SÍNTESE DOS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS PORTUGUESAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNTESE DOS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS PORTUGUESAS"

Transcrição

1 Contrato de Confiança no Ensino Superior para o Futuro de Portugal SÍNTESE DOS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS PORTUGUESAS Setembro de 2010 Síntese preparada para a abertura do ano lectivo de 2010/2011 no Ensino Superior Universitário Público, realizada na Universidade da Madeira, 13 de Setembro de 2011, juntamente com a assinatura dos Programas de Desenvolvimento entre o MCTES e todas as Universidades Públicas Portuguesas. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 1

2 PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS PORTUGUESAS (pilares essenciais) O Contrato de Confiança, assinado em Janeiro de 2010 entre o Governo e as Universidades públicas portuguesas, constituiu uma iniciativa única no panorama do desenvolvimento do ensino superior em Portugal. Os Programas Específicos de Desenvolvimento, entretanto elaborados ao abrigo daquele Contrato, irão ser assinados na Universidade da Madeira a 13 de Setembro de 2010 e baseiam-se nos seguintes fundamentos: 1. Apostam numa diversidade de propostas, inerente à autonomia universitária. Contudo reforçam a coesão do sistema universitário; 2. Oferecem todos os níveis de formação, incluindo os não conferentes de grau. Contudo, baseiam-se num sistema de avaliação e acreditação interna e externa, num quadro de desenvolvimento de sistemas de garantia de qualidade das instituições; 3. Englobam formações nas diferentes áreas de conhecimento, desde as ciências sociais e humanas e as artes às tecnologias, às engenharias e à saúde. Contudo, fundamentam-se numa investigação científica sólida e avaliada com base em critérios internacionalmente reconhecidos; 4. Permitem mobilizar novos públicos, reconhecendo percursos profissionais qualificados e diversificados. Contudo apresentam igualmente o objectivo do combater o insucesso escolar; 5. Empenham-se em modelos de formação que asseguram uma efectiva ligação ao mundo empresarial, social e institucional, valorizando os regimes pós-laboral e a tempo parcial. Contudo, revelam também uma acrescida preocupação com a empregabilidade dos diplomados; 6. Estimulam a mobilidade, a todos os níveis, dos estudantes, dos docentes e dos investigadores. Contudo, promovem uma maior ligação dos diplomados às respectivas instituições de formação; 7. Generalizam a utilização de novas metodologias pedagógicas, reforçando designadamente o ensino à distância. Contudo comprometem-se a promover um maior apoio à formação pedagógico dos docentes; 8. Consideram essencial a reorganização da rede do ensino superior, na qual as universidades estão empenhadas. Contudo, assumem, desde já, iniciativas conjuntas que facilitarão esse processo, nomeadamente através da criação de redes universitárias; 9. Reafirmam a importância da internacionalização como instrumento essencial para o desenvolvimento das universidades portuguesas. Contudo, estão igualmente empenhadas no desenvolvimento sustentado das comunidades regionais. 13 de Setembro de 2010 A Comissão Permanente do CRUP Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 2

3 Índice Universidade Aberta... 4 Universidade dos Açores... 5 Universidade do Algarve... 6 Universidade de Aveiro... 7 Universidade da Beira Interior... 8 Universidade de Coimbra... 9 Universidade de Évora Universidade de Lisboa Universidade da Madeira Universidade do Minho Universidade Nova de Lisboa Universidade do Porto Universidade Técnica de Lisboa Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Anexo Súmula Geral dos Programas de Desenvolvimento Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 3

4 REITORIA Programa Específico de Desenvolvimento da Universidade Aberta 1. O Programa Específico de Desenvolvimento (PED) da Universidade Aberta (UAb) assenta em dois pressupostos: A UAb é uma universidade de ensino a distância (EaD), regime cuja singularidade está projetada neste PED e cujas potencialidades são expressamente reconhecidas no Contrato de Confiança; A UAb tem estado a reorientar a sua oferta pedagógica, no sentido de captar públicos diversos dos das universidades convencionais. 2. O Programa Específico de Desenvolvimento da UAb obedece a prioridades estratégicas (designadamente: abertura a novos púbicos, flexibilidade do modelo pedagógico e organização em rede), inspirando quatro objetivos: Rearticular a oferta pedagógica, visando públicos usualmente fora do horizonte do Ensino Superior; Ampliar a oferta pedagógica em aprendizagem ao longo da vida, em conjugação com o princípio da certificação de competências; Reforçar a intervenção a nível local, viabilizando maior proximidade em relação às comunidades e às suas expectativas; Aprofundar a inovação em ensino a distância, desenvolvendo ferramentas e canais de comunicação com grandes potencialidades pedagógicas. 3. As nove ações a seguir enunciadas traduzem iniciativas de ensino específicas e outras que correspondem a procedimentos de suporte: Ação 1: Revisão crítica da oferta pedagógica da UAb; Ação 2: Novos programas de aprendizagem ao longo da vida; Ação 3: Estabelecimento de parcerias extra-universitárias; Ação 4: Acordos com instituições de Ensino Superior; Ação 5: Avaliação do modelo pedagógico virtual; Ação 6: Consolidação da investigação em EaD; Ação 7: Relançamento da produção audiovisual; Ação 8: Lançamento de um programa de recursos educativos abertos; Ação 9: Ativação de instrumentos para garantia da qualidade. 4. De acordo com o exposto, o contributo da UAb para o Contrato de Confiança, considerando apenas o incremento formativo previsto no PED, traduz-se na qualificação superior de 5334 indivíduos. Em termos globais e tendo em atenção que o público-alvo da UAb é desde sempre constituído por ativos em busca de qualificação superior, entende-se que o número final de 7682 indivíduos contribui, de forma acrescentada, para o espírito do Contrato de Confiança. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 4

5 Programa de Desenvolvimento da Universidade dos Açores para o Progresso do Ensino Superior em Portugal O Programa de Desenvolvimento da Universidade dos Açores para o Progresso do Ensino Superior em Portugal, apresentado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, no quadro do contrato de confiança, celebrado entre o Governo e as Instituições de Ensino Superior, retoma prioridades e acções do Plano Estratégico de Médio Prazo, aprovado em Conselho Geral de 24 de Outubro de De facto, entre as medidas do Plano Estratégico de Médio Prazo da Universidade dos Açores e do Contrato de Confiança no Ensino Superior para o Futuro de Portugal, identificamos uma grande convergência. Em ambos os documentos, define-se por desafio do Ensino Superior Português a qualificação superior dos recursos humanos, com adequada preparação científica e tecnológica. Por acréscimo, defende-se a garantia de mais formação para mais estudantes, o reforço da qualidade e da internacionalização, o incremento da investigação e o estabelecimento de maior correlação entre as instituições de Ensino Superior e a vida económica, social e cultural da Região e do País. O programa de desenvolvimento da Universidade dos Açores integra três tipos de medidas, todas elas atinentes ao acréscimo do número de diplomados e à melhoria da respectiva qualificação. São elas: a diversificação do ensino e o acréscimo do número de estudantes; o desenvolvimento da investigação e a transferência do conhecimento; o reforço da qualidade e do reconhecimento. A concretização deste programa de desenvolvimento beneficia ainda do ritmo de formação dos quadros, nomeadamente, os da docência e da investigação, e da entrada em funcionamento de novas instalações nos campi de Angra do Heroísmo e da Horta. O Contrato de Confiança obriga as instituições universitárias e politécnicas à formação de mais activos até No âmbito do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), acordou-se na contribuição de cada instituição para o cumprimento do objectivo global, consoante a respectiva percentagem de diplomados no ano lectivo de Cabe, portanto, à Universidade dos Açores a formação, no próximo quadriénio, de mais 800 activos. Porém, subsiste a possibilidade de superação deste compromisso, dado o facto da instituição universitária açoriana conferir anualmente mais do que os 545 diplomas atribuídos em Todavia, por prudência, preferimos manter a meta das oito centenas de novos graduados, porque a Universidade dos Açores subiste no mercado estudantil mais difícil, caracterizado pela pequenez e pela dispersão, e onde já se experimentaram estratégias de captação de mais alunos ainda relativamente inexploradas no conspecto mais geral, designadamente, um ingresso significativo de maiores de 23 anos e a expansão dos cursos de especialização tecnológica (CET). Após a análise das tendências do mercado, entendemos que, antes do impacto resultante do alargamento da escolaridade até ao 12º ano, as possibilidades de maior expansão ocorrerão no pós-secundário e nos ciclos pós-graduados, através do ingresso de activos carentes da requalificação e da especialização indispensáveis à obtenção de maior êxito profissional na sociedade do conhecimento. Por isso, à margem de uma intervenção na melhoria do sucesso escolar (55), prevemos maior crescimento na frequência de cursos de especialização tecnológica (CET) (180) e de cursos do 2º e 3º ciclos, além de pós-graduações não conferentes de grau (405). Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 5

6 Programa de Desenvolvimento da Universidade do Algarve O Programa de Desenvolvimento da Universidade do Algarve irá contribuir, no período 2010/2013, para a concretização das metas definidas no Contrato de Confiança, oportunamente assinado com o Governo. Os objectivos estabelecidos no Plano de Desenvolvimento permitirão acrescentar, durante aquele período de quatro anos, um total de cerca de diplomados. Estes diplomados abrangem os diversos graus (licenciado, mestre e doutor) e ainda os Cursos de Especialização Tecnológica (CETs) e os Cursos de Especialização e Aperfeiçoamento não conducentes a grau. A Universidade do Algarve manterá a sua oferta formativa diversificada, melhorando o desempenho das formações pós-laborais e das linhas de ensino à distância. As áreas científicas a privilegiar neste Programa correspondem às principais áreas científicas da Universidade do Algarve, designadamente as Ciências do Mar, o Turismo, a Biomedicina, a Gestão, as Artes, o Ambiente e as Tecnologias da Informação. A dinamização das estruturas de autoavaliação e de gestão da comunicação interna proporcionará um avanço no sucesso escolar, assim como garantirá um melhor acompanhamento do impacte das políticas seguidas. As medidas a executar visam atrair novos públicos para cursos conducentes ou não a grau, de curta ou longa duração, de especialização, de aperfeiçoamento ou de reconversão profissional de activos desempregados. Tais medidas promoverão a mobilidade e a empregabilidade, desenvolvendo competências transversais de forma a adequar saberes adquiridos às alterações dos contextos profissionais. Mecanismos de acesso à universidade, tais como maiores de 23 anos e reingressos, bem como medidas que favoreçam a frequência universitária em regime de tempo parcial serão aprofundados, sendo toda a formação certificada em ECTS. No campo da internacionalização, aumentar-se-á o número de alunos em programas de mobilidade, procurando que o número de estudantes estrangeiros atinja cerca de 15% do total de estudantes inscritos (presentemente o seu valor corresponde a cerca de 9%). As políticas de internacionalização contemplarão também a criação de parcerias nas áreas da docência, da investigação e da mobilidade, em particular, no espaço europeu, na área do Mediterrâneo e nos países de língua oficial portuguesa. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 6

7 Programa de Desenvolvimento da Universidade de Aveiro no âmbito do Contrato de Confiança com o Governo A contribuição da Universidade de Aveiro para o objectivo de qualificação superior fixado pelo Governo corresponde a um acréscimo aproximado de 4400 diplomados. Este objectivo será atingido através do estabelecimento de vagas adicionais e da melhoria do sucesso escolar. A concretização das metas, fixadas a quatro anos, terá tradução nos Cursos de Especialização Tecnológica (CET), nas Licenciaturas, nos 2 0s ciclos e Mestrados Integrados e nos Doutoramentos. Nos CET (mais 493 diplomados) haverá um aumento das vagas nos cursos em funcionamento nas várias Escolas Politécnicas, já a partir de 2010/11; e serão criados 6 novos cursos nos anos lectivos seguintes. Estas opções assentam na análise feita pela UA das necessidades de formação de activos a partir nomeadamente da recolha de informação junto do tecido económico da região e são suportadas pelo interesse manifestado por parceiros relevantes para a efectivação dos cursos. O aumento de vagas nas licenciaturas (levando a 1512 diplomados adicionais) tem como destinatários prioritários novos públicos, designadamente Maiores de 23 anos, Detentores de CET e activos que abandonaram o Ensino Superior antes da obtenção de qualquer grau ou desejam requalificar-se. A distribuição dessas vagas, pelos grupos alvo, tem em conta a procura verificada em anos anteriores e enquadra-se em novas políticas da Universidade, facilitadoras do acesso e integração de mais estudantes e de abertura a estratos sociais diferenciados, que levaram, nomeadamente, à criação da Unidade Integrada para a Formação Continuada (UINFOC). Salienta-se o aumento de vagas para o regime Pós-Laboral e para o Ensino a Distância, este último sendo igualmente valorizado enquanto instrumento de promoção do sucesso escolar. Relativamente ao 2º ciclo (mais 2268 diplomados), o aumento de ingressos será conseguido em vagas associadas a cursos existentes ou a novos cursos já acreditados pela Agência A3ES. Em particular, criarse-ão condições de definição célere de planos individuais de formação em situações várias de requalificação e de reconversão, no Regime de Tempo Parcial ou não; e privilegiar-se-á a formação em ambiente empresarial através de estágios e projectos. Merece, ainda, uma referência especial a oferta de 40 vagas adicionais resultante da entrada em funcionamento (2011/12) do novo 2º ciclo em Medicina, por consórcio entre as Universidades de Aveiro e do Porto (Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar). As vagas adicionais no 3º ciclo (conduzindo a mais 109 diplomados) resultam fundamentalmente de novos programas doutorais um número significativo deles em parceria com outras Instituições de Ensino Superior, apoiados na recém-criada Escola Doutoral da UA que dedicará ao doutoramento em empresa uma especial atenção. A melhoria do sucesso escolar (traduzida em mais 875 diplomados) tomará em conta os resultados do Sistema de Garantia de Qualidade e será consequência de alterações comportamentais dos docentes e estudantes através de programas já no terreno ou que virão a ser lançados; os quais permitirão, por um lado, dotar os estudantes de superior capacidade de auto-estudo e de maior responsabilidade e, por outro, alterar profundamente a tipologia de relacionamento professor-estudante. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 7

8 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO Preâmbulo Enquadramento, objectivos gerais, articulação com documentos estruturantes da instituição, e compromissos assumidos pela UBI e pelo MCTES. 2. Concretização Âmbito Ensino e Aprendizagem Investigação Garantia da Qualidade Internacionalização Gestão e Governação Coordenação/ operacionalização Vice-Reitoria para o Ensino e a Internacionalização Gabinete de Desenvolvimento e Apoio Educativo Instituto Coordenador de Investigação Gabinete da Qualidade Vice-Reitoria para o Ensino e a Internacionalização Reitoria/ Administração Designação Medidas Caracterização 1. Promover a qualificação de activos Objectivos plurianuais 2. Aumentar a qualificação no domínio das Ciências da Saúde 3. Empreender o aperfeiçoamento curricular 4. Aumentar a produção científica e a sua divulgação 5. Implementar um sistema interno de garantia de qualidade 6. Aprofundar a internacionalização ao nível do ensino e da investigação 7. Implementar mecanismos de gestão eficaz e eficiente de recursos humanos e materiais Objectivos anuais Destinatários/ Intervenientes Acções a implementar Metas quantitativas e qualitativas Medidas e metas estruturantes - Ênfase no 2º ciclo, regime pós-laboral e ensino à distância; - Reforço da qualificação no domínio das Ciências da Saúde, sobretudo na área da Medicina, com aumento de vagas (até ao limite de 200/ano) nos regimes de ingresso aplicáveis; - Aumento de 2455 novos diplomados, 1380 dos quais em cursos de 2ºciclo. 3. Monitorização, avaliação e publicitação de resultados Definição de instrumentos e procedimentos de monitorização e avaliação internas e externas. Convento de Santo António, Covilhã, PORTUGAL Telef.: Fax:

9 Programa Específico de Desenvolvimento da Universidade de Coimbra O Programa Específico de Desenvolvimento da Universidade de Coimbra (UC) para o período traduz o comprometimento da UC com o Contrato de Confiança e reitera o seu compromisso com o desenvolvimento do ensino superior e da ciência em Portugal. Define duas grandes áreas de intervenção, constituindo-se em dois subprogramas apontados especificamente para os objectivos principais do Contrato de Confiança, e que emanam das orientações estratégicas da Universidade de Coimbra aprovadas em Conselho Geral: Subprograma 1 Reforço da oferta formativa Este subprograma estrutura-se em duas áreas de intervenção: A Mais formação para mais estudantes, que foca primordialmente novos estudantes e estudantes que já frequentam o ensino superior, alargando a oferta de cursos de acesso à universidade ou complementando a formação de estudantes já integrados no ensino superior, particularmente com cursos de mestrados e de doutoramento. A oferta de novos programas doutorais, com especial destaque para os programas doutorais em áreas interdisciplinares, reforça a centralidade da investigação na estratégia da UC. B Aumentar a requalificação de diplomados, que visa trazer à universidade estudantes já diplomados, com particular ênfase para a faixa da população activa que teve a sua formação universitária (pré-bolonha) nos últimos doze anos, através de mestrados em regime intensivo, pensados especificamente para a actualização científica e tecnológica, e ajustados em termos de horário às necessidades de estudantes activos. Estes cursos funcionarão essencialmente em regime pós-laboral em sentido lato, pela concentração da parte lectiva no final da semana (sextas-feiras e sábados), de forma a permitir que os estudantes no activo se possam deslocar a Coimbra para actividades lectivas de contacto. Estão ainda previstos mestrados para licenciados pré-bolonha em regime de ensino a distancia e blended learning. Subprograma 2 Consolidação, racionalização e aumento da eficiência formativa Este subprograma inclui quatro grandes áreas de intervenção, que se relacionam fortemente com as orientações estratégicas da UC. Estas áreas de intervenção visam a consolidação e racionalização de processos e de sistemas (e.g., o Sistema de Gestão da Qualidade Pedagógica da Universidade de Coimbra) e o aumento da eficiência formativa, quer através da intensificação da partilha de unidades curriculares entre os diferentes cursos, quer pela adopção de modelos pedagógicos que procuram a utilização óptima dos recursos humanos e materiais disponíveis. Em resultado das acções atrás descritas de forma sumaria, a UC estabeleceu o objectivo de contribuir com um total de mais estudantes qualificados até ao final do quadriénio. Considerando apenas os cursos conferentes de grau, estima-se um acréscimo de diplomados, tal como mostrado no quadro que se segue. Tipo de Curso Incremento no número de diplomados 2010/ / / /14 Total Distrib. % Licenciatura ,8% Mestrado ,2% Mestrado Integrado ,7% Doutoramento ,3% Total % O sistema de monitorização do planeamento de actividades da Universidade de Coimbra prevê o acompanhamento das actividades desenvolvidas, no sentido da verificação do cumprimento dos objectivos, monitorizando o progresso planeado e as medidas correctivas a considerar para resolver desvios de desempenho. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 9

10 Nota Síntese Explicativa do Programa de Desenvolvimento assinado entre a UE e o MCTES O Programa de Desenvolvimento da Oferta Formativa apresentado pela Universidade de Évora ao Ministério para a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) procura ir ao encontro dos princípios definidos pelo Contrato de Confiança estabelecido entre o MCTES e as Instituições do Ensino Superior (IES), tendo em linha de conta as especificidades da Universidade de Évora e da região em que se insere, bem como os objectivos estabelecidos pelo Plano de Actividades da Universidade. Assim, o documento apresentado ao MCTES e que configura o Programa de Desenvolvimento da Oferta Formativa na Universidade de Évora ao nível da formação para o quadriénio envolve um conjunto diversificado de medidas de natureza transversal relativas à racionalização e reforma global da oferta educativa e às infra-estruturas básicas para garantir o seu cumprimento. É nosso objectivo criar as condições para o alargamento da oferta a novos públicos, para a melhoria do nível de qualificação dos activos formados e para a consolidação da qualidade global da oferta formativa. Tais orientações incidirão sobre todos os ciclos formativos e procurarão incentivar o reingresso e a reconversão de activos, em estreita articulação com uma maior abrangência e diversificação dos públicos-alvo. Entre as medidas propostas destacamos: a) a análise e reorganização da oferta formativa, visando uma maior racionalização da oferta e uma maior sinergia dos recursos humanos disponíveis; b) a consolidação da formação de 3º Ciclo (Doutoramento) interligando-a com áreas privilegiadas de investigação; c) a abertura de formação a novos públicos através do alargamento do regime pós-laboral (disponibilizámos este ano lectivo 4 licenciaturas em regime pós-laboral: Ciências Exactas e Naturais, Filosofia, História e Arqueologia e Línguas, Literaturas e Culturas), do apoio aos reingressos (alargamento do Programa "Vale a Pena Ser Mestre" que abrange os licenciados de 4 e de 5 anos) e reconversão profissional e da implementação do Ensino à Distância (com ênfase em mestrados e cursos de curta duração); d) a formação ao longo da vida com destaque para novos cursos de pós-graduação, tendo-se aberto já neste ano lectivo novas formações em Contabilidade e Finanças, Línguas Aplicadas e Tradução, Teatro, Educação e Comunidade, Ensino Vocacional de Música, Filosofia para Crianças e Supervisão em Enfermagem; e) o reforço da mobilidade e cooperação internacional, quer a nível do ensino quer da investigação; f) o fomento do sucesso escolar. A concretização dos objectivos do presente Programa será acompanhada por mecanismos de monitorização e de avaliação desenvolvidos no Programa para a Promoção da Qualidade da Universidade de Évora (PROQUAL), tendo em conta as recomendações da equipa de avaliação da European University Association. Estes mecanismos de auto e hetero-avaliação permitirão aferir os seus resultados e equacionar os ajustamentos considerados pertinentes ao longo do quadriénio. Desta forma temos como horizonte (ver quadro anexo) atingir o número de 7200 diplomados em diferentes ciclos de estudo no conjunto do quadriénio 2010/2014, um aumento de 50% na média anual relativamente à situação actual. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 10

11 ANOS Quadro Previsão do número total de diplomados por ano Ano de referência 2008/ / / / /14 TOTAL Cursos Especialização Tecnológica (CETs) Cursos não Conferentes de Grau (= ou > a 15 ECTS) º Ciclo º Ciclo - Mestrado Integrado e Mestrado Profissionalizante º Ciclo TOTAIS Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 11

12 Universidade de Lisboa Bases programáticas e indicadores para o Contrato de Confiança Nota síntese 1 Objectivo central Qualificação superior de mais 6500 indivíduos no global de 100 mil activos no conjunto do Ensino Superior no período Tendo como referência o último ano em que existem dados consolidados (2007/2008), a Universidade de Lisboa estabelece como meta a qualificação com habilitações de nível superior de mais 6500 indivíduos (6,5% do total dos 100 mil que serão qualificados pelo ensino superior público), ao longo do período Este objectivo será concretizado através das seguintes modalidades e iniciativas, com prioridades a definir por cada Faculdade e Instituto da Universidade de Lisboa: Abertura e expansão das agregações, nomeadamente a candidatos exteriores à Universidade Aumento dos estudantes em programas de doutoramento Programa especial de doutoramento (qualificação dos docentes do ensino superior politécnico) Aumento dos estudantes em cursos de Mestrado Abertura de cursos de Mestrado específicos para licenciados pré-bolonha (realização de dissertação) Aumento dos estudantes em cursos de pós-graduação, designadamente em cursos realizados através de protocolos Aumento moderado dos estudantes de Mestrado Integrado Acesso ao 2.º ciclo do Mestrado Integrado por licenciados oriundos de outras Escolas Aumento moderado dos diplomados de licenciatura Criação de novos cursos transversais de licenciatura Alargamento da oferta a Maiores de 23 anos e regime pós-laboral. Cursos em ensino a distância Promoção do sucesso escolar Conclusão do curso por estudantes com licenciaturas incompletas 2 Objectivo complementar A Universidade de Lisboa compromete-se a dinamizar as suas actividades de formação ao longo da vida, através de um conjunto de iniciativas a desenvolver centralmente e pelas unidades orgânicas, tais como: Maior abertura dos cursos de licenciatura para a frequência como aluno em regime livre de disciplinas Aprofundamento da relação com entidades públicas, designadamente autarquias, na perspectiva da realização de cursos, seminários e outras actividades de formação ao longo da vida Protocolos com entidades privadas com vista à realização de cursos de formação e actualização profissional Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 12

13 Universidade de Lisboa Oferta de formação especializada para trabalhadores, nomeadamente desempregados, através de acordos com o IEFP e outras entidades Desenvolvimento de iniciativas de carácter cultural e de divulgação científica, bem como de actividades de formação abertas à população em geral 3 Objectivos adicionais Mobilidade e internacionalização Empregabilidade Empreendedorismo COMPROMISSO UL - DIPLOMADOS QUADRIÉNIO 2009/ /2013 Diplomados UL 2007/ / / / / / / / / / / /2013 Agregação Doutoramento Mestrado (2.º ciclo) Curso pós-graduado de especialização Mestrado integrado Licenciatura Curso de especialização tecnológica (CET) Total Crescimento em relação a 2007/ A soma dos quatro valores incluídos na última linha dá um número total de 6850 diplomados a mais pela Universidade de Lisboa ao longo do quadriénio do Contrato. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 13

14 Resumo da estimativa do número total de alunos e total de formados contidos no Programa Específico de Desenvolvimento da Universidade da Madeira no âmbito do Contrato de Confiança para a melhoria da oferta do Ensino Superior em Portugal Nos quadros seguintes estão o número de alunos e o número de formados da Universidade da Madeira (UMa). Nas linhas a amarelo destacamos o número de alunos e o número de formados da UMa no contexto do Programa Específico de Desenvolvimento da Universidade da Madeira no âmbito do Contrato de Confiança para a melhoria da oferta do Ensino Superior em Portugal, abreviadamente designado por Programa. Quadro 1 Total de alunos Total Licenciatura+1º Ciclo Mestrado+2º ciclo Programa - Mestrados M.I. Medicina Doutoramento3º ciclo Pós-Graduação Programa - Pós-graduações CET Programa - CET Total de alunos inscritos Quadro 2 Total de formados Total Licenciatura+1º Ciclo Mestrado+2º Ciclo Programa - Mestrados Doutoramento+3º ciclo Pós-Graduação Programa - Pós-graduações CET Programa - CET Total de Formados Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 14

15 PROGRAMA ESPECÍFICO DE DESENVOLVIMENTO DA UMINHO O Programa Específico de Desenvolvimento celebrado entre o MCTES e a Universidade do Minho (UMinho) comporta três tipos de medidas relativamente à oferta educativa: de alargamento e reforma; de enquadramento e consolidação; de monitorização e avaliação. Medidas de alargamento e reforma da oferta educativa O Programa engloba diversas iniciativas educacionais, alargando a oferta educativa da Universidade através da inclusão projectos de formação graduada e pós-graduada, bem como cursos de formação especializada e de estudos avançados não conducentes a grau, vocacionados para públicos com apetência por horários lectivos póslaborais, que procurem complementar ou reconverter a sua formação base ou que pretendam obter ou concluir um grau universitário. Será aumentada a oferta formativa nos domínios das ciências da saúde, com base em variantes ao modelo educativo inovador usado pela da Universidade. A UMinho comprometeu-se, face aos indicadores actuais, a aumentar em 5500 o número de activos qualificados em 4 anos. Em simultâneo, será desencadeado um processo de reforma dos currículos em articulação com a racionalização da sua oferta educativa, tendo como objectivos: aumentar o número de unidades curriculares (UCs) comuns a diversos ciclos de estudos; reduzir o número total de unidades oferecidas pela Universidade; oferecer um número significativo de UC s em língua; reforçar as competências transversais dos estudantes; implementar a oferta de UCs transversais nos domínios da ética, da criatividade e do empreendedorismo. É também compromisso da UMinho a consolidação da internacionalização do ensino e da investigação, bem como o alargamento das parcerias estratégicas com instituições internacionais de referência, visando uma qualificação de excelência dos seus alunos. Medidas de Enquadramento e Consolidação A implementação das medidas acima referidas será apoiada por iniciativas complementares que visam aumentar a eficácia da oferta formativa, melhorando as infra-estrutura de apoio ao e-learning, o desenvolvimento de um Centro de Apoio ao Ensino, o acompanhamento especializado dos alunos com necessidades educativas especiais, o reforço do projecto RepositoriUM e o desenvolvimento de um programa de combate à fraude académica e de promoção dos valores éticos. Serão ainda adoptadas medidas tendentes a assegurar a formação integral e equilibrada do indivíduo, integrando elementos das matrizes humanista e científica, num quadro de assunção de valores éticos. Neste contexto, o desenvolvimento de uma actividade cultural consistente, em interacção com a sociedade, é assumida como essencial ao cumprimento da missão da Universidade e ao perfil de formação diferenciada que pretende garantir. Medidas de Monitorização e Avaliação de Impacto Todas as medidas antes referidas serão objecto de monitorização e avaliação de impacto que permitirão aferir o seu grau de consecução e introduzir os ajustamentos considerados necessários. A Universidade do Minho implementará procedimentos internos de avaliação, nomeadamente através de mecanismos de monitorização e avaliação do SIGAQ-UM e da publicitação de relatórios anuais de progresso. A Universidade valorizará para o efeito como interlocutor privilegiando a A3ES. A monitorização de percursos profissionais e empregabilidade será implementada através da consolidação do Observatório do Emprego dos Diplomados pela UMinho. Paralelamente, serão desencadeados procedimentos de benchmarking internacional das Unidades Orgânicas de Ensino e de Investigação (UOEI), e das suas subunidades departamentos e centros de investigação. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 15

16 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Programa de Desenvolvimento no âmbito do Contrato de Confiança A Nova assumiu os desafios de qualificação de activos, colocados pelo Contrato de Confiança, como uma excelente oportunidade para reformular a sua oferta curricular. Recentemente, foram submetidos à Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), cerca de duzentos ciclos de estudos, do 1º ao 3º, que constituem as formações conferentes de grau. Essa tem sido a grande vocação da Nova, realizada com considerável sucesso, patente no número de diplomados que passou de 2634 em 2007/2008 para 3213 no ano lectivo seguinte, sobretudo à custa do número de mestres que aumentou de 827 para Em contrapartida, o número de qualificações não conferentes de grau foi muito escasso nunca ultrapassando os 100 activos, nos anos lectivos acima referidos. As metas fixadas pela Nova apontam para um aumento adicional de activos qualificados, com ou sem grau, que se aproxima dos nos próximos quatro anos. Esse aumento será feito através dos seguintes tipos de acções: redução do insucesso escolar; aumento da oferta ao nível dos 2ºs ciclos e dos cursos não conferentes de grau, tais como cursos de pós-graduação e de especialização acima dos 30 ECTS; reforço do contacto com antigos alunos possibilitando a obtenção de qualificações mais elevadas, por exemplo 2ºs ciclos, ou formações especializadas no âmbito da aprendizagem ao longo da vida; aproximação ao tecido empresarial para a realização de joint ventures destinadas à actualização técnica e científica dos respectivos quadros. Dos 5961 novos activos previstos nos próximos quatro anos 67% serão graduados, os restantes 33% representam um aumento que oscila entre as quatro e as seis vezes em relação aos anos anteriores ao Programa de Desenvolvimento. Este novo planeamento curricular teve também como objectivo reforçar a interdisciplinaridade e a colaboração inter-institucional na Nova através da articulação entre Unidades Orgânicas com grande sucesso nacional e internacional na área da formação e outras com uma forte componente de investigação. Registou-se também um aumento de cursos em b-learning, ao nível dos 2ºs ciclos. A existência de uma avaliação anual externa dos Programas de Desenvolvimento por parte da A3ES é, para a Nova, uma vertente essencial do sucesso, que todos desejamos, para a concretização das metas do Contrato de Confiança. António Rendas Lisboa, Setembro 2010 Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 16

17 CONTRIBUTO DA U.PORTO PARA A MELHORIA DA OFERTA DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL AO ABRIGO DO CONTRATO ESPECÍFICO DE DESENVOLVIMENTO ESTABELECIDO COM O MCTES A Universidade do Porto, no âmbito do seu compromisso com o contrato de confiança estabelecido entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) e as Instituições de Ensino Superior, assumiu a concretização de um programa de desenvolvimento tendo em vista o reforço da qualificação de activos ao longo do quadriénio Neste enquadramento, a U.Porto desenvolverá um conjunto de medidas que visam reforçar a sua capacidade formativa inicial, alargando-a novos públicos, bem como promover o sucesso escolar dos seus estudantes e reforçar a oferta formativa pós-graduada, conferente ou não de grau, tendo em vista a melhoria das qualificações da população portuguesa e as condições para a aprendizagem ao longo da vida. Tais medidas deverão conduzir, até ao final de 2014, a um progressivo aumento não só dos diplomados nos vários graus conferidos pela U.Porto, mas também de diplomados em formações não conferentes de grau que resultem em actualização de conhecimentos, alargamento de competências, qualificações ou requalificações profissionais de activos. No final do período em questão espera-se alcançar um número de novas qualificações que representará um acréscimo de mais de 20% relativamente ao que seria alcançado caso se mantivesse, em cada ano, ao longo desse período, o número de qualificações alcançado em As principais medidas a implementar são as seguintes: Alargamento da oferta formativa de primeiro ciclo a um leque mais vasto de públicos Esta medida será concretizada através da oferta de vagas para M23, para transferências e mudanças de curso, bem como para acesso por titulares de cursos médios e superiores que pretendam obter novas qualificações. Será também estimulado o reingresso de estudantes que abandonaram a sua formação e facultada a frequência de cursos a distância, nomeadamente na modalidade de b-learning Melhoria do sucesso escolar nos vários ciclos de estudos Serão concretizadas várias acções tendentes a diminuir o abandono escolar e a obter níveis mais elevados de sucesso sem perda de rigor e exigência Aumento de ingressos nos segundos ciclos e em mestrados integrados, tendo em vista o aumento e diversificação da qualificação de activos A concretização desta medida apoiar-se-á não só no aumento de vagas nos segundos e terceiros ciclos, mas também no alargamento do acesso aos 4º e 5ºs anos dos mestrados integrados, a uma política favorável ao reingresso para conclusão de grau, ao ingresso para aquisição de uma nova qualificação (grau de mestre para os antigos licenciados) e ao estímulo à frequência em regime pós-laboral, em tempo parcial e ainda a distância, sobretudo na modalidade de b-learning. Aumento das qualificações de terceiro ciclo O reforço das formações e qualificações de 3º ciclo em estreita relação com as estruturas de investigação da U.Porto é uma aposta estratégica da Universidade do Porto Diversificação da oferta formativa não conferente de grau, incluindo especializações pela sua versatilidade, a formação não conferente de grau, de duração mais curta que a dos ciclos de estudos, permite mais formação à medida, em parceria com empresas ou outras entidades da região, favorecendo assim a aprendizagem ao longo da vida e a empregabilidade dos activos A U.Porto enquadra este reforço da oferta formativa no âmbito mais vasto da sua missão, nomeadamente no domínio da investigação e da inovação e da ligação à comunidade, bem como no âmbito do seu sistema interno de garantia da qualidade, pelo que os resultados destas medidas serão monitorizados e avaliados regularmente, tendo em vista a não só a eficácia formativa, mas também a qualidade da formação e das qualificações associadas. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 17

18 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA REITORIA Contrato de Confiança no Ensino Superior Nota Síntese O Compromisso da Universidade Técnica de Lisboa Programa de Desenvolvimento para o Quadriénio A Universidade Técnica de Lisboa (UTL), no âmbito do contrato de confiança celebrado entre o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) e os Reitores das Universidades Portuguesas, delineou um Programa de Desenvolvimento para o Quadriénio , traduzido nas seguintes opções de intervenção estratégica: Aumentar e reorganizar a oferta formativa orientada para novos públicos, com realce para o ensino pós-laboral, e a formação complementar de adultos inseridos na vida activa, numa perspectiva de crescimento sustentado e de racionalização de recursos, aumentando a qualidade e a eficácia do ensino, e reforçando as parcerias internacionais; Apoiar a mobilidade de estudantes, docentes e investigadores e aumentar a participação em redes universitárias de formação e de investigação e desenvolvimento, assegurando a continuidade crescente da internacionalização, através do incremento de alunos estrangeiros e do estabelecimento de novos acordos e parcerias; Assegurar a continuidade do desenvolvimento de investigação de excelência, consolidada em projectos e unidades de investigação, geradora de conhecimento reconhecido, como factor chave para o desenvolvimento económico e social; Contribuir para a competitividade da economia nacional através de uma cultura de empreendedorismo e de inovação, assumindo, entre outras, responsabilidades no apoio à inserção dos diplomados no mercado de trabalho, e reforçando a interacção com a sociedade; Implementar um processo de avaliação interna que garanta a qualidade do sistema, promovendo o sucesso escolar e a excelência das Escolas da UTL. A UTL compromete-se, assim, a promover o desenvolvimento de sinergias entre formação, investigação e aplicações do conhecimento, assegurando a preparação de profissionais de alto nível aptos a contribuir eficazmente para o desenvolvimento socioeconómico do país, participando, deste modo, na concretização dos objectivos de desenvolvimento expressos pelo Governo. CONCRETIZAÇÃO DO CONTRATO DE CONFIANÇA A UTL através das suas sete Escolas - Faculdade de Medicina Veterinária (FMV), Instituto Superior de Agronomia (ISA), Instituto de Superior de Economia e Gestão (ISEG), Instituto Superior Técnico (IST), Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), Faculdade de Motricidade Humana (FMH) e Faculdade de Arquitectura (FA) procurará concretizar este desafio, através do seguinte programa de actuação: Oferta educativa orientada para a qualificação de activos A UTL perspectiva um aumento da oferta formativa traduzido em Ciclos de Estudo de Graduação, Pósgraduação e de Programas de Estudos Avançados não conducentes a grau, numa perspectiva de renovação e actualização, disponibilizando respostas adaptadas à sociedade e ao Programa do Governo, traduzido num incremento de cerca de efectivos para o país durante os próximos 4 anos, tendo como referencia o ano de 2008/2009. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 18

19 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA REITORIA Quadro 1 Valores de referência para a qualificação adicional (em relação a 2008/2009) de activos (2010/11 a 2013/14) ANOS 2010/ / / /14 TOTAL Cursos Especialização Tecnológica (CET) Cursos não conferentes de grau (CNCG) º Ciclo Aumento Numerus Clausus em áreas prioritárias Novos Cursos Pós-laboral Reingressos Ensino a distância Detentores de CET Novos Públicos (> 23, LLL) º Ciclo - Mestrado Integrado e Mestrado Profissionalizante Aumento de vagas Novos Cursos Com graus Pré-Bolonha Pós-laboral Reingressos Part-time Ensino a distância º Ciclo SUB-TOTAL Melhoria do sucesso escolar (MSE) TOTAIS As iniciativas, tendentes à concretização dos objectivos delineados, são os seguintes: Ensino baseado na investigação científica A estratégia de desenvolvimento incidirá no reforço da componente de investigação com finalidade formativa ao nível de doutoramento e de mestrado visando um aumento consistente do número de graus obtidos. Novos ciclos de estudo Reforçar a expansão da oferta formativa criando novos ciclos de estudo, alguns dos quais, em Consórcio com outras IES, como aposta na criação de redes de cooperação inter-universitária e colaboração científica entre Escolas de Excelência. Captação de novos públicos Intensificar a oferta de formação, nomeadamente através da organização de concursos especiais para titulares do exame de capacidade para acesso ao ensino superior de maiores de 23 anos e titulares de cursos superiores, médios e de Diploma de Especialização Tecnológica, bem como na aposta de uma política de estímulo ao reingresso, proporcionando a obtenção de graus. Será dada particular importância à acreditação de competências, com base na aprovação e/ou equivalência de UC. Cursos em regime pós-laboral Aumentar a oferta formativa em horário pós-laboral, pretendendo captar um público activo que, pelas suas responsabilidades profissionais, não poderá frequentar um curso em horário diurno. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 19

20 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA REITORIA Cursos de especialização tecnológica (CET) Implementação de medidas de actuação prática, traduzidas em Cursos de Especialização Tecnológica (CET), em escala muito reduzida e limitada a áreas específicas para as quais se considera poder trazer uma vantagem competitiva, de que é exemplo o Instituto Superior de Agronomia (ISA) em áreas de qualificação ambiental e de segurança alimentar. Ensino a distância (b-learning) Desenvolver metodologias de aprendizagem que permitam aos estudantes aceder a conteúdos formativos no âmbito das Unidades Curriculares, através de plataformas electrónicas e das tecnologias de informação, tencionando dar seguimento a um plano de blended learning, transmitindo uma parte significativa dos conteúdos pela internet, contribuindo para o sucesso formativo dos activos e para a promoção da igualdade de oportunidades. Esta metodologia será iniciada nos cursos em regime pós-laboral de Licenciatura e Mestrado, nomeadamente do ISA, com posterior alargamento a outras UO s. Internacionalização Com o objectivo de aumentar o número de estudantes estrangeiros, a UTL tem vindo a impulsionar diversas acções no âmbito das relações externas, estabelecendo e consolidando protocolos com instituições internacionais, nomeadamente, PALOP, Brasil, Índia e China, incentivando, em simultâneo, a realização de ciclos de estudo conjuntos com universidades de excelência e a promoção da integração da UTL num maior número de redes internacionais. A UTL compromete-se a aumentar a atribuição de Bolsas de Investigação e de Curta Duração, destinadas a financiar a participação de docentes, investigadores e não docentes da Universidade em reuniões científicas, frequência de cursos, realização de estágios ou visitas de estudo, favorecendo a valorização pessoal e profissional, reforçando os laços entre instituições e melhorando a qualidade do ensino superior e a inovação pedagógica. A UTL reforçará a oferta de complementos à formação visando um melhor desempenho e preparação para a vida activa no contexto internacional, organizando cursos de línguas, nomeadamente de mandarim, francês, espanhol, inglês e português. ESTRATÉGIAS DE ENQUADRAMENTO E CONSOLIDAÇÃO As medidas descritas nos pontos anteriores serão complementadas por iniciativas que apontem para a concretização de um ensino de qualidade, impulsionador da integração dos estudantes na vida activa, continuando a estimular e a reconhecer o mérito e o sucesso no universo académico e disponibilizando os recursos necessários para o cumprimento das expectativas dos estudantes e da sociedade, comprometendo-se, para tal, a dinamizar observatórios e monitorização do aproveitamento escolar dos estudantes; divulgar boas práticas implementadas pelos gabinetes de apoio ao aluno existentes nas várias Unidades Orgânicas; melhorar os espaços e equipamentos dedicados ao estudo; alargar o número de prémios de mérito escolar, pedagógico e científico; integrar os resultados de inquéritos de avaliação pedagógica a estudantes e docentes no processo de melhoria da qualidade interna. É igualmente propósito da UTL, intensificar a actividade dos gabinetes de empregabilidade e de inserção na vida activa, integrando esses conhecimentos no planeamento estratégico, aumentando o número de protocolos com instituições empregadoras, apoiando a realização de actividades tendentes a preparar os estudantes para a inserção no mercado de trabalho ou para a criação do seu próprio emprego fomentando o espírito empreendedor. A UTL aproximar-se-á ao tecido empresarial e às indústrias, fomentando a realização de estágios nos cursos e o desenvolvimento de iniciativas dirigidas a empresas, adequando a oferta formativa às Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 20

21 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA REITORIA necessidades do mercado de trabalho e impulsionando a criação de uma Rede UTL das associações de Antigos Alunos que estimule a ligação e o retorno ao ambiente académico. MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO A UTL apoiará medidas de desenvolvimento de uma cultura interna de qualidade, bem como de certificação a nível institucional, nacional e europeu. A UTL pretende implementar, de forma generalizada, um processo de avaliação institucional alicerçado na avaliação pedagógica, científica e de gestão, assim como na interacção com a sociedade, complementada por avaliações externas, visando a melhoria contínua da sua actuação. Neste âmbito, a UTL submeterá a avaliação e certificação o seu Sistema Interno de Garantia de Qualidade, que implementará durante 2010, assegurando uma avaliação interna centrada nos seguintes pressupostos de garantia de qualidade: definição clara de política e objectivos; qualidade da oferta formativa; qualidade das aprendizagens e dos apoios aos estudantes; recursos humanos, materiais e serviços adequados; existência de sistemas de informação; promoção da investigação e desenvolvimento; alargamento das relações com o exterior; internacionalização e empregabilidade. Garantido um ensino superior de qualidade assegurar-se-á um processo sistemático de revisão da estrutura de alguns cursos e respectivos planos curriculares, destacando-se o aumento de unidades curriculares comuns, o reforço de competências transversais e do ensino baseado no desenvolvimento de aptidões para o exercício da profissão e a racionalização da oferta formativa. Os relatórios de execução serão elaborados anualmente, com a publicitação dos resultados alcançados e análise dos desvios verificados face ao plano estabelecido, visando a adequação para a concretização dos objectivos delineados, acompanhando a execução do Contrato de Confiança. INFRA-ESTRUTURAS ACADÉMICAS As dinâmicas resultantes dos actuais compromissos, traduzidas num alargamento de horários póslaborais e na captação de novos públicos, particularmente da população activa, vão implicar a extensão de horários de funcionamento e a flexibilização da ocupação dos espaços e de recursos complementares. É necessário assegurar a continuidade das obras de construção, beneficiação, remodelação e manutenção das suas instalações de forma a proporcionar condições adaptadas à concretização deste Programa de Desenvolvimento, considerando prioritárias: Construção de duas residências de estudantes (Tagus-Park e Pólo da Ajuda); Programa de eficiência energética com recurso a energias renováveis; Criação de espaços de arquivos de documentação do acervo da UTL; Alargamento da internet de banda larga sem fios a todos os edifícios da UTL; Reforçar e modernizar os equipamentos especialmente adaptados a estudantes portadores de deficiências. ABERTURA À SOCIEDADE E VALORIZAÇÃO DA CIDADANIA Este programa de desenvolvimento, através das suas linhas orientadoras pretende reforçar os horizontes dos estudantes, estimulando-os a participar na vida pública com qualidade e confiança, formando cidadãos activos que irão fortalecer a competitividade e a massa crítica da sociedade, apoiando uma efectiva integração dos alunos e a sua interacção social e cultural através de um leque variado e transversal de actividades de âmbito socioeconómico, cultural e desportivo. Síntese dos Programas de Desenvolvimento das Universidades Públicas Portuguesas 21

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670 www.utl.pt Ficha Técnica Coordenador: Prof. Doutor António Palma dos Reis Edição Reitoria/DPD - Departamento de Planeamento e Documentação

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OFERTA FORMATIVA PARA 2010-2014

UNIVERSIDADE DE ÉVORA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OFERTA FORMATIVA PARA 2010-2014 UNIVERSIDADE DE ÉVORA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OFERTA FORMATIVA PARA 2010-2014 14 DE ABRIL DE 2010 I. Nota Introdutória O Contrato de Confiança recentemente celebrado entre o Ministério para a Ciência,

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento PROPOSTAS PARA O FUTURO DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PORTUGUÊS I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento à realidade portuguesa e internacional, procurando

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior 1. O anteprojecto de decreto-lei apresentado pelo governo regulamenta a recente alteração da Lei de Bases (Lei 49/2005,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Documento elaborado no âmbito das 1ª, 2ª e 3ª Comissões Permanentes e aprovado na reunião destas

Leia mais

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS Desde a sua criação, a Universidade da Beira Interior tem vindo a desempenhar a sua missão como centro de criação, transmissão e difusão de cultura, de ciência e de tecnologia, com uma forte ênfase na

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Grupos por Área de Conhecimento. CIÊNCIAS POLÍTICAS e RELAÇÕES INTERNACIONAIS. Dezembro de 2004

Grupos por Área de Conhecimento. CIÊNCIAS POLÍTICAS e RELAÇÕES INTERNACIONAIS. Dezembro de 2004 Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS POLÍTICAS e RELAÇÕES INTERNACIONAIS Coordenador: Prof. Doutor Carlos Motta Dezembro de 2004 1/32 CIÊNCIAS

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Contrato de Confiança no Ensino Superior para o Futuro de Portugal Evolução do Programa de Desenvolvimento do Ensino Superior, 2010-2014

Contrato de Confiança no Ensino Superior para o Futuro de Portugal Evolução do Programa de Desenvolvimento do Ensino Superior, 2010-2014 Contrato de Confiança no Ensino Superior para o Futuro de Portugal Evolução do Programa de Desenvolvimento do Ensino Superior, 2010-2014 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Setembro de

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Castelo Branco

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a.

Leia mais

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo RT D Territórios, empresas e organizações 143 Vol. II (1), 143-147 (2005) Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo Cristina Barroco Novais* Mestre em Gestão de Empresas WÊÊÊÊÊ Introdução A

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 1. População escolar e língua de instrução Em 2006-2007, o número de jovens entre os 0 e os 29 anos

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República Exposição de motivos 1. O sistema de ensino superior conheceu nas últimas décadas

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA SUPLEMENTO AO DIPLOMA (versão em português) A estrutura do suplemento ao diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. Tem por objetivo fornecer

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA Considerando que: 1. A mudança política, social, cultural, económica e tecnológica,

Leia mais

O FOCO NOS RESULTADOS

O FOCO NOS RESULTADOS O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- Os programas operacionais para

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE A Pós-Graduação em Qualidade na Saúde pretende responder à evolução do setor da Saúde em Portugal, o qual tem vindo a impor crescentes exigências às entidades prestadoras

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA Amândio Antunes Fernando Costa Joaquim Neiva Santos Apresentação 2 1. Introdução 2.

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma IADE-U Instituto de Arte, Design e Empresa - Universitário A estrutura do Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. Tem por objectivo

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais