Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista."

Transcrição

1 Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) Rodrigo Perez Guerra (OPET) Mari Regina Anastácio (PUCPR) Resumo O propósito deste artigo é apresentar uma simulação do que ocorre na prática supermercadista quando da negociação com fornecedores, considerando-se as suas dificuldades referentes aos custos operacionais para atender a necessidade de reposição dos supermercados nos níveis de serviços desejados. No atual momento vivido pelas organizações supermercadistas, a gestão financeira está mais voltada ao custo dos estoques, como não poderia deixar de ser. Todavia, verifica-se na prática a necessidade de uma maior atenção aos custos logísticos para ao atendimento dos pedidos que englobam o custo de transporte mais o custo de operações para o fornecedor. Devido à amplitude da quantidade de itens comercializados pelos varejistas e a grande quantidade de fornecedores que operam com este canal de distribuição, o trabalho será limitado a uma única empresa e a dois produtos. Para a consolidação deste trabalho, fez-se necessário levantar dados junto a uma empresa fornecedora sobre os seus custos para atendimento de um pedido de supermercadista. Palavras chaves: Fornecedor, Custos operacionais, Rentabilidade. 1. Introdução Toda a filosofia de reposição automática, Just in Time (ressuprimento enxuto), o Supply Chain Management (gerenciamento da cadeia de suprimentos), entre outros, apontaram para haver ganhos significativos com a redução de estoques, colaborando desta forma, com um melhor fluxo financeiro, visto que a reposição passou a ser mais fracionada, o que possibilitava inclusive, o escalonamento do pagamento dos produtos. Este modelo de gerenciamento da cadeia de abastecimento de mercadorias, em que o processo das informações é realizado via de sistemas informatizados, caso sejam aplicados, sem a devida análise em razão dos custos de armazenagem, movimentação e transportes pode trazer alguns prejuízos na gestão de fluxo de mercadorias na cadeia de suprimentos. Na cadeia de suprimentos das industrias, os objetivos propostos com a implantação dos sistemas de reposição de estoques contribuiu significativamente para reduzir o valor em estoque de produtos. Ao adaptar este modelo industrial para a cadeia de abastecimento do varejo supermercadista, fez-se necessário um ajustamento para atender ao fluxo de mercadorias, como também houve uma redução nos valores de estoque nos supermercados. Mesmo assim, em alguns dos casos, aumentaram os custos operacionais da cadeia, ou seja, houve uma transferência de valores entre a conta estoque dos supermercados que reduziu, para a conta de custos operacionais dos fornecedores, que aumentou. O fato de fazer mais pedidos físicos para reabastecer a mesma quantidade de produtos acabou gerando uma maior movimentação de mercadorias, aumentando com isto o gasto com mão-de-obra, tecnologia, manutenção de equipamentos, armazenagem, processos administrativos, além de aumentar os custos com fretes para a entrega destas mercadorias. ENEGEP 2004 ABEPRO 2115

2 O que motivou o desenvolvimento deste trabalho, foi verificar o que efetivamente ocorre na prática supermercadista quando da negociação com fornecedores, considerando-se as suas dificuldades referentes aos custos operacionais para atender a necessidade de reposição dos supermercados nos níveis de serviços desejados. Os fornecedores de supermercadistas em razão de não sobrecarregar os valores de estoque dos supermercados, geraram aumento em suas contas operacionais que afetaram a rentabilidade e o próprio nível de serviço devido ao fracionamento das entregas para os supermercados. 2. O cenário econômico brasileiro na última década A gestão administrativa das empresas brasileiras antes do plano de estabilização econômica (Plano Real) estava alicerçada em altos lucros, oriundos da pouca concorrência e a facilidade de ganhar na chamada ciranda financeira. A economia era hiperinflacionária. Neste cenário era vantajoso para os gestores de inventário (profissionais responsáveis pela gestão dos estoques físico e financeiro) trabalharem com estoques elevados, onde a valorização do mesmo se dava diariamente. Na opinião de Rojo (1998), a partir de julho de 94, a estabilidade econômica permitiu que o mercado fosse efetivamente modificado, deixando as margens de lucros reduzidas, pois não havia mais os mecanismos de correção monetária incidente no preço dos produtos e serviços. Dessa forma, as empresas foram levadas a trabalhar com margens de lucros cada vez menores, fato agravado pelo processo de globalização, onde empresas internacionais, altamente competitivas, contando com tecnologia de ponta, foram postas lado a lado com as nacionais. Para Martins & Alt (2000) através de tecnologia de informação, os componentes das cadeias de suprimento são ajustados para maximizarem o desempenho, adaptando-se as mudanças externas. Para isso, é necessário um alto grau de integração entre fornecedores, estocagem, distribuidores e clientes, o que possibilita diminuir os custos ao longo da cadeia entre 10 e 30% e o tempo médio de estocagem em cerca de 50%. Este estudo está focalizado no setor varejista verifica-se que as empresas tiveram uma rápida adaptação, uma vez que para garantir diferencial competitivo e sobrevivência, as empresas foram cada vez mais projetadas para a flexibilidade e eficiência de resposta, o que possibilitou as empresas do ramo serem competitivas, diferentemente do que acontecia na década de 1980 e início de 1990, uma vez que a gestão das empresas estava moldada ao ganho pela especulação financeira e o mais importante era a compra pelo calendário e cronograma de vencimento. Comprar antes dos aumentos de tabela de preço era lucro garantido. Diante do novo cenário econômico do Brasil, a logística passou a ser uma das áreas chaves para alavancagem de resultados positivos na rentabilidade da empresa. Para a compreensão do assunto de reposição de mercadorias na cadeia de abastecimento para os supermercadistas, os tópicos a seguir abordarão alguns pontos relevantes, quais sejam: a conceituação de logística, gerenciamento logístico, gerenciamento da cadeia de abastecimento, estratégia de parceria com os fornecedores, gestão de estoques, gestão de transportes e os custos logísticos de transporte. 3.Gerenciamento Logístico Segundo Moura (1998), a logística consiste em fazer chegar no ponto certo as quantidades de mercadorias desejadas pelo cliente, nas condições estabelecidas e pelo menor custo; a logística constitui-se num sistema global, formado pelo inter-relacionamento dos diversos segmentos ou setores que a compõem. A logística tem um amplo campo onde fazem parte também a embalagem e a armazenagem, o manuseio, a movimentação e o transporte de um modo geral, a estocagem em trânsito e todo o transporte necessário, a recepção, o ENEGEP 2004 ABEPRO 2116

3 acondicionamento e a manipulação final, isto é, até o local de utilização do produto pelo cliente. Para Ballou (2001), a missão do gerenciamento logístico é planejar e coordenar todas as atividades necessárias para alcançar níveis desejáveis dos serviços e qualidade ao custo mais baixo possível. O gerenciamento logístico está primeiramente preocupado com a otimização de fluxos dentro da organização, enquanto que o gerenciamento da cadeia de suprimentos reconhece que a integração interna por si não é suficiente, o objetivo é ligar o mercado, a rede de distribuição, o processo de fabricação e a atividade de aquisição, de tal modo que atenda os clientes com níveis cada vez mais altos, ainda assim mantendo os custos baixos. Com as mudanças no perfil dos consumidores cada vez mais exigentes, diante de um avanço das tecnologias tanto nas áreas industrias quanto comerciais, as empresas buscaram adaptar-se a esta nova realidade. Paralelamente foram desenvolvidas várias ferramentas para auxiliar os gestores organizacionais e logísticos na busca de novas técnicas para o reabastecimento das demandas. Nos últimos anos, a globalização dos mercados vem aumentando significativamente a concorrência em todos os setores empresariais, bem como, conceitos e paradigmas têm surgindo e expandindo rapidamente, como o e-business. Deste modo, surge a necessidade de implantação de métodos de gerenciamento eficazes, sendo que uma delas é o SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos). Muitas empresas implementaram uma série de práticas e conceitos eficazes da SCM. Estas práticas visam sobretudo a simplificação e obtenção das cadeias produtivas mais eficientes. Pires (1998) destaca algumas destas práticas: divisão de informações e integração da infra-estrutura com clientes e fornecedores, propiciando entregas just-in-time e redução dos níveis de estoques. A integração de sistemas computacionais e a utilização de sistemas, como o Electronic Data Interchange (EDI) e o Efficient Consumer Response (ECR), entre fornecedores, clientes e operadores logísticos podem permitir a prática, por exemplo, da reposição automática do produto na prateleira do cliente; resolução conjunta de problemas e envolvimento dos fornecedores desde os estágios iniciais do desenvolvimento de novos produtos. 3.1 Custos Logísticos Wanke (2004), destaca a importância de se considerar os demais custos logísticos, chama a atenção para o fato de que reduzir os níveis de estoque, sem uma análise preliminar sobre o grau de eficiência do transporte, da armazenagem e do processamento de pedidos, pode gerar um aumento no custo logístico total da operação. De acordo com Christopher (1998), é desejável haver uma forma de avaliar os custos logísticos. Porém, destaca que muitas companhias têm dificuldades em levantar estes custos. Isto em parte deve-se ao fato de que os sistemas convencionais de contabilidade agrupam os custos em categorias amplas e agregadas, não ponderando assim uma análise mais detalhada. Sendo que esta é necessária para a identificação dos custos verdadeiros da participação de serviço por cliente numa variedade de produtos. Ballou (2003), divide os custos totais em custos de obtenção que são os custos associados com a aquisição de mercadorias para o reabastecimento de estoque, sendo freqüentemente uma força econômica que determina as quantidades de reposição e custos de manutenção do estoque: estes custos resultam da estocagem, ou da manutenção dos produtos por um período de tempo, fazem parte destes custos, o custo de espaço, custo de capital e os custos dos serviços dos estoques. ENEGEP 2004 ABEPRO 2117

4 Segundo Ballou (1993) e Bowerson (2001) o transporte representa a maior despesa individual nas operações logísticas. Representa dois terços dos gastos logísticos. Os especialistas que trabalham com logística devem ter ótimo conhecimento sobre os transportes. Pode-se compreender que o transporte tem importante participação na migração das nações, pois contribui para: a) aumentar a competição no mercado, b) garantir a economia de escala de produção e c) reduzir preços de mercadorias. De acordo com Caixeta Filho, et al (2001), em estudos anteriores entre ao anos de 1960 e 1980 os fatores determinantes para os custos era a distância entre origem e destino. Evoluindo nos estudos na década de 1990 outras variáveis passaram a influenciar o estabelecimento de preço e frete, destacando: a) Custos operacionais: podem influenciar o valor do frete de maneira distinta em diferentes rotas. b) Carga e descarga: os transportadores tendem a acertar fretes mais baratos quanto menor for o tempo de espera. c) Prazo de entrega: o transporte eficiente deve ser capaz de respeitar prazos de entrega, com o objetivo de reduzir os custos logísticos. Simchi-Levi (2003), observa que se um caminhão estiver sempre cheio quando fizer uma entrega, o centro de operação será diluído entre o maior número possível de itens, ou seja, carregar completamente os caminhões minimiza os custos com transporte. Entretanto se a demanda é feita em quantidades menores do que uma carga de caminhão e mesmo assim é entregue a carga completa, deve-se esperar por longos períodos antes do produto ser consumido, aumentando os custos do estoque. 4. Metodologia da Pesquisa Esta pesquisa é predominantemente quantitativa, cujos dados obtidos são interpretados qualitativamente. O modo de investigação utilizado é o estudo de casos. De acordo com Gil (1991), o estudo de caso envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Sua vantagem reside no fato de que o estudo de caso, normalmente utiliza uma linguagem muito próxima da utilizada no dia-a-dia, sendo assim pode ser visto como um passo para a ação, ou seja, as suas conclusões podem ser interpretadas de forma a constituir uma base de informações para futuro aproveitamento. (Gil, 1991). O nível de análise do estudo é o organizacional. A unidade de análise é a área de logística. Devido à amplitude da quantidade de item que são comercializados pelos varejistas e a grande quantidade de fornecedores que operam com este canal de distribuição, o trabalho será limitado a uma única empresa e a dois produtos. Para a consolidação deste trabalho, faz-se necessário levantar dados junto a uma empresa fornecedora sobre os seus custos para atendimento de um pedido de supermercadista. Este levantamento possibilitou fazer uma análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Nesta pesquisa, são apresentadas quatro simulações ao todo. A primeira diz respeito ao atendimento do fornecedor ao supermercadista de um pedido de quilos de farinha de trigo a uma distância de 400 km. A segunda diz respeito ao atendimento do fornecedor ao supermercadista de um pedido de quilos de mistura para bolo doméstico a uma distância de 400 km. A terceira diz respeito ao atendimento do fornecedor ao supermercadista de um pedido de quilos de farinha de trigo a uma distância de km. A quarta diz respeito ao atendimento do fornecedor ao supermercadista de um pedido de quilos de mistura para bolo doméstico a uma distância de km. ENEGEP 2004 ABEPRO 2118

5 Foram utilizadas para coleta de dados as técnicas (ou recursos) de pesquisa documental e questionário. Os dados colhidos na presente pesquisa serão de dois tipos: primários (dados colhidos pela primeira vez pelo pesquisador) e secundários (dados disponíveis em documentos e informes diversos). Iniciou-se a pesquisa com a análise dos dados secundários, uma vez que estes serviram de subsídio para posterior acesso aos dados primários. Fontes primárias utilizadas: questionário. Fontes secundárias utilizadas: informativos, catálogos e site da empresa pesquisada. Devido à amplitude da quantidade de itens comercializados pelos varejistas e a grande quantidade de fornecedores que operam com este canal de distribuição, o trabalho será limitado a uma única empresa e a dois produtos. Para a consolidação deste trabalho, faz-se necessário levantar dados junto a uma empresa fornecedora sobre os seus custos para atendimento de um pedido de supermercadista. 5. Apresentação e análise dos dados 5.1. Caracterização da empresa estudada A empresa Alfa (será denominada desta forma em razão da empresa não permitir a divulgação de seu nome), surgiu em 1905 com a compra de um moinho de trigo, numa cidade litorânea da região sudeste. Na década de 1930, outras unidades foram construídas ou adquiridas no país, tendo filiais em diversos estados brasileiros, inclusive no Paraná. A finalidade principal da empresa é de moagem de trigo, mas também processa a farinha resultante da moagem, tanto é que em 1956 inaugurou a fábrica de mistura para bolo doméstico e em 1987 a fábrica de pré-mistura para a industria de panificação. Com a expansão da empresa, adotou-se a estratégia de especializar as unidades para a produção de algum sob produto da farinha, ou seja, uma unidade se especializou em mistura para bolo doméstico, outra em mistura pré-pronta para a industria de panificação, outra em ração animal e assim por diante. Para melhorar o atendimento dos pedidos dos clientes de outros estados, onde não havia a produção do sub-produto, a empresa ampliou os depósitos de produtos acabados e passou a armazenar e distribuir os produtos fabricados pelas outras unidades. Atualmente o grupo atua em vários setores da indústria, principalmente de alimentação, possuindo colaboradores, esta presente em 17 estados brasileiros e seu faturamento anual gira em torno de R$ 11 bilhões Análise Comparativa das simulações Foram escolhidos os produtos farinha de trigo e mistura para bolo doméstico, por se tratarem de produtos com características diferentes, principalmente quanto ao preço de venda. A farinha de trigo tem baixo preço de venda, e a mistura para bolo doméstico tem alto valor. Para facilitar o estudo, utilizou-se o critério de trabalhar com peso para os dois produtos e o referencial em quilos. A distância das entregas entre o ponto de origem e destino serão uma de curta (400 km) e outra de longa km). As simulações representam as duas distâncias, sendo que foram escolhidas para se verificar a variação no custo de transportes quando é alterado o ponto de destino, para os dois produtos farinha de trigo e mistura para bolo doméstico. Serão apresentados os custos de operação e transporte para atender os clientes em faixas de quantidade de quilos que variam de a quilos. Foi escolhida esta quantidade de variação mínima e máxima a ser transportada em um veículo com capacidade máxima para quilos. A empresa Alfa informou que os valores apresentados representam a média do período entre Janeiro 2003 a Junho de ENEGEP 2004 ABEPRO 2119

6 A análise comparativa estará baseada no gráfico 1 Percentual custo / receita da farinha de trigo para as distâncias de 400 e km e no gráfico 2 - Percentual custo / receita da mistura para bolo doméstico para as distâncias de 400 e km. O foco da análise estará na curva de custos, a mesma indicará a partir de qual quantidade em quilos o percentual fica mais próximo do índice de frete desejado. Como serão analisadas duas distâncias diferentes, onde terão duas curvas que poderão ter a mesma direção, pois a redução dos custos operacionais ocorre com o aumento dos quilos a serem entregues, porém em níveis diferentes. Para facilitar a visualização da análise dos cenários, o gráfico 1 apresentará o produto farinha de trigo e o gráfico 2 apresentará o produto mistura para bolo doméstico, sendo que o eixo X apresentará a quantidade em quilos transportada e o eixo Y apresentará o percentual de custo dividido pela receita que será chamado de índice de frete para as distâncias de 400 e km para cada um dos produtos analisados. % Custo/Receita 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Quilos 400 km km Gráfico 1: Percentual custo / receita da farinha de trigo para as distâncias de 400 e km Fonte: elaboração própria com base nos dados da empresa Alfa. Analisando a simulação 1 (farinha de trigo 400 km) e a simulação 3 (farinha de trigo km) representados no gráfico 1, nota-se que para atender o índice de frete previsto pela empresa Alfa conforme sua informação que é de 3 a 4%, a quantidade ideal a ser entregue está em pontos diferentes do gráfico. Para a distância de 400 km a quantidade ideal é de quilos que representa um índice de frete de 3,92%. Para km a quantidade ideal é de quilos que representa um índice de frete de 2,90%. % Custo/Receita 8,50% 8,00% 7,50% 7,00% 6,50% 6,00% 5,50% 5,00% 4,50% 4,00% 3,50% 3,00% 2,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% 0,00% Quilos 400 km 1200 km Gráfico 2: Percentual custo / receita da mistura para bolo doméstico para as distâncias de 400 e km Fonte: elaboração própria com base nos dados da empresa Alfa. ENEGEP 2004 ABEPRO 2120

7 Analisando o comportamento do produto mistura doméstica, produto na simulação 2, (400 km) e a simulação 4 (1.200 km) representados no gráfico 2, nota-se que para atender o índice de frete previsto pela empresa Alfa conforme informado que é de 0,6 a 0,8%, a quantidade ideal a ser entregue está em pontos diferentes do gráfico. Para a distância de 400 km a quantidade ideal é de quilos que representa um índice de frete de 0,71%. Para km a quantidade ideal é de quilos que representa um índice de frete de 0,52%. Analisando os cenários apresentados nota-se uma flutuação na localização da quantidade ideal. A simples alteração na distância entre os pontos de entregas a serem atingidos, faz com que haja um deslocamento do ponto da quantidade ideal a ser entregue. Mantendo-se constantes as informações dos custos operacionais para as quatro simulações apresentadas, tendo em vista as informações obtidas pela análise documental da empresa Alfa, pode-se verificar que a curva de custos operacionais e da relação custo/receita sofrem deslocamento para baixo conforme aumenta a quantidade de quilos. 6. Conclusão O aumento da concorrência, a busca da eficiência e rentabilidade tem obrigado as empresas a investirem em novas marcas, ampliação e ação vertical e horizontal de suas linhas de produtos, alteração de medidas, pesos e forma de suas embalagens primárias. Tudo isto para manter ou conquistar o cliente que está cada vez mais exigente, porém todas estas inovações acabam provocando uma grande mudança em todo o teatro de operação logística, ou seja, usar a criatividade e inovações tecnológicas para continuar a manter o lema, entregar o produto certo na hora certa no local certo, com o menor custo possível. As ferramentas tecnológicas para reduzir os valores em estoques alcançaram seus objetivos, além de contribuir para o aumento de níveis de serviço. No entanto os gestores de inventários, como já diz a sua própria função, ocupam-se em manter ou reduzir os estoques dentro de sua visão focada ao valor do estoque, sendo assim, acaba-se menosprezando todos os demais custos envolvidos na cadeia de abastecimento, como o custo de operação e transporte. Em razão disto, as empresas fornecedoras ficam com grandes custos operacionais e de transporte o que afeta sua rentabilidade, e por que não dizer, a sua existência. Todo este grau de exigência não está totalmente contemplado nas ferramentas implantadas, agravando ainda mais este cenário no Brasil. A demanda real é muito instável, sendo abalada facilmente por ações do governo, datas festivas, concorrências e expectativas políticas. Esta inconstância faz com que a taxa de demanda não seja totalmente previsível. A forma de proteção para evitar surpresa é o estoque de segurança. Porém, ainda há a questão do custo de operação e transporte que não está contemplado na gestão do supermercadista. Por vezes, para não afetar a rentabilidade do negócio, o fornecedor acaba não cumprindo com o prazo de entrega, gerando rupturas no ponto de venda provocando assim desconforto na relação comercial, além de perda da vendas ao supermercadista e a si mesmo. A gestão de custos das empresas, na atualidade brasileira, é feita com as informações oriundas do sistema de contabilidade, raras são as empresas que trabalham com o custeio por atividade. Este trabalho mostra o quanto é necessário conhecer os custos em cada atividade envolvida no processo de atendimento de pedidos aos clientes. Quando se analisam os custos a partir das informações contábeis, corre-se o risco de interpretar de maneira incorreta, por exemplo: Ao analisar os custos com mão de obra em um departamento de operações, poderá ser considerado o valor total dos salários dos colaboradores do setor. Porém a atividade de conferência no recebimento de mercadorias, separação de mercadorias e expedição são diferentes, tem colaboradores com qualificações diferentes e, portanto salários diferentes. Observa-se na prática que a quantidade ideal em quilos por entrega está diretamente ligada ao índice de frete estabelecido pelo fornecedor através de seu plano orçamentário, onde ENEGEP 2004 ABEPRO 2121

8 esta definido quais as metas e os limites a serem cumpridos para propiciar a melhor rentabilidade para a empresa. Como pode ser observado nos cenários, não existe uma quantidade ideal de entregas por quilo (unidade utilizada no estudo) que atenda ao fornecedor e ao supermercadista simultaneamente em seus objetivos previstos. O fornecedor deve apresentar ao supermercadista a sua proposta de quantidade ideal de quilos por entregas, esta proposta deverá ter o limite mínimo de quantidades para negociação, pois a partir desta quantidade para menos, a negociação para o fornecedor resultará em prejuízo e a quantidade para mais resultará em melhor rentabilidade. O supermercadista, a partir da informação da quantidade ideal de entrega deverá analisar o seu custo de oportunidade de estoque para assim formalizar a parceria com o fornecedor, desta forma, poderá haver uma redução nos custos operacionais em toda a cadeia de abastecimento. Referências BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: Transportes, Administração de Materiais, Distribuição Física. 1º edição.são Paulo: Ed. Atlas, BALLOU., Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento, Organização e Logística Empresarial. 4º edição. Porto Alegre: Ed. Bookman, BOWERSOX, Donald J. CLOSS, David J. Logística Empresarial: O Processo de Integração na Cadeira de Suprimentos. 1º edição.são Paulo: Ed.Atlas, CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Estratégias para a Redução de Custos e Melhoria dos Serviços. 1º edição. São Paulo: Ed. Pioneira, CAIXETA, José Vicente e MARTINS, Ricardo Silveira (Organizadores). Gestão Logística do Transporte de Cargas. 1º edição. São Paulo: Ed. Atlas, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Ed. Atlas, MARTINS, P. G. & ALT, P. R. C. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. São Paulo: Ed. Saraiva, MOURA, Reinaldo A. Sistemas e Técnicas do Movimentação: Armazenagem de Materiais. São Paulo: Ed. IMAM,1998. PIRES, Sílvio R. I. Managerial implications of the modular consortium model in a Brazilian automotive plant. International Journal of Operations & Production Management, v. 18, n. 3, ROJO, F.J.C. Supermercados no Brasil: Qualidade Total, Marketing de Serviços, Comportamento do Consumidor. São Paulo: Ed.Atlas, SIMCHI-LEVI, David: Cadeia de Suprimentos: Projeto e Gestão. São Paulo: Ed. Bookman, WANKE, Peter.Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos. Artigo on line Cel Coppead. Disponível em Acessado em 10/03/2004. ENEGEP 2004 ABEPRO 2122

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Logistica Empresarial 7/11/2013

Logistica Empresarial 7/11/2013 Logística mpresarial Apresentação Professor: Luiz Mottim Graduação: Ciências Contábeis 1.999 Pós Graduação: Gestão Logística 2.004 (3G) Pós Graduação: Gestão Industrial 2.007 Atividade profissional: 27

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6.1 Relacionamentos no canal Os relacionamentos entre distintos membros de uma cadeia de suprimentos sugerem um alto grau de complexidade e fonte quase sempre

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS Jéssica Pacheco Kayro Felix Orçamento de Despesas Operacionais Orçamento das Despesas Administrativas Orçamento das Despesas Comerciais / Vendas

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Felipe Devos Masson (Unifran ) felipemasson1@hotmail.com DIEGO FERNANDES SILVA (Unifran ) difersilva@yahoo.com.br Antonio Vieira Nunes (Unifran ) antoniovieiranunes1@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques.

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Luiz Alberto Viana Menezes Guedes 1 Charles Emerson Cabral Marinho 2 Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

PLANO DE ENSINO FICHA Nº 01 (PERMANENTE)

PLANO DE ENSINO FICHA Nº 01 (PERMANENTE) PLANO DE ENSINO FICHA Nº 01 (PERMANENTE) Departamento: Transportes Setor: Tecnologia Disciplina: Logística de Transportes Código: TT058 Natureza: Semestral Carga Horária: 04 Teóricas 00 Práticas 00 Estágio

Leia mais

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Palavras-chave: Logística. Serviço ao Cliente. Tempo. Gerenciamento de Fluxo. Clicheria Blumenau.

Palavras-chave: Logística. Serviço ao Cliente. Tempo. Gerenciamento de Fluxo. Clicheria Blumenau. A LOGÍSTICA COMO FERRAMENTA COMPETITIVA PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO PRODUTIVO DA CLICHERIA BLUMENAU Sirleni Martins Pinto 1 Patrícia de Oliveira Ferreira, M.Sc 2 RESUMO As constantes inovações resultantes

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Ensino Médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015

Ensino Médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Código: 262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Introdução à Logística Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Série:

Leia mais

Avaliação dos Resultados na Utilização de um Modelo de Avaliação de Desempenho Logístico do Serviço de Transporte Rodoviário de Cargas

Avaliação dos Resultados na Utilização de um Modelo de Avaliação de Desempenho Logístico do Serviço de Transporte Rodoviário de Cargas UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Isabela Deschamps Bastos TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO Avaliação dos Resultados na Utilização de um Modelo

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico Jeová Alves Araújo jeova.a.a@unisantos.br UNISANTOS Ricardo Kenji Oi prof_oi@ymail.com UNISANTOS

Leia mais

P L A N O D E T R A B A L H O D O C E N T E - 2 º S E M E S T R E 2 0 1 5 T É C N I C O E M L O G Í S T I C A

P L A N O D E T R A B A L H O D O C E N T E - 2 º S E M E S T R E 2 0 1 5 T É C N I C O E M L O G Í S T I C A ETEC TAKASHI MORITA P L A N O D E T R A B A L H O D O C E N T E 2 º S E M E S T R E 2 0 1 5 ETEC TAKASHI MORITA T É C N I C O E M L O G Í S T I C A Código: 200 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO ISSN 1984-9354 O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO Área temática: Gestão da Produção Jiceli de Souza Silva jiceli.silva2012@hotmail.com Ana Paula da Silva Farias ana_paula2778@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL)

AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL) AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL) Ivanete Daga Cielo 1 Keler Fabiany Denuzi 2 Ricardo Silveira Martins 3 RESUMO A logística

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

Logística Integrada, Decisões de Preço e Planejamento de Resultados

Logística Integrada, Decisões de Preço e Planejamento de Resultados Logística Integrada, Decisões de Preço e Planejamento de Resultados Ione Aparecida Silva da Cruz Marinéia Almeida dos Santos Resumo: Trata o presente artigo de um assunto relativamente novo no Brasil,

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUNA: ANA TEREZINHA MOREIRA MATR.: 0001013701 ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL Foco

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 1 - JUSTIFICATIVA A gestão do fluxo de valor agregado pelas organizações exige contemplar toda a cadeia de suprimentos de forma a identificar e

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091.01 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos.

O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos. O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos. Paulo José Silva (UFLA) paulojoses@uol.com.br Rosa Tereza Moreira Machado (UFLA) rosaflor@ufla.br Resumo Nos últimos

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

RAÍSSA ÁVILA KACINSKIS

RAÍSSA ÁVILA KACINSKIS Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração RAÍSSA ÁVILA KACINSKIS IMPACTO DOS CUSTOS NA CADEIA LOGÍSTICA DE CARNE BOVINA DA REDE DE SUPERMERCADOS

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS PATRICIA AZEVEDO IZEL (UFAM ) patricia_izel@yahoo.com.br Ananda Utta Ramos Galvao (UFAM ) ananda_galvao@hotmail.com Sandro

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREGO DO EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR, NO VAREJO DE MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO DA DICICO.

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREGO DO EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR, NO VAREJO DE MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO DA DICICO. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREGO DO EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR, NO VAREJO DE MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO DA DICICO. AUTORES ANTONIO CESAR GALHARDI Universidade Cidade de São Paulo acgal@terra.com.br

Leia mais

UMA ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES COM ENFOQUE NA LOGÍSTICA. Henrique Martins Galvão

UMA ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES COM ENFOQUE NA LOGÍSTICA. Henrique Martins Galvão UMA ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES COM ENFOQUE NA LOGÍSTICA INTEGRADA: abordando instrumentos para a tomada de decisão Henrique Martins Galvão Henrique Martins Galvão Mestre em Administração de Empresas

Leia mais

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Priscila Cristina de Almeida 1 Ângelo Aparecido Zadra 2 RESUMO O tema central deste artigo é demonstrar a importância de uma rede logística

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

Aula I Introdução à Logística

Aula I Introdução à Logística Aula I Introdução à Logística Professor Argélio Lima Paniago COMO PODEMOS DEFINIR A LOGÍSTICA? 2 1 O inicio da Logística teve sua interpretação relacionada com as operações militares (movimentaçãode tropas,

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais