A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha. Grande ou pequena, de Beatriz Meirelles Professor (a), você lembra que idade tinha quando ingressou na 1ª série do ensino primário, ou 1º grau, ou ensino fundamental? Veja que, dependendo da época em que estudou, até a denominação era diferente. Como se chamava essa primeira etapa da escolaridade obrigatória no período em que você estudou? Quantos anos de estudo eram obrigatórios no Brasil na época em que ingressou na escola? Você fez o exame de admissão (cursou a 5ª série)? Ou depois da 4ª série foi matriculada direto numa nova etapa de ensino? Como chamava essa nova etapa? Ginásio? Ou era a continuidade do 1 grau? Ou do ensino fundamental? É muito interessante pensar nessas questões, pois a partir de nossas próprias experiências podemos avaliar as grandes mudanças e conquistas educacionais da sociedade brasileira nos últimos anos. Veja o quadro abaixo e compare: Lei 4.024/1961: 4 anos de escolaridade obrigatória. Lei 5.692/1971: 8 anos de escolaridade obrigatória. Lei 9.394/1996: possibilidade de 9 anos de escolaridade obrigatória. Lei /2006: 9 anos de escolaridade obrigatória, com a inclusão das crianças de 6 anos. O quadro deixa claro que não foi de um momento para outro que essas transformações ocorreram. Também não foi pela vontade de um único legislador ou de um determinado governo que as mudanças se processaram.

2 Não apenas no Brasil, mas em várias partes do mundo, principalmente nos países desenvolvidos, a necessidade dessa ampliação foi gerada ao longo de um processo histórico, do qual fizeram parte inúmeros atores sociais. A complexidade do mundo contemporâneo e a vida nas sociedades desenvolvidas demandam um sujeito mais bem formado e ampliam o papel da escola obrigatória. O crescente processo de industrialização, incluindo definitivamente a mulher no mercado de trabalho, trouxe profundas modificações na estrutura familiar e na própria concepção de família. Com isso, tornou-se necessária a adequação da escola a essas mudanças. E após a Segunda Guerra Mundial, verificou-se uma tendência internacional de ampliar a escolaridade obrigatória e incluir as crianças com menos idade no ensino fundamental. No Brasil, desde o final do século passado, essa questão já fazia parte das discussões de inúmeras entidades de professores, das pautas dos movimentos sociais por melhoria na educação e das discussões em torno dos planos decenais de educação. Em alguns municípios brasileiros as crianças de seis anos são matriculadas no ensino fundamental já há mais de dez anos, seja ampliando essa etapa da educação básica para nove anos, seja mantendo os oito anos de escolaridade obrigatória. Dados do censo demográfico do IBGE de 2000 demonstram que já naquela época muitas crianças de seis anos cursavam o ensino fundamental. Censo demográfico de 2000 IBGE Crianças de 6 anos: - 81,7% na escola; - 29,6% no ensino fundamental; - 13,6% em classes de alfabetização; - 38,9% em classes de educação infantil. Nas cidades localizadas em regiões fronteiriças do Brasil, onde é muito comum a transferência de crianças de um município para outro por

3 causa do trabalho dos pais, essa questão trazia problemas, para crianças, famílias e escolas. A questão se agravou ainda mais pelo fato de os países do Mercosul já terem aumentado o período de permanência obrigatória das crianças na escola, com a inclusão das de seis anos no ensino fundamental. Mas o que significa inserir as crianças de seis anos no ensino fundamental, aumentando o tempo de escolaridade obrigatória? Significa que as crianças brasileiras terão maiores oportunidades socioculturais de aprender e viver seu tempo de infância, de préadolescência e de adolescência. Muitas terão um tempo maior de estudo antes de ingressarem no mercado de trabalho. Teremos pessoas com um maior nível de escolaridade, e a população, de maneira geral, terá um tempo maior para consolidar suas aprendizagens. Nesse sentido, é fundamental termos clareza de que colocar as crianças mais cedo na escola não significa antecipar a escolaridade para que elas possam sair mais cedo da escola, mas, sim, ampliar o tempo de estudo e, portanto, dos conhecimentos adquiridos pelos educandos. O que muda, então, para as crianças de seis anos com sua inclusão no ensino fundamental? Quem é essa criança? E chegou o dia. O primeiro dia de escola. Quando cheguei à minha classe, vi um monte de crianças que nunca tinha visto. Bibi vai para a escola, de Alejandro Rosas Você lembra de seu primeiro dia na escola? Quantos anos você tinha? Lembra das pessoas que o/a receberam? Dos cheiros? Dos barulhos? Dos sabores e dos saberes? Lembra do que fez nesse primeiro dia? Chorou? E

4 seus colegas, como reagiram? E a professora, o que propôs para tornar mais leve e prazeroso esse momento? Ao lembrar dessas coisas, certamente você deve estar avaliando o quanto esse ingresso pode ter sido decisivo para a sua relação com a escola e com o conhecimento e para a continuidade de sua escolaridade. Mesmo muitas crianças tendo freqüentado a pré-escola, sabemos que a expectativa em relação ao ingresso no ensino obrigatório é muito diferente. Embora diversas instituições de educação infantil antecipem o trabalho de escolarização, aquele ainda parece ser o espaço da brincadeira, da imaginação e da liberdade. Basta entrar em uma sala de educação infantil e em uma classe de ensino fundamental para sentir a diferença. A escola de ensino fundamental transforma a criança da educação infantil em aluno, enquadrando-a em seus horários, espaços, materiais, ritos, conteúdos, grades, metodologias, atividades, planejamentos e avaliações. Na grande maioria das vezes, ao ser matriculada no ensino fundamental, a criança se obriga a deixar a infância na porta da escola e vestir-se de aluno. Criança representa uma categoria identificada pela idade. Ela vive um momento específico do desenvolvimento humano, no qual aprende a brincar, falar, andar e interagir no meio em que vive. Já a infância é uma categoria social, marcada pelo tempo de ser criança, que varia de acordo com as diferentes culturas, classes sociais e histórias pessoais de cada uma e de cada família. Alejandro Rosas, autor e ilustrador dos três livros acima, nos ensina que é preciso aprender com as crianças para poder aproximar-se delas, seja com um livro, seja numa relação pedagógica. Leia o depoimento do autor abaixo: Tenho três filhas lindas, com as quais venho aprendendo muitas coisas importantes. Violeta, a menor delas, foi a minha inspiração

5 para estes livros, que escrevi para ajudá-la a tomar decisões. Ela me ensinou a desenhar como uma criança de 5 anos... Você acha possível aprender com as crianças? Passe a observá-las melhor nas brincadeiras ou nas atividades que você propõe; observe-as também nos momentos de recreio, quando chegam à escola e quando saem dela, após o final de semana, depois das férias... Converse com elas, permita que interajam com os colegas, narrando suas experiências e falando de seu cotidiano em casa e na comunidade. Conte histórias da sua própria vida, de quando você tinha a idade delas, de como era a escola que você freqüentou, de como foi a sua experiência escolar. As crianças gostam muito de ouvir as histórias de infância dos adultos, relacionando-as com suas próprias. Esse é um momento em que adultos e crianças se encontram, como se vivessem coisas comuns em um mesmo tempo. Outra boa estratégia para atingir as crianças, e ao mesmo tempo conhecê-las e propiciar-lhes autoconhecimento, é ler historias que falam de crianças como elas. Nesse sentido, os livros citados acima muito podem contribuir, pois o autor, ao apresentar uma Bibi que precisa tomar suas primeiras decisões tendo como referência suas três filhas, apresenta-nos uma criança típica da faixa etária com a qual o professor do primeiro ano do ensino fundamental vai trabalhar a partir de agora. Bibi, que é a própria narradora das três histórias, apresenta ao leitor, por meio de uma linguagem e um desenho tipicamente infantil, algumas das problemáticas vividas pelas crianças de seis ou sete anos. Como me separar de meus pais e dormir em outra cama? Como aceitar cortar meus cabelos se eles representam muito do que sou? Como enfrentar os meus medos ao ingressar em um ambiente estranho e malfalado por aqueles que o freqüentam, como é a escola? Converse com seus alunos sobre esses e outros dilemas vividos por eles. Proponha que, em grupos, representem, em forma de teatro ou com fantoches, as situações experimentadas por Bibi e outras vividas por eles.

6 Para pensar nas crianças de seis anos é preciso, em primeiro lugar, vê-las como integrantes de uma cultura em desenvolvimento. Quando ingressam no ensino fundamental, aos seis anos, as crianças se encontram como Bibi, em pleno desenvolvimento físico e motor, construindo sua corporeidade e seus movimentos, formando sua identidade, ao mesmo tempo em que aprendem sobre o mundo e se inserem na cultura. Também como Bibi, as crianças dessa faixa etária estão construindo sua autonomia, sua independência, estabelecendo laços afetivos e sociais. As funções mentais, como memória, percepção e imaginação, e a função simbólica ainda se encontram em construção. O pensamento verbal e as múltiplas linguagens estão se estruturando. Com tais especificidades, as crianças de seis anos precisam brincar, interagir com adultos e outras crianças, explorar e experimentar os objetos do mundo físico social, vivenciar situações em que sua imaginação seja desafiada, imitar e repetir ações por livre iniciativa e, sobretudo, ainda precisam de cuidados básicos, de afetividade e de aconchego. Aos poucos, à medida que avançam no processo de construção da inteligência e de inserção na cultura, demandam tarefas mais complexas que, progressivamente, vão se tornando capazes de desenvolver. Alguns exemplos: tarefas relacionadas com aquisição e sistematização de conhecimentos de diferentes áreas, as que envolvem confrontos de ponto de vista e de socialização de saberes, situações pedagógicas em que necessitam seguir instruções e fazer previsões. É importante destacar que essas capacidades são construídas pelas crianças não por terem que amadurecer rapidamente para ingressar no ensino fundamental, ou porque já completaram seis anos ou sete anos, mas como resultado de um processo no qual os aspectos biológicos e os fatores culturais interagem gradativamente, no tempo e nos espaços sociais em que elas convivem. Ao buscar cumprir seus objetivos de formalização dos conteúdos e sistematização de conceitos, deslocando-os do plano da ação para o plano do pensamento, o professor do ensino fundamental não pode perder de

7 vista que a tomada de consciência e a explicitação verbal desses aspectos pela criança ainda necessita muito da ação e das diferentes formas de representação. Por isso ainda precisam brincar muito e mediar suas relações com o mundo por meio de múltiplas linguagens. Para trabalhar com essas crianças, é preciso conhecê-las e levar em consideração, nas propostas pedagógicas das escolas, as suas formas próprias de aprender, em função das especificidades de seu momento de desenvolvimento/aprendizagem, de suas interações e suas formas de inserção na cultura. Por isso, alguns livros da coleção Pensamento e Ação no Magistério podem ajudar você, professor(a) a compreender um pouco mais sobre a forma como as crianças pensam, aprendem e se desenvolvem nessa faixa etária. Vamos pensar em algumas estratégias para trabalhar com as crianças? O livro de Beatriz Meirelles, ilustrado por Aída Cassiano, apresenta um grande dilema dessa faixa etária e pode ser um ótimo puxa-prosa com as crianças, pois, além de trazer uma problemática infantil, é todo rimado, o que agrada muito as crianças, especialmente aquelas que estão começando a descobrir a sonoridade das palavras. Após a leitura, você pode levar a questão para o universo delas e fazer com que lembrem de situações em que são consideradas grandes e outras para as quais são consideradas pequenas. Inicialmente, é muito importante que as crianças observem o desenho, seu traçado, seu movimento. Ajude-as a perceberem também os objetos, sua disposição espacial, sua proporção. Converse sobre as cores utilizadas, as tonalidades diferentes, as expressões da personagem Mariana e as ações por ela desenvolvidas ao longo de todo o livro. Em seguida, leia a obra, caso seus alunos ainda não consigam ler autonomamente. Se já forem capazes de fazê-lo, peça que leiam e depois converse sobre a história, levando a questão para o universo deles.

8 Depois, proponha que montem, da maneira deles, uma lista que pode ser feita apenas com ilustrações, desenhos, recortes e colagens, com escrita convencional ou não, tendo como inspiração as ilustrações do livro. É muito importante que as crianças socializem seus trabalhos e suas experiências. Você pode, com elas, juntar todas as listas e ilustrações e fazer um livrão da turma. Para aprofundar Bibliografia: FARIA, Vitória, SALLES, Fátima. A linguagem escrita nas propostas pedagógicas da educação Infantil. Revista do professor. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, v. 11, Dez LIMA, E. S. Desenvolvimento e Aprendizagem na escola: aspectos culturais, neurológicos e psicológicos. São Paulo: GEDH,1997. Site: Orientações para o ensino fundamental de nove anos no site do MEC: Filmes: O Balão Branco. Direção de Jafir Panahi. Irã, Filhos do Paraíso. Direção de Magid Magidi. Irã, Crianças invisíveis. Direção de Chiara Tilesi com apoio do Unicef. Itália, 2005.

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO 1º PERÍODO Prezados pais, Encaminhamos a Programação da 3ª Etapa de 2015, material que serve de apoio para o acompanhamento das habilidades que serão desenvolvidas. Lembramos que este planejamento é flexível

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Orientação às Famílias

Orientação às Famílias Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Cartilha Orientação às Famílias Brasília, 10 de agosto de 2012. 1 Presidência da República Ministério da

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS 1. Por que você decidiu fazer esse curso? 57% para ampliar conhecimentos, aperfeiçoar o trabalho, ampliar horizontes, permanecer na área 26% pelo sonho de ser educadora, gostar e acreditar na educação,

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Projeto: Teatro Infantil

Projeto: Teatro Infantil Cooperativa de Ensino e Cultura de Santa Rita Projeto: Teatro Infantil O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico Garcia Lorca) 1 Unidade Executora: Coordenação Pedagógica, Grupo

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo 1 A Pesquisa no Processo de Formação de Professores - Relatório da vivência no projeto A leitura no aperfeiçoamento do ensino: uma proposta de pesquisa participante Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I VAMOS BRINCAR DE CONSTRUIR AS NOSSAS E OUTRAS HISTÓRIAS UNIDADE 4 ANO 2 Abril de 2013 Iniciando a conversa Objetivos Centrais: conhecer a importância do uso de jogos e brincadeiras no processo de apropriação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 24/2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia, na

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

A brincadeira na vida da criança

A brincadeira na vida da criança A brincadeira na vida da criança A brincadeira, é parte do crescimento e desenvolvimento da criança, além de ser uma de suas necessidades básicas. 1 A criança precisa brincar porque através da brincadeira,

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO Na vida de uma criança, para além do entretenimento, o jogo

Leia mais

Índices para catálogo sistemático: Formação de professores 370.71 Didática - Métodos de ensino instrução e estudo Pedagogia 371.3

Índices para catálogo sistemático: Formação de professores 370.71 Didática - Métodos de ensino instrução e estudo Pedagogia 371.3 Conselho Editorial Av. Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP - 13208-100 11 4521-6315 2449-0740 contato@editorialpaco.com.br Profa. Dra. Andrea Domingues

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade Educação em territórios de alta vulnerabilidade 1 A pesquisa procura responder à seguinte questão: A vulnerabilidade social do território inf luencia a qualidade da escola? Como? Por que foi feita a pesquisa?

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida *

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Mariene Helena Duarte¹, Maria da Gloria Bastos de Freitas Mesquita² marieneduarte@hotmail.com ¹ Graduanda em Química Bolsista Iniciação

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. GRUPO III A GRUPO III B GRUPO III C GRUPO III D ATIVIDADES DE SALA

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE)

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE) Núcleos de Estudo Caderno de Apoio Núcleos de Estudo 1 Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? [perguntou a Alice] Isso depende muito de para onde é que queres ir disse o Gato.

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO

COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO 2007 Pesquisa realizada pela Fundação Carlos Chagas sob encomenda da Fundação Victor Civita. 2007 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados. 1 A Fundação Victor

Leia mais

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcela da Fonseca Lemos Grupo de Pesquisa Linguagem desenhadas e educação ProPEd/UERJ celalora_rj@hotmail.com INTRODUÇÃO O texto

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 UM DIA CHUVOSO NA ESCOLA Hoje amanheceu chovendo muito e o vento soprava forte. A nossa sala estava pronta e arrumada para receber as crianças, mas o mau tempo fez com que elas se

Leia mais

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. Resumo: MIGUEL, Rebeca Signorelli UNICAMP rebs.rebequinha@gmail.com PRODÓCIMO, Elaine UNICAMP elaine@fef.unicamp.br

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 Mantena-MG INTRODUÇÃO A Faculdade de Mantena FAMA - é um estabelecimento particular de ensino superior, que visa a atender

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELAÇÃO ENTRE LIMITES E FREIO INIBITÓRIO

A EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELAÇÃO ENTRE LIMITES E FREIO INIBITÓRIO A EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELAÇÃO ENTRE LIMITES E FREIO INIBITÓRIO Henrique Pureza de Souza Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE Zilma de Moraes Ramos de Oliveira HISTÓRICO Constituição brasileira LDB Plano Nacional de Educação CONSTITUIÇÃO

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE INTRODUÇÃO Patrícia Aparecida Mendes * Thiago Henrique da Silva ** A Geografia

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Camila Ely 1 Mateus Lorenzon 2 Resumo: Neste artigo, decorrente da disciplina de Estágio Supervisionado em

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU. Educação Infantil e o Mundo da Leitura. Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU. Educação Infantil e o Mundo da Leitura. Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU Educação Infantil e o Mundo da Leitura Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para

Leia mais

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO:

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO: DENOMINAÇÃO DO PROJETO : Convivência Social, Ética e Valores Humanos na Educação Infantil INÍCIO EM: 06 e 07 / 02 / 12 TÉRMINO EM : 05 / 12 / 12 TOTAL DE 156 HORAS Nunca estamos preparados para a surpresa

Leia mais

PROVA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E CRECHE

PROVA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E CRECHE PROVA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E CRECHE LÍNGUA PORTUGUESA 1. Assinale a alternativa que contém a frase corretamente escrita com relação à concordância verbal. a) Atualmente somos nós que cuida da biblioteca

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS. Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO

APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS. Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO SE LIGA E ACELERA OBJETIVOS, PÚBLICO ALVO E DADOS ESTATÍSTICOS Se Liga -

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

Encontro de Canto Coral (Encante)

Encontro de Canto Coral (Encante) Encontro de Canto Coral (Encante) O que é O projeto Encontro de Canto Coral Estudantil (Encante) propõe a implantação do Canto Coral nos contextos escolares da rede estadual de ensino, para o desenvolvimento

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

CONHECENDO A NOSSA ROTINA

CONHECENDO A NOSSA ROTINA III A CONHECENDO A NOSSA ROTINA Ao iniciarmos o ano letivo, as crianças vivenciam um momento de muitas novidades: escola, sala nova, professoras, espaços do ambiente escolar, entre outros. Diante dessa

Leia mais

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES 2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES De acordo com a Abordagem Histórico-Cultural, que fundamenta está proposta, a Instituição de Educação Infantil deverá ser pensada

Leia mais

Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso

Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso Anabela Sequeira* Beatriz Pereira** *ATL de Fermentões **Universidade do Minho, Instituto de Estudos da Criança Contacto: sequeirana@portugalmail.pt,

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO Módulo V A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos Alexsandro da Silva Solange Alves de Oliveira Mendes EDUCAÇÃO INFANTIL Continuidade e Ampliação

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia)

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) 1 2 Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) Em todo desenvolvimento de software, um aspecto fundamental

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem.

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem. A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil e suas contribuições no desenvolvimento e no processo da aprendizagem. O que é psicomotricidade? É a relação entre os aspectos motores, intelectuais

Leia mais

Festival Estudantil de Teatro (Feste)

Festival Estudantil de Teatro (Feste) Festival Estudantil de Teatro (Feste) O que é O projeto Festival Estudantil de Teatro (Feste) trata-se de experiências em políticas culturais com a juventude estudantil, para avivar o debate e incrementar

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

linguagens e valores distintos entre si e muitas vezes contraditórios e conflitantes. Paralelamente, os cotidianos não são mais pontuais e

linguagens e valores distintos entre si e muitas vezes contraditórios e conflitantes. Paralelamente, os cotidianos não são mais pontuais e DA INFORMAÇÃO AO CONHECIMENTO NO ENSINO MÉDIO: PAISAGENS DOS LUGARES COTIDIANOS E AS APRENDIZAGENS ANDREIS, Adriana Maria UNIJUI adrianandreis@hotmail.com Eixo: EDUCAÇÃO BÁSICA / n. 3 Agência Financiadora:

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB SILVA 1, Ana Karenina Ferreira da Centro de Comunicação, Turismo e Artes/ Departamento de Educação

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 2 1 2 3 VISITEM A ESCOLA DE SEUS FILHOS SEMPRE QUE PUDEREM. CONVERSEM COM OS PROFESSORES. PERGUNTEM

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1

Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1 Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1 Lívia Badaró Fabricio 2 Maria das Graças Estanislau de Mendonça de Mello de Pinho 3 Eliana

Leia mais

Aluno : Anderson Fabrício Mendes Orientadora: Drª. Maria do Carmo S. e Sousa

Aluno : Anderson Fabrício Mendes Orientadora: Drª. Maria do Carmo S. e Sousa DA RESOLUÇÃO DE QUEBRA CABEÇAS EM SALA DE AULA À APLICABILIDADE NO COTIDIANO: CONSTITUINDO O CONCEITO DE ÁREA COM ESTUDANTES DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Aluno : Anderson Fabrício Mendes Orientadora:

Leia mais

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono:

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono: Olá, meu nome é Reinaldo. Sou proprietário e professor de inglês, francês e alemão da TF Idiomas, e se você deseja aprender alemão, francês ou inglês creio que você deva ter várias perguntas sobre o curso

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais