Introdução. As grandezas físicas e suas unidades

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. As grandezas físicas e suas unidades"

Transcrição

1 Introdução Antes mesmo de Galileu, o homem, com o avanço do comércio e das técnicas de produção, já havia sentido a necessidade de realizar medições, mas foi Galileu que trouxe a real importância das medições para a Ciência. Ora, o que é medir? Quando medimos, o que realmente estamos fazendo? Medir é comparar com padrões pré-determinados. Mas quando medimos, medimos o quê? Quais são as coisas que podemos mensurar? Em Ciência, aquilo que se pode mensurar objetivamente é chamado de Grandeza física. Veja: distância é uma grandeza; saudade não. Tempo é uma grandeza, felicidade não. Por mais que você se sinta mais feliz hoje, por ter começado a estudar Física, do que você se sentia no ano passado, você não pode atribuir a esse acréscimo de felicidade um valor, nem tampouco ele receberia uma unidade de medida. Leia as considerações a seguir para entender melhor. As grandezas físicas e suas unidades Como já citamos em nossa introdução, não podemos medir tudo no mundo, mas podemos medir algumas coisas. A maior dificuldade para se iniciar uma medida é estabelecer um padrão com o qual se irá comparar aquela grandeza física. Por exemplo, no século XII, o rei Henrique I da Inglaterra fixou a jarda como a distância entre seu nariz e o polegar de seu braço estendido. Este era o padrão para se medir distâncias em seu reino. Quando se dizia que um determinado campo tinha lado igual a 1000 jardas, estava-se comparando o comprimento do campo a quantidades de distâncias iguais à distância entre o nariz e a ponta do polegar do rei. No entanto, essa naturalmente não é uma comparação tão boa assim... Imagine que um comerciante desse reino precisasse fazer uma venda a alguém de outro reinado e sua única opção de medir comprimentos fosse a jarda. Como ficaria essa negociação? E essa não é a única unidade de medida que tem como padrão o corpo humano... temos o pé, o palmo e outras tantas partes do nosso corpo que, embora mudem de tamanho de pessoa para pessoa, ainda são muito utilizadas nos dias de hoje por mais engraçado e curioso que pareça. Se você tem curiosidade de saber mais unidades de medida estranhas, basta pesquisar na internet! Nosso ambiente virtual é repleto de exemplos dessas peculiaridades. Não é preciso pensar muito para concluir que os padrões de medidas para serem amplamente adotados carecem de uma certa universalidade. A unidade de medida deve ser universal. Foi com esse objetivo que surgiu o metro, por exemplo. Trata-se de uma barra de platina iridiada que ainda hoje é conservada no Escritório Internacional de Pesos e Medidas, na França. Este é o padrão mais adotado para se medir comprimentos, distâncias no mundo atual. É claro que, acompanhando o metro, temos também seus múltiplos e submúltiplos como, o centímetro (0,01m) e o quilômetro (1000m) para fazer medições de maneira mais conveniente. Bem, chegamos a um ponto em que já podemos definir o que é grandeza, o que é medir e o que são as unidades de grandeza de maneira generalizada. Grandeza é tudo aquilo que se pode medir comparando a

2 um padrão conhecido. Grandezas são as coisas que podem ser quantificadas por meio de medições. Unidades de medida, por sua vez, são os padrões que estamos utilizando para fazer a medida. Massa é uma grandeza, quilograma é uma unidade de medida da grandeza massa. Tempo é uma grandeza, segundo é uma unidade de medida da grandeza tempo. Cada grandeza possui algumas unidades de medida correspondentes e que não podem ser confundidas. Que sentido real faria, se disséssemos que uma viagem de Brasília a Fortaleza demorasse14 quilogramas? Nenhum. A informação poderia estar correta, no entanto, se no lugar de quilograma utilizássemos a unidade hora. Em uma viagem de Brasília a Fortaleza leva-se 14 horas. Bem mais coerente, não é? Grandeza é o que se pode medir. Exemplos: tempo, distância, velocidade, temperatura. Unidade de medida é o padrão que se utiliza para fazer uma medição. Exemplos: segundo, metro, grama. Faça hoje! Antes de dormir 1. Nos parênteses abaixo, escreva 1 quando a palavra relacionada se tratar de uma grandeza e 2 quando se tratar de uma unidade de medida. a) ( ) tempo g) ( ) hora m) ( ) centímetro b) ( ) distância h) ( ) metro n) ( ) minuto c) ( ) segundo i) ( ) comprimento o) ( ) velocidade d) ( ) massa j) ( ) grama p) ( ) altura e) ( ) quilômetro k) ( ) quilograma q) ( ) quilômetro por hora f) ( ) temperatura l) ( ) pressão r) ( ) força 2. Cite pelo menos três unidades de medida possíveis para as grandezas relacionadas abaixo. Pesquise! a) Tempo b) Distância c) Massa d) Temperatura e) Velocidade Conversão de unidades Agora que já sabemos algumas unidades possíveis para cada grandeza, é interessante que saibamos como fazer conversões (trocas de unidades) sem que o valor real, a quantidade real da grandeza física seja alterada. Isso pode ser feito da seguinte maneira: Sabendo que cada metro é composto de 100 cm, se uma determinada porta possui 2 m de altura, pode-se dizer corretamente que sua altura corresponde a 200 cm. Mas como chegamos a essa correspondência? É fundamental que saibamos como se relacionam as unidades. A partir daí, basta fazer uma regra de três simples. Segue abaixo uma tabela com algumas unidades que serão muito utilizadas, a correspondência entre elas e um exemplo de conversão. Grandeza Unidade 1 Unidade 2 Unidade 3 Distância 1 m (metro) 100 cm (centímetros) 1000 mm (milímetros) Tempo 1h (hora) 60 min (minutos) 3600 s (segundos)

3 Exemplo: Suponha que você deseje saber a quantos segundos correspondem 4,5h. Basta que se faça a regra de três a seguir: 1h 3600s 4,5h x 1. x = 4, x = 16200s O mesmo pode ser feito para qualquer outra unidade. Em caso de unidades mistas (formadas por mais de uma unidade), como a unidade de velocidade, que é medida em km/h, m/s, m/min, cm/s entre outras, pode-se converter cada uma das unidades separadamente, ou encontrar uma regra de conversão para a unidade como um todo. A seguir, encontraremos a regra de conversão para as duas unidades de velocidade mais utilizadas (km/h m/s). km km 1000 m 1 m 1 1 = = = 1 km/h = m/s ou, simplesmente 1 m/s = 3,6 km/h h 1h 3600 s 3,6 s 3,6 Grandeza Unidade 1 Unidade 2 Velocidade 1 km/h 3,6 m/s Sabendo da conversão acima, podemos agora fazer simplesmente a regra de três anterior para converter o valor de uma velocidade originalmente em metros por segundo para quilômetros por hora, ou vice-versa. Veja: Exemplo: Suponha um carro que se move a 72km/h. Para saber qual seria a velocidade desse carro em metros por segundo, fazemos: 1m/s 3,6km/h x 72km/h = 3,6. x 72/3,6 = x 20 = x x = 20m/s Faça hoje! Antes de dormir 1. Faça as conversões a seguir: a) 12km = m e) 30s = min i) 180km/h = m/s b) 5km = cm f) 2h = s j) 20m/s = km/h c) 127cm = m g) 15min = h k) 60km/h = km/min d) 1mm = cm h) 1,5h = s l) 1m/s = km/h Unidades do sistema internacional O progresso da Ciência é diretamente relacionado à velocidade com que as informações circulam entre os grupos de cientistas e à facilidade com que são interpretadas. Um sistema de unidades de medidas único seria uma forma de facilitar as trocas de informações. Diante dessa necessidade, criou-se o Sistema Internacional de Unidades, conhecido por SI. Segue uma tabela com algumas das unidades de medida do SI.

4 Grandeza Unidade Símbolo Comprimento Metro m Massa Quilograma kg Tempo Segundo s Temperatura Kelvin K As unidades compostas, no SI, devem ser compostas por unidades simples do Sistema. Ex.: velocidade em m/s. Faça hoje! Antes de dormir 1. Escreva as seguintes medidas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. a) 32 km = d) 10 cm = g) 1200 km = b) 12h = e) 1,5 mm = h) 2 dias = c) 4 km/h = f) 0,25h = i) 1 ano = Notação científica e ordem de grandeza Na seção anterior, você deve ter percebido que da necessidade de se trabalhar com unidades convencionadas pelo SI surgem números ora muito grandes, ora muito pequenos. Números fracionários, números com vírgulas. Nesses casos, fica muito mais fácil e lógico utilizar potências de dez. É disso que trata a notação científica. Com base nessa notação, todas as medidas devem ser escritas na forma x.10 y u, onde x será chamado de mantissa (deve ser um valor maior ou igual a 1 e menor que 10 com um número finito de casas decimais), 10 y será a ordem de grandeza da medida e u será sua unidade (se houver). Da seguinte maneira: suponha que um cientista tenha medido a massa de uma pequena porção de cobre com uma balança muito precisa e chegado ao valor de 0,0053g. Caso este cientista fosse trocar essa informação com um grupo de colegas em um congresso, seria interessante que o valor fosse apresentado em notação científica e em unidades do SI. Isto é, a informação deveria estar na forma citada anteriormente, 5,3.10-6kg. Note que a ordem de grandeza desta medida é 10-6 e que o valor 5,3 está compreendido no intervalo adequado. Mas como chegamos a essa forma? A primeira pergunta que temos de responder é qual a unidade adequada para essa medida. No caso, tratase de uma certa massa, e massa no SI deve ser medida em quilogramas. O próximo passo será fazer a conversão. 0,0053 g = 0, kg. Um pouco de matemática: trabalhando com potências de dez O expoente de uma potência de dez é a quantidade de zeros que essa potência representa. Por exemplo, 10 3 é 1000, 10 4 é Para operarmos com potências de dez, é necessário relembrar como se multiplicam e como se dividem potências de mesma base. Veja: multiplicação de potências de mesma base: conserva-se a base e soma-se o expoente. Exemplo: 10 3 x 10 5 = 10 8 ; divisão de potências de mesma base: conserva-se a base e subtrai-se o expoente. Exemplo: 10 5 =

5 Note que o primeiro valor diferente de zero (da esquerda para a direita) é o 5. Esse deverá ser o único valor numérico antes da vírgula na mantissa da notação científica. Deveremos então deslocar a vírgula 6 casas para a direita. Todo deslocamento da vírgula para a direita fará o expoente da potência de dez (a ordem de grandeza) diminuir, e todo deslocamento da vírgula para a esquerda fará a ordem de grandeza crescer. Veja os exemplos a seguir. Exemplo: As medidas foram transformadas em unidades do SI na notação científica. 0,0246cm = 2, m 1h = 3, s 1km = m 12km = 1, m 1500g = 1, kg 1m = m 2300km = 2, m 7200km/h = m/s 1 dia = 86, s Para saber a ordem de grandeza de cada uma dessas medidas, basta que tomemos o expoente da potência de 10 em cada uma delas. Assim, para m/s, a ordem de grandeza é 10 3 ; para m, a ordem de grandeza é Escrever uma medida em notação científica significa escrevê-la na forma x.10 y u, onde x é um número maior ou igual a 1 e menor que 10 com quantidade finita de casas decimais e chama-se mantissa; 10 y é a ordem de grandeza da medida e u é a sua unidade (caso exista). Observação importante: Nunca se deve acrescentar zeros à direita dos valores. Note que uma medida 3,0 cm é mais precisa que simplesmente 3cm. Já 3,00cm, por sua vez, é uma medida bem mais precisa que as duas anteriores. Caso desejemos transformar a medida 3cm em uma medida no Sistema Internacional e em notação científica, ela seria cm, isto é, a mantissa seria formada por um número sem casas decimais. Arredondamentos Na seção anterior, ressaltamos que o número de casas decimais da mantissa deve ser finito. No entanto, em análises científicas, não é raro que encontremos números irracionais (como o pi) ou dízimas periódicas. Como proceder nesses casos? Deveremos aplicar técnicas de arredondamento. Para arredondar um valor afetando minimamente sua correspondência com a realidade, devemos primeiramente, determinar a quantidade de casas à direita da vírgula que desejamos apresentar no resultado final. Essa análise está relacionada à precisão da medida e do problema como um todo. Bem, suponha que tenhamos calculado o comprimento de uma circunferência e que o resultado tenha sido um valor com infinitas casas à direita da vírgula. Suponha ainda que o problema exija uma resposta no SI, em notação científica e com apenas dois algarismos depois da vírgula. Nesse caso, como tratar um valor como 9, cm? Antes de qualquer coisa, como sempre, devemos transformar este valor em centímetros em seu correspondente valor em metros (que é a unidade do Sistema Internacional para comprimentos). Façamos uma regra de três simples: 1m 100cm x 9, cm 100. x = 9, x = 0, m. Devemos, agora, colocar o valor na notação científica. Como sabemos, a mantissa deve ter apenas um valor numérico à esquerda da vírgula, e esse valor não pode ser um zero. Deve-se então trabalhar para que o 9

6 (que é o primeiro valor diferente de zero, da esquerda para a direita) seja esse valor. Para tanto, devemos levar a vírgula três casas para a direita, o que fará surgir uma potência de 10 de expoente -3 (essa será justamente a ordem de grandeza do número). O resultado disso será um número na forma 9, m. Chegou a hora de trabalhar o valor para que ele termine na casa centesimal. Para tanto, devemos proceder da seguinte maneira: caso a primeira casa a ser retirada seja menor que 5, o número anterior permanece como está e a parte seguinte é simplesmente retirada. Caso a primeira casa a ser removida seja igual ou maior que 5, o primeiro número à sua esquerda deverá ser acrescido de uma unidade e a parte seguinte deve ser retirada. Assim, como precisamos de uma resposta final até a casa centesimal, deve-se analisar o número que ocupa a terceira casa à direita da vírgula. Em nosso exemplo, esse número é um 4, e portanto o arredondamento trataria de apenas retirar os valores à direita da casa desejada. Assim: 9, o primeiro valor a ser retirado seria o 4; 9,42 [ simplesmente retira-se a parte remanescente do número, já que o primeiro valor a ser removido é menor que 5; A resposta final do problema será 9, m. Seria diferente caso a questão exigisse uma resposta até o terceiro algarismo à direita da vírgula. Veja que, neste caso, o primeiro valor a ser retirado seria um 7: 9,424 [ como o primeiro valor a ser retirado é um 7 ou seja, um valor superior a 5. Deve-se, então, adicionar 1 ao valor anterior e a resposta final do problema fica 9, m. Não se deve arredondar medidas, sob pena de alterar a precisão atribuída à medição pelo equipamento de medida utilizado. Só podem ser arredondados valores que surgiram como resultado de operações matemáticas. Para se arredondar um valor, deve-se saber a quantidade de casas à direita da vírgula necessárias na resposta final e analisar a parte a ser retirada do número. Caso a primeira casa a ser retirada seja menor que 5, o número remanescente permanece como estava; caso a primeira casa a ser retirada seja maior ou igual a 5, a casa anterior deve ser acrescida de uma unidade. Faça hoje! Antes de dormir 1. Coloque as seguintes medidas em unidades do Sistema Internacional, na notação científica, com apenas uma, ou nenhuma, casa à direita da vírgula, e determine sua ordem de grandeza: a) 1,25h f) 10km k) 763,41km p) 32kg u) 250m/s b) 2,465km g) 200cm l) 2s q) 4,25g c) 15min h) 1,489mm m) 46g r) 0,0186g d) 25min i) 2,76dm n) 65,2kg s) 7,2km/h e) 1 ano j) 1258cm o)125m/s t) 180km/h

7 Exercícios Leia atentamente o quadrinho abaixo. 1. (UFRRJ) Com base no relatório do gari, calcule a ordem de grandeza do somatório do número de folhas de árvores e de pontas de cigarros que ele recolheu. 2. (UNIRIO/RJ) Cada exemplar de um jornal é lido, em média, por três pessoas. Num grupo de 7500 leitores, a ordem de grandeza da quantidade de exemplares necessários corresponderá a: a) 10 0 b) 10 c) 10 2 d) 10 3 e) 10 4 de grandeza do número de feijões contido no volume de um litro? a) 10 b) 10 2 c) 10 3 d) 10 4 e) (UFPE) Em um bairro com 2500 casas, o consumo médio diário de água por casa é de 1000 litros. Qual a ordem de grandeza do volume que a caixa d água do bairro deve ter, em m 3, para abastecer todas as casas por um dia, sem faltar água? a) 10 3 b) 10 4 c) 10 5 d) 10 6 e) (UFAL) O número de segundos contido nos 120 anos de existência de Arapiraca tem ordem de grandeza 3. (CEFET/PR) A bula de um determinado remédio informa que uma drágea do medicamento contém 30mg de cafeína anidra. Essa quantidade escrita em notação científica, na unidade de massa do Sistema Internacional de Unidades (SI), é corretamente expressa na sua parte numérica por: a) 3, b) 3, c) 3, d) 3, e) 3, (FEI/SP) Uma nova variedade de grama transgênica com alta produtividade foi desenvolvida e consegue-se até 2 mudas por cm 2. Quantas mudas possui um campo retangular de 100m x 200m? Adotar g=10m/s 2 a) mudas b) mudas c) mudas d) mudas e) mudas 5. (UFJF/MG) Supondo-se que um grão de feijão ocupe o espaço equivalente a um paralelepípedo de arestas 0,5 cm 0,5 cm 1,0 cm, qual das alternativas abaixo melhor estima a ordem a) b) 10 9 c) 10 7 d) 10 5 e) (URCA/CE) São unidades de medida do Sistema Internacional (SI): a) metro, segundo, grama; b) quilograma, metro, segundo; c) minuto, quilograma, metro; d) centímetro, segundo, quilograma; e) metro, quilograma, hora. 9. (UNICISAL) A distância aproximada entre Maceió e Recife é melhor expressa, em notação científica, por a) 3, mm. b) 3, dm. c) 0, km. d) m. e) 3, m. 10. Segundo matéria publicada na Folha Online Ciência, de 19 de setembro passado, foram registrados, pela primeira vez, perigos da Nanotecnologia para os seres humanos.

8 Trabalhadoras chinesas teriam sofrido danos pulmonares permanentes por exposição por longo tempo, sem proteção adequada, a nanopartículas, em uma fábrica de tintas. Como se sabe, a Nanotecnologia é largamente utilizada na indústria, com emprego, por exemplo, em artigos esportivos, eletrônicos, cosméticos, roupas, desinfetantes, utensílios domésticos, revestimento de superfícies, tintas e vernizes e também na medicina. Pelo seu minúsculo diâmetro, entre 1 e 100 nanômetros, as nanopartículas podem ultrapassar as barreiras naturais do corpo humano por meio de contato com a pele com problemas ou pela ingestão ou inalação. os feijões em um recipiente com um formato de paralelepípedo e conta quantos feijões há na aresta de menor comprimento c, como mostrado na figura. Ele verifica que a aresta c comporta 10 feijões. Calcule a potência da ordem de grandeza do número de feijões no recipiente, sabendo-se que a relação entre os comprimentos das arestas é: a/4 = b/3 = c/1. (UCS/RS) Sendo um bilionésimo de um metro, um nanômetro corresponde a a) metros. b) metros. c) metros. d) metros. e) metros. 11. (UESPI) O módulo da aceleração da gravidade (g) na superfície terrestre é aproximadamente igual a 10 m/s 2. Quando expresso em km/h2, o módulo de g possui ordem de grandeza igual a: a) 10 1 b) 10 3 c) 10 5 d) 10 7 e) (UNEMAT/MT) O sistema internacional de unidades e medidas (SI) utiliza vários prefixos associados à unidade-base. Esses prefixos indicam os múltiplos decimais que são maiores ou menores do que a unidade-base. Marque a alternativa que contém a representação numérica dos prefixos micro, nano, deci e centi, nessa mesma ordem de apresentação. a) 10-9, 10-12, 10-1, 10-2 b) 10 6, 10-9, 10, 10 2 c) 10-6, 10-12, 10-1, 10-2 d) 10-3, 10-12, 10-1, 10-2 e) 10-6, 10-9, 10-1, (UFPE) Um estudante de Física aceita o desafio de determinar a ordem de grandeza do número de feijões em 5 kg de feijão, sem utilizar qualquer instrumento de medição. Ele simplesmente despeja

Lista de Exercícios - Unidade 6 O que é ciência, notação científica e unidades

Lista de Exercícios - Unidade 6 O que é ciência, notação científica e unidades Lista de Exercícios - Unidade 6 O que é ciência, notação científica e unidades Ordens de Grandeza Resumo Muitas vezes precisamos fazer uma estimativa para avaliar uma quantidade que não sabemos o valor

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { }

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { } CURSO: ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO PROFESSOR: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE MÓDULO 1: MATEMÁTICA APLICADA NA ASTRONOMIA NÁUTICA Apostila 1: Sistema de Unidades utilizadas na Navegação e na Astronomia,

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos.

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos são os algarismos que têm importância na exatidão de um número, por exemplo, o número 2,67 tem três algarismos significativos. Se expressarmos o número

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa CURSO E COLÉGIO APOIO Professor: Ronaldo Correa Holiday - Christmas.mpg medidas 1-Medidas Grandeza tudo aquilo que pode ser medido. Medir comparar com um padrão. No Brasil e na maioria dos países as unidades

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta

Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta Classificação dos movimentos Introdução Velocidade Média

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos;

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; Recuperação Capítulo 01 Movimento e repouso - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; - Um corpo está em movimento quando sua posição, em relação a um referencial escolhido, se altera com o

Leia mais

Equacionando problemas

Equacionando problemas Reforço escolar M ate mática Equacionando problemas Dinâmica 2 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Algébrico Simbólico Função polinomial do 1 grau Aluno

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2003 / 2004 PROVA DE MATEMÁTICA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL IDENTIFICAÇÃO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2003 / 2004 PROVA DE MATEMÁTICA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL IDENTIFICAÇÃO COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE BELO HORIZONTE MG 25 DE OUTUBRO DE 2003 DURAÇÃO: 120 MINUTOS CONCURSO DE ADMISSÃO 2003 / 2004 PROVA DE MATEMÁTICA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL IDENTIFICAÇÃO NÚMERO DE

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental TEMA II GRANDEZAS E MEDIDAS A comparação de grandezas de mesma natureza que dá origem à idéia de

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

A Matemática do ENEM em Bizus

A Matemática do ENEM em Bizus A Matemática do ENEM em Bizus Neste primeiro artigo sobre a Matemática do ENEM, eu quero abordar a estratégia do conteúdo, tendo por base as provas anteriores e as tendências de abordagem. Quando confrontamos

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas

Dinâmica de um Sistema de Partículas Dinâmica de um Sistema de Partículas Prof. Dra. Diana Andrade, Prof. Dra Ângela Krabbe & Prof. Dr. Sérgio Pilling Ementa da disciplina Dinâmica de um Sistema de Partículas Sistema de Unidade. Movimento

Leia mais

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando TC UECE 01 FASE 1 PROF. : Célio Normando Conteúdo: Cinemática - MRUV 1. Um avião vai decolar em uma pista retilínea. Ele inicia seu movimento na cabeceira da pista com velocidade nula e corre por ela com

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante 7.1 Números em ponto fixo Observação inicial: os termos ponto fixo e ponto flutuante são traduções diretas dos termos ingleses fixed point e floating

Leia mais

CAPÍTULO 6 Termologia

CAPÍTULO 6 Termologia CAPÍTULO 6 Termologia Introdução Calor e Temperatura, duas grandezas Físicas bastante difundidas no nosso dia-a-dia, e que estamos quase sempre relacionando uma com a outra. Durante a explanação do nosso

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Fundamentos da Matemática

Fundamentos da Matemática Fundamentos da Matemática Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

abaixo, onde a é o dividendo, d é o divisor, q é o quociente e r é o resto.

abaixo, onde a é o dividendo, d é o divisor, q é o quociente e r é o resto. Conjuntos numéricos 1) Naturais N = {0,1,2,3, } 2) Inteiros Z = { -3, -2, -1, 0, 1, 2, } Z + {1, 2, 3, } a) Divisão inteira Na divisão inteira de um número a por d, obtém se quociente q e resto r, segundo

Leia mais

Nível 3 IV FAPMAT 28/10/2007

Nível 3 IV FAPMAT 28/10/2007 1 Nível 3 IV FAPMAT 8/10/007 1. A figura abaixo representa a área de um paralelepípedo planificado. A que intervalo de valores, x deve pertencer de modo que a área da planificação seja maior que 184cm

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Quais as diferenças fundamentais entre fluido e sólido? Fluido é mole e deformável Sólido é duro e muito pouco deformável Os conceitos anteriores

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Sistemas de Numeração Prover símbolos e convenções

Leia mais

Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007

Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007 1 Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007 1. Sabendo que o triângulo ABC é isósceles, calcule o perímetro do triângulo DEF. a ) 17,5 cm b ) 25 cm c ) 27,5 cm d ) 16,5 cm e ) 75 cm 2. Em viagem à Argentina, em julho

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. a Lista de Exercícios (L0) Queridos alunos, chegamos à nossa última lista de exercícios! Nesta lista vocês trabalharão com razão, proporção e regra de três. Façam

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Regras de Conversão de Unidades

Regras de Conversão de Unidades Unidades de comprimento Regras de Conversão de Unidades A unidade de principal de comprimento é o metro, entretanto existem situações em que essa unidade deixa de ser prática. Se quisermos medir grandes

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Escalas Gráficas e Numéricas 1.1. Definição No desenho arquitetônico, a necessidade de representar espacialmente objetos e seus detalhes através de desenhos, fez

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor.

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7.1. Torque Quando você faz força para desrosquear uma tampa de um vidro de conservas com a mão, se está aplicando torque. O torque é

Leia mais

000 IT_005582 000 IT_007009

000 IT_005582 000 IT_007009 000 IT_00558 Um copo cilíndrico, com 4 cm de raio e cm de altura, está com água até a altura de 8 cm. Foram então colocadas em seu interior n bolas de gude, e o nível da água atingiu a boca do copo, sem

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é notação em ponto flutuante Compreender a

Leia mais

Atividade Proporcionalidade (vídeo)

Atividade Proporcionalidade (vídeo) Atividade Proporcionalidade (vídeo) Atividade CNI/EM Presencial 1. Introdução O objetivo dessa atividade é estudar as relações de proporcionalidade (direta e inversa) entre grandezas. O material-base será

Leia mais

1. A corrida de vetores numa folha de papel.

1. A corrida de vetores numa folha de papel. 1. A corrida de vetores numa folha de papel. desenhando a pista. o movimento dos carros. o início da corrida. as regras do jogo. 2. A corrida no computador. o número de jogadores. o teclado numérico. escolhendo

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois. Exercícios de Termometria 1-Calor é: A) Energia que aumenta em um corpo quando ele se aquece. B) Energia que sempre pode ser convertida integralmente em trabalho. C) O agente físico responsável pelo aquecimento

Leia mais

CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO. y = 0,80.x. 2. DEFINIÇÃO DE FUNÇÃO DE A EM B ( f: A B) 4. GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO

CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO. y = 0,80.x. 2. DEFINIÇÃO DE FUNÇÃO DE A EM B ( f: A B) 4. GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO Muitas grandezas com as quais lidamos no nosso cotidiano dependem uma da outra, isto é, a variação de uma delas tem como conseqüência a variação da outra. Exemplo 1: Tio

Leia mais

MATEMÁTICA PARA VENCER. Apostilas complementares APOSTILA 09: PROVA CMBH SIMULADA. Pré-Curso. www.laercio.com.br

MATEMÁTICA PARA VENCER. Apostilas complementares APOSTILA 09: PROVA CMBH SIMULADA. Pré-Curso. www.laercio.com.br MATEMÁTICA PARA VENCER Apostilas complementares APOSTILA 09: PROVA CMBH SIMULADA Pré-Curso www.laercio.com.br APOSTILA 09 Colégio Militar 6º ano PROVA CMBH SIMULADA PRÉ-CURSO COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE,

Leia mais

A QUALIDADE DOS PLANOS DE DISCIPLINAS

A QUALIDADE DOS PLANOS DE DISCIPLINAS A QUALIDADE DOS PLANOS DE DISCIPLINAS AUTORES Dr. Sérgio baptista Zacarelli Antônio Joaquim Andrietta Eduardo de Camargo Oliva Joaquim Celo Freire Silva José Tunibio de Oliveira Dr. Laércio Baptista da

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 03 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO.

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. Professor Joselias - http://professorjoselias.blogspot.com/. MATEMÁTICA 16. Segundo a Associação Brasileira de

Leia mais

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO O que é energia? O termo energia é tão amplo que é diícil pensar numa deinição concisa. Teoricamente, a energia é uma grandeza escalar associada ao estado de um ou mais objetos;

Leia mais

Complemento Matemático 06 Ciências da Natureza I NOTAÇÃO CIENTÍFICA Física - Ensino Médio Material do aluno

Complemento Matemático 06 Ciências da Natureza I NOTAÇÃO CIENTÍFICA Física - Ensino Médio Material do aluno Você sabia que a estrela Alfa da constelação do Centauro está a 41.300.000.000.000 quilômetros da Terra. a massa do próton vale 0,00000000000000000000000000167 quilogramas. o raio do átomo de hidrogênio

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo?

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo? Todos os dias medimos coisas, nas mais variadas ocupações e atividades. Afinal, o que é medir? Aqui está uma lista de casos para que você e seu grupo analisem e indiquem o que medimos em cada situação:

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

Apostila 1. Capítulo 3. Física: uma ciência experimental. Página 249

Apostila 1. Capítulo 3. Física: uma ciência experimental. Página 249 Apostila 1 Capítulo 3 Página 249 Física: uma ciência experimental Quantitativo X Qualitativo Receita de bolo Ingredientes 2 xícaras de açúcar. 3 xícaras de farinha de trigo. 4 colheres de margarina bem

Leia mais

Medidas e conversões

Medidas e conversões Medidas e conversões Apesar de se chegar ao metro como unidade de medida, ainda são usadas outras unidades. Na Mecânica, por exemplo, é comum usar o milímetro e a polegada. O sistema inglês ainda é muito

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Processo Seletivo 2009-2

Processo Seletivo 2009-2 Processo Seletivo 2009-2 GRUPO 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO UFG CADERNO DE QUESTÕES 14/06/2009 Matemática SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada 06. Observe o quadrinho. Para responder às questões de números 08 a 12, leia o texto. (Folha de S.Paulo, 14.06.2013. Adaptado) Assinale

Leia mais

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor,

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor, Oficina - Álgebra 1 Caro monitor, As situações de aprendizagem apresentadas nessa atividade têm como objetivo desenvolver o raciocínio algébrico, e assim, proporcionar que o educando realize a representação

Leia mais

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador FÍSICA 1 MECÂNICA MECÂNICA I II Mecânica Gráfica para alunos do ensino 3. médio Pêndulo utilizando simples o PUCK 5. Movimento circular NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA QUESTÃO PRÉVIA No ventilador

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias A U L A Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROF. VIRGÍLIO NOME N o 8 o ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ º Exame de Qualificação 011 Questão 6 Vestibular 011 No interior de um avião que se desloca horizontalmente em relação ao

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Experimento 3 # Professor: Data: / / Nome: RA:

Experimento 3 # Professor: Data: / / Nome: RA: BC-0209 Fenômenos Eletromagnéticos Experimento 3 # Campo Magnético de Correntes Elétricas Professor: Data: / / Introdução e Objetivos Relatos históricos indicam que a bússola já era um instrumento utilizado

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Tipos de dados, variáveis e constantes. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa.

Linguagem e Técnicas de Programação I Tipos de dados, variáveis e constantes. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Linguagem e Técnicas de Programação I Tipos de dados, variáveis e constantes Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Tipos de dados Os programas manipulam dados, armazenando-os

Leia mais

RESOLUÇÃO PROVA TJ PR

RESOLUÇÃO PROVA TJ PR PROVA TJ PR Questão 6 Três amigas estavam de férias em três cidades diferentes. Com base nas informações abaixo, descubra o nome do lugar e o número do quarto de hotel em que Ana, Claudia e Vanessa estavam

Leia mais

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES 1 PROFESSOR DA TURMA: WLADIMIR 1. INTRODUÇÃO BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES Este material apresenta um resumo dos principais conhecimentos básicos necessários

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia

Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO DE PROGRESSÃO PARCIAL ENSINO MÉDIO - 2012 ESCOLA REFERENCIA Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 M A T E M Á T I C A PROPORÇÕES Nome: Data Prof: Manoel Amaurício P O R C E N T A G E M p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 Após um aumento de p% sobre C passamos a ter 100 p C.

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... Relação das questões comentadas... 10 Gabaritos... 11 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Regra de Três simples Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Regra de Três simples Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Regra de Três simples Prof. Dudan Matemática Grandezas diretamente proporcionais A definição de grandeza está associada a tudo aquilo que pode ser medido ou contado. Como

Leia mais