Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL"

Transcrição

1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO

2 O AÇÚCAR E O ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL NO BRASIL O BRASIL TEM UMA LONGA TRADIÇÃO DE USO DO ÁLCOOL COMO FONTE ALTERNATIVA DE COMBUSTÍVEL PARA USO EM MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA. AS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS FORAM FEITAS NA DÉCADA DE TRINTA, DO SÉCULO PASSADO O ÁLCOOL ETÍLICO NO BRASIL TEM COMO MATÉRIA-PRIMA A CANA-DE-AÇÚCAR. O TOTAL DA PRODUÇÃO DE CANA DA SAFRA 2006/07 (ATÉ MARÇO) FOI DE 424,4 MILHÕES DE TONELADAS. A PRODUÇÃO DE ÁLCOOL CONSUMIU 49,8% DESSA MATÉRIA-PRIMA (211,7 MILHÕES DE TONELADAS) E A PRODUÇÃO DE AÇÚCAR AS 212,7 MILHÕES DE TONELADAS RESTANTES. A CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL PODE SER PRODUZIDA EM QUASE TODAS AS PARTES DO PAÍS, ESPECIALMENTE ENTRE OS PARALELOS 8º A 24º. O MAIOR ESTADO PRODUTOR É SÃO PAULO COM 60% DA PRODUÇÃO. ENTRETANTO, AINDA ESTÁ CONCENTRADA NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, PARANÁ, TRIÂNGULO MINEIRO E ZONA DA MATA NORDESTINA NA SAFRA 2006/07, A PRODUÇÃO DE AÇÚCAR FOI DE 30,4 MILHÕES DE TONELADAS DE AÇÚCAR E A DE ÁLCOOL DE 17,8 BILHÕES DE LITROS. AS EXPORTAÇÕES ULTRAPASSARAM 18 MILHÕES DE TONELADAS DE AÇÚCAR E 3,3 BILHÕES DE LITROS DE ÁLCOOL. O BRASIL UTILIZA DOIS TIPOS DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL: HIDRATADO USADO COMO COMBUSTÍVEL DEDICADO PARA MOVER AUTOMÓVEIS LEVES REGULADOS PARA SEU USO. A COMERCIALIZAÇÃO DOS VEÍCULOS MOVIDOS EXCLUSIVAMENTE A ÁLCOOL INICIOU-SE EM 1979 E A FROTA ATUAL DESSES VEÍCULOS É CALCULADA EM 2,2 MILHÕES DE VEÍCULOS. ALÉM DISSO, FORAM LANÇADOS EM 2003 OS VEÍCULOS DO TIPO FLEX FUEL QUE PODEM USAR TANTO ETANOL COMO GASOLINA EM QUALQUER PROPORÇÃO, SENDO QUE A FROTA ATUAL DESTE TIPO DE VEÍCULO JÁ SOMA 2,8 MILHÕES DE UNIDADES; ANIDRO USADO COMO ADITIVO NA GASOLINA PARA TODO O PAÍS. A PROPORÇÃO DA MISTURA PODE VARIAR ENTRE 20 E 25%, SENDO QUE ATUALMENTE ESTÁ EM 23%. A MISTURA É OBRIGATÓRIA POR LEI FEDERAL E O NÍVEL DA MISTURA, NO INTERVALO AUTORIZADO, É DEFINIDO PELO GOVERNO FEDERAL DE ACORDO COM A PRODUÇÃO E DISPONIBILIDADE DO PRODUTO. COM O CRESCENTE USO DE COMBUSTÍVEIS DE FONTES RENOVÁVEIS NO MUNDO O ÁLCOOL ETÍLICO, COMBUSTÍVEL LIMPO E NATURAL, ESTÁ SE TORNANDO UMA IMPORTANTE OPÇÃO PARA A REDUÇÃO DA EMISSÃO DE GASES TÓXICOS PELOS VEÍCULOS AUTOMOTORES E DO CONTROLE DA POLUIÇÃO AMBIENTAL. CABE RESSALTAR TAMBÉM QUE O USO DO ÁLCOOL COMBUSTÍVEL PROPICIA A REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES GERADORES DO EFEITO ESTUFA, CONTRIBUINDO PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS GLOBAIS. O BRASIL ESTÁ PREPARADO PARA TORNAR-SE, NUM PRAZO BASTANTE CURTO, UM GRANDE OFERTANTE MUNDIAL DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL. OS NOSSOS CUSTOS DE PRODUÇÃO SÃO BASTANTE COMPETITIVOS COM A GASOLINA, PARA O PETRÓLEO ACIMA DE US$ 35,00/BARRIL.. *Atualizado em 01/03/2007 2

3 A vocação brasileira para a produção de biocombustíveis 30 O 0 O 30 O Dentre os países situados na região mais propensa à produção de biocombustíveis, o Brasil é o de maior potencial. Na África, a maior parte do território é caracterizada por áreas desérticas, portanto, inviáveis para a produção de biocombustíveis. A mesma situação ocorre na Austrália. Dessa forma, os países que tem maiores possibilidades de produção destes combustíveis são alguns do Sul da Ásia, países da América Central (geralmente, não dispõem de áreas agricultáveis disponíveis), Norte da América do Sul e o Brasil. O Brasil, por sua dimensão continental e diversidade geográfica, consegue produzir praticamente todos os principais produtos agrícolas comercializados mundialmente. No caso dos biocombustíveis, a cana-de-açúcar, nossa matéria-prima para fabricação de álcool é produzida de Norte a Sul do País. 3

4 Aonde se produz açúcar e álcool no Brasil? REGIÃO NORTE-NORDESTE 15% da produção de cana-de-açúcar REGIÃO CENTRO- SUL 85% da produção de cana-de-açúcar A cana-de-açúcar é a terceira maior atividade agrícola do Brasil em termos de área de produção e de valor bruto produzido, sendo que soja e milho são as maiores culturas do país. Em 2006, o valor bruto da produção canavieira foi de, aproximadamente, R$ 19 bilhões. Atualmente, a cana-de-açúcar ocupa cerca de 6,5 milhões de hectares em todo o país. 4

5 Distribuição da cana-de-açúcar no Brasil - CONAB RR AP AM PA MA CE RN AC RO MT TO PI BA PB PE AL SE GO MG MS SP ES PR RJ SC RS BRASIL Safra 2006/07 Produção de Cana-de-açúcar para todos os fins Região Produção Área Produtividade (Milhões de ton) (Mil ha) (ton/ha) Norte ,9 64,9 Nordeste ,1 Centro-Oeste ,5 Sudeste ,2 Sul ,3 TOTAL ,0 Fonte: CONAB Dos 27 Estados brasileiros, apenas 5 não produzem cana-de-açúcar. A região Centro-sul é responsável por cerca de 85% da produção canavieira do Brasil, sendo que a Região Nortenordeste produz os demais 15%. O estado de São Paulo merece destaque por concentrar 60% da produção total do país, aproximadamente, com 265 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2006/07. Todos estes valores de produção levam em conta somente a cana-de-açúcar destinada para fabricação de açúcar e álcool. Principais estados produtores de cana-de-açúcar na safra 2006/07: - São Paulo (SP): 265,3 milhões de toneladas; - Paraná (PR): 31,8 milhões de toneladas; - Minas Gerais (MG): 28,9 milhões de toneladas; - Alagoas (AL): 22,8 milhões de toneladas; - Goiás (GO): 16,3 milhões de toneladas. 5

6 Uso da Terra no Brasil TERRITÓRIO NACIONAL: 8,51 MILHÕES DE KM² Em milhões de hectares FLORESTA AMAZONICA PASTAGENS ÁREAS DE PROTEÇÃO CULTURAS ANUAIS CULTURAS PERMANENTES CIDADES, LAGOS, RODOVIAS E PÂNTANOS FLORESTAS CULTIVADAS OUTROS USOS ÁREAS FÉRTEIS E VIRGENS DA FRONTEIRA AGRÍCOLA 90 TOTAL 851 Embora conte com uma atividade agrícola bastante intensa, o Brasil ainda dispõe de muita terra agricultável disponível, sem prejudicar as florestas e áreas de preservação. Para se ter uma idéia do potencial brasileiro, com apenas 5% da área disponível para agricultura, seria possível, praticamente, dobrar a produção de cana-de-açúcar em todo o país. 6

7 PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR, AÇÚCAR E ÁLCOOL BRASIL PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR, AÇÚCAR E ÁLCOOL - BRASIL SAFRA ÁLCOOL ÁLCOOL ÁLCOOL AÇÚCAR CANA-DE- ANIDRO HIDRATADO TOTAL AÇÚCAR ( Milhões m ³ ) ( Milhões m ³ ) ( Milhões m ³ ) (Milhões ton. ) (Milhões ton. ) 94/95 2,87 9,89 12,77 11,70 240,87 95/96 3,06 9,66 12,72 12,65 249,88 96/97 4,63 9,80 14,43 13,63 289,53 97/98 5,70 9,73 15,42 14,85 302,19 98/99 5,69 8,24 13,93 17,96 315,64 99/00 6,14 6,94 13,08 19,38 310,12 00/01 5,58 4,93 10,52 16,02 254,92 01/02 6,48 4,99 11,47 18,99 292,34 02/03 7,01 5,48 12,49 22,38 316,12 03/04 8,79 5,87 14,66 24,96 357,30 04/05 8,16 7,04 15,20 26,63 381,40 05/06 7,66 8,14 15,80 26,21 382,40 06/07* 8,19 9,64 17,83 30,39 424,42 FONTE: DCAA/SPAE/MAPA *Até 01/03/07 CANA-DE-AÇÚCAR MOÍDA - em milhões de toneladas /95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07* PRODUÇÃO BRASILEIRA ÁLCOOL - em bilhões de litros /95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07* PRODUÇÃO BRASILEIRA DE AÇÚCAR - em milhões de toneladas 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07* Num período de 10 safras a produção do setor sucroalcooleiro apresentou um crescimento significativo. Aumento da produção nas últimas 10 safras: - Cana-de-açúcar: 40%; - Álcool: 16%; - Açúcar: 105%. 7

8 PANORAMA DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL CANA DE AÇÚCAR (milhões de ton) VARIAÇÃO ENTRES PRODUÇÃO SAFRA 2005/06 SAFRA 2006/07¹ SAFRAS Quant % Produção Total 382,4 424,4 42,02 11,0% Destinada ao Açúcar 189,2 212,7 23,53 12,4% Destinada ao Álcool 193,2 211,7 18,48 9,6% Produção Total 26,20 30,4 4,19 16,0% AÇÚCAR (milhões de ton) Consumo Doméstico 10,20 10,50 0,30 2,9% Exportação (ano-safra) 17,25 19,00 1,75 10,1% Estoque de passagem² 2,25 0,89-1,36-60,4% Produção Total 15,80 17,83 2,03 12,8% ÀLCOOL (bilhões de litros) Fonte: SPAE/MAPA ¹ Dados de 01/03/07 ² Considera o estoque remanescente da safra anterior Consumo Doméstico 13,50 14,10 0,60 4,4% Exportação (ano-safra) 2,50 3,50 1,00 40,0% Estoque de passagem² 0,80 0,23-0,57-71,3% Seguindo o padrão da safra anterior, a safra 2006/07 apresentou uma destinação de canade-açúcar equilibrada, sendo que cada um dos produtos finais recebeu praticamente metade da matéria-prima disponível. O consumo de álcool no mercado interno apresentou um crescimento de 5% em virtude, principalmente, do aumento da participação dos veículos bicombustível no mercado. No caso do álcool, as exportações que estavam foram de 2,5 bilhões de litros na safra passada, devem fechar o período de safra atual próximas de 3,5 bilhões de litros. 8

9 PANORAMA DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL - ÁLCOOL ANO - SAFRA 2000/ / / / / / /07* PRODUÇÃO DE CANA PARA TODOS OS USOS (em mihões de ton) (1) 326,1 344,3 363,7 389,9 416,6 421,8 489,9 ÁREA PLANTADA (em mihões de ha) (1) 4,9 5,0 5,1 5,5 5,7 5,9 6,20 CANA DESTINADA A FABRICAÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL (em milhões de ton) (2) 254,9 292,3 316,1 357,3 381,4 382,4 424,4 CANA DESTINADA À PRODUÇÃO DE ÁLCOOL (em milhões de ton) (2) 134,3 147,9 153,7 178,3 187,6 193,2 211,7 PRODUÇÃO DE ÁLCOOL (em milhões de m³) (2) 10,5 11,5 12,5 14,7 15,2 15,8 17,83 PRODUÇÃO DE ÁLCOOL POR TONELADA DE CANA (em litros) 78,3 77,5 81,2 82,2 80,8 81,7 84,2 PRODUÇÃO DE ÁLCOOL POR HECTARE ( em mil litros) 5,2 5,3 5,8 5,8 5,9 5,4 5,8 Fonte: (1) Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE - (2) Secretaria de Produção e Agroenergia/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento * Até 01/03/07 As características naturais do Brasil permitem uma produtividade muito boa na fabricação de álcool de cana-de-açúcar: litros de álcool por hectare de cana-de-açúcar, na média nacional, aproximadamente. Isto significa que temos possibilidade de expandir nossa produção de álcool de forma rápida. Por exemplo, com hectares de cana-de-açúcar (ou 6% da área de cana atual dedicada à fabricação de álcool) conseguimos produzir um 1 bilhão de litros daquele combustível. Cabe destacar que dependendo da região onde se produz a cana-de-açúcar, o nível de produtividade varia, na Região Centro-sul (onde está ocorrendo a expansão canavieira) é possível produzir até litros de álcool por hectare de cana-de-açúcar. 9

10 PANORAMA DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL - AÇÚCAR ANO - SAFRA 2000/ / / / / / /07* PRODUÇÃO DE CANA PARA TODOS OS USOS (em mihões de ton) (1) 326,1 344,3 363,7 389,9 416,6 421,8 489,9 ÁREA PLANTADA (em mihões de ha) (1) 4,88 5,02 5,10 5,50 5,69 5,87 6,20 CANA DESTINADA A FABRICAÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL (em milhões de ton) (2) 254,9 292,3 316,1 357,3 381,4 382,4 424,4 CANA DESTINADA À PRODUÇÃO DE AÇÚCAR (em milhões de ton) (2) 120,6 144,4 162,4 179,0 193,7 189,2 212,7 PRODUÇÃO DE AÇÚCAR (em milhões de ton) (2) PRODUÇÃO DE AÇÚCAR POR TONELADA DE CANA (em quilos) 16,02 18,99 22,38 24,96 26,63 26,21 30,40 132,8 131,5 137,8 139,4 137,5 138,5 142,9 PRODUÇÃO DE AÇÚCAR POR HECTARE ( em ton) Fonte: (1) Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE - (2) Secretaria de Produção e Agroenergia/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento * Até 01/03/07 8,88 9,02 9,83 9,89 10,10 9,00 9,80 Assim como no caso do álcool, a produção de açúcar no Brasil pode ser aumentada de forma rápida: a cada hectares de cana-de-açúcar (ou 3% da área de cana-de-açúcar atualmente dedicada à fabricação de açúcar) pode-se produzir 1 milhão de toneladas de açúcar. 10

11 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÁLCOOL ANOS US$ F.O.B. (milhões) LITRO (bilhões) Média US$/m³ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,20 Fonte: Secex (Sistema Alice) Exportações Brasileiras de Álcool Etílico Bilhões de litros 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0, Preço Médio das Exportações Brasileiras de Álcool Etílico US$ FOB/m³ As exportações de álcool que estavam em torno de 700 milhões de litros nos anos recentes, passaram para 2,5 bilhões de litros em 2005 e 3,5 bilhões de litros em A crescente demanda dos EUA fez com que muito álcool fosse exportado para este país, mesmo pagando as altas tarifas de importação impostas pelo governo americano. Desta forma, os EUA foram o principal destino do álcool brasileiro. Tradicionalmente, o álcool exportado pelo Brasil é para fins industrias, mas estima-se que metade do álcool exportado nas duas safras passadas foi para fim combustível. Os principais importadores de álcool brasileiro em 2006: - EUA: 1,767 bilhões de litros; - Países Baixos: 346 milhões de litros; - Japão: 225 milhões de litros; - Suécia: 201 milhões de litros; - El Salvador: 181 milhões de litros. 11

12 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE AÇÚCAR ANOS US$ F.O.B.(Milhões) Toneladas (Milhões) Preço Médio (US$) ,4 277, ,4 232, ,1 157, ,5 184, ,2 203, ,3 156, ,9 165, ,8 167, ,1 215, ,9 326,76 Fonte: Secex (Sistema Alice) Exportações Brasileiras de Açúcar Milhões de Toneladas Preço Médio das Exportações Brasileiras de Açúcar US$ / Ton Em 10 anos o Brasil passou de pouco mais de 3 milhões de toneladas de açúcar exportado para 18 milhões. A competitividade do nosso açúcar faz com que sejamos lideres no mercado internacional com cerca de 40% de participação. A reforma do Regime Açucareiro da União Européia indica que haverá espaço para o Brasil ampliar ainda mais sua participação neste mercado. 12

13 A Experiência Brasileira Veículos Movidos a Etanol º Veículo comercial movido a etanol 1979 Frota atual: quase 22 milhões de veículos movidos a Etanol e Gasohol + veículos flex + veículos de 2 rodas movidos a Gasohol % de Etanol no Gasohol 1977: 4,5% 1979: 15% 1981: 20% 1985: 22% 1998: 24% 2001: 20/24% 2002: 24% 2003: 20/25% 2004: 25% 2005: 25% 2006: 20%/23% O Brasil tem vasta experiência na produção e uso do álcool como combustível. As primeiras experiências de mistura álcool/gasolina são do início do século passado. As crises internacionais do petróleo levaram o Brasil a investir no álcool como alternativa à gasolina e em 1975 foi lançado o Programa Nacional do Álcool Proálcool. Em 1979 o Brasil lançava o 1º veículo comercial movido exclusivamente a álcool e em meados da década de 1980 quase 100% dos veículos novos comercializados no país eram movidos a álcool. Hoje, pode-se dizer que existem dois programas de uso de álcool no Brasil: - Programa do álcool anidro que é utilizado na mistura com a gasolina, atualmente num percentual de 20% (o nível de mistura pode variar entre 20% e 25%, de acordo com decisão governamental); - Programa do álcool hidratado que é usado na frota de carros a álcool e, a partir de março de 2003, nos veículos do tipo bicombustível. 13

14 Como adaptar veículos ao uso do etanol? Nenhuma modificação necessária Modificação possivelmente necessária Parte do motor Percentual de mistura Carburador Injeção de combustível Bomba de combustível Dispositivo de pressão do combustível Filtro de combustível Sistema de ignição Sistema evaporativo Tanque de combustível Conversor catalítico Motor básico Óleo do motor Sistema de alimentação Sistema de exaustão Sistema de partida a frio < 5% 5% - 10% 10% - 25% 25% - 85% Fonte:ANFAVEA O uso eficiente do etanol como combustível deve levar em consideração o parque automotivo no qual ele será usado. Nos últimos 30 anos, a indústria automotiva brasileira aprendeu os aspectos técnicos fundamentais e ganhou experiência na fabricação de veículos movidos a álcool. 14

15 ÁLCOOL COMBUSTÍVEL NO BRASIL CONSUMO TOTAL: ~ barris/dia de gasolina equivalente (~ postos de abastecimento) ~ 40% do total consumido por veículos com ignição por centelha (Veículos do Ciclo Otto) Economia na balança de pagamentos: US$ 69 bilhões de 1976 até 2005 Frota estimada que usa etanol no Brasil: -15,5 milhões de veículos gasohol (gasolina+álcool anidro) -2,2 milhões de veículos a álcool hidratado -2,8 milhão de veículo Flex Fuel -3,5 milhões de motocicletas (gasolina+álcool anidro) Aproximadamente 45% da matriz energética do Brasil é de fonte renovável e a cana-deaçúcar participa com 14% deste valor. Do total de álcool produzido hoje no mundo, o Brasil é responsável por uma parcela de 34%, os EUA também produzem cerca de 34% do total mundial e a China cerca de 8%. A preocupação de diversos países com a redução no uso de combustíveis fósseis, principalmente no âmbito do Protocolo de Quioto, leva a crer que no futuro próximo o álcool se torne uma commodity internacional, sendo que o Brasil deverá ser um dos grandes fornecedores deste produto no mercado internacional. 15

16 CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS NO SETOR DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Consumo de Combustíveis Líquidos - Transporte Rodoviário - Bilhões de litros Álcool Gasolina Diesel No Brasil, o sistema de transporte predominante, tanto para cargas quanto para passageiros, é o rodoviário e, portanto, o país consume um volume significativo de diesel. O consumo total de combustíveis líquidos para transporte rodoviário em 2005 foi de 62 bilhões de litros, aproximadamente. 16

17 NOVAS TECNOLOGIAS Motor Flex-Fuel: permite o uso de gasolina ou álcool em qualquer concentração desses combustíveis Fabricantes atuais: VW,GM, Ford, Fiat, Renault, Peugeot, Citroen e Honda Vendas de veículos Flex-Fuel : : unidades : unidades : unidades : unidades Futuro: motor Flex-Fuel com três combustíveis: gasolina, álcool e gás natural. Fonte: ANFAVEA A partir de março de 2003, veículos do tipo bicombustível passaram a ser comercializados no país. Em 2006, tais veículos já representaram, aproximadamente, 80% do total de vendas de carros novos no Brasil. Projeções do setor apontam que em 1 ou 2 anos tais veículos deverão representar cerca de 90% das vendas de veículos novos no país. Tais veículos deixam a escolha do tipo de combustível a ser usado nas mãos dos condutores. Do ponto de vista econômico, quando o preço do álcool é de até 70% do preço da gasolina, aquele combustível é mais vantajoso para o consumidor, levando em consideração a diferença de rendimento dos dois combustíveis. 17

18 O Cerrado ocupa, aproximadamente, 204 milhões de hectares, ou 22% do território nacional e está presente em 13 estados brasileiros. Atualmente, cerca de 50 milhões de toneladas de cana-de-açúcar são produzidas em regiões de Cerrado, ocupando hectares, aproximadamente, nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais (Triângulo Mineiro). A expansão canavieira no Brasil deverá ocupar áreas de Cerrado de acordo com o potencial apontado na ilustração acima e substituir outras culturas (pecuária e laranja) no estado de São Paulo. 18

19 EXPANSÃO DO SETOR: PROJETOS SITUAÇÃO ESTADOS TOTAL REÍNICIO DE ATIVIDADE EM MONTAGEM PROJETO INTENÇÃO REGIÃO NORTE-NORDESTE Acre Para Alagoas Ceara Pernambuco Sergipe REGIÃO CENTRO-SUL Goiás Minas Gerais Mato Grosso do Sul Mato Grosso Paraná Rio de Janeiro Rio Grande do Sul São Paulo Espírito Santo BRASIL Embora o Cerrado seja uma área promissora para a cana-de-açúcar, no curto prazo ainda há uma fronteira agrícola a ser aproveitada na região Oeste do estado de São Paulo e em outras regiões nos estados de Minas Gerais e Goiás, de acordo com a lista de investimentos para os próximos anos mostrada acima. 19

20 Modernização da agricultura no Brasil O ambiente Macroeconômico que surgiu no Brasil no início da década de 90 deu condições para que a agricultura passasse por um processo de transformação que a tornou mais dinâmica e competitiva. Para se ter uma idéia desta transformação, em 13 anos a produção de fibras e grãos aumentou 75% e a produtividade 42%, sendo que as áreas cultivadas aumentaram somente 13,6%. Dessa forma, o agronegócio já representa praticamente 40% do PIB brasileiro. Deve-se ressaltar que essa expansão ocorreu predominantemente na Região Centro-oeste, sem ocupar áreas da floresta amazônica. 20

21 PARA MAIS INFORMAÇÕES: 21

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: H

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 89 Junho/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia Anuário Estatístico da Agroenergia Brasília/DF 2009 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

SUBVENÇÃO À PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL: MEDIDA TEMPORÁRIA OU DEFINITIVA PARA A BAIXA PRODUTIVIDADE REGIONAL?

SUBVENÇÃO À PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL: MEDIDA TEMPORÁRIA OU DEFINITIVA PARA A BAIXA PRODUTIVIDADE REGIONAL? SUBVENÇÃO À PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL: MEDIDA TEMPORÁRIA OU DEFINITIVA PARA A BAIXA PRODUTIVIDADE REGIONAL? Gesmar Rosa dos Santos* Valquíria Cardoso Caldeira** 1 INTRODUÇÃO A ajuda estatal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Perfil da Produção Bovina no Brasil BRASIL NO MERCADO MUNDIAL, 2008 % MUNDIAL REBANHO CABEÇAS ABATE ANUAL PRODUÇÃO ANUAL EXPORTAÇÕES CONSUMO

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS PLANTAS OLEAGINOSAS POTENCIAIS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL Prof. Dr. Gil Miguel de Sousa Câmara USP / ESALQ - LPV Florianópolis - SC Novembro / 2007 O POR QUÊ

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 92 Setembro/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de:

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: VII -... programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Seminário Estadual Álcool, Leite e Cachaça Produção Integrada e Sustentável Belo Horizonte, 29 de novembro de 2011 Crescimento Consumo Aparente Combustíveis

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões. Allan Kardec Duailibe Diretor

Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões. Allan Kardec Duailibe Diretor Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões Allan Kardec Duailibe Diretor Apostar nos BIOcombustíveis! Apostar no conceito BIcombustível Matriz múltipla O Brasil

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA MMA CC/MDA/MME Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnma.embrapa.br

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

BIODIESEL PARA O CIB

BIODIESEL PARA O CIB BIODIESEL PARA O CIB Roteiro Explicativo de Slides em Power Point Gil Miguel de Sousa Câmara 1 Slide 1 Abertura Slide 2 Famosa frase proferida por Rudolph Diesel em 1912. Slide 3 Razões que justificam

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Políticas Governamentais para Biocombustíveis

Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ricardo B. Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR,

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, 30/09/13 UM NOVO E COMPLEXO MUNDO PROCESSO GLOBAL COM INTENSA

Leia mais

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi Máquinas para plástico Romi Unidades fabris da ROMI em Santa Bárbara d Oeste - SP INOVAÇÃO + QUALIDADE ROMI: Desde 1930 produzindo tecnologia. Desde a sua fundação, a companhia é reconhecida pelo foco

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS APRESENTAÇÃO

BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS APRESENTAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 96 Março/2016 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS SUMÁRIO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 Disciplinar a expansão da produção de cacau no Brasil e ofertar instrumentos

Leia mais

PANORAMA, OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA O MERCADO MUNDIAL DE ÁLCOOL AUTOMOTIVO. Raquel Rodrigues de Souza

PANORAMA, OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA O MERCADO MUNDIAL DE ÁLCOOL AUTOMOTIVO. Raquel Rodrigues de Souza PANORAMA, OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA O MERCADO MUNDIAL DE ÁLCOOL AUTOMOTIVO Raquel Rodrigues de Souza DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2014 APRESENTAÇÃO Pelo terceiro ano consecutivo, o CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e a ABCEM Associação Brasileira da Construção

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009.

DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009. DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar e determina ao Conselho Monetário Nacional o estabelecimento de normas para as operações de financiamento

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais