Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS TESTE SELETIVO TÉCNICO EM PRÓTESE DENTÁRIA Edital n o 096/2009-PRH CADERNO DE PROVA CONHECIMENTO ESPECÍFICO - 38 QUESTÕES ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - 02 QUESTÕES INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS Verifique se este caderno contém 40 questões e assine-o no local apropriado. Confira os dados da folha de respostas e assine-a no local apropriado. Marque com um X na folha de respostas, a alternativa que considerar correta. Utilize caneta esferográfica com tinta azul ou preta para preenchimento da folha de respostas. Na folha de respostas não poderá haver rasuras e não poderá haver mais de uma alternativa assinalada para cada questão, caso ocorra, a questão será anulada. Não haverá substituição da folha de respostas. A prova terá duração de 4 horas, incluindo o preenchimento da folha de respostas. Este caderno de prova não poderá ser levado. O candidato poderá transcrever as alternativas da folha de respostas para o rascunho abaixo e levá-lo consigo ao término da prova. NOME DO CANDIDATO: ASSINATURA DO CANDIDATO: Maringá, 17 de maio de Recorte aqui UEM Teste Seletivo aberto pelo Edital 096/2009-PRH para a função de. Rascunho - transcreva aqui as alternativas da folha de respostas. 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7) 8) 9) 10) 11) 12) 13) 14) 15) 16) 17) 18) 19) 20) 21) 22) 23) 24) 25) 26) 27) 28) 29) 30) 31) 32) 33) 34) 35) 36) 37) 38) 39) 40) CRONOGRAMA Divulgação do gabarito e do caderno de prova: 18/05/2009, 17h30min. Resultado da prova objetiva: 25/05/2009, 17h30min. Local para as publicações: O caderno de prova ficará disponível no endereço eletrônico citado apenas nos dias 18, 19 e 20/05/2009.

2 QUESTÕES SOBRE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DA FUNÇÃO 1. Os elastômeros usados em odontologia são: a) Siliconas, poliéter e polissulfeto ou mercaptana. b) Polissulfetos, siliconas e pasta zinco-enólica. c) Mercaptanas, silicona de condensação e hidrocolóide. d) Poliéter, alginato e siliconas. e) Polieter, hidrocolóide irreversível e siliconas. 2. Dentre os elastômeros, o que apresenta melhor estabilidade dimensional é: a) Silicona de adição. b) Silicona de condensação. c) Polissulfeto. d) Poliéter. e) A e B estão corretas. 3. Qual elastômero produz álcool como produto final e, portanto tem pior estabilidade, e necessidade de vazamento imediato? a) Silicona de adição. b) Poliéter. c) Mercaptana. d) Silicona de condensação. 4. No preparo do gesso, deve-se colocar primeiro a água na tigela e depois o gesso a fim de: a) Evitar inclusão de bolhas de ar. b) Obter menor expansão. c) Conseguir presa mais rápida. d) Aumentar a resistência final do gesso. e) A e B estão corretas. 5. O tempo de vazamento de uma moldagem feita com silicona de adição deve ser: a) Imediatamente após a moldagem para não haver distorção. b) Esperar 10 minutos para recuperação da memória elástica e vazar. c) Esperar 30 minutos e vazar em função da liberação de hidrogênio. d) Esperar uma hora e vazar em função da liberação de hidrogênio. 2

3 6. Para se obter bom escoamento e boa resistência do gesso, devemos prepará-lo: a) Na relação A/P indicada e usando vibrador. b) Aumentando a relação A/P e usando vibrador. c) Fazendo um espatulação mais longa e vazamento sem vibração. d) Conservar a relação A/P e fazer o vazamento de uma só vez. 7. Os moldes de godiva devem ter seus modelos vazados imediatamente, pois do contrário: a) A godiva poderá sofrer distorções pela libertação de tensões induzidas. b) A godiva poderá contrair-se pelo efeito da sinérese. c) A godiva poderá sofrer contração em sua reação química. d) A godiva poderá expandir-se, durante sua presa. e) A godiva poderá amolecer, pois é termoplástico. 8. A principal indicação das godivas como material de moldagem é: a) Moldagem inicial em prótese total. b) Moldagem anatômica em prótese total. c) Moldagem funcional em prótese total. d) Moldagem unitária. e) A e B estão corretas. 9. Aumentando-se o tempo de espatulação do gesso, sua presa se dará: a) Mais rapidamente. b) Mais lentamente. c) Com expansão igual. d) O tempo de espatulação não influi nas propriedades. e) A e C estão corretas. 10. Dentro de certos limites, devemos usar a maior relação pó/líquido possível ao trabalharmos com uma RAAT. Assim, o tempo de duração da reação e a contração serão: a) Ambos menores. b) Maior e menor, respectivamente. c) Menor e maior, respectivamente. d) Ambos maiores. 3

4 11. Caso seja usado mais monômero que o indicado para uma RAAT: a) A contração de polimerização será menor. b) Haverá risco de porosidade interna. c) A fase plástica demorará mais para ocorrer. d) A polimerização será incompleta. e) Nenhuma das alternativas está correta 12. Existe o risco de ocorrer maior aumento da espessura de uma dentadura confeccionada por RAAT prensada: a) Caso seja usada uma relação pó/líquido grande. b) Se não for recortado o excesso. c) Se a resina for usada na fase pegajosa. d) Se não ocorrer polimerização completa. e) Nenhuma das alternativas está correta 13. Na mistura de gesso, a quantidade de água e do pó devem ser medidas e usadas adequadamente. Esta relação é muito importante para se obter qualidade nas propriedades físicas e químicas do gesso. Dentre as afirmativas abaixo, aquela que apresenta corretamente a relação água/pó para o modelo inferior é: a) 150 g de gesso comum / 50 cm3 de água. b) 150 g de gesso comum / 60 cm3 de água. c) 150 g de gesso comum / 75 cm3 de água. d) 150 g de gesso comum / 100 cm3 de água. e) 150 g de gesso comum / 150 cm3 de água. 14. As resinas autopolimerizáveis e termopolimerizáveis, quando misturadas ao monômero, reagem e passam por fases específicas. A seqüência correta das fases das resinas acrílicas é: a) Arenosa, líquida, plástica, fibrilar e borrachóide. b) Líquida, arenosa, plástica, fibrilar e borrachóide. c) Borrachóide, líquida, arenosa, fibrilar e plástica. d) Líquida, arenosa, fibrilar, plástica e borrachóide. e) Líquida, plástica, arenosa, borrachóide e fibrilar. 15. A linha imaginária que tangencia as cúspides dos pré-molares e molares e que, voltada para baixo, vista pelo plano sagital, forma uma linha curva, é denominada: a) Curva de Wilson. b) Curva de Monson. c) Curva de Fischer. d) Curva de Posselt. e) Curva de Spee. 4

5 16. Na seleção dos dentes artificiais de uma prótese total, um dos métodos para determinar a altura dos dentes se dá pela marcação da linha: a) Do sorriso forçado. b) Do sorriso em repouso. c) De Camper. d) De união entre as comissuras labiais. e) Dos caninos. 17. Materiais que são utilizados para obter moldagem anatômica: a) Godiva e silicona de adição. b) Silicona de adição e silicona de condensação. c) Hidrocolóide irreversível e Godiva. d) Godiva e alginato. e) Todas as alternativas estão corretas. 18. Sobre a montagem de dentes em prótese total, é correto afirmar que: a) A montagem dos dentes inicia pelo primeiro molar esquerdo. b) A montagem dos segundos molares é obrigatória. c) Na montagem dos dentes artificial anterior, não se pode realizar desgaste das suas cervicais. d) O técnico de prótese não necessita de linhas de referência traçadas no rodete para montagem dos dentes. e) Previamente ao início da montagem dos dentes, é necessário escolher o tamanho e o tipo dos dentes. 19. Sobre a oclusão balanceada em prótese total (PT), é correto afirmar que: a) O contato dos dentes em movimento protrusivo mandibular deve ser concomitante com contatos bilaterais na região posterior. b) As cúspides vestibulares dos dentes inferiores, consideradas cúspides não cêntricas, fazem contato com as fossas antagonistas. c) A oclusão balanceada bilateral é tecnicamente fácil de ser obtida. d) Atualmente é o padrão de oclusão preconizado. e) É mais indicada para casos onde a PT se relaciona com dentes naturais antagonistas. 5

6 20. A montagem dos dentes artificiais em prótese total é feita em posições determinadas. Quanto à montagem dos dentes, assinale a alternativa que não está de acordo com essas posições determinadas: a) A superfície mesial do incisivo central superior deve tangenciar a linha mediana. b) A borda incisal do incisivo lateral superior deve tocar o arco de oclusão inferior. c) O colo cervical por vestibular do canino superior deve ficar ligeiramente mais para vestibular que o do incisivo central. d) A borda incisal dos dentes anteriores inferiores, em oclusão central, não deve tocar a superfície lingual dos superiores. e) A ponta da cúspide do canino inferior deve apontar para o espaço entre o incisivo e caninos superior. 21. Sobre a caracterização das bases de dentadura, é correto afirmar que: a) A mucosa alveolar é mais clara. b) As papilas interdentais são mais claras. c) A gengiva inserida é geralmente mais escura. d) As resinas para caracterização são aplicadas ao mesmo tempo. e) Deve-se fazer um esquema da distribuição das várias tonalidades gengivais para auxiliar na caracterização. 22. Os planos de orientação devem ser confeccionados: a) Cera utilidade. b) Cera 7. c) Cera 7 ou 9. d) Cera 7 ou utilidade. 23. Qual o objetivo principal do encaixamento dos moldes? a) Proteger o material de moldagem da distorção do gesso. b) Facilitar a confecção do modelo de trabalho, aumentando sua resistência. c) Preservar e proteger a borda do molde (selamento periférico). d) Conseguir um modelo com altura adequada para montagem em articulador semi-ajustável. 6

7 24. Como deve ser executada a prensagem em prótese total: a) Prensa-se até atingir 1250 Kgf. b) Prensa-se até atingir 500 Kgf. c) Prensa-se até atingir 800 Kgf. d) Prensa-se lentamente até 500 Kgf, aumenta para 800 Kgf e eleva até 1250 Kgf. 25. Ao avaliarmos uma moldagem do maxilar inferior deveremos reconhecer detalhes anatômicos relevantes presentes no rebordo remanescente: a) Chanfradura do masseter, papila piriforme. b) Papila piriforme, linha obliqua interna e externa. c) O flangeado da glândula sub-lingual e chanfradura do masseter. d) Apófise geni e flangeado da glândula sub-lingual. e) Todas as alternativas estão corretas. 26. Quais os limites da área chapeável superior? a) Espaço corono maxilar e músculo bucinador. b) Espaço corono maxilar e fundo de vestíbulo. c) Fundo de vestíbulo labial, freio labial e término posterior (linha do A). d) Término posterior e masseter. e) B e C estão corretas. 27. Os materiais de moldagens mais utilizados para execução de moldagens funcionais são: a) Hidrocolóides e siliconas. b) Pastas a base de óxido de zinco e eugenol. c) Elastômeros. d) Godivas e alginatos. e) B e C estão corretas. 28. No método de polimerização lenta: a) A temperatura é mantida em 74 graus C, por 12 horas, com 60 libras de pressão. b) A temperatura é mantida em 80 graus C, por 2 horas, com 60 libras de pressão. c) A temperatura é mantida em 90 graus C, por 24 horas, com 60 libras de pressão. d) A temperatura é mantida em 80 graus C, por 6 horas, com 45 libras de pressão. 7

8 29. A finalidade da remontagem em prótese total é: a) Melhorar o relacionamento estético dos dentes anteriores. b) Adequar à dimensão vertical. c) Conferir a montagem dos modelos no articulador semi-ajustável. d) Verificar se houve alteração dimensional da resina acrílica e fazer o ajuste oclusal. 30. Qual a importância do plano de orientação? a) Determina a posição e altura dos dentes. b) Define o corredor bucal. c) Define o suporte do lábio. d) Determina a dimensão vertical. e) Todas as alternativas estão corretas. 31. O resfriamento da mufla após a polimerização deve ser: a) Lento na temperatura ambiente por 2 horas antes de resfriá-lo em água corrente. b) Rápido mergulhando em seguida em água corrente. c) Lento nos primeiros 30 minutos e depois rapidamente. d) Lentamente em ambiente climatizado por 12 horas. 32. Qual a importância da mesa de camper? a) Auxilia na montagem do modelo superior (chapa de prova). b) Fornece uma correta inclinação antero posterior ao modelo. c) Determina a dimensão vertical. d) Auxilia o ajuste do corredor bucal. e) A e B estão corretas. 33. A escolha dos dentes artificiais é realizada levando em consideração: a) Distância dos seis dentes anteriores em curva. b) Da linha alta do sorriso. c) Do formato do rosto do paciente. d) Da personalidade e idade do paciente. e) Todas as alternativas estão corretas. 8

9 34. As cúspides de contenção cêntrica são responsáveis pela manutenção da dimensão vertical e aumento da eficiência mastigatória em prótese total. Quais são estas cuspides? a) Vestibulares superiores e inferiores. b) Palatina superior e inferior. c) Vestibular superior e palatina inferior. d) Vestibular inferior e palatina superior. 35. Sobre os alginatos assinale a resposta correta: a) São materiais de moldagem usados para confecção de modelos de estudo, diagnóstico e moldagens funcionais (finais) de prótese total. b) O gesso deve ser vazado 1 hora após a recuperação da memória elástica. c) Após a presa do gesso (45 a 60 minutos) deve-se remover o modelo de gesso da moldagem. d) Se demorar muito para separar a moldagem do modelo o alginato ataca a superfície do modelo deixando-o poroso. e) C e D estão corretas. 36. Ao recebermos uma moldagem com pasta zinco eugenólica devemos: a) Vazar imediatamente, pois ela pode sofrer sinérese. b) Esperar 1 hora para vazar, pois ela libera hidrogênio nos primeiros 60 minutos, que ataca as partículas de gesso. c) Os moldes podem ser preservados por vários dias, sem alteração na forma uma vez que a estabilidade dimensional é muito boa. d) Deve ser guardado na geladeira até o momento do vazamento. 37. Um corredor bucal na prótese total é conseguido: a) Através da determinação correta da DVO e RC. b) Quando o plano oclusal da prótese está paralelo à linha do sorriso. c) Através do correto posicionamento dos dentes posteriores. d) Quando existe um EFL de 3 a 4 mm entre os dentes superiores e inferiores. e) Pelo espaço existente entre a face vestibular dos dentes posteriores e a bochecha do paciente. 9

10 38. A delimitação da zona chapeável da mandíbula na região da papila piriforme deve abranger: a) Toda a papila piriforme. b) 2/3 da papila piriforme. c) 1/3 da papila piriforme. d) Não englobar a papila piriforme. QUESTÕES SOBRE O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 39. O Estatuto da Criança e do Adolescente no seu artigo 2º - considera-se adolescente, para os efeitos desta Lei, a pessoa: a) até vinte e um anos de idade completos. b) entre treze e dezoito anos de idade. c) entre doze e dezoito anos de idade. d) entre quinze e dezoito anos de idade. e) nenhuma alternativa está correta. 40. O artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente traz a seguinte redação:...assegurar com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária como sendo dever da: a) família, da comunidade, da escola, das pastorais. b) família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público. c) sociedade em geral, da escola, da justiça e da saúde. d) comunidade, da prefeitura, da justiça e da escola. e) família, do Poder Público, da Secretaria Municipal de Saúde e da Secretaria Municipal de Assistência Social. 10

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

MANUAL DE PRÓTESE FIXA

MANUAL DE PRÓTESE FIXA MANUAL DE PRÓTESE FIXA INDICE Materiais e Equipamentos 05 Materiais e Técnicas de Moldagem 07 Vazamento de Modelos 08 Montagem em Articulador 17 Enceramento 20 Preparo de Troquel 23 Inclusão 25 Fundição

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Técnico Operacional - Motorista (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá Pró-reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 057/2013-PRH INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS

Leia mais

Instruções de Preenchimento das Guias Odontológicas

Instruções de Preenchimento das Guias Odontológicas Instruções de Preenchimento das Guias Odontológicas Outubro/2010 Salutis Administração em Saúde 1 1. GUIA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO SOLICITAÇÃO E COBRANÇA A Guia de Tratamento Odontológico tem como finalidade

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Reabilitação Oral Estética e Função Relato de caso clínico

Reabilitação Oral Estética e Função Relato de caso clínico Reabilitação Oral Estética e Função Relato de caso clínico Autor: Frederico dos Reis GOYATÁ Especialista, Mestre e Doutor em Prótese Resumo: As reabilitações orais com as próteses totais removíveis contribuem

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 20/05/2012) Cargo: Técnico em Prótese Dentária/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Roteiro de estudo - Preparo do Dente: 1. Técnica da silhueta modificada. 2. Desgaste do dente com ponta diamantada (PD) 1,4 mm na região cervical e terço médio respeitando

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES Saneamento: tratamento de resíduos sólidos Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS*

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* Segundo Carlos Estrela (2001), o painel científico constitui uma discussão informal de um grupo de pessoas conhecedoras de um assunto em análise, apresentando

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB Curso de ASB Gesso Odontológico Modelos Modelos Modelos Modelos Moldes para fabricação de dentaduras GESSO Revestimentos Sulfato de cálcio di-hidratado, quimicamente quase puro (Gipsita) (CaSO 4. 2H 2

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Doença Hereditária: é um desvio da normalidade transmitidos por genes e que podem estar presentes ou

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas SEGURANÇA DO TRABALHO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia.

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico CASO CLÍNICO Setup: a Diagnosis Assistance in Orthodontics Michelle Santos VIANNA* Armando Yukio SAGA** Fernando Augusto CASAGRANDE*** Elisa Souza CAMARGO****

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas SEGURANÇA DO TRABALHO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

pág. 1 Rua Caruaru, casa 1 - Grajaú - Rio de Janeiro / RJ

pág. 1 Rua Caruaru, casa 1 - Grajaú - Rio de Janeiro / RJ Planos de Cera março. 2014 pág. 1 PLANOS DE ORIENTAÇÃO Pode-se dizer que a fase do plano de cera equivale à confecção de um projeto de engenharia. Essa fase deve ser atentamente observada, avaliada e,

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

02 de Fevereiro de 2010

02 de Fevereiro de 2010 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Transferência Externa Medicina 1º Semestre 2010 02 de Fevereiro de 2010 1ª FASE CONHECIMENTOS GERAIS N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA INFORMAÇÕES

Leia mais

Apresentação PROVA BRASIL PREMIADA 2015

Apresentação PROVA BRASIL PREMIADA 2015 Apresentação PROVA BRASIL PREMIADA 2015 A Prova Brasil Premiada é um projeto exclusivo do NAME, que tem como objetivo simular a avaliação oficial realizada pelo MEC, contribuir para que nossos parceiros

Leia mais

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes?

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes? Implantes Dentários O que são implantes ósseos integrados? São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 6O, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa ENGENHARIA MECÂNICA

Admissão por Transferência Facultativa ENGENHARIA MECÂNICA assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa. a Transferência Facultativa/0 Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Confira atentamente se os dados pessoais transcritos

Leia mais

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3 Curso: Odontologia Modalidade: Profissionalizante

Leia mais

Curso de Prótese e Oclusão

Curso de Prótese e Oclusão Curso de Prótese e Oclusão Dr. Marc Obrecht - Director Científico 10 módulos no Porto com 1 dos módulos em parceria com ESORIB & New York University Início: 6 de dezembro de 2014 Durante os módulos são

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Balsamo M. Cosmética em anomalias dentais. Dental Science - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140.

Balsamo M. Cosmética em anomalias dentais. Dental Science - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140. Ponto de contato................... Marcelo Balsamo* Balsamo M.. - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140. blemas estéticos decorrentes de anomalias dentárias, sejam elas ocasionadas por fatores de

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016 CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016 Provimento de cargos da Guarda Municipal de Garanhuns. Nome do candidato: Número de inscrição: Assinatura do candidato: PROVA MÓDULO

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

www.estheticschool.eu

www.estheticschool.eu www.estheticschool.eu Informações e inscrições: Email: geral@estheticschool.eu Tel: 22 600 94 05 PROGRAMA DO CURSO Metalo-cerâmica e ceramo-cerâmica As relações clínica/laboratório Prof. Dr. Marc OBRECHT

Leia mais

Workshop de Conhecimentos sobre Pele

Workshop de Conhecimentos sobre Pele Workshop de Conhecimentos sobre Pele Objetivos Após concluir o treinamento você será capaz de compartilhar com suas clientes: Como funciona a pele. Características de cada tipo de pele. Como classificar

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Tipo do produto: Plano de aula e Relatório 1 IDENTIFICAÇÃO NOME

Leia mais

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES Farmacometria Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 QUÍMICA (NOTURNO)

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 QUÍMICA (NOTURNO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa. a Transferência Facultativa/00 Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Confira atentamente se os dados

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO RIBEIRÃO PRETO 2013 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: RA: Ano/semestre: Período letivo: 2 SUMÁRIO ORIENTAÇÕES

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CENTROS DE TREINAMENTO Dispõe sobre os requisitos para certificação dos Centros de Treinamento das entidades filiadas à CBTM

CERTIFICAÇÃO DE CENTROS DE TREINAMENTO Dispõe sobre os requisitos para certificação dos Centros de Treinamento das entidades filiadas à CBTM Dispõe sobre os requisitos para certificação dos Centros de Treinamento das entidades filiadas à CBTM O Comitê Executivo, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela CBTM, conforme disposto no

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Dentários Professora: Patrícia Cé Introdução AULA II Materiais de Moldagem Alginato Polissulfeto Poliéter Silicone de condensação

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR QUESTÃO: 23 23- A execução de facetas diretas por meio de técnicas adesivas e o uso de compósitos tornaram-se populares nos últimos anos, graças, especialmente, a dois fatores: a possibilidade de conservação

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização. 2ª Fase Exame Discursivo 29/11/2015 Física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Alagoas CASAL. Saneamento de 2014. Companhia de. Prova Prática ENCANADOR CONCURSO PÚBLICO. Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS

Alagoas CASAL. Saneamento de 2014. Companhia de. Prova Prática ENCANADOR CONCURSO PÚBLICO. Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS CONCURSO PÚBLICO PROVA TIPO 2 Companhia de Saneamento de 2014 Alagoas CASAL Cargo Nível Fundamental: CADERNO DE QUESTÕES Prova Prática ENCANADOR 1.

Leia mais

Cursos de Especialização Enfermagem Estomaterapia e Intensivista

Cursos de Especialização Enfermagem Estomaterapia e Intensivista 1) A Resolução 196/96 trata da(s): a) lei do exercício profissional do enfermeiro b) pesquisa com seres humanos no território nacional c) atribuições do estomaterapeuta no território nacional d) permissão

Leia mais

EDITAL DG Nº 001/2014 VESTIBULAR DE INVERNO

EDITAL DG Nº 001/2014 VESTIBULAR DE INVERNO EDITAL DG Nº 001/2014 VESTIBULAR DE INVERNO A Professora Dra. Sâmira Ambar Lins, RG 11.950.141-7 SSP/SP, Diretora das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul, Estado de São Paulo, juntamente com o Presidente

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA ! UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

1 Introdução. 2 Material

1 Introdução. 2 Material TUTORIAL Criação de Engrenagens em Acrílico Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 18/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS PARA A PROVA DE SELEÇÃO DO CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DO HOSPITAL DE AERONÁUTICA DOS AFONSOS TURMA 1/2016

INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS PARA A PROVA DE SELEÇÃO DO CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DO HOSPITAL DE AERONÁUTICA DOS AFONSOS TURMA 1/2016 INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS PARA A PROVA DE SELEÇÃO DO CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DO HOSPITAL DE AERONÁUTICA DOS AFONSOS TURMA 1/2016 1. EXAME DE SELEÇÃO 1.1 FINALIDADE 1.1.1 Estas instruções têm por

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Técnico Operacional II Administração Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL. EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL. O Conselho Municipal de Direito da Criança e do Adolescente de Curionópolis - CMDCAC, convoca a ELEIÇÃO dos Membros Titulares e Suplentes da Sociedade

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

Lubrificação IV. Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança. Sistema selado

Lubrificação IV. Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança. Sistema selado A U A UL LA Lubrificação IV Introdução Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança da caixa de câmbio de um automóvel. Um mecânico verificou que a caixa de câmbio estava com problemas por falta de óleo.

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS TESTE SELETIVO EDITAL N O 201/2010-PRH INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS

Leia mais

INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

INSTRUÇÕES AO CANDIDATO FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO GESTÃO E SAÚDE NA AMAZÔNIA PROCESSO SELETIVO AO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL GESTÃO E SERVIÇOS DE SAÚDE NA AMAZÔNIA (MPGSSA)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Edital nº. 003-2010 CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO DE NÍVEL MÉDIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Edital nº. 003-2010 CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO DE NÍVEL MÉDIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Edital nº. 003-2010 CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO DE NÍVEL MÉDIO Nome: RG: CPF: Nº. de inscrição: Função: Este caderno contém a prova de Informática

Leia mais

EDITAL Nº 001 /2013 2. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO

EDITAL Nº 001 /2013 2. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO EDITAL Nº 001 /2013 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA ADMISSÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO (ACT) PARA A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL/ ANO 2013. O Prefeito Municipal de

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011.

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. Disciplina o uso de caçambas estacionárias containers de entulhos nas vias públicas do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL Kelly Cristina Costa de Lima, UEPA Aline Marques Sousa, UEPA Cassia Regina Rosa

Leia mais

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2011 Candidato: inscrição - nome do candidato Curso: código - nome

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS OBJETIVO Este manual foi elaborado para orientar o usuário quanto ao preenchimento das fichas de Coleta de Dados Simplificados (CDS). Esse documento visa descrever

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO CONCURSO PARA PROCURADOR DO MUNICÍPIO SEGUNDA FASE PROVA DISSERTATIVA

PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO CONCURSO PARA PROCURADOR DO MUNICÍPIO SEGUNDA FASE PROVA DISSERTATIVA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO CONCURSO PARA PROCURADOR DO MUNICÍPIO SEGUNDA FASE PROVA DISSERTATIVA Direito Constitucional, Direito Administrativo e Direito Ambiental. DATA: 01/12/2007 CADERNO DE QUESTÕES

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

Catálogo Técnico 2014 2015 CALHA DE ESCOAMENTO PALMETAL

Catálogo Técnico 2014 2015 CALHA DE ESCOAMENTO PALMETAL Catálogo Técnico 2014 2015 CALHA DE ESCOAMENTO PALMETAL A CALHA DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO A CALHA DE ESCOAMENTO já era um produto reconhecido e de alta demanda na Palmetal. Analisando o uso dos clientes

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais