FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAMBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAMBA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAMBA CURITIBA 2005

2 ALEXANDRE DIEGO SETNER JOSÉ ALTAIR RIBEIRO JUNIOR SAMBA Trabalho realizado a disciplina de Redes de Sistemas de Informações FESP. professor : Airton Kuada CURITIBA 2006

3 SUMÁRIO RESUMO... 3 SAMBA... 5 BREVE HISTÓRIA DO SAMBA... 5 O QUE O SERVIDOR SAMBA FAZ... 7 INSTALANDO O SAMBA... 7 SAMBA E WINDOWS... 9 Quais as limitações do samba na integração com Windows NT?... 9 E quanto ao Windows 2000?... 9 Exemplo de como usar o SMB VARIÁVEIS INTERNAS DO SAMBA ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SAMBA EXEMPLOS DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA Grupo de trabalho com acesso publico Grupo de trabalho com acesso por usuário COMPARTILHAMENTO DE IMPRESSÃO NO SERVIDOR SAMBA Configurando Linux como servidor de impressão Windows CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

4 RESUMO Dentro do novo contexto empresarial criado pela globalização, a tecnologia de informação fornece grandes inovações e atualizações para o mercado. O Samba,tecnologia que surgiu para o maior rendimento de servidores Unix com a possibilidade de maior interligação com a tecnologia Windows.Sua história, instalação, configuração, aplicação, são processos que tornam esta ferramenta tão importante no cenário da informação. 3

5 SAMBA INTRODUÇÃO Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter o máximo em qualidade do Sistema/Aplicação que será o responsável por esta tarefa. O SAMBA é um conjunto de ferramentas capaz de interligar redes heterogêneas permitindo que máquinas Linux e Windows se comuniquem entre si, compartilhando serviços (arquivos, diretório, impressão) através do protocolo SMB (Server Massage Block)/ CIFS (Common Internet File System), equivalente à implementação Net-BEUI no Windows. Com o SAMBA, é possível construir domínios completos, fazer controle de acesso no nível de usuário, compartilhamento, montar um servidor WINS, servidor de domínio, impressão, etc. Na maioria dos casos, o controle de acesso e exibição de diretório no samba é mais minuciosos e personalizáveis que no próprio Windows. 4

6 SAMBA Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter o máximo em qualidade do Sistema/Aplicação que será o responsável por esta tarefa. Com o SAMBA é possível compartilhar diretórios, impressoras, acessar arquivos na rede exatamente como em redes Microsoft. Mas neste caso, seu servidor é um Linux rodando uma aplicação específica. O Windows NT e o 2000 (assim como o NetWare 5 e outros presentes no mercado) são reconhecidos mundialmente por sua segurança e escalabilidade, mas o SAMBA possui muitas vantagens que podem se transformar em soluções e economia para sua empresa. Confira: Permite compatibilidade com estações Windows (de WfW a 2000) e servidores WinNT 4.0 e Entre servidores e estações linux (com Interface Gráfica por exemplo) a compatibilidade é total. O SAMBA é 100% configurável, com a grande vantagem de centralizar esta configuração em um único arquivo, o smb.conf. Sem dúvida é muito interessante ter a possibilidade de restaurar toda a configuração que disponibiliza seu Servidor de Arquivos (inclusive as permissões de acesso) através do backup de apenas 1 arquivo, em casos de desastre. Porém isso não quer dizer que não seja necessário o backup de outros arquivos de configuração... :) O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows. Assim, é possível usar o Linux como servidor de arquivos, servidor de impressão, entre outros, como se a rede utilizasse servidores Windows (NT, 2000, XP, Server 2003). Este artigo faz uma abordagem introdutória ao Samba, mostrando suas principais características e um pouco de sua história. BREVE HISTÓRIA DO SAMBA O criador do Samba chama-se Andrew Tridgell, e é natural da Austrália. Quando escreveu o Samba, Andrew era ainda um estudante de ciência da computação na Universidade Nacional Australiana em Camberra. O Samba nasceu a partir de um problema que Andrew tinha, o de integrar um servidor Unix com um PC rodando DOS. Esta integração na verdade não era o problema, visto que ele possuía uma versão do NFS (Network File System) que permitia que o PC acessasse os arquivos do seu servidor Unix. O problema é que uma de suas aplicações exigia a interface NetBIOS. E daí, graças a este pequeno problema doméstico, o mundo inteiro e centenas de empresas podem hoje se beneficiar de um software de altíssima qualidade que chega mesmo a suplantar em performance e recursos os seus equivalentes da plataforma Microsoft. Escrever o Samba não foi tarefa das mais fáceis. À época as especificações do protocolo SMB (Server Message Block), utilizado pela Microsoft para realizar o compartilhamento de recursos entre seus computadores não era aberta. Andrew teve que realizar a engenharia reversa do protocolo utilizando um software de análise de rede (Packet Sniffer). Uma vez decifrado o modo de operação do protocolo SMB, Andrew fez a implementação do protocolo em seu computador Unix. Desta forma o seu computador Unix 5

7 aparecia na rede NetBIOS como um servidor de arquivos. Os sistemas de arquivos do servidor Unix podiam então ser montados e acessados por aplicações NetBIOS. Andrew publicou seu trabalho em 1992 e continuou trabalhando no código por mais algum tempo após o qual o projeto foi abandonado. Dois anos mais tarde Andrew precisou conectar seu sistema Linux com o computador Windows de sua esposa. Na falta de uma opção melhor, utilizou o seu próprio código.para sua surpresa, tudo funcionou perfeitamente. Nestes dois anos, mais uma surpresa agradável. A Microsoft tornou pública a especificação do protocolo SMB e da arquitetura NetBIOS. Com esta informação nas mãos ele retomou seu trabalho. Desde então a adesão ao Samba cresceu vertiginosamente. Existem hoje vários colaboradores e o projeto deixou de ser a iniciativa isolada de apenas uma pessoa. Sempre que uma nova versão é anunciada milhares de cópias são descarregadas das dezenas de sites Web que copiam o original localizado em Além disto, existem já empresas que incluem o Samba na distribuição de seus sistemas Unix comerciais. O exemplo mais notável desta tendência é a empresa Silicon Graphics, que distribui uma versão adaptada do Samba. Mas a real medida do sucesso que o Samba tem feito no mercado é a sua menção nos famosos memorandos internos da Microsoft denominados Halloween Documents. Estes documentos internos da Microsoft vazaram para a comunidade que desenvolve software de fonte aberto na Internet. Nestes documentos são listados produtos de código aberto que podem vir a ameaçar o império da Microsoft. Entre eles encontra-se, é claro, o Samba. De seu início modesto como um projeto pessoal, o Samba conta hoje com uma equipe de cerca de 18 desenvolvedores espalhados por todo o mundo. Além dos usuários fiéis de universidades, que sempre procuram primeiramente os softwares de código aberto para resolver seus problemas, o Samba conta em sua lista de usuários pesos pesados da indústria como Xerox, Bank of America, Hewlett- Packard, Motorola, Saab, Ericsson, Siemens, o Exército Americano e muitos outros. No site do Samba existe um item chamado Survey, onde mais de 1500 usuários se registraram e emitiram suas opiniões sobre o software. Mas de onde vem o nome Samba? O nome Samba foi adotado visto que o nome original para seu software já ser uma marca registrada de outro produto. Andrew consultou então seu verificador ortográfico e procurou palavras que contivessem as letras SMB. A palavra Samba era uma delas. Desta forma tivemos, de forma indireta, uma contribuição para a disseminação de um produto muito brasileiro, o carnaval e o samba. 6

8 O QUE O SERVIDOR SAMBA FAZ Com o servidor Samba, é possível compartilhar arquivos, compartilhar impressoras e controlar o acesso a determinados recursos de rede com igual ou maior eficiência que servidores baseados em sistemas operacionais da Microsoft. Mas, neste caso, o sistema operacional utilizado é o Linux. O Samba é compatível com praticamente qualquer versão do Windows, como NT 4.0, 9x, Me, 2000, XP e Server 2003, além de máquinas com o Linux, é claro. Todo trabalho feito pelo Samba é provido de grande segurança, uma vez que há grande rigor nos controles dos recursos oferecidos. Tanto é que existem empresas que usam o Samba como solução para conflitos existentes entre diferentes versões do Windows. Como não poderia deixar de ser, o Samba também permite que sua configuração seja feita por meio de computadores remotos. Para os casos mais críticos, o administrador da rede pode até ser notificado de anormalidades por (para isso é necessário usar um script específico que busca informações nos arquivos de log e cria um arquivo que pode ser enviado via ). INSTALANDO O SAMBA O Samba é um software livre que está disponível sob a licença GNU (GNU's not Unix). Muitas distribuições Linux já o incluem, mas caso queira instalá-lo, é possível baixá-lo de seu site oficial - Neste, é possível notar que há pacotes específicos para as distribuições mais famosas, como Fedora, Mandriva, SuSE, Debian, entre outros. Isso significa que a instalação depende do tipo de pacote utilizado (tar.gz, RPM, deb, entre outros). Assim, como exemplo, os usuários do Debian devem usar o seguinte comando: apt-get install samba smbclient smbfs Se o pacote do Samba estiver no formato tar.gz basta digitar (depois de baixado): # tar -zxvf samba-a.b.c.tar.gz (onde a, b e c correspondem ao número da versão) Em seguida, basta entrar no diretório source e digitar:./configure --prefix=/usr/local/samba Por fim, digite: # make # make install O arquivo smb.conf Um fato que agrada muitos usuários do Samba é que sua configuração é feita em um único arquivo: o smb.conf. Esse arquivo geralmente fica localizado no diretório de instalação do Samba. 7

9 O arquivo smb.conf é estruturado da seguinte maneira: os parâmetros de configuração são agrupados em seções. Cada seção é identificada por um nome entre colchetes, por exemplo, [global]. A seguir, segue a descrição de três exemplos de seções pré-definidas no Samba: {global] - como o nome indica, contém configurações que afetam todo o Samba. Por exemplo,nome do servidor; [homes] - contém as configurações do diretório home para cada usuário; [printers] - contém as configurações que controlam impressoras compartilhadas. Abaixo segue um exemplo de um arquivo smb.conf com uma configuração bastante simples, pois serve apenas para explicar a estrutura do arquivo. Seus parâmetros são explicados em seguida. A numeração no início das linhas não é usada no arquivo e foi inserida pelo InfoWester apenas para facilitar a localização dos parâmetros: 1 [global] 2 # nome do servidor de arquivos 3 netbios name = infowester 4 # nome do grupo de trabalho ou do domínio 5 workgroup = iw 6 server string = Servidor Samba 7 security = user 8 [rede] 9 # diretório compartilhado 10 path = /iw/artigos 11 public = yes 12 browseable = yes 13 writable = no Explicando: - As linhas 1 e 8 contêm os nomes das seções; - As linhas 2, 4 e 9 são comentários. Você pode inserir o texto que quiser nelas e o Samba irá ignorá-las. Os comentários são usados para documentar funcionalidades ou fazer observações. Esse recurso também pode ser inserido no final de qualquer outra linha, bastando inserir o símbolo # antes do comentário; - A linha 3 - netbios name - contém o nome NetBIOS do servidor Samba; - A linha 5 - workgroup - recebe o nome do grupo de trabalho ou do domínio no qual o servidor Samba faz parte; - A linha 6 - server string - é uma identificação que o servidor Samba envia aos demais computadores da rede; - A linha 7 - security - contém o nível de acesso e pode receber vários "sub-parâmetros". Neste caso, user indica que para acessar o servidor é necessário que usuário faça uso de uma conta no Linux que, por sua vez, também deve ser usada no Windows; - A linha 10 - path - indica qual o diretório compartilhado, se for esse o caso; - A linha 11 - public - permite o acesso ao diretório sem a necessidade de senha (se preenchido com "yes"); 8

10 - A linha 12 - browseable - informa se o diretório é visível ou não. Se não for, mesmo assim é possível acessá-lo; - A linha 13 - writable - se tiver o termo "no", indica que o usuário apenas pode ler o conteúdo do diretório compartilhado, mas não pode alterá-lo. SAMBA E WINDOWS Quais as limitações do samba na integração com Windows NT? A grande limitação do samba é não poder FILIAR-SE, como SERVIDOR, a um DOMÍNIO, pois tal faculdade depende do protocolo SAM, cujo modus operandi não é divulgado pela Microsoft. Especificamente, o samba não pode: Ser BDC de um domínio NT, pois para ser BDC o samba teria de ter acesso ao SAM do PDC; Possuir BDCs. Ser um servidor agregado, cujos recursos e permissões são gerenciados de forma centralizada no PDC (vide: O que são domínios?). Ser um servidor de backup do WINS. ter servidores de backup do WINS. Por outro lado, o samba PODE, entre outras coisas: Ser um PDC, seja de clientes Windows 9x ou NT. Ser um servidor WINS, desde que não tenha de interagir com outros servidores WINS. Dar suporte a logons ao domínio (9x/NT). Dar suporte a roaming profiles (9x/NT). Autenticar a senha de um usuário junto a outro servidor samba ou NT, seja ou não um PDC. E quanto ao Windows 2000? O samba interage corretamente com o Windows 2000, desde que este último esteja configurado em MODO DE COMPATIBILIDADE COM NT 4. Nativamente, o Windows 2000 utiliza Kerberos e LDAP, e o samba ainda não oferece interoperabilidade com Windows nesses protocolos. Quando o samba pretende melhorar o suporte a domínios? A próxima grande revisão do samba, cognominada TNG (que corresponderá à versão ou 3.0.0) deve trazer suporte mais ou menos completo ao DCE/RPC, e com isso traz de roldão uma melhor integração com domínios NT. 9

11 Não obstante, a versão estável do samba (2.0.x) tem incorporado algum suporte a domínios a cada revisão, portanto é possível que algumas limitações citadas caiam bem antes do lançamento da versão TNG. O que significam essas siglas: NetBIOS, SMB, CIFS, DCE/RPC, SAM, PDC, BDC? NetBIOS: Um protocolo desenvolvido nos anos 80 para suporte a integração de diversos computadores, numa rede não-hierárquica. Suas principais características são: Simplicidade de implementação; Não precisa de servidor dedicado; Acesso aos diversos nós por nomes ao invés de endereços numéricos; Resolução de nomes para endereços de rede através de técnicas de broadcast; Suporte muito fraco a inter-redes (*). (*) inter-redes: diversas redes locais, agregadas por roteadores. Note que muitas das características que tornam esse protocolo simples acabam sendo limitantes na hora de implementá-lo em uma planta de grandes proporções. Para isso é que existem as extensões :) NetBEUI: Protocolo de transporte do NetBIOS. Nada mais é que um pacote NetBIOS puro dentro de um pacote de rede em modo broadcast. O NetBEUI, por ser tão simples, não é roteável, ou seja, não pode ser facilmente usado em inter-redes. Esse protocolo de transporte caiu em desuso, em favor do TCP/IP, que é roteável. SMB: Novo nome dado ao protocolo NetBIOS, já bastante estendido. O SMB é inversamente compatível com computadores NetBIOS, e esforça-se bastante para manter essa compatibilidade. CIFS: Novo nome dado ao protocolo SMB que foi novamente estendido pela Microsoft. NMB: Subconjunto do protocolo SMB/CIFS que dedica-se a traduzir nomes de máquinas para endereços IP. WINS: protocolo de resolução de nomes para endereços IP. É a mais importante extensão ao protocolo SMB, pois permite uma operação "limpa" em ambiente de inter-redes. (Vide: O que é um servidor WINS?) DCE/RPC: Tipo de RPC (Remote Procedure Call), implementado pela Microsoft, utilizado em praticamente tudo que se refira a administração de domínio, inclusive gerenciamento remoto do servidor. É transportado por um "pipe" do SMB. Portanto, não é exatamente uma extensão do SMB, e sim um protocolo empilhado sobre ele. De qualquer forma, pelo uso massivo do DCE/RPC em domínios NT, torna-se mandatório implementar esse protocolo em conjunção ao SMB. 10

12 SAM: Banco de dados + protocolo de gerenciamento de domínios. O banco de dados armazena as mais diversas informações sobre um domínio, a maioria delas geralmente relacionada com permissões de usuários. Esse banco de dados é mantido pelo PDC e pelos BDCs. O protocolo é uma classe de RPC, portanto é "empilhado" sobre o DCE/RPC. PDC: Primary domain controller - controlador primário de domínio. O banco de dados SAM mantido por este computador é o "que vale" para todo o domínio. Os BDCs consultam periodicamente este computador para obter dele o SAM e/ou as últimas alterações. BDC: Backup domain controller - controlador reserva. Como já foi dito, o BDC duplica o SAM do PDC periodicamente. O BDC tem duas funções numa rede: Tomar provisoria ou definitivamente o lugar do PDC caso este último falhe (o BDC tomar automaticamente o lugar do PDC, porém a promoção definitiva para PDC tem de ser manual) Atender a usuários de uma rede local que esteja "distante" do PDC. Exemplo: uma filial ligada à matriz Exemplo de como usar o SMB Adicionar o usuário em /etc/smbpasswd, com smbadduser <usuário UNIX>:<usuário NetBIOS>. Exemplos: smbadduser epx:elvisp smbadduser joao:joao Note que aqui você tem uma oportunidade de cadastrar usuários cujo nome NetBIOS seja diferente do nome UNIX. Cadastrar a senha encriptada do usuário, com smbpasswd. Esse utilitário funciona de forma semelhante ao passwd, mas preencherá apenas as senhas encriptadas em /etc/smbpasswd. Se você tem vários usuários NetBIOS que devem ser mapeados como um único usuário UNIX, você deve editar o arquivo /etc/smbusers. Esse arquivo tem diversas linhas no formato <usuário UNIX> = <usuário NetBIOS> <usuário NetBIOS>... Exemplos: 11

13 root = administrator epx = elvis elvisp epx Crie a relação entre usuários UNIX e NetBIOS no mesmo padrão. Depois, certifique-se de que o arquivo /etc/smb.conf esteja com a seguinte diretiva implementada e descomentada: username map = /etc/smbusers AFAIK também será necessário reiniciar o servidor samba após fazer esta última alteração (a maioria das alterações em /etc/smb.conf é assumida pelo servidor sem necessidade de reiniciá-lo.): /etc/rc.d/init.d/smb restart Como administrar as permissões dos usuários usando grupos? Eu gostaria de administrar as permissões dos usuários usando grupos UNIX, e tenho usuários que estão em diversos grupos. Porém, quando um usuário cria um novo arquivo via servidor samba, o grupo desse arquivo é sempre o grupo primário do usuário. Como fazer com que os arquivos criados sejam possuídos pelo grupo que eu definir? É fácil. Se, por exemplo, todos os arquivos criados no diretório /home/ samba /hercules devem ser possuídos pelo grupo "contabil", basta tornar o grupo dono desse diretório e ligar o bit SGID, v.g.: chown root:contabil /home/ samba /hercules chmod 2775 /home/ samba /hercules. O arquivo /etc/smb.conf deverá ter, para esse volume, os seguintes parâmetros de permissão: force create mode = 775 force directory mode = 2775 VARIÁVEIS INTERNAS DO SAMBA Diversas strings que são setáveis no arquivo de configuração (smb.conf) podem ser substituídas por uma série de variáveis que o Samba disponibiliza. Por exemplo a opção "path = /tmp/%u" será interpretada com "path = /tmp/pedro", caso o usuário conectado tenha o nome "pedro". As variáveis disponíveis são listadas abaixo: %S - o nome do serviço corrente; %P - o diretório raiz do serviço corrente; %u - o nome do usuário conectado; 12

14 %g - nome do grupo de %u %U - nome de usuário da sessão (requisitado pelo cliente) %G - nome do grupo de %U %H - diretório pessoal do usuário %u %v - versão do Samba %h - O nome do servidor onde o Samba está sendo executado %m - o nome NetBIOS da máquina cliente %L - o nome NetBIOS do servidor %M - o nome de Internet da máquina cliente %N - o nome do servidor NIS %p - o caminho para o diretório do serviço atual, obtido do servidor NIS %R - o nível do protocolo selecionado após a negociação de protocolo. Pode ser: CORE, COREPLUS, LANMAN1, LANMAN2, NT1. %d - o ID do processo do servidor %a - a arquitetura da máquina cliente. Pode ser: WfWg, Win95, WinNT, Win2K, UNKNOWN. %I - o endereço IP da máquina cliente %T - a data e hora correntes. %$(envvar) - o valor da variável de ambiente "envvar" 13

15 ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SAMBA Toda configuração relacionada com nomes, grupos de trabalho, tipo de servidor, log, compartilhamento de arquivos de impressão do SAMBA é colocada no arquivo de configuração/ etc/ SAMBA/ smb.conf. Este arquivo é dividido em sessões e parâmetros. Uma seção no arquivo de configuração do SAMBA (smb.conf) é definida por um nome entre [ ]. As sessões tem objetivo de organizar os parâmetros para que tenha efeito somente em algumas configurações de compartilhamento do servidor (exceto de seção [global], que não especificam compartilhamento, mas suas diretivas podem ser válidas para todos os compartilhamentos do arquivo de configuração).alguns nomes de sessões foram reservadas para configurações específicas do SAMBA.Eles são os seguintes: [global]-define configurações que afetam o servidor SAMBA como um todo, fazendo efeito em todos os compartilhamentos existentes na máquina. Por exemplo,o grupo de trabalho, nome do servidor, página do código, restrições de acesso por nome, etc. [homes]-específica opções de acesso a diretórios homes de usuários.o diretório home é disponibilizado somente para o seu dono, após se autenticar no sistema. [printers]-define controles gerais das impressoras do sistema.este compartilhamento mapea os nomes de todas as impressoras encontradas no /etc/printcap. Configurações especiais podem ser feitas separadamente. [profile]-define um perfil quando o servidor SAMBA é usado como PDC de domínio. Qualquer outro nome de seção no arquivo smb.conf que não seja as citadas, são tratadas como um compartilhamento ou impressora. Um parâmetro definido no formato nome=valor. EXEMPLOS DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA Grupo de trabalho com acesso publico Esse exemplo pode ser usado de modelo para construir uma configuração baseada no controle de acesso, usando o nível de segurança share e quando possui compartilhamentos de acesso publico. Esta configuração é indicada quando se necessita de compatibilidade com software netbios antigos. Grupo de trabalho com acesso por usuário Descreve uma configuração a nível de segurança por usuário onde existem compartilhamentos que requerem login e usuários específicos, e restrições de ips e interface onde o servidor opera. Esta configuração utiliza senhas em texto claro para acesso dos usuários, mas pode ser facilmente modificado para suportar senhas cliptografadas. 14

16 COMPARTILHAMENTO DE IMPRESSÃO NO SERVIDOR SAMBA Configurando Linux como servidor de impressão Windows Será necessário ter o pacote SAMBA instalado e adicionar as seguintes linhas no seu arquivo /etc/samba/smb.conf: [ hp-printer ] path = / tmp printer name = hp deskjet 690C printable = yes print command = lpr r h P %p %s valid users = winuser winuser2 create mode = 0700 o compartilhamento citado tornara disponível a impressora local lp as maquinas windows com o nome hp deskjet 690C. uma impressora alternativa pode seer especifica modificando a opcao p da linhado comando lpr. Note que somente os usuário winuser e winuser2 poderam usar esta impressora. Os arquivos de spool (para gerenciar fila de impressão) serão gravados em /tmp (path=/tmp) e o compartilhamento [hp-printer] sera mostrado como uma impressora ( printable = yes). Agora será necessário instalar o driver desta impressora no windows e escolher a impressora instada via rede e seguir os demais passos de configuração. 15

17 ANEXOS 16

18 17

19 CONCLUSÃO Analisando os estudos feitos sobre Samba, podemos notar que este é, uma grande ferramenta capaz de interligar redes heterogêneas permitindo que máquinas Linux e Windows se comuniquem entre si, compartilhando serviços (arquivos, diretório, impressão) através do protocolo SMB (Server Massage Block)/ CIFS (Common Internet File System), equivalente à implementação Net-BEUI no Windows. Sua configuração é muito simples de usar, pois está contida em apenas um arquivo smb.conf. Ele pode faz o papel de um software servidor, assim pode usar um servidor Linux como servidor de impressão, arquivo, add, fazendo o papel de servidor windows. Por ser um sistema aberto o Samba, tem sofrido vários aperfeiçoamentos pelos rackers, tornando ele cada vez mais fácil e competitivo no mercado. 18

20 BIBLIOGRAFIA VILAS BOAS, Tiago; MENDOÇAS, Nelson. Samba. Rio de janeiro: Brasport, p. <http://www.conectiva.com/doc/livros/online/10.0/servidor/pt_br/ch12s04.html>.acesso em: 17 março de 2006 <http:// /search?q=cache:89sjxkbzksj>: Acesso em: 18 março de 2006 <http://www.conectiva.com.br/cpub/pt/incconectiva/suporte/pr/servidores>.samba.conceitos. <html+conceito+samba+windows&hl=pt-br&gl=br&ct=clnk&cd=7>: Acesso em: 17 março de 2006 <http://ncg.unisinos.br/robotica/samba/>: Acesso em: 22 março de 2006 <http://br-linux.org>: Acesso em: 23 março de 2006 <http://olinux.uol.com.br>: Acesso em: 26 março de

Utilizando o SAMBA - Parte I

Utilizando o SAMBA - Parte I Utilizando o SAMBA - Parte I Por: Victor Zucarino ( 28/03/2001 ) Introdução Antes de começar vamos entender o que é o Samba. Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula-6

Sistemas Distribuídos Aula-6 6 SAMBA Histórico: O Samba foi criado por Andrew Tridgell. Ele precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque Suporte de Servidores Linux Ezequiel Mendes Duque SAMBA Acidente?? O projeto nasceu no final de 1991, de forma acidental. O criador foi: Andrew Tridgell, um australiano que na época era estudante do curso

Leia mais

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s.

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s. Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft (SMB) Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface) para que as suas aplicações pudessem partilhar dados numa rede. Esta

Leia mais

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft SMB (Server Message Block) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface)

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Samba como compartilhador de arquivos & impressora O Samba surgiu da necessidade de integrar redes mistas (Windows com Linux). No Linux, há duas maneiras de se fazer isso, que é pelo uso do NFS e Samba.

Leia mais

Integração Windows e Linux com Samba

Integração Windows e Linux com Samba Integração Windows e Linux com Samba Session Message Block - SMB Software livre, que permite que máquinas Unix/Linux e Windows convivam harmoniosamente em uma mesma rede Sistemas Windows em geral e OS/2

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba Daniel Darlen daniel.correa@planejamento.gov.br IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba p.1/65 Introdução Introdução ao Samba p.2/65 Introdução SAMBA é um conjunto

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Administração de Redes SAMBA

Administração de Redes SAMBA Administração de Redes SAMBA Rafael S. Guimarães IFES - Campus Cachoeiro de Itapemirim Baseado no material de João Paulo de Brito Gonçalves SAMBA SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA SMB vs NFS Técnico Integrado em Telecomunicações

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor de Arquivos (NFS) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução ao NFS O NFS (Network File System) é um sistema de arquivos

Leia mais

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC".

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC. Samba como Servidor de Domínio Ubuntu Server 14.04 1. Passo - Instalação do pacote: #apt-get install samba 2. Passo - Edição do smb.conf Após instalar o samba delete o arquivo padrão smb.conf. #rm /etc/samba/smb.conf

Leia mais

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa FPROT Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt SENAC TI Fernando Costa Samba Introdução Fundamentos para criação de um domínio e serviços Windows em um servidor Linux. Motivação: O convívio

Leia mais

GLEYSON RODRIGUES JORGE. Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts.

GLEYSON RODRIGUES JORGE. Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts. GLEYSON RODRIGUES JORGE Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts. Palmas 2006 GLEYSON RODRIGUES JORGE Manual de Configuração de um Servidor SAMBA:

Leia mais

Laboratório de Redes. Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br

Laboratório de Redes. Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Laboratório de Redes Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Active Directory (AD) Samba Máquina virtual Criação de uma máquina virtual Instalação do Windows Server O Active Directory (AD) é um

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Artigo extraído do link http://www.guiadohardware.net/artigos/pdc debian clamwin estacoes/ Introdução Esse artigo o guiará passo a passo na montagem de um servidor

Leia mais

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC CURSO DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS LINUX Antonio Janael Pinheiro Maria Atrícia Sabino Maciel Luclécia Correia Lopes

Leia mais

Aula 9 Servidor Samba Linux

Aula 9 Servidor Samba Linux 1 Aula 9 Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba,

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 11 Partilha de ficheiros e impressoras: SAMBA SAMBA Serviço que permite: Partilhar um directório com computadores Windows ou Linux Partilhar um directório de

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor Samba

Instalação e Configuração Servidor Samba Instalação e Configuração Servidor Samba Pág - 1 Instalação e Configuração Servidor Samba O Samba é o servidor que permite compartilhar arquivos e acessar compartilhamentos em máquinas Windows. Ele é dividido

Leia mais

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores ActiveInfo Treinamento GNU/Linux Servidores http://www.samba.org André Luiz andreluizsp@gmail.com 1 Conteúdo programático O que é SAMBA? Instalando o SAMBA Verificando o serviço SWAT - Samba Web Administrator

Leia mais

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Projeto Libertas-BR http://www.libertasbr.org.br 8 de setembro de 2005 1 Introdução Esta documentação orienta a integração de

Leia mais

CONFIGURANDO O SAMBA

CONFIGURANDO O SAMBA 1 CONFIGURANDO O SAMBA escrito por: Bruno T. Russo brusso@mackenzie.com.br http://www.btr.hpg.com.br criado com OpenOffice 1.0 Janeiro / 2003 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Instalação 3 3. Configuração 3

Leia mais

Solução linux para compartilhamento de arquivos

Solução linux para compartilhamento de arquivos Solução linux para compartilhamento de arquivos Nataniel da Silva Vieira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS Brasil nataniel@pelotas.com.br,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Ciência da Computação O SOFTWARE SAMBA NA INTEGRAÇAO DE REDES HETEROGÊNEAS Autores: Orientador:

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob

Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob 1 Temas abordados: Escalonamento de tarefas Configuração do SAMBA Certificados de chave pública (OPENSSL) Escalonamento de tarefas Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob

Leia mais

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos:

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos: Samba como controlador de domínio no Ubuntu Nesse artigo estaremos configurando o SAMBA, que consiste em um software que faz a comunicação entre Windows e Linux, sendo utilizado para compartilhar arquivos

Leia mais

SAMBA3 e LDAP. Base sólida para redes heterogêneas. Felipe Augusto van de Wiel (faw) Brasil, São Paulo, 06 de novembro de 2004. 06.novembro.

SAMBA3 e LDAP. Base sólida para redes heterogêneas. Felipe Augusto van de Wiel (faw) Brasil, São Paulo, 06 de novembro de 2004. 06.novembro. SAMBA3 e LDAP Base sólida para redes heterogêneas. Felipe Augusto van de Wiel (faw) Brasil, São Paulo, 06 de novembro de 2004. 06.novembro.2004 1 Quem sou eu? No mundo Admin. Redes e Sistemas Instrutor

Leia mais

Instalando e configurando o SAMBA no Debian 6.0

Instalando e configurando o SAMBA no Debian 6.0 Instalando e configurando o SAMBA no Debian 6.0 Julio Cesar Vitoria Moraes, Rafael de Figueiredo Rodrigues Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC

Leia mais

Samba como PDC de um domínio Windows

Samba como PDC de um domínio Windows Relatório do Trabalho Prático nº 3 Samba como PDC de um domínio Windows Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.11.2006 Índice Índice...

Leia mais

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR /LQX[:LQGRZV 6DPED (GLomR Autor E-mail Home-page Coadjuvante 'DQLHO3HUHLUD*XLPDUmHV WHPS#WHFQRE\WHFRPEU ZZZWHFQRE\WHFRPEU $QW{QLR3HUHLUD*XLPDUmHV,QWURGXomR Não podemos negar que a maior parte dos usuários

Leia mais

AULA 6. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS

AULA 6. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS M i n i - C u r s o d e I n t r o d u ç ã o a o G N U / L i n u x AULA 6 Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki PET Computação UFRGS Março/Abril 2008 A d m i n i s t r a c a o B á s i c a Arquivos

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Compartilhando arquivos com o samba

Compartilhando arquivos com o samba Compartilhando arquivos com o samba Para compartilhar arquivos em uma rede local windows, a microsoft utiliza o protocolo smb (server message block). O samba foi criado para que máquinas linux possam compartilhar

Leia mais

Rafael Nink de Carvalho

Rafael Nink de Carvalho Rafael Nink de Carvalho Conteúdos a serem trabalhados: Software de Matemática Math; Inserção de vídeos do YouTube no BrOffice.org Impress; Inserção de som no Impress; Converter cd de áudio; Instalar programas;

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Instalando o Windows NT Server 4.0

Instalando o Windows NT Server 4.0 Instalando o Windows NT Server 4.0 Tópicos Considerações Pré-Instalação Hardware Necessário Tipos de Servidores Sistema de Arquivos Formas de Instalação Configuração de hardware Plataforma INTEL Processador

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FATECS Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas Curso de Engenharia da Computação Projeto Final CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

SAMBA 4.0 UMA FERRAMENTA ÚTIL E DE BAIXO CUSTO A DISPOSIÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAS RESUMO

SAMBA 4.0 UMA FERRAMENTA ÚTIL E DE BAIXO CUSTO A DISPOSIÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAS RESUMO SAMBA 4.0 UMA FERRAMENTA ÚTIL E DE BAIXO CUSTO A DISPOSIÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAS Leandro Barbieri 1 Velcir Barcaroli 2 RESUMO O presente trabalho teve como tema SAMBA 4 uma ferramenta útil e de

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO

JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO SERVIDOR DE ARQUIVOS LINUX PARA CLIENTES WINDOWS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SAMBA NA FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS Monografia apresentada ao Departamento de Ciência

Leia mais

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br Capítulo 1 DATAPREV Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: DATAPREV www.dataprev.gov.br Procedimentos adotados pela Dataprev na migração dos servidores Netware (Novell) para servidores

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior Introdução ao Windows Server System José Carlos Libardi Junior Computer Roles Grupo de Trabalho X Domínio O que é Active Directory Termos do Active Directory Tópicos Principais Um computador com o Windows

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL ESTER DE ARRUDA CAMPOS LUCAS PAULO ZUKOVSKI

FACULDADE CAMPO REAL ESTER DE ARRUDA CAMPOS LUCAS PAULO ZUKOVSKI FACULDADE CAMPO REAL ESTER DE ARRUDA CAMPOS LUCAS PAULO ZUKOVSKI AUDITORIAS E LIXEIRAS USANDO O SAMBA: compartilhamento de arquivos com acesso total em redes mistas GUARAPUAVA 2008 ESTER DE ARRUDA CAMPOS

Leia mais

Um pouco sobre a história do Samba

Um pouco sobre a história do Samba Um pouco sobre a história do Samba O projeto nasceu no final de 1991, de forma acidental. Andrew Tridgell, um australiano que na época era estudante do curso de PhD em ciências da computação da Universidade

Leia mais

Instalação de Servidor de Impressão com quotas Pykota. Rogério Vinhal Nunes 25 de janeiro de 2007

Instalação de Servidor de Impressão com quotas Pykota. Rogério Vinhal Nunes 25 de janeiro de 2007 Instalação de Servidor de Impressão com quotas Pykota Rogério Vinhal Nunes 25 de janeiro de 2007 1 Sumário 1 O que é o Pykota? 3 2 Instalação do Pykota 3 3 Conguração 4 4 Utilização do banco de dados 4

Leia mais

Introdução ao Sistema. Características

Introdução ao Sistema. Características Introdução ao Sistema O sistema Provinha Brasil foi desenvolvido com o intuito de cadastrar as resposta da avaliação que é sugerida pelo MEC e que possui o mesmo nome do sistema. Após a digitação, os dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

O que é e o que faz o samba?

O que é e o que faz o samba? Tutorial samba como controlador de domínio para Ubuntu ou Debian. Os procedimentos foram testados no ubuntu 10.04, em caso do debian ou outra versão pode mudar alguns detalhes ou algum procedimento como

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

PRO APPS File Server Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PRO APPS File Server Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O PRO APPS FILE SERVER Pro Apps File Server é um poderoso servidor de arquivos, compatível com os principais protocolos de rede com essa finalidade, e que oferece recursos enterprise para controle de domínio

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

Configuração do Samba

Configuração do Samba LinuxFocus article number 177 http://linuxfocus.org Configuração do Samba by Éric Seigne About the author: Trabalho para o mundo de software livre e, entre outras coisas, desenvolvo

Leia mais

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Linux Básico Linux Intermediário Proxy Squid Firewall Netfilter / Iptables Samba 4 C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

WINDOWS NT SERVER 4.0

WINDOWS NT SERVER 4.0 Características WINDOWS NT SERVER 4.0 O NT Server suporta redes maiores organizadas em torno de servidores e domínios. É um sistema operacional para organizações que necessitem implementar aplicações críticas,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO 2011 SUMÁRIO 1 PROTOCOLOS (CONTINUAÇÃO) ÇÃO)... 1 1.1 O que é DHCP...1 1.1.1 Funcionamento do DHCP...2 1.1.2 Breve histórico do DHCP...3 1.1.3

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Bem-vindo 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT

RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT Resumo Durante o período compreendido entre 1997 e 1998 houve, no CBPF, um aumento significativo do número de ambientes computacionais do tipo grupo de

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07 Prof. André Lucio ACI Competências da aula 7 ACI Compreende todo conteúdo abordado em sala, abordando de maneira geral.

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR PELOTAS/RS 2013 1 Jonathan Silveira, Leandro Stein Relatório

Leia mais