Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos)"

Transcrição

1 Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Claire Binyon, Hugo Cruz e Sónia Passos 1. Evolução da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade na ESMAE É com base na origem e evolução das premissas base do Curso de Teatro que surgem as primeiras aproximações ao que hoje se enquadra na escola como a área de formação em Teatro e Comunidade. O plano de estudos actual da Pós-graduação em Teatro e Comunidade resulta de uma série de impulsos que geraram percursos até ao formato actual formativo que se pretende ampliar e ajustar às necessidades dos alunos de uma melhor preparação para as exigências profissionais. A criação desta Pós-Graduação surge do reconhecimento da existência de lacunas nesta área de formação específica no Porto e norte do país; a identificação de necessidades sentidas pelos ex-alunos e recém-licenciados quando confrontados com experiências reais de trabalho com necessidade de formação complementar no domínio das práticas artísticas comunitárias; O primeiro passo formalizado, no acto lectivo , nos percursos nesta área foi a introdução no Curso de Teatro (Interpretação) de um projecto como parte integrante do 6º semestre do plano de estudos. Este projecto visa conectar os alunos com contextos profissionais futuros. Este projecto designado Teatro em Contexto seguiu inicialmente a lógica anglo-saxónica do Teatro Aplicado (Applied Theatre). Mais recentemente tentou-se definir o campo do Teatro Aplicado como um amplo leque de práticas teatrais e processos criativos que levam os participantes e os públicos para além do teatro convencional e mainstream para o mundo de um teatro que responde a pessoas comuns, às suas histórias, aos seus locais e prioridades. O trabalho que acontece, quase sempre, em espaços informais, em lugares não teatrais, numa variedade de ambientes geográficos e sociais: escolas, rua, prisões, centros comunitários, conjuntos habitacionais, ou qualquer outro lugar que possa ser específico ou relevante para os interesses da comunidade (Prentki & Preston, 2009). Este primeiro passo fundamental foi evoluindo ao longo dos últimos quase nove anos. Desde logo, do ponto de vista conceptual, a visão alargou-se passando a contemplar outras

2 abordagens, nomeadamente as influências oriundas da América Latina com forte produção nesta área. Desde sempre procurou-se enriquecer as experiências dos indivíduos dos contextos e dos alunos, numa lógica de se constituírem como experiências para as duas partes envolvidas promotoras de desenvolvimento. Nesta primeira abordagem os alunos foram distribuídos por diferentes contextos onde desenvolveram os seus projetos com os mais diversos formatos. Mais tarde a proposta evolui para uma formação intensiva em Teatro do Oprimido que culminava na construção de um Teatro-Fórum a ser apresentado em escolas locais. A introdução deste projecto no Curso de Teatro (Interpretação) inserida no contexto de um projecto que aborda as saídas profissionais foi enquadrada como uma oportunidade de desenvolvimento de competências transversais específicas úteis no trabalho de actor. A improvisação, a generosidade, a escuta, a flexibilidade, a capacidade de reacção são competências básicas no trabalho de actor que se assumem como centrais numa experiência em Teatro-Fórum quer na sua construção, quer na interacção com o público. Esta técnica concreta e específica requer uma flexibilidade do actor, que naturalmente, pode ser transferida e útil em diferentes contextos. Uma das conclusões fundamentais desta primeira experiência foi que o tempo previsto era extremamente escasso para o desenvolvimento de um projecto consistente nesta área e, mais do que isso, para o desenvolvimento de competências adequadas nos alunos para se confrontarem com uma experiência real desta natureza. Por outro lado, os alunos revelavamse muito centrados no trabalho exclusivamente de interpretação numa óptica mais tradicional. O que não deixa de ser relevante é que ao longo dos últimos anos os alunos recém-licenciados começaram a desenvolver trabalho nesta área de uma forma mais sistemática e intensa o que obviamente revela uma resposta à procura de profissionais com este perfil. É clara hoje uma maior abertura a este campo de acção pelos mais diversos intervenientes. De destacar a título de exemplo o facto das mais variadas linhas de financiamento na área da cultura terem passado a incluir esta área como factor de majoração nas candidaturas. Após a inclusão destes projectos na Licenciatura durante quatro anos e perante as conclusões enunciadas, a proposta foi a criação de uma formação específica em Teatro e Comunidade direccionada para esta abordagem e campo de acção com todas as idiossincrasias que envolve. Desta forma, direccionou-se a formação para um outro perfil de aluno, com contacto

3 com o mundo do trabalho e com mais experiências acumuladas, assim como, uma formação base mais diversificada e transversal. É, desta forma, que foi criada a Pós-Graduação em Teatro e Comunidade na ESMAE que realizou a sua primeira edição no ano lectivo de Funciona, neste momento com a atribuição de 30 créditos perspectivando-se alargar o seu funcionamento para 60 créditos, no futuro, permitindo a equivalência ao primeiro ano do Mestrado em Teatro. 2. Proposta de ampliação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade Com base nas edições realizadas é possível elencar alguns pontos em forma de conclusões que podem indicar caminhos para o futuro da formação nesta área. Desde logo, a possibilidade de se trabalhar com um grupo de alunos focado na área de formação e que na sua generalidade devolveram, estão a desenvolver ou pretendem desenvolver trabalho no âmbito do Teatro e Comunidade, é uma mais valia do ponto de vista da motivação, dinâmica de grupo e concretização da ligação dos conteúdos aos contextos reais de criação. A diversidade de conteúdos e experiências dos professores são outro aspecto fundamental para uma abordagem aberta e promotora de desenvolvimento. Assumindo a hibridez desta área os contributos da Antropologia, Sociologia e Intervenção Comunitária aliados às práticas artísticas de Teatro do Oprimido, Clown, Música, Criação Colectiva, Intervenção em Espaço Público permitem um cruzamento rico e o desenvolvimento de olhares mais complexos sobre a realidade e as premissas da criação. Para além da aposta na diversidade, o estímulo da partilha de um número considerável de experiências nacionais e internacionais nesta área, através de convidados presenciais e/ou online é uma abordagem fundamental. O objectivo é dar a conhecer o maior número de experiências aos alunos para que eles possam aprofundar as que lhes podem fazer mais sentido de acordo com o ser percurso e interesses. Outro aspecto central e concreto da 1ª edição do curso foi o contributo para a produção científica nesta área daí resultante. Ou seja, alguns projetos finais deram origem a artigos publicados e comunicações em encontros e congressos que trabalharam estas temáticas (ex.: I Encontro Internacional de Reflexão sobre Práticas Artísticas Comunitárias). A presença de alguns alunos estrangeiros nas duas edições tem sido um contributo muito relevante e demonstra a procura deste tipo de formação ainda em expansão na Europa. Neste

4 domínio Portugal destaca-se pela quantidade e organização de formação nesta área específica, no entanto no panorama nacional é de ressaltar que a Pós-Graduação da ESMAE tem tido alunos de vários pontos do país e com uma grande diversidade de formações de base. Destaca-se ainda que da oferta nacional neste âmbito a Pós-Graduação da ESMAE foi a única a abrir este ano. Outro aspecto a destacar é a forte ligação do curso aos contextos reais de trabalho, ou seja, a possibilidade que vários alunos tiveram e tem de repensar as suas práticas e/ou desenhar projetos a implementar nos contextos onde já devolvem trabalho. 3. Propostas / Considerações: - necessidade de alargamento da duração do curso numa 2ª componente que permita a implementação do projecto no terreno devidamente orientado e acompanhado, dando inclusive origem à criação de espectáculos e permitindo assim concluir um ciclo que obedece a uma lógica de formação. Neste sentido, a evolução passará pela possibilidade de criar uma equivalência ao 1º ano de Mestrado em Teatro. Serão necessárias mais edições do curso para consolidar este percurso. - outro aspecto fundamental que se prende com o anterior é o caracter extremamente intenso em que se realiza o curso neste momento. Ou seja, a alargamento temporal poderá permitir uma melhor integração dos conteúdos e nomeadamente das componentes teórica e prática. Bibliografia Cruz, H. (coord.) (2015). Arte e Comunidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Prentki, T. & Preston, S. (orgs.) (2009). The applied theatre reader. London; New York: Routledge.

5 PÓS-GRADUAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE - Plano de estudos UC ECTS Semestre Área Conhecimento* Horas Contacto Horas Totais Princípios em Teatro e comunidade I 3 1 ESC Noções e experiencias em TC I 3 1 ET Seminário - Métodos de investigação em arte comunitária 4,5 1 ESC Oficinas de práticas artísticas comunitárias 9,5 1 PAT Pesquisa em práticas artísticas comunitárias 11 1 PAT Opcionais I 1,5 1 Vários Princípios em Teatro e comunidade II 3 2 ESC Noções e experiencias em TC II 3 2 ET Opcionais II 1,5 2 Vários Projecto em contexto comunitário 20 2 PAT TOTAIS: *Legenda: ESC - Estudos Socioculturais ET - Estudos Teatrais PAT - Prática Artística Teatral

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outra(s)

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA CONTEXTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA CONTEXTO PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA Entidades: Instituto Politécnico do Porto/ Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE); Câmara Municipal do Porto / Teatro Municipal do Porto Rivoli Campo

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

A rádio como atividade pedagógica de integração das ciências da comunicação na formação dos nutricionistas

A rádio como atividade pedagógica de integração das ciências da comunicação na formação dos nutricionistas Minayo, M.C.S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: HUCITEC. Parecer CNE/CES 3, de 7 de novembro de 2001. (2001). Ministério da Educação. Conselho Nacional

Leia mais

ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE

ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE PLANO ESTRATÉGICO PARA A OFERTA FORMATIVA DA ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE Think Tomorrow: Estratégia Oferta Formativa 2014-2019 02, Maio de 2014 FICHA TÉCNICA Concepção e Redacção Sérgio

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

3ª Edição 2010/2011 FEUC. mestrado. em marketing

3ª Edição 2010/2011 FEUC. mestrado. em marketing 3ª Edição 2010/2011 FEUC mestrado em marketing APRESENTAÇÃO Como Coordenadores dos programas de formação para executivos desta Faculdade,, damos-lhe as boas vindas a esta nova edição do programa de Mestrado

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da Licenciatura em Biologia Aplicada Janeiro de 2008 O presente Regulamento integra um conjunto de princípios básicos e fundamentais de organização da Unidade

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto Ciclo de Seminários de Especialização Avaliação do risco no projecto Enquadramento O Ciclo de Seminários de especialização Avaliação do risco no projecto resulta de uma parceria entre a H.MENEZES Risk

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Artes Sonoras II Área Científica SI Som e Imagem Ciclo de Estudos 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória e opcional Ano Lectivo 2008/2009

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

NCE/09/01132 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01132 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/01132 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/01132 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados através

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Formação de Professores Tema: Educação Especial 16 17 Edição Instituto de Educação da

Leia mais

MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS INTERMÉDIA 2010-2012

MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS INTERMÉDIA 2010-2012 MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS EM INTERMÉDIA 2010-2012 MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 02/08 ORGANIZAÇÃO Universidade de

Leia mais

1 - Área científica predominante da Pós-Graduação: Ciências da Educação

1 - Área científica predominante da Pós-Graduação: Ciências da Educação INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECAS E PROMOÇÃO DA LEITURA ANO LETIVO DE 2013/2014 INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO 1 - Área científica predominante da

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Iolanda Évora Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Apresentado no 9º Encontro de Saúde Mental de Cascais a 14 de Novembro de 2008 O CEsA não confirma

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Universidade Portucalense Departamento de Direito

Universidade Portucalense Departamento de Direito Universidade Portucalense Departamento de Direito Normas Regulamentares do 1º Ciclo do Curso de Direito DD, Departamento de Direito Aprovado em Conselho Científico de 2006-07-26 Com as alterações aprovadas

Leia mais

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo Dezembro de 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO A presente avaliação tem por objecto a Cooperação Portuguesa com

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA JULHO DE 2015 ÍNDICE CHAVE DE SIGLAS 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com 18 a 20 de Novembro de 2011 Organização: Estoril Auditório do Centro Escolar - ESHTE www.cim-estoril.com Apresentação Na sequência das três edições realizadas em anos anteriores, a Associação Desportos

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO EMPREENDEDORISMO DOCENTES: Prof. Doutor Gualter Couto Mestre Carlos Faias PROGRAMA - 2007/2008 OBJECTIVOS: Esta cadeira introduz os alunos aos princípios básicos do empreendedorismo e da criação e desenvolvimento de um

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Mesa Redonda Experiências de Apoio aos Sistemas Educativos com representantes de ONGD Paulo Telles de Freitas :: Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê um Curso na Área do Ambiente e Urbanismo na

Leia mais

ENCONTRO TEATRO ESCOLA

ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROJECTO: XXIX ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROMOTOR: IDENTIFICAÇÃO Nome da entidade: Escola Básica D. José I Endereço (rua, n.º, C.P.): Rua Santo António de Arenilha, 24, 8900-275 Vila Real de St. António Telef:

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

Concurso de Ideias promovido pela OTIC UTL

Concurso de Ideias promovido pela OTIC UTL Concurso de Ideias promovido pela OTIC UTL 2010 Patrocinadores: Preâmbulo A Oficina de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento da Universidade Técnica de Lisboa (OTIC UTL) com o lançamento do concurso

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Ensino Técnico-Profissional FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA O Projeto El-Gate Portal de Cooperação Universitária Europa-América Latina (EUROPEAID/126-821/C/ACT/RAL), é uma iniciativa financiada pela União Europeia

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA Amândio Antunes Fernando Costa Joaquim Neiva Santos Apresentação 2 1. Introdução 2.

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE ÀS DISCRIMINAÇÕES Plano de Trabalho 2006/2007 PELA DIVERSIDADE! CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES NOS LOCAIS DE TRABALHO Fevereiro de 2006 2 ÍNDICE TEMA Nº. PÁG. Introdução 3

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento PROPOSTAS PARA O FUTURO DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PORTUGUÊS I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento à realidade portuguesa e internacional, procurando

Leia mais

GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS -2008- ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O Currículo de Graduação de Relações

Leia mais

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Castelo Branco

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

Programa de atividades 2015

Programa de atividades 2015 Programa de atividades 2015 Programa de atividades 2015 (Documento de trabalho) Lisboa, 2015 Plano Nacional de Formação Financeira www.todoscontam.pt Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros

Leia mais

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas (16ª edição) REGULAMENTO Preâmbulo Encorajar mais pessoas a aprender mais línguas tem uma importância óbvia para a

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

Investimento Social A visão do Laboratório

Investimento Social A visão do Laboratório Investimento Social A visão do Laboratório António Miguel antonio@ies-sbs.org João Santos joao@ies-sbs.org GREENFEST, OUTUBRO 2015 1. O QUE É O INVESTIMENTO SOCIAL? RESPOSTA ÀS FALHAS DE MERCADO O financiamento

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 Índice 1. Introdução... 1 2. Âmbito... 1 3. Modelo de incubação... 2 3.1 Pré-Incubação... 2 3.2 Incubação... 3 3.3 Desenvolvimento Empresarial...

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Dra. Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados

Leia mais

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 Ficha Técnica Título Jovens no Pós 2011 Autoria Centro de Investigação e Estudos em Sociologia Instituto Universitário de Lisboa Fernando Luís Machado (coord.); David Nóvoas;

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DESIGNAÇÃO DO PROJECTO Promoção Internacional dos Serviços PROJECTO Nº: 26039 AVISO DE

Leia mais