entre avaliação e 01 08/11/11 seleção

Leia mais

Eventos Anulação e Retificação

Eventos Anulação e Retificação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Eventos Anulação e Retificação

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA KAIRÓS. Guia do bolsista

PROGRAMA KAIRÓS. Guia do bolsista PROGRAMA KAIRÓS Guia do bolsista 1 PROGRAMA KAIRÓS Bolsa-Oportunidade - Guia do bolsista O que é a Bolsa-Oportunidade? É um auxílio financeiro de R$ 622,00 (seiscentos e vinte e dois reais) mensais, com

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Educa Mais Brasil REGULAMENTO

Educa Mais Brasil REGULAMENTO Educa Mais Brasil REGULAMENTO 2015 Regulamento do Programa EDUCA MAIS BRASIL I DO PROGRAMA Art. 1.º - O Programa EDUCA MAIS BRASIL é um programa de INCLUSÃO EDUCACIONAL e tem por objetivos: I estimular

Leia mais

Manual para Transportadoras

Manual para Transportadoras Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Compras... 4 5 Acessando o Pedido... 5 6 Digitando o Espelho de Nota Fiscal... 7 6.1

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. IDENTIFICAÇÃO Coordenação: Profª. Ingrid Eleonora Schreiber Jansch Pôrto Centro de Empreendimentos em Informática da

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127. REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.926/0002-42 DATA DA IMPLANTAÇÃO 26/01/2013 Nº DE REVISÃO DATA DA ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Agenda 1 Objetivos 2 Metodologia 3 4 Avaliação Dicas gerais 5 Conteúdo Projetos e Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO BOLETIM

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Seminário Regional 2010. São Paulo, Brasil

Seminário Regional 2010. São Paulo, Brasil Seminário Regional 2010 São Paulo, Brasil Date : 27 e 28/10/2010 Presentation Title : O Cenário Industrial de Negócios da CSN em expansão, utilizando ferramentas da OSIsoft Speaker Name : Resilene Mansur,

Leia mais

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná (IFPR),

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação?

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 1) O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 3) Qual é a vantagem para um Departamento Regional participar do Edital de Inovação?

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR Projeto Básico da Contratação de Serviços: Contratação de empresa para prestação de serviços de consultoria, análise e mapeamento em gestão comercial para a Gramadotur. Dos Fatos:

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 Instituto Marca de Desenvolvimento Socioambiental - IMADESA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 >> Leia com atenção o Edital antes de preencher o formulário para apresentação de projetos. I.

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Fundada em 1941, pelo então Presidente Getúlio Vargas, a CSN Companhia Siderúrgica Nacional está em operação há mais de sete décadas.

Fundada em 1941, pelo então Presidente Getúlio Vargas, a CSN Companhia Siderúrgica Nacional está em operação há mais de sete décadas. Abril de 2013 Fundada em 1941, pelo então Presidente Getúlio Vargas, a CSN Companhia Siderúrgica Nacional está em operação há mais de sete décadas. A empresa sempre exerceu papel fundamental para o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br.

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br. 1. OBJETIVO O SENAI CETIQT está comprometido em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 2/14 SUMÁRIO 1. RESUMO DO PROCESSO... 3 2. FLUXOGRAMA... 4 3. OBJETIVO... 5 4. APLICAÇÃO...

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Continuando a série 100 motivo para implantar um CRM, veremos agora motivos referentes a BackOffice de CRM. Se você não tem a primeira parte da nossa apresentação, com os primeiros 15 motivos para implantar

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CHAMADA INTERNA PRPPG 01/2015 SELEÇÃO DE SUB-PROJETOS PARA COMPOR A PROPOSTA UNILA PARA A CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 02/2014 EQUIPAMENTOS MULTIUSUÁRIOS 1. Público Alvo Grupo de pesquisadores

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME

REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME 1. O PRÊMIO O Prêmio ESTADÃO PME é uma iniciativa pioneira e única do Grupo Estado e tem como objetivos valorizar as melhores histórias de pequenas e médias empresas e estimular

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR Materiais Indiretos e Prestação de Serviços Março, 2009 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - Objetivos... 3 3 - Interação entre a Sadia e o Fornecedor... 3 4 - Orientações Gerais...

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE

Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE Histórico do Documento Tipo de Norma: Manual Operacional Número: 19 Departamento Responsável:

Leia mais

COMO SER FORNECEDOR PETROBRAS. Clovis Francisco de Paula Filho André Costa Reis

COMO SER FORNECEDOR PETROBRAS. Clovis Francisco de Paula Filho André Costa Reis COMO SER FORNECEDOR PETROBRAS Clovis Francisco de Paula Filho André Costa Reis GERÊNCIA - MATERIAIS/CDBS Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI Estudo de Caso da Mirante Informática Ltda Sumário 1. A Mirante & O Programa de Qualidade CMMI-N2 3. Medição e Análise da Estratégia Organizacional

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

1 Orientações 1.1 Inscrições: As inscrições poderão ser realizadas até 13 de fevereiro de 2015.

1 Orientações 1.1 Inscrições: As inscrições poderão ser realizadas até 13 de fevereiro de 2015. UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA UNISC DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL 2/2015 - PUIC Inovação Tecnológica A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio da Escola de Negócios, torna pública a abertura

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA

LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA Senhores Acionistas, Apresentamos, a seguir, a proposta da administração acerca das matérias constantes da ordem do

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE CRÍTICA DO SGQ

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE CRÍTICA DO SGQ 01/08 1. RESULTADOS DAS AUDITORIAS 1.1 AUDITORIA INTERNA PARCIAL 19, 24 e 28/01/2011 Não conformidades encontradas: Obra: BARRA BUSINESS CENTER: - Evidência: Não foi apresentada a LPT referente ao treinameto

Leia mais

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam fornecer uma visão geral do processo empregado para se administrar a aquisição, no mercado, dos produtos necessários

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 13 /PRPPGI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: MAIO A NOVEMBRO DE 2015. A Reitora

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais