Comunicar com. Madalena Leão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicar com. Madalena Leão"

Transcrição

1 Comunicar com Impacto Madalena Leão 15 de Fevereiro de 2009

2 Falar em público Capacidade que possibilita a um bom orador defender e fundamentar as suas ideias; Afirmar energeticamente as suas propostas; Reforçar a liderança nas fases de debate.

3 Falar em público Comunicar = Falar? Comunicação tem sempre um objectivo: O de fazer com que o interlocutor tome consciência de uma dada mensagem; O de fazer com que ele empreenda uma acção.

4 O Processo de Comunicação A palavra comunicação tem origem no termo latino communicare, que significa entrar em relação com ou pôr em comum. Comunicar é entrar em relação com o outro de forma a partilhar e trocar ideias, sentimentos e experiências.

5 O Processo de Comunicação Elementos da Comunicação: Emissor Quem emite a mensagem Receptor Quem recebe a mensagem Mensagem Conjunto de informações transmitidas Código Conjunto de sinais e regras, estabelecidas pelo emissor e receptor, que transformam o pensamento em informação.

6 O Processo de Comunicação Elementos da Comunicação: Canal Meio através do qual se veicula a mensagem. Informação de retorno (feedback) Resposta ou reacção (verbal ou não-verbal) do receptor à mensagem enviada pelo emissor; dá a conhecer como estamos a receber a sua mensagem e como esta nos está a afectar. Contexto Conjunto de variáveis que rodeiam e influenciam a comunicação. Ruído Conjunto de fenómenos que ocorrem a nível do canal e que dificultam a comunicação.

7 O Processo de Comunicação Comunicação Verbal: É autilização do código linguístico as palavras; Pode assumir uma forma oral diálogo, rádio, televisão, telefone ; Pode assumir uma forma escrita livros, cartas, jornais, cartazes, etc.

8 O Processo de Comunicação Comunicação Não Verbal: Valoriza, enfatiza e apoia a mensagem verbal; Pode chegar asubstituí-la; Constitui a linguagem de relação que é o meio primário que influencia as mudanças qualitativas que ocorrem na evolução da relação interpessoal.

9 Perfil de quem ouve O perfil individual Perfil pessoal O comunicador hábil recorre a analogias para facilitar a compreensão de uma mensagem difícil; Um bom orador constrói a sua apresentação baseando-se nas motivações pessoais da assistência; i

10 Perfil de quem ouve O perfil individual Perfil técnico-profissional Necessidade de compreender a preparação técnica da pessoa, para poder adaptar a própria linguagem ao seu nível cultural.

11 Perfil de quem ouve O perfil do grupo Quem são os meus interlocutores-chave? Se eu estivesse no seu lugar, o que despertaria o meu interesse? Quais são as suas áreas de interesse? Quais são os benefícios que poderiam esperar-se da minha proposta?

12 Capacidade de comunicação A alma é sua, pode chorar; o rosto é do público, deve sorrir

13 Capacidade de comunicação Quatro questões fundamentais 1. A convicção absoluta de que queremos tornar-nos excelentes oradores e de que possuímos todas as capacidades para o fazer; 2. Interiorizar positivamente o conteúdo da exposição;

14 Capacidade de comunicação Quatro questões fundamentais 3. Tomar consciência de que a capacidade de comunicação não é algo de cromossómico, mas responde a regras bem precisas que podem ser adquiridas e aplicadas; 4. Praticar, praticar, praticar.

15 Capacidade de comunicação 7 % 38 % 55 % L.N.V Tom de voz Palavras

16

17 Contacto Visual Um contacto visual eficaz projectado democraticamente sobre todos os participantes favorece a percepção de um orador seguro e que domina a sala. Olhar no vazio; O scanning;

18 Contacto Visual A quem dirigir o contacto visual? A todos indistintamente. De costas para a assistência Contacto visual com grupos numerosos

19 Contacto Visual Contacto visual eficaz: 3-5 segundos (1-2 frases); Somos vistos! Treino Colóquio a dois ou em pequenos grupos; Técnica da sala vazia; Técnica das mãos para cima.

20 Contacto Visual Alguns significados: Esfregarg os olhos: pode ser um sinal de aborrecimento; Pestanejar em excesso: representa na grande maioria das vezes nervosismo, mas também pode revelar desinteresse;

21 Contacto Visual Alguns significados: Olhar prolongado: gesto que significa interesse ou motivo de atracção; Olhar fixo: pode ser considerado ameaçador ou agressivo;

22 Contacto Visual Alguns significados: Fechar os olhos: quando se fecham os olhos por um período superior ao normal isso significa não diga mais nada ; Piscar de olhos: é um sinal de cumplicidade para com a pessoa a quem é dirigido;

23 Contacto Visual Alguns significados: Olhos levantados: são uma forma de pedir uma pausa; Levantar uma sobrancelha: é quase sempre um sinal de desconfiança;

24 Contacto Visual Alguns significados: Cerrar as sobrancelhas: é um gesto associado a um estado emocional intenso associado a ansiedade ou a algo negativo.

25

26 Gestualidade A gestualidade é parte integrante do nosso processo comunicativo e deve ser exibida espontânea e naturalmente, sem inibições. Como reforçar a nossa gestualidade 1. Manter as mãos ao longo dos flancos; 2. Manter as mãos livres; 3. Evitar falar com as mãos nos bolsos.

27 Gestualidade Erros comuns a evitar: Mãos nas ancas; Braços cruzados; Polegares na cintura das calças, Mãos cruzadas à frente; Mãos entrelaçadas atrás das costas; Mãos postas;

28 Gestualidade Erros comuns a evitar: Tocar ocorpo ouasroupas; Objectos na mão; Uso despropositado do ponteiro.

29

30 Postura e movimentos Postura Transmite sensação de profissionalismo e segurança; De pé ao centro da sala; Posição equilibrada sobre as pernas; Costas direitas; it Mãos estendidas ao longo dos flancos.

31 Postura e movimentos Movimentação pela sala

32

33 Volume e tom de voz O orador profissional deve saber utilizar oportunamente a sua voz, com um volume adequado e com tonalidade variáveis. o Sensação da voz nervosa; o Volume de voz; o Tom de voz

34 Linguagem Quanto mais simples mais eficaz; Em sintonia com o auditório; Com analogias, exemplos e imagens; Facilita a compreensão; Privilegia a síntese em detrimento dos detalhes informativos.

35 Linguagem Não palavras Ahn hum sabe evidentemente praticamente Libertação: 1 - Tomada de consciência; 2 - Substituir por pausas oportunas.

36 Linguagem Falar demasiado depressa ou devagar Libertação: 1 - Tomada de consciência; 2 - Inserção de pausas; 3 Moderar a velocidade do discurso.

37 Linguagem Recurso às pausas Para dar mais força emotivaàmensagem: pausa mensagem-chave pausa; Para tomar o controlo da sala; Para reduzir o número das não palavras ; Para diminuiri i avelocidade d da exposição.

38

39 Apresentação pessoal Aparência de quem acabou de sair do duche; O traje deve estar em sintonia com o público; Roupa confortável; Apresentação com o casaco abotoado e Apresentação com o casaco abotoado e gravata;

40 Apresentação pessoal O traje não deve ser vistoso; Gravata discreta; É aconselhável eliminar os símbolos; Não se arranje em cena; Tema, acima de tudo, o ridículo.

41 Personalidade Exibir com naturalidade a própria personalidade é um dos trunfos para o sucesso de um bom orador; As técnicas comunicacionais servem para reforçar a eficácia da comunicação, mas devem ser interpretadas e ligadas à personalidade de cada um.

42 Sentido de humor Recorrer ao humor apenas se este faz parte integrante da nossa personalidade; Utilizá-lo livremente em qualquer situação que se apresente, recordando que as melhores piadas são sempre espontâneas; Se a apresentação prevê uma historieta ou uma anedota simpática é preciso que esteja inserida num contexto lógico para reforçar a mensagem;

43 Sentido de humor Evitar começar a apresentação a dizer graças. A fase da abertura deve ter em vista os seus objectivos; é a fase em que estamos a construir a nossa credibilidade profissional, e o ambiente não está suficientemente desinibido para acolher uma anedota.

44 Entusiasmo O entusiasmo é a verdadeira força da comunicação; Ter entusiasmo significa transmitir ao auditório a convicção da validade daquilo que estamos a dizer

45 Gestão do stresse A adrenalina prepara o organismo para lutar ou para fugir. O stress não é um fenómeno subjectivo e imprevisível, mas sim um processo bioquímico que se desenvolve e segue mecanismos fisiológicos preestabelecidos; O stress não é apenas um fenómeno O stress não é apenas um fenómeno negativo;

46 Gestão do stresse A adrenalina prepara o organismo para lutar ou para fugir. O stresse é um fenómeno biológico positivo eprodutivo, desded que mantido abaixo de um limiar crítico.

47 Gestão do stresse Sintomatologia do stress durante a apresentação: Voz alterada; Palpitações; Transpiração; Dores de barriga; Tremor; Pouca lucidez.

48 Gestão do stresse Como gerir? 1. Ter consciência de que todos aqueles que falam em público têm o mesmo problema que nós para gerir oportunamente a sua tensão; 2. Tomar consciência do facto que o nervosismo é quase sempre um problema nosso, perfeitamente pessoal, não visível do exterior, a não ser que não procuremos controlá-lo; lo;

49 Gestão do stresse Como gerir? 3. Preparar bem todos os detalhes da reunião, mas estudar ao mínimo pormenor os minutos iniciais, quando a tensão está no auge; 4. Recorrer a técnicas de relaxamento nos casos mais graves; 5. Utilizar positivamente a energia; 6. Prolongar o contacto visual;

50 Gestão do stresse Como gerir? 7. Aproveitar todas as oportunidades que a p p q vida nos apresenta para praticar.

51 Suportes visuais para a comunicação Impacto dos meios comunicativos Percentagem de Memorização 10% através da leitura passiva; 20% se a mensagem chegou verbalmente; 50% se a mensagem chegou verbalmente mas apoiada por suportes visuais; i

52 Suportes visuais para a comunicação Suportes visuais para a comunicação Impacto dos meios comunicativos Percentagem de Memorização 80% se a mensagem chega através de uma discussão; 90% se a mensagem chega através da prática ou de exercícios.

53 Suportes visuais para a comunicação Suportes visuais para a comunicação Diapositivos (projector multimédia); Videos; Flip chart; Quadro branco Acetatos (retroprojector);

54 ENTREVISTA

55 Antes da Entrevista 1. Domínio total do Curriculum Vitae; 2. Domínio das competências profissionais e dos pontos fortes e menos fortes; 3. Domínio de todas as referências sobre o posto de trabalho; 4. Domínio do seu projecto profissional.

56 Na Entrevista 1. Cuidar a Apresentação Pessoal; 2. Sorrir; 3. Aperto de mão firme; 4. Transmitir serenidade, vivacidade, abertura, entusiasmo e positivismo; 5. Agradecer no final.

57 Depois da Entrevista 1. Avaliar a sua actuação na Entrevista; 2. Endereçar ao entrevistador uma carta: Agradecimento; Síntese dos principais temas abordados; Reforço do seuinteresse pelo posto de trabalho; Disponibilidade para esclarecimentos complementares.

58 Muito obrigada.

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor.

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Boas Práticas para Procurar e Conseguir Emprego. Porto, 22 de novembro de 2013

Boas Práticas para Procurar e Conseguir Emprego. Porto, 22 de novembro de 2013 Boas Práticas para Procurar e Conseguir Emprego Porto, 22 de novembro de 2013 Uma carreira, múltiplos caminhos 2 Procura emprego? 3 4 As cinco piores formas de encontrar emprego 1) a procura de emprego

Leia mais

Apresentação pessoal.

Apresentação pessoal. Apresentação pessoal. QUEM é o orador? Qualidades do Orador. O meu orador não entrega o seu controle remoto para ninguém. A autoestima do orador. Nenhum dia sem uma linha. João Guimarães Rosa; Machado

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

Palestra: Desmistificando a entrevista de emprego. Rodrigo Corrêa Leite

Palestra: Desmistificando a entrevista de emprego. Rodrigo Corrêa Leite Palestra: Desmistificando a entrevista de emprego Rodrigo Corrêa Leite Objetivo Mostrar técnicas de elaboração do Curriculum Vitae e apresentação pessoal em entrevistas para emprego. Rodrigo Corrêa Leite

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

Seminário. Apresentar

Seminário. Apresentar Seminário Voice-mail Conferências Apresentar pessoas Negociação Videoconferência Entrevistas de emprego Workshops Conversa Argumentação Divulgação Apresentar Reuniões Em família Aconselhamento No corredor

Leia mais

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente.

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Um dos grandes dilemas que os pais enfrentam atualmente é em relação à educação dos filhos, e se perguntam constantemente: "Como fazer meu filho

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

Excelência no Atendimento

Excelência no Atendimento Excelência no Atendimento Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Instrutor: HUARLEY PRATTE LEMKE Introdução O que é atendimento? Atendimento é o ato de atender, ou seja, ao ato de cuidar, de prestar

Leia mais

Como Falar bem em Público

Como Falar bem em Público Como Falar bem em Público Com Rosélia Andrade - Especialista em Direito Público Oratória É o termo que designa a arte de falar em público. É um conjunto de técnicas que auxiliam na habilidade de quem fala

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO

TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO Objectivos Enfatizar a utilidade das Técnicas de Apresentação Identificar os principais erros e técnicas para os corrigir Reforçar a importância da preparação Apresentações Os

Leia mais

Técnicas de Apresentação e Negociação

Técnicas de Apresentação e Negociação Curso: Logística Profa. Ms. Edilene Garcia Técnicas de Apresentação e Negociação Roteiro da teleaula APRESENTAÇÕES ORAIS Importância; Técnicas para planejar e executar uma apresentação. NEGOCIAÇÕES EMPRESARIAIS

Leia mais

Capítulo 13: PREPARANDO-SE PARA UMA ENTREVISTA

Capítulo 13: PREPARANDO-SE PARA UMA ENTREVISTA Capítulo 13: PREPARANDO-SE PARA UMA ENTREVISTA 13.1 Desenvolvimento de uma Estratégia que vai Impressionar o Entrevistador A maioria dos candidatos é passiva e, praticamente, não impressiona o entrevistador.

Leia mais

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no

Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no Estudo Liderança de equipes Damáris Vieira Novo Psicóloga organizacional, mestre em administração, professora da FGVe consultora em gestão de pessoas dvn.coach@hotmail.com A indústria do petróleo e seus

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria As aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professor presencial. O que distingue umas e outras é o ambiente

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net ENTREVISTA DE EMPREGO Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net CNPJ: 13.103.583/0001-28 Rua Tomé de Souza, 418, Sarandi. Candeias-Ba E-mail: aprimore.capacitacao@hotmail.com

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Como se comunicar bem. Prof. Alexandre Lozi

Como se comunicar bem. Prof. Alexandre Lozi Prof. Alexandre Lozi Comentário das apresentações Avaliação da postura: Falhas: Mãos enroladas Mãos soltas Andado desordenado Pêndulo Balanço do pé Apoio no quadro Apoio na perna Permanecer sentado Mãos

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

COMO FALAR EM PÚBLICO

COMO FALAR EM PÚBLICO COMO FALAR EM PÚBLICO Técnicas e habilidades para comunicação oral Izidoro Blinkstein Capítulo 1: FALAR EM PÚBLICO O que é falar em público? Comunicação Coloquial: O Objetivo é estabelecer comunicação

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

Comunicação Integrada em Vendas

Comunicação Integrada em Vendas Comunicação Integrada em Vendas Hélio Azevedo helio.azevedo@salestalent.com.br Agenda Percepção Objetivos de uma apresentação O orador Os tipos de público Os tipos de discurso O medo de falar Preparando

Leia mais

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária A arte da apresentação oral de trabalhos científicos Como se comportar durante a apresentação de um pôster em um evento científico? Fobia Social ou Timidez??? (Medo excessivo contato ou exposição social)

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

Como tornar a ansiedade nossa aliada?

Como tornar a ansiedade nossa aliada? Edifício do Colégio dos Jesuítas Rua do Castanheiro, Funchal E mail: servicoconsultapsicologica@uma.pt Workshop: 6 e 13 de Janeiro de 2010 Como tornar a ansiedade nossa aliada? A Ansiedade nos Exames *

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

Apoio à Infância IV. Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância. CenCal AlcobAçA 2014

Apoio à Infância IV. Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância. CenCal AlcobAçA 2014 Apoio à Infância IV Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância CenCal AlcobAçA 2014 PROCESSO DE ADAPTAÇÃO DA CRIANÇA A entrada de uma criança para uma instituição

Leia mais

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo.

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo. DINÂMICA DO ESPELHO Embrulha o espelho com papel de presente, mas dentro o espelho deve ser embrulhado com outro papel e colado a seguinte frase: Há pessoas que querem ser bonitas pra chamar a atenção,

Leia mais

Treino Lobby. Por Glenise Levendal, Coordenadora do Projecto Administração Local e Gênero, do Programa de Advocacia de Gênero - 1 -

Treino Lobby. Por Glenise Levendal, Coordenadora do Projecto Administração Local e Gênero, do Programa de Advocacia de Gênero - 1 - Treino Lobby Por Glenise Levendal, Coordenadora do Projecto Administração Local e Gênero, do Programa de Advocacia de Gênero - 1 - Lobby é: Tentar influenciar ou pressionar as pessoas que elaboram as políticas,

Leia mais

Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio. Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador

Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio. Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador Programação do curso Objetivo do curso Definições fundamentais (exercício) Bases da auditoria

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Eloqüência na gestão de carreira Ari Lima * Eloqüência, é a faculdade de considerar, para cada questão, o que pode ser apropriado para persuadir. Aristóteles A comunicação interpessoal

Leia mais

Introdução: A importância da. Oratória

Introdução: A importância da. Oratória Introdução: A importância da Oratória A Importância da Oratória Pelo discurso nós comunicamos idéias; Pelo discurso nós influenciamos pessoas; Pelo discurso nós corrigimos, animamos e consolamos os nossos

Leia mais

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO Página 1 de 7 INDICE Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Página 2 de 7 Autor: Alkíndar de Oliveira (alkindar@terra.com.br) Dentre outros atributos, o exercício da oratória exige o conhecimento e

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO?

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO? Palestra: Comunicação e Marketing Pessoal: Dicas para Valorizar a sua Imagem. Prof. Adm. Esp. Juliana Pina Bomm E-mail: professorajulianapina@yahoo.com.br QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

CONGRESSO EMPRESARIAL COMO FALAR EM PÚBLICO

CONGRESSO EMPRESARIAL COMO FALAR EM PÚBLICO CONGRESSO EMPRESARIAL COMO FALAR EM PÚBLICO Romulo Gutierrez www.rgtreinamentos.com.br www.romulogutierrez.com.br 1 2 ENTREVISTOU TRÊS MIL PESSOAS EM 2012 3 19% - MEDO DA MORTE 4 32% - MEDO DE ALTURA 5

Leia mais

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 12 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS 9-11 Anos HISTÓRIA BÍBLICA João 1:12; I Pedro 3:15, 18 A Bíblia nos ensina

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial Cristina Fernandes Manual de Protocolo Empresarial Lisboa Universidade Católica Editora 2014 Índice Prefácio de Catarina Zagalo 13 Parte I O enquadramento do protocolo 1 O protocolo 16 1.1. Definição de

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 RITUAL DE INÍCIO Proposto e conduzido pelo professor Adriano Cypriano (Zazen: cinco minutos de silêncio, escuta e respeito a si

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

As 7 estratégias mais eficazes para reduzir o stress no dia-a-dia cientificamente comprovadas e 100% naturais!

As 7 estratégias mais eficazes para reduzir o stress no dia-a-dia cientificamente comprovadas e 100% naturais! 1) Aprenda a Relaxar A prática regular de alguma técnica de relaxamento tem efeitos profundos no sistema imunológico, além de ajudar a baixar a pressão arterial e a reduzir níveis altos de colesterol.

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

TÉCNICAS DE ENSINO MENSUTE 2014.1. Prof. Sergio Loncan. Introdução Educação, Pedagogia e Didática, conceitos e comentários

TÉCNICAS DE ENSINO MENSUTE 2014.1. Prof. Sergio Loncan. Introdução Educação, Pedagogia e Didática, conceitos e comentários Introdução Educação, Pedagogia e Didática, conceitos e comentários MENSUTE 2014.1 Prof. Sergio Loncan OBJETIVO Disponibilizar para os Estagiários do MENSUTE 2014.1, conceitos, métodos, processos e técnicas

Leia mais

CENTRO NACIONAL EUROPASS

CENTRO NACIONAL EUROPASS CENTRO NACIONAL EUROPASS 1 Realize de seguida o seu diagnóstico e saiba qual a sua competência para Gerir o Stress: MOSTRA O QUE VALES EM TODA A EUROPA 2 O que é gerir o stress? É encontrar um equilíbrio

Leia mais

GESTOS NUMA DISCUSSÃO Comunicação não verbal

GESTOS NUMA DISCUSSÃO Comunicação não verbal GESTOS NUMA DISCUSSÃO Comunicação não verbal PLENÁRIO / ASSEMBLEIA Com ambos os braços sobre a cabeça formando um telhado Plenário, reunir por favor! Este gesto indica o inicio de uma reunião. Também pode

Leia mais

STC5 Redes de informação e comunicação

STC5 Redes de informação e comunicação STC5 Redes de informação e comunicação João Paulo Ferreira Técnico de organização de eventos Modulo: STC5 Redes de informação e comunicação Formador: Hélder Alvalade 0 Índice Introdução... 2 Desenvolvimento...

Leia mais

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO 28 DE NOVEMBRO - 21 HORAS RECONHECER AS SUAS EMOÇÕES 1-TESTE DE AUTO-AVALIAÇÃO Indique até que ponto cada uma das seguintes afirmações o descreve. Seja franco e 1

Leia mais

ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO

ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO Susan Stavros Castelhano Uma apresentação pode ser dividida em várias partes, ou pode seguir a regra geral de uma estrutura de três partes. No começo, introduz-se o tema que

Leia mais

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011 UMA PIZZA CHAMADA DESEJO por Rodrigo Ferrari Versão final 02/09/2011 rodrigoferrari@gmail.com (21)9697.0419 Iluminados, no fundo do palco, BLANCHE e o. O Médico veste um jaleco branco, estetoscópio, óculos

Leia mais

TÉCNICAS DE ENSINO AULA 4

TÉCNICAS DE ENSINO AULA 4 TÉCNICAS DE ENSINO AULA 4 A apresentação individual MENSUTE 2014.1 Prof. Sergio Loncan DIA 9 DE ABRIL - QUARTA-FEIRA Urbanista Osny A Defesa Civil, suas atribuições 13:25:12 2 DIA 9 DE ABRIL - QUARTA-FEIRA

Leia mais

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga 2014 A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. 3 A palestra em questão aborda a busca da excelência e o paradigma

Leia mais

UNICAP Saúde Na medida Certa

UNICAP Saúde Na medida Certa UNICAP Saúde Na medida Certa A Unicap (Unidade de capacitação para o Trabalho) é uma divisão da Verea & Associados Serviços Médicos S/C Ltda. Atua regularmente no Brasil desde 1985, em áreas diversificadas

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

Como lidar com a perda...

Como lidar com a perda... Psicóloga, Chou Im Keng Nascer, envelhecer e morrer, são etapas que fazem parte da vida. O nascimento de uma vida traz alegria e esperança, porém, quando perdermos um familiar ou companheiro, a tristeza

Leia mais

O feedback é uma chance de sabermos se estamos ou não indo bem nas atividades que executamos.

O feedback é uma chance de sabermos se estamos ou não indo bem nas atividades que executamos. Afinal, o que é feedback? Feedback é um termo inglês, introduzido nas relações vivenciais para definir um processo muito importante na vida do grupo. Traduz-se por realimentação ou mecanismo de revisão,

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

Como fazer uma apresentação

Como fazer uma apresentação Como fazer uma apresentação Etapas para fazer uma apresentação Definição dos 1 objectivos da apresentação de acordo com as necessidades e o perfil da audiência Preparação de uma linha de trabalho de um

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade IV Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Variações Línguísticas Níveis da fala Modelos de redação Veículos de redação administrativa Vantagens e desvantagens da

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO 1. ESCUTAR OS FILHOS... 17 1.1 Dar tempo... 18 1.2 Prestar atenção... 19 1.3 Interpretar bem a mensagem... 19 1.4 Manifestar compreensão...

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

DISLEXIA. Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10

DISLEXIA. Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10 DISLEXIA Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10 A Dislexia é uma palavra utilizada para definir um tipo de distúrbio de leitura e escrita que ocorre em crianças consideradas normais. Os disléxicos

Leia mais

Dicas de entrevista de seleção. Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005

Dicas de entrevista de seleção. Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005 Dicas de entrevista de seleção Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005 O que é a entrevista de seleção? É uma etapa do processo seletivo que tem como objetivo levantar maiores informações a respeito

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL Prof. Cassimiro Nogueira Junior RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Psicologia em Odontopediatria. Professora: Maria Salete Nahás Pires Corrêa Doutoranda: Christiana Murakami Sato. murakami@usp.br

Psicologia em Odontopediatria. Professora: Maria Salete Nahás Pires Corrêa Doutoranda: Christiana Murakami Sato. murakami@usp.br Psicologia em Odontopediatria Professora: Maria Salete Nahás Pires Corrêa Doutoranda: Christiana Murakami Sato Comunicação Não-verbal (ex. postura, toque, olhar) Distração (ex. música) Modelagem Reforço

Leia mais

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO. Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO. Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva Tipos de Apresentação Tipos de apresentação de trabalho acadêmico/técnico/científico:

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais