A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS"

Transcrição

1 A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam no ensino fundamental de nove anos e que, a partir de agora, você terá sob sua responsabilidade. Como vimos, pensar nessas crianças significa vê-las integralmente e reconhecê-las como seres da cultura, em processo de desenvolvimento. Mas o que isso quer dizer? Que conseqüências esse reconhecimento traz para o processo de alfabetização? No artigo anterior, vimos que, desde muito cedo, a criança está se construindo na interação entre fatores biológicos e culturais, e que estão se estruturando em seus movimentos, inteligência, corporeidade, identidade, memória, percepção, imaginação, função simbólica, pensamento verbal e múltiplas linguagens. Esse entendimento ajuda-nos, de certa forma, a buscar um caminho, uma ação pedagógica que efetivamente contribua para o processo de desenvolvimento e aprendizagem das crianças. É importante pensar também que os meninos e as meninas, quando chegam no ensino fundamental, já possuem um tempo de vida e, portanto, experiências e aprendizagens, o que determina que esses aspectos e essas funções estejam em pleno desenvolvimento. Como as crianças são provenientes de diferentes ambientes familiares e comunitários, e a freqüência a creches e pré-escolas não é obrigatória, é necessário também ter clareza de que essas experiências podem ser bastante diferenciadas. Contudo, isso não deve ser visto como um obstáculo ao seu trabalho. Ao contrário, essa heterogeneidade pode ser extremamente rica para as trocas socioculturais e as aprendizagens entre pares oriundos de contextos diferentes. Não espere, portanto, que todas as crianças tenham - 1 -

2 vivências escolares comuns. Não escolha um método de alfabetização e não planeje todo o seu trabalho sem antes conhecê-las. Como você pode perceber não basta um conhecimento genérico, baseado apenas nos livros, sobre as especificidades dos alunos dessa faixa etária. É fundamental conhecer a criança concreta com a qual você vai trabalhar: seus saberes, práticas e valores, nos quais elas estão se constituindo. Ao longo desse projeto, teremos oportunidade de voltar a essas questões. O importante agora é pensar que as crianças, independentemente do meio de que provêm e de suas características pessoais, encontram-se em pleno processo de desenvolvimento da linguagem. A fim de responder a algumas questões que inquietam os professores, vamos recorrer ao dicionário Aurélio: linguagem é tudo quanto serve para expressar idéias, sentimentos, modos de comportamento etc., é todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre os indivíduos e pode ser percebido pelos diversos órgãos dos sentidos. Por meio da linguagem, compartilhamos nossas maneiras de pensar e de viver bem como nossos sentimentos, necessidades e valores. A linguagem nos humaniza e é um dos elementos fundamentais da construção de nossa subjetividade. Por meio dela, produzimos cultura, construímos história e transformamos o mundo. A construção da linguagem pela humanidade Se voltarmos nosso olhar para a história da humanidade, poderemos compreender melhor o processo vivido pela criança. Os homens, ao longo de sua trajetória, criaram diferentes formas de representar, evocar ou tornar presente o que estava distante, separando-se assim da situação imediata. A criação de um sistema de signos e símbolos permitiu ao homem primitivo viver em coletividade, comunicar-se com os outros e trocar informações, aprendendo e ensinando nesse processo. Esses sistemas de signos tiveram origem nas relações sociais, onde também se - 2 -

3 realizavam. Com o passar do tempo, foram sendo incorporados por diferentes membros da espécie e tornaram-se processos pessoais de tomada de consciência de si mesmo e de organização de idéias o que possibilitou a existência da reflexão, da compreensão e da elaboração da experiência. Portanto, ao falarmos de linguagem, referimo-nos a esta em seu sentido múltiplo, ou seja, às diferentes manifestações construídas pela humanidade, desde os primórdios: corporais, gestuais, musicais, lúdicas e plásticas (pintura, modelagem, escultura). Mas também pensamos em suas formas mais recentes como escrita, fotografia, cinema e linguagem virtual. No processo de hominização, nossos ancestrais, mediados por essas múltiplas linguagens, criaram formas de interação com a natureza e a cultura, tendo em vista, a princípio, a sobrevivência e, posteriormente, a transcendência. Guiados por essas necessidades, foram buscando maneiras de compreender a natureza e explicar a sua existência. Aprenderam a proteger-se, alimentar-se e relacionar-se no espaço geográfico por meio de gestos, sons, desenhos e pinturas, ultrapassando seus próprios limites. Descobriram diferentes formas geométricas, inventaram instrumentos, que ampliaram o alcance de suas mãos e de seus pés, aprenderam a trabalhar com quantidades, criaram um sistema de numeração e medidas, passaram a compreender e a registrar a sua historia e a da espécie. Escrita: objeto de uso social construído em função das necessidades humanas A escrita é um sistema de representação com símbolos, sinais e normas, convencionado em cada contexto histórico-cultural, criado pelos homens em função das suas necessidades. Há mais de 5000 anos, os povos que viviam na antiga Mesopotâmia, no Egito e na China criaram desenhos para representar objetos, fatos e acontecimentos. Com o desenvolvimento do comércio, foi preciso criar outras formas de registro, e esses desenhos, conhecidos como - 3 -

4 pictogramas, foram se tornando cada vez mais complexos. Para serem compreendidos por um número maior de pessoas, passaram a representar a fala na ordem em que as pessoas a utilizavam. O crescimento das cidades e das atividades comerciais no Mar Mediterrâneo impulsionou a criação de registros que pudessem ser usados de forma mais rápida, tanto em anotações comerciais quanto em relatos de guerras e conquistas. Aos poucos, os homens buscaram formas fixas de representar os sons da fala. Os fenícios, que eram os maiores comerciantes da época, divulgaram os pictogramas de origem cretense e egípcia, utilizando-os com valor sonoro. Finalmente, inventaram o alfabeto, que foi se transformando até chegar à forma atual. À medida que as necessidades comerciais se intensificaram e as sociedades se tornaram mais complexas, foram ampliados os usos e as funções da escrita, que passou a cumprir papéis diferenciados, como perpetuação e auxílio à memória, comunicação à distância, expressão de sentimentos, desejos e pensamentos, orientação, fruição e organização de idéias. Segundo Piaget, as crianças, em seu processo de desenvolvimento e aprendizagem, reconstroem o percurso da humanidade. Falamos em reconstrução porque as crianças, nas interações que estabelecem com outros sujeitos da cultura, vão se inserindo num mundo já construído, repleto de descobertas já realizadas no processo civilizatório. E isso as diferencia de nossos ancestrais. Contudo, dependendo da forma como o adulto atua nesse processo de aprendizagem, elas podem redescobrir e transformar esse mundo à sua maneira, guiadas pela curiosidade e pelo seu desejo de aprender. Elas também podem apenas se apropriar mecanicamente das conquistas culturais da humanidade, como se tudo já estivesse pronto. O brincar e as demais linguagens da criança de seis anos Muitas são as possibilidades de a criança dialogar com o mundo. Uma delas, e a mais importante para a faixa etária com a qual você trabalha, é o brincar. O uso dessa linguagem permite à criança conhecer o mundo adulto, experimentar diferentes papéis, interagir com o outro, adulto ou criança, reproduzir o vivido, transformando-o e se transformando, agir - 4 -

5 como se tivesse mais idade, criar regras e respeitá-las, distinguir o real do imaginário, ou a fantasia da realidade, perceber a função dos objetos em nosso cotidiano, imitar o mundo adulto e externalizar o que pensa. É por meio dessa linguagem que a criança expressa sentimentos, desejos, idéias, necessidades e constrói conhecimentos, integrando-se na cultura. O brincar, sobretudo o jogo de faz-de-conta, sendo uma linguagem ou uma maneira de a criança se relacionar e interagir com o outro no mundo, pode ser vivido em atividades diversas, tais como: imitação do mundo adulto, teatro, literatura, construção, música, criação de histórias, desenhos, sendo sempre mediado pelas demais linguagens da criança. Mas não é só nas brincadeiras de faz-de-conta que o brincar está presente. Embora tenham o predomínio da imaginação, essas brincadeiras também são regidas por regras implícitas a cada uma delas, criadas pelas crianças. Existem outras brincadeiras envolvendo corpo, jogos de mesa, jogos de linguagem, brincadeiras cantadas etc., nas quais a imaginação também está presente, apesar de predominarem as regras. As brincadeiras devem ser trazidas para a escola pelas crianças, pelos professores, pelas famílias e pela comunidade como patrimônio cultural que deve ser apropriado por todos. É o caso de jogos folclóricos, cirandas, brincadeiras de roda etc. Mas nem tudo é brincadeira no ensino fundamental. Por isso é muito importante que você planeje atividades específicas para o desenvolvimento das demais linguagens, envolvendo linguagem oral, música, dança, canto, desenho, pintura, modelagem, teatro, literatura, cinema, fotografia e outras formas de as crianças compartilharem significados. O livro O bailado e os primeiros movimentos, de Hardy Guedes, pode ajudar a esclarecer o que estamos falando e, ao mesmo tempo, apontar para inúmeras possibilidades de trabalho com essas diferentes linguagens. Na primeira leitura nos deparamos com belos poemas feitos para crianças, mas que também agradam aos adultos por serem bem construídos e tratarem com sensibilidade de questões ligadas à infância

6 Os temas envolvem animais e fenômenos da natureza, que tanto nos intrigam desde muito cedo, e para os quais durante toda a vida buscamos respostas. Há brinquedos que nos desafiaram e alguns que ainda desafiam as crianças de hoje, como bola, pipa e amarelinha, e outros que muitas delas nem ao menos conhecem, como balão e pião. Quantos significados podem ser compartilhados com as crianças, e entre elas, a partir da leitura desses poemas! Lendo mais atentamente, descobrimos que o livro, por meio da linguagem poética, do desenho e da pintura, nos fala de outras linguagens, como a do faz-de-conta, a da música e a da expressão corporal. Além da leitura com o objetivo de fruição e da exploração de poemas e ilustrações, pode haver inúmeros outros desdobramentos por exemplo, conversas sobre bichos de estimação, pássaros, insetos, que podem derivar em desenhos, pinturas, álbuns e outros livros; jogos e brincadeiras, pesquisa, confecção e exposições de brinquedos antigos. A linguagem escrita Por tudo que foi dito até aqui, deve ter ficado claro para você que o trabalho no primeiro ano de escolaridade obrigatória não deve significar a antecipação da aprendizagem da leitura e da escrita pelas crianças, e muito menos a aceleração desse processo. Quando, no artigo anterior, nos referimos às especificidades dessa faixa etária, afirmamos que os meninos e as meninas de seis anos estão construindo suas múltiplas linguagens, dentre estas, a escrita. Tentamos dizer, portanto, que essa não é a única maneira de a criança partilhar significados e se inserir na cultura, e que essa linguagem deve ser ensinada no contexto das demais linguagens. Professor(a), por certo você já ouviu falar em alfabetização e letramento. Atualmente, esses termos são muito usados quando se fala do processo de aprendizado da linguagem escrita pela criança. Entretanto, como a grande maioria dos conhecimentos em educação, o uso desses termos virou moda, e já estão até desgastados, sem que os professores tenham compreendido seu real significado. Nesse sentido, vale a pena - 6 -

7 retomarmos esses conceitos e, sobretudo, pensarmos em seus desdobramentos práticos. Segundo Magda Soares, alfabetização seria a aquisição da tecnologia da escrita alfabética e de sua utilização para ler e escrever. Para ter domínio dessa tecnologia, é necessário conhecer o alfabeto, memorizar as convenções letra som e dominar o traçado das letras, entre outras competências. Letramento, para a mesma autora, seria o estado ou a condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva as práticas sociais que usam a escrita. Seria, portanto, o uso competente da tecnologia da escrita nas situações de leitura e produção de textos reais, com sentido e significado para quem lê e escreve. Que implicações para a prática pedagógica traz a compreensão desses dois termos? É disso que trataremos nos próximos artigos. Por ora, é importante pensar que se queremos alfabetizar letrando, como recomenda Magda Soares, acredito que devemos partir de algumas premissas básicas: uma concepção de aquisição da linguagem escrita como parte do processo de letramento, isto é, de um aprendizado que se dá nas práticas sociais reais de leitura e escrita, vivenciadas pelas crianças e que, portanto, não se restringe ao domínio do código; uma visão de ensino da linguagem escrita como uma ação intencional do professor, que deve ser pensada, nas propostas pedagógicas, no contexto de aprendizagem de outras linguagens; o direito da criança a um maior tempo de escolarização, tendo em vista a ampliação de suas possibilidades de aprender no âmbito de uma cultura letrada, com acesso, desde muito cedo, a produções culturais de qualidade, criadas pelo homem na sua trajetória histórica. Pensando assim, o momento de trabalhar a alfabetização é excelente para recuperar e revitalizar os ditados populares, provérbios, parlendas e quadrinhas. Aproveite também esse momento para ler poemas, histórias e - 7 -

8 outros textos que podem encantar as crianças, despertando seu desejo de ler e escrever autonomamente. Construa com elas seus próprios textos. Você pode selecionar os que elas mais gostam e construir cadernos ou livros coletivos de poemas, parlendas ou músicas, para uso de todos ao longo do ano. Você deve estar se perguntando como fazer coletivamente esse material, se muitas das crianças ainda não sabem ler e escrever. Se quiser letrá-las enquanto ainda não dominam totalmente a tecnologia da alfabetização, você terá de desempenhar o papel de escriba e de leitor(a) para elas. Lúcia Browne Rego diz que as crianças descobrem sobre a língua escrita antes de aprender a ler. Essa afirmativa se baseia em estudos nos quais estabelece comparação entre a aquisição da linguagem oral e da linguagem escrita. Assim como as crianças adquirem a linguagem oral quando envolvidas em contextos comunicativos em que essa linguagem é significativa para elas, da mesma forma o uso constante e significativo da linguagem escrita possibilita e enriquece o seu processo de alfabetização. Bibliografia FARIA, V. L. B. e SALLES, F. A linguagem escrita nas propostas pedagógicas de educação infantil. Revista do professor. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, n. 11, dez MALAGUZZI, L. Ao contrário as cem existem. Subsídios para o credenciamento e funcionamento das instituições de educação infantil. Brasília: Ministério da Educação, 1998, v. II, p REGO, L. B. Descobrindo a língua escrita antes de aprender a ler: algumas implicações pedagógicas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília: INEP, v. 6, n. 15, jan./abr., SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, BRASIL. Ministério da Educação. Orientações para o ensino fundamental de nove anos. Disponível no site do MEC: Acesso em 18 jan

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO 1º PERÍODO Prezados pais, Encaminhamos a Programação da 3ª Etapa de 2015, material que serve de apoio para o acompanhamento das habilidades que serão desenvolvidas. Lembramos que este planejamento é flexível

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cinthia Votto Fernandes (UFRGS, Porto Alegre,RS) Loide Pereira Trois (UFRGS, Porto Alegre,RS) A intenção deste

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem 1 Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem Juliana de Alcântara Silveira Rubio 1 Resumo A alfabetização matemática, assim como a alfabetização da língua materna,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III 1ª ETAPA COMPONENTE CURRICULAR - BRINCAR Objetos e Significados na brincadeira Participar das brincadeiras exploradas. Utilizar os brinquedos de maneira cuidadosa. Participar de jogos com ou sem a intervenção

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE Zilma de Moraes Ramos de Oliveira HISTÓRICO Constituição brasileira LDB Plano Nacional de Educação CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Mara Teixeira Esteves* mara.esteves@hotmail.com RESUMO O presente trabalho tem como objetivo principal identificar a compreensão

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Avaliação e observação

Avaliação e observação Avaliação e observação Objetivo da Aula Identifi car o papel da avaliação no processo de ensino-aprendizagem. A avaliação é uma prática social, estamos sempre avaliando, fazendo escolhas. Avaliamos o que

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300 CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO. 1. Dados de identificação PLANO

Leia mais

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil)

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil) PROJETO: OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM OUVIR Eixos temáticos: Diferentes linguagens Artes visuais Movimento CANTAR Linguagem Oral; Natureza e Sociedade Objetivos: E DANÇAR Interagir com músicas e movimentos

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos COMPETÊNCIA CONTEÚDO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Profa. Cláudia Yazlle 29 e 30/março/2011 Objetivos da aula de hoje Refletir sobre a identidade da educação infantil Conhecer os objetivos gerais da educação

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS SÉRIE: Berçário A Berçário

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo 1 A Pesquisa no Processo de Formação de Professores - Relatório da vivência no projeto A leitura no aperfeiçoamento do ensino: uma proposta de pesquisa participante Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU)

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE

PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE 165 PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE Fausiene Pereira Resende Victor-UFU fausiene_ped_ufu@hotmail.com Vivian Moreira Batista-UFU vivisacra@gmail.com

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual e

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Educação Infantil I Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Educação Infantil I Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Educação Infantil I Segmento I Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Ano: Infantil I Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS - ALUNOS EIXOS TEMÁTICOS/CONTEÚDOS

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 1

INFORMATIVO 2015 GRUPO 1 INFORMATIVO 2015 GRUPO 1 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 4

INFORMATIVO 2015 GRUPO 4 INFORMATIVO 2015 GRUPO 4 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Segundo o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil : Educar significa, portanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens

Leia mais

A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS. Introdução

A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS. Introdução A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS Alessandra Braga Costa le. bcosta@hotmail.com Acadêmica do curso de Pedagogia Bolsista ICV da Unimontes Geisa Magela Veloso velosogeisa@gmail.com

Leia mais

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo.

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. porta aberta Nova edição Letramento e Alfabetização 1º ao 3º ano A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. 25385COL38 Os 3 volumes iniciais são voltados para a aquisição do sistema

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES 2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES De acordo com a Abordagem Histórico-Cultural, que fundamenta está proposta, a Instituição de Educação Infantil deverá ser pensada

Leia mais

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 AMOSC-EGEM-FECAM Cuidar e educar como aspectos integrados; Construção de um currículo que

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL

A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL ILZE MARIA COELHO MACHADO (SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO). Resumo Este artigo sintetiza algumas práticas docentes que focalizam o trabalho com as

Leia mais

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I VAMOS BRINCAR DE CONSTRUIR AS NOSSAS E OUTRAS HISTÓRIAS UNIDADE 4 ANO 2 Abril de 2013 Iniciando a conversa Objetivos Centrais: conhecer a importância do uso de jogos e brincadeiras no processo de apropriação

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS Joaquim Gama Universidade de Sorocaba UNISO quimgama@uol.com.br RESUMO: A fisicalização, no sistema de jogos teatrais, como possibilidade de tornar o imaginário

Leia mais

Projeto: Teatro Infantil

Projeto: Teatro Infantil Cooperativa de Ensino e Cultura de Santa Rita Projeto: Teatro Infantil O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico Garcia Lorca) 1 Unidade Executora: Coordenação Pedagógica, Grupo

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO Na vida de uma criança, para além do entretenimento, o jogo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO OLIVEIRA, Andrielly Silva CHICARELLE, Regina (Orientadora) Universidade Estadual de Maringá Formação de professores e Intervenção

Leia mais

3. Concepção da criança, do desenvolvimento infantil e da aprendizagem:

3. Concepção da criança, do desenvolvimento infantil e da aprendizagem: 1. Identificação Nome da Escola: "Centro de Educação Infantil Piuí" Rua Mª das neves de Jesus nº 132, Viçosa MG. CEP: 36570-000 Entidade Mantenedora: Centro de Educação Piuí, esta destinado a atender crianças

Leia mais

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Prezados Pais: Este documento foi preparado com o objetivo de oferecer a vocês informações sobre o trabalho que será realizado com as crianças durante

Leia mais

DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA

DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA Áurea Emilia da Silva Pinto BACOR/PPGED/UFRN Resumo Esse trabalho foi elaborado a partir de uma roda

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego?

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego? Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Eu me remexo muito. E onde eu chego? Turma: Maternal II A Professora

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

PRATICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS MÚLTIPLAS LINGUAGENS NO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA ESCRITA

PRATICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS MÚLTIPLAS LINGUAGENS NO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA ESCRITA PRATICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS MÚLTIPLAS LINGUAGENS NO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA ESCRITA Resumo MONDARDO, Giselly Cristini 1 - UFPR PUDELCO, Marilize Cristiane Nogas 2 - UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i Rozenilda Maria de Castro Silva ii O trabalho que pretendemos socializar é o Projeto Pedagógico Historiando Guaribas, de alfabetização

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

Psicomotricidade é a ciência do Homem em movimento, das relações consigo e com o mundo, com o corpo, através do corpo e de sua corporeidade Freinet.

Psicomotricidade é a ciência do Homem em movimento, das relações consigo e com o mundo, com o corpo, através do corpo e de sua corporeidade Freinet. I - PSICOMOTRICIDADE Introdução Psicomotricidade é a ciência do Homem em movimento, das relações consigo e com o mundo, com o corpo, através do corpo e de sua corporeidade Freinet. O estudo da psicomotricidade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BURITI SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED CADERNO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BURITI SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED CADERNO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BURITI SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED CADERNO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL 2 RAFAEL MESQUITA BRASIL Prefeito Municipal JOSÉ ROMILDO DE QUEIROZ ATAÍDE

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 4 e 5 Anos

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 4 e 5 Anos Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 4 e 5 Anos COMPETÊNCIA CONTEÚDO

Leia mais

COLÉGIO DIDÁTICO MANUAL DO ALUNO E DA FAMÍLIA BABY 2014

COLÉGIO DIDÁTICO MANUAL DO ALUNO E DA FAMÍLIA BABY 2014 COLÉGIO DIDÁTICO MANUAL DO ALUNO E DA FAMÍLIA BABY 2014 1. QUERIDO ALUNO, Seja muito bem-vindo! Observe bem todo este espaço, é o seu Colégio, o Didático Baby. Aqui é o lugar onde você vai conhecer suas

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS PAIS SOBRE O USO DA BRINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REPRESENTAÇÕES DOS PAIS SOBRE O USO DA BRINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE TEORIA E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO 1 GREICY MARIANA CRIVELARI REPRESENTAÇÕES DOS PAIS SOBRE O USO DA BRINCADEIRA NA

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

O Brincar na Educação Infantil

O Brincar na Educação Infantil O Brincar na Educação Infantil Maévi Anabel Nono Unesp - Departamento de Educação Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Como escrevem Imma Marín e Silvia Penón (2003/2004, p. 30), especialistas

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação.

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação. Meu Mini Mundo 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Alexandre FERREIRA 3 Bruno César de SOUZA 4 Mayra Magalhães GOMES 5 Thiago Arthur GOMES 6 Lamounier Lucas PEREIRA Jr. 7 Centro Universitário Newton Paiva, Belo

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

COLEÇÃO SAE DIGITAL EDUCAÇÃO INFANTIL

COLEÇÃO SAE DIGITAL EDUCAÇÃO INFANTIL COLEÇÃO SAE DIGITAL EDUCAÇÃO INFANTIL A CRIANÇA E O MUNDO A coleção está organizada com base em duas concepções principais: o entendimento sobre o que é a criança e determinada definição de cultura. A

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A FORMAÇÃO DO PROFESSOR: O ESPAÇO EM QUE ESTABELECE RELAÇÕES ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DA

Leia mais

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO Luciano de Lima Costa Raquel Pessoni Tinonin Thaís Inácio Braga (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA UENP/CJ) O

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Introdução Antes de mais nada, temos que ter claro que não existe uma receita pronta para a inserção da dimensão ambiental no currículo escolar,

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO Módulo V A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos Alexsandro da Silva Solange Alves de Oliveira Mendes EDUCAÇÃO INFANTIL Continuidade e Ampliação

Leia mais